Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 4 de agosto de 2012

A SEMANA - "EU SOU VOCÊ AMANHÃ"

A SEMANA

“EU SOU VOCÊ AMANHÔ


Laerte Braga


























A falência do capitalismo transformou a guerra que era um “negócio” disfarçado, num “grande negócio” às claras. Desde Bush o processo de privatização das forças armadas norte-americanas, iniciado com o fim do serviço militar obrigatório, ganhou força e as mesmas empresas que destruíram a Líbia participam agora das licitações para a “reconstrução”.

Em meio a seu governo o atual presidente Barack Obama afirmou que não conseguiria reverter nada além de 7% dos contratos de privatizações e terceirizações no setor militar (incluindo inteligência), dado ao fato de não ter maioria expressiva no Congresso e as chamadas amarras legais criadas por seu antecessor. Lá empresas também compram congressistas.

Uma empresa que tenha vencido uma licitação no setor de inteligência (informações) passa a dispor de um poder de barganha dentro do grupo acionário que detém o controle dos Estados Unidos – não é mais uma nação, mas um conglomerado empresarial e financeiro – e de tal maneira essa rede se associa que controla qualquer passo ou movimento de qualquer cidadão dentro do país. E fora também.

É evidente, exceto aqueles malucos que invadem escolas, salas de cinema, escritórios, pois esses não oferecem riscos aos “negócios”, são efeitos colaterais.

O jornal O GLOBO, um dos principais instrumentos dessa grande corporação ISRAEL/EUA TERRORISMO S/A, no Brasil, dedica hoje, 4 de agosto, sua primeira página a tentar estabelecer vínculos entre o presidente Hugo Chávez, da Venezuela e o narcotráfico. Com a desmoralização absoluta de VEJA tem que assumir o serviço sujo.

Repete o mesmo esquema do fracassado golpe de 2002 quando derrubaram Chávez numa quinta-feira e o presidente voltou ao poder por exigência popular no domingo. Ao dar a notícia em pleno JORNAL NACIONAL, a derrubada de Chávez, William Bonner, por exemplo, mostrou que determinadas mentiras têm um efeito semelhante ao Viagra e na segunda-feira, que a ressaca pode ser desastrosa.

Em outubro serão realizadas eleições presidenciais na Venezuela, Chávez é o favorito e sua vitória não interessa à grande corporação nazi/sionista.

É como se fosse um aviso vindo do Oriente Médio, mais precisamente do Iraque, da Líbia, da Síria, para todos os povos latino-americanos, tipo “eu sou você amanhã”.

A guerra é a tábua de salvação que o capitalismo encontrou para tentar se recuperar da falência absoluta.

Uma União Européia falida, multidões nas ruas protestando contra medidas de restrição a direitos do trabalhador, contra o desemprego, o privilégio de bancos e uma OTAN espalhada por todos os esses países à espera da ordem de devastar o próximo inimigo.

A eventual queda da Síria significa que o Irã é o próximo alvo.

Entre nós a Venezuela, a Bolívia, o Equador, a Argentina e de quebra o Brasil, hoje, sem identidade e parte do Plano Grande Colômbia.

O “capitalismo a brasileira” que Lula inventou está se dissolvendo nas mãos perdidas de Dilma Roussef. Mãos e passos.

Os oito anos de Lula não trouxeram nenhuma mudança estrutural. Todo o aparato neoliberal de FHC permaneceu intocado.

O golpe contra o presidente do Paraguai não foi um ensaio. Foi uma jogada para controlar a chamada Tríplice Fronteira e facilitar o processo de recolonização dessa parte do mundo.

Recolonizar. Países como Portugal, Espanha, Itália, Grã Bretanha, França e Alemanha não têm mais “minas gerais” para sustentá-los na exploração desmedida que a América Latina foi vítima. Em si e por si, hoje, são filiais da grande corporação terrorista.

A perspectiva de grave crise econômica e social nos EUA com a seca que atinge os estados do meio oeste, quebra de 76% nas safras de trigo, milho e soja, já nos transforma em grandes exportadores de etanol – as empresas hoje são multinacionais, não detemos mais o controle do que Lula chamou de “nosso futuro” -, mas também aumenta a fome “em grandes plantações” como cantou Geraldo Vandré.

A alta popularidade de Dilma se sustenta no clientelismo eleitoral do bolsa família. Um programa destinado a conscientizar e que virou o grande “coronel” eleitoral do seu partido, ironicamente, o Partido dos Trabalhadores. Cada vez mais semelhante ao PRI do México, o Partido Revolucionário Institucional.

É possível que nem seja preciso usar os drones em se tratando de Brasil. Pode prevalecer o “homem cordial” de Sérgio Buarque de Holanda e “yes nós temos banana”.

O que acontece na Síria, o que aconteceu no Iraque e na Líbia, acontece no Afeganistão, é inominável em matéria de barbárie.

O ser humano é detalhe na voracidade do conglomerado terrorista. O IV RECH.

Centenas de milhares de pessoas em abrigos precários, centenas de milhares mortas na estupidez do controle de recursos naturais, na construção da nova Idade Média, a da tecnologia e das bombas nucleares.

No fim, a ameaça acaba sendo o Irã. Os senhores do mundo assim o determinam e o mundo assim o acata.

O belo cidadão assentado ao seu lado pode ter sido vítima de bronquite aguda e salvo pelo rum creosotado.

Milhões de norte-americanos estão vivendo abaixo da linha da miséria. Têm o Batman como consolação e outro tanto de malucos em feiras de armas a comprar pistolas e metralhadoras para pipocar a sessão cinematográfica.

Segundo Milt Romney, candidato republicano às eleições de novembro, “Deus criou os Estados Unidos da América para dirigir o mundo”. Suas contas bancárias estão a salvo nas Bahamas. Seus eleitores gostam de entradas vips para polpudas doações em carros alaranjados com toques azuis e arranjos de mortos pelo mundo afora, ou guardados em Guantánamo.

Por aqui, Gilmar Mendes pega o telefone e afirma a um senador que “sou homem de confronto”. Joaquim Barbosa já havia alertado sobre isso, seus capangas. Vai julgar um dos muitos mensalões da política brasileira, na presunção de honestidade do procurador Gurgel, o que esqueceu de olhar para o lado de Carlos Cachoeira e ignora o mensalão tucano.

“Para onde se inclinar o Brasil se inclinará a América Latina”. Foi a senha que Nixon passou ao seu embaixador ao dizer que Garrastazu Medice  era um ditador carniceiro, mas “um bom aliado”. Torturadores continuam soltos, impunes, ameaçando e praticando o velho esporte do terror.

Neste momento o Brasil não se inclinou. Está despencando ladeira abaixo.

O único momento lúcido partiu do ministro Marco Aurélio ao pedir a suspensão por alguns minutos do julgamento do mensalão para ir ao banheiro. “Senhor presidente, estamos no limite do nosso fôlego fisiológico”.

Ministro do Supremo também faz xixi.

O que a Síria está dizendo para nós é simples – “eu sou você amanhã”. É só olhar a manchete do jornal O GLOBO, edição de 4 de agosto. 

Nosso irmão, o bugre

Urda Alice Klueger*


Santa Catarina, via de regra, é um Estado todo bonitinho, cheio de cidades arrumadinhas e bem cuidadas, não importa muito a etnia que as formou no princípio. Aqui pelo meu Vale do Itajaí o pessoal gosta mesmo de caprichar: jardins bem cuidados rodeando casas quase sempre caprichosamente pintadas, centenas de donas de casa a usar uma preciosíssima água que deve se acabar em duas décadas para lavar e lavar calçadas que poderiam ser apenas varridas – uma beleza, todo o mundo cuidando da estética e da manutenção de uma terra que foi roubada dos... índios! É bem isso aí, gente, toda esta terra do Vale do Itajaí, bem como toda esta terra do continente americano já tinha dono antes que europeus e africanos aqui chegassem (há que se perdoar os africanos, que para cá foram trazidos à força.). E tem gente demais, por aí, dizendo e sentindo barbaridades a respeito do nosso espoliado índio, mais conhecido pelo termo bugre, que tem conotação bem pejorativa.             
                                  
Eu tenho um amigo índio chamado Edvino. Ele é Xokleng, mas têm os olhos azuis, coisa lá de uns antepassados alemães que ele teve, mas dos quais não faz conta. Decerto são daqueles alemães que furunfaram lá com as antepassadas do Edvino e depois foram para casa cheios de si, a defender idéias de raça pura, essas bobagens assim. O fato é que Edvino é um Xokleng de olhos azuis. Num sábado aí para trás tirei um tempinho para andar pela cidade, e sentei-me numa pracinha onde Edvino justamente estava a vender bonito artesanato. Daí a pouco se senta ao meu lado uma típica dona de casa blumenauense, daquelas que gastam nossa preciosa água com as calçadas, e entabulamos alguma conversa. Disse para ela:
                                  
- Vês aquele rapaz ali, de olhos azuis? Ele é um índio!
                                  
Se uma dúzia de cobras venenosas tivesse aparecido naquele momento na praça e avançado na mulher ela não teria dado maior pulo. Ficou apavorada, o coração espremido de medo, a dizer-me:
                                  
- Aquele? Meu Deus, um selvagem! – e jogou-se embora quase correndo, tamanho seu medo.
                                  
Daí eu pergunto: quem é, ou quem foi o selvagem? O índio, antigo dono das nossas terras, era (e é) tão Homo sapiens sapiens quanto qualquer um de nós que lê jornal, e o que nós fizemos com ele? Aconselho que vocês leiam um livro chamado “Índios e brancos no Sul do Brasil”, de autoria de um nosso grande antropólogo, internacionalmente respeitado, Sílvio Coelho dos Santos. Sílvio passou toda a sua vida ligado ao povo Xokleng e conhece como ninguém a sua história. Vou transcrever aqui um pedacinho do livro – é um pedacinho de uma entrevista que o Sílvio fez lá pela década de 60 com um importante fazendeiro catarinense, e está à página 87 do livro. Depois de contar muitas atrocidades sobre como se efetuava o genocídio desse povo a quem roubamos as terras, ele conta o pedacinho seguinte:
           
 “...conheci um indivíduo chamado Júlio Ramos, que participava dessas tropas. Contou-me que uma vez, durante um ataque, uma meninota de mais ou menos 14 anos tentava fugir do acampamento. Ele a alcançou, agarrando-a pelos cabelos, e desceu-lhe o facão. Este penetrou pelos ombros descendo até o estômago, cortando que nem bananeira(...)”                                    

Duvido que você consiga almoçar bem hoje, se se lembrar de tal fato na hora da comida. E este é apenas um minúsculo pedacinho da História verdadeira. E dificilmente alguém de nós não descende de invasores que fizeram ou mandaram fazer coisa parecida. E ainda está cheio de gente levando susto quando vê índio, pensando na velha fórmula do “selvagem”. Quem é o selvagem? Eles ou nós?

_________________________________________________

*Urda Alice Klueger: Escritora, historiadora e doutoranda em Geografia pela UFPR. Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz.

_________________________________________________

Deu no COMUNIQUE-SE...

Traficante se passava por repórter da Globo para se livrar da polícia

Nesta sexta-feira, 3, policiais do 6°BPM do Rio de Janeiro prenderam um suspeito de tráfico de drogas que portava um casaco de reportagem que seria da TV Globo e um crachá de estacionamento da emissora.
De acordo com O Dia, o homem usava a roupa e o documento para andar e sair da favela com drogas sem chamar atenção da polícia.

Ainda não há informações sobre o acusado. Ele também não revelou como conseguiu o material do canal. O Comunique-se entrou em contato com a Globo, que ainda não se pronunciou sobre o assunto.


________________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

________________________________________________

PressAA

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

PIG não empolga manifestações pela condenação de "mensaleiros"


Manifestações solitárias na Praça dos Três Poderes marcam primeiro dia de julgamento do mensalão

Daniella Jinkings e Heloisa Cristaldo
Repórteres da Agência Brasil

Brasília – O primeiro dia do julgamento do mensalão é marcado por protestos solitários do lado de fora da sede do Supremo Tribunal Federal (STF). Um forte esquema de segurança foi montado ao redor do prédio para evitar grandes manifestações. Até o início da sessão, por volta das 14h30, apenas cinco pessoas portavam cartazes e faixas na Praça dos Três Poderes.

Para o dentista Francisco Tabajara, 52 anos, o julgamento do mensalão começou de forma negativa, pois foram sete anos de atraso. Ele acredita que o STF precisa mudar. “Eu olhei o Judiciário, a Corte e vi muita decadência, ministros corrompidos”.

Tabajara se disse decepcionado com a falta de mobilização da sociedade. “Pensei que tinha mais gente. Acho decepcionante. Os estudantes, principalmente de direito, deveriam estar aqui. As pessoas só se mobilizam por salário”, criticou.

A estudante de ciências sociais da Universidade Federal de São Carlos (UFScar) Laila Tavares, 21 anos, veio a Brasília apenas para acompanhar o julgamento. Ela também se surpreendeu com a falta de manifestantes em frente ao STF. “Achei que vinha disputar lugar [em frente à grade de segurança que isola a sede]”. Para ela, os 38 réus do mensalão devem ser condenados. “Se [o processo] acabar em pizza, o que é justiça?”.


Em meio a essa apatia, um protesto bem humorado chamou a atenção das pessoas que estavam na Praça dos Três Poderes. O vigilante Uziel dos Santos, 36 anos, vestiu uma cueca cheia de dinheiro por cima da calça. “Estou representando um assessor do PT que guardou o dinheiro na cueca”.

Em Brasília há oito anos, o alagoano se diz apaixonado por política, no entanto, ficou um pouco desacreditado depois do episódio do mensalão. “Fiquei desesperançoso. Acredito que o STF vai punir severamente esses corruptos. Se absolverem, vai ser uma vergonha para o Brasil”.


_____________________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

_____________________________________________________

PressAA

Um gráfico bem norte-americano.


Um gráfico bem norte-americano. 


E tem piadista que quer negar e relativizar o imperialismo!

Fernando La Mancha Dólar sem lastro... Segue apenas o rastro dos mí$$ei$... faltou abordar a indústria de entretenimento para manipular o planeta. Abç

Ato no Rio marca apoio à entrada da Venezuela no Mercosul

www.youtube.com
Diversas cidades no mundo celebraram a entrada da Venezuela no Mercosul com atividades políticas. No Rio de Janeiro, a

ATENTADO contra a vida de Neusah Cerveira para não depor no MEmorias Vivas da Ditadura

Foto Arquivo Pessoal Nanda Tardin -
Neusah Cerveira e NT em campanha  Pelo Direito a Memoria e a Verdade.
Onde estão nossos mortos?

  • DENÚNCIA GRAVÍSSIMA!

    De Paulo Oisiovici sobre Neusah Cerveira!

    CARTA ABERTA À PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF

    Exmª Srª. Presidente da República, Dilma Rousseff:

    Eu, Paulo Oisiovici, brasileiro, portador do CPF 223 114 085-34, R.G. 01298861 81 SSP/BA, telefone celular (77) 8817-8980, residente e domiciliado em Correntina-BA, divorciado, professor, escrevo-lhe essa carta, com todo respeito, a pedido de Drª. NEUSAH CERVEIRA, filha do desaparecido político pela ditadura militar/Operação Condor, Major Joaquim Pires Cerveira, que se encontra em risco iminente de morte, como queima de arquivo para que não deponha e não entregue documentação levantada à Comissão da Verdade. As informações repassadas me foram dadas pela própria Drª Neusah Cerveira, a poucos minutos por telefone. Tendo sofrido atentado no dia 18/07/2012, à noite, nas proximidades do aeroporto de Natal, poucos dias após, sua casa foi arrombada mais de uma vez e documentos levados, culminando com uma mensagem pela internet ameaçando-a de morte e em seguida sua casa metralhada. No dia 31, às 19:00h pessoas ditas enviadas pela Ministra Maria do Rosário, levaram Drª Neusah Cerveira e sua filha Nikole, de 12 anos, para o Hotel Soleil, de propriedade da governadora do Rio Grande do Norte, do DEM, Rosalva Ciarline, e de sua sobrinha, Fernanda, em Ponta Negra, Natal, garantindo estarem levando a ela e sua filha, para um lugar seguro por poucas horas e que, em seguida, a levariam para Brasília-DF, de onde poderia decidir se pediria asilo político ou não.
    Ocorre que, hoje, imobilizada e impedida de falar com qualquer pessoa, cansada de esperar, percebendo o tempo passar e a situação se agravar, ligou para os telefones secretos de Brasília que lhe deram como canal de comunicação, denunciando que o quarto do hotel onde se encontra, de número 312, dá para um descampado e que não pode se aproximar da varanda ou da janela, por estar sendo vigiada e fotografada constantemente. Como resposta, Drª Neusah Cerveira foi orientada a pegar um táxi sozinha com sua filha Nikole, e dirigir-se ao Ministério Público Estadual, ligado ao governo do Rio Grande do Norte, do DEM, seu inimigo figadal, às 16:00h (em Natal o pôr-do-sol é às 17:30h). Após ligar para os mesmos números recusando-se terminantemente a obedecer ao procedimento indicado, recebeu a notícia de que na sexta-feira, amanhã, 03/08/2012, seria ouvida pelo Procurador Geral do estado a informação de que não são seus inimigos e um pedido de desculpas pela orientação para que ela pegasse um táxi sozinha com sua filha.
    Hoje, após o café da manhã do hotel, que ocasionou a ela e sua filha Nikole, de 13 anos, forte infecção intestinal, Drª Neusa Cerveira procurou a gerente do hotel lhe requisitou os documentos de sua reserva, que lhe foram entregues em cópias, com deboche. Os documentos entregues foram registro de sua entrada no hotel, reserva feita por ela mesma, Neusa Cerveira, pelo site booking.com, uma diária apenas, paga por Brasília pela Srª Josy Costa, e um depósito feito em nome do Centro Popular de Formação da Juventude constando CNPJ em nota fiscal eletrônica.
    Avisada para deixar o hotel hoje, a Drª Neusah Cerveira, informa que a luz e o telefone de seu quarto foram cortados e que tudo se encaminha para queima de arquivo com o objetivo que não encaminhe documentos e não deponha à Comissão da Verdade. Sua mãe, Malu Cerveira, desesperada, a orientou a se dirigir à Embaixada de Cuba. Ainda a poucos instantes, redigindo essa carta, a Drª Neusah Cerveira, por telefone, desesperada, me informou ter recebido agora, telefonema ameaçando a ela e sua família, no Rio de Janeiro e me pediu que transmitisse à presidente Dilma Rousseff a seguinte mensagem: “a presidente Dilma e a ministra Maria do Rosário estão sendo enganadas, estão mentindo! O que está em curso é queima de arquivo! Caso morra, o imprescindível a ser revelado à Comissão da Verdade, não o será. O Rio Grande do Norte está na mão da direita. O Comandante Ustra tem casa em natal e suas filhas. Cuidem das pessoas senão não haverá testemunhas. Documentei tudo e enviei a outras pessoas. Se eu não sobreviver, desejo que a presidente Dilma sobreviva e continue o seu trabalho e tudo o que tem feito. Peço que não prejudiquem a anistia de minha mãe e de meus irmãos. Tudo que tenho deve ser destinado à Comissão da Verdade. E, se isso for um adeus, morro como meu pai: sem abrir a boca! Peço a todos amigos e companheiros que tiverem acesso, que me coloquem em comunicação com a Embaixada de Cuba! Peço-lhes socorro!”.

    Paulo Oisiovici

    Correntina-BA, 02 de agosto de 2012.

Se PREVINIR tem Jeito: Mediina Humanizada Já!


http://conscienciapoliticarazaosocial.blogspot.com/2011/02/saude-como-direito-fundamental-do-povo.html
Participe, Cobre, Divulgue:
Saude para todos e de quebra a saude preventiva, que não precisa ser tratada e economizará muito das verbas públicas, contrariando, claro os interesses da coorporação....
a sociedade civil ( 60% usuaria do SUS) represente contra a omissao do estado e tome ciencia que saúde pode ser uma constante... se prevenirmos . Saude não precisa ser tratada. Este é o foco. Sobre os médicos citados no comentario feito a nosso pedido por Laerte ( que viveu anos em Cuba e é médico mas não exerce a profissao, foi só um detalhe. Podemos nos focar na mobilização dos usuarios VITIMAS do SUS. ...

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

TROQUE O CACHORRO por um PERSEGUIDO POLITICO.


TROQUE O CACHORRO por um PERSEGUIDO POLITICO.

Projeto RUA VIVA, pq. O POVO MERECE e as Cidades PRECISAM, Copiemos.

'Caro(a) amigo(a),
Comunico com alegria e emoção que o projeto RUA VIVA já está no Maps Google, com o resumo da história e de uma foto de cada militante político. Ele está incluído no site Locais de Resistência, Lutas e Memória.Tudo começou quando assumi o primeiro mandato de vereador em Belo Horizonte, em 1993. Idealizei e implementei o Projeto RUA VIVA - O Desenho da Utopia, com o objetivo de homenagear e resgatar a memória dos mineiros, já falecidos, que lutaram contra a ditadura militar. Num primeiro momento foram dados nomes de rua a todos esses lutadores. Posteriormente, foi escrito e editado um livro contendo a trajetória deles. A primeira edição foi lançada em 1994 e a segunda em 2004, abrangendo um total de 163 nomes.
O site é - Locais de Resistência, Lutas e Memória:
https://maps.google.com.br/maps/ms?msid=208454803731841719962.0004b590560f8dd9d267e&msa=0
O site Locais de Resistência, Lutas e Memória é de autoria de:
Amparo Araújo
Secretária de Direitos Humanos e Segurança Cidadã - SDHSC
Vice-Presidente do Conselho Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Segurança - CONSEMS
Vice-Coordenadora da Comissão de Direitos Humanos da Rede Mercocidades/Mercosul
Prefeitura Cidade do Recife
Cais do Apolo
amparo.araujo@recife.pe.gov.br
amparo-araujo@hotmail.com
Telefones de Contato: 81 3355-8680
Abraços e felicidades
BETINHO DUARTE'

Mensalão : Verdades e Mentiras



"MENSALÃO": 


VERDADES E MENTIRAS































































      Prezado leitor e prezada leitora do “Palavra Livre” e do "Portal do Blog da Dilma", publico cartilha enviada a mim pela CUT do Rio de Janeiro sobre as especificidades da ação penal nº 470, caso conhecido como “mensalão”, com o propósito de esclarecer dúvidas e evidenciar o que a imprensa comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?) se recusa a publicar para informar com melhor precisão a sociedade brasileira. (Davis Sena Filho)

A imprensa pressiona o STF e faz de julgamento um oba-oba, que visa atender seus interesses.

Via CUT do Rio de Janeiro

MENSALÃO: VERDADES E MENTIRAS

Em junho de 2005, o então deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) acusou o PT de “pagar mesada” a mais de 100 deputados da base aliada para que eles votassem a favor do governo no Congresso Nacional.
Segundo deputado, a “compra de votos” era feita com dinheiro público. 

Jefferson batizou o suposto esquema de “mensalão” e disse que o “cabeça” era o então ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu.

Sete anos se passaram.

As denúncias de Jefferson jamais foram comprovadas. Nem ele e nem as três CPIs que trataram do assunto, nem o Ministério Público, nem a Polícia Federal, nem as dezenas de investigações paralelas da imprensa e dos órgãos de fiscalização conseguiram reunir elementos que sustentassem as acusações.

O chamado processo do “mensalão”, ação penal que corre no STF sob o nº 470, tem quase 50 mil páginas e mais de 600 depoimentos. Nessa extensa peça processual, só uma pessoa sustenta que o esquema teria existido: o próprio Roberto Jefferson.

E mesmo Jefferson, em suas alegações ao STF, lança dúvidas a respeito, ao afirmar que seu partido (PTB), que também era da base aliada, recebeu recursos oriundos de acordos eleitorais.

A ficção político-midiática de Jefferson, por outro lado, tem fortes aliados na imprensa. A grande maioria dos articulistas da mídia tradicional está cegamente convencida de que o PT comprou votos de deputados com dinheiro público, sob o comando de José Dirceu.

Co-autora da tese acusatória, a mídia montou um tribunal paralelo. Denunciou, julgou e condenou. Ao STF, na opinião dessa mídia, cabe apenas o papel secundário de decidir o tamanho das penas – e agir rapidamente para que elas não prescrevam!

Repetem o mantra todos os dias. Com isso, exercem forte pressão sobre a opinião pública. Pressão que agora se volta também contra os magistrados doSupremo, às vésperas do julgamento.

Recentes acontecimentos da política nacional, que levaram à criação da CPI do Cachoeira, talvez joguem um pouco de luz sobre essa obsessiva fixação – que começa a assumir ares de desespero.

Este documento tem o objetivo de desmontar ponto-a-ponto, com base nos fatos e nos autos, as principais acusações contra o PT, o governo Lula e o ex-ministro José Dirceu no chamado caso “mensalão”.

1. O PT pagou mesadas a deputados para que votassem a favor de projetos do governo no Congresso?

Os fatos

O PT ajudou partidos aliados a financiar suas campanhas nos estados, relativas às eleições de 2002 e 2004. Em alguns casos, conforme assumido publicamente em entrevistas e depoimentos, a ajuda não foi declarada à Justiça Eleitoral. Nunca houve pagamentos mensais. Não ficou demonstrada ligação entre as datas dos depósitos bancários e as votações na Câmara. Pelo contrário, existem datas em que os saques coincidem com derrotas do governo em votações importantes. Dados da Câmara mostram, por exemplo, que, em 2004, após elevados repasses, caiu o apoio ao governo nas votações. O Ministério Público, nas alegações finais enviadas ao STF, sustenta que houve “compra de votos”. Porém, diante da fragilidade da própria denúncia, não consegue ir além de afirmações vagas e imprecisas. Diz que “alguns” parlamentares, em “algumas votações”, votaram com o governo em datas próximas de “alguns” saques. O que de fato existe no processo são testemunhas que provam que nunca houve compra de votos.

2. O “esquema” envolveu dinheiro público?

Os fatos

As transferências para que aliados quitassem dívidas de campanha, que a mídia chama de “mensalão”, não envolveram dinheiro público. O dinheiro veio de empréstimos feitos junto aos bancos privados Rural e BMG. Por absoluta inconsistência, a acusação de desvio de dinheiro público contra os principais nomes do processo, entre eles José Dirceu, já foi rejeitada por unanimidade dos 11 juízes do STF, em agosto de 2007.

3. José Dirceu, o “Todo-Poderoso”, era o “chefe da quadrilha do mensalão”?

Os fatos

José Dirceu é um importante quadro político do PT e teve papel de destaque no governo federal. Ele era presidente do partido em 2002, quando coordenou a campanha vitoriosa de Lula. Depois, afastou-se da direção do PT e assumiu a Casa Civil. José Dirceu não “mandava” no PT ou no governo. Dizer isso é desconhecer funcionamento do PT e as características do sistema político brasileiro – submetidos, nos dois casos, às regras da democracia, aos limites institucionais, às construções políticas e à vontade soberana do povo brasileiro, tudo sob vigilância de uma imprensa livre. Não existe no processo uma única prova que dê suporte à acusação de que José Dirceu integrava e comandava uma quadrilha. Dirceu teve todos os seus sigilos quebrados (fiscal, telefônico e bancário), foi investigado como poucas pessoas no Brasil, e não se descobriu qualquer fato que pudesse lançar suspeita sobre sua conduta pessoal e política nesse caso.

6. A cassação de José Dirceu, na Câmara dos Deputados, é a prova de que o mensalão existiu e de que ele, Dirceu, estava envolvido?

Os fatos

O relatório produzido contra José Dirceu no Conselho de Ética da Câmara, que serviu de base para a cassação de seu mandato parlamentar, é na verdade uma mera peça de retórica, vazia do ponto de vista do processo legal e repleta de falhas e lacunas. A fragilidade é tanta que seu autor, o deputado Júlio Delgado, sequer foi incluído entre as testemunhas de acusação no processo que corre no STF. A cassação de José Dirceu foi política e se deu em meio ao clima de caça às bruxas instalado pela mídia contra todos os que se opunham às suas teses e aos seus desejos, sendo o principal deles atingir Dirceu na expectativa de que isso desestabilizaria o governo Lula. O mais absurdo é que, antes de ter cassado Dirceu por supostamente “chefiar
o mensalão”, a mesma Câmara cassou Roberto Jefferson por este não ter conseguido provar a existência do “mensalão”…

7. No governo, José Dirceu beneficiou o BMG na implantação do programa de crédito consignado? Também atuou para livrar o banco dos órgãos de controle e fiscalização?

Os fatos

Essa acusação é uma das âncoras do processo de formação de quadrilha. Para a oposição, a mídia e o Ministério Público, essas são as principais “evidências” de que houve “desvio de dinheiro público” e de que José Dirceu estava no comando “do esquema”. Ocorre que nada disso foi comprovado. O TCU, instituição independente,investigou a denúncia e concluiu que não houve qualquer benefício ao BMG. Da mesma maneira, ficou provado que o banco jamais deixou de ser fiscalizado pelos órgãos de controle do sistema financeiro – que também são independentes. De tão absurdas e infundadas, o próprio Ministério Público abandonou essas imputações em suas alegações finais.

8. José Dirceu manteve vários contatos com Marcos Valério, apontado como “operador do mensalão”?

Os fatos

Zero é o número de testemunhas, documentos, dados bancários ou telefônicos que a acusação produziu para sustentar o imaginado vínculo entre Marcos Valério e José Dirceu. Todos os episódios apontados como suspeitos pelo Ministério Público foramprofundamente debatidos na ação penal, e todas as testemunhas ouvidas em juízo provaram a inexistência de qualquer espécie de relação entre ambos.

9. O “mensalão” foi o “maior esquema de corrupção da História do
Brasil”?

Os fatos

Diante dos fatos e das investigações, essa tese desmorona. Mas ela sobrevive nas manchetes e no discurso oposicionista, com o objetivode criminalizar o PT e o governo Lula ou de desviar a atenção da opinião pública quando eles próprios são pegos em transações obscuras. Os que usam essa estratégia são os mesmos que silenciaram diante das revelações do livro “A Privataria Tucana”, lançado no final do ano passado, e que agora omitem ou minimizam as relações criminosas de setores da imprensa com o contraventor Carlos Cachoeira.

10. O governo Lula foi “leniente” com a corrupção?

Os fatos

Nunca se combateu tanto a corrupção quanto nos governos do PT (Lula e Dilma). Somente no governo Lula, a Polícia Federal fez mais de mil operações, com 14 mil presos, sendo 1.700 servidores públicos, além de empresários, juízes, policiais e políticos, inclusive do PT. O governo Lula também fortaleceu os órgãos de controle e de fiscalização, além de dar total independência ao Ministério Público Federal. A título de comparação, no governo tucano a PF fez apenas 28 operações e o Procurador Geral da República era mais conhecido por “Engavetador Geral”.

11. Se o STF aceitou a denúncia contra os “mensaleiros”, é porque as acusações são consistentes?

Os fatos

Com forte pressão da mídia sobre a opinião pública, o STF decidiu receber a denúncia e abrir o processo. No dizer de um dos seus ministros, os juízes votaram “com a faca no pescoço”. Mas recebimento não é sinônimo de condenação ou pré-condenação. Pelo contrário. A abertura do processo serve para que as investigações sejam aprofundadas e para que os acusados possam se defender. A Constituição Brasileira garante que nenhum cidadão será condenado sem provas e que todos terão um processo justo e com efetivo direito de defesa. A partir do momento em que o STF aceitou a denúncia, caberia ao Ministério Público apresentar os elementos que comprovassem suas acuações iniciais. Mas isso não aconteceu. O que se vê nas alegações finais do Ministério Público é um verdadeiro conjunto vazio. Nenhuma prova foi produzida contra Dirceu. Ao contrário, foi construído um acervo probatório que atesta a sua inocência.

12. O PT quer usar a CPI do Cachoeira para “abafar” ou “adiar” o
julgamento?

Os fatos

Investigações recentes da Polícia Federal evidenciam, entre outros fatos graves, que a quadrilha de Carlos Cachoeira aliou-se a veículos de imprensa, principalmente a revista Veja para produzir “denúncias” contra o governo do PT e favorecer os interesses do bicheiro. Isso pode vir à tona na CPI. É disso que parte da mídia tem medo. É esse medo que a faz produzir teorias como essa. O PT não quer nem tem poder para abafar ou adiar o julgamento. Ao contrário, esta será a oportunidade decisiva para que se restaure a verdade. No que se refere a José Dirceu, ele já deixou claro em entrevistas, declarações e textos que confia na Justiça brasileira e quer ser julgado o mais rápido possível. A data do julgamento depende somente dos ministros do Supremo, que precisam cumprir os procedimentos e prazos legais, bem como cuidar das demais demandas do Tribunal.Atualmente, o processo está na fase de revisão. Concluída esta etapa, estará pronto para ser colocado em pauta.

13: A imprensa não faz nada além de noticiar, investigar e zelar pela ética na política?

Os fatos

A grande imprensa no Brasil tomou partido. Quando se trata do PT e seus aliados, ela não só investiga e noticia, como julga e também condena – independentemente dos fatos. Hoje, sabe-se que parte importante dessa imprensa aliou-se ao esquema criminoso do bicheiro Carlinhos Cachoeira para produzir várias denúncias contra os governos Lula e Dilma, entra elas a que deu origem ao chamado“mensalão”. Nas duas últimas eleições presidenciais, essa imprensa trabalhou ativamente para eleger o candidato da oposição, produzindo farsas como o famoso ataque da bolinha de papel. Agora tenta manipular a opinião pública e pressionar o STF para ver“comprovada” a tese do mensalão, da qual ela se tornou a principal porta-voz. Mas os fatos a desmentem. E a verdade prevalecerá.

Rui Martins direto do 65º Festival Internacional de Cinema de Locarno, Suíça


Assaz Atroz

Quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Rui Martins direto do 65º Festival Internacional de Cinema de Locarno, Suíça


Festival de Cinema de Locarno (Suíça) estreia com o filme The Sweeney - dois membros da Polícia Metropolitana, o inspetor Jack Reagan e o sargento George Carter, lutam contra o crime em Londres

Rui Martins*


Inspirado na série inglesa Reagan de televisão, de 1975-78, o filme de abertura do Festival de Cinema de Locarno, The Sweeney, é um policial dirigido por Nick Love, com todos os ingredientes destinados a agradar o grande público: violência, efeitos especiais, corrida de carros, tiros em profusão e muitas mortes.
O resumo cabe em duas linhas: dois membros da Polícia Metropolitana, o inspetor Jack Reagan e o sargento George Carter, lutam contra o crime em Londres. Felizmente, o Festival de Locarno paga férias para os habitantes da Piazza Grande, porque ao anoitecer desta quarta-feira (1º), por volta das 21h30, logo após a cerimônia inicial de abertura do festival, com a presença do diretor Olivier Père e do realizador Nick Love, acompanhado do ator Ray Winstone, os decibéis cada vez mais altos inundarão a praça e seus oito mil espectadores.

Antes do filme, o Festival de Locarno entregará um Prêmio de Excelência à atriz Charlotte Rampling. Já receberam prêmios equivalentes Chiara Mastroianni, Susan Sarandon, Michel Piccoli e Isabelle Hupert, entre outros.

O diretor do filme, Nick Love, ao que parece, não é amado pela crítica. Seu filme Fora da LeiOutlaw foi considerado pela crítica francesa como de uma brutalidade digna da extrema-direita, com o convite indireto para se fazer justiça com as próprias mãos, mostrando uma cidade de Londres violenta, que não existe na realidade. The Sweeney, será diferente?

________________________________________________

*Rui Martins, jornalista, escrtitor, ex-correspondente do Estadão e da CBN, após exílio na França. Autor do livro “O Dinheiro Sujo da Corrupção”, criou os Brasileirinhos Apátridas e propõe o Estado dos Emigrantes. Vive na Suíça, colabora com os jornais portugueses Público e Expresso, é colunista do site Direto da RedaçãoColabora com o Correio do Brasil e com esta nossa Agência Assaz Atroz.

O Brasil na Visão dos Norte-Americanos



Este é para os que sofrem com o complexo de vira-latas: Doença maldita!


Enviado por Silvio de Barros Pinheiro

bla, bla, bla de Bernardo que favorece a TELLES.


Governo quer padrão europeu de atendimento no setor de telefonia celular, diz Paulo Bernando

A medida provisória (MP) que estabelece as regras para a política de desoneração de impostos para equipamentos e obras necessárias à implantação de redes de banda larga deve ser votada no Senado a partir do dia 7 de agosto, segundo informações obtidas pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Em entrevista ao Programa 3 a 1, da TV Brasil, o ministro disse acreditar também que as punições aplicadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a empresas do setor representam um importante passo para que, futuramente, elas ofereçam “padrão de atendimento europeu” aos consumidores. O programa vai ao ar nesta quarta-feira às 22h.

“As empresas terão de ampliar [os investimentos] porque o Br
asil é um mercado que continuará como o queridinho delas. Agora queremos padrão europeu de atendimento”, disse Paulo Bernardo. Ele acrescentou que, pelas informações a que teve acesso, os planos apresentados pelas empresas têm evoluído significativamente, após seguidas reuniões com a Anatel.

Segundo ele, um dos fatores que resultaram na punição das empresas foi a pane em alguns call centers. “Com isso, as reclamações foram dirigidas [diretamente] à Anatel”, disse. “O volume de ocorrências, que inclui chamadas não contempladas ou que caem, ou mesmo dificuldades para a obtenção de sinais, aumentou de tal maneira que a Anatel teve de mostrar de que lado estava. Se estava do lado das empresas ou do consumidor.”

Desde o dia 23 de julho, está em vigor a proibição da venda de linhas de telefonia celular e internet em 19 unidades federativas para a operadora TIM, em cinco para a Oi e em três para a Claro, conforme determinação da Anatel.
De acordo com o ministro, a agência está focada na melhoria do ambiente regulatório e de negócios, e também em atender às demandas do consumidor. “A Vivo não foi punida, mas está sendo cobrada porque também terá de aumentar os investimentos”, acrescentou.

Sobre a MP que trata da desoneração que beneficiará os investimentos a serem feitos pelas empresas em infraestrutura, Paulo Bernardo disse que “deverá entrar na pauta do Senado dia 7 de agosto” e que a matéria poderá ser votada “nos próximos dez dias”.

“Estamos tirando impostos para a construção de redes de telecomunicações. Isso já tramitou dentro do governo, ainda que não com a velocidade que poderia, até por termos de olhar a situação fiscal e [os ministérios da] Fazenda e Planejamento terem de olhar a questão orçamentária, para saber quanto custará e como ficará a retirada do imposto”, justificou o ministro.
    • Fernanda Tardin II E O povo NAO QUER privatizaçao DA COMUNICAÇÃO VIA bla,bla,bla DE BERNARDO QUE VISA APENAS NOS FAZER REFENS DE telles multinacionais. dIGA NÃO AO ENTREGUISMO, fora telles, FORA...
      Ontem às 09:36 · · 2
    • Fernanda Tardin II gostou Dag ( Dagmar Vulpi)? rsrs Certa Marcelo Saldanha? bj
      Ontem às 09:37 · · 2
    • Marcelo Saldanha O Paulo apostou de que fomentando o mercado ela iria fazer o social. De duas a uma : ou foi proposital e ainda continua sendo para financiamento de campanha ou quebrou a cara, pq oue esta ocorrendo é a evasão de moeda para sanar dividas das matrizes e a qualidade OOOOOOOOOOO.
      há 6 minutos · · 1