Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 23 de julho de 2013

Ceci Rousseff e Peri da Silva na XXVIII Jornada Mundial da Ruventude


 Aécio Grávido
22/7/2013


O textículo segundeiro mostra um Aécio grávido. E como “todo” grávido tem uma dimensão desejante, ele explicita sua exótica carência com os seguintes desejos: de inflação alta, do PIB fraco, de famílias deixando de consumir, empresários de investir e da economia parada.

Sabemos que o desejo das mulheres, no início da gravidez, expressa a exteriorização de necessidades reais, que o organismo “comunica” ao cérebro dela, indicando carências nutricionais diversas.

A mistura eclética de alimentos, pedidos pelas madrugadas adentro, são as manifestações dessas necessidades: uma boa torta de beringela, com leite condensado, amendoim moído, e pimenta murupi, não é nada atípico para o organismo. Por isso, a maior parte dos desejos em horas “impróprias” são sinceros e devem ser respeitados. Satisfeitos esses desejos, imediatamente seu organismo libera uma carga de serotonina e advém, então, uma justa sensação de prazer.

No caso de Aécio Neves, não. Sua gravidez resulta de sua tara pela presidência da República, sem a explicitação de programas, projetos e compromissos. Se ele confessou alguma coisa, deve ter sido nos bastidores, para públicos seletos e deve ter coisa inconfessável publicamente.

E os desejos nascidos de suas carências político-nutricionais são esses que ele, a toda hora, mostra nos textos que assina: ele deseja inflação, PIB pequeno, crise de confiança das famílias e dos empresários. Ele precisa disso para seu parto. E o filho seria a faixa presidencial.

Ridículo.

A inflação tende a ir para o centro da meta, dizem 10 entre 10 analistas sérios por aí. O insuspeito Chico Lopes, presidente do BC à época de FHC, aposta num PIB próximo de 4%, os investimentos em obras vão ser mantidos no ritmo (para desespero dos pessimistas funcionais, que querem usar o “gasto público” para impor o terrorismo econômico) e as políticas sociais não sofrerão nenhum tipo de crise. Portanto, Aécio Neves precisará mais do que desejos exóticos para liberar suas “serotoninas” políticas.

Todos sabemos que o senador mineiro não se contenta apenas com a serotonina naturalmente produzida em seu corpo. Ele sempre quer mais e mais. Sua recusa em fazer o teste do bafômetro, no Leblon, em 2011, prova isso.

Cuidado, gente!

Overdose de pessimismo também mata candidaturas.
_________________________

Clique AQUI para navegar no...


_________________________________________________________________





O governo brasileiro está fazendo uma aposta política ambiciosa ao estreitar o diálogo com este Vaticano de perfil “franciscano”, que fala em espanhol e possivelmente adoptará o portunhol a partir de hoje, como anteciparam alguns assessores do pontífice. Por Dario Pignotti 

(Para ler matéria completa, clique no título)
_________________________________________________________________________________

Facebookadas



Sérgio Cabral baixou um ato institucional número cinco para o Rio. Um cara que nunca fez nada na vida e virou governador. O pai, um grande crítico musical, mas espertalhão, arranjou vaga no Tribunal de Contas. A família que rouba unida permanece unida

  • 6 pessoas curtiram isso.
  • Wladimir Mutt Eu não vejo o Sérgio Cabral pai como espertalhão, por

  • Wladimir Mutt que na época da ditadura eu levava ele joão

  • Wladimir Mutt Eu não vejo o Sérgio Cabral, pai, como espertalhão pois eu levava ele, João Saldanha e Mário Lago para falar sobre samba, futebol, teatro e meter o pau na ditadura. Eu era diretor cultural da associação dos alunos da Escola Técnica Federal -AETI.

  • Fernando Soares Campos Bom dia, meu caro amigo Laerte. Sabe?, nem sei o que dizer, sob esse clima divino, ao som dos atabaques. Então, digo com o Google: Qui habitaverit in una familia petit Juiz de Fora. Gemeinsam sind wir stark. Abraços...
  • Luis Carlos De Sa Vianna O que posso dizer é que foi um que criou o outro. Quem criou o monstro filho foi o Cabral pai. Algo saiu errado nessa criação. O que será que faltou? Autoridade do exemplo?




_____________________________________________________________

Fernando Soares Campos



Unidades Cósmicas Diferenciais

O amor de Élcio por Luci só podia ser comparado ao amor de Luci por Élcio. Não deveria existir, em todo o Rio de Janeiro, outro casal tão apaixonado quanto aquele. Moravam na Tijuca, onde nasceram, criaram-se, estudaram, namoraram e se casaram. Depois de casados, instalaram, num shopping da Barra da Tijuca, uma loja especializada em confecções, componentes e acessórios apropriados para esportes náuticos. Para não destoar dos estabelecimentos vizinhos, a loja exibia nas suas vitrines algumas expressões em inglês: surf wearsale, até mesmo delivery. Contudo o seu nome comercial não podia ser outro: "Élcio & Luci", e tinha como logotipo as iniciais "E" e "L" artisticamente grafadas, entrelaçadas no centro de um coração escarlate.

Conjecturando a possibilidade de terem nascido ambos com o mesmo sexo, concluíram que, ainda assim, seriam amantes. Mesmo porque, já naqueles dias, esse tipo de relacionamento seria razoavelmente tolerado pela sociedade. Ele preferia que, nesse caso, fossem mulheres. Ela inclinava-se pela condição masculina. Mas isso não implicava algum tipo de polêmica entre eles. Acreditavam que, em qualquer circunstância, teriam nascido um para o outro.

Adeptos de seitas esotéricas, os dois estavam sempre buscando signos e caracteres que revelassem os princípios daquele arrebatado amor. Consultavam horóscopo, mapa astral, tarô, vidente e chegaram até a participar de sessões de projeção de vidas passadas, com o intuito de se conhecerem mais a fundo. Entretanto foi através de um místico do Engenho de Dentro, bairro da linha principal da Central do Brasil, que descobriam um dado curioso (para eles, cabalístico!) a respeito de suas vidas. O vidente, que era versado, entre outras ciências, em numerologia, observou, praticamente em todos os dados pessoais de Élcio, a ocorrência de uma unidade a mais que nos tópicos correspondentes em sua mulher. A isso o mago denominou Unidade Diferencial Cósmica (UDC).

A começar pela idade: ele era um ano mais velho que ela. Além disso, nascera no dia 11 de maio; Luci, a 12 de junho. E as suas certidões de nascimento ainda indicavam um expressivo detalhe: ele veio ao mundo às 03h45; ela às 04h45. Portanto a diferença era, precisamente, de um ano, um mês, um dia e uma hora. No entanto as coincidências... melhor, as UDCs do mago não paravam por aí. Na altura, Élcio media exatamente um centímetro a mais que Luci. Calçava 39; ela, 38. Até as cinco letras do nome dele, em relação às quatro do dela, não seriam resultado de mera casualidade. De acordo com o adivinho, seus pais foram imperativamente influenciados por aquele princípio determinista no momento da escolha dos nomes dos filhos ("Luci" era nome próprio, não se tratava de abreviação carinhosa).

Segundo o místico, essa incidência de UDC's não conferia ao marido nenhum fator de superioridade; para ele, elas tinham valor apenas distintivo, sem qualquer sentido de graduação. Mesmo assim estimulou o casal a provocar tal ocorrência em diversos âmbitos, garantindo que esta seria sua principal Via de Absorção de Energias Cósmicas (VAEC). Assim, seguindo recomendações do mestre e padecendo sacrifícios dietéticos, procuravam manter o peso a 1kg de diferença a favor de Élcio (ou seria contra, por tratar-se de peso a mais?).

Mesmo vivendo um aparente mar de rosas, Luci tinha sempre em mente um conselho de sua mãe: "No casamento, como na vida em geral: um olho na missa, outro no padre".

Graças ao proverbial alerta da mãe, certa ocasião ela percebeu que o seu marido fazia olho comprido pra cima de Aline, a dona da floricultura em frente à sua loja no shopping.

Algumas semanas depois de ter notado o possível flerte do marido com a florista, as suas suspeitas finalmente se confirmaram: descobriu que as saídas de Élcio, invariavelmente à tarde, nem sempre se destinavam às pesquisas de mercado, como ele as justificava; na maioria das vezes, saía para se encontrar com Aline.

No começo, Luci padeceu a angústia dos traídos, porém guardava silêncio sobre a questão, não externava qualquer sinal de lamúria. Fazia de tudo para dissimular aquele inferno astral. Não queria que o marido percebesse seu sofrimento. Pretendia resolver o problema da maneira menos traumática.

Já considerava seu casamento uma causa perdida, até que resolveu consultar o numerologista do Engenho de Dentro.

Diante do problema, o vidente chamou sua atenção para as tais Unidades Diferenciais Cósmicas.

Desculpando-se pela sua indiscrição, o místico quis saber:

- Com quantos parceiros você mantém relações sexuais, minha jovem?
Ela, fidelíssima esposa, vivendo sua monogâmica paixão, naturalmente respondeu:

- Com um, mestre, somente com um! Ele é a única pessoa com quem transo. Juro!

E o sapiente guru observou:

- Então, minha filha, não compreende que isso esclarece tudo?!

Fez-se a luz! Luci entendeu que tudo não passava do fatalismo das UDC's, o que isentava o marido de qualquer culpa. "Pelo contrário, agindo assim ele contribui para equilíbrio da nossa vida conjugal, através da nossa principal VAEC", pensou e voltou para casa consciente de que deveria aceitar seu carma com resignação.

Com a juda de um consultor especializado em Feng Shui, Luci restaurou o fluxo da energia chi em sua casa e na loja. Até se tornou amiga de Aline, sem nunca lhe dar a entender que sabia do seu relacionamento com Élcio. Tornaram-se confidentes.

Quando Aline, enciumada, fez a amiga saber que seu marido investia em mais um caso amoroso (agora andava de caso também com Michelle, uma das vendedoras da floricultura), Luci não se abalou, finalmente, tendo Élcio duas amantes, ela pôde ceder às cantadas de Astrogildo, o mago do Engenho de Dentro, agora seu amante... quer dizer, o homem que restabeleceu as UDCs do casal.
_________________________________________________________________________________


_________________________________________________________________________________

Os macacos cibernéticos pauteiros da PressAA também curtem Veríssimo:


(Charge extraída de Guia do Botequim)


Luis Fernando Veríssimo

O melhor texto de publicidade que eu já vi era assim: uma foto colorida de uma garrafa de uísque Chivas Regal e, embaixo, uma única frase: “O Chivas Regal dos uísques”.

O anúncio é americano. Em algum anuário de propaganda, desses que a gente folheia nas agências em busca de idéias originais na esperança de que o cliente não tenha o mesmo anuário, deve aparecer o nome do autor do texto. No dia em que eu descobrir quem é, mando um telegrama com uma única palavra. Um palavrão. Que tanto pode expressar surpresa quanto admiração, inveja, submissão ou raiva. No meu caso, significará tudo ao mesmo tempo. Palavrão PT Segue carta explosiva PT Abraços etc.
Duvido que o autor da frase receba o telegrama. O cara que escreveu um anúncio assim não recebe mais telegramas. Não atende mais nem a porta. Não se mexe da cadeira. Não lê mais nada, não vê televisão, não vai a cinema e fala somente o indispensável. Para o dia sentado, de pernas cruzadas, com o olhar perdido. Alimenta-se de coisas vagamente brancas e bebe champanhe brut em copos de tulipa. Com um leve sorriso nos cantos da boca.

Foi o sorriso que finalmente levou sua mulher a pedir o divórcio. Ela aguentou tudo. O silêncio, a indiferença, as pernas cruzadas, tudo. Mas o sorriso foi demais.

“Bob (digamos que o seu nome seja Bob), você não vai mais trabalhar?”.

Sorriso.

“Nunca mais, Bob? Há uma semana que você não sai dessa cadeira”.

Sorriso.

“Bob, o Bill disse que o seu lugar na agência está garantido, quando você quiser voltar. Mas eles não podem continuar pagando se você não voltar”.

Sorriso.

“As crianças precisam de sapatos novos. O aluguel do apartamento está atrasado. Meu analista também. Nosso saldo no banco se foi com a última caixa de champanhe que você mandou buscar”.

Sorriso.

“Sabe o que estão dizendo na agência, Bob? Que o seu texto para o Chivas Regal foi pura sorte. Que foi genial, mas você não faz dois iguais àquele. Você precisa ir lá mostrar para eles, Bob. Faça alguma coisa, Bob!”

Bob fez alguma coisa. Descruzou as pernas e cruzou outra vez. Sorrindo.
A mulher tratou do divórcio sozinha. Na hora das despedidas, ele inclinou-se levemente na poltrona para beijar as crianças mas não disse uma palavra.

Continua sentado lá até hoje.

Levanta-se para ir ao banheiro, trocar de roupa e telefonar para fornecedores de enlatados e champanhe. Os que ainda lhe dão crédito. O resto do tempo fica sentado, as pernas cruzadas, o olhar perdido. E o sorriso.

Uma faxineira vem uma vez por semana, limpa o apartamento (há pouco o que limpar, ele não toca em nada) e vai embora. Abanando a cabeça. Pobre do sr. Bob. Um moço tão bom.

Os amigos preocupam-se com ele. A agência lhe faz ofertas astronômicas para voltar. Ele responde a todos com monossílabos e vagos gestos com o copo de tulipa. E todos vão embora, abanando a cabeça.

Contaram que a mesma coisa aconteceu com o primeiro homem a escalar o Everest. Para começar, quando chegou no topo, no cume da montanha mais alta da Terra, ele tirou um banquinho da sua mochila, colocou o banquinho exatamente no pico do Everest e subiu em em cima do banquinho! O guia nativo que o acompanhava não entendeu nada. Se entendesse, estaria entendendo o homem branco e toda a história do Ocidente. De volta à civilização o homem que conquistou o Everest passou meses sem falar com ninguém e sem olhar fixamente para nada. Se tinha mulher e filhos, esqueceu. E tinha um leve sorriso nos cantos da boca.

Você precisa entender que quem escreve para publicidade está sempre atrás da frase definitiva. Não importa se for sobre uísque de luxo ou uma liquidação de varejo, importa é a frase. Ela precisa dizer tudo o que há para dizer sobre qualquer coisa, num decassílabo ou menos. Tão perfeita que nada pode segui-la, salvo o silêncio e a reclusão. Você atingiu o seu próprio pico.

Bob tem duas coisas a fazer, depois de passada a euforia das alturas. Uma é voltar para a agência, mas com outro status. Por um salário mais alto, apenas perambulará pelas salas para ser apontado a novatos e visitantes como o autor da frase, aquela.

“Você quer dizer… A frase”“

“A frase”.

Outra é começar de novo em outro ramo. Com uma banca de chuchu na feira, por exemplo. Ele não precisa conquistar mais nada, é o único homem realizado do século.

Mas por enquanto Bob só olha para as paredes. De vez em quando, diz baixinho:

“O Chivas Regal dos uísques…”

E aí atira a cabeça para trás e dá uma gargalhada. Depois descruza as pernas e bebe mais um gole de champanhe.


__________________________________

Monday July, 22, 2013...

Banca de Jogo do Bicho Carioca...

Vale o Escrito:

Que nome você daria ao neto da princesa Diana?

Façam suas apostas...

Jonh!
Paul!
George!
Ringo!
Bach, tchê!
Churchill, não! Churchill é uma piada!
Severino tá pagando £ 1,99 por cada R$ 0,20 
Facebookson!

Nós, cabeças chatas duca, preferimos...




_______________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

______________________________________________

PressAA


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário