Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 4 de janeiro de 2014

NO PIOR IDH DO PAÍS, A LIÇÃO DOS MÉDICOS CUBANOS



NO PIOR IDH DO PAÍS, A LIÇÃO DOS MÉDICOS CUBANOS
IHU – Sexta, 03 de janeiro de 2014
“Fomos a uma comunidade ribeirinha, fizemos travessia de barco e na casa de um senhor diabético de 86 anos ouvimos, depois do exame:‘04 médicos aqui, quatro médicos me visitando em casa, meu Deus posso morrer feliz. Nunca tinha visto um médico!’, escreve Vera Paoloni, bancária, jornalista e secretária de comunicação da CUT/Pará, em artigo publicado no portal Brasil 247, 28-13-2013.
Melgaço, no Marajó, Pará, tem o pior IDH – Índice de Desenvolvimento Humano do país, segundo o Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil 2013, divulgado no final de julho. São 24 mil habitantes, dos quais 12 mil não sabem ler e nem escrever, apenas 681 pessoas frequentam o ensino médio, saneamento é zero, saúde é rarefeita e internet só de vez em quando e apenas por celular. O melhor de Melgaço é o povo, as pessoas, atestam Maribel, Oyainis e Maribel as três médicas e o médico cubano Orlando que estão morando e trabalhando no município marajoara desde 21 de setembro, há pouco mais de 03 meses. Eles integram o programa audacioso e certeiro ‘Mais Médicos’, que leva assistência e médicos a municípios carentes e vulneráveis. Ponto para o Ministério da Saúde e para a presidenta Dilma Rousseff.
Se o povo é o melhor de Melgaço, o pior é a água. Ribeirinho, Melgaço não tem água tratada e nem saneamento básico. Isso gera micoses e contaminações genitais. Há gravidez muito precoce e um índice alarmante de hipertensão que atinge muitos jovens, resume o quarteto médico cubano que atende 24 pessoas, no mínimo, todo dia em Melgaço, de segunda a sexta. Com a consulta média de 30 minutos, salvo situações mais complicadas e que exigem mais tempo. Em todas as consultas, a medicina preventiva em ação: tratar a água com hipoclorito de sódio, ferver a água, só pra citar um exemplo.
Pobreza e generosidade – Quase a metade, 48% da população deMelgaço é pobre, aponta o Mapa da Pobreza do IBGE publicado em 2003. Grande parte da população do campo tem remuneração de R$ 71,50, fazendo com que as famílias na zona rural sobrevivam, em média, com R$ 662 por mês – menos que um salário mínimo. As distâncias são grandes e se leva até 15 dias pra cruzar o espaço de mais de 06 mil quilômetros. Com toda essa adversidade, o povo de Melgaço é acolhedor e generoso, garantem as médicas e o médico cubanos.
Rendimentos compartilhados – Afinal, o que vocês ganham de salário fica com vocês ou vai pra família, indago? “Parte fica conosco, parte vai para nossas famílias e outra parte vai para o nosso governo, para ajudar o nosso povo cubano”, me diz Maribel Hernandez. “Mas o que ficamos é suficiente para nos manter, para lazer. A prefeitura de Melgaço paga nosso alojamento e esse é muito bom: tem um quarto para cada um de nós, com banheiro, cama, ar condicionando. Temos mais que suficiente”, fala Maribel Saborit.
Nem açaí e nem farinha – Como a jornada de trabalho em Melgaço é de 40 horas semanais, igual a Cuba, pergunto o que fazem no final de semana pra driblar a saudade de casa, já que as famílias ficaram em Cuba.“Lavamos e passamos nossas roupas, limpamos nossos quartos, lemos, entramos na internet pra passar correio eletrônico, descansamos”. E Orlando informa que em julho vão de férias a Cuba.
Nove anos de estudo – Nem a imensidão de água da baía do Marajó, o calor ou as travessias de barco até as comunidades assustam o quarteto médico cubano. Os quatro trabalharam em missões humanitárias na Venezuela e na Bolívia. Estudaram os nove anos da formação de medicina cubana: 06 da medicina geral e mais 03 da medicina integral, algo semelhante à residência médica brasileira, em que a especialização é feita juntamente com trabalho prático. E os quatro trabalhavam em Cuba. Maribel Saborit, em Belém. Na capital, fizeram um treinamento na área de saúde e retornam segunda-feira 23, bem no período de recesso natalino. De Melgaço a Breves, uma hora de barco e de Breves a Belém, mais 14 horas. Ao todo 15 horas pra chegar em Belém, atravessando a baía do Marajó. Maribel Saborit, Oyainis Santos, Orlando Penha eMaribel Hernandez, médicas e médico cubanos se conheceram não em Cuba, país em que nasceram, estudaram, se formaram, casaram, tiveram filhos e trabalharam. Foi em solo brasileiro, em Brasília, que os quatro se encontraram pela primeira vez, em agosto. Agora trabalham em Melgaço e lá ficarão por 03 anos.
Maribel Saborit tem 21 anos de profissão. Maribel Hernanez, 19 anos.Oyanis, 08 anos e Orlando, 22 anos. Cuba orientou como critério de participação no programa ‘Mais Médicos’o mínimo de uma missão humanitáriaOrando esteve no Paquistão e Venezuela. Oyainis, na Venezuela. Maribel Saborit e Maribel Hernandez, na Venezuela e Bolívia. Além dos 09 anos de estudo, atuação em uma missão humanitária por 03 anos.
Um médico em casa? – Embora o quarteto fale num bem compreensível portunhol, indago se não falarem bem o português fez com que algum paciente deixasse de entendê-los. “De jeito nenhum diz Oyainis. A gente olha pra eles, conversa e se entende. Fazemos um amplo interrogatório, anotamos, fazemos exames físicos completos”. EMaribel Saborit completa: “o povo é muito acolhedor, generoso e agradecido. Fomos a uma comunidade ribeirinha, fizemos travessia de barco e na casa de um senhor diabético de 86 anos ouvimos, depois do exame: 04 médicos aqui, quatro médicos me visitando em casa, meu Deus posso morrer feliz. Nunca tinha visto um médico”!
Sem essa de ‘Dr, Dra’ – Fico surpresa quando me dizem que se apresentam aos pacientes como Maribel, Oyainis, Orlando. Assim, sem ‘Dr, Dra’, termos que aqui no Brasil são acrescidos à profissão de médicos.Maribel Saborit ri e me diz: “por que ‘Dr, Dra’?” Somos iguais, só tivemos mais chance de estudar, ter uma graduação. Mas nossa identidade é a mesma de quando nascemos”.
Os quatro me contam que Belém e Melgaço são ‘mais quente que Cuba”, mas isso não atrapalha. Gostam da comida à base de peixe, frango, carne, arroz, feijão. Só açaí e farinha não faz parte do cardápio deles. ‘Muito forte o açaí’ diz Maribel Saborit sorridente. Eu afianço a elas e ele que não sabem o que estão perdendo. E rimos todos.
Internet, problemão – O contato com a família é via e-mail, pois falar pelo celular é muito caro. Cada um tem um tablet 3G, que faz parte dos equipamentos do ‘Mais Médicos’. E eles compraram um pacote ‘basicão’ da Vivo“mas os créditos somem muito rápido”, se queixam. Como falar por telefone é caro demais, sobra conversar por e-mail na internet do celular.
Eu digo a elas e ele que quem mora e luta na Amazônia quando vara uma notícia pro mundo, rompe o cordão sanitário do isolamento em que nos encontramos. O acesso à internet poderia ser uma forma de ajudar a romper esse cordão, mas temos o pior acesso de todas as cinco regiões do país e no Marajó, o pior acesso do Pará. Estamos ilhados, portanto.
Oyanis completa: “a saúde em Cuba precisa da ajuda de todos nós, porque o país sofre um embargo econômico que é muito doloroso para nossa gente. Então, a ajuda precisa vir de nós, cubanos e de nossos aliados”.
Faz parte da nossa formação retribuir – A conversa vai chegando ao fim, pois há várias pessoas chamando o quarteto médico cubano e querendo tirar fotos, indagar, conversar, rir junto. E eu faço a última inquirição: o que fez vocês saírem de Cuba e vir pra Melgaço? E Maribel Saborit diz: “olha, faz parte da nossa formação ajudar países e pessoas mais necessitadas com nosso conhecimento que foi dado de forma coletiva e gratuita. Só estamos retribuindo”.
Encerramos a conversa e eu fico matutando que grandeza é essa de Cuba e do seu povo que tanto tem a nos ensinar! Se eu conheço quantos médicos do meu país que fariam algo semelhante aqui mesmo. Em janeiro vou a Melgaço numa caravana formativa da Fetagri/CUT no Marajó. Quero rever meu novo quarteto camarada e amigo e conversar com o povo atendido pelas médicas e pelo médico cubanos (V.P).
E só finalizando mesmo: fizemos uma pequena homenagem às 03 médicas cubanas e ao médico cubano ontem à noite na formatura de encerramento do curso de Formação de Formadores promovido pela Escola Chico Mendes da Amazônia e da qual participamos 46 pessoas, de todas as CUTs da Amazônia.

Via Vitor Buaiz

64 anos depois do inicio da Revolução Cubana



Na Senzala chamada ES - A Malhação de JUDAS

  • Vc sabia que 90% do que precisa ser feito em um estado ou município, são feitos com verbas e projetos do governo federal?

    Toda verba destinada aos estados e municípios chegam aos mesmos através de adesão dos projetos do governo federal nos seus respectivos Ministérios.

    Os outros 10% são recursos próprios do estado e do município.

    Os projetos possuem prazos e regras a serem seguidas, e os estados e municípios em alguns casos (onde as verbas são antecipadas) são obrigados a devolver estas verbas por não terem projetos?

    Ou nem recebem verbas por não aderirem aos projetos em tempo hábil?

    Então, quando vc for falar mal do governo federal, consulte primeiro seu governador e seu prefeito, o porque não existe obra ou programa para a saúde, educação, moradia, segurança, saneamento básico, e outros tantos projetos...

    Pergunte ao seu candidato porque ele nunca te ensinou isso?

    Pergunte ao seu vereador, deputado, senador, porque ele não fala com vc sobre isso?

    Tudo que vc não sabe, está em um livro que vc não leu, mas nesse caso, esta em um site que vc não tem o hábito de visitar, como não tem o hábito de fiscalizar os gestores do seu estado e seu município.

    Quer saber como tudo isso funciona?

    Visite: http://www.brasil.gov.br/ aqui vc vai encontrar tudo que vc precisa saber para ter base para não só criticar, mas, elogiar também!

    Crie o hábito de visitar este site pelo menos uma vez na semana, e garanto que sua mente ficará esclarecida, assim como suas opiniões serão corretas e pautadas em fundamentos e não em suposições.

    COMPARTILHEM ESTA IDEIA!!!

-------------------------------------------------------------------------
Corroborando com essa postagem esclarecedora do Allan:


Só O POVO SALVA O POVO,

ABAIXO A POLITICAGEM

enquanto isso no ES, politicos com mandatos , fazem a demagogia: Distribuiem cestas básicas DOADAS PELO POVO e detidas por mais de 5 dias na praça do Papa, para que ' reunidos arrumassem forma de fazerem politicagem'. Politicos (GOVERNADOR e PREFEITOS , principalmente os da Grande Vitória) , recebem auxilio federal - obrigação de um presidente do POVO, embora nem todos os ex-presidentes fariam- e saem , aliados a mídia a falar que o gov. federal nada faz e eles são os salvadores da pátria. NAO SAO, são demagogos que ficaram mais de cinco dias parados , enquanto o POVO estava com sede, com fome , desabrigado, sujeito a inumeras doenças que virao. Politicos que não responderam ainda, como Casagrande, ONDE ENFIARAM as verbas FEDERAIS destinadas a prevençao de acidentes na forma de ENCOSTAS, PAVIMENTAÇÃO DE RUAS, LIMPEZA DE VALAS< ESGOTOS< RIOS. Politicos que viajaram, como o tal de Vila Velha, que não atenderam, em estado de calamidade pública, de imediato a ofertas de ajuda do GOVERNO FEDERAL, como o 'querido' governador Casagrande.

A esses politicos avisaremos: VCS. SERAO DESMASCARADOS até a verdade aparecer, pelo POVO que SALVA o POVO.

Senhor, livrai-nos desses males.....

pelo direito a Memoria e a verdade ASSENTA CAMBAIBA DILMA, ASSENTA . Fernando Santa Cruz.PRESENTE

 pelo direito a Memoria e a verdade ASSENTA CAMBAIBA DILMA, ASSENTA PS: cambaiba era campo de incineração de Presos politicos, dentre eles Fernando Santa Cruz, 
Marlúzio F. Dantas, Nascido Para viver, Vivi... Janeiro de 2014.
D. Zita uma história de lutas, uma lição de vida,
"... mas o que sinto escrevo.Cumpro a sina.Inauguro linhagens,Fundo reinos,- dor não é amargura. (Adélia Prado). 


“Todos que a conhecem, mesmo que não tenham, como nós, o privilégio de sua convivência cotidiana, sabe o quanto ela gosta da vida, de si mesma, quanto é alegre, justa, serena e muito firme na defesa do que pensa”. Com a D. Zita todos nós aprendemos, entre muitas outras coisas, a tenacidade, a assertividade e, acima de tudo, a capacidade de se metamorfosear, de buscar sempre novas formas de sentir a agir no presente, amparada pela memória do passado, sim, mas nunca presa a ele, porque seus olhos estão sempre voltados para o futuro.

(...) Era 1972, começo de janeiro, Rosalina de Santa Cruz (filha de D. Zita) presa no Rio de Janeiro, ainda incomunicável, foi levada do Doi-Cod na Barão de Mesquita para a sede do I Exercito, para ser ouvida pelo major Coelho, que na sua preleção aconselhou aos pais que estavam presentes a estimular seus filhos a colaborar no inquérito, quando do fundo da sala, surge uma voz firme e emocionada, era D. Zita: “o que o senhor quer dizer com isso, coronel? O senhor está insinuando que devo pedir à minha filha para delatar seus companheiros. Jamais farei isso, coronel, não criei filha para ser dedo duro. Quero que ela seja tratada com dignidade. Vejo que ela está machucada".

(...) 23 de janeiro de 1974, início do Governo Geisel, que desapareceu o estudante pernambucano e militante da Apml (Ação Popular marxista-leninista), Fernando Augusto de Santa cruz, fato que mudou para sempre à vida dessa mulher, que nunca parou de lutar e de se transformar, na luta intensa e, apaixonada pelo esclarecimento das circunstâncias que determinaram o assassinato e a ocultação do corpo de seu filho. Luta que a levou a incorporar-se às lutas políticas de resistência à ditadura e a se tornar uma militante dos direitos humanos, que quer justiça e não vingança. Mas que não abre mão da responsabilização de todos os envolvidos nos atos criminosos de tortura desaparecimento e morte de tantos companheiros.




quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Medidas a Serem Adotadas em caso de Enchentes e Inundações


ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Medidas a Serem Adotadas em caso de Enchentes e Inundações

CLORAÇÃO DA ÁGUA NÃO TRATADA

VOLUME DE ÁGUA
HIPOCLORITO DE SÓDIO A 2,5% OUÁGUA SANITÁRIA
TEMPO DE CONTATO

DOSAGEM
MEDIDA PRÁTICA




30 minutos
1 LITRO
0,045 ml
2 gotas
20 LITROS
2 ml
1 colher de chá
200 LITROS
15 ml
1 colher de sopa
1000 LITROS
100 ml
2 copinhosdescartáveis

  1. Misture bem a água,
  2. Guarde sempre a água clorada em vasilhas ou caixas de água limpas com tampa.

OBS.: A água tratada pela CESAN já está recebendo dosagem ajustada de cloro devido às enchentes. Sendoassim, não necessita acrescentar mais.

TRATAMENTO DE LEGUMES, VERDURAS E FRUTAS QUE VÃO SER COMIDOS CRUS

15 ml ou uma colher de sopa de hipoclorito de sódio a 2,5% para um recipiente de 20 litros de água.
     OBSERVAÇÕES:
·         Os alimentos devem ser lavados antes e depois de mergulhados na solução durante 30 minutos.
·         Depois de usada, jogue fora a solução.
·         Nunca use esta solução clorada para beber.

ALIMENTOS ENLATADOS
Qualquer alimento que ficou submerso, enlatado ou perecível, deverá ser desprezado.
Proceder a desinfecção dos enlatados que não estiverem abertos ou enferrujados.

LIMPEZA DO AMBIENTE QUE FOI CONTAMINADO
·         01 copo de água sanitária para 01 (um) balde de água de 20 litros;
·         Utilizar a solução para limpeza de paredes (até a marca da inundação), pisos e utensílios.
·         Não usar esta solução para beber

LIMPEZA DE CAIXAS DE ÁGUA
1.    Esvazie a caixa d´água abrindo as torneiras e chuveiros. Antes feche o registro de entrada de água.
2.    Escove as paredes internas da caixa.
3.    Enxágüe as paredes internas da caixa.
4.    Feche as torneiras e chuveiros. Encha a caixa toda e coloque 2 copos de água sanitária para cada 500litros de água  e misture.
5.    Deixe em repouso por 4 horas.
6.    Depois de 4 horas, esvazie a caixa de novo (esta água pode ser usada para a limpeza da casa).
7.    Torne a encher a caixa e use normalmente a água. Quando a água não for tratada pela CESAN utilizea tabela de cloração de água não tratada.
8.    Mantenha a caixa fechada.
9.    Repita a limpeza de 6 em 6 meses. 

MAIORES INFORMAÇÕES: VIG. EPIDEMIOLÓGICA.
3132.5046 / 3132.5021

Enviada por Vitor Buaiz

URGENTE- ChuvasES Receita de Repelente caseiro para evitar DENGUE



(Receita caseira)




Estou repassando, por entender tratar-se de uma solução fácil para um problema que vem 

se arrastando e adoecendo tantas pessoas.
Com tanta chuva, está sendo impossível
controlar poças d'água e criadouros, como sabem.

Este repelente caseiro, ingredientes de grande disponibilidade, fácil de preparar em casa,

de agradável aroma e econômico..
Em contato com pessoas, tenho notado que não se protegem, estão reclamando que crianças

 estão cheias de picadas. DENGUE I (Aedes Aegypti):


Componentes:
- 1/2 litro de álcool;
- 1 pacote de cravo da Índia (10 gr);
- 1 vidro de óleo de bebê (100 ml).

Deixe o cravo curtindo no álcool uns 4 dias, agitando duas vezes ao dia (manhã e tarde);
Depois coloque o óleo corporal (pode tb ser de amêndoas, camomila, erva-doce, aloé vera).
 O óleo deve ser misturado só depois que os cravos estiverem bem curtidos no álcool e serve ara fixar na pele.
Além de eficiente, é muito cheiroso e agradável, o mosquito desaparece.


Foto: REPASSANDO URGENTE
cos como amostra, todos estão aderindo.
Já distribuí 500 frascos e continuo.
Mas, sou sozinha, trabalhando com recursos próprios, devido ao grande número de casos de dengue, não consigo abranger.
Gostaria que a SUCEN sugerisse aos municípios distribuir este repelente ( numa emergência ) nos bairros carentes com focos da dengue, ensinando o povo para futuramente preparar e usar diariamente, como se usa sabonete, pasta de dente.
Protegeria as pessoas e ao mesmo tempo, diminuiria a fonte de proteína do sangue humano para o aedes maturar seus ovos, atrapalhando assim, a proliferação.
Não acham que qualquer ação que venha a somar nesta luta deveria ser bem vinda ?

DENGUE I (Aedes Aegypti): 

Componentes:
- 1/2 litro de álcool;
- 1 pacote de cravo da Índia (10 gr);
- 1 vidro de óleo de bebê (100 ml).

Deixe o cravo curtindo no álcool uns 4 dias, agitando duas vezes ao dia (manhã e tarde);
Depois coloque o óleo corporal (pode tb ser de amêndoas, camomila, erva-doce, aloé vera).
Passe só uma gota nos braços e outra nas pernas e o mosquito foge do cômodo.

O cravo espanta formigas da cozinha e até dos equipamentos eletrônicos, espanta também as pulgas dos animais.

O repelente evita que o mosquito sugue o nosso sangue, assim, ele não consegue maturar os ovos e atrapalha a postura, vai diminuindo a proliferação. 

A comunidade toda tem de usar, como num mutirão. 
Não forneça sangue para o aedes aegypti !
Ioshiko Nobukuni
(Sobrevivente da dengue hemorrágica)

Uma observação da Nair Adelaide: 
Aqui em casa sempre temos este preparado. Minha filha usava quando fazia trabalho de campo para o mestrado em Biologia e tinha que passar a noite no mangue.
Quando eu faço, coloco bastante cravo para ficar mais forte. Acho que 10 gramas ainda é pouco. O óleo deve ser misturado só depois que os cravos estiverem bem curtidos no álcool e serve para fixar na pele. 
Usamos quando vamos passear, pescar ou em qualquer outra ocasião em que se faça necessário. Além de eficiente, é muito cheiroso e agradável, o mosquito desaparece.

Curtiu · 31 de dezembro de 2013 

Um 2014 feliz começa dentro de cada coração, um ano só é novo quando renovamos a esperança de que tudo pode ser melhor, e será!

Nós do GRV desejamos a todos, um feliz 2014, um ano de paz, amor, saúde e realizações.

Mas especialmente para todo o povo do Espirito Santo, um estado lindo, de pessoas especiais, desejamos tudo de bom, que a dor do momento se transforme em sorriso, que a dificuldade tenha conseguido unir ainda mais este povo tão querido!

Aos amigos da UFES, o nosso muito obrigado por tudo! É emocionante ver jovens tão engajados, solidários, amigos! Podemos dizer sem dúvidas, o futuro do nosso Brasil está muito bem encaminhado com vocês!

Aos amigos do EVR Anjos das Ruas, Processo Apell, RadioOperador Felipe - Petropolis, Douglas Sant´Anna - Logistica - Resende, a nossa eterna gratidão, o nosso aplauso pelo trabalho tão bem realizado, especial, correto, digno.

Aos nossos alunos, parceiros, apoiadores, um feliz 2014, justo e solidário!

Nos vemos em 2014!!!
 — 

O ano novo sem fim: Aniversário do levante Zapatista de 1994 « DAR - Desentorpecendo A Razão DAR...

Aos que de noite puseram a mochila e a história nas costas,
aos que tomaram com as mãos o relâmpago e o trovão,
aos que se calçaram as botas sem futuro,
aos que se cobriram o rosto e o nome,
aos que, sem esperar nada em troca, na longa noite morreram
para que outros, todos, todas, em uma manhã por vir ainda,
possam ver o dia como tem que ser,
ou seja, de frente, de pé e com o olhar e o coração erguidos.
Para eles nem biografias nem museus.
Para eles nossa memória e rebeldia.
Para eles nosso grito:
liberdade! Liberdade! LIBERDADE!
http://coletivodar.org/2014/01/o-ano-novo-sem-fim-aniversario-do-levante-zapatista-de-1994/

O primeiro dia do resto de nossas vidas,

Marlúzio Ferreira Dantas, Nascido Para Viver Vivi... primeiro de janeiro de 2014,

O primeiro dia do resto de nossas vidas,

Amanhece cedo em Goiânia, é o primeiro do ano, saiu à rua e a vejo deserta procuro pão como poucos. A rua deserta que mais parece à caatinga nordestina quando a seca castiga ainda mais nosso povo.

De repente um bar ainda aberto com quatro mesas ocupadas e uma radiola de ficha a tocar qualquer musica. A aqueles que teimam em não deixar o ano velho que se foi, pois, presos estão no passado, uma moça coloca uma ficha na radiola e agora toca um brega já não mais tão brega quantos os bregas de Reginaldo Rossi que se foi, assim como o ano velho.

Pergunto aos meus pensamentos ainda não de todo alinhados pelos tragos de cavalo branco da virada: o que procuram os bêbados do bar da radiola de ficha? Será a felicidade?

Volto pra casa sem pão mas feliz, pois, se as padarias do bairro não abriram hoje é sinal de folga para os trabalhadores e isso é bom.

Justiça Social em Santa Catarina!



JUSTIÇA SOCIAL
EM SANTA CATARINA!

Raul Longo

Parece mentira, ninguém acredita, mas é a pura verdade! Enfim a justiça social chega a Santa Catarina e pelas mãos de um governo de direita. Nada mais nada menos do que o PSD de Jorge Bornhausen, dessa vez representado por Raimundo Colombo do mesmo partido.

Em Santa Catarina todos os partidos representam Bornhausen, mas Raimundo Colombo é filho legítimo e como todos os demais governadores anteriores a ele, bastardos do PMDB ou do PP, também prometeu a solução da eterna falta de água no litoral catarinense a cada final de ano. E como todos os outros só cumpriu com o prometido para turistas de bairros como Ingleses, Canasvieiras e Jurerê.

O resto que se lascasse, pois já que a imprensa monopolizada pelo Grupo RBS não iria dizer nada mesmo, a água potável pela qual a conta da CASAN – Companhia de Água e Saneamento do Estado de Santa Catarina em alguns casos supera a do consumo de energia elétrica, sumia das torneiras dos bairros mais pobres para jamais faltar naqueles que abrigam os privilegiados.

Com a decadência econômica da Argentina promovida pelo Carlos Menem, amigo pessoal do Fernando Henrique Cardoso que é amigo pessoal do Bornhausen, ficou tudo na mesma turma e os redutos dos turistas argentinos, exatamente Ingleses e Canasvieiras, parece que também acabaram experimentando do processo seletivo no exercício de competência da CASAN. Digamos que a Companhia sofreu uma expansão de incompetência, mas que, evidentemente, não atingiu o Jurerê.

O Jurerê, não! O Jurerê é sagrado! Afinal, em Jurerê a creme de la creme! A nata! A gema! E fossem filhos bastardos como o anterior Luís Henrique da Silveira do PMDB ou legítimos como o Raimundo Colombo do PSD, com todas as promessas ditas e repetidas ao longo de todos os anos, nada mais certo e fatal do que a invariável realidade de que para as piscinas do Jurerê Internacional jamais faltaria água por mais que todo o restante da capital do estado e muitas cidades das cercanias e de todo o litoral fedam à falta de banho, a cesto de roupa suja e louças e panelas amontoadas em pias de cozinhas de casas sujas e encardidas.

Apesar dessa realidade “tisnada” como se diz no vocabulário do Manézinho da Ilha, de Raimundo Colombo há de se reconhecer que como nenhum outro investiu em coloridas e vistosas promessas de solução desde o primeiro ano em que assumiu o governo do estado. Foram desenhos animados, jingles, filmetes e muita inserção de minutos e minutos de desculpas preventivas da invariável e inevitável falta de água no final de ano.

A tática ficou até bastante clara e evidente à população: em meados do ano, através de releases e comunicados da CASAN, corroborados por matérias e notícias da imprensa local (leia-se Grupo RBS), convence-se a toda população de que o governo e a Companhia investem enormes esforços para resolução total e definitiva do problema já naquele ano.
Mas quando a temporada se aproxima, já nas vésperas entram as propagandas produzidas nos melhores estúdios de São Paulo e Rio de Janeiro para então convencer ao catarinense que a água faltará em sua torneira porque não foi suficientemente prevenido para instalar reservatórios, ou porque tomou banhos demais, por culpa do São Pedro, por uma virose que tornou o vaso sanitário muito concorrido e o absurdo que ocorrer ao estrategista de marketing disponível no momento.

Esse ano a responsabilidade recaiu sobre as visitas de amigos e parentes através da superprodução de um filmete para o qual pagaram o cachê de tipos bizarros que reportam ao filme Big Fish ou Peixe Grande.

Uma beleza a propaganda do Raimundo Colombo, mas a maior surpresa, o realmente inesperado é que neste ano do Senhor de 2013, enfim, se promove a justiça social em Santa Catarina.

Ainda há pouco o governador em pessoa apareceu ao lado de um cacimbado dizendo que graças aquele açude construído com o auxílio de verbas obtidas por sua administração junto a governos internacionais, água não mais faltaria aqui e acolá, mas na verdade aquele pouco mais do que um olho d’água não entusiasmaria nem mesmo a cidadão do Cocorobó no alto sertão baiano ou do Cariri da Paraíba, e os catarinenses ficaram tentando descobrir a quem o governador pretendia enganar se não há quem não saiba que em final de ano água só não falta na piscina e na banheira de magnata do Jurerê.

Jurerê sem água? Jamé!!!!

Pois nesta véspera de ano eleitoral Raimundo Colombo enfim promove a maior afirmação de justiça social já ocorrida em Santa Catarina. Embora todo mundo a imaginasse mitológica ou inviável, Raimundo Colombo prova que a justiça social catarinense existe: neste ano a infalível e esperada falta de água atingiu também os burgueses do Jurerê!

Viva Colombo, o justiceiro! Se é pra desgraçar alguém que nos desgracemos todos!

 [A rede castorphoto é uma rede independente tem perto de 41.000 correspondentes no Brasil e no exterior. Estão  divididos em 28 operadores/repetidores e 232 distribuidores; não está vinculada a nenhum portal nem a nenhum blog ou sítio. Os operadores recolhem ou recebem material de diversos blogs, sítios, agências, jornais e revistas eletrônicos, articulistas e outras fontes no Brasil e no exterior para distribuição na rede]

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

e começou o pós Chuva: primeiro obito : Leptospirose

oh ES Olhaí por nós, att a luta e a mobilização tem que continuar. Divulguemos todos:

Ontem até me vesti de feliz. na vã tentativa de esquecer momentaneamente a luta e o que vem por aí. as duas da manha já estava exausta de tanto esforço. Hoje sei pq.: O que era a previsão já se concretiza:

Primeiro óbito decorrente das doenças que teremos que encarar no ES:

'Ethel Maciel

'...Infelizmente conforme divulgado ontem a SESA investiga o primeiro óbito por leptospirose no ES em decorrência das chuvas. Gostaria de falar aqui mensagem maravilhosas sobre a passagem do ano, mas compartilho as informações sobre os principais sinais e sintomas para que vcs possam compartilhar em suas redes sociais e para que possamos fazer essa informação chegar ao maior número de pessoas!
http://www.saude.es.gov.br/default.asp'.

Fernanda Tardin Tardin http://juntosomos-fortes.blogspot.com.br/.../enchente-es... distribuir ao maximo a cartilha. Quem pode, favor imprimir, xerocar, levar a comunidades. Alô conselhos da comunidades, alô lideranças, URGE levar a todos a cartilha, não evitaremos, mas poderemos reduzir efeitos.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- NAO DISTRIBUIR COMPARTILHANDO pois só será compartilhado o link. Bora copiar e colarr...