Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 28 de dezembro de 2013

Patrulha Ideológica: "Atenção, Joaninhas! Racismo na Floresta da Tijuca! Um bando de Mico-Leão-Lourado ataca um Sagui!"






24/12/2013 

Velha mídia quer a Presidência de presente de Natal

Enquete feita entre colunistas do mais tradicional veículo da velha mídia mostra o que eles pretendem em 2014: mandar na política e ditar a opinião pública

Antonio Lassance
Arquivo
O jornalista Ancelmo Góis fez uma enquete junto a outros colunistas do jornal O Globo para saber o que eles esperam de 2014. Merval Pereira espera que as coisas continuem ruins no ano que vem, mas acha que vão piorar. Carlos Alberto Sardenberg, Míriam Leitão e Zuenir Ventura torcem por mais protestos – “protestos vigorosos”, quer Sardenberg. Ricardo Noblat pediu a Papai Noel que dê discernimento aos brasileiros para escolher o próximo presidente da República. Se é para dar, supõe-se que é porque ainda não temos.

A enquete deixa claro o que o mais tradicional veículo da velha mídia está preparado para fazer em 2014. É o mesmo que fez em 2013: pegar carona na insatisfação popular para tentar influir decisivamente no mundo da política. Desgastar aqueles de quem não gosta para dar uma força àqueles que são seus prediletos.

A mídia que foi escorraçada das ruas e teve que mascarar as logomarcas de seus microfones quer repetir o que sempre fez em eleições presidenciais: entrar em campo e desempenhar o papel de partido de oposição.

As corporações midiáticas se organizam para, mais uma vez, interferir no resultado das eleições porque disso depende o seu negócio. De novo, entram em campo para medir forças. Já estão acostumadas a partir para o tudo ou nada. Vão testar, pela enésima vez, a quantas anda seu poder sobre a política. Disso fazem notícia e assim agem para deixar os políticos e os partidos de joelhos, estigmatizados, envergonhados e obsequiosos. 

Como nos ensinou Venício Lima, uma Presidência, um Congresso e partidos achincalhados são incapazes de propor uma regulação decente da mídia, nem mesmo para garantir a liberdade de expressão, a diversidade de fontes de informação, a pluralidade de opiniões e um mercado da comunicação não cartelizado.

Em 2013, as corporações midiáticas, mais uma vez, anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar. E não é que o tal do mundo não se acabou? Quando os protestos de junho tomaram as ruas, o preço do tomate tinha ido às alturas. O PIB de 2012 se tornou conhecido e seu crescimento havia sido próximo de zero. Os reservatórios estavam bem abaixo do normal e "especialistas" recomendavam rezar para que não houvesse apagão. O caso Amarildo fez derreter a quase unanimidade que havia em defesa do projeto das Unidades de Polícia Pacificadora (as UPPs). 

Parecia que o país ia mal das pernas e que um modelo de governança estava esgotado e ruindo. Tudo levava a crer que a presidência Dilma havia entrado em um beco sem saída. Mas saiu. Ela recuperou sua popularidade, enquanto seus adversários potenciais caíram em preferência de voto e aumentaram sua rejeição. 

O ano terminou melhor do que começou, para o governo e para o País. A inflação vai fechar dentro da meta. Assim deve permanecer no ano que vem, por mais que alguns analistas queiram, usando razões que a própria razão desconhece, nos fazer crer que o limite da meta é algo fora da meta (quem sabe os dicionários, no ano que vem, tragam um novo sentido para a palavra “limite”). Não houve apagão e as térmicas foram desligadas mais cedo do que se imaginava. 

O crescimento do PIB, em 2014, deve ser maior do que o deste ano. Educação e saúde terão mais recursos e têm saído melhor na percepção aferida em pesquisas. O Brasil, no ano que vem, continuará com um dos maiores superávits primários do mundo, ainda mais com a entrada de novos recursos vindos da exploração do pré-sal e das concessões de infraestrutura.

Mas os pepinos continuam sendo muitos. Alguns serão particularmente difíceis de se descascar no ano que vem. Um é a ameaça de as agências de avaliação de risco rebaixarem a nota do Brasil. Outro é o descrédito das políticas de segurança pública, em todos os estados, mas respingando no Governo Federal.

O terceiro e, possivelmente, o mais explosivo, seria o mesmo de 2013: uma nova onda de aumento das tarifas de ônibus, o que tradicionalmente acontece no primeiro semestre de cada ano. A derrota do aumento do IPTU em São Paulo, na Justiça, tirou do mapa a única situação que se imaginava sob controle. O eixo Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte é o que mais preocupa o Planalto. Se algo der errado, no ano que vem, terá como epicentro provável essas três capitais, podendo alastrar-se para as demais.

Os protestos de 2013 foram uma tempestade perfeita. Várias questões mal resolvidas e acumuladas no estresse diário dos cidadãos se transformaram em revolta nas ruas, juntando alhos e bugalhos. Imprevisíveis, tempestades perfeitas, como foram as jornadas de junho, são também difíceis de se repetirem. Difíceis, mas não impossíveis.

Basta um pequeno risco para se ter uma grande preocupação. Os três problemas mais sensíveis do momento (a percepção internacional sobre a economia do país, a segurança pública e as tarifas de ônibus) conformam a agenda prioritária do primeiro trimestre de 2014 a ser toureada diretamente pelo Palácio do Planalto. Os meses de janeiro a março de 2014 serão mais agitados do que o normal, pelo menos, na Esplanada dos Ministérios.

O trimestre seguinte, de abril a junho, será o período mais crítico. Ali se concentram as datas-base da negociação trabalhista de várias categorias; a briga de foice de muitos interesses para entrarem na pauta do esforço concentrado do Congresso; o período final do acerto das candidaturas presidenciais e estaduais; finalmente, claro, a Copa do Mundo de Futebol.

Que venha 2014. Que venha mais ousadia de todos os governos e partidos. Que venham mobilizações em favor dos mais pobres e com os mais pobres nas ruas, com suas organizações sociais, populares e seus partidos -  até para que os partidos possam abrir menos a boca e mais os ouvidos. Que os brasileiros mostrem que a voz das ruas não é aquela fabricada pelas manchetes das corporações midiáticas. Que a opinião pública mostre, ao vivo e em cores, que a sua verdadeira opinião é normalmente o avesso da opinião publicada. Que venham surpresas, pois são delas que surgem as mudanças.

(*) Antonio Lassance é cientista político.
_______________________________________________________________________________

A verdade que a burguesia e a direita não querem ver e aceitar

Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre


O Partido dos Trabalhadores é integrado por vários grupos políticos, muitos deles de força ideológica socialista, comunista, que se dividem em subgrupos considerados radicais. Eles desejam uma solução política que ao menos domestique o capitalismo selvagem que viceja no Brasil, um sistema econômico não filosófico, mas que apenas tem por finalidade primordial favorecer o lucro em detrimento da maioria da população de qualquer país.

Contudo, apesar de o PT ser um partido de esquerda e, mais do que isto, ocupa majoritariamente e politicamente o espaço à esquerda do espectro ideológico no Brasil, a agremiação política mais poderosa da América Latina é, na verdade, um partido reformador e não revolucionário, como muitos socialistas queriam, inclusive eu, o autor deste artigo.

O PT é um partido transformador, e, consequentemente, apresentou nas eleições ao povo brasileiro um programa de governo e um projeto de País que viabilizasse as mudanças esperadas há décadas pela sociedade. Válido é salientar que desde o último governo do estadista trabalhista Getúlio Vargas o Brasil e seus consecutivos governantes se recusaram a mexer nas estruturas de um País agrário que foi edificado por intermédio do trabalho escravo e que tem uma das "elites" mais perversas e violentas do mundo.

(Para ler artigo completo, clique no título)
_________________________________________________________________

To Remember Again...



SAMBA DO CRIOULO ASSAZ ATROZ

Foi lá na Terra Santa
Onde nasceu Jota Kristo
Que a galera palestina
Arresolveu se assentar
Mas Adolfo Hitler
Tinha outros pretendentes
E obrigou os sionistas
A acabar
Com com aquela gente

Lá! Iá! Lá Iá! Lá Iá!
O bode que deu
Vou te contar...(bis)

Oooo... Netanyahu
Que também é
Um desses Zé Mané
Queria ser dono do mundo
E se elegeu Bush Segundo

Das estradas do Egito
Seguiu pra Bahia
E falou com Caetano
No programa do Jô
Declarou seu amor
E aliou-se ao baiano
Da união deles dois
Ficou resolvida a questão
E foi proclamada
A escrotidão...
E foi proclamada
A escrotidão...

Assim se conta
Essa história
Que é dos dois
A maior glória
Shiiiimon Peres virou bomba
E Obama
É uma explosão também...

Oh Oh! Oh Oh Oh Oh!
O pau tá levantado
Ou já baixou...(bis)
________________________

TERRORISTAS/SIONISTAS CONTRATAM ESCOLA DE SAMBA CONTRA AHMADNEJAD

Laerte Braga

Grupos empresariais e banqueiros sionistas (judeus) contrataram passistas de escolas de samba do Rio de Janeiro para manifestações em Ipanema, contra a visita do presidente do Irã Mahamoud Ahmadnejad ao Brasil. O presidente do Irã chega nesta segunda-feira a convite do governo brasileiro.

A manifestação terrorista/sionistas falou em direitos humanos. Milhares de palestinos foram mortos por terroristas de Israel desde 1948 em ações criminosas condenadas por organizações internacionais de direitos humanos, pela ONU. Essas violações persistem e o governo de Israel mantém hoje um muro que separa palestinos de judeus, em terras palestinas, onde tomou conta de água palestina em nome do lucro, do terrorismo sionista e da barbárie que é marca registrada do Estado de Israel.

A contratação de sambistas, passistas, baianas, a realização do protesto em Ipanema mostra o que pensam e como enxergam o Brasil os terroristas de Tel Aviv.

Israel falar em direitos humanos é mais ou menos como Beira-mar dizer que não tem nada a ver com o tráfico de drogas.

Há uma clara tentativa de pautar a política externa brasileira pelo consórcio terrorista EUA/ISRAEL. O general Shimon Peres, presidente de Israel e notório assassino de palestinos, esteve há dias no País em visita não programada, mas insinuada, na tentativa de esvaziar o impacto da visita do presidente do Irã e buscar apoio junto a organizações internacionais que atuam no País (PSDB, FIESP/DASLU, DEM, PPS, etc).

Peres, com apoio da mídia estrangeira que opera no Brasil, organizações GLOBO, FOLHA DE SÃO PAULO, ESTADO DE SÃO PAULO, REDE BANDEIRANTES, etc, etc, chegou a dar palpites na questão do pré-sal, sugerindo que o Brasil entregue essa riqueza a grupos estrangeiros (sionistas, naturalmente, são os principais acionistas da Cervejaria Casa Branca).

Agentes do MOSSAD, principal braço do terrorismo de Israel agem à larga no Sul do Brasil, onde existe uma grande colônia palestina e árabe de um modo geral. E o quinto maior reservatório subterrâneo de água doce, o Aqüífero Guarani. Estão interessados na pilhagem dessa água, como fizeram na Palestina.

Mahamoud Ahmadnejad é um professor universitário, foi eleito e reeleito presidente do Irã pelo voto direto do povo iraniano, enfrentou e venceu uma tentativa de golpe montada pelos EUA e por Israel e é fácil entender as razões que levam o reich sionista a tentar isolar o Irã do resto do mundo.

A perspectiva de um equilíbrio militar e econômico no Oriente Médio começa a colocar em risco as políticas expansionistas e brutais de Israel ao longo desses anos.

Boçalidade é o que caracteriza a ação de Israel em relação aos palestinos. Apropriação da água de territórios da Palestina, destruição de casas, de estruturas capazes de assegurar a sobrevivência do povo palestino (indústria, comércio), numa ação contínua, planejada e com apoio dos governos norte-americanos.

Prisões indiscriminadas, tortura, estupro de mulheres palestinas, o repertório que aprenderam com Hitler.

O único acordo de paz ou tentativa de tal, firmado no governo do presidente Clinton, entre Yasser Arafat e o então primeiro ministro de Israel o general Ytzak Rabin terminou com o assassinato de Rabin por um fanático sionista e abriu caminho para a ascensão de um dos mais perversos e sanguinários líderes dos últimos tempos, o general Ariel Sharon, responsável pelos massacres de Sabra e Chatila, onde até os rebanhos foram mortos e degolados na sanha criminosa do sionismo.

De lá para cá Israel em momento algum disfarçou suas políticas terroristas.

Há uma clara tentativa de criminalizar desde países que buscam resistir à barbárie do capitalismo norte-americano ou do nazi/sionismo, a movimentos populares como o MST no Brasil, tudo desembocando na percepção que nosso País tornando-se senhor do seu destino passa a influir de maneira decisiva no contexto político, econômico e militar em todo o mundo e isso não interessa nem a norte-americanos e nem a sionistas.

Ao contratar passistas e integrantes de uma escola de samba para tentar despertar a atenção das pessoas e criar um clima de repúdio à visita de um presidente de um país amigo, organizações sionistas brasileiras agem de forma descarada e nivelam o povo brasileiro por baixo, mais ou menos como aquele negócio de escolher a gravata de Willian Bonner para as mentiras do dia no JORNAL NACIONAL (nacional deles).

Qualquer dia vão escolher a cueca, a meia, enquanto torturam, matam, roubam e permanecem impunes.

Existem mais de 50 decisões da ONU condenando Israel por violações de direitos humanos (não conhecem isso, sionistas são inumanos) e nenhuma delas é acatada ou respeitada. O respaldo da Cervejaria Casa Branca ao governo terrorista de Tel Aviv é pleno e absoluto.

O Holocausto, uma realidade a que foram submetidos judeus, ciganos, homossexuais, negros, é hoje uma realidade imposta ao povo palestino pelos sionistas, pelo estado terrorista de Israel, sem diferença alguma.

A decisão do governo brasileiro de receber o presidente do Irã diz respeito ao Brasil e não a Israel, ou a norte-americanos.

Como disse o presidente Chávez é hora de começar a discutir a Quinta Internacional como forma de organizar em todo o mundo a resistência às hordas de bestas feras dos EUA e de Israel.

Ressuscitaram a suástica.

O jornalista Laerte braga é colaborador desta nossa Agência Assaz Atroz

____________________________

Comentários...

2009/11/29 gloria mendes
Existe grandes diferenças entre o que foi feito na Alemanha e o que é feito pelo Estdo de Israel, destacando que a guerra durou alguns anos e boa parte do mundo se reuniu para que ela chegasse ao fim.

O Estado de Israel foi imposto ao mundo e tenta-se convencer que o que acontece por lá é justo. Hitler entrou para a Historia como um monstro. Não sei como será contada a historia que estamos vivendo. Sim, a semelhança é o processo de extermínio a que a população palestina é submetida.

A opinião pública mundial talvez não enxergue o que acontece e talvez ainda permaneceremos assistindo aos campos de concentração dos nossos tempos.

Como disse Bretch em uma de suas peças: O nazismo retornará com outra roupagem pois se ele vier iqual será reconhecido.

Boa paródia!
_____________________________ 

Prezada Glória:

Hoje existem mais de mil cidadãos israelenses, judeus, presos por crimes de consciência. Julgado e condenados pela justiça de Israel. Ou são soldados que se recusam a cumprir ordens de prisão, demolição de casas, tortura, ou que denunciam assassinatos de palestinos, estupros de mulheres palestinas, ou mesmo professores, jornalistas, intelectuais de um modo geral, para que Israel retome o processo de paz nos termos do acordo firmado entre Yasser Arafat e Ytzak Rabin (assassinado por um fundamentalista judeu e que permitiu a ascensão da extrema-direita em limites como antes agiam, melhor dizendo, de forma disfarçada, ou como disse Brecht e você lembrou bem, com outra roupagem).

Você fala em "o Estado de Israel foi imposto". É uma verdade e o Holocausto, real, brutal,, serviu apenas como pretexto para esse mea culpa das grandes potências, após o final da Segunda Grande Guerra, já que a região em poder dos palestinos era alvo de frequentes atentados de organizações terroristas sionistas, de extrema-direita, comandadas por Menaghen Beguin, ex-primeiro ministro. Antes do Estado de Israel ser imposto Beguin e seu grupo explodiram um hotel matando várias pessoas, cito apenas um dos atos do grupo.

Com a "imposição" do Estado de Israel e a ascensão do "moderado" Ben Gurion, o físico Albert Einstein, de convicção e fé judias, divulgou uma carta no NEW YORK TIMES, onde denunciava que as organizações de extrema-direita estavam destruindo o sonho de um Estado de Israel democrático e tomando caminhos perigosos, apossando-se de aparelhos estatais a serviço do fundamentalismo, descaracterizando o que ela chamou de "sonho".

Na carta o físico cita, nominalmente, o líder da extrema-direita Menaghem Beguin, a quem chama de terrorista.

A morte de Ben Gurion trouxe à cena política a primeira-ministra Golda Meir e de lá para cá, a exceção de Rabin, curiosamente um general com atuação destacada na guerra dos seis dias, contra o Egito e a Jordânia (a Síria também) todos os demais governantes de Israel, inclusive os trabalhistas (Shimon Peres é trabalhista, considerado por lá de centro-esquerda) submeteram-se a ditadores, essa é a expressão correta, como Ariel Sharon.

Quando o atual primeiro-ministro de Israel afastou-se de cargo na primeira vez que o ocupou, respondeu a vários processos de corrupção, assim como Sharon e seus filhos.

Era o debate entre a Israel dos "sonhos" e a Israel braço terrorista dos EUA no Oriente Médio, a luta entre esses dois lados.

O aparelho estatal foi dominado pelos falcões, são terroristas, sejam os militares de carreira, os tradicionais, seja o MOSSAD, seja o núcleo político de decisão e sejam, principalmente, os grupos econômicos judeus/sionistas (é diferente de ser judeu) que atuam nos EUA, tem grande poder econômico e financeiro, controlam e elegem parlamentares, organizações e grandes empresas (Dick Chaney, ex-vice de Bush é um deles), sobretudo empresas de ponta no setor de armamentos, como grandes bancos, ou seja, aquilo que Eisenhower chamou de "complexo militar industrial" (e Eisenhower era um general), com isso intimidam presidentes (Obama assim que foi indicado na convenção do seu partido correu a uma entidade, a maior, sionista para garantir apoio a Israel sem o que não teria o voto judeu e principalmente, o dinheiro judeu/sionista).

Israel hoje é um campo de concentração para os próprios judeus e o sonho de que falava Einstein. Uma ditadura travestida de democracia, militarizada a pontos absurdos, inclusive armas nucleares e como você bem afirmou, com as características da época, do momento, sendo real, como você também afirmou, o genocídio do povo palestino.

Para você ter uma idéia, o controle da água em Gaza, em território palestino, entre outras coisas, a barbaridade do racionamento para os palestinos, causa prejuízos fantásticos à economia palestina. É que em Gaza é grande a produção de flores e hortiprodutos para exportação. Há cerca de três anos atrás, antes da destruição deliberada de Gaza, por ali saiam 150 mil caixas de tomates diariamente para a Arábia Saudita e outros países árabes. A economia prosperava, pois a exportação de flores era um negócio rentável para os pequenos proprietários, não há latifúndio ali, nem tem como, já que a exportação se dava acentuadamente para países europeus.

Como se vê, por trás da legítima defesa do direito de existir, que usam e esgrimem como argumentos, existe o totalitarismo econômico do capitalismo e na forma mais cruel e perversa, o genocídio contra um o povo, no caso os palestinos.

É engraçado que eu recebi um mail mais ou menos um mês atrás, de um sionista indignado com um artigo que eu havia escrito e fora publicado num jornal alternativo de Israel, reclamando do meu "anti-semitismo", do meu "preconceito" e citando os palestinos como "povo imundo que será empurrado e eliminado até o último homem".

Mais ou menos como aquele filme de Kulbrick, onde a democracia de repente "escapa" e a mão direita sobe e grita Heil Hitler.

A paródia do Fernando é boa sim, a realidade ali é dramática e o envolvimento do Brasil, que muitos ignoram, está no fato que residem aqui, na região da Tríplice Fronteira, milhares de palestinos. Têm o comércio como atividade principal. Lá, no governo FHC agentes do MOSSAD trabalhavam à vontade e a CIA chegou a insinuar que bin Laden lá esteve para justificar uma base já que "terroristas" enviavam grandes somas em dinheiro para a AL QAEDA.

FHC não conseguiu vencer a resistência de setores militares para que a tal base fosse implantada, está lá o Aquífero Guarani e Lula cortou de vez o assunto.

E as "grandes somas em dinheiro" eram economias de palestinos aqui residentes, para suas famílias na Palestina, muitas vezes mulheres, filhos, mães, enfim, como fazem muitos brasileiros que estão no exterior.

Por trás de tudo isso, tenha a certeza, existe a grande desfaçatez do capitalismo, do império norte-americano que até bem pouco controlava Israel e hoje está em mãos de grupos sionistas, são os principais acionistas dos EUA.

Isso pode resultar em sérios problemas, já que o Irã, mesmo sem as armas nucleares qaue Israel tem, tem grande capacidade de defesa.

Um bom dia,

Laerte Braga
_________________________________________________________________


Do jornalista e escritor pernambucano Urariano Mota, colaborador desta nossa Agência Assaz Atroz, sobre... 

França sonha com a África 


Em 26 de dezembro de 2013 22:59, urarianoms <urarianoms@uol.com.br> escreveu:

Racismo em uma ilustração do site de Fernando

Caro amigo Fernando
 
Uma mensagem sua, onde aparecia uma caricatura de judeu acima de Obama e o presidenet francês, mereceu uma justa reprovação de um amigo judeu, quando encaminhada por Arthur Poerner, neste termos:
 
"Arthur, companheiros
 
Você, Arthur, militante de longa data e reconhecida estirpe, acabou de dar uma bola fora. A caricatura que abre a sua matéria tem um conteúdo claramente antissemita e não fica nada a dever à propaganda nazista.  Trata-se da velha, repisada e sempre desmentida história de que os judeus comandam o mundo e que a eles obedecem os governos das grandes nações.  Uma visão que generaliza, que estigmatiza e que não dá conta do caráter de classe (que nada tem a ver com grupos étnicos ou religiosos) de quem tem o poder nesses países. Lamento profundamente que você tenha se prestado a esse papel e sugiro, como companheiro que o respeita de longa data, que você retire, com desculpas, esta caricatura sórdida de sua mensagem. Não deixe que essa mancha empane o seu valoroso currículo.
 
Renato"
 
Eu creio que ele tem razão. Em resposta, fiz ver a Renato que você não é antissemita, e num ato falho usou uma ilustração que dá margem a confundir judeu com o Estado de Israel, opressor e fascista. O amigo sabe que há dentro de Israel judeus de esquerda que se opõem às agressões contra os palestinos. Ese é o caso também do Renato da mensagem.
 
Abraço
Urariano
____________________

Caro Urariano, muito boa a sua mensagem, me informando sobre a infeliz reprovação do judeu. Trabalhei para grandes empresas, inclusive para uma cujo diretor-presidente, proprietário, era judeu. Ele e a vice-presidente, sua esposa, além de alguns diretores filhos e filhas. Nos dávamos muito bem. Foi um dos melhores empresários que conheci. Também me relacionei com muitos judeus pequenos e médios empresários comerciantes aqui no Rio, tudo gente da melhor qualidade, confiavam muito em mim.
 
Bom, reprovação infeliz, pra mim; justa, pra você.

Você diz que cometi um "ato falho", e eu torço para que você não saiba bem o que é um ato falho, pois, assim sendo, seu julgamento seria fruto de mera ignorância, o que se tornaria facilmente perdoável. Não cometi ato falho porque não existe em mim nenhuma má intenção reprimida que possa ter escapado num ato falho. Montei a charge consciente do que estava fazendo. Se estou errado, é bom que se conteste, como fez o judeu melindrado, acreditando que falo pelos cotovelos. Não, eu estou fundamentado.

A charge é bastante clara, ela identifica duas instituições sionistas, AIPAC e CRIF, "instituições", nem mesmo expressa toda a ideia do sionismo, mas tão somente de instituições do Estado de Israel. É basicamente como se eu estivesse falando de embaixadas dos EUA ou de qualquer outro país. Trato de instituições sionistas, só; não de povo judeu, não de semitas, não de religião, não de etnia, não de povo. E concordo com muito do que leio sobre o poder e influência do Estado de Israel sobre o império do terror e seus aliados. Só isso. 

Poderia ter feito uma charge com Obama montado nas costas de François Hollande, e este com a bandeja oferecendo o mundo ao de cima, mas concordo que a escala hierárquica, no atual momento político, é essa, ou seja, estes dois estão se sujeitando ao Estado de Israel. E não estou falando fundamentado em artigos de opinião, mas sim em matérias muito bem elaboradas, escritas por muito bons jornalistas, intelectuais, competentes analistas... 

Se no passado, antes da fundação do Estado de Israel, alguém falava dos judeus generalizadamente, mas hoje, não. Hoje a gente tem uma visão bem mais precisa, falamos de um Estado, não de um povo. 

Eu poderia me estender nessa questão, mas prefiro deixar essas outras mensagens, postagens antigas, apenas uma amostra grátis de muitas outras que já publiquei.

Abraços
Fernando
_________________________________________________________________

De A Voz da Vila para a PressAA...


Tentativa de sequestro e tiroteio nesta quinta-feira na Rua Rodésia

27 de dezembro de 2013
assalto_na _rodesia
Ford Edge da vítima foi deixado na calçada ao lado do Maximiliano. Foto: JLT
Um policial federal foi baleado após trocar tiros com dois homens que tentaram assaltá-lo na Rua Rodésia, na tarde desta quinta-feira (26.12).
Houve troca de tiros e a vítima foi ferida, sendo levada para o Hospital das Clínicas. Não há informações sobre o seu estado de saúde.
Fabio Marcondes Pereira, o policial, estava parado em seu carro, em frente à Mercearia São Pedro, quando foi abordado.

Presume-se que os assaltantes queriam fazer um sequestro relâmpago. No entanto, temendo ser identificado e morto, Pereira reagiu e chegou a balear um dos bandidos.
De acordo com a Rádio Jovem Pan, um dos assaltantes foi deixado ferido em frente ao Hospital Bandeirantes, no bairro da Liberdade.
O caso foi registrado no 14° Distrito Policial.
POLICIAL PASSA BEM
O Hospital das Clínicas emitiu um comunicado à Imprensa, na tarde desta sexta-feira, informando que o policial Fábio Marcondes Pereira está bem e não corre risco de vida.
O bandido atingido por Pereira morreu, segundo noticiou o saite R7.
Prezados leitores: este blog estará em recesso até a segunda quinzena de Janeiro. A todos, boas festas e um 2014 cheio de boas notícias.
Comentários
















________________________________________________________________________
De Julio Cesar Montenegro Bastos, jornalista, Fortaleza (CE):
Fernando
 
nada de novo no front casa grande
afinal entre segurança armada
cercas guaritas elevadas
cães de guarda
latindo rosnando desinformação
os fortes contra os nativos
continuam combativos
mesmo gordos e light
 
elite que entre $eu$ abrigos
atravessa blindada
ruas cada vez mais frequentadas
pelos das senzalas
nativos mistos  brancos africanos
vozes descobrindo que
para serem ouvidas
precisam ser gritadas
ou empunhando armas
letalmente apontadas
 
________________________________________________________________________
de: Ricken Patel - Avaaz.org <avaaz@avaaz.org>
para: "fernando.56.campos@gmail.com" <fernando.56.campos@gmail.com>
data: 27 de dezembro de 2013 21:27
assunto: 24 mesea para salvar o mundo - 50.000 e subindo!
enviado por: bounces.avaaz.org
assinado por: avaaz.org
Uau! Chegamos aos 50.000 em apenas alguns dias! Vamos continuar - Aqui está o e-mail: 

Cara comunidade da Avaaz,
Este talvez seja o email mais importante que eu já escrevi para nossa comunidade

A cientista Julienne Stroeve estuda o gelo da região do Ártico há décadas. Todos os anos no verão ela viaja para o norte para medir a quantidade de gelo derretido. Ela sabe que as mudanças climáticas estão contribuindo para o gelo desaparecer rapidamente, mas durante sua última viagem ela ficou ainda mais surpresa com o que viu. Grandes áreas onde antes existia apenas gelo estavam descobertas – é pior do que imaginávamos

É sobre isso que os cientistas têm nos alertado. À medida que a terra aquece, surgem "pontos de ebulição" que aceleram o aquecimento descontroladamente. O aquecimento derrete o gelo do mar do Ártico e destroi um grande "espelho" branco que antes refletia o calor para fora da nossa atmosfera. Mas com o derretimento, o calor é retido nos nossos oceanos, contribuindo para derreter mais gelo, em um efeito dominó. Tudo fica fora do controle. Em 2013, tudo – tempestades, temperaturas – chegou a níveis jamais vistos. 

Podemos impedir isso se agirmos rápido e em conjunto. Diante desse pesadelo que pode nos levar à extinção, poderemos criar um futuro inspirador para nossos filhos e netos. Um futuro verde, limpo e em equilíbrio com o planeta que permite a nossa vida. 

Temos 24 meses até a Conferência de Paris, escolhida por líderes de governo como o momento para determinar o destino de nossos esforços para acabar com as mudanças climáticas. Parece muito tempo mas não é. Serão 24 meses para colocar as pessoas certas no poder, levá-las para a conferência, mostrar-lhes um projeto, fazê-las se responsabilizarem por ele e se comprometerem com a transparência. Somos nós contra as empresas de petróleo e o cinismo. É possível vencer. Temos de vencer. Mas para isso precisamos dar a largada nesta corrida com toda a nossa energia e dezenas de milhares de promessas de apoio -- somente processaremos sua doação se atingirmos a nossa meta. Para alcançarmos o mundo com o qual sonhamos, vamos tornar isto realidade: 

Clique aqui para se comprometer com o que puder, nós somente processaremos sua doação se alcançarmos nossa meta de 50,000 mantenedores:
SIM, VOU ME COMPROMETER COM R$3 POR SEMANA 

SIM, VOU ME COMPROMETER COM R$5 POR SEMANA 

SIM, VOU ME COMPROMETER COM R$8 POR SEMANA 
Para se comprometer com um valor diferente dos acima, clique aqui. 
_______________________________________________

Ilustração: AIPC – Atrocious International Piracy of Cartoons
_______________________________________________

PressAA



.

Nenhum comentário:

Postar um comentário