Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sexta-feira, 8 de maio de 2015

No picadeiro do toma-lá-dá-cá, aprovado o pacote

Publicado em 07/05/15 às 11h13

No picadeiro do toma-lá-dá-cá, aprovado o pacote


Se cobrir, vira circo; se cercar, vira hospício. A velha expressão popular nunca foi tão adequada para explicar o que aconteceu na noite de quarta-feira na Câmara, com o picadeiro do toma-lá-dá-cá armado durante a votação do pacote fiscal do governo, um festival de traições generalizadas, fisiologia explícita, agressões físicas e palhaçadas a cargo da "trupe de choque" uniformizada do deputado Paulinho da Força Sindical.
Só que ali ninguém rasga dinheiro. A moeda de troca _ a oficial, pelo menos _ são os cargos federais que estão sendo rateados pelo coordenador político do governo, o vice Michel Temer, na longa batalha pela aprovação da medida provisória 665, primeira parte do ajuste fiscal que muda a concessão de direitos trabalhistas e previdenciários.
Ao final, o governo venceu. Foi uma vitória sofrida, por um placar bastante apertado (252 a 227), mas pelo menos afastou-se o perigo iminente da ingovernabilidade, caso o pacote do ministro da Fazenda,  Joaquim Levy, fosse rejeitado.
O placar demonstrou não só a divisão do plenário da Câmara, mas também o clima de barata voa reinante nos partidos. Aliados votaram contra o governo ou se ausentaram, enquanto oposicionistas ferozes votaram a favor do pacote fiscal.
Para se ter uma ideia da zorra reinante na votação, vamos aos números.
Embora a bancada tenha fechado questão, nove deputados do PT, o partido da presidente,  não compareceram à sessão e um votou contra. No PMDB, o principal partido aliado, 13 deputados do total de 64 votaram contra o governo. Quer dizer, os dois principais partidos do governo, que passaram a semana se estranhando, quase empataram no número de traições.
O campeão foi o PDT do ministro do Trabalho, Manoel Dias, em que toda a bancada de 19 deputados votou contra a medida provisória. No PP, foram 18 traições, quase metade da bancada de 39 e, no PTB, exatamente a metade (12 dos 24).
Em compensação, 8 dos 22 deputados do DEM de Ronaldo Caiado, o mais radical partido oposicionista, votaram a favor do governo. O curioso é que o PSDB, que sempre defendeu as medidas neoliberais adotadas pelo ministro Levy, foi o único da oposição que votou em bloco contra o pacote fiscal, "em defesa dos direitos dos trabalhadores", a grande bandeira histórica do PT.
Teve de tudo, até chuva de dinheiro lançada pela Força Sindical sobre o plenário, com cédulas de "petrodólares", que traziam fotos de Dilma e Lula. As excelências se divertiram e, no final do espetáculo, até promoveram um panelaço, em mais um capítulo deprimente rumo à desmoralização do Congresso Nacional.
No meio da baixaria, reapareceu a figura do deputado suplente Roberto Freire, dono do PPS, ex-candidato a presidente da República, que partiu para cima da deputada Jandira Feghalli, do PC do B, durante uma discussão com Alberto Fraga (DEM-DF), um expoente da "bancada da bala". Inconformada, a deputada reagiu em seu Facebook e prometeu recorrer à Justiça. Trecho do seu relato:
"Parece que as noites da Câmara não têm como piorar nesta Legislatura. Sim, fui agredida fisicamente pelo deputado Roberto Freire durante discussão da medida provisória 665 agora há pouco. Pegou meu braço com força e o jogou para trás. O deputado Aberto Fraga, não satisfeito com a violência flagrada, disse que "quem bate como homem deve apanhar como homem", vindo na minha direção. Fazia menção a mim. É assustador o que esta acontecendo nesta Casa (...) Vou acionar judicialmente o senhor Fraga pela apologia inaceitável".
E assim vamos que vamos. Para onde?

Encaminhado por Vitor Buaiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário