Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

segunda-feira, 17 de junho de 2013

NAO , NAO é questão de 20 centavos


 
' de grão em grão, a galinha enche o papo e o governo o saco.

JUIZ DE FORA 2008. O prefeito bejani foi flagrado e filmado recebendo sua 'comissao'' mensal vinda da autorização do aumento da passagem em 10 centavos. Flagrado em sua casa , guardado no armário, 1 milhão de reais. 

para quem acha que 20 centavos não é nada, faça as contas ....

acorda povo, as ruas
nanda tardin

--------------------------------
Enviado por Pedro Porfirio:

Revoltas muito além dos 20 centavos

Sistema que monopoliza os transportes públicos embolsa fortunas há anos e dá as cartas


No início da década de 80, com um salário mínimo comprava-se 500 passagens de ônibus em São Paulo. Em 2006, quando já estava em vigor a política de reajustes do mínimo acima da inflação, este só dava para comprar 175 passagens, segundo levantamento oficial do Ministério das Cidades. Hoje, mesmo com reajustes de 182% no mínimo de 2003 para 2013 (contra 78%dos salários em geral) o mínimo de R$ 678,00  só dá para comprar 211 passagens de R$ 3,20, menos da metade dos anos 80, quando todos sofriam com o arrocho salarial.
No período de janeiro 1995 a dezembro de 2002, a tarifa média dos serviços de ônibus
urbanos nas capitais brasileiras cresceu em torno de 204% (R$0,35 para R$1,20) contra o aumento de 108% do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-
DI). Ou seja, a renda da população não acompanhou este o aumento da tarifa, segundo números da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.

Segundo essa entidade, por conta dos aumentos exorbitantes dos preços nas passagens, no Rio de Janeiro, já em 2008, os ônibus transportavam uma quantidade cada vez menor de passageiros. A média mensal de usuários caiu, em dez anos de 110 milhões para 85 milhões, uma redução de 22,7%. (O GLOBO, 06/04/2008). E hoje não chega a 69 milhões.
 

Governos generosos reduziram impostos a zero

Nesse período, os governos foram generosos mais da conta com as empresas de ônibus. No Rio de Janeiro, elas não pagam impostos e ainda recebem subsídios da Prefeitura. Desde 2010, o prefeito Eduardo Paes reduziu de 2% para 0,01% o ISS dos transportes municipais, uma renúncia de R$ 33 milhões por ano. O ICMS do Estado também está no mesmo patamar.

As dádivas com dinheiro público não se limitaram aos governos municipais e estaduais, sempre bem tratados pelos empresários, mas chegaram à União. Agora em junho, por ato da presidente Dilma Rousseff, todas as empresas de ônibus do país ficaram isentas do COFINS e do PIS, com o que o governo federal deixa de arrecadar R$ 1 bilhão por ano.

Todas as iniciativas nas áreas de transportes nas grandes cidades são direcionadas para favorecer as empresas de ônibus. Os prefeitos têm desistido ou recusado projetos com veículos sobre trilhos para não afetar os seus interesses. No Rio de Janeiro, desde o início dos anos 90, em seu primeiro governo, Cesar Maia anunciou a implantação do VLT da Penha à Barra. Acabou mudando de idéia no meio do caminho. 
CLIQUE AQUI, LEIA MATÉRIAS COMPLETAS NO BLOG DO PORFÍRIO E PUBLIQUE SEU COMENTÁRIO    

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário