Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Homenagem a Brizola - Por Mário Augusto Jakobskind



Homenagem a Brizola 
Militantes do PDT que desprezam Carlos Lupi, reunidos na Cinelândia, prestam homenagem a ex-governador do Rio e Rio Grande do Sul 

Stédile lembra da figura de Brizola, de quem se considera também neto 
Por Mário Augusto Jakobskind

O PDT, o melhor seria dizer, o verdadeiro PDT, que quer a volta às origens, prestou homenagem ao Governador Leonel Brizola, nesta terça-feira (22), que se vivo fosse completaria 91 anos. Foi um ato público tendo como palco a Cinelândia, onde anos atrás pontilhava a Brizolândia, movimento de militantes brizolistas que se reuniam na Cinelândia e promoviam intensos debates políticos. 

E naquela mesma praça, o próprio Brizola mobilizava milhares de pessoas em defesa de reformas necessárias para a melhoria de qualidade de vida do povo e levantava a bandeira nacionalista desfraldada por Getúlio Vargas e João Goulart. 

No ato público que contou com a presença, entre outros, do atual Ministro do Trabalho, Carlito Brizola; do vereador carioca, Brizola Neto; e de outra neta de Brizola, Juliana, que hoje milita como deputada estadual no Rio Grande do Sul; Arnaldo Murthé; Carlos Alberto de Oliveira; e Paulo Ramos. 

*Stédile agradece ao governador Brizola * 

Entre os oradores, vale destacar a figura de João Pedro Stédile, da coordenação nacional do MST, que fez questão de afirmar que se considerava também neto de Brizola, porque o movimento pela reforma agrária criado na época do governo Brizola no Rio Grande do Sul (1958 a 1962), o MAST (Movimento dos Agricultores Sem Terra) era avô do MST. 
Stédile lembrou que, depois, surgiram as Ligas Camponesas e, finalmente, em 1984, o neto MST, que ele integra. 

E, apontando para o Ministro Brizola, que o convidou para prestar a homenagem ao avô, disse em tom enfático que não era só ele, Carlito, neto de Brizola. 

Stédile lembrou também que Brizola, no Rio Grande do Sul, criou muitas escolas para quem necessitava e queria estudar. Ele mesmo, Stédile, admitiu que, se não fosse Brizola, talvez não conseguisse estudar e seguir adiante, até mesmo estar presente a este ato. 

*Importância de fazer política nas ruas* 

O representante do MST saudou o fato de a homenagem a Brizola estar sendo realizada em praça pública e, se fosse em recinto fechado, ele não viria. Explicou o motivo: “política se faz na rua e não em gabinetes fechados com ar condicionado onde se produzem políticos medíocres” . 

Stédile exortou os militantes do PDT a seguirem as mobilizações nas ruas, pois, desta forma, o povo voltará a ser protagonista político. 

Como não poderia deixar de ser, Stédile defendeu a reforma agrária, uma bandeira atual, exortando o Ministro Brizola a conclamar os colegas ministros, reunidos em recintos fechados, a não se atemorizarem diante das 
exortações em favor da reforma agrária. “Diga e pressione os ministros a não terem medo de defenderem a reforma agrária”. 

No discurso do Ministro Brizola, o orador exortou os presentes a repudiarem os aventureiros, como Carlos Lupi, que tomaram conta do PDT e transformaram o partido criado por Brizola em uma legenda de aluguel. 

*Linchamento midiático e repúdio a uma camarilha* 

Nos folhetos distribuídos durante o ato público pelos militantes, vale destacar o trecho afirmando que “vimos a mídia desconstruir a imagem do grande estadista da educação – Leonel de Moura Brizola 
  e o mesmo está 
sendo feito, em nossos dias, com líderes da América Latina que combatem interesse poderosos, como é o caso de Cristina Kirchner, na Argentina, enfrentando a mídia oligopolizada; de Hugo Chávez, na Venezuela, revertendo os recursos do petróleo em favor da maioria pobre; de Evo Morales, na Bolívia, retomando as empresas privatizadas; e Rafael Correa, no Equador, igualmente revertendo as privatizações e combatendo a mídia concentrada”. 

Entre os cartazes, podia se ver o que pedia a exclusão do PDT, de Carlos Lupi e sua camarilha. 

Escrito por Mário Augusto Jakobskind 
http://www.rededemocratica.org/index.php?option=com_k2&view=item&id=3711:homenagem-a-brizola 
http://www.rededemocratica.org/index.php?option=com_k2&view=itemlist&task=user&id=81:m%C3%A1rioaugustojakobskind

Mario Augusto Jakobskind 
http://www.rededemocratica.org/images/colaboradores/marioaugustojakobskind.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário