Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 26 de maio de 2015

Uma reflexão sobre a lei do “Assédio Ideológico”.


Por 
Cesar Mangolin
Tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei de um deputado do PSDB que procura tipificar um novo crime: o assédio ideológico.
Segundo o projeto do deputado bicudo e obtuso, pegaria até cadeia aquele professor que ensinasse os estudantes a partir de doutrinas e não de ciência, ou ainda, o professor doutrinador e não aquele que apresenta, de maneira imparcial, todas as possibilidades de explicação e todas as correntes de pensamento, para que os estudantes pudessem, livremente, escolher como pensar.
Três observações apenas:
1.º -  É óbvio que sua excelência tucana chama de doutrinador qualquer professor marxista, ou o que ele entende por isso. Afinal estudar Marx dá muito trabalho. Conheço muita gente que se apresenta como marxista e faz apenas um belo discurso liberal. Muito mais ainda, gente que nunca leu uma página de Marx e fala com tom de entendedor que sua teoria está superada, ou que suas previsões não deram certo, como se Marx tivesse gasto tempo com previsões e fosse um vidente com bola de cristal e não um homem de ciência...
2.º - Com a experiência que já carrego no ensino superior, tenho certeza de que é impossível -- para qualquer professor, em qualquer disciplina -- passar de maneira adequada por uma corrente de pensamento apenas, sem vulgarizá-la, quanto mais percorrer todas elas... Todavia, ainda que isso fosse possível, o processo de construção do conhecimento não corresponde necessariamente ao ato de "passar" para estudantes todas ou algumas correntes de pensamento de um tema qualquer... Embora praticada largamente, a educação bancária (que "deposita" conhecimento pronto na cabeça de estudantes - como chamava Paulo  Freire) não é capaz de construir conhecimento algum, nem a praticada por professores revolucionários, nem a praticada por professores conservadores e por apologetas da ordem, que constituem largamente a maioria dessa infeliz categoria. Tampouco, estão, como regra, os estudantes realmente interessados em construírem conhecimento, mesmo na faculdade... Compelidos aos bancos do ensino superior pela necessidade de emprego e pelo aumento das exigências de certificação escolar por parte das empresas, os estudantes e professores portam-se, no geral, como pessoas que cumprem protocolos e esforçam-se em provas, para garantir que sua permanência por ali seja a mínima necessária. Chamei isso de exclusão prorrogada (conceito emprestado de Pierre Bourdieu) e o fenômeno de "sobrecertificação" num artigo de poucos anos atrás (quem quiser dar uma olhada, segue o link do artigo:  https://cesarmangolin.files.wordpress.com/2010/02/mangolin-sobrecertificac3a7c3a3o-e-expansc3a3o-o-ensino-superior-brasileiro-e-a-exclusc3a3o-prorrogada-de-pierre-bourdieu.pdf ).
3.º - A ilusão da imparcialidade pode levar a dois caminhos: o primeiro é o do dogmatismo próprio do positivismo, de que a ciência é verdadeira, neutra e imparcial; o segundo é o do relativismo teórico, próprio da moda "pós-moderna". No primeiro caso, o caminho é tratar a sociedade capitalista e o império da técnica como o último estágio do desenvolvimento das sociedades humanas que basta apenas aprimorar e colocar em ordem para ser perfeito; no segundo caso, temos a instauração do irracionalismo, pura e simplesmente. Presente já na "filosofia espontânea" do senso comum, derivado do individualismo próprio da sociedade burguesa, tratar a verdade subjetivamente, havendo como critério único o que cada um quer "achar", ou o "olhar" particular e individual, parece até avançado e modernoso para muita gente que tem preguiça de estudar. Nos dois casos, temos instrumentos poderosos para auxiliarem a reprodução da ordem burguesa: o primeiro, porque a afirma como única verdade e resultado de inexorável processo da evolução histórica; o segundo, porque torna impossível pensar a sociedade existente como estrutura, porque nega o conhecimento objetivo e impede pensar em transformações concretas de conjunto.
É, na humilde opinião deste que escreve, um conjunto de besteiras esse projeto de lei, próprio de tucano reacionário que pretende pegar carona na onda conservadora, que tem permitido que as pessoas coloquem para fora seus preconceitos e suas mesquinharias de maneira cada vez mais agressiva. Não acredito que o tal projeto se torne lei, mas assusta, sem dúvida, que apareça algo desse tipo.
Sou contra, evidentemente, uma loucura dessas, porque sei a quais interesses serve e quais seriam os penalizados.
Mas seria até curioso, se levássemos isso a sério, imaginar que estariam proibidos os que, de fato, doutrinam e vendem ilusões nas salas de aula. Tenho certeza absoluta de que os marxistas não formam a maioria dos professores. Antes fosse. Nosso quadro é formado por gente que, por sua vez, foi formada por professores que propagam ilusões sobre a sociedade burguesa. Ilusões mesmo, porque carecem de qualquer fundamento científico, ou do seu princípio básico, o postulado da objetividade. É inegável, para qualquer um que tenha gasto o tempo necessário para estudar (e não é pouco tempo...), que Marx foi o único pensador capaz de, a partir do postulado da objetividade, portanto, cientificamente, analisar e descrever o metabolismo e a anatomia do capitalismo, fazendo, ao mesmo tempo, a crítica das teorias econômicas que partiam de pressupostos falsos e ideológicos, como  o antropologismo idealista e o indivíduo. Não é por acaso que O Capital tem como subtítulo a "crítica da economia política", que não tem como objetivo construir outra versão da economia política, mas a de demonstrar suas falácias, seus equívocos e sua distância do que se pode considerar ciência...
Portanto, poderíamos imaginar, levando uma lei dessas a sério, que a maior parte dos professores estaria ferrada... Eles vendem ilusões nas salas de aula. Defendem que a sociedade na qual vivemos é um conjunto de relações individuais mercantis, vantajosas reciprocamente; afirmam que vivemos numa sociedade que permite a mobilidade social e possibilita a qualquer um ser o que quiser, dependendo apenas de sua vontade e de sua dedicação; defendem a meritocracia como princípio organizador das posições de indivíduos que vivem, objetivamente, em condições essencialmente desiguais; culpabilizam as vítimas excluídas do acesso aos gêneros necessários para manterem a vida; defendem um sistema que mata centenas de milhares todos os dias pela fome, pela violência urbana, pela guerra; fazem com que todos acreditem que tomar a vida como sendo apenas o trabalho é o caminho para a emancipação; convencem que a vida bovina e honesta é o ideal; fazem com que os trabalhadores se tornem egoístas e vejam seus pares como concorrentes, não como companheiros; fazem com que lutem por sua própria escravidão, como se lutassem pela liberdade; com que se rastejem sonhando com as alturas, satisfeitos por estarem no caminho correto, enquanto comem a poeira do chão...
É isso que fazem os professores, como regra. A educação formal sempre foi um poderoso instrumento de reprodução da ordem, não de sua transformação. Vai continuar assim, para a frustração de educadores bem intencionados que alimentam ilusões com sua ação. Os professores são os agentes diretos da exclusão conformada, não os que podem levar à libertação.
Nosso deputado bicudo deveria tomar cuidado com o que propõe: se levarmos a sério tal lei, as salas de aula terão de ser quase todas fechadas. Não porque os professores sejam todos marxistas, como diz gente histérica por aí. Mas, porque são, em sua maioria, doutrinadores e vendedores de ilusões acerca da ordem capitalista, formadores de carneiros, criadores de fantasias, ratificadores das nossas desgraças...



