Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 23 de julho de 2011

EM NOME DO ESPÍRITO SANTO BRASILEIRO! - Olha o golpe

EM NOME DO ESPÍRITO SANTO BRASILEIRO!

Ainda ontem me enviaram uma cópia dessa convocação que anda circulando por aí, para uma paralisação nacional um dia desses.



Vira e mexe recebo dessas e vou as ruas todo animado em busca de diversão, mas não encontro nada nem ninguém. Sequer os que distribuem as convocatórias.



Fala-se em buzinaço, panelaço e outros tantos, mas o mais que escuto são os “me dê licença que tô com pressa” do trânsito cotidiano. Perguntei a uma amiga que jurou que participaria da última convocação, se conseguira moer com as panelas velhas da casa. Disse que aproveitando as ofertas tinha trocado recente a baixela e usou colher de pau em cumbuca de madeira. Eu acreditando em sua disposição, ou indisposição, e ela só tirando uma com a minha cara.



Mas a melhor convocação que já me enviaram foi esta de ontem, de umas vizinhas sempre indignadas com o governo de um “apedeuta”. E não adianta tentar ensinar a essa gente que o adjetivo é de dois gêneros, pois assumem com tanta convicção o que consideram enorme defeito do ex presidente que agora serão capazes de dizer que temos o governo de uma “apedeuto”. Irredutíveis!



Da língua portuguesa podem entender pouco, mas essas minhas vizinhas me revelaram que além de Deus, o Espírito Santo também é brasileiro! Pois vejam lá como se inicia a convocatória que ajudam a distribuir pela internet: “Estamos vivendo talvez a melhor oportunidade de nos tornarmos uma grande nação.”



Daí pra frente falam da necessidade de se pressionar o governo para a reforma política, do judiciário, fiscal, tributária e todas aquelas que ao longo de seu governo o Presidente Lula enviou projetos ao Congresso, mas os candidatos eleitos por essas vizinhas sempre fizeram questão de trancar. Só agora que com esse novo Congresso isso tudo tem pinta de vir acontecer, é que minhas vizinhas resolveram bater lata. Mas sempre é hora pra se começar a coçar e lhes dou a maior força.



Dou força embora usem a estupidez do auxílio-reclusão comparando-o com o valor do salário mínimo, sugerindo que todo presidiário é pago para ficar na cadeia. Não sabem que em qualquer país do mundo civilizado, filhos e dependentes de criminosos são considerados inocentes. Tão pouco sabem que há um teto máximo para o pagamento do auxílio, independentemente de quanto tenha contribuído o trabalhador.



Ignoram que o recluso não recebe coisa alguma, e somente seus dependentes têm direito ao benefício se o apenado for contribuinte do sistema previdenciário e se o familiar responsável pelo recebimento comprovar a continuidade da contribuição mensal.



Mas se ignoram tudo isso, minhas vizinhas ao menos sabem que: “Estamos vivendo talvez a melhor oportunidade de nos tornarmos uma grande nação.”



Se até elas sabem disso e ainda assim continuam, como sempre fizeram, apontando a atual linha de governo como “a mais corrupta da história do país”, afora “o apedeuta”, ou “a apedeuto”, com que milagre saímos de país de mais alto risco econômico do mundo e chegamos “a melhor oportunidade de nos tornarmos uma grande nação.”?



Entendo bem pouco de providências divinas, mas logo se me aparentou heresia considerar que por ser brasileiro o bom Deus, com tamanhas responsabilidades cósmicas por bilhões de galáxias, se desse ao desfrute de mexer seus pausinhos só pro Brasil, enfim, ficar bem na fita em meio às falências das mais sólidas economias deste mundo capitalista. Além de que, convenhamos: ainda que brasileiro até a década passada Deus nunca se demonstrou muito patriota.



Aí, conforme fiz notar às vizinhas, através das minhas parcas informações sobre a Santíssima Trindade pude chegar sozinho à uma conclusão. Decididamente foi o Espírito Santo!



Só pode ter sido o Espírito Santo, pois ainda outro dia o companheiro Plínio de Arruda Sampaio acusou o governo por basear todo o sucesso da economia brasileira em “commoditeis” (tal como agora é chamado o antigo “produto primário”) e com isso pautou toda a mídia. Até o Carlos Augusto Sardenberg teve de preparar às pressas aqueles seus graficozinhos para demonstrar que os “commoditeis” são a salvação da lavoura e a Mirian Leitão já evocou praga na soja para uma irreversível falência brasileira. A Miriam só faltou babar, se é que não o fez fora das câmeras.



Tudo gente de pouca fé e religião. Commoditeis coisa alguma! É conforme revelaram as minhas vizinhas e o Miguel do Rosário, do Blog Óleo do Diabo (eita embate esotérico!), comprova no gráfico abaixo mostrando que desde 2003 o Espírito Santo emprenhou o Brasil!



http://4.bp.blogspot.com/-ld4mk25vLZQ/TihqYrBLMKI/AAAAAAAAF5I/1ef7H2C12oI/s1600/export_manufaturados.JPG

Raul Longo

Apto - janela5.jpe

Pouso da Poesia

um encanto da Ilha da Magia

pousopoesia@ig.com.br

www.sambaqui.com.br/pousodapoesia

(048) 3206 - 0047

Ponta do Sambaqui, 2826

88.051-001 - Florianópolis/SC

CHAME O LADRÃO!


"Acorda amor
Eu tive um pesadelo agora
Sonhei que tinha gente lá fora
Batendo no portão, que aflição
Era a dura, numa muito escura viatura
Minha nossa, santa criatura
Chame, chame, chame lá
Chame, chame o ladrão, chame o ladrão"

Alvo preferencial das tesouras da ditadura militar, o sempre criativo Chico Buarque bolou em 1974 um estratagema para suas composições não serem obsessivamente dissecadas pelos censores, sempre à procura de pêlo em ovo: passou a enviá-las às  donas solanges  da vida com a assinatura inventada de Julinho da Adelaide.

A artimanha deu tão certo que até uma entrevista do tal Julinho foi publicada na Última Hora, conforme se vê aqui.

É óbvio que o segredo não duraria muito. Mas, permitiu que se tornassem bem conhecidas "Jorge Maravilha" ("E como já dizia Jorge Maravilha/ Prenhe de razão/ Mais vale uma filha na mão/ Do que dois pais voando") e "Acorda Amor".

Esta última é uma limonada feita com o limão do pesadelo que assombrava a todos nós, opositores do arbítrio: o da campainha soando no meio da noite, para anunciar que iríamos ser sequestrados, torturados, mortos.

[Dois anos depois de sair das prisões militares, fui despertado em plena madrugada por alguém que dizia estar procurando uma determinada família. Alegou saber a posição do apartamento mas não o andar, de forma que, começando pelo 21º, estaria acordando os moradores dos apês de final 3, um após outro. Nunca soube se era verdade ou, o mais provável, uma verificação policial. Mas, ao abrir a porta já me preparava para o pior. E depois não consegui pregar o olho...]

Peruas Veraneios com chapas 'frias' eram
a marca registrada dos órgãos de repressão
Chico/Julinho fez humor em cima do horror, ao destacar a inversão de valores: a polícia transformada em ameaça e o ladrão, em defensor.

Foi o que me acorreu, ao ler que as duas principais associações de juízes brasileiros saíram em defesa de José Antonio Dias Toffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal que ausentou-se de uma sessão de julgamento para viajar à ilha de Capri, na Itália, onde participou da nababesca festa de casamento de um grande advogado.

Ou seja: para ambas, nada existe de errado em faltar no trabalho por motivo banal e em, possivelmente, ter suas despesas de hospedagem e deslocamentos bancadas por quem atua como criminalista em dois processos dos quais Toffoli é relator (o cabulador de julgamentos garantiu ter pagado do seu bolso as passagens aéreas, negando-se, entretanto, a falar sobre os demais custos -- mesma atitude do anfitrião Roberto Podval).

"Os casos de suspeição previstos em lei são referentes apenas a relação de amizade íntima ou inimizade capital entre o magistrado e a parte e jamais em relação ao advogado", afirmou, em nota, o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Gabriel Wedy, esquecendo-se de discorrer sobre os casos de suspeição previstos na ética.

"O caso não tem essa gravidade. Juízes, promotores e advogados convivem a vida toda", disse Nelson Calandra, da Associação dos Magistrados Brasileiros, repetindo a ladainha dos políticos acusados de corrupção: "todo mundo faz igual". 

Trabalhando em comunicação empresarial, eu cheguei a editar o jornal que uma multinacional farmacêutica enviava aos médicos. O sucesso da linha de produtos da empresa  dependia inteiramente que os doutores os indicassem a seus pacientes. Daí os frequentes convites para que os discípulos de Hipócrates (ou não passariam de  hipócritas?) curtissem agradáveis fins de semana em cruzeiros marítimos, com todas as despesas pagas.

Eu era obrigado a noticiar com destaque e muitas fotos tal absurdo, para despertar nos não convidados a vontade de fazerem por merecer o convite na vez seguinte. E as associações de médicos também nada viam de errado em tal prática.

Chame, chame o ladrão, chame o ladrão!

SOBRE O MESMO ASSUNTO, LEIA TAMBÉM:
A GRANDE ESPERANÇA BRANCA 

quinta-feira, 21 de julho de 2011

JOBIM E AS FRONTEIRAS

JOBIM E AS FRONTEIRAS


Laerte Braga


A presidente Dilma Roussef mostra claro repúdio à corrupção no Ministério dos Transportes. A reação dos dirigentes do PR (na verdade PP – PARTIDO DOS PASTORES) ameaçando retaliações na base aliada dá o tamanho das dificuldades de qualquer governo que se pretenda do centro para a esquerda (mas só do que se pretenda) em se tratando de Poder Legislativo. A “necessidade” de coalizações com bandidos do PR...

... E do PMDB. Se Dilma mostra força contra a corrupção o mesmo tipo de atitude não existe em relação ao ministro e um dos “donos” do governo, Nelson Jobim. O ministro da Defesa (ligado ao Departamento de Estado dos EUA, funcionário de potência estrangeira) quer um estudo sobre as fronteiras do Brasil com a Colombia, a Bolívia e o Paraguai para dar início a um processo de instalação de base norte-americana em território brasileiro, dentro do esquema do PLANO COLÔMBIA.

Ou seja, o Brasil ocupado pelos norte-americanos, o mingau comido pelas beiradas. Jobim manda estudar as fronteiras com três países, opta por “combater o tráfico de drogas” numa área de 30 quilômetros comum a ação de militares brasileiros e colombianos – o alvo principal é a guerrilha – a dança de dois prá lá, dois prá cá, em breve militares dos EUA “combatendo” o tráfico em todos os cantos do País.

Há um consentimento e uma cumplicidade complicada das Forças Armadas brasileiras, ainda colonizadas e dominadas pelos norte-americanos a partir de sua cúpula.

O governo Dilma Roussef opta pelo pragmatismo, mesmo porque a corrupção no Ministério dos Transportes é como a corrupção em si conseqüência do modelo econômico, do capitalismo.

Ouço e leio sobre corruptos, mas não ouço e leio sobre os corruptores, no caso empresas, empreiteiras, todas elas com contratos polpudos com o governo. O que será feito? O esquema tucano de rever os contratos e trazer os custos para o mundo sem propinas e as empresas permanecem, ou seja, o câncer fica por lá, no cerne do organismo? Muda de lugar?

O PMDB tomou conta de Dilma, pior, o PMDB tucano. Jobim e o vice-presidente Michel Temer foram ministros de FHC. Têm claro comprometimento, principalmente Jobim, com potência estrangeira, defendem interesses alheios aos interesses nacionais, mas...

... Brigar com o PR é uma coisa, rende dividendo num governo fraco e sem comando (a presidente é tutelada por tanta gente que vai acabar zonza), o que não significa que corruptos não precisem e não devam ser afastados – se for por isso Jobim também é corrupto –, outra coisa é brigar com a quadrilha tucana que se abriga dentro do PMDB.

Aí, falta a coragem de enfrentar os grandes bandidos. Fica nos pequenos.

O tal pragmatismo da presidente (tecnocracia de viseira absoluta) não passa de entreguismo e vai continuar a ser assim enquanto figuras como Jobim, Moreira Franco e outros corruptos continuarem a ditar ordens.

Tipo sentido, ordinário, marche. Marcha em direção a cair de joelhos diante de interesses militares e políticos de norte-americanos. Já planejam a entrega da PETROBRAS para mais a frente.

O PT? Existe ainda como partido de esquerda? Que esquerda? Desde quando peleguismo virou esquerda? Exceto os que teimam em sobreviver e perseguir a história do partido. São muitos na base e militantes antigos, o resto se abriga e aninha atrás de mesas com telefone, secretária, clips, carimbo e placa de autoridade em qualquer coisa, tudo no largo espectro do Estado. Chapa branca da cúpula de “consultores”.

A manobra de um político com experiência em trair seu país, em aceitar trabalhar para potência estrangeira, vender mesmo é típico dele desde quando se declarou “líder do governo no STF – era pré Gilmar Mendes – no processo de privatização, entre eles o da VALE com largo destaque.

Jobim é um tumor cuja única alternativa ao governo Dilma é cortar. Caso contrário se espalha por todo o organismo governamental e isso está acontecendo.

O governo colombiano, sistematicamente desde antanhos, é condenado por organizações internacionais de direitos humanos por crimes hediondos, contra a humanidade e por ligações com o tráfico de drogas.

Os verdadeiros chefes dos cartéis de drogas não estão instalados nas favelas (onde a maioria esmagadora das pessoas é decente e não tem parceria com o governador Sérgio Cabral, outro pilantra do PMDB, nem com o escritório de sua ex para legalizar casas padrão Luciano Huck ilegais), nem passando com vídeos amadores nas barbas da Polícia Federal, do Exército, dos fiscais da Receita na fronteira com o Paraguai, na ponte da Amizade.

Estão no governo colombiano, até o Departamento de Combate ao Tráfico dos EUA já denunciou esse fato, mas preferiram ignorá-lo, transformar a verdade em biombo, o trafico de drogas, para a ocupação militar de países da América do Sul pelos norte-americanos. Controle do petróleo, da água e do nióbio entre outros minerais.

E não foi por outra razão que Jobim disse no aniversário de FHC que estavam cercados de “idiotas”. À época se cobrou do ministro uma explicação sobre o sentido que queria emprestar à palavra.

É bem possível que na lista de tais esteja a presidente. Ou então cegueira absoluta. Não enxerga um palmo adiante do nariz.

O tal estudo que Jobim encomendou se presta à entrega de território brasileiro a militares norte-americanos com esse pretexto, o combate ao tráfico de drogas. E o fez ao Itamaraty de onde Dilma afastou – do comando – tanto o chanceler Celso Amorim, como o ministro e embaixador Samuel Pinheiro Guimarães.

Documentos revelados pelo WIKILEAKS mostram Jobim de joelhos diante do embaixador dos EUA dizendo que tanto Amorim, como Samuel Pinheiro Guimarães eram anti-norte-americanos e, logo, “obstáculos” à recolonização do Brasil. Agora a sede é em Washington, não mais em Lisboa.

Brigar com bandidos de baixo coturno do PR é uma coisa. Brigar com bandidos de alto coturno do PMDB/tucano é outra coisa. E aí está faltando presidente, sobrando fracasso e falta de rumo.

Vem aí mudança na grade curricular. Sai o português, ou vira facultativo, entra a nova língua mater, o inglês. Jobim dá a aula inaugural com ampla cobertura da GLOBO. Anthony Patriot e Moreira Franco ficam na primeira fila batendo palmas.

É sopa de pedra ao qual acrescentam o latifúndio, indispensável a esse processo de entrega.

Racine, amigo dos artistas - Portal Vermelho

Racine, amigo dos artistas - Portal Vermelho

Racine, amigo dos artistas

Urariano Mota *


Lembro de um domingo de carnaval em que Racine, médico famoso e violonista do Recife, juntou a melhor e maior gangue de violões para confraternizar com Luís Nassif. Fomos todos recebidos como príncipes na casa de Racine, um apartamento amplo, que para a minha ignorância eram três: o de baixo, o de cima e o mais alto, com direito a piscina. Lá, no piso de cima, entre uísques muitos, que eu vi os outros beberem, que eu vi até onde pude vê-los, aconteceram coisas inacreditáveis. Entre as muitas, estava Geraldo Azevedo, acompanhado por sua linda filha, calado e em silêncio por mais de duas horas, esperando a vez de tocar. Eu bebia e perguntava à minha mulher: “aquele é mesmo Geraldo Azevedo?” Ela me respondia: “Fale baixo. Você não pode beber, que inconveniência”. Mas era mesmo Geraldo, podemos ver, que na sua vez deu um show imperdível, gratuito, de pura camaradagem, a cantar a Menina do Lido, Dia Branco, Quando fevereiro chegar...

Em outro lugar estava Samir Abou Hana, apresentador de rádio e televisão, louco para cantar Nelson Gonçalves, o que lhe foi afinal concedido, porque a casa é democrática. Mas o mais espantoso não era Samir cantando Nelson à sua maneira de cantar, rouco e sentido. O espantoso era um senhor que, a seu lado, ficava a lhe soprar os versos, enquanto Samir esticava com voz de baixo, sem extensão, coitado, mas esticava a frase, à espera do que o ponto de teatro lhe soprasse. Quem seria o bom homem que cobria os vagos de memória de Samir? Nada mais, nada menos que Doutor Agrimar, dono de laboratórios de imagens em Pernambuco.

Em outro ponto, em outro lugar estava Lalão, a andar impaciente pela grande sala, com um cigarro no bico, com seu físico nada suave de atleta estivador do cais. Eu lhe perguntei, pois eu estava muito inconveniente: “Vai tocar, Lalão?”. E ele: “Se me chamarem, eu vou”. E seus dedos de tarado por cordas agitavam-se. Então fui ao dono da casa e, com a maior das inconveniências, interrompendo-o no solo de violão que ele fazia como poucos, eu lhe murmurei que Lalão queria tocar. “Ah, certo”, ele respondeu. E, com superior educação, acabou o seu número e cedeu o próprio lugar para o estivador mais sublime do Recife. Para quê? Vocês conhecem a lenda do Uirapuru? Se conhecem, podem imaginar: Lalão, quando toca, toda a constelação de violonistas silencia a ouvi-lo. Na verdade, ouvi-los: porque ele dá um concerto de violonistas, sola e se acompanha ao mesmo tempo com uma velocidade e profusão de acordes tamanhos, que só sabemos existir um só violão porque estamos vendo-o. Ou vendo-os.

No fim, lá pro fim da noite, apareceram Marco César e Henrique Annes, e na sala de poucos resistentes ficaram a dialogar entre cordas, como se fossem meninos grandes com seus brinquedos favoritos, ou como adultos em comunhão a se confidenciarem histórias que antes não sabíamos. Que espetáculo! Henrique, o maior nome do violão hoje em Pernambuco, num brevíssimo intervalo olhava para um lado, para o outro, para saber se a sua mulher havia saído. Confirmado, bebia rápido, à caubói, uma dose larga de uísque. E com a garganta assim temperada, falava em voz alta: “Eu não posso beber, por causa do remédio”. Isso com a cara mais séria e pura de menino do Brasil. Quem não virava cúmplice?

No fim da noite, a voltar para casa ainda em estado de êxtase, a repassar todas as minhas inconveniências, senti que a maior eu não fizera. Por que Racine é tão amado pelos músicos do Recife? Por que ele é a ponte para excelentes músicos da cidade? Será que é pela recepção, pela mesa farta e sem medidas, que ele tem um prazer imenso em dividir? Talvez, mas só um pouquinho. Ou melhor, não. Ali estavam músicos que não precisavam estar, tocando de graça, quando poderiam ficar em descanso em casa até o próximo show. Então por quê? Seria porque Racine, otorrino de renome, atende a preço módico ou a preço nenhum os artistas, porque é do ramo e sabe que arte e grana nunca rimam nem se encontram? Talvez, mas só um pouquinho. Ou será, de modo mais simples, porque os artistas do Recife sabem que têm nele um igual, um amigo, para todas as horas, grandes e pequenas, boas e tristes ? Penso que é isso. Penso, mas não tenho a certeza.

Estou até hoje sem saber. Como me arrependo de não ter sido mais inconveniente. Na próxima vez, juro que ele não me escapa.
* Autor de “Os Corações Futuristas” e de “Soledad no Recife”, que recria os últimos dias de Soledad Barrett, mulher do Cabo Anselmo, executada por Fleury com o auxílio do traidor.

O “complexo Deus” da modernidade

O “complexo Deus” da modernidade

O “complexo Deus” da modernidade

“Com as armas atômicas, biológicas e químicas construídas, nos demos conta de que não precisamos de Deus para concretizar o Apocalipse”

A crise atual não é apenas de escassez crescente de recursos e de serviços naturais. É fundamentalmente a crise de um tipo de civilização que colocou o ser humano como “senhor e dono” da natureza (Descartes). Esta, para ele, é sem espírito e sem propósito e, por isso, ele pode fazer com ela o que quiser.

Segundo o fundador do paradigma moderno da tecnociência, Francis Bacon, cabe ao ser humano torturá-la, como o fazem os esbirros da Inquisição, até que ela entregue todos os seus segredos. Dessa atitude derivou uma relação de agressão e de verdadeira guerra contra a natureza selvagem que devia ser dominada e “civilizada”. Surgiu também a projeção arrogante do ser humano como o “Deus” que tudo domina e organiza .

Devemos reconhecer que o Cristianismo ajudou a legitimar e a reforçar essa compreensão. O Gênesis diz claramente: “Enchei a Terra e sujeitai-a e dominai sobre tudo o que vive e se move sobre ela”(1,28). Depois se afirma que o ser humano foi feito “à imagem e semelhança de Deus”(Gn 1,26). O sentido bíblico desta expressão é: o ser humano é lugar-tenente de Deus e como Este é o senhor do universo, o ser humano é senhor da Terra. Ele goza de uma dignidade que é só dele, o de estar acima dos demais seres. Daí se gerou o antropocentrismo, uma das causas da crise ecológica. Por fim, o estrito monoteísmo retirou o caráter sagrado de todas as coisas e o concentrou só em Deus. O mundo, não possuindo nada de sagrado, não precisa ser respeitado. Podemos moldá-lo ao nosso bel-prazer. A moderna civilização da tecnociência encheu todos os espaços com seus aparatos e pôde penetrar no coração da matéria, da vida e do universo. Tudo vinha envolto pela aura do “progresso”, uma espécie de resgate do paraiso das delícias, outrora perdido, mas agora reconstruído e oferecido a todos.

Essa visão gloriosa começou a ruir no século XX com as duas guerras mundiais e outras coloniais que vitimaram duzentos milhões de pessoas. Quando se perpetrou o maior ato terrorista da história, as bombas atômicas lançadas sobre o Japão pelo exército norte-americano, que matou milhares de pessoas e devastou a natureza, a humanidade levou um susto do qual não se refez até hoje. Com as armas atômicas, biológicas e químicas construídas depois, nos demos conta de que não precisamos de Deus para concretizar o Apocalipse.

Não somos Deus, e querer ser “Deus” nos leva à loucura. A idéia do homem como “Deus” se transformou num pesadelo. Mas ele se esconde ainda atrás do “tina” (“there is no alternative”) neoliberal: “Não há alternativa, este mundo é definitivo”. Ridículo. Demo-nos conta de que “o saber como poder”(Bacon), quando feito sem consciência e sem limites éticos, pode nos autodestruir. Que poder temos sobre a natureza? Quem domina um tsunami? Quem controla o vulcão chileno Puyehe? Quem freia a fúria das enchentes nas cidades serranas do Rio? Quem impede o efeito letal das partículas atômicas do urânio, do césio e de outras liberadas, pelas catástrofes de Chernobyl e de Fukushima? Como disse Heidegger em sua última entrevista ao Der Spiegel: “Só um Deus nos poderá salvar”.

Temos que nos aceitar como simples criaturas junto com todas as demais da comunidade de vida. Temos a mesma origem comum: o pó da Terra. Não somos a coroa da criação, mas um elo da correnta da vida, com uma diferença, a de sermos conscientes e com a missão de “guardar e de cuidar do jardim do Eden”(Gn 2,15), quer dizer, de manter a condições de sustentabilidade de todos os ecossistemas que compõem a Terra.

Se partimos da Bíblia para legitimar a dominação da Terra, temos que voltar a ela para aprender a respeitá-la e a cuidá-la. A Terra gerou a todos. Deus ordenou: “Que a Terra produza seres vivos, segundo sua espécie”(Gn 1,24). Ela, portanto, não é inerte, é geradora e é mãe. A aliança de Deus não é apenas com os seres humanos. Depois do tsunami do dilúvio, Deus refez a aliança “com a nossa descendência e com todos os seres vivos”(Gn 9,10). Sem eles, somos uma familia desfalcada.

A história mostra que a arrogância de “ser Deus”, sem nunca poder sê-lo, só nos traz desgraças. Baste-nos ser simples criaturas com a missão de cuidar e respeitar a Mãe Terra.

Exemplo Codigo Florestal e Rodovia do Contorno: A COMPRA Imoral das Multinacionais de POLITICOS brasileiros.

Exemplo Codigo Florestal e Rodovia do Contorno: A COMPRA Imoral das Multinacionais de POLITICOS brasileiros.


 Sobre o Código Florestal, Como Foi votado e Porque foi votado . ELES GANHARAM PARA ISTO:

ATENÇÃO para as 'revelações do Codigo Florestal : https://centrodeestudosamb​ientais.wordpress.com/2010​/11/18/ex-aracruzatual-fib​ria-e-arcelor-financiaram-​33-candidatos-nas-eleicoes​-deste-ano/, e a serie de reportagens elucidativas:
https://centrodeestudosamb​ientais.wordpress.com/2011​/05/04/deputados-que-aprov​aram-novo-codigo-florestal​-receberam-doacao-de-empre​sas-desmatadoras-2/ ,

 Em falso pudor, acostumado a impunidade  e ainda a inércia do POVO, Ricardo Ferraço diz não ter RECEBIDO nada de empresa construtora que ganhou uma super licitação para a Rodovia do CONTORNO. Em nome de um 'progresso', eles  oprimem e roubam o POVO. basta né?

Abaixo doc. que desmascara Ricardo, o senador mentiroso

Arquivo Seculo Diario http://www.seculodiario.com.br/exibir_not.asp?id=14612
SOBRE O PROGRESSO que privilegia aos opressores. Desmentindo Ricardo Ferraço
e mais estes financiadores: o PROGRESSO da Estarda do Contorno na mão dos financiados de campanha: https://centrodeestudosamb​ientais.wordpress.com/2010​/11/18/ex-aracruzatual-fib​ria-e-arcelor-financiaram-​33-candidatos-nas-eleicoes​-deste-ano/,
Falando de Financiadores e financiados. 
Caixa dois de Furnas a políticos do ES- campanha 2002 



  DOCUMENTAÇÃO COMPLETA sobre FURNAS e a compra de Políticos no Brasil: http://oblogdoabelha.blogspot.com/2011/02/furnas-e-o-fim-do-fisiologismo-pregado.html
 
 
Quem vai pagar por Isto?
 





Os oito últimos anos do 'senador camata' e a quem ele serviu. Quem poderá falar que ele é 'traidor?'
In Movimento Pró ES · Atualizado há ± 1 hora · Tiradas em ES · Editar álbum

terça-feira, 19 de julho de 2011

Agenda para um espanhol indignado

9/07/2011

Agenda para um espanhol indignado

 

O correspondente do jornal espanhol El País no Brasil não se conforma. Diz que não entende como aqui não há um movimento dos jovens indignados, como no seu país. Com tanta corrupção, diz ele, certamente leitor assíduo da velha mídia e menos da realidade concreta. Palocci, Ministério dos Transportes, processo do mensalão. Onde está a juventude brasileira? Perdeu a capacidade de se indignar? Está corrompida? Está envelhecida? Não tem os valores morais da juventude do velho continente?

Ele se indigna no lugar da nossa juventude, com um país carcomido pelos hábitos corruptores da velha politica populista e patrimonialista. Aderiu ao Cansei.

Dá pena. Ele não entende nem o nosso país, nem o dele. Acha que os jovens se indignam com a corrupção, na forma que a velha mídia a trata, como mercadoria de denúncia contra o Estado, a política, os governos, etc. etc.

Se comparasse a situação do seu país e do nosso poderia entender bem um ou até mesmo os dois países. Sugerimos uma agenda para sua visão obnubilada.

Por que não compara a popularidade do Zapatero com a do Lula? Por que será que um é enxotado – até mesmo por editorial do seu jornal, chegado ao PSOE, que diz que se ele quer fazer algo de vem pra Espanha, deve ir embora imediatamente – e o outro saiu do governo com 87% de popularidade e 4% de rejeição, mesmo tendo toda a mídia contra? O que é indignante: ter Zapatero como dirigente máximo do país ou a Lula?

Não lhe indigna saber que o seu país, que foi colonizador, se apropriando das riquezas produzidas pelos escravos neste país, que continua a explorar mediante os grandes bancos, petroleiras, companhias de telecomunicação a este continente, se encontra, há já quase 4 anos em crise. Enquanto nós, explorados, dominados, submetidos aos organismos internacionais que vocês apoiam, saímos a quase três anos da crise. Não lhe indigna isso?

Não lhe indigna que aqui todos os imigrantes podem se legalizar e ser tratados com igualdade de direitos, enquanto no seu país semanalmente chegam embarcações com centenas de pessoas provenientes da África – que vocês ajudaram a espoliar -, vários deles já mortos, e são presos e devolvidos a seu continente de origem, tratados como seres inferiores, rejeitados, humilhados e ofendidos?

Não lhe indigna que aqui, com muito menor quantidade de recursos, estamos próximos do pleno emprego, enquanto no seu país o desemprego bate recordes, chega a praticamente 50% para os jovens? Em condições que as elites ricas esbanjam dinheiro pelo mundo afora? Não lhe indigna isso?

Daria para continuar falando muito mais. Se lhe indignassem essas coisas, teria saído com os jovens espanhóis que continuam a ocupar ruas e praças, indignados, eles sim, com tudo isso que passa no seu país. Eles defendem os imigrantes, os desempregados, todos vítimas principais do governo que seu jornal apoiou até ontem.

Não lhe indigna que Lula seja um líder mundial, que vá à África propor medidas de luta contra a fome, enquanto o seu país rejeita os africanos e continua a explorar os recursos daquele continente?

Creio que, no fundo, o que indigna ao jornalista espanhol é que seu país perdeu a competição para sediar os Jogos Olímpicos, derrota com que não se conforma, então tenta desvalorizar o Rio e o Brasil, com denúncias reiteradas e multiplicadas sobre problemas de insegurança pública, de atraso nas obras da Copa e das Olimpíadas.

O que indigna é sua incapacidade de não compreender nem o seu país, nem o país sobre o qual ele deveria fazer cobertura que permitisse que os leitores compreendessem o Brasil. Mas ele não compreende sequer o seu país, como vai compreender o nosso?

É indignante realmente. Estivesse na Espanha, estaria com os jovens indignados, contra um governo como o que tem eles, com uma mídia como a que tem eles.
.
Postado por Emir Sader às 17:59

QUERO UMA DITADURA DESTA NO BRASIL? Cuba entregou cerca de 70% Dde terras ociosas aos agricultores |


correiodobrasil.com.br
HAVANA, 19 JUL (ANSA) – O governo de Cuba entregou a moradores da zona rural da ilha 67,7% das terras estatais que estavam ociosas desde 2007 para estimular a produção nacional de alimentos e reduzir a dependência de importações de produtos primários. Apenas no primeiro semestre deste ano, houve

segunda-feira, 18 de julho de 2011

COMO ELE ( el rei) é cara de pau.

18/07/2011

Ao se aproximar do PSDB, Hartung
mexe mais uma vez no tabuleiro de 2012


Renata Oliveira
Foto capa: Arquivo SD

O jornal A Tribuna desse domingo (17) ventila uma ideia que teria sido dada pelo ex-governador Paulo Hartung, de juntar três pré-candidatos à prefeitura de Vitória. A história seve a algumas leituras do mercado político, todas mexendo no tabuleiro eleitoral da Capital para o próximo ano e com reflexos no processo de 2014.
A primeira delas é em relação ao PSDB. O presidente regional do partido e deputado federal Cesar Colnago, um dos nomes colocados pelos tucanos, vem afirmando que disputará a eleição quem estiver em melhor condições no próximo ano, colocando seu próprio nome, o do ex-prefeito da cidade, Luiz Paulo Vellozo Lucas e, ainda, a ex-deputada federal Rita Camata.
Ao interferir no processo, Hartung já aponta a escolha por Cesar Colnago, que foi seu líder de governo na Assembleia Legislativa e tem histórico de ligação com ele desde a prefeitura de Vitória. Ou seja, Hartung estaria reativando antigos aliados.
O problema é que nos oito anos de seu governo o PSDB capixaba passou por um profundo processo de desidratação que culminou com um desempenho ruim na eleição do ano passado, à exceção de Colnago, que se elegeu para a Câmara dos Deputados.
Além disso, Colnago está fora do arco de alianças de Renato Casagrande (PSB), já que o PSDB concorreu com ele em 2010 e o deputado assume uma posição de independência em relação ao governo do Estado. Hartung e Casagrande estariam disputando espaços de poder como preparação para a disputa de 2014.
Outra leitura que se faz é que, ao falar da união dos partidos (PMDB, PSDB e PPS), o governador estaria dando um recado ao próprio PMDB, de que este pode apoiar um nome de fora, ou seja, se ele não disputar, o partido pode apoiar Colnago.
O deputado estadual Luciano Rezende (PPS) também tem pré-candidatura colocada, mas neste esquema estruturado por Hartung o nome de Colnago seria mais apropriado por conta da dicotomia nacional entre PSDB e PT, ou seja, Colnago teria mais condições de disputar com a candidatura petista da ministra de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes. Hartung poderia incentivar a rivalidade entre os dois partidos e não entrar no pleito, já que o sistema hoje colocado não favorece a existência de uma candidatura única, prática que sempre defendeu em suas campanhas.

Repórter que denunciou ‘grampos’ em jornais de Murdoch aparece morto

Repórter que denunciou ‘grampos’ em jornais de Murdoch aparece morto



News of the World
Hoare trabalhou nos jornais de Murdoch, entre eles oNews of the World
O jornalista Sean Hoare, primeiro a denunciar o escândalo dos ‘grampos’ que levou ao fechamento o jornal centenário News of The World, na Inglaterra, foi encontrado morto nesta segunda-feira, nesta capital. Ex-repórter de entretenimento do tabloide britânico News of the World, Hoare foi o primeiro jornalista a denunciar o ex-assessor de imprensa do primeiro-ministro britânico, Andy Coulson, que dirigiu o tabloide entre 2000 e janeiro de 2003 e estaria envolvido nas escutas ilegais.
Segundo noticiou o diário britânico The Guardian, Hoare foi encontrado em sua casa na cidade de Watford, a 32 km de Londres. Ele trabalhou nos jornais Sun e News of the World com Coulson, antes de ser demitido por problemas com álcool e drogas. A polícia local não confirmou a identidade do corpo, mas emitiu um comunicado dizendo que na manhã desta segunda, às 10h40 no horário local (6h40, em Brasília), os agentes receberam um chamado de vizinhos preocupados com o bem-estar de um morador.
Ao chegar ao endereço de Hoare, o corpo de um homem foi encontrado e este declarado morto na cena do crime, de acordo com o comunicado da polícia.
“A morte está sendo tratada como inexplicável, mas não significa que seja suspeita. Investigações da polícia sobre o incidente estão em andamento” afirma o comunicado.
Atividades ilegais
O jornalista denunciou ao jornal norte-americano The New York Times os casos de grampos de telefones dentro do News of the World. Ele disse que não só Coulson fez escutas, mas que ele encorajou ativamente seus funcionários a interceptar telefonemas de celebridades em busca de reportagens exclusivas. Em setembro do ano passado, Sean Hoare foi entrevistado pela polícia sobre suas afirmações de que o ex-chefe de comunicações do tabloide lhe pediu para invadir celulares quando foi editor do jornal.
Hoare voltou aos holofotes na semana passada, depois que ele disse ao NY Times que a repórteres no News of the World foram capazes de usar a tecnologia da polícia para localizar pessoas, em troca de propina. As implicações políticas do escândalo dos grampos do tabloide News of the World continuam a crescer, após a renúncia, neste domingo, do chefe da polícia metropolitana de Londres, Paul Stephenson.
Alto funcionário da Scotland Yard, John Yates, que negou a reabertura da investigação sobre o escândalo das escutas telefônicas em 2009, demitiu-se também nesta segunda-feira. O primeiro-ministro britânico, David Cameron, teve que encurtar sua viagem à África por conta do escândalo.
Fechamento
News International encerrou, na semana passada,  a história centenária do News of the World depois do agravamento de escândalo das escutas. Funcionários do jornal foram acusados de interceptara última década as ligações de até 4 mil pessoas, incluindo políticos, famosos e até uma menor assassinada e familiares de vítimas de atentados.
Os negócios do grupo englobam produtos para TV, cinema, jornais e publicidade. Entre suas mídias de maior destaque estão jornais britânicosThe Sun e The Times, o norte-americano Wall Street Journal e a rede de TV norte-americana Fox. Além do tabloide News of the World, também foi envolvido no escândalo dos grampos o jornal britânico The Sunday Times, acusado de tentar espionar o ex-primeiro-ministro Gordon Brown. Os diretores da publicação negam.

| | 0 comentários

Fenômeno de audiência em rede social italiana expõe os políticos

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Fenômeno de audiência em rede social italiana expõe os políticos

Fenômeno de audiência em rede social italiana expõe os políticos


Spider
Spider Truman usa a máscara que se tornou célebre nos protestos por toda a Europa
Em menos de dois dias, explode a audiência do sítio de Spider Trumanna Itália. Como muitas vezes acontece na web, um fenômeno nasceu e cresceu sem um traço de ligação com algo precedente, e muitas vezes morre facilmente, mas pode também gerar um vórtice poderoso e impossível de ser detido em termos de números, como se traduz a página noFacebook que extrapolou em questão de horas os 5 mil membros e já contabiliza links de 250 mil usuários, via os blogs, crescendo exponencialmente a cada minuto.
I segreti della casta di Montecitorio (Os Segredos da Casta dos Deputados) é o fenômeno do momento no país, mas não é possível escapar à questão do que está por trás da iniciativa. Até que se desvende o mistério, Spider Truman segue com a divulgação dos salários inflacionados, dos privilégios, das despesas de telefone com desconto e descontos em carros. Nenhuma novidade até aí, mas o redator espalhou brasa no cenário político italiano, com o apoio da da rede de divulgação de notícias.
Os Segredos da Casta dos Deputados demonstra que Spider Truman é um perito na forma de disseminar as verdades que publica e incentiva os comentários, com espaço para o usuário anônimo, para expor a face horrenda da classe política.

No Correio do Brasil
| | 0 comentários

a Linguagem do Poder

A LINGUAGEM DO PODER


Laerte Braga


As características de uma Federação de mentira, um ornitorrinco, transformam governadores dos estados brasileiros e prefeitos de nossas cidades em meros mendigos do Governo Federal. Seja porque transformam governos estaduais em feudos (caso da família Sarney no Maranhão e se apropriam dos recursos públicos e da máquina estatal em proveito próprio), seja porque não existe outro objetivo que não esse o de saquear o dinheiro público.

A maioria esmagadora dos governadores e a maioria esmagadora dos prefeitos. A isso alia-se a soma de um poderoso marketing via mídia privada (comprada sempre com dinheiro público qualquer que seja a sua dimensão, nacional, estadual ou regional), capaz de fazer com que boa parte da população carioca acredite que Eduardo Paes seja um prefeito honesto, preocupado com o bem estar do cidadão, com o presente e o futuro da cidade, quando é apenas parceiro de Sérgio Cabral, o governador, no processo de destruição do Rio. Essa “parceria” ocorre em vários outros estados (Minas, com a aberração política Antônio Anastasia e Márcio Lacerda, o prefeito de BH, etc).

Um pouco antes de deixar o governo de São Paulo José Serra determinou à Polícia Militar (são resquícios de um tempo que não existe mais, organizações terroristas a serviço das elites) que fosse dura e enérgica na repressão à greve de professores estaduais.

Não deu outra. A PM paulista, literalmente, baixou a borduna, desceu a borracha.

Esse procedimento ocorre em quase todo o País, em quase todos os estados brasileiros. O tratamento dispensado à Educação e a Saúde, direitos básicos do cidadão e dever do Estado, é a repressão pura e simples.

Professores são espancados no Rio Grande do Norte, no Rio, em Minas, em Santa Catarina, em São Paulo, Espírito Santo e vai por aí afora.

A “ordem” desse tipo de governador – ocorre nos municípios também – é mantida.

Num estado como Minas, feudo de algumas poucas famílias, governado por um desastre inventado por Aécio Neves, outra descalabro, a situação do magistério estadual é aviltante. Não é uma prática que resulte da falta de recursos (sobram recursos para bancos, empreiteiras, terceirizações, jornal ESTADO DE MINAS e todo seu entorno de mídia vendida).

É ação deliberada e qualquer emergência os terroristas fardados da PM resolvem.

No episódio envolvendo o Corpo de Bombeiros do Rio o desgovernador Sérgio Cabral, corrupto de carteirinha, num primeiro momento chamou os soldados de “vândalos”. Não contava com a reação pública e entre um contrato e um vôo com Eike Batista, grossas propinas, voltou atrás e acertou-se via mídia (o esquema GLOBO sempre, apesar de ser o mais caro, mas também o mais eficiente na mentira, na corrupção).

Professores são tratados como se animais fossem, escravos, trabalham em condições precárias, recebem salários míseros e se reivindicam o mínimo de dignidade para a função, para o trabalho, se mostram a importância que têm (valem mais que qualquer vereador por exemplo, que muitos deputados, senadores, governadores), os “homens da lei”, terroristas que falam a linguagem de um poder, baixam o sarrafo.

A repressão a trabalhadores da educação e a médicos do setor público de saúde exibe apenas a pilantragem de governadores e prefeitos no processo de privatização dos dois setores fundamentais, cassam o direito do cidadão e se eximem do dever do Estado, enchem suas burras de dinheiro e das empresas que assumem esses serviços e pagam o “sustento” desses governantes.

O prefeito da cidade de Juiz de Fora, MG, o tucano Custódio Matos, privatiza até a sombra do prédio da Prefeitura. O pobre menino com casa de milhões, prefere negócios com a Queiroz Galvão, rende mais, permite sonhos londrinos, obsessão do alcaide. No jogo político do clubinho tem um inquérito até hoje sobre compra de votos que não sai do lugar, ou se saiu, vai morrer nos escaninhos da Justiça.

O Brasil, aparentemente, está distante dos efeitos da crise que devasta a Europa Ocidental e vai dissolvendo países inteiros transformando-os em meras bases militares de um poder terrorista do complexo EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

Os governos estaduais e municipais não têm hoje o manejo político do ex-presidente Lula, mas o rigor tecnocrático e tucano da presidente Dilma Roussef. Sobram cortes orçamentários, falta sensibilidade e percepção do tsunami que se aproxima por conta da falência do modelo chamado de nova ordem econômica, o neoliberalismo.

Isso faz com que governadores e prefeitos assumam posturas agressivas e os índices de quero o meu aumentem de forma desmesurada, uma espécie de garantia contra trombadas faturas. É só olhar o exemplo do ex-governador de Brasília, José Roberto Arruda, o que seria vice de José Serra (parte do esquema irmãos Metralhas).

Não significa que no governo Lula as condições de trabalhadores da educação e da saúde tenham melhorado. Não. Nos estados e municípios não. O disfarce, os tapumes que escondiam a realidade funcionavam melhor.

O que fica visível em todo esse processo que, neste momento, acontece em vários estados da Federação de mentirinha, é que trabalhadores da educação e da saúde são tratados como marginais dentro de um modelo político e econômico falido, corrupto e que esse tipo de situação não será mudada com diálogo junto ao clube de amigos e inimigos cordiais que compõem o chamado mundo institucional, mas nas ruas, na luta popular.

Fora disso é chover no molhado. Os terroristas fabricados em série no estilo BOPE nas PMs dos estados continuarão a descer a borracha em nome da “lei”, a deles.

E gente como Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Antônio Anastasia continuará a governar para os interesses de gente como Eike Batista, Daniel Dantas e outros.

Na hora que acordar o cidadão comum, se acordar, vai se ver como que num deserto, no meio do deserto sem água. E um monte de castelos dessa turma, mas a GLOBO vai dizer que é miragem é que país, o mundo ocidental e cristão está em ordem. Se falhar tem PM, tem OTAN, todo um aparato “democrático”.

Água só na casa de Luciano Huck, a casa ilegal legalizada pelo governo corrupto de Cabral.

Já professores, médicos, trabalhadores...

O tratamento é borduna.

É a linguagem do poder para os que não se deixam seduzir pela linguagem alienante da GLOBO e assemelhados.