Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Ditabranda: "Hay que endurecerse La Trolha" --- Ranking atualizado: O pior aeroporto do mundo na pior capital do Brasil -- 3 mentiras cabeludas no blog da redecastorphoto



Após inauguração de porto, Dilma se reúne com Fidel Castro em Havana

DA EFE
28/01/2014  05h44
A presidente Dilma Rousseff se reuniu na segunda-feira (27) em Havana com Fidel Castro, que também recebeu a primeira-ministra da Jamaica, Portia Simpson-Miller, informou a imprensa oficial de Cuba.

Segundo o site oficial Cubadebate, Dilma e Fidel falaram sobre o porto de Mariel e sua Zona Especial de Desenvolvimento. Dilma e o ditador [Grifo PressAAdo país, Raúl [Brando] Castro, inauguraram ontem um moderno terminal de contêineres na ilha caribenha que contou com financiamento do BNDES.

Dilma também falou com Fidel Castro –de 87 anos e afastado do poder desde 2006– sobre sua satisfação com o trabalho dos milhares de cubanos que fazem parte do programa "Mais Médicos".
Alex Castro/Reuters
Dilma Rousseff e Fidel Castro conversam durante encontro ontem em Havana
Dilma Rousseff e Fidel Castro conversam durante encontro ontem em Havana

Segundo o Cubadebate, o encontro fraternal "foi uma expressão do afeto e da admiração entre Fidel e Dilma".

Ainda ontem, o líder cubano recebeu a primeira-ministra da Jamaica e os dois conversaram sobre a parceria dos países nas áreas de saúde, educação e esporte, entre outras.

O Cubadebate divulgou fotografias dos dois encontros onde se vê Fidel Castro, vestido com roupa esportiva, conversando com os governantes.

Dilma e outros presidentes latino-americanos e do Caribe se encontram em Cuba para participar da II Cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), em Havana.

Além desses encontros, Fidel Castro também almoçou no domingo com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que foi a primeira chefe de Estado latino-americana a chegar em Cuba por ocasião da cúpula.

___________________________________________________


28 DE JANEIRO DE 2014 

Dilma e Raúl Castro falam sobre as relações entre Brasil e Cuba


O presidente cubano, Raúl Castro, recebeu Dilma Rousseff na tarde desta segunda-feira (27). A chefe de Estado brasileira realiza uma visita oficial a Cuba e participa da 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac). 


Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma e Raúl Castro conversam sobre as relações
Dilma Rousseff realiza uma visita oficial a Cuba e participa da 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac).
Durante a reunião bilateral, os presidentes destacaram a importância da Zona Especial de Desenvolvimento do Porto de Mariel, inaugurada no mesmo dia por ambos. Castro e Dilma também conversaram sobre o excelente estado das relações entre seus países, especialmente nos setores de colaboração econômica e saúde. Eles ainda discutiram outros temas de âmbito internacional.

Dilma esteve acompanhada pelo chanceler Luiz Alberto Figueiredo Machado; do ministro da Saúde, Alexandre Padilha; do ministro de Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; e de outros funcionários do governo.

Acompanhe aqui a cobertura completa do Vermelho sobre a Celac

A delegação de Cuba, por sua vez, foi composta pelo ministro de Comércio Exterior e Investimento; por Roberto Morales Ojeda, ministro de Saúde; Marcelino Medina González, vice-ministro de Relações Exteriores; e Marielena Ruiz Capote, embaixadora de Cuba no Brasil.

Da redação do Vermelho,
Com informações do site oficial da Celac

_________________________________________________________________________________________


CPLP » Brasil

Aeroporto do Brasil é eleito o pior do mundo

28.01.2014

Aeroporto do Brasil é eleito o pior do mundo. 19682.jpeg
Aeroporto do Brasil é eleito o pior do mundo

SÃO PAULO/BRASIL - Altos preços e falta de pontualidade são as razões apontadas. Aeroportos dos Estados Unidos também estão no ranking de piores do mundo. Um site especializado em análises financeiras elegeu o aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, Sudeste do Brasil, como o pior do mundo.

Por ANTONIO CARLOS LACERDA
PRAVDA.RU

SÃO PAULO/BRASIL - Altos preços e falta de pontualidade são as razões apontadas. Aeroportos dos Estados Unidos também estão no ranking de piores do mundo. Um site especializado em análises financeiras elegeu o aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, Sudeste do Brasil, como o pior do mundo. O terminal aparece em primeiro em um ranking do setor, segundo informações da Globo News.

A posição foi conquistada devido às longas filas na imigração, preços altos de comida e bebida, quantidade insuficiente de funcionários e taxa de pontualidade baixa, segundo o site Wall St. Cheat Sheet.

A Gru Aiport, empresa que administra o aeroporto de Cumbica diz que está investindo em obras de infraestrutura, serão gastos cerca de R$ 6 bilhões nos próximos 20 anos para garantir mais conforto aos passageiros. Em 2013, 36 milhões de passageiros passaram pelo aeroporto, com uma média diária de 900 voos.

Somente 59% dos voos chegam no horário. Em, segundo lugar no ranking aparece um aeroporto de Chicago, nos Estados Unidos, devido a falta de pontualidade. Em terceiro ficou o John F Kennedy, aeroporto de Nova York, considerado o mais feio do mundo. Outro aeroporto de Nova York, o LaGuardia  ficou em sétimo lugar pelo difícil acesso de transporte público.

ANTONIO CARLOS LACERDA é Correspondente Internacional do PRAVDA.RU
______________________________________________________________________________________________________

Campanha denuncia manobras contra combate à escravidão

Na Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, a Repórter Brasil, a Comissão Pastoral da Terra e a Walk Free lançam campanha de alerta para ações de parlamentares ruralistas que podem descaracterizar o que é escravidão e enfraquecer seu combate. 


No final do ano passado, a Bancada Ruralista condicionou a aprovação da PEC do Trabalho Escravo a mudanças na legislação, o que pode causar grave retrocesso no combate à escravidão no país. Preparamos um especial detalhando tais ações, com peças para compartilhamento nas redes sociais. Informe-se, denuncie, compartilhe e junte-se à mobilização nacional para denunciar tais manobras. 

Clique aqui para assinar o abaixo-assinado que organizamos.

_______________________________________________________________________________

De nosso leitor correspondente José Tarcísio Barbosa:

Engenheiro agrônomo, MSc. em Fitoctenia, escritor, professor de português, com mais de 20 anos de experiência, faz revisão de texto a três reais por página. Tarcísio:31.9965.2362/3891.3475     - jtbarbosa500@yahoo.com.br

Professora de inglês, com curso nos EUA, faz tradução inglês/português e vice-versa a vinte e cinco reais por página e transcrição a  R$150,00 por hora.  Suely: 33.9962.6463/3321.6463  - suely_mr@hotmail.com
_______________________________________________________________________________

No blog da redecastorphoto...


Sobe a temperatura da guerra de propaganda

24-26/1/2014[*] Shamus CookeCounterpunch
Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu

Abertura da Conferência Genebra-2 em Montreux, Suiça (22/1/2014)
A máquina jornalística de espalhar mentiras está outra vez trabalhando em alta rotação, perfeitamente cronometrada para acompanhar as conversações de paz para a Síria chamadas “Genebra-2”, embora aconteçam em Montreux. As mentiras são necessárias para garantir que o governo Obama continue a jogar com as cartas que esconde na manga, nas conversações, as quais não estão sendo conduzidas para gerar paz alguma, mas, isso sim, para que levem ao sucesso o plano de “mudança de regime” do governo Obama para a Síria.

Aqui, listo as três principais mentiras que se espalham pelo mundo graças à contribuição da empresa-imprensa ocidental e de seus jornalistas e “especialistas” empregados, sobre as conversações de “Genebra-2”.

Mentira 1: A saída do presidente Bashar al-Assad do governo sírio teria sido “precondição” discutida e aprovada em Genebra-1, para Genebra-2.

Essa informação tem sido repetida pelo governo Obama e pelos veículos da imprensa-empresa ocidental. É total mentira. Sem nenhum fundamento. O governo Obama inventou que essa “precondição” teria sido registrada no “Comunicado de Genebra”, que foi um mapa do caminho redigido para orientar as conversações de paz de Genebra-2, discutido e aceito por alguns dos principais envolvidos nas negociações, inclusive pela Rússia.

Comunicado fala, sim, de uma transição política negociada, mas NÃO diz, em lugar algum, que essa transição não poderia incluir o presidente Assad (e qualquer cláusula dessa natureza teria sido imediatamente rejeitada pela Rússia).

A verdade é que, sim, o Comunicado de Genebra inclui a seguinte cláusula:

“[um governo de transição] poderá incluir membros do atual governo sírio e da oposição, além de outros grupos; e terá de ser constituído por consentimento mútuo”.

Bashar al-Assad saúda a multidão na saída do palácio presidencial em Beirute
em 12/1/2014
Nada, em local algum daquele documento, menciona ou implica diretamente o presidente Assad.

Recentemente, o Los Angeles Times pisou fora da linha e expôs, clara e completamente a mentira:

“[John] Kerry tem citado repetidas vezes o “Comunicado de Genebra”, espécie de mapa do caminho redigido em junho de 2012, durante reunião organizada pela ONU. Mas esse documento absolutamente não exige a saída de Assad”.

A incansável repetição dessa mentira, pelo governo Obama, só provoca divisões e dificuldades para o processo de paz, enquanto vai minando qualquer chance de alcançar-se alguma paz.


O governo Obama tem batido o pé a respeito dessa pré-condição “Assad tem de sair”, porque sabe que, em eleições limpas, livres e justas que se disputem na Síria – como parte de um “processo transicional” apoiado pela ONU – o presidente Assad será, praticamente com certeza, reeleito. Esse é o resultado da união de várias minorias étnicas e religiosas sírias no apoio ao presidente, apoio cada vez mais assumido e declarado, desde que começaram a testemunhar as atrocidades sectárias diárias cometidas por “rebeldes” apoiados pelos EUA (atrocidades que a imprensa-empresa dos EUA existe para fazer ignorar e impedir de ver).

Assad provavelmente será eleito, se houver eleições, dado que simplesmente não há qualquer outro nome, no governo ou na oposição, que se compare a ele no reconhecimento que merece dos sírios e na popularidade. Os “rebeldes” apoiados pelos EUA que estão fazendo guerra contra a Síria fortaleceram a imagem política do presidente Assad – mas essa é informação que ninguém jamais obterá da imprensa-empresa ocidental, monoliticamente contra os sírios.

“Exigir” a saída de Assad tampouco tem qualquer sentido, se se considera a situação em campo. Os “rebeldes” apoiados pelos EUA jamais conseguiram controlar mais que uma única cidade síria, de nome Raqaa, a qual é dominada pela al-Qaeda e governada sob uma interpretação à moda dos Talibã da lei islâmica, e que inclui, dentre outros, o banimento de qualquer tipo de música. Os “rebeldes” não têm poder em campo que os autorize a exigir seja o que for, muito menos que “Assad tem de sair”.

Mentira 2: As milícias “rebeldes” apoiadas pelos EUA seriam grupos terroristas islamistas “moderados”

O simples fato de alguém dizer publicamente tal absurdo, sem provocar gargalhadas, é prova do grande sucesso da propaganda que se faz pela empresa-imprensa jornalística ocidental. A narrativa jornalística ocidental pinta os rebeldes financiados pelos EUA como “bons”, em luta contra, ao mesmo tempo, o governo sírio e os “maus” rebeldes associados à al-Qaeda.

Frente al-Nusra "rebelde" na Síria, note a bandeira da al--Qaeda à direita da foto
Mas os tais “bons” terroristas que integram a Frente Islâmica apoiada pelos EUA partilham a mesma visão quanto ao futuro da Síria que os rebeldes da al-Qaeda: todos defendem uma versão fundamentalista da lei da Xaria, segundo a qual as mulheres vivem praticamente em prisão domiciliar e minorias religiosas são cidadãos de segunda classe (grupos muçulmanos não sunitas seriam massacrados na Síria, como já estão sendo, nas áreas das quais o governo sírio ainda não conseguiu varrer os terroristas – mais um fato minimizado ou apagado do noticiário pela imprensa-empresa jornalística ocidental).

A mentira sobre os “rebeldes moderados” foi também exposta recentemente, quando um alto comandante da mais poderosa das milícias em guerra contra o governo sírio, o grupo Ahrar al Sham, integrante da Frente Islamista e apoiado pelos EUA, declarou que seu grupo é o único “verdadeiro” representante da al-Qaeda na Síria.

(Para ler matéria completa, clique no título)

__________________________________________________

Ilustração: AIPC – Atrocious International Piracy of Cartoons
_________________________________________________

PressAA


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário