Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Movimento indígena em debate na Ufes

Movimento indígena em debate na Ufes

Convidados discutirão o contexto da reemergência indígena na América Latina e as propostas dos povos originários para o continente e para a humanidade.


Um dos debates mais importantes na academia latino-americana chega ao Espírito Santo. A CALLES – Casa da América Latina Liberdade e Solidariedade promove nesta sexta-feira uma discussão e bate-papo com o tema “A Reemergência Indígena na América Latina”, que acontece a partir das 18h30 no Anfiteatro 1 do CCHN, no campus da Ufes em Goiabeiras.

Para o debate foram convidados Antonio Carlos Amador Gil, pós-doutor em História pela USP e professor de História da América Latina da Ufes, e o jornalista e correspondente internacional Vitor Taveira, mestre em Estudos Latino-Americanos pela Universidade de Barcelona e diretor da Expedição Abya Yala.

No início dos anos 90, com a queda do Muro de Berlim e o enfraquecimento das ideologias socialistas, alguns teóricos proclamavam o “fim da história”, com a hegemonia da democracia representativa e o capitalismo liberal. Porém, a dinâmica da história mostrou-se traiçoeira à qualquer previsão, entre outros fatores, pela aparição de novos atores de resistência antes invisibilizados. Nesta época movimentos indígenas sumamente organizados em suas bases aparecem com força e grandes mobilizações em países como Bolívia, Equador e México, surpreendendo as sociedades nacionais.

“Durante o debate queremos esclarecer os vários fatores que permitem esta organização dos povos originários que foram historicamente excluídos da arena política de nosso continente”, adianta Vitor Taveira. “Outro tema importante é que toda essa movimentação não aparece apenas com protestos contra o sistema excludente, mas também aos pouco apresenta propostas civilizatórias potentes, que podem servir de alternativas ao modelo atual baseado na acumulação por meio exploração do ser humano e destruição da natureza”, explica o jornalista.

Depois das exposições dos convidados haverá um café com bate-papo com os demais participantes do evento para discutir sobre este tema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário