Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 6 de agosto de 2013

No desfraldar das bandeiras, PMDB exige que Cabral peça desculpas, no horário eleitoral, por extinção de tucanos na Floresta da Tijuca



No desfraldar das bandeiras

Raul Longo*


Nos manifestos de sindicatos e associações de trabalhadores foram denunciados diversos abusos estimulados pelos desvios dos tribunais trabalhistas. Como no caso de que foi vítima um funcionário da Empresa de Correios e Telégrafos de Santa Catarina, Paulo Eduardo Lima Farias, demitido por motivos fúteis após 26 anos de dedicação profissional à empresa.

Outro exemplo gritante é o do juiz que considerou ilegal uma paralisação por aumento salarial, decidida pelo sindicato dos trabalhadores no transporte público. O juiz Gilmar Cavalieri condenou o sindicato por não respeitar o mínimo de 100% dos trabalhadores em atividade.

Para Cavalieri, o total é o mínimo. Por situações vexatórias como essa os manifestantes chegaram à conclusão de que para se tornarem possíveis dignas relações trabalhistas que contribuam com todas as classes sociais da nação, é preciso uma Reforma do Judiciário que retire do sistema a porcentagem de juízes que tendem para um único lado.

Mas nenhum manifestante chegou ao absurdo de considerar que se tenha de destituir 100% do juizado brasileiro, embora concluíssem que só é possível acabar com a corrupção e a impunidade no Brasil quando se acabar com falsos magistrados que condenam sem provas e dão cobertura judicial para crimes e criminosos comprovados.

Daí que Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes foram desonrosamente lembrados em muitas falas indicando os caminhos para o fim da corrupção e da impunidade.


Para ler artigo completo, clique DAQUI – Portal de Notícias

*Raul Longo é jornalista, escritor e pousadeiro. Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz

_________________________________________________________________________________


Sintomático o fato de os entrevistadores (do Roda Viva) gastarem mais da metade do tempo disponível tentando, de certo modo, justificar a 'fatalidade' de uma 'imprensa comprometida com o poder financeiro'... Eu, hein! Fui. Pra midiaNINJA.” – Homero Mattos em comentário sobre... 

MÍDIA NINJA

Mídia de massa vs. massa de mídias

Por Luciano Martins Costa - Para o programa radiofônico do Observatório, em 06/08/2013 

A Folha de S. Paulo foi o único dos jornais de circulação nacional a reservar um espaço para a participação de representantes do coletivo Mídia Ninja no programa Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo, exibido na segunda-feira (5/8). Ainda assim, o texto é apenas um relato burocrático de parte das perguntas e respostas, com um título que falseia o que foi o evento.

“Idealizadores do grupo Mídia Ninja negam vinculação partidária”, diz o título da Folha na edição de terça-feira (6). No subtítulo, logo abaixo, pode-se ler: “Ao Roda Viva, Pablo Capilé e Bruno Torturra admitem captação de recursos públicos”.

Trata-se de um artifício primário de manipulação de informação, uma vez que esses dois tópicos compuseram uma parte irrelevante do programa e haviam sido extensivamente esclarecidos pelos dois entrevistados. A afirmação negativa é uma maneira tosca de insinuar ser verdadeiro aquilo que está sendo desmentido.

Seria o mesmo que publicar um texto com o título: “Jornais negam que tenham feito operação ilegal com dólar na compra de equipamentos gráficos”. Ora, se alguém quiser insinuar que a imprensa tradicional deve favores a determinado grupo político, essa seria uma forma de dar um ar de veracidade a essa especulação. O mesmo seria dizer que “tal grupo de comunicação nega que defende fulano porque em seu governo recebeu ajuda generosa do BNDES”.

No caso do Mídia Ninja,o texto da Folha demonstra ainda que o jornal não entendeu ou não admite a possibilidade de se construir uma mídia sem dono, horizontalizada, com uma diversidade tão grande de lideranças que se torna difícil classificá-la segundo os parâmetros tradicionais.

Os dois jovens foram provocados por alguns dos experientes entrevistadores, em sequências de perguntas que teriam desconcertado qualquer um. Mas responderam com segurança e clareza, enfrentando questões polêmicas como o financiamento público de ações culturais e simpatias partidárias pessoais.

Uma das lições mais interessantes passadas aos telespectadores foi a afirmação de que, mesmo composto por ativistas que simpatizam com esta ou aquela corrente política, o movimento tem um caráter amplo e democrático. Eles não omitem seu posicionamento político, que, na falta de melhor expressão, é definido como “de esquerda”, mas dialogam com qualquer grupo.

O mito da imparcialidade

Essa é provavelmente a diferença essencial entre a “mídia de massa” que marca o jornalismo como indústria e a “massa de mídias”, que identifica o jornalismo ativista das redes sociais.

O entrevistado Pablo Capilé foi muito claro ao se referir ao ambiente hipermediado como uma “massa de mídias”, na qual o jornalista se engaja em uma atividade que, segundo Bruno Torturra, pode ser definida como “midiativismo”. Esse foi um dos pontos mais interessantes do programa, porque permite ao telespectador, eventual leitor de jornais, raciocinar sobre a natureza da mídia tradicional e o que pode vir a ser a “massa de mídias”.

A imprensa clássica que conhecemos também é midiativista, mas seu engajamento não está necessariamente a serviço da sociedade, ou, pelo menos, não costuma contemplar a complexidade social e política do país. Como dizia o falecido diretor responsável de O Estado de S. Paulo, Ruy Mesquita, os jornais se dirigem prioritariamente, quando não exclusivamente, a uma elite econômica, intelectual e política.

Ao afirmarem, sem constrangimento, que a Mídia Ninja está engajada em um projeto progressista, inclusivo e “de esquerda”, os dois entrevistados fazem desvanecer a fumaça da falsa imparcialidade da imprensa. Mais especificamente, o que os jovens midiativistas deixaram claro, como fonte de reflexão para os telespectadores da TV Cultura, foi que o mito da imparcialidade pode ser superado pela prática da multiparcialidade.

Ou seja, a imprensa tradicional finge uma isenção e uma objetividade que supostamente justificam sua existência quando, na verdade, não passam de uma farsa; enquanto o midiativismo em rede declara sua condição de ação política e comunicacional afirmativa, apoiada em uma visão de mundo progressista.

Essa diferença mostra, por exemplo, como os midiativistas dão voz até mesmo aos anarquistas agregados no grupo chamado Black Bloc, durante as manifestações que ocupam as grandes cidades brasileiras, tentando compreender suas razões, mesmo discordando do uso da violência e do vandalismo nos protestos.

Essa e outras questões estão fora do alcance da mídia tradicional, porque ela tem como objetivo interpretar o fenômeno, para justificar sua crença numa determinada ordem social, e não compreendê-lo.

A polêmica se estende ao infinito, e só a inteligência complexa e heterogênea das redes sociais pode permitir que ela avance pela sociedade adentro.


Fotomontagem AIPC - Original extraído de Desprogramados.facebook

_________________________________________________________________________________

Caretas-de-pau no Estacão:







Alvo de constantes manifestações, governador do Rio de Janeiro ainda resiste a utilizar as inserções do partido para se defender

(Clique no título para ler matéria completa) 

Leia também, se ainda estiver disponível…

Mas, em… 

Chico é tirado de idosa após 37 anos de convivência

Segundo a Polícia (...) a dona espera contar com a ajuda de um advogado para ter Chico de volta.

...observe-se

Chico, nesse específico caso, é o nome do animal; a dona não está reivindicando o milagre de voltar a ter, em idade avançada, “chico”, ou “boi”, variantes regionais da expressão “ciclo menstrual”.



______________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

______________________________________________



.

Nenhum comentário:

Postar um comentário