Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Veja (no bom sentido) como Celebrar o Dia de Mandela


Celebrar o Dia de Mandela

Timothy Bancroft-Hinchey


O Dia de Mandela é maior do que a África do Sul, o Dia de Mandela tem a ver com valores globais que se tornam cada vez mais relevantes com o passar do tempo, o Dia de Mandela se dedica a como exportar a mensagem dos 67 anos de serviço público de Madiba na criação de comunidades globais com base na amizade, confiança e partilha do amor.

Nas palavras do próprio Nelson Mandela: "Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou por sua origem, ou sua religião. As pessoas têm de aprender a odiar. E se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que seu oposto ".

Com base nestas palavras, o Dia de Mandela tem sido cada vez mais celebrado e participado, em todo o mundo, desde que a iniciativa tomou forma em 2008, após as comemorações do aniversário de Mandela em Londres, marcando a ocasião do seu 90º aniversário. Decidiu-se então comemorar seu aniversário todos os anos, no dia 18 de Julho, com eventos dedicados ao seu trabalho e instituições de caridade.

A idéia é que as pessoas dão tantos minutos para suas comunidades e instituições de caridade neste dia como Nelson Mandela deu em anos de serviço público - neste caso, 67 minutos para honrar seus 67 anos de serviço, neste ano especial enquanto a sua família regozija na sua melhoria de saúde na comemoração do seu 95º aniversário.

O Dia de Mandela apela aos povos do mundo a se unirem para assumir a responsabilidade de fazer uma mudança, fazendo a sua parte, por pequena que seja, para fazer a diferença. Ao fazê-lo, o mundo lembra a luta de Mandela contra injustiça, contra racismo, contra marginalização, contra exclusão, ao derrotar um regime de apartheid que era tão desumano como foi contra os valores humanos comuns da era moderna.

O Dia de Mandela lembra algo muito mais profundo do que celebrar um farol de paz, boa vontade e reconciliação - O Dia de Mandela lembra os valores de Nelson Mandela em apoiar o que está certo com humildade, sem rancor, sem ódio, sem vingança, com um sorriso nos olhos.

O Dia de Mandela tem a ver com a extensão dos valores nobres e comuns por todo o mundo, de uma maneira muito humana, seguindo os passos de um ícone da humanidade.


Como você pode se envolver:







Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru 


_____________________________________________________________________________

 "O erro foi durante o noticiário da Câmara, produzido pela Rádio Câmara, mas partiu de um discurso do deputado." Gabriel Damásio,  em...


 Publicado em Quinta, 27 Junho
 Escrito por Redação Comunique-se

Nelson Mandela está internado no hospital Pretoria's Mediclinic Heart com infecção pulmonar e seu estado é considerado crítico. Embora a situação seja delicada, o ex-presidente e líder anti-apartheid não morreu, como informou 'A Voz do Brasil' na noite de quarta-feira, 26. De acordo com o Diário Catarinense, durante a transmissão do programa uma pequena homenagem foi veiculada junto com a informação do falecimento.


Nelson Mandela está internado em estado crítico  (Imagem: Reprodução)

"Homenagem: Morreu nesta quarta-feira o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela. Ao lamentar o falecimento do líder, Rubens Bueno, do PPS, ressaltou a história política de Mandela. De acordo com Rubens Bueno, Nelson Mandela incentivou o surgimento de grandes líderes negros em todo o planeta. Para o parlamentar, o ex-presidente vai ficar marcado na história mundial como símbolo da igualdade racial", disse o programa. Sobre o caso, a reportagem tentou contato com a EBC, mas ainda não teve retorno.

Informações recentes publicadas pelo G1 mostram que, de acordo com a filha mais velha de Mandela, a morte do político pode ser iminente. "Só posso dizer que papai está em um estado muito crítico, qualquer coisa é iminente, mas também quero sublinhar, uma vez mais, que só Deus sabe quando chegará sua hora", disse. Ela afirma que o ex-presidente "ainda está lá" e responde aos contatos físicos. No momento, ele respira com a ajuda de aparelhos.

_________________________________________________________________________________


Para que professor explicador?!


 “Mestre não é quem ensina, mas quem de repente aprende.”
João Guimarães Rosa
"De tanto se esforçarem para explicar (compreender), alguns de repente aprendem!" 
(Áurea Lacerda Cançado – no Blog do Ozaí)

Por que o aluno precisa do professor para compreender o livro? Ele o tem, está à sua disposição, pode manuseá-lo, ler, reler, refletir sobre a leitura e buscar as respostas para as dúvidas. Entender o que está escrito depende do seu esforço e vontade. Argumenta-se que ele não compreende por si próprio. Por que compreenderia melhor pela explicação de outro? Por que substituir o livro pelo explicador?

Por que quem explica se torna tão necessário, quase que imprescindível? Suponhamos que um aluno tenha interesse pelo pensamento político filosófico de um determinado autor. Os livros estão ao seu alcance – especialmente na atualidade com a internet. Ele poderá se debruçar diretamente sobre os argumentos do autor. Não depende apenas do seu interesse e esforço intelectual?

(Quer saber as respostas? Clique no título)



_________________________________________________________________________________




Por Fernando Soares Campos

 em 12/12/2006

(...)

O flolhetinista Manoel Carlos, autor de Páginas da vida, sempre se utilizou de suas peças para instruir o telespectador, supostamente ministrando lições de ética e comportamento, sob os mais variados aspectos do cotidiano. Desta vez, porém, o noveleiro extrapolou, pois seu didatismo transformou a telenovela em uma espécie de seriado mais adequado à programação de uma emissora educativa, do tipo Canal Futura, TVE, Universitária, Cultura ou mesmo programas do gênero Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Globo Ecologia, Globo Comunidade, Globo Educação...

O pragmatismo do autor transformou a telenovela numa daquelas seqüências ilustrativas dos telecursos. As falas dos personagens, ou as narrativas, transmitem mensagens em forma de lições, e cada capítulo seria uma "aula". Em determinados momentos dá para identificar uma espécie de merchandising, que teria o propósito de promover certas categorias profissionais, ou especialidades – como, por exemplo, psicólogos, pedagogos, médicos, assistentes sociais. Até mesmo os profissionais menos qualificados, como as camareiras, garçons, motoristas e empregados domésticos em geral, são interpretados sob os ares de uma performance pedagógica.


(Para ler artigo completo, clique no título)
________________________________________________________________________



Como Ludibriar o Leitor

Por Luciano Martins Costa 

Quinta-feira, 18 de Julho de 2013 

Uma das vantagens que os jornais supostamente oferecem em relação aos outros meios de informação é o sistema de organização das notícias: elas são distribuídas por seções temáticas, quase sempre agrupadas em cadernos específicos, facilitando a busca do leitor por seus assuntos preferidos.

O fato de esse pacote de informações se renovar diariamente reforça a percepção de uma ordem e uma correlação entre os acontecimentos, o que também funciona para passar ao leitor a confiança de que a cada dia ele está recebendo o que há de mais atual, e que com isso estaria adquirindo um conhecimento objetivo sobre a realidade que lhe interessa.

Por isso, quando a imprensa quebra esse elo, a consequência pode ser desastrosa.

Por exemplo, no domingo passado, o Globo publicou como sendo recente o resultado de uma pesquisa sobre credibilidade da imprensa que havia sido divulgada pela agência de Relações Públicas Edelman quatro meses antes. O estudo, feito anualmente há uma década, dizia que a mídia é a entidade mais confiável para os brasileiros, com 66% de aprovação, contra 64% das empresas, 59% das ONGs e 33% do governo.

O resultado, divulgado no primeiro trimestre deste ano, se refere a levantamento feito no ano anterior, ou seja, é um retrato desatualizado da realidade. Portanto, se apresentado como atual, é uma mentira. E por que razão o jornal carioca venderia aos seus leitores, como se fosse fresco, esse peixe congelado?

 Os leitores atentos haverão de perceber que essa publicação, que foi imediatamente reproduzida por outros veículos noticiosos, passa a impressão de que a credibilidade da imprensa aumentou justamente quando caía a reputação de outras instituições, todas atingidas pela onda de protestos que ocorreram a partir de maio, ou seja, dois meses depois de distribuída pela Edelman a pesquisa referente a 2012.

Mas existe outro aspecto a ser considerado nessa questão. A publicação da pesquisa defasada sobre a credibilidade da imprensa foi feita em meio a uma série de outros levantamentos que mostram a queda da popularidade do atual governo.

Produzidos no calor dos protestos que paralisaram as grandes cidades brasileiras, esses estudos foram sendo levados ao público numa cronologia regular, a partir do início de junho, como se fossem resultados de consultas sequenciais, o que pode produzir em muitas pessoas a impressão de que o governo está rolando ribanceira abaixo.


 (Para ler artigo completo, clique no título)

 _______________________________________________________________


Comentários para...


Papa vai perder a oportunidade de celebrar língua ameríndia

 

...no Terra Magazine – Blog da Amazônia:






Robson La Luna Di Cola

 15/07/2013

Esquece. Antes da chegada dos europeus, a américa era habitada por tribos selvagens; algumas praticavam o infanticídio, o extermínio de idosos e doentes. O canibalismo também.Viraram gente, depois que foram cristianizados. Temos que esquecer estas línguas e este passado.

Resposta ao Sr. Luna di Cola no blog Taqui pra Ti:

Fernando comentou:

16/07/2013 

Esqueça, esqueça o que você comeu ou teve vontade de comer no café da manhã. Esqueça a vontade de comer aquela beldade que você não se esquece nem mesmo quando não está assistindo à televisão. Esqueça o que Figueredo e FHC disseram, esqueça. Esqueça a coca que você tomou ou cheirou quando era adolescente... E não se esqueça de esquecer-se. Abraços Fernando P.S.: Esse deve ser um Hitlernauta do tipo que o Santayana trata em seu artigo.

Resposta ao Sr. Luna di Cola no Terra Magazine - Blog da Amazônia 

Davison Rockefeller

17/07/2013

Olá, Sr Robson. Não sei se teve a intenção, mas achei o seu comentário etnocêntrico demais. Dá a impressão que o Sr menospreza a cultura indígena aqui na América, como se não tivessem nenhum valor histórico ou cultural. Não obstante que algumas práticas desses povos possam ser assustadores á nós, não se pode tornar esse costumes como argumento para exterminá-las, já que não leva em consideração o legado e história que esses povos nos proporcionaram. O que me assustou mais foi como o Sr rebaixa seres-humanos à animais quando diz 'viraram gente'. Todo ser humano é gente, independente de raça, gênero, religião, orientação sexual, cultura, etc... Ademais, quando o Sr cita 'esquecer essas línguas' me assusta um pouco, por dois motivos: Primeiro, propor o extermínio de uma língua de um povo é para mim considerado um crime cultural. Segundo, acabar com essas línguas não acarretará no esquecimento desses povos, muito menos de suas práticas 'tabunianas'. Abra os olhos e tente enxergar o mundo considerando seus valores e tradições, e não procurando uma visão superior e etnocêntrica sobre povos que viveram à muitos anos.

_________________________________________________________________________________

Release Comunique-se para PressAA

Rede Minas Passaralho



Rede Minas já levou multa de R$ 3,8 milhões por não realizar concurso 

Com base na lei, os jornalistas passariam a ter carga horária de 40 horas semanais, ou seja, 8 horas por dia. Atualmente, os contratados trabalham 7 horas diariamente e ganham cerca de R$ 3.000. “Os novos salários ficam bem abaixo, sendo que os editores e cinegrafistas passariam a ser classificados em nível técnico e os jornalistas passariam a ganhar metade do salário oferecido pela empresa hoje”, reclama uma funcionária. Conforme mostra a tabela anexa à lei, o salário na casa dos R$ 3.000 poderia ser alcançado para profissionais pós-graduados ( lato sensu ou stricto sensu [AA: ou vice-versa] ), mas apenas após promoções e alguns anos no cargo. 

_________________________________________________________________________________

Publicado por Associação do Ministério Público de Minas Gerais (extraído pelo JusBrasil) - 7 meses atrás

Juristas avaliam que lei que efetivou 98 mil servidores em Minas deve ser derrubada no Supremo. Mas eles acreditam que demissões não serão imediatas nem atingirão todos


A lei que efetivou cerca de 98 mil servidores da educação em Minas Gerais, sem concurso público, deverá ser declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas isso não implica a demissão automática e imediata de todos os beneficiados por ela. Pelo menos é o que avaliam juristas consultados pelo Estado de Minas. Eles acreditam que a regra deve cair, mas com alguma modulação, ou seja: deve ser concedido um prazo e, em um segundo momento, os casos individuais serão analisados. Dependendo da condição em que os funcionários entraram para os quadros do estado, alguns podem conseguir a permanência. A ação direta de inconstitucionalidade (Adin) movida pela Procuradoria Geral da República ainda não tem previsão de entrar na pauta da Suprema Corte.

 (Clique no título para ler matéria completa)

_________________________________________________________________________________






_________________________________________________________________________________ 

Facebookada



Senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) na Mídia - Jornal Folha do maranhão destaca discurso de Vanessa sobre a vitória do Brasil e dos outros países amazônicos no Comitê Gestor de Governança contra a privatização do nome Amazônia na internet.


_________________________________________________________________________________

Continua dando na Veja...

Daniela Mercury e o samba-da-antropófaga-doida

Eita! Há tempos eu não ria tanto!


_________________________________________________________


Trenzinho Caipira

Heitor Villa Lobos

__________________________________________________________


Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

______________________________________________






Nenhum comentário:

Postar um comentário