Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Declaración del Gobierno Revolucionario de Cuba

Declaración del Gobierno Revolucionario de Cuba
O Governo Revolucionário da República de Cuba rechaça energicamente o golpe de Estado parlamentar-judicial que foi consumado contra a presidenta Dilma Rousseff.
O afastamento do governo da Presidenta, sem que se apresente nenhuma evidência de corrupção nem de crimes de responsabilidade, e com ela do Partido dos Trabalhadores (PT) e outras forças políticas de esquerda aliadas, constituem um ato de desacato à vontade soberana do povo que a elegeu.
Durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff se impulsionou um modelo econômico-social que permitiu ao Brasil dar um salto em seu crescimento produtivo com inclusão social, a defesa de seus recursos naturais, a geração de emprego, o combate a pobreza, a saída da miséria de mais de 35 milhões de brasileiros que viviam em condições inumanas, e a elevação dos rendimentos de outros 40 milhões, a ampliação das oportunidade na educação e na saúde do povo, incluídos os setores até então marginalizados.
Neste período, o Brasil tem sido uma ativo impulsionador da integração latino-americana e caribenha. A derrota do Acordo de Livre Comércio para as Américas (Alca), a convocatória da Cúpula da América Latina e do Caribe sobre Integração e Desenvolvimento (CALC) que levou a posterior criação da Celac, e à constituição da Unasul, são acontecimentos transcendentes na história mais recente da região que demonstram o protagonismo deste país.
Assim também foi com sua aproximação das nações do Terceiro Mundo, em especial da África, sua ativa participação no Grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e seu desempenho no marco da Organização das Nações Unidas, na Organização das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura (FAO) e a Organização Mundial de Comércio, entre outras, e constituem um reconhecimento da sua liderança internacional.
Merece elogio também a postura brasileira, sob os governos do PT, em temas cruciais da situação internacional em defesa da paz, do desenvolvimento, do meio ambiente e dos programas contra a fome.
São amplamente conhecidos os esforços de Lula e Dilma por reformar o sistema político e ordenar o financiamento dos partidos e suas campanhas, assim como o apoio às investigações contra a corrupção que foram abertas e a independência das instituições encarregadas delas.
As forças que agora exercem o poder anunciaram medidas privatizadoras sobre as reservas petrolíferas em águas profundas e cortes no programas sociais. Igualmente anunciam uma política exterior que privilegia as relações com os grandes centros de poder internacional. Não poucos daqueles que julgam a Presidenta estão sob investigação por corrupção.
O ocorrido no Brasil é outra expressão da ofensiva do imperialismo e da oligarquia contra os governos revolucionários e progressistas da América Latina e do Caribe, que ameaça a paz e a estabilidade das nações, contrariando o espírito e o texto da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, firmado na 2ª Cúpula da Celac, em janeiro de 2014, em Havana, pelos chefes de Estado e de Governo da região.
Cuba ratifica sua solidariedade com a presidenta Dilma e o companheiro Lula, com o Partido dos Trabalhadores e expressa sua confiança em que o povo brasileiro defenderá as conquistas sociais alcançadas, se oporá com determinação as políticas neoliberais que intentam impor e ao saque de seus recursos naturais.
Havana, 31 de agosto de 2016
Governo de Cuba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário