Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 4 de janeiro de 2014

pelo direito a Memoria e a verdade ASSENTA CAMBAIBA DILMA, ASSENTA . Fernando Santa Cruz.PRESENTE

 pelo direito a Memoria e a verdade ASSENTA CAMBAIBA DILMA, ASSENTA PS: cambaiba era campo de incineração de Presos politicos, dentre eles Fernando Santa Cruz, 
Marlúzio F. Dantas, Nascido Para viver, Vivi... Janeiro de 2014.
D. Zita uma história de lutas, uma lição de vida,
"... mas o que sinto escrevo.Cumpro a sina.Inauguro linhagens,Fundo reinos,- dor não é amargura. (Adélia Prado). 


“Todos que a conhecem, mesmo que não tenham, como nós, o privilégio de sua convivência cotidiana, sabe o quanto ela gosta da vida, de si mesma, quanto é alegre, justa, serena e muito firme na defesa do que pensa”. Com a D. Zita todos nós aprendemos, entre muitas outras coisas, a tenacidade, a assertividade e, acima de tudo, a capacidade de se metamorfosear, de buscar sempre novas formas de sentir a agir no presente, amparada pela memória do passado, sim, mas nunca presa a ele, porque seus olhos estão sempre voltados para o futuro.

(...) Era 1972, começo de janeiro, Rosalina de Santa Cruz (filha de D. Zita) presa no Rio de Janeiro, ainda incomunicável, foi levada do Doi-Cod na Barão de Mesquita para a sede do I Exercito, para ser ouvida pelo major Coelho, que na sua preleção aconselhou aos pais que estavam presentes a estimular seus filhos a colaborar no inquérito, quando do fundo da sala, surge uma voz firme e emocionada, era D. Zita: “o que o senhor quer dizer com isso, coronel? O senhor está insinuando que devo pedir à minha filha para delatar seus companheiros. Jamais farei isso, coronel, não criei filha para ser dedo duro. Quero que ela seja tratada com dignidade. Vejo que ela está machucada".

(...) 23 de janeiro de 1974, início do Governo Geisel, que desapareceu o estudante pernambucano e militante da Apml (Ação Popular marxista-leninista), Fernando Augusto de Santa cruz, fato que mudou para sempre à vida dessa mulher, que nunca parou de lutar e de se transformar, na luta intensa e, apaixonada pelo esclarecimento das circunstâncias que determinaram o assassinato e a ocultação do corpo de seu filho. Luta que a levou a incorporar-se às lutas políticas de resistência à ditadura e a se tornar uma militante dos direitos humanos, que quer justiça e não vingança. Mas que não abre mão da responsabilização de todos os envolvidos nos atos criminosos de tortura desaparecimento e morte de tantos companheiros.




Nenhum comentário:

Postar um comentário