Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

- Íntegra do Acordo Governo FARC-EP


Não sabemos se esse é o acordo que efetivamente foi aprovado pelas forças beligerantes, mas o texto dá uma idéia da amplitude e complexidade para a implementação do Acordo de Paz na Colômbia. Jacob David Blinder
 
++++++++++++++
 
 
 
30 de Agosto, 2012 - 22:20 ( Brasília ) Defesa Net
Colômbia - Íntegra do Acordo Governo FARC-EP
 
Texto divulgado pela Rede RCN detalha o processo de negociações entre o governo Colombiano e as FARC.
 

Novos vazamentos das negociações entre o governo colombiano de Juan Manuel Santos com as FARC. A rede de rádio RCN da Colombia, divulgou o que seria uma versão do acordo entre as partes, narra o processo até o momento e estabelece datas para as negociações.
 
Conforme o presidente Santos informou, em  27AGO12, até o momento tem sido realizadas reuniões exploratórias. Os governos de Cuba e Noruega agem como garantidores do acordo e Venezuela o "facilitador da logística". Os representantes guerrilheiros, entre eles o filho do desaparecido Raúl Reyes, o "chanceler" das FARC Rodrigo Granda,  viajaram a  Cuba com o apoio do governo Chávez.
 
Os têrmos do acordo Santos-FARC incluem o cessar imediato das hostlidades, e a reincorporação das FARC à "a vida civil, nas áreas econômica, social e política", o texto adverte que "las conversaciones se darán bajo el principio de que nada está acordado hasta que todo esté acordado". As negociacições se iniciarão com o tema "Política de desarrollo agrario integral".
 
O documento como divulgado pela Rede de Rádio RCN  da Colômbia:
 
"ACUERDO GENERAL PARA LA TERMINACION DEL CONFLICTO Y LA CONSTRUCCION DE UNA PAZ ESTABLE Y DURADERA:
 
Los delegados del Gobierno de la República de Colombia (Gobierno Nacional) y de las Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia-Ejercito del Pueblo (FARC-EP):
 
Como resultado del Encuentro Exploratorio que tuvo como sede La Habana, Cuba, entre Febrero 23 de 2012 y XXX, y que contó con la participación del Gobierno de la República de Cuba y del Gobierno de Noruega como garantes, y con el apoyo del Gobierno de la República Bolivariana de Venezuela como facilitador de logística y acompañante:
Con la decisión mutua de poner fin al conflicto como condición esencial para la construcción de la paz estable y duradera; atendiendo el clamor de la población por la paz, y reconociendo que:
La construcción de la paz es un asunto de la sociedad en su conjunto que requiere de la participación de todos, sin distinción; El respeto de los derechos humanos en todos los confines del territorio nacional es un fin del Estado que debe promoverse; El desarrollo económico con justicia social y en armonía con el medio ambiente, es garantía de paz y progreso.
El desarrollo social con equidad y bienestar, incluyendo las grandes mayorías, permite crecer como país; Una Colombia en paz jugará un papel activo y soberano en la paz y el desarrollo regional y mundial; Es importante ampliar la democracia como condición para lograr bases sólidas de la paz; Con la disposición total del Gobierno Nacional y de las FARC-EP de llegar a un acuerdo, y la invitación a toda la sociedad colombiana, así como a los organismos de integración regional y a la comunidad internaciona, a acompañar este proceso;
 
Hemos acordado:
 
I. Iniciar conversaciones directas e ininterrumpidas sobre los puntos de la agenda aquí establecida, con el fin de alcanzar un Acuerdo Final para la terminación del conflicto que contribuya a la construcción de la paz estable y duradera.
 
II. Establecer una mesa de conversaciones que se instalará públicamente (un mes después del anuncio público) en Oslo, Noruega, y cuya sede principal será La Habana, Cuba. La mesa podrá hacer reuniones en otros países
 
III. Garantizar la efectividad del proceso y concluir el trabajo sobre los puntos de la agenda de manera expedita y en el menor tiempo posible, para cumplir con las expectativas de la sociedad sobre pronto acuerdo. En todo caso, la duración estará sujeta a evaluaciones periódicas de los avances.
 
IV. Desarrollar las conversaciones con el apoyo de los gobiernos de Cuba y Noruega como garantes y los gobiernos de Venezuela y Chile como acompañantes. De acuerdo con las necesidades del proceso, se podrá de común acuerdo invitar a otros.
 
V. La siguiente agenda:
 
1. Política de desarrollo agrario integral El desarrollo agrario integral es determinante para impulsar la integración de las regiones y el desarrollo social y económico equitativo del país
2. Accedo y uso de la tierra. Tierras improductivas. Formalización de la propiedad. Frontera agrícola y protección de zonas de reserva.
3. Programas de desarrollo con enfoque territorial 3. Infraestructura y adecuación de tierras.
4. Desarrollo social: salud, educación, vivienda, erradicación de la pobreza.
5. Estímulo a la producción agripecuaria y a la economía solidaria y cooperativa. Asistencia técnica. Subsidios. Crédito. Generación de ingresos. Mercadeo. Formalización laboral.
6. Sistema de seguridad alimentaria.
 
Participación política
 
1. Derechos y garantías para el ejercicio de la oposición política en general y en particular para los nuevos movimientos que surjan luego de la firma del Acuerdo Final. Acceso a medios de comunicación.
2. Mecanismos democráticos de participación ciudadana, incluidos los de participación directa, en los diferentes niveles y diversos temas.
3. Medidas efectivas para promover mayor participación en la política nacional, regional y local de todos los sectores, incluyendo la población más vulnerable, igualdad de condiciones y con garantías de seguridad.
 
Fin del conflicto
Proceso integral y simultáneo que implica:
 
1. Cese al fuego y de hostilidades bilateral y definitivo.
2. Dejación de las armas. Reincorporación de las FARC-EP a la vida civil – en lo económico, lo social y lo político -, de acuerdo a sus intereses.
3. El Gobierno Nacional, coordinará la revisión de la situación de las personas privadas, procesadas o condenadas, por pertenecer o colaborar con las FARC-EP.
4. En forma paralela el gobierno nacional intensificará el combate para acabar la organizaciones criminales y sus redes de apoyo, incluyendo la lucha contra la corrupción y la impunidad, en particular contra cualquier organización reponsable de homicidios y masacres o que atente contra defensores de derechos humanos, movimientos sociales o movimientos políticos.
5. El Gobierno Nacional revisará y hará las reformas y los ajustes institucionales necesarios para hacer frente a los retos de la construcción de la paz.
6. Garantías de segudidad.
7. En el marco de los establecido en el Punto 5 (Víctimas) de este acuerdo se esclarecerá, entre otros, el fenómeno del paramilitiarismo.
La firma del Acuerdo Final inicia este proceso, el cual debe desarrollarse en un tiempo prudencial acordado por las partes.
4. Solución al problema de las drogas ilícitas
1. Programas de sustitución de cultivos ilícitos. Planes integrales de desarrollo con participación de las comunidades en el diseño, ejecución y evaluación de los programas de sustitución y recuperación ambiental de las áreas afectadas por los cultivos ilícitos.
2. Programas de prevención del consumo y salud pública.
3. Solución del fenómenos de producción del consumo y la salud pública.
 
Víctimas
 
Resarcir a las víctimas está en el centro del acuerdo Gobierno Nacional – FARC-EP. En ese sentido se tratarán:
 
1. Derechos humanos de las víctimas.
2. Verdad.
 
6. Implementación, verificación y refrendación.
 
La firma del Acuerdo Final da inicio a la implementación de todos los puntos acordados.
1. Mecanismos de implementación y verificación:
a. Sistema de implementación, dándole especial importancia a las regiones.
b. Comisiones de seguimiento y verificación.
c. Mecanismos de resolución de diferencias.
Estos mecanismos tendrán capacidad y poder de ejecución, y estarán confirmadas por representante de las partes y de la sociedad, según el caso.
 
2. Acompañamiento internacional:
3. Cronograma.
4. Presupuesto.
5. Herramienta de difusión y comunicación.
6. Mecanismo de refrendación de los acuerdos.
 
Las siguientes reglas de funcionamiento:
 
1. En las sesiones de la Mesa participarán hasta 10 personas por delegación, de los cuales hasta 5 serán plenipotenciarios quienes llevarán la vocería respectiva. Cada delegación estará compuesta hasta por 30 representantes.
2. Con el fin de contribuir al desarrollo del proceso se podrán realizar consultas a expertos sobre los temas de la Agenda, una vez surtido el trámite correspondiente.
3. Para garantizar la transparencia del proceso, la Mesa elaborará informes periódicos.
4. Se establecerá un mecanismo para dar a conocer conjuntamente los avances de la Mesa. Las discusiones de la Mesa no se harán públicas.
5. Se implementará una estrategia de difusión eficaz.
6. Para garantizar la más amplia participación posible, se establecerá un mecanismo de recepción de propuestas sobre los puntos de la agenda de ciudadanos y organizaciones, por medios físicos o electrónicos.
De común acuerdo y en un tiempo determinado, la Mesa podrá hacer consultas directas y recibir propuestas sobre dichos puntos, o delegar en un tercero la organización de espacios de participación.
7. El Gobierno Nacional garantizará los recursos necesarios para el funcionamiento de la Mesa, que serán administrados de manera eficaz y transparente.
8. La Mesa contará con la tecnología necesaria para adelantar el proceso.
9. Las conversaciones iniciarán con el punto Política de desarrollo agrario integral y se seguirá con el orden que la Mesa acuerde.
10. Las conversaciones se darán bajo el principio de que nada está acordado hasta que todo esté acordado".
 


 
 
 
 


 

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Quem são nossos verdadeiros inimigos?



Fernando Soares Campos

 

Julga-se um homem tanto por seus inimigos quanto por seus amigos.” [Joseph Conrad – escritor polonês]

Não caminhe atrás de mim; eu posso não liderar. Não caminhe na minha frente; eu posso não o seguir. Se possível, caminhe ao meu lado e seja meu amigo.” [Albert Camus – filósofo francês nascido na Argélia]


A gente costuma julgar nossos inimigos como se fossem umas antas, geralmente os tratamos por indigentes intelectuais. Entretanto, esses a quem assim classificamos são, nas mais das vezes, apenas tentáculos do verdadeiro inimigo: aquele com quem nunca nos relacionamos diretamente ou mesmo indiretamente; alguns a gente conhece de “ouvi falar”; outros, nem isso. Por isso invariavelmente centramos nosso fogo-fátuo (ou seria flato?) nos “tabelinhas”, os pernas-de-pau que se sentem craques da pelota, os que recebem a bola cheia e repassam murcha.

O nosso verdadeiro inimigo é intelectualmente bem dotado, é culto, refinado, mas usa sua potencializada inteligência sob a influência de sentimentos mesquinhos, aplica sua cultura acadêmica e o refinamento de suas idéias na elaboração de planos para a implementação do mal, a fim de atender aos seus mais obscuros instintos. São, em geral, líderes natos, mas tronam-se artificiais pela demagogia, pela vaidade, pelo cinismo, pelo egocentrismo. Sofismam e procuram fazê-lo de forma criativa, suas argumentações são intrincadas de raciocínios capciosos, porém muito bem engendrados, em razão de suas mentes calculistas. Catequéticos, fazem escola, formam discípulos – canonizadores que endeusam o mentor, dão continuidade à sua obra; mas, apesar dos esforços, raros são os que alcançam o status de mestre.

Os sofistas do baixo escalão não são propriamente sofistas, são animais híbridos, “antagaios”, cruzamento de anta com papagaio; não falam, palreiam, e o fazem “convictos” de que estão sendo autênticos. Quando citam seus mentores, o fazem apenas com o intuito de promoverem a si próprios, tentando exibir “erudição”, mas fazendo interpretações enviesadas; pois, às vezes, estes “hermeneutas”, mesmo diante de argumentações inconsistentes do mestre, acabam dando parecer ainda mais esdrúxulo.

As redações dos órgãos midiáticos de cunho empresarial estão aí mesmo para confirmar o que estou dizendo. Os jornalistas e colunistas da chamada grande imprensa leem as ordens do dia... quer dizer... os editoriais formulados pelos seus patrões, interpretam-nos a suas maneiras e, em muitos casos, reproduzem as idéias e intenções do chefe de forma ainda mais grave do que aquilo que foi determinado nas prescrições absurdas que lhes foram ditadas.

Assim, os “focas” oriundos das faculdades de Comunicação (e até mesmo as velhas raposas empíricas) tentam ser originais, querem aparentar independência. Muitas vezes dão palpites aos seus chefes, a fim de marcarem presença, distinguirem-se no todo, mas fazem isso fundamentados nas idéias originais da chefia, apenas reforçam suas fidelidades ao maquiavelismo da empresa. Nunca são autênticos. (Apesar de que, a meu ver, nesses casos, revelamos autenticidade apenas quando nos expressarmos de forma parafrástica, mas tentando oferecer uma nova visão do tema abordado, ou seja, criando paráfrases “autênticas”, metáfrases que digam a mesma coisa do original, porém com objetividade e, se possível, com inteligibilidade, a mais abrangente possível. E não algaraviando, como estou fazendo aqui. Mas daqui pra frente vou me modificar, vou tentar chegar onde pretendo.)

O general Golbery do Couto e Silva, eminência parda dos governos da ditadura civil-militar que se instalou no Brasil em 1964, dizia que “o problema não é o general, mas, sim, o inspetor de quarteirão”. Acho que, com isso, ele queria dizer que os “excessos” cometidos pelo regime deveriam ser imputados aos subordinados que não interpretavam corretamente as vozes de comando dos seus superiores. É uma forma de alguém se eximir de culpa, tirar o asterisco da reta, chamar os outros de analfabetos funcionais, “herança maldita dos velhos tempos” num país em que o povo ai pra frente... do pelotão de fuzilamento.

Mas as tropas de choque são formadas com buchas de canhão, fanáticos e inocentes úteis, todos instruídos e comandados por patrioteiros ou mercenários.

Meu amigo Raul Longo, jornalista e escritor, colaborador desta nossa Agência Assaz Atroz, tempos atrás costumava se dedicar a responder mensagens absurdas, disparates que circulavam pela internet acusando inverdades sobre o governo Lula, fazendo zombaria com a maneira simples de o presidente se expressar, aproveitando falhas gramaticais em seus discursos para chamá-lo de analfabeto. Nós postamos muita contra-argumentação abalizada do Raul, que dedicava seu precioso tempo a responder àquelas mensagens desconexas que viravam corrente na internet.

Eu disse “viravam”? Disse-o mal. Ainda viram.

Há poucos dias recebi uma dessas mensagens, antiga mas requentada pela circulação na internet. Trata de suposta notícia publicada na revista Forbes informando o ranking dos maiores bilionários do Planeta. Entre esses incluíram quem?! Isso mesmo, o ex-presidente Lula, que seria possuidor de nada mais nada menos que 2 bilhôes – não se sabe ao certo se de dólares ou reais, pois registraram assim: R$ 2 bilhões de dólares. E o analfabeto é Lula!

Entediado com essas chatices, não respondi à mensagem, não tive saco nem pra dizer “isso aí é uma bobagem”. Porém, poucos dias depois, recebi e-mail com a devida análise da tal matéria que teria sido veiculada pela revista Forbes. O site E-Farsas.com, “10 anos desvendando as farsas da internet” (Pô! Não sei como eles têm paciência para tal tarefa), mostra claramente que é tudo uma farsa, a partir da montagem fotográfica que fizeram com uma capa original da revista Forbes, na qual aparece Lula à Al Capone, de chapéu de feltro com aba quebrada sobre a testa.

Certa ocasião um leitor nosso nos escreveu dizendo que uma fotomontagem nossa estava muito “mal feita”.

Respondi:

Pô! Anônimo, agora você me surpreendeu pra valer. Senão vejamos.

Você acessou esta página, viu diversas fotomontagens e acabou dizendo que "esta" é "mal feita".

Eu pensava que todas estariam mal feitas, amadoristicamente mal feitas.

Na verdade, não usamos o fotoshoping, mas o editor Paint, exatamente para que as fotomontagens não pareçam perfeitas e possam ser confundidas com fotos originais.

A idéia aqui é fazer humor, não é cometer estelionato, fraude, falsificação, como no caso da revista Isto É, que publicou fotomontagem do Zé Dirceu numa Harley Davidson, tentando vender gato por lebre. Lembra-se?

Sabe o que foi que o José Serra disse quando viu o Dirceu na moto: “Ah, eu sabia que o Dirceu ia acabar a vida em cima de uma moto”.

Se o Serra tivesse o seu olho de lince, teria dito: "putz! que montagem de foto mais mal feita!"

É isso aí, Anônimo, nós tentamos fazer humor; não, aplicar 171.

Cá entre nós: creio que a maioria das pessoas que veem esse tipo de matéria, essas que são escancaradamente fraudulentas, identifica o logro, mas passam em frente por má-fé ou simplesmente por gozação. Outros, não, pois existe aí uma grande quantidade de criaturas ingênuas estimuladas por declarações de pessoas como José Serra.


O que se constitui em pior atitude: acreditar em tudo ou não acreditar em mais nada?

Eu mesmo não sei.

Mas podemos arriscar uma análise palpitante...

Acreditar em tudo é um comportamento infantil, lato sensu, pois é próprio das crianças acreditarem em tudo que lhes digam, ou se espelharem em tudo que os adultos fazem, considerando aquilo como atitudes corretas e dignas de serem imitadas. Mas também é esse o comportamento do adulto imaturo, aquele em quem persistem características psicológicas e emocionais próprias das crianças. Ele acredita em tudo que “dá” na televisão, ou que sai no jornal, na revista, no livro... Já existe até quem diga “vi na internet”, e por isso aceita como fato consumado. Existem também aqueles que acreditam em tudo que foi dito por intelectuais, por acadêmicos, por experts em determinadas áreas, por autoridades em determinados assuntos, acatando os dizeres e saberes como verdades in-con-tes-tá-veis! Isto também é uma forma de se acreditar em tudo. Tudo que “alguém” diz. O resto é zé-ninguém, inclusive ele próprio.

Não acreditar em mais nada é característica daqueles que saltaram da infância psicoemocional para a decrepitude sem passar por um estágio de autoanálise das suas vivenciadas experiências, não praticando o “conhece-te a ti mesmo”, aquilo que nos conduz gradativamente à maturidade. Mas engana-se quem pensar que decrépitos, nesse caso, são apenas os que estão caducando em decorrência de uma idade muito avançada. Existem “moços” já relativamente decrépitos. São, invariavelmente, pessoas que viveram longo período em condições maniqueístas (“Deus é Deus, e Nicuri é o diabo!”), sem atentar para as variantes das verdades tangíveis ou para as nuances das realidades perceptíveis. São indivíduos facilmente manipuláveis e que, por conveniência ou preguiça mental, se deixaram manipular durante muito tempo; até que, cansados por não verem suas expectativas tornarem-se realidade, se decepcionaram com seus ícones voláteis: políticos demagogos e corruptos, empresários gananciosos, militares mercenários, religiosos pervertidos e tantos outros “monstros” que “dilaceraram suas esperanças”. Ele agora é aquele cara que grita veemente: “É tudo farinha do mesmo saco!” “São todos iguais!” “Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão!” Honesto, verdadeiro, sincero, inteligente, em todo o mundo, só restou ele próprio.  Mas não se surpreenda se vir um desses sujeitos “militando” em favor da “desmilitância” geral: “Voto nulo!” “Ninguém merece!” E até engrossar as fileiras de movimentos do tipo “Cansei”, liderado por políticos demagogos e corruptos, empresários gananciosos... E lá vai ele exibindo “vigoroso cansaço” (desculpem por mais um oximoro forçado).

Portanto, a meu ver, acreditar em tudo é uma condição infantil que pode levar o indivíduo a saltar etapas evolutivas, passando daí direto para uma caduquice precoce – estado em que não se acredita mais em nada.

Quando lemos ou ouvimos alguém não podemos medir o grau de convicção do autor ou do discursista, menos ainda perceber claramente o alvo de suas intenções. Não somos dotados de “convictômetro” ou “intenciômetro”. E se tivéssemos um “detector de convicções” instalado em nossas consciências, ele dispararia o alarme a cada momento em que disséssemos a nós mesmos que acreditamos piamente nisso ou naquilo. Quanto ao “verificador de intenções”, precisamos entender que “bem-intencionado” é o sujeito que deve ser perdoado quando erra, apesar de ter agido exatamente como o “mal-intencionado” agiria. Mas podemos e devemos sempre ligar o “desconfiômetro”. Ter um pé ligeiramente recuado não é uma atitude paranoica, mas tão-somente uma indispensável precaução diante das realidades em confronto com as verdades acessíveis.

Mas... o que essa lengalenga toda tem a ver com amigos e inimigos?

Acontece que muitos dos nossos amigos dão algum crédito àquilo que expomos sob a condição de conjunto sistemático de opinião, mas de caráter hipotético. São pessoas que encontraram traços de lógica naquilo que estamos expondo, por isso se dispõem a aprofundar nossas análises. Essas pessoas costumam nos brindar com retornos surpreendentes: concordando, parcial ou integralmente, com aquilo que teorizamos, acrescentando dados que desconhecíamos, indo bem mais fundo do que seríamos capazes. Ou, muito pelo contrário, discordando da totalidade de nossos hipotéticos raciocínios, apontando os erros de nossas presunções. Em ambos os casos somos beneficiados, porém este segundo resultado nos é muito mais proveitoso. Somente quando reconhecemos nossos erros e nos dispomos a modificar nossos comportamentos é que evoluímos, partimos para novas descobertas com a visão um pouco mais ampliada. Entretanto isso não é tão fácil de se pôr em prática, dado a fatores íntimos, tais como o orgulho, a vaidade, o egoísmo... os quais nem sempre nos permitem reconhecer nossos próprios erros.

Quanto aos nossos inimigos, esses não têm apenas um pé ligeiramente recuado em relação ao que dizemos ou fazemos: estão sempre em posição de carateca pronto para atacar ou se defender. Se forem inimigos motivados por questões no âmbito da política ou da ideologia (nesses casos deveriam ser simplesmente opositores), aí, tudo que dissermos, mesmo que confirmado por fatos evidentes, irrefutáveis, será visto como “teoria da conspiração”. Para eles o nosso linguajar é que se transformou em “Novilíngua”, como em “1984”, de George Orwell. O linguajar deles se renova, sim, mas em função das “novas necessidades de comunicação”. Mas Alain Badiou, filósofo francês contemporâneo, explica essa coisa. Para ele, “a história da política não é a história das palavras, mas sim a história dos novos significados que podem ter as palavras”.

Mas amizade não determina que a gente tenha que viver passando a mão na cabeça dos amigos, inflando-lhes o ego.

Quando dizemos apenas coisas amáveis aos nossos amigos e duras verdades aos inimigos, estamos falseando os verdadeiros propósitos de uma amizade.

Amizade requer sinceridade. Claro que franqueza excessiva é falta de educação, pode ser até arrogância. Mas, para mim, delicadeza só é sinônimo de debilidade quando agimos com pieguice, com sentimentalismo exagerado. Precisamos, sim, ser naturalmente delicados no trato com os amigos e, se possível, até com os inimigos. Não com o receio de melindrá-los com atitudes aparentemente mais ousadas e com isso romper a amizade ou instigar o inimigo. Não, não é nada disso. Devemos ser delicados por ser esta a nossa natureza.

Ao contrário do que muitas vezes tentaram me fazer acreditar, o ser humano não é um bicho feroz, um monstro, um lobo em pele de ovelha, traiçoeiro por excelência, malvado por natureza. Esse é o retrato de uma minoria dentre a Humanidade, mas uma minoria poderosa que faz sua imagem brilhar por todos os cantos da Terra, um brilho intenso, emanando de televisores e telas de cinema já há muitos anos, terrivelmente fascinante.

Creio que devemos dizer duras verdades de forma amável aos nossos amigos; mas, quanto aos inimigos, se estes só querem nos falar e não nos ouvir, devemos dizer-lhes as mesmas duras verdades, só que (ou soque!), para estes, às vezes precisamos falar de forma grosseira.

Reconciliar-se com o inimigo não quer dizer anuir aos seus propósitos, mas apenas mantê-lo incapacitado, ou ao menos inibido, de nos prejudicar. Acho que é isso que fazem os governantes progressistas, reformadores e até os revolucionários.

O amigo do meu inimigo não deve ser necessariamente meu inimigo. Assim como o inimigo do meu inimigo não é essencialmente meu amigo.

 Mas... quem são nossos verdadeiros inimigos?

Não sei! Conheço apenas os que exteriorizaram suas antipatias por mim e se declararam meus inimigos. Mas esses não me parecem ser meus “verdadeiros inimigos”, eles têm pinta apenas de buchas de canhão, bolas murchas, pernas-de-pau, indivíduos teleguiados, “matrixiados”, como diz Komila Nakova. O buraco negro em que meu verdadeiro inimigo me espreita é mais em cima.

______________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

______________________________________________

.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Entidades de Direitos Humanos da UFPB repudiam a prisão arbitrária e ilegal dos membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba


enviado por Jose Luiz Ballock
Entidades de Direitos Humanos da UFPB repudiam a prisão arbitrária e ilegal dos membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba

O Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos e a Comissão de Direitos Humanos e o Centro de Referência de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba repudiam o tratamento ilegal, constrangedor e abusivo praticado pela administração penitenciária do PB1, e por policiais militares, dispensado aos membros do Conselho Estadual de Direitos Humanos-CEDH-PB, durante uma fiscalização institucional, no dia 28 de agosto, para averiguar denúncias de familiares de presos sobre irregularidades cometidas naquela unidade prisional.
Faziam parte da delegação padre Francisco Bosco (presidente do CEDH-PB), Guiany Campos Coutinho (membro da Pastoral Carcerária), Socorro Praxedes (advogada da Fundação Margarida Maria Alves), a professora Maria de Nazaré T. Zenaide (Coordenadora do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB), Valdênia Paulino Lanfranchi (advogada e Ouvidora de Polícia da Paraíba), Lidia Nóbrega (Defensora Pública da União).
A equipe esperou cerca de 1 hora e meia para ter acesso aos pavilhões, ocorrendo esta após autorização concedida através de telefonema por parte do Cel. Arnaldo Sobrinho. Os conselheiros deixaram seus telefones celulares nos seus veículos ou em bolsas na sala da secretaria do PB1 e só adentraram no presídio com uma máquina fotográfica para registrar a situação prisional, o que é de praxe, pois o órgão elabora relatório de monitoramento.
Durante a fiscalização, os conselheiros fotografaram as condições deprimentes, desumanas e contrárias à lei de execução penal das celas coletivas do PB1. Neste ínterim, membros da PM e da Administração Penitenciária do PB1, que antes haviam se negado a acompanhar os conselheiros ao segundo pavilhão, deram voz de prisão aos membros do CEDH-PB conduzindo-os para uma sala da penitenciária e mantendo-os detidos. Nesse período, chegou à unidade prisional reforço policial para transferir os conselheiros detidos para a Delegacia. Os conselheiros comunicaram a ilegalidade que estava sendo cometida, ao Procurador Federal do Cidadão, Dr. Duciran Farena, ao Chefe de Gabinete do governador, Waldir Porfírio da Silva e à Defensoria Pública da União.
Os conselheiros detidos não puderam identificar os agentes penitenciários e os policiais militares envolvidos porque estes não portavam os distintivos de identificação. Logo após a detenção chegou ao estabelecimento prisional, representando a Secretaria da Administração Penitenciária, o Cel Arnaldo Sobrinho que reuniu na sala da direção o chefe de disciplina e os conselheiros detidos. Foi também nesse momento que se apresentou no estabelecimento o Diretor do PB1, Major Sérgio que, mesmo estando de férias, era quem dava as ordens, através do sistema rádio de comunicação, o qual determinou a prisão dos conselheiros, com o argumento de que não podíamos registrar as condições dos apenados.
Somente após a chegada dos representantes do Ministério Público Estadual, Dr. Marinho Mendes e da Ordem dos Advogados do Brasil, Laura Berquó é que os membros do CEDH foram liberados, sob a contestação do diretor do presídio e de membros da PMPB.
Convém ressaltar que, entre as atribuições dos conselheiros do CEDH está a de “ter acesso a qualquer unidade ou instalação pública estadual para acompanhamento de diligências ou realização de vistorias, exames e inspeção”, como previsto na Lei 5551/92. As visitas de monitoramento ao sistema prisional são atribuições legais do CEDH e é direito dos presos e de seus familiares prestar queixas aos representantes do Conselho que, por dever público, são obrigados a realizar o monitoramento.
Diante da gravidade dos fatos relacionados acima, o Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos e a Comissão de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba de público reivindicam ao Governador do Estado, Ricardo Vieira Coutinho, o imediato afastamento do Diretor do PB1 e dos demais funcionários estaduais envolvidos no episódio e a abertura de procedimentos administrativos para a apuração dos fatos neste documento denunciados e a punição dos culpados.
João Pessoa, UFPB, 29 de agosto de 2012
Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos, Comissão de Direitos Humanos e Centro de Referência dos Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba"
-----------------------------------

Fonte"[Carta O BERRO]

PCB cria a sua Comissão da Verdade 24 AGOSTO 2012


PCB cria a sua Comissão da Verdade

ImprimirPDF
imagemCrédito: lh6
(Nota Política do PCB)
O Comitê Central do PCB decidiu compor uma Comissão da Verdade própria para pesquisar, organizar e produzir um relatório sobre os crimes cometidos pelo Estado e seus agentes durante a ditadura militar-empresarial que tomou de assalto de forma golpista o poder no país no período entre 1964 e 1985.
O órgão terá seu funcionamento e trabalhos organizados de forma coletiva pelo próprio Comitê Central. De acordo com o secretário-geral do PCB, Ivan Pinheiro, a medida visa garantir que todos os atos cometidos contra o Partido e seus militantes durante aqueles anos dramáticos sejam levados ao conhecimento público.
"Temos razões para suspeitar que a Comissão da Verdade criada pelo Governo Federal possa não trazer resultados que contemplem os anseios por informação dos familiares de mortos, desaparecidos e torturados por aquele regime ditatorial. O Partido toma como sua a luta dessas pessoas; o arbítrio cometido a todo e qualquer militante de nossas fileiras é o arbítrio contra o PCB, seu ideário e sua prática cotidiana de organização do povo em prol de sua libertação. Nosso Comitê Central assume como das maiores responsabilidades e principais tarefas do presente esclarecer o que precisa ser trazido ao conhecimento da população", ressaltou Ivan.
A iniciativa prevê a pesquisa e coleta de informações e documentos, além de entrevistas e a produção de um relatório que deverá ser encaminhado à Comissão da Verdadecriada pelo governo.
"Fomos a organização que mais teve militantes sofrendo as agruras da Ditadura. Mais de uma dezena de nossos camaradas continuam desaparecidos, outras dezenas foram assassinados, centenas, quiçá milhares, sofreram torturas, outros milhares foram prejudicados em seus empregos, em sua vida familiar", comentou o secretário-geral.
Dessa forma, o PCB conclama os militantes daquele período que ainda se encontram em nossas fileiras, aos familiares, amigos e colegas de nossos militantes que foram prejudicados pela ditadura, a entrarem em contato com o Partido para que possamos organizar um relatório o mais completo possível.
Solicitamos a qualquer cidadão que tiver informações a respeito do tema, e desde já lhe agradecemos por isso, que entre em contato com o PCB.
PCB – Partido Comunista Brasileiro
Secretariado Nacional
"O recebimento de informações e materiais será centralizado pelo Secretariado Nacional do PCB, que é contactado através do e-mail pcb@pcb.org.br e/ou do telefone (21) 2262-0855."

URGENTE: Entenda Porque a Mídia Golpista não gosta de Chavez



Enviado por Silvio Pinheiro:

PARA ENTENDER A REALIDADE DO MUNDO EM QUE SE VIVE ATRAVÉS DA IMPRENSA BRASILEIRA É IMPORTANTE LER ESTE BREVE COMENTÁRIO E ABRIR CADA LINK INDICADO:

No editorial que você lê aí abaixo, o "jornal" O Estado de S. Paulo
volta a chamar de caudilho o presidente venezuelano Hugo Cháves,
que foi eleito democraticamente num País onde o voto não é
obrigatório e as urnas eletrônicas emitem recibo em papel.

O editorial critica a explosão da maior refinaria de petróleo da
Venezuela e debita o desastre aos "delírios ideológicos das
autoridades venezuelanas".

Acidentes acontecem no mundo todo, independentemente dos
"delírios ideológicos" dos dirigentes dos países onde eles ocorrem.

Vejam, por exemplo, esses dois absurdos:



Mas ficando apenas nas trágicas explosões de refinarias, o Estadão não
publicou uma linha sequer sobre esta, ocorrida recentemente:


Ou sobre esta, ocorrida em 2008:


E ainda sobre outra, em 2004:


O Estadão diria que tratam-se de refinarias privadas e, evidentemente, nunca
responsabilizaria os "delírios ideológicos das autoridades norte-americanas"
pela, no mínimo, falta de fiscalização das condições de funcionamento das
mesmas.

Essa é a ideologia do Estadão.

Aos que se consideram bem informados lendo esse "jornal" eu sugiro que
dêem uma olhada no outro lado da moeda, na única fonte ainda disponível:
a Internet.

---
Silvio de Barros Pinheiro.
Santos.SP.



O trágico 'show' de Chávez

28 de agosto de 2012
O Estado de S.Paulo
A explosão na Refinaria de Amuay, que matou 41 pessoas no sábado passado, ilustra de modo trágico os efeitos do "socialismo do século 21" que o caudilho Hugo Chávez impôs à Venezuela. Foi, nas palavras do líder sindical José Bodas, a "crônica de uma morte anunciada".
Amuay é a maior refinaria da Venezuela e uma das maiores do mundo, com capacidade para processar mais de 640 mil barris de petróleo por dia. A unidade já havia sofrido danos em abril, mesmo após uma manutenção iniciada em fevereiro e cujo objetivo, segundo a estatal, era "permitir operações mais confiáveis nos próximos quatro anos".
O ministro de Petróleo e Mineração e presidente da PDVSA, Rafael Ramírez, disse que todas as medidas de segurança da refinaria haviam sido tomadas e que o programa de manutenção fora rigorosamente cumprido. No entanto, um relatório da própria PDVSA elaborado em 2011 mostra que a manutenção periódica no complexo foi adiada para este ano por falta de material necessário. Deveriam ter sido feitas nove paradas para consertos, mas apenas duas foram realizadas.
Em todas as refinarias do país, só foram executadas 6 das 31 operações de manutenção previstas. Mesmo as refinarias que passaram por reparos sofreram diversos contratempos - o prazo previsto foi estendido por até 80 dias por faltar material. Apenas uma unidade, a de El Palito, realizou seus três processos de manutenção sem atropelos.
Com os problemas de conservação estrutural e de equipamentos, as refinarias ficam paradas, sem produzir, por períodos cada vez maiores. O relatório da PDVSA indica que todas as suas refinarias, juntas, não funcionaram durante 1.750 dias em 2011, contra 1.475 dias em 2010. As dez unidades do complexo de Amuay somaram 639 dias parados, ante 375 em 2010, um aumento de 70%. Na Refinaria de Puerto La Cruz, os dias parados dobraram.
Sempre se soube que havia problemas graves de manutenção no setor de petróleo venezuelano, graças à persistente política predatória do chavismo. Desde 2003, a PDVSA vem sendo transformada num "Estado dentro do Estado", com administração opaca e sem nenhum tipo de prestação pública de contas. Com isso, a estatal pode servir livremente como propulsor da "revolução bolivariana", envolvendo-se cada vez menos com petróleo e cada vez mais com atividades que lhe são estranhas - como construção de casas populares, agricultura e fabricação de eletrodomésticos. É o "socialismo petrolífero", como disse Chávez. Com isso, mais a demissão de 18 mil trabalhadores envolvidos na grande greve de 2002-2003 e sua reposição por pessoas sem qualificação profissional e por apaniguados chavistas, se tem a desestruturação acelerada da PDVSA e do setor de petróleo na Venezuela, responsável por mais de 90% de suas exportações e por quase metade do orçamento do país. Faltava pouco para que essa irresponsabilidade deixasse de ser apenas um grave problema econômico e se transformasse em desgraça.
A explosão de Amuay poderia ter ao menos o efeito de constranger algumas das autoridades venezuelanas, fazendo-as enfim reconhecer que seus delírios ideológicos foram longe demais. Mas, a julgar pelos discursos oficiais, o governo de Chávez, ao contrário, está empenhado ou em fazer os venezuelanos acreditarem que a administração da PDVSA é eficientíssima e que a explosão foi apenas um lamentável acidente ou, como já espalha a militância chavista, que a culpa pela tragédia pode ser dos Estados Unidos.
Sempre que é confrontado com os problemas do país, Chávez, como se sabe, dá um jeito de atribuir a responsabilidade a alguma conspiração concertada entre os "ianques" e os "esquálidos" oposicionistas. Em campanha pela reeleição, o caudilho disse que as acusações sobre a falta de manutenção nas refinarias são "imorais" e "irresponsáveis". E ordenou: "O show deve continuar". Desta vez, porém, mesmo com toda a sua criatividade e a de seus discípulos, vai ser difícil para Chávez, a pouco mais de um mês das eleições, livrar-se da tragédia de Amuay.