Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Juiz Moro e a ANALISE DO SEU CONTRA CHEQUE

via Marluzio Dantas:


Francisco Costa II para FORA PSDB DE SAO PAULO
20 h
ANALISANDO O CONTRA CHEQUE DE UM JUSTICEIRO
Abaixo do texto, uma cópia do contracheque (holerite ou recibo de pagamento, em alguns estados) de Sergio Fernando Moro, um juiz federal de PRIMEIRA INSTÂNCIA, a mais baixa na carreira dos juízes.
Não existe um piso salarial para juízes, mas normalmente começam com dez ou doze mil reais, na primeira instância, chegando a vinte.
Mas, Fernandinho Moro... Setenta e sete mil quatrocentos e vinte e três reais e sessenta e seis centavos.
Vamos examinar como o justiceiro de Curitiba chegou a isso.
O seu subsídio, pomposo nome para salário pago pelo povo, é de R$ 28 947,55, só menos cinco mil que os ministros do STF.
Depois, na rubrica indenizações, possivelmente devidas por ações impetradas pelo próprio Moro, advogando em causa própria, aparece mais R$ 5 176,73, acrescidos ao salário.
Depois, na rubrica vantagens eventuais, penduricalhos tipo auxílio educação, auxílio disso e daquilo, mas demandas de ações do próprio Moro, sempre advogando em causa própria, aparece o valor de R$ 43 299,38, também acrescidos ao salário.
Para receber o que Moro recebe em um mês (R$ 77 423, 66), um trabalhador que receba um salário mínimo por mês tem que trabalhar aproximadamente sete anos e meio.
Agora vamos aos descontos, tão generosos quanto os proventos, com a grande mutreta ficando na rubrica Retenção por Teto Constitucional, e o que é isso?
Segundo a CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, a nossa Constituição, NENHUM SERVIDOR PÚBLICO PODE GANHAR MAIS, DO PODER PUBLICO, QUE O TETO CONSTITUCIONAL, O SUBSÍDIO DE UM MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL – STF.
Traduzindo: nenhum funcionário público brasileiro, isto é, pago pelo povo, pode ganhar mais que um Ministro do Supremo, dos cofres públicos (pode ganhar mais, mas não do governo, com aulas, palestras, publicações... Além do salário, claro).
Ora, Sérgio Fernando Moro ganha R$ 77 423,66(nunca é demais repetir), enquanto o salário de um Ministro do STF é de R$ 33 723,00, o TETO CONSTITUCIONAL, o que quer dizer que nos descontos, na rubrica Retenção por Teto Constitucional, onde não aparece desconto nenhum, deveria aparecer o valor de R$ 43 700,60, diferença entre o que ele ganha e o Teto Constitucional.
Entendeu? O juiz de primeira instância se apropria, indevidamente, do trabalhador brasileiro, de R$ 43 700,60, todo mês.
Mas esta é a renda dele, não a familiar, já que sua mulher é advogada do PSDB e procuradora da Shell, a maior concorrente da Petrobras, interessadíssima na inviabilização da nossa estatal, como está acontecendo na Lava Jato.
Desconfiado de que é mais que procuradora, mas espiã e ponte entre a Shell e o seu marido, o PT pediu a quebra do seu(dela) sigilo bancário e fiscal.
Através do tráfico de influências de Moro, Gilmar Mendes negou.

Francisco Costa
Rio, 04/01/2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário