Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Em casa, com Soros

Em casa, com Soros

23.abril.2015 | 1:20
alt
Foto: Felipe Varanda
Desta vez, Fernando Henrique Cardoso limitou-se – com imenso prazer, diga-se – a vestir a camisa de mediador. Sentado em uma poltrona, em charmoso apartamento da Avenida Vieira Souto, no Rio, segunda-feira à noite, estava o bilionário húngaro George Soros, 29º na lista da Forbes 2015, famoso pela habilidade em multiplicar recursos, assim como pelos pesados investimentos em ações sociais. Em torno dele, distribuída por outros sofás – e mais gente em pé, aqui e ali – uma seleta plateia ávida por informações sobre o visitante, que incluía outro conhecido da Forbes, Jorge Paulo Lemann, 26.º da mesma lista. Mas o assunto não era sobre fortunas ou como fazê-las crescer. E sim sobre a cultura da filantropia, tão disseminada em países do Primeiro Mundo e que, aqui, apenas começa a engatinhar.
Com Patrícia Kundrát e o marido FHC atentos, Soros deu uma aula sobre terceiro setor, enquanto o buffet Pederneiras cuidava do jantar e das bebidas contratados pelos anfitriões Florencia Robalinho – do Instituto Igarapé –, e o marido Fabiano. A ONG, liderada por Illona Szabó, foi que organizou o evento com Pedro Abramovay, responsável pela Open Society Foundations, ONG de Soros no Brasil, mais o Instituto FHC. Ontem, ainda no Rio, ele participou de seminário sobre drogas.
“Vocês têm que apostar no incerto, no difícil, no que fará maior diferença”, sugeriu o visitante aos seus ouvintes – além de Lemann lá estavam David Feffer, Celso Lafer, Guilherme Leal, Patricia e Ricardo Marino, Olavo Monteiro de Carvalho e uma geração mais nova, representada por Luciano Huck, Carlos Jereissati, Raphael Klein e Beatriz Gerdau, entre outros. A maior parte dedica suas fundações à educação e se assusta quando o tema são drogas, violência e prisões. Assunto tratado, por exemplo, pelas fundações de Soros – e, aqui no Brasil, pelo Igarapé que, apesar de brasileiro, consegue só 10% de contribuições em território nacional.
Liberal conhecido, assumidamente democrático, Soros surpreendeu seus ouvintes com uma decidida posição… a favor da taxação de heranças, imposto que vem sendo discutido no Brasil. A favor por quê? Porque é uma maneira de “ajudar” donos de fortunas a contribuir para o terceiro setor. Mas não foi isso, advertiu, que o levou a dedicar-se à filantropia. “A ideia de ajudar amadureceu, em minha mente, lá por 1979, quando dei à Hungria a Universidade de Budapeste. Pensei: o que eu estou fazendo com minha vida? E me propus um novo rumo.” De lá para cá, a coisa cresceu e, na crise entre Rússia e Ucrânia, o húngaro ofereceu US$ 1 bilhão à segunda, sob condição de que a Comunidade Europeia também contribuísse.
Um lista passada por Bill Gates e o Warren Buffet, não foi assinada por Soros. Eles pediam em conjunto, aos ricos, que doassem 50% de sua fortuna. “Não assinei porque até o fim de minha vida vou dar muito mais que isso”, explicou, enfatizando: “Não é o quanto a gente doa, mas a qualidade da doação que importa”. Nos EUA, pode-se doar metade de uma fortuna para caridade, evitando impostos pesadíssimos. Soros, diferentemente de Buffet e Gates, só faz doações pessoais, como pessoa física. Só para se ter uma ideia, o valor por ele doado em 2014 chegou a… US$ 873 milhões.

-- 

Nenhum comentário:

Postar um comentário