Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 1 de dezembro de 2012

A SEMANA - "PARA VER É PRECISO TER VONTADE DE OLHAR"



A SEMANA


“PARA VER É PRECISO TER VONTADE DE OLHAR”



Laerte Braga

O “progresso” faz com que 40% das crianças no município de Vitória, Espírito Santo, tenham rinite alérgica. A purpurina, que se usa muito no carnaval para maquiagem, criar a sensação de brilho, é “natural em Vitória. Resultado da poluição causada pela VALE. Não há qualquer ação do governo estadual, ou do governo municipal no sentido de solucionar o problema.


Lute, Hoje em Dia, MG



O Brasil tem 66 milhões de habitantes com renda mínima, “mas são tidos como pobres porque não têm moradia digna, educação e nem proteção social”. “Mais de um terço da população ganha acima do básico, mas sofre carências sociais”. O fato está descrito na edição de novembro da revista RETRATOS DO BRASIL, em trabalho de Cássia Almeida, Lucianne Carneiro e Éfrem Ribeiro.

Prisioneira das alianças políticas construídas por Lula para que fosse eleita presidente da República, Dilma Roussef queria sancionar o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados sobre os royalties do petróleo, o que evitaria briga política com a maioria dos governadores, mas vetou uma parte, pois foi alertada que o STF – Supremo Tribunal Federal – poderia dar ganho de causa aos governos do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, levando em consideração o quesito “direito adquirido”. A isso se juntam as pressões do governador Sérgio Cabral.


O medo de judicializar o assunto levou a presidente ao veto. Foi alertada dos riscos por sua assessoria jurídica. É a tal história. Entrou no labirinto de alianças complicadas, sem qualquer compromisso com o País e os brasileiros, mas com parte da escória da classe política, acaba tendo o governo, mas não tem o poder. 


Aroeira, O Dia, RJ

Todo o esquema Dilma, que envolve principalmente o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, seu partido o PT e, lógico, Dilma, está sob ataque direto e frontal do STF, da grande mídia, das elites políticas e econômicas do País (ainda que camufladas, mas nem tanto), num momento em que golpes brancos são a tônica da Escola de Guerra em Honduras, onde, entre outros, pontificam militares brasileiros no aprendizado específico da matéria, golpe, sob a batuta de instrutores norte-americanos.

Em meio a tudo isso uma crise sendo exportada desde a União Européia, passando pelos EUA, num Oriente Médio convulsionado (numa direção diversa das eternas convulsões desde que inventariam Israel em processo de sentimento de culpa), o que mais ou menos vale dizer que um espirro na China significa um baita aumento no preço do tomate no Brasil e não deve ser por outro razão que a senadora Kátia Abreu, paladina do latifúndio quer vender terras brasileiras a chineses.

A Nova China, contraponto a Grande Colômbia, projeto norte-americano de controle da América do Sul (A Amazônia, o petróleo, a água, os minerais estratégicos como o nióbio, etc).

O STF, verdadeiro detentor do poder acaba de inventar a figura do semi corrupto, caso do ex-deputado Roberto Jéferson, antigo militante da ditadura militar, hoje prestando serviços à direita mais extrema do Brasil (e mais podre também, se é que isso é possível em se tratando de direita). A figura em questão foi condenada a pena superior a oito anos, mas vai cumprir em regime semi-aberto por ter denunciado o “mensalão”.
A Justiça no Brasil classifica: Regime semi-aberto é o regime que 'penaliza' a 'semi- corruptos'
Semana de sentença do STF a roberto jefersson

A privataria tucana nem pensar. O procurador Roberto Gurgel assenta em cima de qualquer denúncia contra a turma de FHC que num escândalo só, a compra de votos para a reeleição, bate com sobras qualquer outra denúncia de irregularidade em todos os tempos nos últimos anos, ou desde a “redemocratização”.

O pano de fundo de tudo isso é a sucessão presidencial de 2014. Os principais acionistas do Brasil (banqueiros, grandes empresários, latifundiários e agora bancada evangélica) não aceitam um quarto mandato do PT seja a reeleição de Dilma Roussef (em boa parte já cooptada porque fraca e confusa) e principalmente o retorno de Lula, alvo agora de uma implacável campanha de desmoralização. A constatação desse fato não significa juízo de mérito de seu governo, é só um fato visível a olho nu.
Mas vale dizer que o ritmo das privatizações, o crime de entregar os hospitais universitários, toda a agenda neoliberal vai continuar a pleno vapor.

Cabral e Casagrande (governador nominal do Espírito Santo) contam com os royalties para assegurar a continuidade. No caso de Cabral a vice presidência, conversa com Aécio sobre isso. Já Casagrande a reeleição.
Prometem que no próximo ano 100% dos royalties do petróleo serão utilizados, investidos na educação.





A grande e imensa maioria da população está alheia a esse debate, nem todos os governadores liberam o transporte coletivo quando público para que as pessoas participem de manifestações “espontâneas” a favor de seus interesses (deles governadores), não tem vontade e nem estímulo para olhar. É induzida a isso pela grande mídia. Prefere o bombardeio diário da ilusão capitalista delineada e desenhada pelas agências de publicidade para veículos como a REDE GLOBO, ou a revista VEJA, vai por aí afora.

E, como afirma o ditado antigo, hoje lembrado por um amigo, “para ver é preciso ter vontade de olhar”. Não percebe que essa falta de vontade de olhar vai representar mais que nunca um custo adicional ao já onerado trabalhador brasileiro.

Pior que isso só a propaganda do governo de Minas louvando os feitos do governador Anastásia. Lembra um velho político que anunciava no norte as obras que não fez no sul e no sul as obras que não fez no norte. Vida que segue, ia ganhando as eleições e pronto. Anastásia é uma das maiores fraudes da política mineira e brasileira, um desses lamentáveis episódios a descaracterizar um estado que já foi governado por Milton Campos, JK, Clóvis Salgado e até o próprio Aureliano Chaves, indicado pela ditadura, mas que nunca meteu a mão no bolso de ninguém.

Anastásia governa Minas em estado falimentar depois de oito anos de descalabro Aécio Neves. É síndico de massa falida.

Fora isso a semana continuou a ser marcada pelos confrontos entre o PCC, grupo que controla o estado de São Paulo e o encurralado governo de Geraldo Alckmin. É que Dona Lu ainda não acabou de experimentar os 400 vestidos doados para os pobres e até o fim da saison o tiroteio vai continuar.

Foto: Less than two hours left for PA leader Mahmoud Abbas to give his speech and I think it will be followed straight after by the vote.

The speech will be give at:
03:00 p.m. New York time (GMT-5)
08:00 p.m. GMT (same time as London, UK)
10:00 p.m. Local Palestine time (GMT+2)

De destaque e grande destaque, a decisão da Assembléia Geral das Nações Unidas de reconhecer a Palestina como Estado Observador. Conseqüência do bom senso e da reação ao nazi/sionismo de Israel, país inventado após a 2ª Grande Guerra, para purgar a culpa dos aliados no massacre de judeus por Hitler. Israel hoje massacra palestinos.
Foto: Primera silla con el nombre de Palestina en la ONU. Felicidades Palestina, compartimos su alegría!

O delírio hitlerista de Benjamin Netanyahu, como farsa, repetição, ameaça o mundo com uma guerra sem proporções definidas, cujo alvo é o Irã, que segundo a mídia ocidental encarna todos os demônios existentes.


No mais, de volta a dupla Luís Felipe Scolari e Carlos Alberto Parreira. A despeito da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) continuar no século passado, nos primórdios do século passado, José Maria Marin é discípulo direto de Paulo Maluf, neste caso, prevaleceu o bom senso, ou um ataque de sensatez. É possível até em Maluf, em qualquer pessoa, por que não em Marin? Não significa absolver essa gente, Marin, Teixeira, etc, significa reconhecer que Scolari e Parreira são competentes e sabem onde têm seus narizes.



E a perspectiva da Corte de Justiça da OEA – Organização dos Estados Americanos – rever as condenações do STF a políticos supostamente envolvidos no “mensalão”. Mais ou menos, foi feita a vontade da GLOBO, que por sua vez fez a vontade das agências de publicidade, que, na outra ponta, cuidam dos negócios dos banqueiros, latifundiários, grandes empresários e bancada evangélica.



É só questão de perceber que, “para ver, é preciso ter vontade de olhar”.      

Inventaram o semi corrupto para justificar o semi aberto.

Palestina livre! 



sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ALERTA e CHAMADA A LUTA: VETO PRESIDENCIAL 'debatido' a portas fechadas




  • tá feia a coisa. a outra parte do VETO a das MULTI NACIONAIS tá sendo 'debatida' a portas fechadas. pelo sorriso na foto o Natal vai ser BOM PARA POUCOS. e claro não estamos incluidos nesse poucos.

  • URGE lutarmos. O PETROLEO É NOSSO. Fora Muilti nacionais.

    E para ciência  fica o FATO:

    O primeiro político a levantar a questão dos royalties do petróleo no Brasil foi Leonel Brizola, quando do seu primeiro mandato de governador do Rio de Janeiro (1983/1987). À época o próprio jornal O GLOBO considerou a idéia correta para surpresa de muitos.

    O que acontece hoje é que os royalties pagos aos governos estaduais e transferidos às prefeituras, nem pelos estados e nem pelas prefeituras, têm se prestado à saúde, a educação, ao saneamento básico, a políticas de preservação e recuperação ambiental, nada disso. Servem a empreiteiras, às próprias companhias petrolíferas, aos que destroem os estados, as cidades, trazendo sérios prejuízos aos cidadãos.

    Há um fato grave nisso daí. A descoberta de petróleo em Anchieta, Espírito Santo, por exemplo, trouxe para cidade, um paraíso ecológico, um grande número de migrantes e nenhuma forma de abrigá-los foi gerada pelo governo estadual, pelo governo municipal, pelas empresas, ao contrário, foram vítimas da exploração costumeira que o capital faz ao trabalho, a população local viu a cidade ser destruída pelo "progresso", Anchieta hoje é apenas uma pequena sombra do que era, Anchieta hoje é a face visível do problema da predação ambiental produzida pelo petróleo. Os royalties, que deveriam servir para evitar essa situação, beneficiam as elites, apenas as elites.

    Esse é um fato pouco discutido, até porque o governo federal não exerce fiscalização sobre o uso desses royalties, os tribunais de contas estaduais são órgãos de faz de conta, almoxarifado de políticos em fim de carreira, de amigos dos governadores, de cabos eleitorais qualificados e nada fazem de concreto, quando fazem tocam apenas na superfície para dar sinal de vida, enfim, essa questão dos royalties precisa ser discutida de forma mais objetiva, ampla, com participação popular, com transparência no uso desses recursos, criando mecanismos legais para que de fato cumpram o seu papel, a sua razão de ser. 



    Importantes Links para esclarecimento:

    http://juntosomos-fortes.blogspot.com.br/2011/08/no-debate-dos-royalties-do-petroleo.html

    http://juntosomos-fortes.blogspot.com.br/2011/09/quadrilhasempresas-querem-o-pre-sal-o.html
  • Palestinos emocionantes agradecendo POVO Brasil


    Palestinos emocionantes agradecendo POVO Brasil

    Carece não, BRIMOS, JUNTOS SOMOS GENTE.

    via Jamal Harfoush:



    Ehab Alfaris
    há 5 horas
    Thanks Brazil for your YES to palestin state


    Eis o agradecimento oficial do POVO Palestino ao POVO Brasileiro. EMOCIONA MUNDO JUNTOS SOMOS FORTES

    ' Já raiouou a liberdade,.... já raiou a liberdade... já raiou a liberdade." VIVA OS POVOS que se unem como hermanos, Irmãos, Brimos. JUNTOS SOMOS 

    quinta-feira, 29 de novembro de 2012

    Introdução ao DRAMA PALESTINO Israel and Palestine, an animated introduction.



    Enviado por mail por Delta Macluf

    No primeiro dia do FSM Palestina livre, entidades reforçam o propósito do encontro

     Baby Siqueira Abrão 


    No primeiro dia do FSM Palestina livre, entidades reforçam o propósito do encontro

    Publicado em novembro 28, 2012

    Atividade reuniu representantes de movimentos sociais e Ibrahim Alzeben, embaixador palestino no Brasil

    Embaixador Ibrahim Alzeben: convite aos israelenses para construir um diálogo com base no respeito, sem pretensões religiosas ou étnicas
    Porto Alegre, 28/11/2012. A Usina do Gasômetro sediou na tarde desta terça-feira uma conferência de imprensa com o Comitê Estado da Palestina Já (CEP)* e o embaixador palestino Ibrahim Alzeben. Os representantes do comitê manifestaram apoio ao Fórum e reafirmaram o propósito pacífico do evento, ressaltando o protagonismo de Porto Alegre nos Fóruns Sociais Mundiais.
    O presidente da Confederação dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil-RS, Guiomar Vidor, declarou que o objetivo não é realizar atividade contra Israel, mas lutar pela liberdade do povo palestino. Já o embaixador reivindicou o reconhecimento do direito internacional para ambos os Estados, Palestina e Israel, e convidou israelenses para construir um diálogo com base no respeito e sem pretensões religiosas ou étnicas. Para ele, nenhum Estado é livre quando está na condição de ocupante ou de ocupado.
    Alzeben declarou que a violência está longe de resolver o conflito. “Não queremos foguetes de um lado nem bombardeios do outro”, disse Alzeben. Ao final, expressou seu desejo para que este seja o último Fórum pela Palestina Livre, pois amanhã, 29 de novembro, entrará em votação na ONU o reconhecimento da Palestina como Estado não membro.
    *O Comitê Estado da Palestina Já!, formado em 2011 para apoiar o pedido da OLP na ONU, do reconhecimento do Estado da Palestina como membro das Nações Unidas (negado pelo Conselho de Segurança sob a alegação de que não havia consenso, depois de pressões exercidas por Israel e EUA), reúne 60 movimentos sociais, sindicatos e partidos brasileiros.
    Texto: Michael Susin/Brasil
    Fotos: Nicolas Gonzalez/Argentina

    Francês explica ações da Associação Médicos pela Palestina

    Posted on novembro 28, 2012





















    Claude Dancette, francês de 73 anos, trabalha no apoio aos palestinos desde seus 30 anos. Líder da Associação Médicos pela Palestina, Dancette trabalha principalmente com a doação de próteses para mutilados do conflito, coordena projetos como grupos de visitação, bolsas de estudos para os palestinos na França e arrecadação de recursos para a entidade. Entre suas expectativas sobre o Fórum está a criação de uma organização global para a Palestina que concentre as ações de entidades minoritárias de forma organizada e concisa. “Precisamos de uma ação global para coordenar e conseguir fazer ações com um impacto muito maior do que cada um ajudando da sua maneira”, afirmou.
    Texto: Michael Susin
    Fotos: Nicolas Gonzalez/ARG





    --
    Baby Siqueira Abrão
    Brazilian journalist - Middle East correspondent 
    Skype ID: alo.baby
    P. O. Box 1028, Ramallah, West Bank

    quarta-feira, 28 de novembro de 2012

    O Petroleo é NOSSO - REAÇAO de MOVIMENTOS SOCIAIS contra Cabral e CIAs


     Campanha Petróleo Tem que Ser Nosso
    No ato contra todas as covardias e hipocrisias de Sergio Cabral
    Ontem no Rio de Janeiro, 


    SIM O PETROLEO TEM QUE SER NOSSO, abaixo a demagogia politiqueira que quer entregar o Pre sal as MULTI NACIONAIS.

    terça-feira, 27 de novembro de 2012

    "Cuba, muito prazer" até dia 2 de dezembro em Brasília


    Na última quarta-feira, 21 de novembro, se iniciou "a mais completa mostra de arte cubana já vista no Brasil". “Cuba, mucho gusto” (Cuba, muito prazer, em português) está sendo exibida no Museu Nacional da República em Brasília, capital federal, até o dia 2 de dezembro, onde os brasileiros estão tendo a oportunidade de conhecer a riqueza da cultura cubana.

    Leia mais no Blog Solidários.

    segunda-feira, 26 de novembro de 2012

    5º Feira de RESISTENCIA: Comissão da Verdade do Estado de SP realiza audiência sobre tombamento de centro de repressão

    Comissão da Verdade do Estado de SP realiza audiência sobre tombamento de centro de repressão

    Na próxima quinta-feira, dia 29-11, das 14 às 18 horas, a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva” realizará uma audiência pública sobre “O tombamento da sede do DOI-Codi e seus usos como lugar de memória”. A audiência ocorrerá no Auditório Teotônio Vilela, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).  O evento será transmitido ao vivo pelo linkhttp://www.al.sp.gov.br/a-assembleia/tv-web

    O edifício onde funcionou o DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna, II Exército) de São Paulo, localizado à rua Tutoia, atual 36ª Delegacia de Polícia, foi um dos maiores e mais temidos centros de repressão da ditadura militar (1964-1985). No encontro, será debatido o tombamento do prédio e sua transformação em lugar de memória, cujo proponente é Ivan Seixas, presidente do Condepe (Conselho de Defesa da Pessoa Humana).

    Entre os participantes, estarão representantes do Grupo de Trabalho Memória e Verdade do Ministério Público Federal e do Núcleo de Preservação da Memória Política, além de ex-presos políticos que estiveram no DOI-Codi. O deputado Adriano Diogo, presidente da Comissão da Verdade do Estado de SP (CVE), e Ivan Seixas apresentarão a audiência.

    Entre as experiências bem-sucedidas como locais de memória está o Memorial da Resistência, antigo Dops, que hoje é o sexto museu mais visitado da cidade de São Paulo, com cinco mil visitantes ao mês. Na Argentina, um dos exemplos mais emblemáticos de lugar de memória é a Escola Superior de Mecânica da Armada (Esma), onde funcionou, entre 1976 e 1983, o Centro Clandestino de Detenção. Em 2004, foi convertido em Museo de La Memoria.

    Audiência Pública: “O tombamento da sede do Doi-Codi e seus usos como lugar de memória”
    Data: 29/11 (quinta-feira), das 14h às 18h
    Local: Auditório Teotônio Vilela, no 1º andar da Assembleia Legislativa de São Paulo, Avenida Pedro Álvares de Cabral, 201 – Ibirapuera.
    Realização: Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”

    Programação

    Abertura:

    Deputado Adriano Diogo – Presidente da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”
    Ivan Seixas – proponente do tombamento do prédio do DOI-Codi

    Debatedores:

    Sandra Kishi- Representante do GT Memória e Verdade do Ministério Público Federal
    Maurice Politi - Núcleo de Preservação da Memória Política

    Depoimentos de ex-presos que passaram pelo DOI-Codi:

    - Elza Lobo
    - Artur Scavone
    - Gilberto Natalini
    - Rosalina Santa Cruz
    - Aton Fon Filho
    - Reinaldo Morano
    COMISSÃO DA VERDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO “RUBENS PAIVA”
    55 11 3886-6227 / 3886-6228

    Avenida Pedro Álvares de Cabral, 201, piso Monumental –  Ibirapuera - CEP 04097-900 – São Paulo / SP


    Honduras Urgente Mais um assassinato de Campesino.


    Trujillo, Colon. Domingo 25 de Noviembre 2012. SICARIOS ASESINAN CAMPESINO de Empresa EL DESPERTAR afiliada al MARCA. Fue sorprendido este día... SIGUE LA OLA INCONTENIBLE DE BRUTALES ASESINATOS…
    LA VIA CAMPESINA EN TEGUCIGALPA,  HA LLEVADO A CABO VARIAS CONFERENCIAS DE PRENSA PARA DENUNCIAR LA VULNERABILIDAD DE LOS GRUPOS CAMPESINOS DEL CAMPO EN  EL SECTOR DEL AGUAN Y CONTRA LIDERES, INCLUYENDO A SU CONDUCTOR RAFAEL ALEGRIA.
    Adelmo Leiva de 41 años, su compañera de hogar, una menor de ambos abordarían un autobús en la terminal de Trujillo a eso de las nueve de la mañana,  de retorno a su Base en la Cooperativa EL DESPERTAR en la margen izquierda del Aguan, mientras realizaban actividades  familiares de día domingo cuando sicarios fuertemente armados le salieron al paso, disparándole  hasta quitarle la vida, frente a su esposa y su menor hija.

    EL AGUAN. UN CENTENAR DE MUERTES es ya un HOLOCAUSTO NACIONAL! que desborda la autoridad del ESTADO. Otro Crimen de CAMPESINO EN EL SECTOR DE TRUJILLO..
    Hombres armados a bordo de una motocicleta le dispararon a mansalva frente a su familia. Indignados y atemorizados nuevamente grupos campesinos en el AGUAN. Un centenar de muertes en el agro es ya un holocausto que desborda la autoridad del ESTADO y su incapacidad de garantizar la vida y de cumplir con ordenanzas como EL DECRETO DE DESARME.
    Cientos de Campesinos viven bajo el péndulo de la muerte. Saben que permanecer en la zona es de alto riesgo. Empero, su patrimonio esta en el campo. El terror desatado, parece ser una estrategia bien pensada para causar un éxodo masivo de la zona con objetivos nefastos y peligrosos. El principio de autoridad se perdió y las consecuencias son caóticas en el panorama de persecución y criminalidad desatado.
    El Departamento de COLON se ha desangrado ante tanta violencia. La población se ha resignado a vivir entre la muerte y los operativos  Militares.
    En el juego de ajedrez mortal, se recuerda el asesinato conmovedor de una figura clave, el abogado JOSE ANTONIO TREJO CABRERA, mientras unía en matrimonio a una pareja al sur de la capital, un destacado Profesional del Derecho y a su vez, Pastor evangélico de una Iglesia en Tegucigalpa, Apoderado Legal del MOVIMIENTO AUTENTICO REIVINDICADOR DE CAMPESINOS DEL AGUAN, MARCA, quien ha juicio de los agraristas, había logrado recuperar de manos de los terratenientes, algunas propiedades a favor de los campesinos. Este hecho que conmovió a la ciudadanía en general ocurrido en el mes de Septiembre en circunstancias similares de fin de semana. Su muerte repentina, corto el hilo de la madeja de un sin fin de denuncias y demandas interpuestas en instancias fiscales y judiciales.
    EL LIBERTADOR,  Primer auditor social de honduras, que se edita en Tegucigalpa, revelo la denuncia contra el BANCO MUNDIAL como principal responsable de los múltiples crímenes en EL AGUAN por su financiamiento de grupos armados, dando origen a la creación de un estado dentro de otro estado. El organismo de DERECHOS HUMANOS denunciante pidió el cese de empréstitos al margen de su política a empresarios del agro hondureño ligados a estos crímenes...

    Via Fian ( Frente Nacional de Resistencia Hondurenha ) por mail.

    ADITAL -Rede Ecumênica da Juventude reforça pedido por uma Palestina Livre

    23.11.12 - Brasil
    Rede Ecumênica da Juventude reforça pedido por uma Palestina Livre
    Karol Assunção
    Jornalista da Adital
    Adital
    Organizações juvenis fazem coro aos manifestos de entidades nacionais e internacionais de defesa dos direitos humanos pelo fim das ocupações na Palestina. A Rede Ecumênica da Juventude (Reju), por exemplo, não se calou diante do conflito entre israelenses e palestinos. Nessa quinta-feira (22), a organização juvenil emitiu um comunicado ressaltando a importância de paz na região e pedindo o fim da ocupação de Israel na Palestina.
    "Para a Reju, não será possível discutir a paz verdadeira nesta região sem o fim da ocupação. A Paz da "não guerra” poderá acontecer, mas ela não será Shalom, Salaam, Plenitude de Paz, enquanto não vier acompanhada da justiça. Por isso, somos pelo fim das ocupações na Palestina”, destaca.
    Na próxima quinta-feira (29), completam-se 65 anos da partilha da Palestina, ocorrida em uma sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) presidida pelo Brasil. Também neste ano completam-se 45 anos do início da ocupação militar israelita da Cisjordânia e dez anos do início do muro que separa a Cisjordânia e circunda cidades e vilas palestinas.
    No comunicado, Reju aponta que o estado de Israel ocupa ilegalmente a Palestina, o que acarreta em um desrespeito às convenções internacionais de Direitos Humanos. "O Estado israelense, via relações desiguais de poder, ocupa o território internacionalmente reconhecido como palestino. Jerusalém Oriental foi anexada ilegalmente ao território de Israel; o muro de segregação (também chamado de muro do apartheid) invade as fronteiras, separando vilas palestinas de suas terras; as colônias ilegais de israelenses crescem dentro dos territórios ocupados, e mais uma série de israelenses crescem dentro dos territórios ocupados, e mais uma série de atos de violência física, psicológica e simbólica é aplicada às (aos) palestinas (os)”, explica.
    A Rede Ecumênica da Juventude aproveita para se solidarizar à Palestina e apoiar os eventos realizados para chamar a atenção para a violação dos direitos humanos dos povos palestinos. Como exemplo de iniciativas, cita o Fórum Social Mundial Palestina Livre, evento que ocorrerá entre os dias 28 de novembro e 1° de dezembro em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, com a participação de ativistas de várias partes do mundo.
    "Esta política tem ceifado vidas humanas e produzido feridas (os) nos dois lados do conflito. A necessidade de paz é urgente. Por isso, unimo-nos a milhares de vozes ao redor do mundo que pedem, além do término imediato das ocupações, o fim do embargo econômico israelense contra a Faixa de Gaza, que tem provocado o sufocamento daquela população e elevado o nível de tensão, atos de violência e conseqüentes represálias. Rogamos por gestos concretos de respeito mútuo à soberania de cada país e aos direitos de seus habitantes. Acreditamos que uma mudança na política de ocupação israelense pode ser um exemplo valioso neste processo de paz”, finaliza o comunicado.

    Enviado por Mail por Vitor B.
    Publicado no Jornal ADITAL 

    ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA SE DEFINIRÁ: NAZISMO OU DEMOCRACIA? por Raul Longo


    ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA SE DEFINIRÁ:
    NAZISMO OU DEMOCRACIA?
    por Raul Longo

    Observadores internacionais apontam o período histórico das ditaduras militares da América Latina como o de reinstauração da orientação nazista no nosso continente.
    O golpe militar de 1º de Abril de 1964 é apontado como o início desse processo e um dos métodos utilizados para o controle do território nacional pelos moldes nazistas foi a supressão dos direitos políticos de toda a população brasileira.
    Durante mais de duas décadas os brasileiros foram impedidos de escolher quem presidiria o país e governaria os estados. Para ampliar e aprofundar seus poderes totalitários, os militares determinaram como área de segurança nacional a todas capitais de estado, cidades de fronteira e estâncias hidrominerais e turísticas; proibindo também aí a escolha de prefeitos.
    Para administrar estes municípios eram indicados interventores, evidentemente de mesma orientação ideológica dos detentores do poder federal. No município catarinense Balneário Piçarras, o primeiro interventor indicado pela ditadura militar foi Francisco Leopoldo Fleith.
    Além da cassação do direito de escolha de governantes e administradores municipais, outra medida francamente nazifascista da ditadura militar foi a cassação dos direitos de políticos já escolhidos através do voto como representantes da população com legitimidade democrática.
    Em Santa Catarina o deputado cassado através desse processo foi Paulo Stuart Wright, filho de cidadãos norte-americanos radicados no estado, formado em engenharia e democraticamente eleito deputado estadual em 1963. Em 1973 Stuart Wright foi aprendido pelos órgãos da repressão da ditadura militar que, a exemplo da Gestapo na ditadura de Adolfo Hitler, executava os considerados inimigos do regime totalitário.
    Em homenagem àquele combatente pela reinstauração democrática no país, se denominou uma rodovia da região litorânea do estado de São Catarina, mas o deputado Gilmar Knaesel (PSDB) sugeriu e foi aprovada pela mesma casa à qual Stuart foi eleito em 73, a substituição da homenagem à democracia pela exaltação a Leopoldo Fleith.
    Os motivos apresentados pelo deputado do PSDB para a substituição da homenagem: 1 – Fleith foi o primeiro interventor do município de Piçarras. 2 – Fleith foi importante latifundiário da região.
    Depois de forte pressão popular o governador de Santa Catarina vetou o projeto apresentado pelo parlamentar do PSDB. Agora caberá à Assembleia Legislativa de Santa Catarina manter ou derrubar o veto governamental.
    Conforme a nota abaixo copiada, a Comissão Nacional da Verdade insta os deputados estaduais a se definirem: ou assumem orientações ideológicas herdadas do nazismo ou encaram os cargos que ocupam, e seus eleitores, como consequências e responsabilidades democráticas.
    À conferir!



    COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE
    SUBCOMISSÃO DE COMUNICAÇÃO EXTERNA
    ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
    22/11/2012 – Comissão Nacional da Verdade pede que estrada em SC permaneça com o nome de Paulo Stuart Wright
    Para a CNV, retirar a homenagem a Wright é “despropositada”
    A Comissão Nacional da Verdade comunicou hoje o presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Gelson Merísio, que o veto do governador Raimundo Colombo ao projeto de lei 199/2011 deve ser mantido pela casa legislativa.
    Pelo projeto de lei 199/2011, aprovado em julho pela Alesc, a rodovia SC-414, conhecida popularmente como Variante, teria seu nome alterado de Paulo Stuart Wright para Francisco Leopoldo Fleith.
    Após forte pressão popular, o governador rejeitou em agosto a mudança do nome da rodovia aprovado pela assembleia, vetando o projeto.
    Entretanto, a Alesc pode, a qualquer momento, pautar o veto do governador e derrubá-lo.
    Informada da situação por representantes da sociedade civil catarinense, a CNV deliberou por unanimidade que o veto governamental à mudança do nome da cidade deve ser mantido.
    Segundo ofício remetido pelo coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Claudio Fonteles, para Merisio, “a alteração do nome da Rodovia Paulo Stuart Wright é cabalmente despropositada”.
    “O olvido (esquecimento) de pessoa que se empenhou, com a própria vida, em defesa de valores da Democracia gravemente compromete a formação da sociedade brasileira, que se quer sempre livre, jamais abafada pela truculência das soluções ditatoriais”, afirma o documento da CNV (leia a íntegra).
    QUEM É WRIGHT - Natural de Joaçaba, Santa Catarina, Paulo Stuart Wright era filho de missionários presbiterianos. Após viver cinco anos nos Estados Unidos, ele retornou ao Brasil para não lutar na Guerra da Coreia. Aqui, após um período em São Paulo, retornou ao estado natal onde fundou cooperativas de pescadores e se elegeu deputado estadual.
    Em 1964, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina o cassou supostamente pelo fato de não usar gravata nas sessões. Após a cassação, ele foi viver no México e, anos depois, retornou ao país, onde foi um dos organizadores da Ação Popular no sul do país, militando na clandestinidade até ser preso, em 1973, por agentes do Doi-Codi de São Paulo. Está desaparecido até hoje.
    Paulo é irmão do pastor Jaime Wright, que, junto com o cardeal Paulo Evaristo Arns, organizou a capitalização de recursos que resultou no relatório “Brasil: Nunca Mais”, primeiro documento a denunciar ao grande público as torturas e assassinatos praticados pelo regime.
    Assessoria de Comunicação
    Comissão Nacional da Verdade
    Mais informações à imprensa: Marcelo Oliveira
    61-3313-7324
    comunicacao@cnv.presidencia.gov.br
    Siga a Comissão da Verdade do twitter: @CNV_Brasil
    Curta a página da Comissão da Verdade no Facebook: https://www.facebook.com/comissaonacionaldaverdade



    via Raul Longo e  rede castorphoto

    1ªRESISTÊNCIA EM FOCO - O POVO nos BLOGS - A Luta da comunidade de RSISTENCIA









    O PSOL NA ENCRUZILHADA

    Juiz Haywood (Spencer Tracy): a primeira
    infâmia abre caminho para todas as outras
    Há sempre uma desculpa ou atenuante qualquer para se ultrapassar a fronteira entre a civilização e a barbárie, o justo e o injusto, o certo e o errado, o digno e o indigno.   

    Então, a regra de ouro foi expressa pelo velho juiz protagonizado por Spencer Tracy, num filme memorável: Tribunal em Nuremberg (d. Stanley Kramer, 1961). 

    Indagado sobre quando começou o desvirtuamento da Justiça alemã  sob o nazismo, ele responde: "Foi no dia em que o primeiro juiz condenou o primeiro réu que ele sabia ser inocente".

    É imperativo para nós, os verdadeiros revolucionários, voltarmos a ser os que não abrem o precedente dúbio, ao qual segue-se a banalização da dubiedade. Por maior que seja o preço a pagar, cabe-nos personificar a alternativa à geléia geral na qual conveniências amorais e imorais são colocadas à frente dos princípios. Ou não haverá para o cidadão comum nenhum símbolo visível de que outro mundo seja possível.

    O PSOL pode agora abrir tal precedente, ao consentir que Clécio Luís, seu primeiro prefeito de capital, defenda posturas TOTALMENTE inaceitáveis (como a aceitação do financiamento de bancos e empreiteiras e as alianças indiscriminadas com reformistas) à luz dos valores socialistas e libertários aos quais aderiu até no nome. Com o agravante de já haver aceitado apoios repulsivos para vencer a eleição --os quais, sabem-no os que não acreditam em Papai Noel, certamente terão consequências nefastas na sua gestão.

    Se não reagir firmemente na defesa de sua identidade política, o PSOL entrará no mesmo caminho sem volta que o PT começou a trilhar quando da expulsão de Paulo de Tarso Venceslau, em 1998.

    Venceslau, o que levou o bom
    combate às últimas consequências
    A QUEDA DOS ANJOS

    Ex-militante do movimento universitário e antigo combatente da ALN, o economista Venceslau foi a única voz no partido a protestar contra o PRIMEIRO grande esquema de desvio de recursos públicos para financiamento partidário, por meio de uma firma chamada CPEM - Consultoria para Empresas e Municípios.

    Tendo sido secretário das finanças de duas prefeituras petistas no interior paulista, em ambas ele resistira às pressões para contratar a CPEM ou para pagar-lhe valores exorbitantes por serviços já prestados, acabando por ser exonerado da última delas, a de São José dos Campos.

    Depois de dois anos de denúncias infrutíferas aos dirigentes máximos do PT, Venceslau tornou público o favorecimento escuso à CEPM em entrevista ao Jornal da Tarde.

    Como resposta ao escândalo, o partido submeteu o assunto a Comissão de Ética presidida por Hélio Bicudo, cuja salomônica decisão foi a de que Venceslau deveria ser expulso por haver vazado um assunto interno para a imprensa burguesa; idem o empresário Roberto Teixeira, da CPEM, por pilotar um mais do que evidente (e evidenciado no relatório final da Comissão) esquema de corrupção, bem ao estilo daquele que depois celebrizaria Marcos Valério. 

    Luiz Inácio Lula da Silva, que Venceslau aponta como responsável pela montagem de tal esquema e maior beneficiário (graças ao dinheiro sujo, sua tendência teria mantido a supremacia no partido), ameaçou sair do PT juntamente com Teixeira --que, além de tudo, era seu compadre e lhe fornecia um apartamento de cobertura para morar de graça.

    A direção estadual optou, então, por desconsiderar o parecer da Comissão de Ética, expulsando somente Venceslau. Foi o instante em que se assumiu como um partido igual aos outros, capaz até de sacrificar um militante honesto (e REVOLUCIONÁRIO!!!) para preservar uma maçã podre. 

    Teixeira,  figurinha carimbada, seria depois
    convocado para depor na CPI dos Bingos
    Segundo Venceslau, o tal Teixeira havia sido, inclusive, "torturador do delegado Fleury". E em 2006, quando era advogado da Brasil Telecom e foi convocado para depor na CPI dos Bingos, admitiu "conhecer" Daniel Dantas, dizendo-se impedido de dar mais detalhes por haver cláusula de confidencialidade

    Ao contrário do que os petistas querem nos fazer crer, no caso deles o  ovo da serpente  não foi o  mensalão mineiro, mas sim as maracutaias da CPEM. Estão certíssimos ao alegarem que todos os grandes partidos do sistema incidem nas mesmíssimas práticas, mas devemos sempre lembrar-lhes que o PT tinha obrigação política e moral de não resvalar para tal vala comum.

    Tudo que de ruim aconteceria depois foi consequência desta terrível decisão. Orgulho-me de haver me solidarizado a Venceslau, antecipando que o partido tendia ao desvirtuamento, no artigo PT expulsa PT, que o Jornal da Tarde publicou com destaque na sua página de Opinião, ao lado e como contrapartida a uma crítica que João Paulo Cunha (logo quem...) fazia ao correto trabalho jornalístico de Luiz Maklouf Carvalho.

    Como, face às mesmas circunstâncias, tendemos a desempenhar novamente os mesmos papéis, devo ter sido o primeiro a pedir agora a expulsão de Clécio Luís (vide aqui). É provável que nem desta vez meu alerta leve ao esmagamento do  ovo da serpente, mas a minha parte eu sempre faço.