Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 5 de novembro de 2011

A Semana de Doer - resumo semanal de 30/10 a 05/11


SEMANA DE DOER – TEVE DE TUDO


Laerte Braga


Uma das melhores criticas que já tive oportunidade de ver em toda a rede mundial de computadores. “Multidão aguarda ansiosa a inauguração da estátua de Sérgio Cabral” e em seguida a foto da “multidão”. Era de pombos.

Os norte-americanos Scott e Kiera Rivera decidiram se casar no dia 31 de outubro. E até aí tudo bem, o diabo é quando chegar ao térreo, se vai esborrachar ou não. Em “Tudo pode dar certo” de Woody Allen o cara se “arrebenta” num toldo e fica manco. Tenta outra vez e cai em cima de uma jovem senhora que passeava com seu cachorro, acabam se casando. Scott e Kiera Rivera decidiram que o casamento seria num cemitério de Albuquerque.

Segundo a noiva “o Halloween é o único dia em que você pode fazer algo diferente, mas ninguém vai achar estranho”.  

Os Estados Unidos são como que um museu de cera de barbárie e bizarrice.

Daniel Torroll foi preso e acusado de ato sexual com uma boneca – boneca comum – próximo a uma escola. O fato aconteceu em agosto e o julgamento vai ser em dezembro.

O policial que prendeu o dito disse o seguinte em seu relatório – “ele estava totalmente nu e eu notei que seus quadris estavam se mexendo para a frente. Eu vi uma cabeça pequena e eu pensei mesmo que era uma criança sendo abusada”.

O advogado de Torroll disse à imprensa que seu cliente é “boa pessoa” e não “queria prejudicar ninguém”.

De repente se percebe que a tal “indústria anti-semita” é financiada por Israel. É simples de entender. Não havendo mais líderes nazistas a serem caçados mundo afora, um outro pretexto é necessário para manter a boçalidade frente a palestinos e o controle dos “negócios” nos EUA.

A onda agora é em torno dos “preparativos para atacar o Irã, ameaça de extermínio da humanidade”.

Mais de cem mil cidadãos de Israel estavam nas ruas no último final de semana para protestar contra o governo de Benjamin Netanyahu. Nada de saúde, nada de educação, tudo pela guerra.

E tome Grécia. O primeiro-ministro Papandreou não voltou atrás na sua vontade de ouvir o povo grego sobre as medidas de austeridade exigidas pela Comunidade Européia para “salvar a Grécia”, no duro mesmo, bancos franceses, alemães, ingleses, norte-americanos, etc. “Foi voltado” como se diria em Minas Gerais pela chanceler alemã Ângela Merkel e o presidente francês Nicolás Sarkozy. A dupla fez valer os interesses dos banqueiros e o ministro da Fazenda da Grécia passou por cima de Papandreou e desautorizou o teoricamente chefe do governo.

Com isso os gregos vão pagar a conta por anos a fio. E no efeito cascata vão rolar despenhadeiro abaixo os italianos, os espanhóis, em futuro próximo os franceses, está começando a rolar a Ucrânia, permanecem vivos e fortes os integrantes do movimento OCUPA WALL STREET.

A GLOBO é que não mostra por aqui. Teme que a verdade desperte o que William Bonner chama de “Homer Simpson”, o telespectador do JORNAL NACIONAL e todos percebam que existem mais agentes norte-americanos na mídia brasileira que o outro William, o Waack.

Seria interessante saber o número exato, sem maquiagem, de telespectadores do MANHATAN COLLECTION. Deve andar na casa dos dez. No máximo. Onze já é sucesso pleno e absoluto.   

A semana esteve imersa nas questões do ENEM – EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO -. Uma escola no Nordeste conseguiu acesso a um razoável número de perguntas antecipadamente. Como não interessa às elites o ENEM, afinal não interessa também a política de cotas nas universidades públicas, o negócio é desacreditar o exame e o ministro da Educação, pré candidato a prefeito de São Paulo. Não admitem que na vizinha república FIESP/DASLU, condomínio de FHC, Serra, etc, outros cantem no poleiro.

O ser robô, aquele que grita pula, pula, quando o sujeito ameaça despencar do vigésimo andar e vaia quando o dito é salvo, passou a semana ironizando o câncer do ex-presidente Lula.

São os efeitos de bombardeios por raios Faustão, Luciano Hulk, VEJA, JORNAL NACIONAL, FOLHA DE SÃO PAULO, a turma da mídia golpista. Geram um tipo de câncer ainda não muito percebido. Atrofiam o cérebro. Tem gente que adora sinfonia de Mozart – nada demais, pelo contrário –, mas rege orquestra no banheiro achando-se Hitler ouvindo Wagner.

A Cavalgada das Valquírias.

Para em seguida, numa espécie de alerta/terror, aparecer desdentado, que nem vampiro velho, para dizer que “estamos vivos”. São os soturnos habitantes dos porões da ditadura que ainda sobrevivem maldizendo a democracia e ameaçando o País com uma ordem unida.

Se você chegar no estado do Espírito Santo, ou do Rio, em ou muitos outros, e encontrar um monte de placas indicando obra da Norberto Odebrecht, não se assuste. Pode até confundir e achar que a cidade se chama Odebrecht. Nada disso. É que a turma da empreiteira é a favorita de onze entre dez detentores de mandatos públicos para “negócios”. Arrasta atrás de si um monte de outras padrão Queiroz Galvão.

E se tiver problemas para legalizar sua casa ilegal é só procurar, como o fez Luciano Huck, o escritório da mulher de Cabral. Legaliza tudo.

Mas, segurança no caso do deputado Marcelo Freixo nem pensar. O cara que se vire se as milícias querem transformá-lo em presunto. Ele e sua família.

Vai daí que numa indústria fajuta, de mentirinha, no estado de Virgínia, EUA, a CIA seguindo os tuítes, as postagens no FACEBOOK e outras redes sociais. Com isso o grupo conhecido como “os bibliotecários vingativos” analisa tudo, até jornais, canais de tevê, emissoras de rádio, etc, para informar a Casa Branca, organização terrorista com sede em Washington.

Segundo os “especialistas” dá um perfil do “humor do mundo” para que o governo dos EUA possa tomar decisões.  

O grupo leva em conta ainda informações repassadas por embaixadas norte-americanas em todo o mundo e seus informantes. No caso brasileiro, um dos mais “qualificados”, a despeito de errar quase todas as previsões, como Miriam Leitão, é William Waack.

A mídia norte-americana, neste momento, além disso tudo, está preocupada ainda com o julgamento de uma mulher de 43 anos que teve relações sexuais com um amigo de seu filho, com apenas 12 anos.  Deve passar doze anos na cadeia.

George Bush continua em liberdade em seu rancho no Texas e Barack Obama virou zumbi com um buraco de tiro na testa durante os festejos do Halloween. Coisas de republicanos.

Polícia Militar num campus universitário é como que um som estúpido em show da OPUS DEI, grupo fascista que se apresenta no Vaticano e se faz ouvir em todo o mundo, desde os tempos de João Paulo II, um dos maiores enganadores da história. Talvez antevendo isso Charlie Chaplin disse que o “o som aniquila a beleza do silêncio”.

Alfonso Cano principal comandante das FARCs – FORÇAS ARMADAS REVOLUCIONÁRIAS COLOMBIANAS – foi morto numa operação que chamam de guerra. O modus operandi é dos pistoleiros do velho oeste numa combinação com a crueldade típica dos norte-americanos, diretores da peça que apresentam ao mundo como “terrorismo”.

Contam vinte milhões de indigentes nos EUA e historicamente continuam – os donos – intrínseca e extrinsecamente sendo boçais. A polícia da “grande democracia” está baixando o pau em manifestantes contra Wall Street. Não há risco de bombardeios da OTAN a guisa de ajuda humanitária. Os gregos vão pagar parte da conta, como outros povos do mundo estão pagando sempre.     

A culpa disso tudo é do Irã.

ORGANIZACIONES CELEBRAN RECHAZO AL ALCA Y DEBATEN POSIBILIDADES DE UNASUR

ORGANIZACIONES CELEBRAN RECHAZO AL ALCA Y DEBATEN POSIBILIDADES DE UNASUR
* El 5 de noviembre de 2005 es una fecha histórica para organizaciones y movimientos sociales de América Latina, dado que marca el rechazo definitivo al Área de Libre Comercio de las Américas (Alca). Para recordar los seis años de esta decisión de los pueblos y gobiernos latinoamericanos, la Central de Trabajadores de Argentina (CTA) decidió organizar, con otras 18 entidades, la jornada de debate "De la derrota del Alca a Unasur (Unión de Naciones Suramericanas)”, que se realizará en la ciudad de Mar del Plata, este sábado (5).
* El objetivo, según la convocatoria, es "debatir en comisiones ejes vitales para el proceso de cambio que protagonizan los pueblos de Nuestra América y homenajear la gesta que hace exactamente 6 años derrotó el intento Imperial de instalar el Área de Libre Comercio de las Américas”.

* Orientados por el lema "Por la Unidad de la Patria Grande Latinoamericana”, se realizarán debates y paneles, en escuelas y en el Club Social 11 Unidos, donde los ejes temáticos serán Juventud, Educación, Movimientos Sociales, Comunicación, Integración Regional y Crisis Capitalista, entre otr
os...

Milicia terrorista na Colombia assassina lider da Farcs



Cano demostró una visión militar superior a lo esperado por los opinólogos, logrando una reorientación estratégica de las FARC-EP que las llevaron a recuperar mucho del terreno perdido desde la implementación del Plan Colombia, adoptando una postura de ofensiva estratégica en vastas zonas del país que se aprecia en los contundentes golpes dados por la guerrilla en el período 2009-2011. También en lo organizativo, Cano supo descentralizar la organización para, por una parte, facilitar el trabajo político de masas y por otra, para absorber mejor los golpes del Plan Burbuja sin que se resintiera el conjunto de la organización.
Las FARC-EP con estructuras más descentralizadas y flexibles, asimilarán con toda probabilidad este nuevo golpe y recompondrán las estructuras de mando para llenar este vacío. Es muy probable que el mecanismo de sucesión de mando previamente establecido (Cano estaba bien conciente de que su asesinato ear inminente) ya esté andando y que el sucesor sea Iván Márquez.
www.kaosenlared.net
Kaos en la Red, información libre y alternativa. Contrainformación. Noticias de actualidad, estado español, internacional, opinión, laboral y economía, América Latina y mucho más. Con fotos, videos, y audios.>

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

FAROESTE CABOCLO - A VIDA NO ESPÍRITO SANTO NÃO VALE UM CENTAVO

FAROESTE CABLOCO – A VIDA NO ESPÍRITO SANTO NÃO VALE UM CENTAVO


Laerte Braga


Um dos mais belos estados brasileiros, o Espírito Santo, ganhou fama nacional e internacional por conta da violência gerada pelo crime organizado. E não foram poucas as vezes em que esse se instalou no Palácio do Governo.

O ex-governador Paulo Hartung, do PMDB, é um desses criminosos. Passeia desde a corrupção plena e absoluta ao assassinato – é mandante da morte do juiz Alexandre Martins – e, lógico, como todo chefão do crime organizado, no caso o maior do estado, com profundas ligações com quadrilhas menores, mas nem por isso menos perigosas.

O resultado é simples. Hartung (e alguns dos seus antecessores) conseguiram transformar o Espírito Santo, suprema ironia, num porto seguro para bandidos, sejam eles criminosos puros e simples (ladrões, assassinos, etc), sejam eles os empresários que controlam a máquina pública, a instituição governamental, incluindo aí boa parte do Judiciário, Assembléia Legislativa (a imensa maioria) e que, no frigir dos ovos transformaram tudo num grande latifúndio da bandidagem ampla, geral e irrestrita.

O prefeito de Vitória, João Coser, PT, por exemplo, não dorme. Tantas foram as que fez – entrou pobre remediado e vai sair milionário da Prefeitura – que Hartung, no velho esquema da chantagem, é óbvio, colecionou provas materiais contra Coser e o tem em suas mãos. Dentro do seu partido boa parte dos petistas querem ouvir falar no diabo, mas não querem saber de Coser, um pilantra pego com a boca na botija e no bolso de Paulo Hartung.

Hartung tem cúmplices poderosos e é inexplicável que diante de tantas trapaças, tantos crimes, todo esse complexo, digamos assim, de violência e corrupção não tenha sido ainda federalizado, já que é impossível a Justiça do Espírito Santo dar fim à seqüência de crimes contra o povo e especificamente contra os que se opõem ou tentam levar adiante investigações, inquéritos e processos contra o todo da quadrilha Hartung. PSDB e DEM, além de outros, são cúmplices no Espírito Santo e aliás, a filiação partidária perdeu sentido na maioria dos casos, pois se presta apenas a situações de momento em função dos interesses do crime organizado.

O atual governador Renato Casagrande é um banana. Faz que governa, assina portarias dispondo sobre o uso dos banheiros do palácio, enquanto Hartung mantém o controle de todo o resto do aparelho estatal.

Há indignação entre setores íntegros do Ministério Público, da Justiça, da Polícia, na infinitesimal parcela de políticos decentes, numa parte da mídia, entre os cidadãos que não se deixam levar pela parte da quadrilha no setor – REDE GAZETA, afiliada da GLOBO, evidente – enfim, entre aqueles que se recusam a crer que o Espírito Santo seja um antro de bandidos.

Um só caso para se ter idéia de como funciona a “coisa”.

Édson Barcellos era um servidor público no município de Conceição da Barra. Filiado ao DEM, foi eleito presidente do Sindicato dos Servidores Públicos daquela cidade. Cismou de trazer a público denúncias de corrupção envolvendo o prefeito Jorge Donati – latifundiário, fabricante de pesticidas, assassino, corrupto –. Tiro e queda. Donati contratou um pistoleiro de alcunha – como se dizia nas antigas reportagens policiais – de nome Porquinho e encarregou-o de eliminar o incômodo, Édson. Porquinho contratou três outros “ajudantes” e o sindicalista foi morto. Para descaracterizar qualquer suspeita de crime político, deram ao assassinato a aparência de latrocínio.

Édson havia denunciado improbidade administrativa, compra de votos, utilização indevida de recursos do FDNE – Fundo Nacional da Educação – e a transferência irregular do centro administrativo de Conceição da Barra para o distrito de Braço do Rio. Isso, entre outros feitos do marginal Jorge Donati.

Versão de Hildebrando Paschoal no Espírito Santo.

A família do sindicalista não engoliu a versão de assalto seguido de assassinato. Contratou dois advogados, os doutores Carlos Pagiola e Luís Roberto. Começou a “desencravar” todas as malfeitorias do prefeito Jorge Donati.

Começa aí a trajetória abafa caso. Delegados e juízes que não aceitavam a tutela do criminoso Jorge Donati eram “promovidos” e retirados de Conceição da Barra. Foi o caso do delegado Fabrício Dutra. Saiu de Conceição da Barra para uma delegacia em Vitória, capital do estado.

O promotor de nome Bruno, que incriminava Donati no seu relatório, apontava-o como mandante do crime, foi “promovido” para Linhares. Foi a maneira que entenderam de silenciá-lo, colocando-o sob a tutela de Carlos Elias, ex-prefeito e ex-deputado federal, isso em Linhares. Esteve envolvido na CPI dos sanguessugas e é latifundiário e fabricante de agrotóxicos (esse tipo de quadrilheiro tem ramificações internacionais).

Num trajeto um tanto estranho o processo contra Donati e os executores do crime foi levado ao Tribunal de Justiça do Estado (vários desembargadores foram presos dois anos atrás por corrupção) por um detetive e estranhamente o funcionário do TJ recusou-se a assinar o conhecimento, o simples recibo do processo. Consta de relatório do policial feito ao juiz doutor Madeira.

O procurador Fábio Vello prometeu à família que até o dia 31 de outubro iria “colocar o processo para a frente”. Se pôs, não sei e se o fez, com certeza, foi milagre.

Três dos quatro acusados do assassinato de Édson ao serem transportados para Vitória, capital do estado, Porquinho, o quarto, foi assassinado três dias após a morte de Édson, confessaram que Jorge Donati era o mandante. No percurso foram induzidos por Oséias a não falar nada, a não abrir a boca. A denúncia é do delegado Fabrício Dutra e a confissão consta do depoimento que prestaram na fase inicial do inquérito.

Existe um vídeo em um dos processos onde os assassinos confessam que mataram Édson a mando de Jorge Donati, o prefeito (cúmulo da esculhambação).

Jorge Donati responde a processo pelo assassinato de sua mulher. Mandante (esse tipo de criminoso é covarde por natureza, ou seja, valente quando cercado de seus capangas, covarde quando sozinho, por isso prefere mandar que façam). E até hoje não foi levado a júri. O processo está concluso à espera de uma decisão, data para julgamento, vale repetir, júri popular.

Os presos acusados de executar Édson são todos reincidentes, têm o hábito do latrocínio, dos assaltos a mão armada, perfeitos para a empreitada pretendida por Jorge Donati.

O padre Moacir, de Conceição da Barra está sob ameaça. Dois dias antes do assalto em conversa confidencial soube do mesmo através de um dos criminosos, provavelmente sob confissão, o que o impede segundo as leis canônicas de revelar o fato. Por via das dúvidas Donati mantém o sacerdote no fio da navalha.

A maior parte da família de Édson deixou a cidade. Lá ficaram uma irmã e a esposa. A irmã de Édson é professora e várias vezes a escola onde trabalha recebeu telefonemas com ameaças. Eram simples – “bico calado para não morrer também.”

O processo contra Oséias Oliveira da Costa e outros tem o número 151 0000 9388 e o processo contra Jorge Donati, acusado de mandante, tem o número 015.11.001102-8.

São “respeitáveis” cidadãos do Espírito Santo que dizimam o estado, roubam dinheiro público, cuidam dos “negócios sujos” e matam através de pistoleiros.

Não é privilégio só do Espírito Santo. Lá, no entanto, atinge a requintes de tal ordem que assusta e envergonha, pois a instituição Estado está podre e é irrecuperável no tamanho dessa podridão.

Um câncer que começa com uma figura repulsiva, o ex-governador Paulo Hartung, criminoso de amplo espectro e sem escrúpulo algum.

Se não houver intervenção direta das autoridades federais no caso, o mais provável é que Édson seja condenado a cumprir pena, mesmo morto, enquanto os criminosos ganham liberdade e permaneçam impunes.

Registre-se que Paulo Hartung deseja ser candidato a prefeito de Vitória e já avisou ao atual prefeito João Coser para não complicar sua vontade, pois do contrário mostra as provas que tem contra ele. Desde esse “aviso” Coser anda com várias mudas de roupa numa sacola. É que quando suja uma de medo, tem que trocar por outro, óbvio.

Vídeos do I Encontro Mundial de Blogueiros


Companheiros e companheiras,
segue a lista de vídeos do I Encontro Mundial de Blogueiros. Reportagens, edição e produção: Alberto Perdigão e Daniel Pearl Bezerra -Blog da Dilma.


1) Pepe Escobar no #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=ky0IVihyEcM
2) CPI do Sake contra Danielle Penha #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=r_LBhPMhXlI
3) CPI do Sake parte final #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=Hq23W5BBSEY
4) Altamiro Borges avalição do #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=k-I8uRfB0dc
5) João Brant e a blogosfera no #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=MnA3CWTuuGc
6) Dimas Roque no #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=WiAkOnPJ1uc
7) Hilda Suzana do Blog da Dilma no #blogmundofoz
link: http://www.youtube.com/watch?v=WGMyfc_Pf-g


Atenciosamente,
Daniel Pearl Bezerra - editor geral do Blog da Dilma

A corrupção e a falsa tartaruga de Alice

Grupo Beatrice
 
sexta-feira, 4 de novembro de 2011
 

Marcos Coimbra: A corrupção e a falsa tartaruga de Alice

por Marcos Coimbra, em CartaCapital
 
3 de novembro de 2011
Em uma das passagens mais conhecidas de Alice no País das Maravilhas, a heroína entabula um diálogo com a Falsa Tartaruga, um ser melancólico, sempre triste por ter deixado de ser uma tartaruga de verdade.
A alturas tantas, a tartaruga relembra os dias na escola e as matérias que estudara: “Reler e escrevinhar, é claro (…) e os diferentes ramos da aritmética: Ambição, Distração, Enfeiamento e Escárnio”. Quando a menina lhe pede que explique o que quer dizer o terceiro, ela responde: “Você sabe o que é embelezar, imagino (…) então você sabe o que é enfeiar”.
A mídia conservadora brasileira é uma espécie de Falsa Tartaruga. Ela não hesita no emprego de sua peculiar aritmética de enfeiar, confundir e escarnecer.
Sua proeza mais recente é a fabricação de uma conta sobre o tamanho da corrupção no Brasil, seguida de sua difusão maciça. Faz como ensinava um famoso propagandista alemão: para transformar uma mentira em verdade, é preciso repeti-la mil vezes.
Hoje, ela fala em 85 bilhões de reais anuais, como se pode ver na capa da principal revista da direita nativa. Ontem, eram 70 bilhões. Amanhã, sabe-se lá. E não importa. O relevante é trombetear uma cifra que impressione, qualquer que ela seja.
A mídia conservadora pega o número e o põe nas manchetes, na boca de comentaristas televisivos, em suas “análises”. Ficam todos compungidos com o tamanho do problema. Como se não fosse ela mesma que lhe deu a dimensão que tanto a assusta.
Tudo começou com a divulgação de um estudo do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp, que tinha a intenção de estimar os “custos econômicos da corrupção” no Brasil. Como passou a ser referência, vale a pena entender o que fizeram seus autores.
Seu ponto de partida foi usar de forma questionável algo banal, os estudos sobre percepção de corrupção, que perguntam a determinado público se acha que ela existe e se seria grande ou pequena. Como as respostas decorrem de impressões, o resultado, óbvio, é subjetivo.
Se, por exemplo, a mídia estiver falando muito do assunto, os entrevistados podem imaginar que a corrupção aumentou, sem que tenha crescido um só milímetro objetivamente. Vice-versa, podem achar que diminui enquanto cresce.
O que o estudo da Fiesp fez de mais condenável foi usar uma medida de percepção da corrupção para inferir seu custo real. Inovaram, fazendo algo que, mundo afora, ninguém faz.
Um problema adicional da metodologia é a fragilidade de suas bases de dados. Para chegar à “corrupção percebida”, a fonte são avaliações de técnicos -estrangeiros (vinculados, tipicamente, a empresas de cálculo de risco), somadas a alguns poucos e modestos estudos com empresários brasileiros. Exemplificando: o Fórum Econômico Mundial faz, em média, 98 entrevistas por país; o Institute for Management Development, 83. Qualquer um vê que seu tamanho é insuficiente.
São pesquisas que usam questionários autorrespondidos, o que as complica ainda mais. Quando a Transparência Brasil quis fazer algo parecido, convidou 4 mil empresas, mas obteve apenas 76 respostas. Como imaginar que essas 0,019% sejam representativas, se foram só elas que quiseram participar?
Os técnicos da Fiesp utilizaram o Índice de Percepção da Corrupção (IPC), calculado pela Transparência Internacional para 180 países, e resolveram inventar (verificaram que o Brasil melhorou de 1996 para 2009, mas preferiram deixar isso de lado).
O IPC brasileiro, em 2009, era 3,7 (em uma escala que chega a 10, que significa zero de corrupção percebida). E se nosso índice fosse maior, se a percepção fosse menor?
Mas quanto? Talvez achando que suas especulações pareceriam mais “científicas”, escolheram 12 países a esmo para calcular seu IPC médio. Ficaram, sabe-se lá por que, com Coreia do Sul, Costa Rica, Japão, Chile, Espanha, Irlanda, Estados Unidos, Alemanha, Austrália, Canadá, Cingapura e Finlândia.
Se a corrupção percebida no Brasil fosse igual (por alguma razão misteriosa) à média desses países, nosso IPC iria para 7,45. E daí? Iria para menos se substituíssemos a Finlândia pela Holanda, “mais corrupta”. Para mais, se trocássemos a Espanha pela Eslovênia, “menos corrupta”. E daí?
Daí vem a prestidigitação do estudo da Fiesp. Tomaram um modelo neoclássico de crescimento econômico e resolveram torná-lo “sensível ao índice de percepção da corrupção”. Para isso se deram ao direito de modificar o modelo (sem dizer como) para “incluir os efeitos da corrupção sobre o crescimento de longo prazo do produto per capita” (embora continuassem a falar, somente, de percepções).
Se, então, nosso IPC fosse 7,45 e se o modelo que inventaram fosse verdadeiro, o produto per capita brasileiro seria 1,36% maior ao ano, entre 1990 e 2008. Como o IPC real é menor, teria havido, nessa lógica estranha, um “prejuízo” (o “custo da corrupção”) de 41,5 bilhões de reais anuais.
E se o IPC brasileiro fosse 10? Se nenhum dos empresários ouvidos achasse que há qualquer tipo de corrupção no Brasil? Se fôssemos o único país do mundo com esse índice (melhor que o da Dinamarca, o “menos corrupto”)?
Aí o “prejuízo” de ter o IPC de 3,7 seria maior. Chegaria a 69,1 bilhões de reais anuais (a preços de 2008), que nossa mídia arredondou para 70 bilhões.
E assim se explicam os números que andam por aí: pesquisas limitadas, metodologias discutíveis, inferências sem fundamento. Eles não dizem simplesmente nada.
Se alguém quiser um exemplo melhor da aritmética da Falsa Tartaruga, vai ter trabalho. Faz tempo que não vemos uma discussão tão sem pé nem cabeça.


Via agencia de Noticias do Meireles.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

arrepiaaa! CesareBattisti em mensagem a Lula

PELO BEM DE LULA, POR CESARE BATTISTI

Excelentíssimo Senhor Ex-Presidente da República Federativa do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva



Prezado Senhor,



Nesse momento delicado de sua vida e saúde, venho manifestar a Vossa Excelência meus melhores desejos de rápida e definitiva recuperação. Tenho certeza de que superará mais este desafio, como aconteceu com todos os outros desafios de sua vida pessoal, social e política, pautada pela superação de obstáculos e pela dignidade e melhoria de vida dos setores mais humildes, dos excluídos e ignorados pela sociedade.



Quando centenas de milhões de pessoas na América Latina torcem por sua recuperação, junto-me a elas e torço pelo homem solidário e lutador, pelo mais querido chefe de estado da região em sua história recente. Aproveito para agradecer o gesto humanitário e corajoso com que protegeu minha vida e minha integridade física, ao recusar minha extradição, solicitada por governantes alheios ao que pensa e sente o povo brasileiro, que me recebeu com carinho e amizade.



Despeço-me com o maior apreço, desejando que sua insubstituível e luminosa figura nas Américas volte em breve a brilhar em toda sua plenitude.



Cesare Battisti

‘Guerra civil não declarada’ segue firme, como herança da ditadura militar

 
Escrito por Waldemar Rossi   
Quarta, 02 de Novembro de 2011

Neste país democrático chamado Brasil, pagamos um preço muito caro pelo que herdamos do militares assassinos, que roubaram do povo o seu poder político. Não foram unicamente os crimes por prisões arbitrárias, torturas, assassinatos e desaparecimentos praticados à época (entre 1964 e 1985 – oficialmente). Na década de 60, a violência instituída gerou um delegado facínora chamado Sérgio Paranhos Fleury. Sentindo-se prestigiado pelo autoritarismo e pela certeza da impunidade, criou o famigerado Esquadrão da Morte. Vangloriava-se dizendo que transformava bandidos em “presuntos”, jogados em lugares ermos com o símbolo da caveira.

Na época, São Paulo contava com alguns juristas competentes, amantes da justiça e inimigos da corrupção. Entre eles destacou-se o Procurador Dr. Hélio Bicudo que, a partir da denúncia do Pe. Agostinho, formulou processo contra o delegado assassino, que se colocava acima do bem e do mal, acima da lei, exercendo, ao mesmo tempo, o poder de policial, de inquiridor, de juiz e de carrasco. Por conta da denúncia, por uns tempos, Fleury ficou “encostado” em delegacias periféricas (Vila Rica, por exemplo), sendo logo depois lotado no DOPS paulista e premiado como responsável pelas prisões e torturas de políticos enquadrados na Lei de Segurança Nacional. Por suas mãos criminosas passaram centenas de brasileiros e brasileiras, torturados impiedosa e cruelmente - em alguns casos até a morte. Para refrescar a memória dos mais antigos e esclarecer as gerações mais jovens, cito apenas alguns dos que se foram desta vida, depois da passagem pelo DOPS: Olavo Hansen, Luiz Hirata, Bacuri. Ao mesmo tempo em que outros companheiros, também pude “experimentar” os “carinhos” generosamente aplicados por comparsas do delegado facínora.

Tempos depois, Fleury passou a atrapalhar os projetos de “abertura lenta, gradual e segura” da ditadura e, segundo jornais da época, o grande atleta morreu ao cair de um iate. Afirmam muitos que foi “queima de arquivos”, porque Fleury seria um perigo para os mandantes dos assassinatos, os militares no poder. Nem autópsia deixaram fazer.

Fleury se foi, mas os “Esquadrões da Morte” não. Já haviam proliferado por este Brasil afora, ganhando espaços e incentivos até de grandes empresas multinacionais no estado do Rio de Janeiro. Vários pontos de “desovas” foram criados na baixada fluminense, onde bandidos eram despejados na calada da noite... e do dia também.

A ditadura oficial chegou ao fim deixando várias heranças malditas: a corrupção, a impunidade, a cadeia para os pobres, o rebaixamento do padrão de vida do povo, a entrega da economia nacional para o capital estrangeiro, a Dívida Externa e a Interna e, sobretudo, sua pior herança, a VIOLÊNCIA contra o povo. E o Rio se tornou o centro da ação criminosa impune, praticada por policiais militares e civis, além de políticos envolvidos em corrupção.

Em 2008, o deputado estadual do Rio, Marcelo Freixo, do PSOL, presidiu CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que provocou o indiciamento de 225 pessoas. E esse indiciamento inspirou a filmagem do Tropa de Elite-2.

Desde o desfecho daquela CPI que o deputado Marcelo Freixo vem sofrendo ameaças de morte, conforme matéria do jornal O Globo, assim como sua família. E as ameaças, segundo suas declarações, vêm aumentando, sobretudo depois do assassinato da juíza Patrícia Accioli, em agosto último, na porta da própria casa. O governo do estado do Rio colocou proteção policial para o deputado e sua família, porém..., a juíza também os tinha.

A Anistia Internacional ofereceu apoio ao deputado e sua família, que deverão deixar o país (viagem programada para o dia 1º de novembro) para lugar ignorado e por tempo indeterminado. Antes de partir, Marcelo declarou:

“Esse é um problema de todo o Rio de Janeiro. Aliás, é um problema nacional. Até que ponto nossas autoridades vão continuar empurrando com a barriga? Ou a gente enfrenta agora e faz o dever de casa contra as milícias, ou, como mataram a juíza, vão matar o deputado, promotores, jornalistas. E, se esses criminosos são capazes de matar uma juíza e ameaçar um deputado, o que eles não fazem com a população que vive nas áreas em que eles dominam?” (...) Esses grupos criminosos estão cada vez mais fortes e dominam várias comunidades do Estado, onde extorquem dinheiro de moradores, comerciantes e controlam atividades como transporte alternativo, venda de gás e de ligações clandestinas de TV a cabo”.

A pergunta do deputado certamente vai ficar sem resposta das maiores autoridades brasileiras, que não estão nem aí com a vida do povo. Nossos governantes estão preocupadíssimos com a construção e reforma dos campos de futebol, que dão ibope e alguma compensação financeira, sobretudo às vésperas de eleições.

A maldita herança deixada pelo Delegado Fleury, e pelos militares que ocuparam o governo pela força da armas, penetrou a fundo na vida do povo, gerando uma verdadeira “guerra civil” não declarada, que elimina milhares de vidas a cada ano neste “país democrático”.

Waldemar Rossi é metalúrgico aposentado e coordenador da Pastoral Operária da Arquidiocese de São Paulo.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.
Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro! 
 
Enviado por Safrany

GRÉCIA DESAFIA O OLIMPO

A submissão canina da grande imprensa à desumanidade capitalista está emblematicamente expressa no editorial desta 5ª feira (3) da Folha de S. Paulo, Drama grego, que começa assim:
"A inoportuna iniciativa grega de convocar um referendo sobre o pacote de ajuda causa turbulência e pode agravar ainda mais a crise europeia

É potencialmente explosiva a decisão do primeiro-ministro grego, George Papandreou, de convocar um referendo sobre o pacote de socorro ao país aprovado pelas principais lideranças da zona do euro.

O plano, embora não resolva de forma imediata e definitiva a insolvência do país, o que seria impossível, pode pelo menos salvá-lo de um calote desordenado, com graves consequências para a economia europeia e mundial".
Ou seja, atendendo à prioridade de evitar "graves consequências para a economia europeia e mundial", o premiê grego deveria enfiar um pacote recessivo goela adentro dos cidadãos de seu país sem sequer consultá-los, salvando bancos e desgraçando pessoas.

Os poderosos do mundo assim exigem, e seus cãezinhos midiáticos obedecem fielmente ao comando dado pela voz do dono.

Crack de 1929: eu sou você amanhã...
A iniciativa de Papandreou vai tornar o povo grego alvo de todos os raios do Olimpo, se outros povos e outros governantes não seguirem o altaneiro exemplo da Grécia, recusando-se também a levar adiante este jogo de cartas marcadas que, ao preço da penúria de homens e nações, apenas adia o inevitável.

As crises cíclicas do capitalismo têm hoje outra aparência, mas a mesma essência: a irracionalidade básica de um sistema fundado na mais-valia, que gera um permanente desequilíbrio entre a oferta e a procura, cujas consequências são apenas postergadas pelos mecanismos de crédito que empurram para a frente o acerto de contas -- o qual, mais dia, menos dia, chegará.

O intervalo entre as ameaças de um novo  crack  e a engenharia financeira que o evita temporariamente está cada vez mais curto. É inimaginável chegarmos ao final desta década sem que o mundo inteiro pague, na forma de uma depressão pior ainda que a da década de 1930, o preço de já não ter se livrado do capitalismo.

Pois, mais apropriada do que a metáfora antiga de parto da revolução, é a de que urge enterrarmos o quanto antes um defunto que já está fedendo.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

TERCEIRIZAR O SUS? JAMAIS. Lutemos

Convocatória: Salve o SUS dos aliados del império. Basta de Opressao
 
Saúde é direito básico e fundamental de cada cidadão e dever do Estado. É um princípio universal e consagrado até na Declaração de Direitos Humanos das Nações Unidas, da qual o Brasil é signatário.
 
Desde o governo de Fernando Henrique o modelo privatista tem entregue boa parte da Saúde Pública a grupos privados. Ou pela terceirização, ou pela privatização pura e simples sem disfarces. Dadas às características do SUS - SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - os estados e municípios, manejam verbas do setor e terceirizam ou privatizam, dentro do falido esquema neoliberal implantado por FHC, em franca oposição aos princípios do SUS.
 
Saúde Pública também entrou no rol dos grandes negócios da iniciativa privada, com graves prejuízos para a população.
 
É necessário reverter esse quadro.
 
O que é direito fundamental e dever do Estado não pode ser nem terceirizado, nem privatizado e a participação popular através de conselhos deve incluir também gestores para evitar desvios como os que têm sido denunciados em todo o País. Uma das causas dos baixos salários dos profissionais da área, da falta de infraestrutura em todos os sentidos, dos atendimentos precários e incompletos reside, a causa principal, no processo de terceirização e privatização, já que os serviços de saúde, direito fundamental e dever do Estado, viraram fonte de lucro de empresas.
 
Os que trabalham na área, médicos, enfermeiros, técnicos, assistentes, têm sido incansáveis ao denunciar essas irregularidades, e distorções, tanto quanto acabam constituindo-se em fator de sustentação do modelo desenhado pelo SUS, em locais onde as prefeituras e os governos estaduais privatizam ou terceirizam.
 
Somos solidários à população, entendemos que exercemos cidadania ao denunciar e ao buscarmos suprir deficiências do modelo privatizado e terceirizado, mas é fundamental que possamos, juntos, reverter esse quadro. ( texto de Laerte Braga)
 

TERCEIRIZAR O SUS? JAMAIS. Lutemos




Enviado por Maria Bethania Tardin Waichert - Sindicalista, Assistente social e Profissional da Saude a 30 anos.com o comentário:

 Bem, se terceirizar, 
deixa de ser SUS, 
então.. 
e 'viva' o imperialismo!
Betha
 
 
 

4 DE SETEMBRO É "DIA DOS MORTOS E DESAPARECIDOS POLÍTICOS" EM SP

Sancionada pelo governador Geraldo Alckmin em 20/10/2011 e publicada pelo Diário Oficial do Estado de São Paulo no dia seguinte, já está em vigência a Lei nº 14.594, reverenciando os resistentes tombados na luta contra a ditadura de 1964/85:
Artigo 1º - Fica instituído o “Dia Estadual em Memória dos Mortos e Desaparecidos Políticos”, a ser celebrado, anualmente, em 4 de setembro.

Parágrafo único - O dia a que se refere o “caput” corresponde a 4 de setembro de 1990, data em que foi aberta a vala clandestina localizada no Cemitério Dom Bosco, no bairro de Perus, na Capital.

Artigo 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.
O projeto de Lei foi apresentado pelo deputado Carlos Giannazi, que assim o justificou:
"Um desaparecimento forçado consiste em um sequestro conduzido por agentes do Estado, ou por grupos organizados que agem com o apoio ou a tolerância do Estado, em que a vítima 'desaparece'. Desaparecimentos forçados foram usados primeiramente como forma covarde e violenta de repressão política na América Latina durante os anos 1960.
 Estima-se que mais de 90.000 pessoas tenham desaparecido nessa região. No Brasil, durante o período da ditadura militar, o número chega a quase 400 pessoas, dentre as mortas e as desaparecidas. A violência, que ainda hoje assusta o País, menos óbvia, mais ainda presente, tem raízes em nosso passado escravista e paga tributo às duas ditaduras do século 20. Jogar luz no período de sombras e abrir todas as informações sobre violações de Direitos Humanos ocorridas no último ciclo ditatorial são imperativos urgentes de uma nação que se pretende verdadeiramente democrática".
O deputado do PSOL colheu informações para orientar o seu projeto no site Mortos e Desaparecidos Políticos, organizado pelo Centro de Documentação Eremias Delizoicov e a Comissão de Familiares dos Mortos e Desaparecidos Políticos, cuja listagem de vítimas fatais da ditadura militar contém 379 nomes (os já confirmados, embora existam outros):
  1. Abelardo Rausch Alcântara
  2. Abílio Clemente Filho
  3. Aderval Alves Coqueiro
  4. Adriano Fonseca Filho
  5. Afonso Henrique Martins Saldanha
  6. Albertino José de Oliveira
  7. Alberto Aleixo
  8. Alceri Maria Gomes da Silva
  9. Aldo de Sá Brito Souza Neto
  10. Alex de Paula Xavier Pereira
  11. Alexander José Ibsen Voeroes
  12. Alexandre Vannucchi Leme
  13. Alfeu de Alcântara Monteiro
  14. Almir Custódio de Lima
  15. Aluísio Palhano Pedreira Ferreira
  16. Amaro Luíz de Carvalho
  17. Ana Maria Nacinovic Corrêa
  18. Ana Rosa Kucinski Silva
  19. Anatália de Souza Melo Alves
  20. André Grabois
  21. Ângelo Arroyo
  22. Ângelo Cardoso da Silva
  23. Ângelo Pezzuti da Silva
  24. Antogildo Pacoal Vianna
  25. Antônio Alfredo de Lima
  26. Antônio Benetazzo
  27. Antônio Carlos Bicalho Lana
  28. Antônio Carlos Monteiro Teixeira
  29. Antônio Carlos Nogueira Cabral
  30. Antônio Carlos Silveira Alves
  31. Antônio de Pádua Costa
  32. Antônio dos Três Reis Oliveira
  33. Antônio Ferreira Pinto (Alfaiate)
  34. Antônio Guilherme Ribeiro Ribas
  35. Antônio Henrique Pereira Neto (Padre Henrique)
  36. Antônio Joaquim Machado
  37. Antonio Marcos Pinto de Oliveira
  38. Antônio Raymundo Lucena
  39. Antônio Sérgio de Mattos
  40. Antônio Teodoro de Castro
  41. Ari da Rocha Miranda
  42. Ari de Oliveira Mendes Cunha
  43. Arildo Valadão
  44. Armando Teixeira Frutuoso
  45. Arnaldo Cardoso Rocha
  46. Arno Preis
  47. Ary Abreu Lima da Rosa
  48. Augusto Soares da Cunha
  49. Áurea Eliza Pereira Valadão
  50. Aurora Maria Nascimento Furtado
  51. Avelmar Moreira de Barros
  52. Aylton Adalberto Mortati
  53. Benedito Gonçalves
  54. Benedito Pereira Serra
  55. Bergson Gurjão Farias
  56. Bernardino Saraiva
  57. Boanerges de Souza Massa
  58. Caiuby Alves de Castro
  59. Carlos Alberto Soares de Freitas
  60. Carlos Eduardo Pires Fleury
  61. Carlos Lamarca
  62. Carlos Marighella
  63. Carlos Nicolau Danielli
  64. Carlos Roberto Zanirato
  65. Carlos Schirmer
  66. Carmem Jacomini
  67. Cassimiro Luiz de Freitas
  68. Catarina Abi-Eçab
  69. Célio Augusto Guedes
  70. Celso Gilberto de Oliveira
  71. Chael Charles Schreier
  72. Cilon da Cunha Brun
  73. Ciro Flávio Salasar Oliveira
  74. Cloves Dias Amorim
  75. Custódio Saraiva Neto
  76. Daniel José de Carvalho
  77. Daniel Ribeiro Callado
  78. David Capistrano da Costa
  79. David de Souza Meira
  80. Dênis Casemiro
  81. Dermeval da Silva Pereira
  82. Devanir José de Carvalho
  83. Dilermano Melo Nascimento
  84. Dimas Antônio Casemiro
  85. Dinaelza Soares Santana Coqueiro
  86. Dinalva Oliveira Teixeira
  87. Divino Ferreira de Souza
  88. Divo Fernandes de Oliveira
  89. Djalma Carvalho Maranhão
  90. Dorival Ferreira
  91. Durvalino de Souza
  92. Edgard Aquino Duarte
  93. Edmur Péricles Camargo
  94. Edson Luis de Lima Souto
  95. Edson Neves Quaresma
  96. Edu Barreto Leite
  97. Eduardo Antônio da Fonseca
  98. Eduardo Collen Leite (Bacuri)
  99. Eduardo Collier Filho
  100. Eiraldo Palha Freire
  101. Elmo Corrêa
  102. Elson Costa
  103. Elvaristo Alves da Silva
  104. Emanuel Bezerra dos Santos
  105. Enrique Ernesto Ruggia
  106. Epaminondas Gomes de Oliveira
  107. Eremias Delizoicov
  108. Eudaldo Gomes da Silva
  109. Evaldo Luiz Ferreira de Souza
  110. Ezequias Bezerra da Rocha
  111. Félix Escobar Sobrinho
  112. Fernando Augusto Santa Cruz Oliveira
  113. Fernando Augusto Valente da Fonseca
  114. Fernando Borges de Paula Ferreira
  115. Fernando da Silva Lembo
  116. Flávio Carvalho Molina
  117. Francisco das Chagas Pereira
  118. Francisco Emanoel Penteado
  119. Francisco José de Oliveira
  120. Francisco Manoel Chaves
  121. Francisco Seiko Okama
  122. Francisco Tenório Júnior
  123. Frederico Eduardo Mayr
  124. Gastone Lúcia Carvalho Beltrão
  125. Gelson Reicher
  126. Geraldo Magela Torres Fernandes da Costa
  127. Gerosina Silva Pereira
  128. Gerson Theodoro de Oliveira
  129. Getúlio de Oliveira Cabral
  130. Gilberto Olímpio Maria
  131. Gildo Macedo Lacerda
  132. Grenaldo de Jesus da Silva
  133. Guido Leão
  134. Guilherme Gomes Lund
  135. Hamilton Fernando da Cunha
  136. Helber José Gomes Goulart
  137. Hélcio Pereira Fortes
  138. Helenira Rezende de Souza Nazareth
  139. Heleny Telles Ferreira Guariba
  140. Hélio Luiz Navarro de Magalhães
  141. Henrique Cintra Ferreira de Ornellas
  142. Higino João Pio
  143. Hiran de Lima Pereira
  144. Hiroaki Torigoe
  145. Honestino Monteiro Guimarães
  146. Iara Iavelberg
  147. Idalísio Soares Aranha Filho
  148. Ieda Santos Delgado
  149. Íris Amaral
  150. Ishiro Nagami
  151. Ísis Dias de Oliveira
  152. Ismael Silva de Jesus
  153. Israel Tavares Roque
  154. Issami Nakamura Okano
  155. Itair José Veloso
  156. Iuri Xavier Pereira
  157. Ivan Mota Dias
  158. Ivan Rocha Aguiar
  159. Jaime Petit da Silva
  160. James Allen da Luz
  161. Jana Moroni Barroso
  162. Jane Vanini
  163. Jarbas Pereira Marques
  164. Jayme Amorim Miranda
  165. Jeová Assis Gomes
  166. João Alfredo Dias
  167. João Antônio Abi-Eçab
  168. João Barcellos Martins
  169. João Batista Franco Drummond
  170. João Batista Rita
  171. João Bosco Penido Burnier (Padre)
  172. João Carlos Cavalcanti Reis
  173. João Carlos Haas Sobrinho
  174. João Domingues da Silva
  175. João Gualberto Calatroni
  176. João Leonardo da Silva Rocha
  177. João Lucas Alves
  178. João Massena Melo
  179. João Mendes Araújo
  180. João Roberto Borges de Souza
  181. Joaquim Alencar de Seixas
  182. Joaquim Câmara Ferreira
  183. Joaquim Pires Cerveira
  184. Joaquinzão
  185. Joel José de Carvalho
  186. Joel Vasconcelos Santos
  187. Joelson Crispim
  188. Jonas José Albuquerque Barros
  189. Jorge Alberto Basso
  190. Jorge Aprígio de Paula
  191. Jorge Leal Gonçalves Pereira
  192. Jorge Oscar Adur (Padre)
  193. José Bartolomeu Rodrigues de Souza
  194. José Campos Barreto
  195. José Carlos Novaes da Mata Machado
  196. José de Oliveira
  197. José de Souza
  198. José Ferreira de Almeida
  199. José Gomes Teixeira
  200. José Guimarães
  201. José Huberto Bronca
  202. José Idésio Brianezi
  203. José Inocêncio Pereira
  204. José Júlio de Araújo
  205. José Lavechia
  206. José Lima Piauhy Dourado
  207. José Manoel da Silva
  208. José Maria Ferreira Araújo
  209. José Maurílio Patrício
  210. José Maximino de Andrade Netto
  211. José Mendes de Sá Roriz
  212. José Milton Barbosa
  213. José Montenegro de Lima
  214. José Porfírio de Souza
  215. José Raimundo da Costa
  216. José Roberto Arantes de Almeida
  217. José Roberto Spiegner
  218. José Roman
  219. José Sabino
  220. José Silton Pinheiro
  221. José Soares dos Santos
  222. José Toledo de Oliveira
  223. José Wilson Lessa Sabag
  224. Juarez Guimarães de Brito
  225. Juarez Rodrigues Coelho
  226. Kleber Lemos da Silva
  227. Labib Elias Abduch
  228. Lauriberto José Reyes
  229. Líbero Giancarlo Castiglia
  230. Lígia Maria Salgado Nóbrega
  231. Lincoln Bicalho Roque
  232. Lincoln Cordeiro Oest
  233. Lourdes Maria Wanderley Pontes
  234. Lourenço Camelo de Mesquita
  235. Lourival de Moura Paulino
  236. Lúcia Maria de Souza
  237. Lucimar Brandão
  238. Lúcio Petit da Silva
  239. Luís Alberto Andrade de Sá e Benevides
  240. Luís Almeida Araújo
  241. Luís Antônio Santa Bárbara
  242. Luís Inácio Maranhão Filho
  243. Luis Paulo da Cruz Nunes
  244. Luiz Affonso Miranda da Costa Rodrigues
  245. Luiz Carlos Almeida
  246. Luiz Eduardo da Rocha Merlino
  247. Luiz Eurico Tejera Lisbôa
  248. Luiz Fogaça Balboni
  249. Luiz Gonzaga dos Santos
  250. Luíz Guilhardini
  251. Luiz Hirata
  252. Luiz José da Cunha
  253. Luiz Renato do Lago Faria
  254. Luiz Renato Pires de Almeida
  255. Luiz Renê Silveira e Silva
  256. Luiz Vieira
  257. Luíza Augusta Garlippe
  258. Lyda Monteiro da Silva
  259. Manoel Aleixo da Silva
  260. Manoel Fiel Filho
  261. Manoel José Mendes Nunes de Abreu
  262. Manoel Lisboa de Moura
  263. Manoel Raimundo Soares
  264. Manoel Rodrigues Ferreira
  265. Manuel Alves de Oliveira
  266. Manuel José Nurchis
  267. Márcio Beck Machado
  268. Marco Antônio Brás de Carvalho
  269. Marco Antônio da Silva Lima
  270. Marco Antônio Dias Batista
  271. Marcos José de Lima
  272. Marcos Nonato Fonseca
  273. Margarida Maria Alves
  274. Maria Ângela Ribeiro
  275. Maria Augusta Thomaz
  276. Maria Auxiliadora Lara Barcelos
  277. Maria Célia Corrêa
  278. Maria Lúcia Petit da Silva
  279. Maria Regina Lobo Leite de Figueiredo
  280. Maria Regina Marcondes Pinto
  281. Mariano Joaquim da Silva
  282. Marilena Villas Boas
  283. Mário Alves de Souza Vieira
  284. Mário de Souza Prata
  285. Maurício Grabois
  286. Maurício Guilherme da Silveira
  287. Merival Araújo
  288. Miguel Pereira dos Santos
  289. Milton Soares de Castro
  290. Míriam Lopes Verbena
  291. Neide Alves dos Santos
  292. Nelson de Souza Kohl
  293. Nelson José de Almeida
  294. Nelson Lima Piauhy Dourado
  295. Nestor Veras
  296. Newton Eduardo de Oliveira
  297. Nilda Carvalho Cunha
  298. Nilton Rosa da Silva (Bonito)
  299. Norberto Armando Habeger
  300. Norberto Nehring
  301. Odijas Carvalho de Souza
  302. Olavo Hansen
  303. Onofre Pinto
  304. Orlando da Silva Rosa Bonfim Júnior
  305. Orlando Momente
  306. Ornalino Cândido da Silva
  307. Orocílio Martins Gonçalves
  308. Osvaldo Orlando da Costa
  309. Otávio Soares da Cunha
  310. Otoniel Campo Barreto
  311. Pauline Reichstul
  312. Paulo César Botelho Massa
  313. Paulo Costa Ribeiro Bastos
  314. Paulo de Tarso Celestino da Silva
  315. Paulo Mendes Rodrigues
  316. Paulo Roberto Pereira Marques
  317. Paulo Stuart Wright
  318. Pedro Alexandrino de Oliveira Filho
  319. Pedro Carretel
  320. Pedro Domiense de Oliveira
  321. Pedro Inácio de Araújo
  322. Pedro Jerônimo de Souza
  323. Pedro Ventura Felipe de Araújo Pomar
  324. Péricles Gusmão Régis
  325. Raimundo Eduardo da Silva
  326. Raimundo Ferreira Lima
  327. Raimundo Gonçalves Figueiredo
  328. Raimundo Nonato Paz
  329. Ramires Maranhão do Vale
  330. Ranúsia Alves Rodrigues
  331. Raul Amaro Nin Ferreira
  332. Reinaldo Silveira Pimenta
  333. Roberto Cieto
  334. Roberto Macarini
  335. Roberto Rascardo Rodrigues
  336. Rodolfo de Carvalho Troiano
  337. Ronaldo Mouth Queiroz
  338. Rosalindo Souza
  339. Rubens Beirodt Paiva
  340. Rui Osvaldo Aguiar Pftzenreuter
  341. Ruy Carlos Vieira Berbert
  342. Ruy Frazão Soares
  343. Santo Dias da Silva
  344. Sebastião Gomes da Silva
  345. Sérgio Correia
  346. Sérgio Landulfo Furtado
  347. Severino Elias de Melo
  348. Severino Viana Colon
  349. Sidney Fix Marques dos Santos
  350. Silvano Soares dos Santos
  351. Soledad Barret Viedma
  352. Sônia Maria Lopes de Moraes Angel Jones
  353. Stuart Edgar Angel Jones
  354. Suely Yumiko Kanayama
  355. Telma Regina Cordeiro Corrêa
  356. Therezinha Viana de Assis
  357. Thomaz Antônio da Silva Meirelles Neto
  358. Tito de Alencar Lima (Frei Tito)
  359. Tobias Pereira Júnior
  360. Túlio Roberto Cardoso Quintiliano
  361. Uirassu de Assis Batista
  362. Umberto Albuquerque Câmara Neto
  363. Valdir Sales Saboya
  364. Vandick Reidner Pereira Coqueiro
  365. Victor Carlos Ramos
  366. Virgílio Gomes da Silva
  367. Vítor Luíz Papandreu
  368. Vitorino Alves Moitinho
  369. Vladimir Herzog
  370. Walkíria Afonso Costa
  371. Walter de Souza Ribeiro
  372. Walter Kenneth Nelson Fleury
  373. Walter Ribeiro Novaes
  374. Wânio José de Mattos
  375. Wilson Silva
  376. Wilson Souza Pinheiro
  377. Wilton Ferreira
  378. Yoshitane Fujimori
  379. Zuleika Angel Jones

Blogueiros e Wikileaks unidos

Kristinn Hrafnsson do WikiLeak com os GUERRILHEIROS VIRTU@IS
O primeiro dia do 1º Encontro Mundial de Blogueiros começa com dois dos palestrantes internacionais mais esperados. Na mesa estavam o porta-voz do Wikileaks, Kristinn Hrafnsson, o jornalista do Le Monde Diplomatique, Ignácio Ramonet, o jornalista brasileiro Luiz Nassif, a fundadora da Agência Pública de Jornalismo Investigativo, Natália Viana, e a blogueira gaúcha Tatiane Pires. O jornalista Dênis de Moraes não conseguiu chegar a tempo para participar da atividade.

Hrafnsson contou a história do Wikileaks, falou sobre a “lacuna” que se formou no jornalismo nos últimos dez anos, da facilidade de manipulação da informação e a importância do Wikileaks para preencher essa lacuna com informações transparentes. Comentou o risco que a organização correu por trabalhar em conjunto com grandes veículos da mídia tradicional como New York Times e The Guardian e que, se pudessem começar novamente, teriam feito os acordos diretamente com jornalistas e não com as empresas de comunicação.
Em seguida, Hrafnsson alertou para a importância dos veículos de comunicação alternativos. “Eles normalmente não estão atrelados a nenhum tipo de governo e não estão ligados financeiramente a grandes corporações, geralmente são mais críticos e comprometidos com a qualidade da informação”, disse.

Finalizou dizendo que os blogueiros são parte fundamental neste novo processo da comunicação. E afirmou ainda que, futuramente, eles poderão ser colaboradores do Wikileaks. “Vocês blogueiros e nós do Wikileaks estamos de mãos dadas, em poucos anos o futuro será definido e nós precisamos fazê-lo com transparência”.
“A explosão das novas mídias foi uma das coisas mais importantes já acontecidas na comunicação”, afirmou Ignácio Ramonet. De acordo com ele, as novas mídias estão colocando a profissão de jornalista em crise de identidade. “O jornalista já não sabe mais para quê ele trabalha, as mídias tradicionais perderam seu monopólio da informação para os blogueiros”. Mas destacou: “Muitos blogueiros não estão contra o conservadorismo, pelo contrário, há muitos blogueiros reacionários e conservadores”.

Ramonet alertou ainda sobre o fato de estarmos passando por um período de transformação na comunicação. “Se este debate estivesse acontecendo há cinco anos, nós estaríamos falando do MySpace, hoje estamos falando do fenômeno Twiiter, que provavelmente daqui há 5 anos já terá sido superado por algo mais interessante”.
O comunicólogo falou sobre a rapidez da informação e o quanto é importante estar atento a este novo processo. “As mídias tradicionais existem há mais de um século e meio, e as redes sociais, com certeza, foram a primeira coisa a desestabilizar este monopólio. Estamos em um sistema efêmero que não tem vocação para estar estabilizado como os velhos meios estavam”.

Para fechar a mesa, o jornalista Luiz Nassif ressaltou o papel das novas mídias no Brasil: “A velha mídia espalha a intolerância. A construção do conhecimento pressupõe você abrir mão da propriedade da informação”, afirmou. Alertou ainda sobre o posicionamento da mídia tradicional brasileira, que não tem uma identidade própria e tenta seguir o modelo da mídia estadunidense.
Tirado do Blog Onça Pintada -

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Carta de Foz do Encontro Mundial de Blogueiros.


Carta de Foz do Encontro Mundial de Blogueiros.

http://festivaldebesteirasnaimprensa.wordpress.com/2011/10/31/carta-de-foz-do-encontro-mundial-de-blogueiros/ 
O 1º Encontro Mundial de Blogueiros, realizado em Foz do Iguaçu (Paraná, Brasil), nos dias 27, 28 e 29 de outubro, confirmou a força crescente das chamadas novas mídias, com seus sítios, blogs e redes sociais.
Com a presença de 468 ativistas digitais, jornalistas, acadêmicos e estudantes, de 23 países e 17 estados brasileiros, o evento serviu como uma rica troca de experiências e evidenciou que as novas mídias podem ser um instrumento essencial para o fortalecimento e aperfeiçoamento da democracia.
Como principais consensos do encontro – que buscou pontos de unidade, mas preservando e valorizando a diversidade –, os participantes reafirmaram como prioridades:
- A luta pela liberdade de expressão, que não se confunde com a liberdade propalada pelos monopólios midiáticos, que castram a pluralidade informativa. O direito humano à comunicação é hoje uma questão estratégica;
- A luta contra qualquer tipo de censura ou perseguição política dos poderes públicos e das corporações do setor. Neste sentido, os participantes condenam o processo de judicialização da censura e se solidarizam com os atingidos. Na atualidade, o WikiLeaks é um caso exemplar da perseguição imposta pelo governo dos EUA e pelas corporações financeiras e empresariais;
- A luta por novos marcos regulatórios da comunicação, que incentivem os meios públicos e comunitários; impulsionem a diversidade e os veículos alternativos; coíbam os monopólios, a propriedade cruzada e o uso indevido de concessões públicas; e garantam o acesso da sociedade à comunicação democrática e plural. Com estes mesmos objetivos, os Estados nacionais devem ter o papel indutor com suas políticas públicas.
- A luta pelo acesso universal à banda larga de qualidade. A internet é estratégica para o desenvolvimento econômico, para enfrentar os problemas sociais e para a democratização da informação.
O Estado deve garantir a universalização deste direito. A internet não pode ficar ao sabor dos monopólios privados.
- A luta contra qualquer tentativa de cerceamento e censura na internet. Pela neutralidade na rede e pelo incentivo aos telecentros e outras mecanismos de inclusão digital. Pelo desenvolvimento independente de tecnologias de informação e incentivo ao software livre. Contra qualquer restrição no acesso à internet, como os impostos hoje pelos EUA no seu processo de bloqueio à Cuba.
Com o objetivo de aprofundar estas reflexões, reforçar o intercâmbio de experiências e fortalecer as novas mídias sociais, os participantes também aprovaram a realização do II Encontro Mundial de Blogueiros, em novembro de 2012, na cidade de Foz do Iguaçu. Para isso, foi constituída uma comissão internacional para enraizar ainda mais este movimento, preservando sua diversidade, e para organizar o próximo encontro.

Discurso do Chanceler cubano na ONU - com comentários


 Imperdivel a leitura e a critica comentada. Quando guerrilheiros se ajuntam  só 'rola' FORMAÇÃO. 

Um brinde a eles , a luta e aos comentarios. Bjao

 

Discurso proferido pelo chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla na 66ª Sessão da Assembleia Geral da ONU

Senhor presidente:

Em 13 de novembro de 1991, esta Assembleia Geral decidiu incluir no programa de seu seguinte período de sessões o exame do tema intitulado "Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América a Cuba".
Esse era o momento em que os Estados Unidos se dispunham, com cruel oportunismo, a acirrar o bloqueio contra a Ilha que lutava sozinha, por meio da chamada Lei Torricelli, que prejudicou nosso comércio de medicamentos e alimentos com as subsidiárias de companhias norte-americanas estabelecidas em terceiros países. Esse foi o ato oficial que tornou notória e pública a aplicação extraterritorial das leis do bloqueio contra terceiros Estados.
Teria parecido impossível, nesse momento, que esta Assembleia estivesse considerando hoje, vinte anos depois, o mesmo assunto, tão estreitamente ligado ao direito dos povos à autodeterminação, ao Direito Internacional, às regulamentações internacionais do comércio, às razões pelas quais existe esta organização.
Trata-se de um dos temas habituais da Assembleia Geral, que convoca os pronunciamentos mais reiterados, com o apoio firme e esmagador, que demonstra com maior nitidez o isolamento incômodo do país agressor e a resistência heróica de um povo que se recusa a abrir mão de seus direitos soberanos.
Durante duas décadas, a comunidade internacional exigiu constantemente o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos a Cuba. Fez isso, por meio das resoluções que são aprovadas unanimemente a cada ano, das dezenas de apelos de chefes de Estado e de delegações, que se referem ao tema no Debate Geral de Alto Nível desta Assembleia, e dos pronunciamentos de quase todos os organismos internacionais e agrupamentos de Estados, particularmente os da América Latina e do Caribe.
Em 1996, a Lei Helms-Burton ampliou de maneira inédita a extraterritorialidade do bloqueio e codificou integralmente a "mudança de regime" e a posterior intervenção em Cuba. Ninguém sabe que o "Plano Bush para Cuba", de 2004, tenha ficado sem efeito.
O relatório do secretário-geral dedicado a este assunto e que recolhe os pronunciamentos de mais de 160 países e organismos especializados do sistema das Nações Unidas, ilustra com muitos dados a persistência desta política criminosa e seu efeito direto na população e na economia cubanas.
O prejuízo econômico direto, ocasionado ao povo pela aplicação do bloqueio, é de acima dos US$ 975 bilhões, estimado ao preço desvalorizado do dólar em comparação com o ouro.
A Convenção contra o Genocídio de 1948, no 2º artigo, alínea b, classifica como ato de genocídio a "lesão grave à integridade física ou mental dos membros do grupo" e na alínea c, a "sujeição intencional do grupo a condições de existência que possam acarretar sua destruição física, total ou parcial".
Os objetivos do bloqueio foram, segundo o memorando do governo dos Estados Unidos de 6 de abril de 1960, "provocar o desengano e o desânimo mediante a insatisfação econômica e a penúria [...] debilitar a vida econômica, negando a Cuba dinheiro e fornecimentos com o propósito de reduzir os salários nominais e reais, provocar fome, desespero e a derrubada do governo". Nunca ocultaram que seu objetivo fosse derrubar o governo revolucionário e destruir a ordem constitucional que o povo defende soberanamente, o que o ex-presidente George W. Bush chamou de "mudança de regime" e que agora atinge nova magnitude.
Senhor presidente:

Apesar da falsa imagem de afrouxamento que o atual governo norte-americano quer nos transmitir, o bloqueio e as sanções não mudaram e continuam sendo aplicados e seu caráter extraterritorial se incrementou nos últimos anos. Como característica distintiva do mandato do presidente Obama, acrescentou-se o acosso às transações financeiras cubanas em todo o mundo, sendo desrespeitadas as leis de terceiros países e a recusa de seus governos.
Cuba continua sem poder exportar e importar livremente produtos e serviços de algum tipo para ou dos Estados Unidos. Não pode utilizar o dólar norte-americano em suas transações, incluindo o pagamento à Organização das Nações Unidas e a outros organismos internacionais. Também não pode ter contas nessa moeda em bancos de terceiros países ou acesso a créditos de bancos nos Estados Unidos, de suas filiais em terceiros países e de instituições internacionais, como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
A proibição de comerciar com subsidiárias de empresas norte-americanas em terceiros países não mudou nada. Os empresários de outras nações interessados em investirem no meu país continuam a ser sancionados, ameaçados ou incluídos em listagens negras.
Os organismos internacionais, os programas e agências do sistema da ONU não escapam desta política, pois o governo dos Estados Unidos obstaculiza a cooperação que tais entidades prestam a Cuba, incluindo a destinada a setores muito sensíveis.
A confiscação, em janeiro de 2011, de US$,4,2 milhões do financiamento do Fundo Mundial de Luta contra a Aids, a Tuberculose e a Malária, para a execução de projetos de cooperação com Cuba para o combate à Aids e a tuberculose, demonstram isso.
Como resultado da denúncia de Cuba, o Departamento do Tesouro estadunidense emitiu uma licença geral, em maio deste ano, para liberar esses fundos, que vencerá em 30 de junho de 2015. Contudo, o fato de que os recursos desta organização precisem de uma licença do governo dos Estados Unidos para chegar a Cuba demonstra, além do desígnio de utilizar esses programas tão sensíveis como reféns de sua política de agressão contra o meu país, o desrespeito patente às Nações Unidas e às instituições que fazem parte delas.
Vários projetos de cooperação executados pela Agência Internacional da Energia Atômica foram também alvo do bloqueio.
Em meio ao pretenso afrouxamento da proibição a alguns grupos de norte-americanos de viajarem a Cuba, o Departamento do Tesouro denegou recentemente licenças de viagem a Cuba a duas importantes Organizações Não-Governamentais estadunidenses que, durante vários anos, cooperaram com instituições cubanas no setor da saúde. Tal decisão poderia obstaculizar que doações de remédios, aos quais o nosso país não tem acesso, por causa do bloqueio, cheguem a seu destino.
O certo é que o direito de viajar dos norte-americanos continua sendo violado e que Cuba continua a ser o único destino proibido.
Senhor presidente:

Em várias oportunidades, os representantes dos Estados Unidos assinaram que o tema que hoje está em debate aqui é uma questão bilateral e que, portanto, não deve ser tratado neste fórum. Talvez repitam hoje esse enganoso argumento.
Os fatos demonstram sua inconsistência. Cidadãos e companhias de muitos Estados-membros aqui representados foram alvo de sanções por terem relações econômicas com Cuba.
O que são, a não ser uma demonstração da extraterritorialidade de tal política, as multas aplicadas, em 18 de agosto de 2011, à subsidiária da empresa de navegação e de transporte francesa CMA CGM, por prestar serviços de contêineres a Cuba? Como podem ser qualificadas as exigências da sucursal europeia PayPal, empresa encarregada de facilitar as transações eletrônicas via internet, à firma alemã Rum Co. para tirar de seu site o rum e o fumo cubanos?
Exemplos de extraterritorialidade, como se constata na resposta de Cuba no referido relatório do secretário-geral, há demais.
Sr. presidente:

As declarações mais recentes do presidente Obama sobre Cuba deixaram muitos observadores perplexos, mas isso não nos surpreende. À proposta do governo cubano de ter um diálogo sobre os temas de interesse da agenda bilateral, a resposta do presidente Obama foi novamente a rejeição sorrateira, sob pretextos absurdos e condicionamentos inadmissíveis que nunca deram certo. Sua posição é de longa data, repetitiva, voltada para o passado, parece que, em lugar do presidente que falou de mudança, o fiz um de seus predecessores, mesmo republicanos. Parece desinformado, como se ignorasse completamente o que hoje acontece em nosso país, nossa história e cultura.
Cuba fez a grande mudança em 1959. Ao preço de 20 mil vidas, nosso país acabou com a ditadura de Fulgêncio Batista, o homem forte dos Estados Unidos.
Depois, continuou mudando a cada dia e, graças a sua capacidade de renovação, resistiu. Outros não resistiram, porque não mudaram e ancilosaram ou desgarraram. Agora, Cuba muda e mudará resolutamente tudo aquilo que deva ser mudado dentro da Revolução e do socialismo. Mais Revolução e melhor socialismo.
O que não mudou em 50 anos, Mr. President, é o bloqueio e a política hostil e agressiva dos Estados Unidos, apesar de não terem dado certo.
Mas o que o governo norte-americano quer mudar, não vai mudar. O governo de Cuba continuará sendo "o governo do povo, pelo povo e para o povo". Nossas eleições jamais serão leilões. Não haverá campanhas eleitorais de US$ 4 bilhões nem um Parlamento com 13% de apoio dos eleitores. Não teremos elites políticas corruptas afastadas do povo.
Continuaremos sendo uma democracia verdadeira e não uma plutocracia. Defenderemos o direito à informação veraz e objetiva.
Continuaremos conquistando "toda a justiça". Defenderemos a igualdade de oportunidades de cada criança e não abandonaremos ninguém. A saúde e a educação continuarão sendo universais e gratuitas. Garantiremos o direito ao trabalho e à aposentadoria digna e à previdência social.
Continuaremos recebendo o salário, segundo o trabalho realizado. Protegeremos a maternidade e os deficientes físicos. O ser humano continuará sendo o primeiro e mais importante. Defenderemos nossa cultura.
Continuaremos acreditando nos valores humanos. Será garantido o exercício dos direitos humanos para todos os cubanos.
A economia deverá ser eficiente, mas continuará a serviço do homem. A vida da gente é e será mais importante que as estatísticas macroeconômicas. As políticas econômicas continuarão sendo consultadas com o povo. As consequências da crise econômica global nos atingirão a nós todos.
Continuaremos redistribuindo a riqueza para que não haja ricos nem pobres. Não admitiremos a corrupção, a especulação, nem tiraremos o dinheiro dos trabalhadores para salvarmos os bancos.
Vamos procurar manter a participação de companhias estrangeiras em nossa economia, sem exclusão alguma.
Senhor presidente:

Seria bom rever o que divulgou recentemente a Wikileaks sobre o trabalho do Departamento de Estado e das embaixadas norte-americanas em todos os países, para obstaculizar as relações políticas, diplomáticas, econômicas, comerciais e de cooperação de Cuba. As informações que revelam preocupação, interesse e acosso ao trabalho humanitário das brigadas médicas cubanas, que prestam seu nobre e desinteresseiro serviço a milhões de pessoas em dezenas de povos irmãos, são vergonhosas por seu conteúdo.
Os laços familiares e o restrito intercâmbio cultural, acadêmico, científico existentes entre os Estados Unidos e Cuba, demonstram hoje o positiva que seria a ampliação desses vínculos em benefício de ambos os povos, sem os empecilhos e condicionamentos impostos por Washington. A proposta de Cuba para avançar na normalização das relações e ampliar a cooperação bilateral em diversos setores ainda está vigente. Da mesma maneira, manteríamos como interesse comum a solução recíproca de assuntos humanitários pendentes.
Por que o governo do presidente Obama não atende melhor aos problemas dos Estados Unidos e nos deixa a nós, os cubanos, resolvermos os nossos em paz e tranquilos?
Um dos Cinco lutadores cubanos contra o terrorismo cumpriu recentemente os 13 anos de sua injusta pena, mas é proibido de voltar a Cuba e se reunir com sua família, enquanto os outros quatro permanecem sob cruel e injusta prisão política. A grosseira corrupção do processo legal e a conduta ilegal do governo em relação a este são bem conhecidas e foram bem documentadas. Por que não são libertados num ato de justiça, ou ao menos, humanitário?
Sr. Presidente:

Devo transmitir a profunda gratidão do povo de Cuba a todos os países que, durante 20 anos, expressaram, com sua voz e voto, a necessidade de pôr fim às sanções unilaterais mais injustas e longas da história, que tanto prejudicaram milhões de cubanos.
Em nome de Domínguez Díaz (16 anos), Ivis Palacio Terry (18 anos), Randy Barroso Torres (17 anos) e Adrián Izquierdo Cabrera (12 anos), que sofreram cirurgias conservadoras e passaram meses em seus leitos com gessos, por não se disporem de próteses extensíveis pediátricas (endopróteses tumorais extensoras), que são produzidas nos Estados Unidos ou sob suas patentes, e de Maria Amelia Alonso Valdés (2 anos), Damián Hernández Valdés (4 anos) e Dayán Romayena Lorente (12 anos), que sofrem de tumores do sistema nervoso central e precisam de tratamento com Temodal, que é norte-americano e está protegido por sua patente;
Em nome de meu povo abnegado, generoso, otimista e heroico, e para bem da comunidade de nações e do "equilíbrio do mundo", peço-lhes apoiar o projeto de resolução L.4, intitulado: "Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América a Cuba".
Muito obrigado.
Exibições: 5
Tags:
José Safrany FilhoComentário de José Safrany Filho
Além das guerras genocidas por conquistas  dos povos e suas riquezas, existe algo mais odioso do que privar um povo, um país, suas crianças, ansiãos e a população de receber fármacos, próteses, aparelhos para deficientes e até alimentos como o que faz os Estados Unidos da América contra Cuba? O mais longo bloqueio imposto por um país a outro de que se tenha conhecimento na História da Humanidade, mais de 50 anos. E bloqueio que atinge terceiros países, proibindo-lhes de vender, por exemplo, tomógrafos, aparelhos de ressonância magnética e outros epecializados como os que a alemã Philips e outras já haviam confirmado, conforme transações semelhantes anteriores? Guerra bacteriológica, com avião tido como comercial, abusando da liberalidade de Cuba deixar usar seu espaço aéreo, flagrado despejando bactérias para contaminar plantações e até as pessoas. E isso já havia ocorrido às centenas antes. Sequestros de pescadores em águas internacionais, provocações e tiros com vítimas fatais do lado cubano, a partir da base de Guantânamo, na parte ocupada indevidamente e pela força do império ianque: foram centenas de violações, além das violações de espaço aéreo e marítimo, além da fracassada invasão na Baía dos Porcos ou Playa Girón para os cubanos, em 1961, conforme ordem confessada pelo então presidente Kennedy. Imperdir cidadões estadunidenses de viajar a Cuba, sob qualquer pretexto, sob pena de prisão e/ou altíssimas multas e confisco de bens. Manutenção presos os 5 cubanos antiterroristas que fizeram um trabalho de prevenção a novos atentados a partir de bases nos Estados Unidos por terroristas das máfias cubano-ianques lá encrustadas há décadas e que fustigam, sem cessar, com o beneplácito e até financiamento oficial do governo do país. Ao mesmo tempo manteve e mantém livre mega terroristas confessos como Orlando Bosh (já falecido) e Posada Carriles, este responsável, entre outros crimes hediondos, pela derrubada de um avião cubano, em 1976, que regressava com 73 pessoas a bordo, maioria de jovens que voltavam de participar de jogos em Barbados. Guerra midiática 24 horas por dia, todos os dias do ano, através de inúmeras rádios e estação de TV, incitando o povo ao boicote e abandono do país, oferecendo prêmios, empregos e vistos permanentes, o que é negado a qualquer outro imigrante (ao contrário, são perseguidos estes, presos, torturados, quando não mortos). A declaração do chanceler deixa claro o prejuízo que causou e continua causando o bloqueio ao país.
Quando será que a administração dos Estados Unidos da América levarão, finalmente, este país entrar na verdadeira Civilização???