Comentários:

Que reflexão maravilhosa do César Mangolin!
Mais que desmascarar o idiota do parlamentar tucano
 (só poderia ser um, o mais
 servil do sistema que as próprias vítimas do nefasto capitalismo!),
 é o seu necessário esclarecimento sobre a pobreza e a alienação 
que graça em praticamente todas as instituições de ensino deste 
país (e da maioria dos demais do campo), em todos os graus, 
do pré-primário ao pós doutorado, infelizmente. 
Por isso mesmo, temos que nos congratular com os verdadeiros
 heróis que conseguem escapar dessas jaulas enfadonhas e dos 
círculos "acadêmicos" formados pelas elites subservientes aos 
ditames de sua ordem da ganância, esperteza, falsa moralidade
 e deformidade intelectual!
Paulo Freire foi (e continua sendo para quem realmente quer
 continuar a aprender de verdade) primoroso em suas observações 
sobre o tipo de educação vigente no mundo da economia de
 mercado apodrecido em que estamos atolados!
E, como diz a cultura popular: "um imbecil sempre encontra outro
 maior que ele, que o admira!" (logo veremos quantos deles darão
 seu voto favorável a tamanha excrescência parlamentar)
Saludos marxistas-leninistas!
Safrany

Nenhum comentário:

Postar um comentário