Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 21 de outubro de 2014

O que está em jogo? - Jornal Inverta

Jornal Inverta - Enviada por Mail - não localizei o link


O que está em jogo?

Novo artigo do professor Theotonio demonstra a falácia dos argumentos da conservadora The Economist que dedicou uma capa ao candidato do imperialismo.
O que está em jogo?
THEOTONIO DOS SANTOS
Presidente do CEPPES e da REGGEN. Prêmio Mundial de Economista Marxiano (2013) da World Association for Political Economy(WAPE).

Há uma forte tensão internacional em torno da eleição no Brasil. Inclusive uma publicação conservadora e portanto moderada na sua linguagem política - como o The Economist - perdeu o controle e destinou um artigo de capa a favor do candidato do PSDB Aécio Neves. É impressionante notar que uma publicação que apoia grande parte de suas análises em dados muitas vezes inéditos tenha publicado um artigo que parece copiado da imprensa de oposição do Brasil. Seus argumentos não acrescentam nada a uma sucessão de afirmações capciosas manejadas pelos meios de comunicação da grande imprensa brasileira. Contudo o The Economist não deixa de assinalar para seus leitores, em geral conservadores, a essência da disputa eleitoral.

Vejamos alguns deles:

1 - Segundo o The Economist o primeiro lugar alcançado por Dilma Rousseff se explica pelo fato de que a maioria dos brasileiros não sentiu ainda na sua vida diária "a desgraça econômica que está por vir proximamente". Isto porque o candidato do PSDB tem lutado para persuardir os brasileiros mais pobres de que "as reformas que ele defende e que o país urgentemente necessita os beneficiará mais em vez de prejudicá-los". O leitor deve convir que o The Economist não tem a capacidade de previsão que ele invoca, seguindo a tradição arrogante dos conservadores. Nisto coincide com a linguagem do candidato do PSDB. Ele apresenta seus colegas de governo como um grupo de pensadores, intelectuais e técnicos absolutamente superiores e únicos capazes de salvar o Brasil da barbárie representada pela influência desses pobres na decisão democrática da luta presidencial. É natural pois: Aécio Neves é filho de um Deputado Federal do ARENA e posteriormente do PDS e parente de vários outros membros da oligarquia mineira entre os quais se ressalta a figura de Tancredo Neves, seu avô e seu maestro político. Lembremo-nos que todos os estudos indicam que 200 famílias mantém o controle de Minas por mais de 200 anos. É interessante notar que depois dos pretensamente "exitosos" governos do último filho mimado desta oligarquia tenha perdido as eleições para um candidato do PT. Algo está passando.

2 – Segundo o The Economist Dilma Rousseff tem um patrimônio político que leva a uma gratidão popular como: "o pleno emprego, salários mais elevados e uma sucessão de programas sociais, não só as transferências do Bolsa Família, mas também habitações a custo barato, bolsas para os estudantes, eletricidade rural e programas de água para os estados pobres do Nordeste. Essas são conquistas reais". Teria que haver um “mas”. Ei-lo: “mas ao lado deles existe um maior, mas menos paupável fracasso tanto na economia quanto na política”. Para o The Economist os problemas da economia mundial e o fim do grande boom de commodities (preços de matérias-primas) prejudicaram o Brasil, mas ele teve um resultado inferior aos seus vizinhos latino-americanos. Para sustentar essa tese o The Economist se apoia num artigo de um grupo de pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas que pretende provar que o Brasil teve um desempenho bastante bom, mas poderia ter sido muito mais alto se compararmos com os demais países dos BRICS e dos chamados emergentes. Por sorte, os pobres brasileiros não acompanham estas aventuras acadêmicas que não conseguem ocultar o seu sentido ideológico e político.

3 - Mas por que o Brasil não teria tido esses resultados tão positivos na mesma proporção de outros países? Ora, seguramente temos ai um argumento novo e importante: este fracasso se explica, segundo a revista, pelo caráter corporativo do seu Estado que favorece certos setores com empréstimos subsidiados através dos Bancos Estatais. Até a Petrobras teria sido danificada e consignam também o abandono da indústria do Etanol. Ao The Economist não lhes ocorre de nenhuma forma o que é realmente negativo: o pagamento dos juros mais altos do Mundo por um Estado que tem superavit fiscal há décadas. A consequência é o corte de gastos públicos que poderiam atender importantes necessidades do povo brasileiro para favorecer menos de 1% da população e a desastrosas práticas de especulação subsidiada pelo setor público.

4 - Contudo o Ministro da Economia, Guido Mantega, acaba de iniciar uma autocrítica sobre o desastroso aumento da taxa de juros nos últimos dois anos. O país vinha numa alta taxa de crescimento de 6.9% e a Presidenta Dilma ganhava um apoio de mais de 60% quando os “técnicos” do Banco Central descobriram que isso provocava uma terrível ameaça inflacionária que obrigava a aumentar a taxa de juros levando à redução do crescimento sem provocar a queda da inflação. Tivemos dois anos desse remédio com a queda do crescimento econômico, a queda do prestígio da presidência, a emergência de Movimentos Sociais, a perda de energia social que vinha se acumulando no período anterior.

Eis ai uma questão substancial: a “Teoria” Econômica que pretende que toda inflação é resultado de um excesso de demanda não tem nenhum fundamento científico. Somos muitos os que provamos essa tese em várias oportunidades. Inclusive, com a crise de 2008, contamos com a compania que vários prêmios nobel e até o ex-presidente do Banco Central dos EUA, Alan Greenspan. Que o povo brasileiro pague com seu trabalho essa transferência brutal de rendas para o setor financeiro é, na verdade, o ponto fraco da política macro econômica do governo.

Mas eles os opositores não pretendem corrigir este equívoco que serve somente a uma minoria de menos de 1% da população que não cumpre nenhum papel positivo para o povo brasileiro. Mas que dispõe de um poderoso controle dos meios de comunicação e da política do país. Eles contam ainda com um gigantesco apoio internacional organizado pelos grandes grupos econômicos que ainda controlam a economia mundial.

5 - Já vimos em artigos anteriores como existem pronunciamentos favoráveis ao deficit fiscal dos países amigos dos donos da economia mundial. Citei por exemplo o recente apoio do FMI ao deficit fiscal do México como compensação à privatização do petróleo. Hoje, Segunda-feira, dia 20/10, foi publicada uma entrevista no Jornal O Globo do Secretário-Geral da OCDE. Citemos suas palavras: “o Brasil fez uma mudança muito importante na composição em termos de renda. Incorporou milhões de brasileiros à classe média e criou uma sociedade mais justa. O país ainda é uma das sociedades de Indice de Gini elevado, isto é, o nível de desigualdade é alto até para a América Latina. Não é um problema novo. Há uma tendência secular de desigualdade e uma aceleração disto por conta da crise. Há recuperação em alguns países. O Brasil ainda não está em recuperação. A primeira coisa da fase de recuperação não é a criação de emprego. Primeiro há crescimento sem emprego, no caso de não ter havido reformas suficientes, quando reformas são feitas há recompensas”.

O Brasil está com 5% de desemprego, é uma das taxas mais baixas do mundo capitalista atual. O Secretário-Geral Angel Gurria, um dos melhores economistas keynesianos, não crê que este baixo desemprego é um antecedente favorável para o Brasil? Ele sugere que as eleições enturvam o debate: “as incertezas relacionadas à mudança de governo ou período eleitoral existem por todo lado. O Brasil não é exceção. Isto acontece ainda mais quando há muitas diferenças entre os candidatos em termos de filosofia (de governo)”. (...) “no caso do Brasil há duas plataformas econômicas bem diferentes. As pessoas estão esperando para ver o que acontece quando a eleição acabar e o novo governo, seja lá qual for, der os sinais do que vai fazer, a economia vai voltar a crescer logo. Não entrem em pânico. Cabeças frias devem prevalecer na política e na guerra, mas também na economia. Isto permitirá focar nas posições certas".

Talvez por sua origem latino americana Gurria coloca as coisas no seu lugar, não há fracasso econômico. Há erros que podem e devem ser corrigidos. Resta saber qual é a filosofia de governo das duas grandes correntes políticas que se enfrentam no Brasil.

Num segundo artigo dessa edição do The Economist seus redatores parecem dar-nos a solução. Este artigo começa com uma entrevista com a senhora Da Silva no interior do Nordeste brasileiro. Depois de ouvir seu total apoio à Dilma pelas mudanças que realizou na sua pequena cidade do interior, o The Economist tenta outra vez desestruturar este apoio e nos coloca diante do seguinte dilema: para eles “se o Brasil quer prosperar e atender as espectativas crescentes de seu povo o próximo governo vai ter que assumir muitas tarefas que o atual não realizou. Em Serrinha uma agradecida senhora, Da Silva, pensa que a senhora Rousseff é a pessoa certa para esse trabalho: se eu pudesse votar por Dilma mil vezes eu o faria, disse ela. Milhões de outros compatriotas acreditam que o senhor Neves oferecerá um melhor prospecto de mudanças que o Brasil necessita e acreditam que ela não poderá fazê-lo”.

Trata-se portanto das forças políticas que comandarão o destino do Brasil com importantes consequências internacionais, se não o The Economist não estaria tão interessado nesta eleição. Decida, meu caro leitor, de que lado do povo brasileiro você está: da senhora Da Silva e seus companheiros atendidos pela primeira vez na vida ou do lado do filho do Deputado e neto do Presidente que nunca nem soube das suas necessidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário