Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 29 de setembro de 2012

SOS Honduras Urgente: Caçada ASSASSINA coloca REFENS a Resistentes. BOÇAIS Promovem extermínio coletivo

Bertha Oliva: ‘Estão nos dizimando!’. Urge mais beligerância da
comunidade internacional
Giorgio Trucchi.
Rel-UITA (Unión Internacional de Trabajadores de la Alimentación,
Agrícolas, Hoteles, Restaurantes, Tabaco y Afines)
Adital

Tradução: ADITAL


Foto G. Trucchi-Rel-UITA

Enquanto uma multidão despedia-se de Antonio Trejo Cabrera, advogado e
defensor dos camponeses do Aguán, assassinado brutalmente no dia 22 de
setembro passado, no Cemitério San Miguel Arcángel, em Tegucigalpa,
dois supostos sicários mataram a balaços a Manuel Eduardo Díaz
Mazariego, 40 anos, Fiscal de Direitos Humanos nessa cidade. Em 2008,
Díaz Mazariego havia participado, juntamente com outros colegas, em
uma longa e extenuante greve de fome contra a corrupção e pela
transparência no Ministério Público.

Diante dessa nova ofensiva criminosa que em menos de 72 horas segou a
vida de dois profissionais muito comprometidos com a defesa dos
direitos humanos, Bertha Oliva, coordenadora do Comitê de Familiares
de Detidos Desaparecidos em Honduras (Cofadeh) externou sua profunda
preocupação em entrevista concedida a Sirel.

- Que análise Cofadeh está fazendo diante dessa nova onda de violência?

- O advogado Trejo estava muito comprometido, tanto com a defesa dos
direitos das famílias camponesas, especificamente as do Bajo Aguán,
como com a salvaguarda da soberania nacional que está sendo ameaçada
pelo projeto de criação das "cidades modelo”. Os que conspiram contra
o povo não têm nenhum escrúpulo em eliminar aos que se opõem ao seu
propósito de fazer negócios em Honduras.

Trejo foi preso e julgado na época do terrível desalojo perpetrado
pela polícia contra os camponeses que protestavam pacificamente em
frente das instalações da Corte Suprema de Justiça na capital. Seu
assassinato é uma clara agressão contra os que pensamos diferente dos
grupos de poder nesse país.

- Defender os direitos dos mais despossuídos para ser alvo de ataques
homicidas em Honduras…

- Os latifundiários e as famílias que, reiteradamente, têm sido
assinaladas como as que se apropriaram ilegalmente do país, estão com
uma nova ofensiva contra o campesinato, contra as/os defensores de
direitos humanos, bem como contra quem acompanha ao povo em sua
demanda por justiça social.

Trejo acompanhava a luta camponesa e fazia uma defesa legal para a
garantia de seus direitos. Inclusive, introduziu uma demanda por
"Traição à Pátria” contra os legisladores que haviam aprovado o
Decreto que formaliza as "cidades modelo”.

- Até onde vamos chegar?

- A situação é extremamente grave e devemos modificar nossa
estratégia. As instituições do Estado continuam ausentes, colapsadas,
incapazes de fazer justiça, em conluio com os assassinos. E estão nos
assassinando, exterminando com total impunidade. Em menos de 72 horas
assassinaram ao advogado Trejo e ao Fiscal Díaz Mazariego. Nos
sentimos sozinhas, agoniadas e demandamos, exigimos, a presença da
comunidade internacional ao lado desse povo.

- Até o momento os Estados Unidos tiveram uma atitude muito contraditória.

- Nos preocupa, por exemplo, que o Departamento de Estado diga em seu
relatório que em Honduras houve avanços em matéria de justiça e de
eficiência do Ministério Público. Não se pode combater a impunidade
com mentiras, nem com mais militarização ou envolvendo, em uma suposta
solução, aos que fomentam e são cúmplices da impunidade.

- Há força suficiente para continuar nessa luta?

- Querem paralisar-nos dizimando-nos. No entanto, continuo confiando
no povo de Honduras porque é sábio. As pessoas continuam caminhando,
demandando e está claro de onde provém a repressão e quem são os
repressores. Para deter-nos terão que matar-nos todos. Nesse sentido,
a solidariedade internacional e a coordenação com os grupos e redes
que difundem o que, de verdade, acontece em Honduras será a chave
nessa conjuntura.

Enviadopor Valmiria da Casa da América Latina, com pedido
para que ajudemos a pautar
  a situação dos Hermanos
em Honduras.
-------------------------

CIDH condena asesinato de defensores de derechos humanos en Honduras

28 de septiembre de 2012
Washington, D.C. - La Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) condena los asesinatos de Antonio Trejo Cabrera y Manuel Eduardo Díaz Mazariegos, dos defensores de derechos humanos en Honduras. La Comisión Interamericana urge al Estado de Honduras a reforzar y profundizar la investigación de estos crímenes, esclarecerlos judicialmente y sancionar a los responsables materiales e intelectuales.
La información recibida indica que el 24 de septiembre de 2012, el fiscal especial para los derechos humanos del departamento de Choluteca, Eduardo Díaz Mazariegos, fue acribillado con 11 balazos disparados por dos desconocidos que conducían en motocicleta en las inmediaciones del Ministerio Público en la ciudad de Choluteca, en el sudoeste de Honduras.
Adicionalmente, la información recibida indica que el 22 de septiembre de 2012, personas desconocidas balearon a Antonio Trejo Cabrera en Tegucigalpa, y que en los meses previos al crimen, había recibido reiteradas amenazas de muerte y había denunciado esa situación ante las autoridades. La información indica que Antonio Trejo Cabrera era apoderado legal del Movimiento Auténtico Reivindicador Campesino del Aguán (MARCA), trabajaba en la defensa y promoción de los derechos de comunidades cooperativas campesinas en la zona del Bajo Aguán.
En la zona del Bajo Aguán, Tocoa, existe un conflicto de tierras de larga data entre campesinos y empresarios. Según organizaciones nacionales e internacionales que dan seguimiento a esta situación, 53 personas afines y afiliadas a las organizaciones campesinas del Bajo Aguán, más un periodista y su pareja, habrían sido asesinadas desde septiembre de 2009 a agosto de 2012 en el contexto del conflicto agrario que aqueja a la región. Además, un campesino continuaría desaparecido desde el 15 de mayo de 2011. De acuerdo a los datos proporcionados por la Fiscalía Especial de Derechos Humanos, no habría una investigación eficiente sobre estos crímenes. La Comisión Interamericana se ha manifestado en reiteradas ocasiones sobre la situación en el Bajo Aguán, incluyendo en la sección sobre Honduras del Capítulo IV de sus Informes Anuales 2010 y 2011, y observa que la situación continúa siendo altamente preocupante.
La CIDH recuerda que es obligación del Estado investigar de oficio hechos de esta naturaleza y sancionar a los responsables. Asimismo, la Comisión insta al Estado de Honduras a adoptar en forma inmediata y urgente todas las medidas necesarias a fin de garantizar el derecho a la vida, la integridad y la seguridad de las defensoras y defensores de derechos humanos en el país.
Como ha señalado la Comisión anteriormente, los actos de violencia y otros ataques contra las defensoras y los defensores de derechos humanos no sólo afectan las garantías propias de todo ser humano, sino que atentan contra el papel fundamental que juegan en la sociedad y sume en la indefensión a todas aquellas personas para quienes trabajan. La Comisión recuerda asimismo que la labor de defensores y defensoras es esencial para la construcción de una sociedad democrática sólida y duradera, y tienen un papel protagónico en el proceso para el logro pleno del Estado de Derecho y el fortalecimiento de la democracia.
La CIDH es un órgano principal y autónomo de la Organización de los Estados Americanos (OEA), cuyo mandato surge de la Carta de la OEA y de la Convención Americana sobre Derechos Humanos. La Comisión Interamericana tiene el mandato de promover la observancia de los derechos humanos en la región y actúa como órgano consultivo de la OEA en la materia. La CIDH está integrada por siete miembros independientes que son elegidos por la Asamblea General de la OEA a título personal, y no representan sus países de origen o residencia. 

Enviado por Diana  
------------------------

HONDURAS Y..."LA TREMENDA CORTE": SALA CONSTITUCIONAL RECHAZA RECUSACION A MAGISTRADO OSCAR CHINCHILLA‏ // TODO ESTÁ GUARDADO EN LA MEMORIA

Magistrados incorporados 
                                                            
Compatriotas:


Como era de esperar, la Sala Constitucional de la Corte Suprema de Justicia,rechazó casi a la velocidad de la luz, la recusación promovida por el abogado Oscar Cruz en su propia representación y la de los abogados Jari Dixon Herrera, Fredín de Jesús Funez, Rigoberto Portillo Mejía, Rodolfo Antonio Zamora y Foad Aejandro Castillo, en contra del magistrado Oscar Fernando Chinchilla Banegas:  
  
  por tener conflicto de intereses para resolver recurso de inconstitucionalidad presentado por ellos y decenas de personas más, de los decretos que contienen las reformas constitucionales que dan vida a las Regiones Especiales de Desarrollo (RED) más conocidas como "Ciudades modelo". 


Es importante anotar que el abogado Cruz intentó que la Secretaría de la CSJ le recibiera el escrito de recusación, pero no fue posible, por lo que se vió obligado a presentarlo en la misma Sala Constitucional a la que pertenece Chinchilla Banegas. Como él no podía participar de la decisión y la Magistrada Cruz Sequeira, al parecer se encuentra de viaje; fueron incoporados a la discusión de la recusación los magistrados Jacobo Antonio Cálix Hernández y Carlos David Cálix Vallecillo (de quienes copio su fotografía para no olvidarlos), resolviendo rechazarla.

Los magistrados, que tomaron la decisión por unanimidad, lejos de negar en su resolución que existen las causales de recusación alegadas, más bien las confirman.Confirman que el magistrado Chinchilla viajó el tours que una fuerte delegación del Gobierno de Honduras hizo por Corea, Singapour y kuwait; aunque revisando las atribuciones de la Corte Suprema de Justicia contendidas en el artículo 313 constitucional, no encontramos ninguna que encuadre esa gira. Tampoco niegan la relación sentimental que desde hace varios años sostiene el magistrado Chinchilla con la magistrada de Corte de Apelaciones, Catherine Yamileth Chang Carías, hija del Secretario del Congreso Nacional y su amistad con el Presidente del Congreso Nacional. 
De esta resolución podemos deducir fácilmente que en el Poder Judicial no existe ninguna voluntad para proteger los intereses de la sociedad, contraviniendo no sólo los mandatos de leyes nacionales como la LEY DE ORGANIZACIÓN Y ATRIBUCIONES DE LOS TRIBUNALES (LOAT), sino compromisos internacionales del Estado de Honduras, contenidos en este caso en el CODIGO DE CONDUCTA PARA FUNCIONARIOS ENCARGADOS DE HACER CUMPLIR LA LEY ADOPTADO POR LA ASAMBLEA GENERAL DE LAS NACIONES UNIDAS (17 DE DICIEMBRE DE 1979) que en su artículo 1 dice "Los funcionarios encargados de hacer cumplir la ley cumplirán en todo momento los deberes que les impone la ley, sirviendo a su comunidad y protegiendo a todas las contra actos ilegales, en consonancia con el alto grado de responsabilidad exigido por su profesión.
Adjunto copia de la decisión tomada por la Sala Constitucional y las fotos de los dos magistrados llamados a integrarla para resolver esta recusación. 

                


Portugal: Nossa Pátria Mãe vive - Viva nossa Pátria Mãe!






Portugal


Miguel Oliveira da Silva, presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, informou que o Ministério da Saúde deve limitar o acesso aos medicamentos mais caros para tratar doenças como a sida ou o cancro. Explica: "vivemos numa sociedade em que, independentemente das restrições orçamentais, não é possível, em termos de cuidados de saúde, todos terem acesso a tudo". No "tudo" inclui a dignidade de quem está nos últimos meses da sua vida. "Será que mais dois meses de vida, independentemente dessa qualidade de vida, justifica uma terapêutica de 50 mil, 100 mil ou 200 mil euros?"
Onde acaba o "racionamento ético"? E se for um ano? Já vale a pena? E dez anos? No fim, não vamos todos morrer? E se forem 20 mil euros? E se o doente tiver recursos para pagar o tratamento, pode viver mais uns meses? E que tal aprovar um quadro para o tempo merecido de vida com os valores correspondentes? Em que valores exatos, medidos em meses de vida/euros, para o médico de lutar por um ser humano que entregue as suas derradeiras energias a sobreviver? Quanto vale o nosso inabalável instinto de sobrevivência? Quando passará a contabilidade a ser uma fria máquina de morte? E porque ficar pelos doentes? E os velhos que vivem mais do que devem, incapazes de se mover e de trabalhar? Quanto nos custam? Valerá a pena? Terão qualidade de vida que justifique tanto desperdício e ineficiência?
Que fique claro: para continuar a lutar por uma vida não vale tudo. Há coisas que se devem ter em conta. A vontade do doente. A sua qualidade de vida. O sucesso previsível do tratamento. Não os custos. Porque uma vida, um mês de vida que seja, não tem preço. É isso que separa a civilização da barbárie. E no dia em que o médico passa a contabilista sabemos que nada estará entre nós e quem tem de fazer as contas. Que alguém deixou de cumprir o seu papel. O do médico não é medir o valor financeiro dos últimos dias que vivemos. É lutar por nós.
O Presidente daquele órgão consultivo, responsável por um relatório sobre o tema (que li e que é menos explícito, menos brutal e mais cauteloso do que estas inacreditáveis declarações), explica: "é uma luta contra o desperdício e a ineficiência". Finalmente conseguiu-se: os médicos transformados em contabilistas, a vida decidida por uma máquina calculadora. Poderemos, coisa que nos fazia falta, medir o BPN em meses de vida. Refrescante.


________________________________________________________

Leia também...


Portugal at flashpoint as austerity lights fires in mild-mannered populace


[Matéria em inglês. Um translado do Google não é lá muita coisa, mas quebra um galho. Clique no título e leia completo]

("Nós somos calmos, respeitamos a lei, mas 1 milhão de pessoas nas ruas, é 10% da população. Se não conseguirem ver que este é um país que se está a erguer contra este tipo de políticas, que mais teremos de fazer?" [...] Agora a questão é saber se os protestos criaram uma marca permanente; se foi o ponto em que os ponderados portugueses dizem basta. De volta a Vialonga, o pai de Marina pensa que se ainda não o foi, então o momento estará bem próximo. "As coisas estão a ficar muito tensas agora," diz. "Poderá quebrar muito facilmente - e muito depressa.")

(...)

O Português são vistos para ser bem-educado e aceitar comparação com os seus de cabeça quente vizinhos espanhóis, mas, como um veterano sindicato observou secamente: "Nós tivemos uma revolução, o espanhol teve uma transição de uma ditadura."

(...)

Fabricantes locais também sofreram. Empresas portuguesas vendem quase 70% de seus bens os consumidores domésticos, muitos dos quais já não têm o dinheiro para itens não essenciais. Como as empresas faliram ou vendas caíram, assim como as receitas de impostos do governo.

(...)

Há um sentimento de desconfiança completo em políticos de todo o espectro político. Durante os protestos, as pessoas gritavam "ladrões" no palácio presidencial e um motorista de táxi brincou dizendo que ele iria me levar ", onde os assaltantes estão", quando perguntado sobre o edifício do parlamento.
[Lá, como aqui, o sentimento sobre a politicalha é o mesmo, com uma diferença fundamental: os portugueses não dizem "cansei", estão na luta nossos irmãos da Pátria Mãe]


__________________________________________________________

E fiquem com Chico Buarque em "Tanto Mar"



__________________________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

__________________________________________________________

PressAA

Exército frandou a notícia do massacre



Ex-major da Polícia Militar de Pernambuco José Ferreira dos Anjos
Publicado em 27/09/2012 por Urariano Motta*

Recife (PE) - Em plena democracia, nós lemos os jornais e continuamos desinformados, pois as autênticas notícias desaparecem do conhecimento público. O leitor faça um teste, que mais de uma vez sem pretensão de analista, pratiquei. Vá, esteja presente a um grande acontecimento político. Depois compare o que você viu, o mais importante e escandaloso fato que você presenciou, com a notícia que aparecerá nos jornais e na televisão. Verá um absurdo de versões, e de tamanha diferença, que você vai se falar o maior absurdo: se os jornais falam a verdade, então eu nunca estive onde pensei estar.

Na última semana, a manchete que os jornais não deram e se dirá mais adiante, vem deste magnífico momento do depoimento do ex-major Ferreira à Comissão Estadual da Verdade. Depois de um breve histórico, em que os repórteres situariam os antecedentes criminais do ex-major da Polícia Militar de Pernambuco José Ferreira dos Anjos, famoso anticomunista, suspeito de envolvimento nos assassinatos do Padre Henrique e do procurador Pedro Jorge, os jornalistas registrariam esta ótimo diálogo entre o cientista político Manoel Moraes , da Comissão Estadual da Verdade, e o ex-major. Que houve e se revela agora nesta coluna:

Ex-major Ferreira – Na ditadura, o Exército brasileiro forjou aquela cena dos mortos da granja São Bento. As pessoas foram presas em locais diferentes e mortas. Juntaram os corpos na Granja pra justificar a ação, pra simular um confronto.

Manoel Moraes – Por quê, senhor Ferreira?

Ex-major – Pra não dizerem que foram eliminados individualmente. Juntando todos, forjaram o confronto. Aí virou troca de tiros em uma célula terrorista.

Manoel Moraes – Mas por que o Exército forjou isso?

Ex-major – Com medo da opinião pública.

Manoel Moraes – Mas por que o Exército, tão forte, ia ter medo da opinião pública?

Ex-major – Quem não tem, doutor? 

Na literatura, essa farsa da granja eu já havia antecipado em “Soledad no Recife”. Um dia fui questionado, de onde eu havia tirado que os assassinatos não se haviam dado na Granja de São Bento? Na ocasião, respondi com argumentos lógicos e de pesquisa, mas não poderia dizer que a intuição era a maior força para revelar que a granja era só cenário. Nas páginas do livro “Soledad no Recife” escrevi:

As notícias dos jornais disseram e continuarão a dizer, pois a cumplicidade com um crime é permanente, que Soledad e companheiros foram mortos em 8 de janeiro de 1973. Mas em uma ditadura nem as datas dos jornais são verdadeiras. Por exemplo, Soledad morreu em 7 de janeiro.

A vida de Soledad ganhou mais um dia apenas nos tipos impressos das folhas. As indicações são de que repressão e imprensa fizeram um acordo entre as datas dos seis assassinatos de socialistas no Recife, da primeira à última execução em 8 de janeiro.

É claro, nada houve como nas manchetes dos jornais de todo o Brasil, “seis terroristas mortos em tiroteio”.

O horror que vem da verdade é tamanho, que a mentira se acomodou fácil na mais confortável versão.

Foram seis homicídios, todos unidos e simplificados em um aparelho da Chácara São Bento, um sítio na região metropolitana do Recife.

Todos, pelo anúncio dos jornais, perigosos terroristas, que resistiram à bala ao cerco das forças da ordem. Mas só depois de mortos se fez a maquiagem nos jovens socialistas: com tiros, para melhor coerência do suplício com o papel dos jornais. Pauline Reichstul, José Manuel, Soledad Barret, Evaldo Ferreira, Jarbas Pereira, Eudaldo Gomes.

O diabo é que, em plena democracia, o mais importante continua a não ser notícia. Se não ocultam mais os crimes como antes, desta vez a ignorância histórica dá as mãos à ideologia do dono do veículo. A manchete, que não veio, porque o diálogo acima não virou notícia, teria sido:

“Exército fraudou provas do massacre da granja São Bento”.

Em compensação, esta semana, entrevistado na Rádio Jornal do Recife, o ex-major se transformou em analista político da Comissão da Verdade:

A Comissão da Verdade de Pernambuco é cópia de outras que existem por aí. É cópia de Brasília e repete o mesmo erro. Deviam ouvir os dois lados. Olhem a diferença. O amaldiçoado padre Alípio, da bomba de Guararapes, recebeu quase dois milhões de reais de indenização, enquanto nós....

O ex-major, atirador de elite, não foi sequer perguntado se nunca atirara em gente. Comenta-se que ele fazia piada ao contar que em cercos a aparelhos de “terroristas”, os jovens saíam rolando pelo chão “imitando filme de caubói”. Era engraçado. Ele nunca errou um tiro.  
____________________

Urariano Mottaé natural de Água Fria, subúrbio da zona norte do Recife. Escritor e jornalista, publicou contos em Movimento, Opinião, Escrita, Ficção e outros periódicos de oposição à ditadura. Atualmente, é colunista do Direto da Redação e colaborador do Observatório da Imprensa. As revistas Carta Capital, Fórum e Continente também já veicularam seus textos. Autor de Soledad no Recife  (Boitempo, 2009) sobre a passagem da militante paraguaia Soledad Barret pelo Recife, em 1973, e Os corações futuristas (Recife, Bagaço, 1997).

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Complexo de vira latas : "Dilma no Palanque de Golpistas?"

http://www.viomundo.com.br/denuncias/altamiro-borges-dilma-no-palanque-dos-golpistas.html

Altamiro Borges: Dilma no palanque dos golpistas?

publicado em 27 de setembro de 2012 às 14:13
quinta-feira, 27 de setembro de 2012
Dilma irá ao antro midiático da SIP?
De 12 a 16 de outubro, a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) realizará a sua 68ª Assembleia-Geral em São Paulo. O evento, que retorna ao Brasil após 11 anos, reunirá os principais barões da mídia do continente.
Segundo a programação, 65 palestrantes tratarão de temas como novas mídias, sustentabilidade financeira e “liberdade de imprensa”.
Entre os convidados brasileiros, o ex-presidente FHC, a ex-ministra Marina Silva e, pasmem, a presidenta Dilma Rousseff – a mesma que é atacada pela mídia diariamente.
Além das palestras, o convescote da máfia midiática prestará homenagens a conhecidos reacionários da região e aprovará as mesmas resoluções das assembleias anteriores.
O advogado Cesar Ricaurte, da ONG Fundamedios, do Equador, receberá o “Grande Prêmio da Liberdade de Imprensa da SIP”.
Ele é hoje um dos principais inimigos do presidente Rafael Correa e a sua “organização não governamental” é financiada pela Usaid, a agência estadunidense famosa por interferir nos assuntos internos de vários países da América Latina.
Cultura conservadora dos barões da mídia
Como já apontou Luciano Martins Costa, em artigo no Observatório da Imprensa, a 68ª Assembleia da SIP não acrescentará nada de novo ao debate sobre os desafios da mídia.
“Deverão estar presentes os dirigentes de todos os principais veículos de comunicação e boa parte dos consultores que nos últimos vinte anos vêm conduzindo os negócios do jornalismo em direção ao passado… São muitos os desafios, mas o maior deles parece ser da própria cultura conservadora das empresas de comunicação”.
O principal debate deverá ser sobre o chamado “modelo sustentável do jornalismo”. “Afora a apropriação da palavra ‘sustentável’, a rigor nada mudou nas propostas de reflexão sobre o futuro da imprensa desde o primeiro debate setorial sobre o advento da internet, realizado em 1995. O maior entrave para a busca de um modelo sustentável de negócio parece estar no próprio sistema de organização das empresas, cuja direção é excessivamente centralizada e verticalizada”, fustiga Luciano Martins Costa.
Dilma vai reforçar o palanque dos golpistas?
Em síntese, como afirma o autor, a assembleia da SIP não serve para nada. “Quem viu o primeiro, viu todos”.
Na prática, o convescote apenas confirmará a decadência do modelo de negócio dos barões da mídia, decorrente dos avanços tecnológicos e da própria crise de credibilidade de uma imprensa monopolizada e manipuladora. Como nas anteriores, a máfia midiática aproveitará o evento para fazer política – confirmando sua conversão em principal partido da direita. Daí a pergunta: o que Dilma vai fazer neste palanque da oposição golpista?
Leia também:

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

O saudável paradoxo do Raul Longo



O paradoxo do nosso colaborador e amigo Raul Longo está no título desta sua saudável crônica. 

O Raul, com o coração apertado por assistir à destruição de sua cidade natal, vendo-a chegar praticamente ao estado em que Inácio de Loyola Brandão, em "Não Verás País Nenhum", alertou que ela chegaria, nos diz...

Nada acontece no meu coração



Raul Longo*


Na verdade, não é de hoje que nada acontece no meu coração a respeito da cidade de São Paulo.

Já há umas duas décadas a poluição daquela capital me provocou um escarro em plena Ipiranga com São João, justo no pico do horário de rush. Ao contrário de Augusto dos Anjos, senti-me sem um único abismo para filosofar sobre a queda daquela secreção. Acuado por tantos pés céleres a atravessar a esquina, segui até à Avenida Consolação onde, enfim, encontrei um canteiro para me livrar do horrível gosto de fuligem.

Fui em frente considerando a impossibilidade de voltar a viver numa cidade onde a sucessão de representantes dos interesses capitalistas, por puro descaso e desleixo amontoam as pessoas em tão densa concentração.

Terceira ou segunda maior cidade do mundo, São Paulo é o mais acabado exemplo da ausência de humanismo do sistema político/econômico em vertiginosa evolução desde os anos 50, quando ali fui educado pela família e pelo Instituto de Educação Caetano de Campos.

Colégio Caetano de Campos, Praça da República - SP
A família me ensinava a ser cordial com os mais velhos e às mulheres, proceder civilizadamente com todas as pessoas independente de gênero ou faixa etária. Por isso planejei a caminhada da São João à Consolação, evitando cuspir nos pés dos apressados transeuntes das 18 horas da Av. Ipiranga.

Já o Caetano de Campos me ensinou outras coisas, entre elas a importância histórica de São Paulo desde quando os Bandeirantes planejavam incursões pelos interiores, reunidos no ponto de partida lá na antiga bica do Largo da Memória. Os objetivos das Bandeiras eram dos mais deploráveis: prear indígenas e descobrir riquezas minerais a serem espoliadas pelos colonizadores. Mas no século XIX, já com o nome de Largo do Piques, atraindo moradores pela água da nascente, o local testemunhou os moradores do então pequeno vilarejo a planejar o cotidiano e viajantes a projetar o prosseguimento pelas longas trilhas ao sul, ao norte ou a oeste do país.

Ainda no começo daquele mesmo século se criou a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco que junto com a de Olinda é a mais antiga do Brasil e onde se planejou muitos dos principais versos da literatura romântica brasileira, como os de Castro Alves. Em São Paulo, ali se planejou a abolição da escravatura no país! A grande maioria das leis que hoje regulamentam a civilidade de toda a nação.

O verdadeiro Bauru do Ponto Chic
Até o sanduíche nacionalmente conhecido como “Bauru”, foi planejado por um estudante das Arcadas de São Francisco. Era diferente do que hoje se serve, mas quem for ao Ponto Chic, lá no Largo do Paissandu, poderá conhecer a versão original projetada por Casimiro Pinto Neto, natural da interiorana cidade que deu nome ao indevido pão com tomate, presunto e queijo. Projetado para se constituir em uma refeição, o  verdadeiro bauru leva rosbife, queijo branco em pedaço grosso e dilatado no calor da chapa e, além do tomate, vem com rodelas de pepino.

As falsidades exportadas de São Paulo para o resto do país não se resumiram ao bauru. O mato-grossense Jânio Quadros, que renunciou aos 7 meses de presidência, foi outro. Mas o Ponto Chic chegou a ser frequentado pelos que planejaram a promoção da real cultura brasileira: a Semana de Arte Moderna de 1922.

Ponto Chic
Graças àquele movimento o Brasil descobriu-se em Oswald e Mário de Andrade, Villa-Lobos, Di Cavalcanti, Flávio de Carvalho e tantos outros.

Nasci em São Paulo, mas só tomei consciência da importância da cidade nos anos 60. Apesar de um dos mais corruptos políticos paulistas ter criado a Marcha de Deus com a Família que apoiou o mais longo e triste período da história da república, o da ditadura militar, naquele tempo planejava-se ali a resistência à opressão do país. Fosse pela UNE de Dirceu e Travassos, fosse pela luta armada de Lamarca ou Marighela.

Mesmo depois de deixar a cidade nos 70, o meu coração continuou batendo pela São Paulo que também resistia planejando muito do que melhor aconteceu no país na década através de Gianfrancesco Guarnieri, Augusto Boal, José Martinez Correa, Plínio Marcos e tantos outros do teatro, como os muitos dos festivais de música: Chico Buarque, Geraldo Vandré, Sérgio Ricardo. E de todas as artes: Leny Dale, Wesley Duke Lee, Rogério Sganzerla.

Esquina da Av. São João com Av. Ipiranga (Centro na madrugada)


Foi em São Paulo que Caetano Veloso e Gilberto Gil, unidos aos Mutantes, Tom Zé, Torquato Neto, Capinam e o Maestro Rogério Duprat planejaram o Tropicalismo.

Também em São Paulo se planejou o lançamento de fenômenos como Elis Regina e Milton Nascimento. Se algo batia no coração do Brasil é porque começara a pulsar em São Paulo.

Ainda no inicio dos anos 80, a cada vez que ia a São Paulo, um novo latejar, uma nova vertente: Itamar Assumpção, Arrigo Barnabé e tantos outros que planejaram o movimento dos artistas independentes.

Mas, então, a cada retorno a cidade me parecia mais mofina em uma suntuosidade de pouco conteúdo e total falta de planejamento a soterrar o sorriso por seu humor de Adoniran Barbosa e o lamento por suas tragédias cotidianas de um Paulo Vanzolini.

Rua Direita em 1954, final de tarde
Sofrendo decepções com a cidade onde nasci, cansei-me dela ao perceber que por pura falta de planejamento, falta de qualquer cuidado com as vidas humanas que a ocupam, tornou-se um lugar sem espaço sequer para cuspir.

Muitos shoppings, grandes restaurantes, casas de espetáculos, templos de consumo, mas tudo tão frio e artificial quanto à sobrevida em uma UTI onde se esqueceu de planejar a recuperação dos pacientes. Pacientes mantidos por sensação de vida, mas já sem reais emoções, sem real vontade, sem qualquer percepção e possibilidade de futuro, sem nenhum outro plano se não o de ir de lá pra cá, correndo atrás do que há muito perderam e já nem se recordam o que seja.

Rua Direita em 2009, meio da tarde
Tenho muita saudade dos amigos e das mulheres que ali amei, mas hoje, quando vou a São Paulo, fico tentando perceber o que planejam as pessoas além desse eterno e apressado ir e vir sem chegar a lugar algum. Fico tentando senti-los, mas, talvez com medo de que me cuspam nos pés, nada acontece no meu coração.

_______________________________________

Observação Assaz Atroz: Mas, aí sim, nada deve acontecer no coração de um calculista, gente frígida, cujos planos não passam de projetos pessoais, pessoa que não sente nenhuma obrigação, necessidade moral, dever, disposição de retribuir apoios populares do passado, gratidão pelo que um povo já fez por ele... Acaba dizendo coisas assim...


“Não sou obrigado a apresentá-lo...”
Celso Russomanno, candidato a Prefeito da Capital do Estado de São Paulo, referindo-se ao seu plano administrativo.


___________________________________________

Leia também...


Celso Russomanno não é um candidato de muito currículo, mas tem história…


Russomanno é mais velho do que eu, mas a gente já esteve próximo num certo momento da vida. Ele fazia o programa Circuíto Night and Day e eu o Contramão, na TV Gazeta. O programa do qual fui repórter, ia para o ar antes do dele. Eu conheço algumas histórias do atual líder nas pesquisas, mas dando uma googlezada achei outras também bastante interessantes.

Apesar dessa imagem quase heroica que cultiva, Russomanno possui uma folha corrida… Ops, um passado complicado . Como o candidato não aceita falar dessas questões,  César Tralli que o diga, relaciono abaixo a “folha” do “herói” do consumidor.

Crime de peculato: 

Em 2008, Russomanno foi acusado no STF de peculato, que nada mais é que a apropriação, ou desvio, de recursos públicos em proveito próprio. O candidato do PRB teria desviado verba da Câmara para pagar salário de uma funcionária de sua empresa quando era deputado federal.

O caso chegou ao STF em 2008, mas como Russomanno deixou o cargo de deputado em 2010, o processo atualmente tramita na Justiça do Distrito Federal.

(...)

Crime de Falsidade ideológica:

Celso Russomanno é acusado pelo Ministério Público de São Paulo de ter cometido o crime de falsidade ideológica. Para o órgão, o candidato mentiu sobre seu endereço eleitoral para disputar a prefeitura de Santo André em 2000. A lei eleitoral exige que os candidatos morem na cidade onde se vai disputar um cargo eletivo por três meses, antes de solicitar a transferência do domicílio eleitoral.

A acusação contra o candidato do PRB foi aceita pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em junho. Após o Supremo receber a denúncia, o processo voltou para a primeira instância, uma vez que Russomanno deixou o cargo de deputado federal e não possui mais direito ao foro privilegiado.

(...)

CPI do Cachoeira:

Reportagem do jornal Correio Brasiliense, publicada em julho deste ano, revelou que Russomanno teria R$ 7 milhões em uma conta no exterior operada pela organização de Carlinhos Cachoeira.

Russomanno teria recebido este dinheiro quando era deputado federal. De acordo com o jornal, a existência desta conta aparece em um relatório da Polícia Federal enviado à CPI.

(...)

(Tem mais... muito mais, e se isso interessar a algum eleitor paulista, é só clicar no título e ler tudo no Blog do Rovai )

________________________________________________

*Raul Longo, jornalista e escritor, colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz.

________________________________________________


Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

___________________________________________




.