Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A Russia está decidida. Análises sobre o ultimo discurso de Putin ao Congresso

Mikhail Khazin fala sobre o discurso de Putin no ultimo dia 4 de dezembro. Faz analises sérias e profundas, embora simples para fácil absorção, sobre a situação politica e economica que o mundo está enfrentando e diz da posição da Russia frente aos desafios.

Há anos que o sistema mostra fissuras, mas hoje essas fissuras passaram a ser rachaduras claras e definitivas que comprometem toda a estrutura economico-financeira pelo esgotamento do sistema que entrou em um ciclo entrópico avançado. O que vemos não é uma diferença entre dois sistemas, é apenas um que se esfascela por arrogancia e avareza. Daí haver a insistencia de economistas neoliberais em diferentes países na obsolência, pela insuficiencia intelectual de aceitarem uma hipótese fora da hipótese existente, são meros sobreviventes por conveniência. Não têm nada a acrescentar, só seguir instruções de seus superiores do centro do poder financeiro e politico global. São totalmente despersonalizados. Mas ainda existe sanidade em alguns, e estes sobrevivem invocando soberania e autodeterminação para seus países.

O que temos é a lógica da falência do sistema como um todo pela excessiva força de sucção de valores das nações para alimentar a avareza infinita dos operadores deste sistema. Avareza que para continuar existindo adotou o método banal de apostas, transformando-as em mecanismos sofisticados chamados derivativas como forma de criar valor do nada. Para validar a existência desta loucura, e as suas próprias, exigem a transferencia dos valores reais da produção do mundo inteiro para o centro deste sistema sem oferecer absolutamente nada em troca, nem o suficiente à fração que corresponde a manutenção das economias dos estados. O que vemos como resultado são as dívidas, públicas e privadas, em relação ao PIB em qualquer país que se verifique. Esta é a exigência pelo controle total. Isso é insanidade completa, tanto de quem se submete quanto de quem exige.

Logo, o que resta aos países que não se conformam com esta insanidade é a tentativa de evacuar deste sistema o mais depressa possivel e salvar as poupanças e os valores da produção economica operante reinvestindo na capacidade produtiva das suas sociedades eles mesmos. O problema é insular as instituições financeiras domésticas das práticas predadoras externas que sempre acenam com promessas de mais poder e mais lucros para que sobrevivam de pilhagens e repassem estes lucros escravizando os mercados e as sociedades em que operam.

Se voce leu "O Legado de Mantega é o Desafio de Levy" (link abaixo), esta exposição de Khazin é uma continuação mais abrangente.

http://juntosomos-fortes.blogspot.com/2014/12/o-legado-de-mantega-e-o-desafio-de-levy.html

Rebello

Traduzido do inglês pelo pessoal da Vila Vudu
Disponibilizado pela redecastorfoto




Fala Mikhail Khazin (em russo, traduzido a seguir)

00:00:00 --> 00:00:10 – Já é bem claro para todos, hoje, até para intelectual de renome como o primeiro-ministro Cameron da Grã-Bretanha, que a crise mundial só faz ampliar-se e aprofundar-se.

00:00:11 --> 00:00:22 – Cameron já está prevenindo o mundo de que a próxima grande crise nos espera. Já há crescente histeria entre vários líderes ocidentais.

00:00:23 --> 00:00:33 – Quando imediatamente depois da reunião em Brisbane a Sra. Merkel começou a promover uma zona de livre comércio entre EUA e União Europeia (cujo primeiro resultado seria a desindustrialização da Europa Ocidental, semelhante à que foi feita contra a Bulgária e os Estados Bálticos),

00:00:44 --> 00:01:06 – tornou-se evidente que somente eventos de grande escala forçariam esses governantes a assumir essa via tão perigosa, que nunca em outras circunstâncias se atreveriam a propor.

00:01:07 --> 00:01:12 – É golpe violento demais contra o status, contra a posição deles mesmos.

00:01:13 --> 00:01:25 – Em outras palavras, não querem falar do que aconteceria em longo prazo porque sabem que há eventos futuros, próximos, muito grandes, que desmentiriam qualquer previsão favorável que fizessem.

00:01:26 --> 00:01:28 – Que eventos são esses?

00:01:29 --> 00:01:43 – Temos de compreender os atuais eventos, de uma perspectiva econômica, cujo atual modelo é o sistema financeiro e econômico de Bretton Woods.

00:01:44 --> 00:01:58 – Muitos creem, erradamente, que esse sistema tenha morrido no dia 15 de agosto de 1971 quando os EUA declararam seu segundo ‘calote’ no século 20, quando se recusaram a trocar dólares por ouro.

00:01:59 --> 00:02:02 – Mas não, o sistema não morreu.

00:02:03 --> 00:02:10 – O sistema de Bretton Woods é um mecanismo para expandir a zona do dólar que criou suas próprias instituições especiais, a saber:

00:02:11 --> 00:02:19 – O FMI, o Banco Mundial e o acordo sobre tarifas e comércio HCT (Harmonized Customs Tariff) – que hoje é mais conhecido como “Organização Mundial do Comércio” [World Trade Organization, WTO].

00:02:20 --> 00:02:22 – Todas essas instituição continuam aí, vivas e operantes.

00:02:23 --> 00:02:29 – Essas instituições é que definem o sistema de Bretton Woods pelo qual todos os valores são ligados ao dólar norte-americano.

00:02:30 --> 00:02:52 – O modelo da economia moderna funciona como um mecanismo de redistribuição de renda, que é constituído quando o Federal Reserve imprime dólar para comprar novos bens que são parte do sistema do dólar.

00:02:53 --> 00:03:09 – No começo, compraram os países da Europa Ocidental; depois o Japão, depois Taiwan, Cingapura, depois Coreia, China, e, adiante, os países da comunidade econômica socialista [orig. socialist Commonwealth].

00:03:10 --> 00:03:21 – Hoje, esse modelo chegou a esgotamento natural. Todos os recursos mundiais, inclusive o petróleo russo, já estão denominados em dólares.

00:03:22 --> 00:03:25 – Significa que aqueles recursos já são parte da capitalização em dólares dessas empresas, que são proprietárias dos campos de petróleo.

00:03:26 --> 00:03:28 – Não restou nenhum recurso/patrimônio no mundo a ser comprado e denominado em dólares.

00:03:29 --> 00:03:33 – Significa que é impossível continuar a imprimir dólares, porque não há o que comprar.

00:03:34 --> 00:03:38 – Houve uma tentativa para criar patrimônio fictício, para cuja compra fosse possível usar dólares – os chamados “derivativos”.

00:03:39 --> 00:03:42 – Mas os “derivativos” também deixaram de funcionar, porque se criaram derivativos demais, em excesso.

00:03:43 --> 00:03:46 – Já não há de onde extrair lucros da economia global.

00:03:47 --> 00:03:57 – Alguns atores desse mesmo processo, inclusive Rússia e China, dizem: “Mas... e onde está a nossa parte? Nunca aceitamos a ideia de vocês”.

00:03:58 --> 00:04:01 – De fato, no passado os lucros do que era emitido eram partilhados entre todos.

00:04:02 --> 00:04:06 – Claro que os EUA ficavam com a maior parte, mas os demais também estavam recebendo sua parte do bolo.

00:04:07 --> 00:04:10 – A Rússia, por exemplo, que nos interessa diretamente, recebia a parte dela graças aos altos preços da energia.

00:04:11 --> 00:04:23 – Naquele momento as elites ainda podiam decidir se roubavam tudo, integralmente, como ainda está acontecendo na Nigéria, ou se partilhavam alguma coisa com o próprio povo.

00:04:24 --> 00:04:27 – A situação que absolutamente não interessa a ninguém é a situação em que ninguém ganha nada.

00:04:28 --> 00:04: 43 – Além do mais, para proteger sua própria economia, os EUA começaram a usar Bretton Woods. Primeiramente seu sistema financeiro, não para distribuir, mas para tomar.

00:04:44 --> 00:04:52 – Um dos significados das eleições [de meio de mandato] nos EUA é que foi votação entre dois conceitos.

00:04:53 --> 00:05:02 – O primeiro (1), seria salvar a economia global à custa de recursos dos EUA;  em outras palavras, todos ganhariam alguma coisa.

00:05:03 --> 00:05:09 – O segundo (2), salvar a economia dos EUA à custa do resto do mundo; em outras palavras, tirar de todos para dar aos EUA.

00:05:10 --> 00:05:17 – Esse segundo conceito, que os votantes nos EUA associam ao Partido Republicano, venceu.

00:05:18 --> 00:05:34 – Hoje, temos um mundo no qual os países do 3º mundo não recebem mais investimentos em dólar; e no qual, em vez disso, todos os capitais desses países fluem para os EUA.

00:05:35 --> 00:05:40 – Nessa situação, que não é satisfatória para ninguém, será impossível esperar qualquer estabilidade.

00:05:41 --> 00:06: 00 – Muito provavelmente, todos começarão a sacudir o bote; e os EUA tentarão só respostas paliativas.

00:06:00 --> 00:06:03 – Obama, pelo que se sabe, apoiava a abordagem alternativa.

00:06:04 --> 00:06:08 – Para ele, melhor seria salvar o mundo, em vez de salvar só os EUA. Mas Obama foi derrotado.

00:06:09 --> 00:06:20 – Por tudo isso, sinto-me inclinado a esperar por uma explosão, para muito em breve, que quebrará em pedaços o que ainda resta do sistema de Bretton Woods.

00:06:21 --> 00:06:23 – Estimo um prazo de 12 a 18 meses.

00:06:24 --> 00:06:29 – É muito provável que se manifeste, no discurso do presidente Putin, um conflito interno semelhante também na Rússia.

00:06:30 --> 00:06:39 – Há persistentes rumores de batalha interna entre essas duas forças, e estão sendo redigidas duas mensagens com trechos diferentes na parte que trata da economia.






























 O grupo neoliberal


00:06:40 --> 00:06:47 – A situação é a seguinte: há um grupo liberal que apoia o modelo de Bretton Woods, do FMI.



00:06:48 --> 00:07:01 – Trabalham exclusivamente a partir dos roteiros que o FMI traça. Portanto, ninguém deve esperar de tipos como Nabiullina, Ulyukaev, Shuvalov, ou Dvorkovich qualquer revelação a favor de apoiar a economia russa. [No Brasil, os tipos dos quais ninguém deve esperar coisa alguma são os FHCs, Aécios, Alckimins, Serras, Marinas Silva & Neca (?!) Itaú e toda a tucanaria da privataria & privatagem (NTs).



00:07:02 --> 00:07:05 – É gente que recebe ordens e as cumpre aplicadamente.


00:07:06 --> 00:07:12 – A lógica dessa gente é muito simples. Dizem: “Recebemos nossa fatia do bolo. Por que deveríamos destruir esse modelo?”

00:07:13 --> 00:07:19 – É gente que não aceita o fato de que já não estão recebendo nem a fatia ‘deles’, porque já não existe nem bolo nem fatia. Mas isso absolutamente não entra na cabeça deles.

00:07:20 --> 00:07:27 – A única vantagem competitiva que eles poderiam ter sobre outros é que poderiam ainda negociar com o FMI.

00:07:28 --> 00:07:33 – Mas, se o FMI, dentro do quadro do sistema de Bretton Woods, já nada tem a dar... ninguém mais precisa dessa gente! [No Brasil, são os FHCs, Aécios, Alckimins, Marinas Silva & Neca (Itaú) e Serra e toda a tucanaria da privataria & privatagem (NTs)].

00:07:34 --> 00:07:41 – Por isso, toda essa gente está tentando salvar, a qualquer custo, os restos do sistema.

00:07:42 --> 00:07:48 – Não sei se realmente não compreendem, ou se compreendem perfeitamente e mesmo assim insistem, mas o resultado do que fizeram e tentam ainda fazer é que nosso capital está sendo alienado, o que enfraquece nossa condição.

00:07:49 --> 00:07:53 – Talvez compreendam, mas se recusam a aceitar, porque teriam de fugir, voar para longe acompanhando os capitais deles.

00:07:54 --> 00:07:57 – Mas... e como ganhariam a vida na Terra dos Livres?! Como professores medíocres, contratados semestralmente – e semestralmente desempregados, nas universidades caipiras dos EUA?

[No Brasil, os correspondentes tucanos da privataria só arranjam empreguinhos na universidade caipira que pertence ao Sr. Gilmar Mendes, em Brasília; ou, então, como colunistas alugados à Folha de S.Paulo ou a O Estado de S.Paulo ou à TV Cultura-SP. E, isso, só até serem demitidos com pé-na-bunda, como Danuzas, Cantanhêdes e outrinhos, que encheram o saco ATÉ dos fascistas burros que eles tão burramente serviram (NTs)].

00:07:58 --> 00:08:03 – Melhor, pensam eles, continuar na Rússia, onde sempre podem tentar chegar a ministro, presidente do Banco Central e coisa-e-tal.

00:08:04 --> 00:08:06 – E lá nos EUA? Conseguiriam viver como assalariados, comer do próprio trabalho?!

00:08:07 --> 00:08:13 – Imagine um desses ministros russos “modernos”, obrigado a viver de salário e tendo de pagar impostos!

00:08:14 --> 00:08:19 – Para eles, essas ideias são simplesmente o mais ofensivo cinismo.

O grupo integracionista regional, para mundo multipolar

00:08:20 --> 00:08:28 – O conceito que se opõe àquela gente diz que é tempo de construirmos nosso próprio sistema financeiro regional.

00:08:29 --> 00:08:43 – Se já não temos acesso ao mecanismo do investimento do dólar, então temos de construir nosso próprio centro regional e respectivo mecanismo regional de financiamento.

00:08:44 --> 00:08:55 – Fiz uma palestra sobre isso, anteontem, em Astana, numa grande conferência dedicada ao início do segundo plano quinquenal de industrialização.

00:08:56 --> 00:09:02 – O Cazaquistão, diferente da Rússia, já trabalha há cinco anos na substituição de importações.

00:09:03 --> 00:09:14 – Embora as condições iniciais fossem piores no Cazaquistão que na Rússia, por causa da economia menor, o país já está crescendo 4-5%, e nós, russos, não crescemos nos últimos dois anos.

00:09:15 --> 00:09:17 – Aconteceu no Cazaquistão por causa da industrialização.

00:09:18 --> 00:09:27 – Discutimos essa questão com o presidente do Cazaquistão, numa mesa redonda prevista para 30-40 min, mas que durou duas horas.

00:09:28 --> 00:09:37 – Foi discussão real, porque Nazarbayev tinha perguntas claras a fazer e ideias claras a discutir sobre o que se pode alcançar, realistamente.

00:09:38 --> 00:09:46 – Disse a ele que precisamos de recursos de investimentos privados, porque já não há investimento algum no quadro do sistema de Bretton Woods.

00:09:47 --> 00:09:55 – Atualmente, o que se disputa é qual estratégia escolher, porque não se pode ceder.

00:09:56 --> 00:10:01 – Daí os rumores de que a fala do presidente estaria sendo preparada só pelo Kremlin, sem participação do resto do governo.

00:10:02 --> 00:10:22 – O resto do governo, com sua Escola de Economia (de Chicago), está escrevendo seus discursos neoliberais, segundo o qual só há um deus, o FMI; e suas profetas Lagarde ou Janet Yellen.

00:10:23 --> 00:10:35 – Não sei como vai acabar isso, mas estou certo de que a saída antecipada de Putin, que deixou Brisbane antes da hora prevista, não aconteceu porque algo o tivesse “ofendido”.

00:10:36 --> 00:10:46 – Perdoem-me, mas... o presidente Putin foi alto oficial de inteligência, foi treinado desde a juventude a não reagir “emocionalmente” nesse tipo de situação.

00:10:47 --> 00:10:55 – Não. O presidente Putin deixou aquela reunião não porque alguma coisa o tivesse ofendido, mas, isso sim, porque se deu conta de que falar com aquela gente é completa perda de tempo, não leva a coisa alguma.

00:10:56 --> 00:11:14 – Aquele pessoal não quer e nem pode discutir situações críticas, porque eles são figurantes de segunda classe naquele show. Se todos ali se comportam daquele modo porque não passam de fantoches, nós temos de falar diretamente com quem opera os cordões dos fantoches.

00:11:15 --> 00:11:18 – E se eles tampouco compreendem o que se passa, aí já é outro problema.

00:11:19 --> 00:11:28 – De minha parte tendo a crer que são fantoches, o que não implica que sejam levados em consideração nas políticas do operador dos fantoches. São partes relevantes só no funcionamento de determinadas regras do jogo.

00:11:29 --> 00:11:36 – Falo das regras que têm a ver com uma espécie de “politicamente-correto liberal” que está tão profundamente plantada na consciência deles que nem que quisessem conseguiriam livrar-se delas.

00:11:37 --> 00:11:40 – Então, continuam, como hamster que corre sem parar em sua gaiola de arame, e não está indo para lugar algum.

00:11:41 --> 00:11:46 – É completamente inútil falar com eles. Então, temos de criar modelos alternativos.

00:11:47 --> 00:11:50 – Em termos gerais, temos de esquecer por algum tempo a União Europeia e os EUA.

00:11:51 --> 00:11:57 – A UE não é entidade viável. O modo como se espatifará em pedaços é questão àparte do que discutimos aqui.

00:11:58 --> 00:12:14 – Pode acontecer de tentarem salvar um corpo de duas metades: uns pedaços da velha Europa Ocidental formarão uma União Europeia de 1ª classe; e o Leste da Europa formará outra União Europeia de 2ª classe.

00:12:15 --> 00:12:21 – O que interessa agora, é que essa discussão não nos diz respeito e deve parar imediatamente.

00:12:22 --> 00:12:29 – Ao dizer que é necessário forçar a zona de livre comércio com os EUA, a chanceler Merkel, de fato, põe fim à União Europeia.

00:12:30 --> 00:12:32 – Por hora, é assunto para esquecer.

00:12:33 --> 00:12:59 – O agudo conflito entre forças pró-Ocidente e forças eurasianas [no Brasil, se falaria de “forças pró-EUA” e forças continentais integracionistas bolivarianas (NTs)] que começou na Rússia no início dos anos 1990s, alcançou hoje alto nível, quando forças anti-FMI, se não derrotaram totalmente os neoliberais, pelo menos já se fazem ouvir.

00:13:00 --> 00:13:13 – Temos de ver se as forças neoliberais são capazes de apresentar pelo menos algum argumento racional à sociedade. Até agora, os argumentos deles são só argumentos de autoridade, da posição de poder.

00:13:14 --> 00:13:19 – Dizem: “É o seguinte, amigos: nós controlamos o FMI, então... vocês não vivem sem nós”.

00:13:20 --> 00:13:24 – É mais do que claro, hoje, que o FMI nada nos dará, e já vimos isso. Então eles precisam apresentar outra abordagem.

00:13:25 --> 00:13:31 – Mas... e o que teriam a oferecer? Destruição da educação pública? Destruição da assistência à saúde pública? Destruição das aposentadorias e pensões? Têm o que a nos oferecer? O sistema bancário?!

00:13:32 --> 00:13:37 – A verdade é que tudo em que os neoliberais põem a mão vira poeira.

00:13:38 --> 00:13:42 – Se o presidente Putin da Federação Russa escolher as vias neoliberais, temo que seu poder vire poeira.

[Fim da transcrição]. 
 
-------------------------------------------
 
 Mikhail Leonidovich Khazin (1962), economista, autor do livro Sunset of the Dollar Empire and the End of the Pax Americana (2003). Sobre o livro, há entrevista interessantíssima (inglês)em: Mikhail Khazin: U.S. will soon face second “Great Depression”
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário