Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

quinta-feira, 27 de junho de 2013

caí a máscara : consultor de Segurança da Rede Gazeta acusado de contratar policiais militares para reprimir manifestação na Terceira Ponte

"azar' que a rede gazeta sempre tem um pé no 'movi. golpista' Tá contado os dias do ES em AÇAO..... olha a farsa aparecendo aíiiiiiiiiii

Paulo Cantarella compartilhou a foto de Espírito Santo Brasil.

Rede Gazeta afasta comentarista de segurança acusado de contratar policiais militares para reprimir manifestação na Terceira Ponte

A Rede Gazeta de Comunicação informou, por meio de nota oficial, ter afastado seu consultor de segurança Marcos Do Val temporariamente. Marcos Do Val, que se auto proclama instrutor da SWAT e é empresário, teria, segundo a Polícia Militar, contratado 16 policiais militares para dar segurança à Rodosol, permanecendo apostos na Praça do Pedágio da Terceira Ponte para atirar, com "paint ball", contra quem tentasse invadir as dependências empresa. Os policiais foram autuados em flagrante disciplinar e posteriormente liberados por determinação da Corregedoria da PMES.

No entanto, segundo o site Gazeta Online, Marcos Do Val negou qualquer envolvimento com os militares detidos durante a manifestação. Ele confirmou que foi contratado pela Rodosol para fazer a proteção do patrimônio da concessionária, mas apenas como ter sido contratado pela Rodosol:

"Após a depredação da Praça do Pedágio na última quinta-feira (25), a Rodosol pediu para que eu prestasse uma consultoria na área da segurança, para que não acontecesse aquilo novamente. Eles estavam recebendo ameaças de que iriam destruir tudo novamente e que colocariam fogo, que iriam agredir funcionários", explicou Marc Do Val, em entrevista ao Gazeta Online.

Ainda segundo o site, Do Val informou que chamou 15 amigos, que são ex-alunos, para prestar apoio voluntário no esquema de proteção da estrutura da Rodosol. Ainda segundo Do Val, sempre de acordo com o Gazeta Online, "não há policiais militares entre eles, e ninguém estava fardado nem armado". De acordo com o consultor, o grupo estava presente no local apenas "para mostrar que a casa não estava vazia".

"Durante uma reunião, o próprio presidente da Rodosol ligou para o Coronel Edmilson e informou 'Coronel eu estou aqui com o Marcos Do Val, vai dar um apoio para nós, para não ficarmos tão desguarnecidos'. Esses meus amigos chegaram para fazer o reforço, não havia nenhum PM, nenhum policial civil. Eram 15 pessoas. Com o pessoal da PM, o número chegava a 30 homens. Eu não conhecia nenhum deles", alegou Marco Do Val, segundo o Gazeta Online.

De acordo com o site Gazeta Online, "o consultor da SWAT diz que ficou posicionado na cabine do prédio da administração da Rodosol, e esses amigos que prestaram reforço estavam posicionados nas dependências da Rodosol - que compreende também o prédio da administração e as cabines, fazendo a identificação dos manifestantes mais exaltados e informando para a Polícia Militar, que era responsável por fazer todas as abordagens."

"Todos que estavam comigo não tinham possibilidade de exercer a função de segurança ou polícia, pois ninguém estava armado nem fardado. Toda vez que víamos suspeitos entrando na cabine, ou querendo colocar fogo ou bomba, passava o rádio para esse grupo de amigos e eles seguiam até os policiais, que faziam a prisão e revista dos suspeitos. Nós éramos apenas interlocutores", explicou Marco Do Val, segundo o Gazeta Online.

Em sua página no facebook, o presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Espírito Santo, cabo Flávio Gava, informa que um dos 16 policiais ouvidos pela Corregedoria da PM teria declarado ter sido contratado pela empresa de Marco Do Val para prestar serviço na Terceira Ponte.

"Estamos acompanhando todo o procedimento e a ACS dará todo apoio jurídico aos nossos associados envolvidos nesse episódio", afirmou Flávio Gava.

Nota da Rede Gazeta sobre caso

O consultor de segurança Marcos Do Val dá consultoria para a Rede Gazeta, mas decidimos afastá-lo temporariamente da atividade, até que a questão seja inteiramente esclarecida.

Curtir ·  · Compartilhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário