Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 7 de novembro de 2015

Mulheres contra cunha - Vitória ES Fotos

Ato 'Mulheres Contra Cunha' em Vitória grita por legalização do aborto e respeito à mulher


07/11/2015às 03:07
 






Um ato com presença feminina quase absoluta, alguns homens, crianças e até bebês de colos. Houve quem levasse a bicicleta e quem preferiu ter as mãos desocupadas para levantar cartazes que estampavam frases como "nós que parimos, nós que decidimos"; ou ainda "nem do governo, nem do estuprador, o útero é meu!", entre tantos outros que pediam pela legalização do aborto; pela saída do presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e pela queda do Projeto de Lei 5069/13, que tira de mulheres vítimas de violência o direito de ter acesso a medicamentos que previnem a gestação ou que a interrompam, caso se consolide. 
 
Os pedidos das mulheres no trajeto - que saiu da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Goiabeiras, até Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), na Enseada do Suá - eram por respeito pelo corpo feminino. A liberdade sexual também foi pauta constante nos cantos que faziam questão de incluir os direitos de lésbicas, bissexuais e transexuais; além, claro, de intensa cantoria que alertava "se cuida seu machista, a América Latina vai ser toda feminista". 
 
Foram representantes de fóruns e o Coletivo Rua que guiaram a massa de mulheres no trajeto, orientando a não ocupar todas as vias e prezando pela organização nas decisões que envolviam as manifestantes -  numa dessas, os grandes grupos de imprensa foram convidados a se retirar da manifestação e nenhuma das representantes do ato aceitaram conceder entrevistas, pedindo a democratização da mídia. 
 






Ao sair de Jardim da Penha e adentrar na avenida DanteMichelini, uma ação e intervenções foram feitas em respeito ao caso Araceli -  em que a menina de 8 anos, AraceliCabrera Crespo, foi brutalmente violentada e assassinada por membros da família Michelini. Ao chegar próximo ao local onde era o antigo Bar Franciscano, pertencente á família Michelini, as manifestantes sentaram-se na rua e lembraram que foi ali que Araceli ficou em cárcere por dois dias sendo violentada. Adesivos com o nome 'Avenida Araceli C.' foram colados em placas e um minuto de silêncio foi feito, seguido de gritos que afirmavam " Araceli presente, agora e sempre". 
 
Antes de seguir, o Fórum Araceli fez uma intervenção para convidar todos ao acompanhamento de suas atividades. "Aqui está representado um pequeno grupo doFórum Araceli. Este Fórum é um espaço de luta, de guerra contra a opressão, contra as nossas crianças, as nossas adolescentes que estão sendo violentadas por causa do machismo, da misoginia e do ódio contra todas as mulheres. O Fórum Araceli é municipal e de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes. Este Fórum se reúne todo o mês, na primeira quarta-feira. Esperamos que todas e todos se juntem a esta luta. Machistas não passarão". 
 
O único momentào de inquietação na manifestação foi quando cerca de três rapazes adentraram no ato para provocar mulheres - e foram retirados a gritos e garrafadas de água. Ao chegar no fim do trajeto, a Assembleia Legislativa, o grupo se reuniu para realização de jogral e o chamamento para reunião que vai decidir sobre o segundo ato deMulheres Contra Cunha, com data e local ainda a serem definidos. Um faixa imponente escrita "Fora Cunha" foi amarrada entre a porta e as escadarias da Assembleia, enquanto manifestantes intervieram em muros e paredes escrevendo as palavras de ordem da manifestação que, pelo jeito, não acaba por aí. 
http://seculodiario.com.br/25736/12/ato-mulheres-contra-cunha-em-vitoria-grita-por-legalizacao-do-aborto-e-respeito-a-mulher

Um comentário:

  1. E o Renan? E o Lula? E a Dilma? Ah... A hipocrisia da esquerda...

    ResponderExcluir