Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 16 de julho de 2013

Os macacos cibernéticos pauteiros da PressAA só querem entender


(Foto extraída de Sub*Cultures)


Paulo Moreira Leite


Dilma Silenciada [?]

Amadores e profissionais do mundo político parecem de acordo num ponto: Dilma Rousseff tem problemas de comunicação.

A razão dessa dificuldade é menos clara, porém. 


Um conjunto de analistas, dentro e fora do governo, acredita que a presidente não consegue comunicar com clareza aquilo que pensa ou planeja. É como se fosse uma incapacidade congênita, apenas disfarçada pelo período em que as coisas pareciam andar tão bem na economia que não era necessário falar muito. 


Ao enfrentar tempos mais difíceis, expressos nos protestos de junho, revelou-se que seria incapaz de conversar com o povão e também com a elite.

Assim, sua mensagem não chega ao eleitor.

Não se trata, é claro, de uma opinião consensual.

Analisando os protestos, o sociólogo Manuel Castells, um dos mais celebrados intelectuais contemporâneos, interlocutor de Fernando Henrique Cardoso e referência do ex-presidente para tantos assuntos, disse a Daniela Mendes, da IstoÉ:

- Ela (Dilma) é a primeira líder mundial que presta atenção, que ouve as demandas de pessoas nas ruas. Ela mostrou que é uma verdadeira democrata.

Na mesma entrevista, Castells deixou claro que tinha entendido qual era o problema da mensagem. Ele disse:

- Ela (Dilma) está sendo esfaqueada pelas costas por políticos tradicionais.

A verdade é que em apenas quinze dias as principais respostas que Dilma ofereceu aos problemas reais colocados pelos protestos passaram no moedor de carne e sobrou pouca coisa.

É certo que, com toda sinceridade, e sem intenções ocultas, muita gente não tinha a menor disposição de prestar atenção na presidente. Como escreveu uma estudante no Twitter: “para quem tem 20 anos, a pergunta é: por que ela só pensou nisso agora?”

Nem todos pensaram da mesma forma, contudo.

O plebiscito e a Constituinte, as principais ideias da presidente para encaminhar a reforma política, tradução quase literal do urro das ruas contra nossas formas de representação e nossos representantes, obtiveram apoio de 68% da população.  Difícil falar em problemas de comunicação, certo?

Até um calouro do pior curso de Ciência Política seria capaz de imaginar que, a partir dali, a presidente poderia tentar reconstruir relações políticas com uma fatia do seu antigo eleitorado. Aos trancos e barrancos, havia encontrado uma passagem.

Em poucos dias, para realizar a profecia de Castells, Dilma foi “esfaqueada pelas costas por políticos tradicionais”, sob aplauso do mesmos veículos de comunicação que celebraram os protestos como o despertar do gigante.

O que se alegou? Que o plebiscito e a Constituinte eram ideias de quem não têm ideias reais e se orientam pelas bolas de cristal dos serviços de marketing.

Considerando que absolutamente todos os políticos brasileiros têm seu consultor de marketing, que costuma exercer sua influência tão notável como decisiva na maioria de suas decisões políticas, cabe abandonar a ingenuidade fingida e mudar a pergunta:  o que se temia?

Simples: temia-se que o povo desse palpite – de verdade – nas linhas gerais de formação de um novo sistema político. Não se queria correr o risco de eliminar a influência do poder econômico nos processos políticos.  Era preciso garantir a falsa mudança, o processo em que tudo muda para que nada mude. As ruas sempre foram úteis para isso, como se sabe desde que essa frase foi escrita, para registrar  os limites da luta pela democracia italiana.

No esforço unilateral para desqualificar ideias da presidente, inclusive de grande aprovação popular, inventou-se até que Dilma havia tentado criar uma lei inútil, aquela que transforma a corrupção em crime hediondo, apenas para cultivar a demagogia das massas. Você pode gostar ou não do projeto. Mas é bom saber que ele só entrou  em votação numa ação combinada entre Renan Calheiros e a mais aplicada dupla de inimigos do governo no Senado, Álvaro Dias e Pedro Taques. Os petistas apenas pegaram carona, até porque, em função de projetos antigos, mantidos na gaveta pela direção do Senado, tinham todo direito de se apresentar como pais da ideia.

O mesmo tratamento se reservou a um projeto ambicioso, prioritário e, mais uma vez, tão necessário ao país que a estudante de 20 anos teria toda razão em perguntar mais uma vez: por que não se fez isso antes?

Estou falando do programa Mais Médicos, destinado a suprir a carência obvia de médicos em boa parte dos municípios brasileiros. Quem estuda o mercado de trabalho sabe que, em dez anos, nossas faculdades formaram 54.000 médicos a menos do que o número necessário para manter um atendimento razoável no país. No Rio Grande do Sul, prefeituras em região de fronteira contratam médicos uruguaios para atender à população. Há dois meses, 2.500 prefeitos – que representam metade das cidades do país – apoiaram um abaixo assinado para pedir a contratação de médicos. Cansados de esperar pelos doutores que não vêm, foram até Brasília num ato explícito pela contratação de estrangeiros.

Mas é óbvio que esse projeto foi camuflado pela prioridade de dar voz aos adversários do governo. Cumprindo aquele papel já assumido de auxiliar uma oposição “fraquinha”, em vez de debater os prós e contras do projeto, a maioria dos meios de comunicação deu atenção maior às entidades corporativas dos médicos do que à opinião dos usuários do SUS e lideranças da periferia. Por esse método, seria coerente ouvir apenas Federação Nacional de Jornalistas para falar sobre o diploma da categoria. Ou perguntar somente aos sindicatos dos professores sobre o plano de bônus por produtividade.

Os titulares das entidades médicas foram ouvidos como porta-vozes legítimos de toda  sociedade e não de uma parte dela. Veiculou-se como verdade estabelecida a noção de que o governo pretendia enviar médicos para trabalhar em taperas sem estrutura nem condição de trabalho. Falso.

Neste domingo, graças ao Estado de S. Paulo, revelou-se que as carências da saúde pública são imensas, mas ela se encontra em  situação oposta. Em cinco anos, o total de equipamentos de saúde registrados pelo governo federal teve alta de 72,3%. O número de leitos hospitalares subiu 17,3% e o de estabelecimentos de saúde, 44,5%. A oferta de médicos, porém, cresceu apenas 13,4% - ou seja, menos do que os principais índices de infraestrutura de saúde.

Posso até concordar que há um problema real na comunicação de Dilma, entre aquilo que ela diz e aquilo que pretende dizer.

E é evidente que o governo possui um problema de articulação essencial, que desconhece inclusive forças que poderiam ajudá-lo, como se viu no debate sobre o plebiscito.

Mas há um esforço para bloquear a comunicação. Procura-se um debate a partir da mentira. Dizem agora que o governo quer “obrigar” estudantes a “doar” dois anos de suas vidas em função da residência em locais onde a presença de médicos é mais necessária – como se não fosse uma atividade remunerada, e que em alguns casos pode chegar a R$ 8.000.

O que se quer, na verdade, é negar  à autoridades eleitas o direito de definir prioridades para atender a população. O que se quer é deixar para o mercado a tarefa de organizar a saúde pública – opção histórica de nossas autoridades, que produziu a miséria visível aos olhos de todos.

Não é o exercício da crítica, não é a apuração para mostrar verdades ocultas por trás dos atos do governo. Também não tem a ver com o caráter adequado ou danoso de suas propostas.

É, simplesmente, um esforço para silenciar o  governo. Vale tudo, inclusive dizer que não sabe se comunicar. 

_________________________________________________________________________________

Paulo Moreira Leite Diretor da Sucursal da ISTOÉ em Brasília, é autor de "A Outra História do Mensalão". Foi correspondente em Paris e Washington e ocupou postos de direção na VEJA e na Época. Também escreveu "A Mulher que Era o Outro General da Casa".

_______________________________________________


[Artigo recebido por e-mail da redecastorphoto]

_________________________________________________________________________________

Facebookada


  • Agora uma coisa nos temos que admitir: a extrema incompetencia do governo Dilma na comunicacao. Desde que foram anunciados os estadios novos e reformas o povo reclama dos gastos com isso. Porque que ela não veio la no inicio na TV dizer o que disse so agora?

    • Ruth Maria Scaff e outras 15 pessoas curtiram isso.
    • Roberto Ruiz Pinto Falei mesma coisa .... esses porras só dão satisfação quando a casa cai ....

    • Rogério Rauber É um problema crônico. Lembra do Governo Olívio? Comunicação, o calcanhar de Aquiles!

    • Jean Guarani Scharlau Agora hah pouco eu estava assistindo na NBR (tv do gov federal) Um relato da ministra Belchior sobre o andamento das obras e os valores que o governo estah investindo este ano . 100 bilhoes. Eh um troco imprssionante. Porque ninguem sabe?

    • Cesar Argenti Jean. Por acaso conheci um engenheiro da Andrade Gutierrez semana passada. Perguntei pra ele o pq de toda aquela confusão para a reforma do Beira Rio. Ele disse o seguinte: O Lula não fez p... nenhuma, ficou tudo para Dilma. É claro que nós não queremo...Ver mais

    • Jean Guarani Scharlau Tinha que ficar para a Dilma construir e reformar mesmo, nem teria como ser diferente, jah q Lula estava de saida. Eu acho que a copa vai nos trazer bons frutos, so que as obras deveriam ter iniciado antes, discutidas com a populacao afetada, ofertadas compensacoes dignas e muito bem explicadas e controladas todas as obras.

    • Jean Guarani Scharlau E, claro, quanto a empresarios e seus representantes, assim como para todos, o choro eh livre. Mas tomara que tenham mesmo sido colocados contra a parede, pois com 100 bilhoes em obras este ano eles vao eh ganhar muita. grana.

    • Fernando Soares Campos Scharlau, o Fausto aqui está me dizendo que você está querendo fazer exatamente como a mídia empresarial: pautar Dilma, impor a ela o dia e a hora em que tem que dizer isso ou aquilo, fazer isso ou aquilo... Como disseram ontem, que ela pronunciou-se muito atrasada, "defendendo-se das manifestações". Assim mesmo, como se as manifestações fossem apenas contra o governo dela. Boa noite, Guará...

    • Fernando Soares Campos Apesar de ter link para o Assaz Atroz, aquele que você disse, certa ocasião, que dá nó em pingo d'água, confira a partir daqui as atualizações de hoje...

    • Jean Guarani Scharlau O que sera, sera, neh Fernando. Mas esta bola nas costas ela não precisava ter tomado.

    • Jean Guarani Scharlau PSDB não eh partido, eh bando.

_________________________________________________________________________________


Agora os macacos cibernéticos, pauteiros da PressAA, estão tentando entender o que significa "transparência"...


Nota enviada à PressAA pelo nosso correspondente J. Carvalho - Maceió:





16/07/2013 - 03h40

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, usou aviões da Força Aérea Brasileira por duas vezes desde que assumiu a presidência do tribunal, em novembro.
Segundo nota da assessoria do tribunal, Barbosa foi em uma aeronave da FAB a Natal, em abril, para inspeção em comarcas. Em maio, foi à Costa Rica participar de conferência. A nota da assessoria não informou os custos das viagens.

Renan Calheiros supera José Sarney no uso de jatos da FAB

Desde ontem, o governo exibe na internet os dados sobre voos oficiais. A medida foi tomada após a Folha revelar que ministro e presidentes da Câmara e do Senado usaram aviões da FAB para ir a jogos de futebol e até a casamento.

De acordo com a nota da assessoria, Barbosa determinou a publicação de dados das viagens de todas as autoridades do tribunal em aviões da FAB. Mas, segundo a própria assessoria, os outros dez ministros da corte não têm poder para solicitar essas aeronaves.


RELEMBRE OS CASOS [AA: Relembre-os]

O Painel da Folha revelou no dia 4 de julho que o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), usou o avião da FAB para ir ao casamento da filha do líder do PMDB na Casa, Eduardo Braga (AM), que ocorreu em Trancoso (BA) e reuniu diversas autoridades.

Renan devolveu R$ 32 mil aos cofres públicos relativos ao uso da aeronave oficial no dia 15 de junho entre as cidades de Maceió, Porto Seguro e Brasília para participar do casamento.

__________________________________________________________


Os Pauteiros da PressAA invadem o portal da Folha de S. Paulo e tentam encontrar o caminho das pedras para águas transparentes:
DE SÃO PAULO
A cúpula do Congresso Nacional fez 91 viagens nos primeiros seis meses deste ano com aviões da FAB (Força Aérea Brasileira), média de um voo a cada dois dias.

Segundo dados da Aeronáutica obtidos pela Folha, quase um terço do total das viagens foi feito em junho, mês marcado por manifestações em todo o país.


15/07/2013 - 02h45

Governo vai abrir informação sobre voos oficiais na internet



DE BRASÍLIA
A partir desta semana [?], o governo divulgará na internet dados dos voos oficiais solicitados por autoridades do Executivo, Legislativo e Judiciário. A promessa é do ministro Jorge Hage (Controladoria Geral da União).

A decisão de tornar públicas informações como origem, destino, data e nome da autoridade solicitante das aeronaves foi tomada depois que a Folha revelou que um ministro e os presidentes da Câmara e do Senado usaram aviões oficiais para ir ao jogo da seleção brasileira no Rio e a uma festa na Bahia.


15/07/2013 - 18h58

Força Aérea Brasileira já [?] divulga voos de autoridades na internet



DE BRASÍLIA

A FAB (Força Aérea Brasileira) começou, nesta segunda-feira (15), a divulgar no próprio site dados de voos solicitados por autoridades dos Três Poderes.

A decisão de tornar públicas informações como origem, destino, data e nome da autoridade solicitante, número de passageiros e motivo da viagem foi tomada depois que a Folha revelou que um ministro e os presidentes da Câmara e do Senado usaram aviões oficiais para ir ao jogo da seleção brasileira no Rio e a uma festa na Bahia.

(Clique nos títulos para ler matérias completas)


Repeteco:


Desde ontem [?], o governo exibe na internet os dados sobre voos oficiais. A medida foi tomada após a Folha revelar que ministro e presidentes da Câmara e do Senado usaram aviões da FAB para ir a jogos de futebol e até a casamento.

Finalmente: TRANSPARÊNCIA:


Registro de Voos


MINISTÉRIO DA DEFESA

COMANDO DA AERONÁUTICA

GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA

VIAGENS CONCLUÍDAS 12 A 14 DE JULHO DE 2013

________________________________________________________________________

No Brasil, quem foi (ou é) mais rápido no gatilho?!

________________________________________________________________________



Em meio ao desprezo pelos políticos, emergem estrelas como Marina Silva e Joaquim Barbosa, que nem sequer partido têm. Mas os candidatos "não políticos" costumam ser preteridos nas urnas


Constitui verdade acaciana afirmar que é ruim a imagem dos políticos no Brasil. Até as criancinhas do grupo o sabem e, aliás, compartilham a opinião. Não é idiossincrasia nossa, tampouco decorre de alguma peculiaridade da evolução política brasileira. Mundo afora o mesmo ocorre em países ricos e pobres, de democracia mais ou menos consolidada. Os políticos andam em baixa em todos os lugares.

Mas o fenômeno assume aqui feições características. Passamos 20, dos últimos 50 anos, sob uma ditadura, que se instaurou com o pretexto de extirpar a corrupção e a subversão. Seus alvos imediatos foram os partidos e as lideranças políticas, acusadas de uma ou outra. Os generais se fantasiavam de os mais honestos e respeitadores das leis, e melhores como administradores. Durante o autoritarismo, político era quase sinônimo de corrupto e incompetente.
(...)
No fundo, tudo o que querem, desde quando começaram a gritar de um ano para cá, é derrotar o “lulopetismo”. Mais informações » 


(Charge que montaríamos hoje para "Vacas de presépio comem no Kotscho")

________________________________________________________________________

Recebido por e-mail de nossa colaboradora Urda Alice Klueger:

Médicos do Sírio e do Einstein abrem clínica particular em Heliópolis


Bem na entrada da favela de Heliópolis, entre uma agência bancária e uma loja de departamentos, desponta uma clínica médica que só realiza consultas particulares.
Não vale convênio, tampouco cartão do SUS.
Quem passa ali estranha. Muitos moradores custam a ter coragem de entrar. Só perdem o medo na medida em que o boca a boca se espalha ou quando leem um cartaz bem à frente do portão que informa, em linguagem clara e direta, o valor das consultas: R$ 40 para clínico-geral e R$ 60 para qualquer uma das dez especialidades oferecidas, que pode ser dividido em duas parcelas.
(Para ler matéria completa, clique no título)
________________________________________________________________________

O Mundo com PressAA



CHÁVEZ SABIA QUE OS SERVIÇOS ESPECIAIS DOS EUA ESTAVAM ATRÁS DELE.

Por : Nil Nikandrov (Pátria Latina)

Hugo Chávez não era o homem obcecado com a ideia de estar sendo seguido e observado, como a propaganda tentou mostrar. Ele era um político que enfrentou a realidade e sabia como era odiado por Washington e pela oposição dos Estados Unidos em todas as questões políticas ou econômicas. Ele tratou com seriedade as ameaças vindas dos presidentes...mais

________________________________________________________________________


Francia por su parte, también ha expresado en los últimos días que quiere "superar los malentendidos" surgidos entre ambas naciones tras el secuestro al avión presidencial de Evo Morales, por ordenes de Estados Unidos tras sospechas de que allí se trasladara el exagente de la CIA; Edward Snowden.

_______________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

_______________________________________________


PressAA


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário