Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Camarada Carina Vitral, a nova presidenta da UNE

Carina Vitral, a nova presidente da UNE. O que ela quer?

Renato Dias, Da editoria de Política&Justiça



  • Ela deixa a presidência da UEE-SP e assume a entidade nacional
  • Nascida em Santos, comunista acredita na construção do socialismo
  • Estudante de Economia condena o “ajuste fiscal liberal” de Levy
  • Líder estudantil prepara marcha contra cortes e redução da maioridade
Bela, rebelde e de esquerda. Assim é a nova presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, 26 anos de idade. Nascida em Santos, a terra onde brilharam Pelé, Robinho e Neymar, ela faz, hoje, o curso de Economia, na Pontifícia Universidade Católica do Estado de São Paulo (PUC-SP). De linhagem materialista e dialética, é uma das “papisas” da União da Juventude Socialista (UJS), o braço estudantil do PCdoB. Uma porta-voz com estilo do movimento, hegemônico no Congresso realizado em Goiânia, Goiás, “Abre-Alas”.
Ex-presidente da União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE-SP), cargo ocupado pelo ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu de Oliveira e Silva, a dirigente informa, com exclusividade ao Diário da Manhã, que existem, hoje, na prática, três grandes blocos no movimento estudantil universitário. O principal é o que mobiliza os enragés da UJS, PT (Partido dos Trabalhadores) e suas facções rivais, PDT e PSB. O segundo é a oposição de esquerda, hegemonizada pelo PSol (Partido Socialismo e Liberdade), de Luciana Genro (RS).
– O terceiro é o Levante Popular da Juventude.
 carina3
ANEL
Não custa lembrar: o barulhento Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado, sigla vinculada internacionalmente à Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT), de orientação Leninista e Trotskista – adeptos da ideias do russo Vladimir Ilich Ulianov, Lênin, morto em janeiro de 1924, e de Liev Davidovich Bronstein, Leon Trotsky, assassinado pelo agente stalinista da 3ª Internacional Ramón Mercader – não participa mais dos fóruns da UNE. Eles criaram a Associação Nacional dos Estudantes Livres, também chamada de Anel.
– O centro da tática da UNE, hoje, é propor uma nova agenda de direitos para a Juventude!
Carina Vitral defende reformas estruturantes para o Brasil, um país de dimensão continental. A líder estudantil propõe uma reforma política que inclua o fim do financiamento empresarial de campanhas eleitorais, além do sistema de eleição proporcional em dois turnos, assim como a paridade de gênero entre os postulantes a cargos públicos e o estabelecimento de mecanismos de democracia direta. A militante comunista insiste nas propostas de referendos e plebiscitos. Registro: como os que ocorrem na Venezuela, Bolívia, Equador e Nicarágua.
– Democracia direta!

Ajuste fiscal
A nova presidente da entidade torce o nariz para o ajuste fiscal, pacote liberal de enxugamento anunciado pelo ministro da Fazenda, o liberal, da Escola de Chicago, Estados Unidos (EUA), Joaquim Levy, um homem oriundo do mercado financeiro. “Diante da crise econômica mundial cortar os gastos públicos me parece uma medida na contramão da possibilidade de retomada do crescimento e o desenvolvimento econômico sustentável”, observa. Segundo ela, o mais grave é o corte de verbas destinados à área da Educação no País.
– Um corte de R$ 9 bilhões.
A UNE quer a destinação de 10% do Produto Interno Bruto {PIB, soma de todas as riquezas produzidas no País] para a Educação, além dos recursos do Pré-Sal. Para conseguir aprovar as suas propostas, Carina Vitral, com um belo sorriso emoldurado no rosto plasticamente irretocável, pretende promover uma caravana estudantil até Brasília, a Capital da República, para protestar contra o corte de verbas à Educação, exorcizar a proposta de redução da maioridade penal e denunciar a contrarreforma de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o todo-poderoso presidente da Câmara dos Deputados e desafeto do Palácio do Planalto.
A estudante vermelha não quer deixar o passado de violações de direitos humanos ocorridos à época da ditadura civil e militar (1964-1985) apagar-se na poeira do tempo. Ela cobra a revisão ou uma nova interpretação da Lei de Anistia, de 28 de agosto de 1979. É necessário punir os agentes do Estado responsáveis por prisões ilegais, sessões de torturas, assassinatos e desaparecimentos forçados, como o do ex-presidente da União Nacional dos Estudantes Honestino Monteiro Guimarães, goiano nascido em Itaberaí e que desapareceu em 1973.
– Para que nunca mais se repita!

Passe livre
Com as conquistas do Movimento Passe Livre, em São Paulo, que obteve a gratuidade do transporte coletivo para estudantes de escolas públicas e universitários de baixa renda, Carina Vitral promete desenvolver uma luta em escala nacional para universalizar os direitos. A dirigente estudantil anuncia a inauguração da nova sede da UNE, localizada no Rio de Janeiro, para o ano de 2016. A data não está definida. Recursos públicos foram utilizados na obra, cujo prédio, onde funcionava a sede, foi destruído durante os anos de chumbo do regime civil e militar.
– O socialismo é uma possibilidade histórica real.

Karl Marx
A acadêmica de Economia da PUC-SP diz ser adepta das ideias do revolucionário barbudo do século XIX Karl Marx, alemão financiado nos seus estudos pelo industrial socialista F. Engels. A sua análise do capitalismo, o conceito de luta de classes, a noção de Estado continuam atuais, dispara a ‘enfant terrible’. É preciso edificarmos uma sociedade mais justa e igualitária, afirma. Para isso, é importante o desenvolvimento de um projeto nacional para acumularmos forças em direção ao socialismo no Brasil e em toda a América Latina, discursa Carina Vitral.

7.000 É o número de delegados eleitos ao Congresso da UNE, de Goiânia.
SAIBA MAIS
O que ela defende
carina2
  • 10% do PIB para a Educação
  • Recursos do pré-sal para o setor
  • Universalização do Passe Livre
  • Contra cortes de R$ 9 bi à educação
  • Punição dos torturadores da ditadura civil e militar
  • Reparação às vítimas do regime civil e militar
  • Reforma política que inclua o fim do financiamento empresarial de campanhas eleitorais
  • Sistema de eleição proporcional em dois turnos
  • Paridade de gênero entre os postulantes a cargos públicos
  • Estabelecimento de mecanismos de democracia direta
  • Plebiscitos e referendos
  • Projeto nacional de desenvolvimento para acumulação de forças
  • Ideias de Karl Marx
  • Socialismo
“A nova sede da UNE, localizada no Rio de Janeiro, deve ser inaugurada em 2016”

“O socialismo é uma possibilidade histórica real”

“É importante o desenvolvimento de um projeto nacional para acumularmos forças em direção ao socialismo no Brasil”

“Uma reforma política que inclua o fim do financiamento empresarial de campanhas eleitorais”

“É necessário punir os agentes do Estado responsáveis por prisões ilegais, sessões de torturas, assassinatos e desaparecimentos”
 Publicado originalmente em: http://www.dm.com.br/politica/2015/06/carina-vitral-nova-presidente-da-une-o-que-ela-quer.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário