Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A MÍDIA - A EUFORIA TUCANA - A BARBÁRIE DA PM DO ESPÍRITO SANTO

A MÍDIA - A EUFORIA TUCANA – A BARBÁRIE DA PM DO ESPÍRITO SANTO


Laerte Braga


José Serra ao lado do governador Geraldo Alckmin em inaugurações pode e deve ser divulgado ao máximo. É a máxima da mídia privada. Podre e venal. O que terá feito Serra deixar seu castelo na Transilvânia e regressar ao Brasil? Iniciar uma troca de divergências – digamos assim – com seu principal adversário dentro do tucanato, o ex-governador de Minas Aécio Neves?

Estamos a três anos e sete meses das eleições presidenciais de 2014 e os tucanos movem-se, de repente, sem mais nem menos, em aparições súbitas, em discursos com viés eleitoral.

Há uma explicação simples e bem direta sobre o mau caratismo genético de tucanos.

Num dado momento receberam a notícia que a presidente Dilma Roussef estava com pneumonia e resolveram “avaliar” se era de fato pneumonia, ou se a presidente estava com doença mais grave, uma recaída, ou um retorno do câncer que sofreu e esse fato poderia implicar em seu afastamento, logo, em eleições presidenciais?

Pelo sim, pelo não, para não correr “riscos”, os tucanos paulistas decidiram que Serra deveria voltar da Transilvânia e os mineiros que Aécio deveria fincar o pé afirmando que a “vez agora é minha”.

São solertes, são traiçoeiros, são desumanos.

Foi esse o motivo das seguidas aparições de José Serra ao lado do governador paulista. Colocar-se em evidência para qualquer necessidade mais imediata.

Esse tipo de gente é dispensável, como tantos outros, na vida pública, no exercício de mandatos, até do convívio de seres humanos. São anormais na busca do poder pelo poder, doentios em sua forma de agir.

O governo Dilma, a meu juízo, não é lá essas coisas, nem o que se imaginava sabendo que não seria lá essas coisas. Mas por pior que possa ser e não é assim também, vai ser sempre melhor que qualquer criminoso tucano, em qualquer circunstância.

Quando um político sem nenhum caráter – bom ou negativo, é amoral – como José Serra sai em defesa de Palloci, por exemplo, está olhando o próprio rabo. Não é gratuito e nem gesto de compreensão, ou crença na seriedade do ministro chefe do Gabinete Civil.

Essa estranha e perigosa ligação entre figuras públicas do Parlamento, do Executivo e do Judiciário com a empresa privada é parte do clube de amigos e inimigos cordiais que controlam o Estado brasileiro.

Você poder soltar um médico que cometeu toda a sorte de trapaças e crimes hediondos contra mulheres, sabendo que ele vai fugir para o Líbano e por lá ficar, como pode negar a liberdade a um refugiado na forma da lei, caso de Cesare Battisti. E pode ser ministro do STF – Supremo Tribunal Federal –, cacique político em Diamantino Mato Grosso, com direito a visita aos EUA para decidir como será o Judiciário brasileiro no contexto dos acordos para a garantia da propriedade privada segundo a ótica do dono. Gilmar Mendes. É um escárnio um sujeito desses na corte suprema, ou dita suprema.

É da genética tucana o jeito de ser escorpião. A picada vem mesmo sabendo que vai junto com a vítima. É o imprimatur tucano.

A questão não é bem “nós pega o peixe”. O “nois vai” vai ser incorporado tranquilamente aos livros didáticos se a ABRIL “vencer” a concorrência para produzir tais livros, tal e qual acontecia no governo de FHC.

Millôr Fernandes, mais ou menos textual, afirma que o povo inventou a língua, o falar e os gramáticos apareceram para ensinar a falar corretamente.

Ou ainda do próprio Millôr, sobre corrupção, as pessoas desconhecem a figura do hímen complacente.

No quesito barbárie a PM do Espírito Santo é ponta de linha. Horda de bárbaros.

Polícia Militar é uma excrescência. Polícia é uma instituição civil e como tal deve ser estruturada. É assim na maioria dos países ditos civilizados, até em alguns sob controle do conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

No Brasil as PMs são guardiãs da propriedade privada – roubada ou não –, segurança de luxo de governadores estaduais e matilha contra o povo, a classe trabalhadora.

O que aconteceu em Aracruz no Espírito Santo se assemelha – guardadas as proporções e essas se referem aos armamentos usados – aos bombardeios com que a OTAN – ORGANIZAÇÃO DO TRATADO ATLÂNTICO NORTE – “liberta” a Líbia.

É só ir lá e olhar

http://www.youtube.com/watch?v=DQ7gM8rpzxU&feature=share

Ação animalesca de criminosos fardados e em nome de interesses de empresa privada, ilegais e predadores, contra cidadãos comuns, homens, mulheres e crianças.

Um ataque terrorista de uma força que, em tese, existe para garantir a lei.

Mas é claro que é assim. A lei deles, dos donos.

No estado, hoje propriedade de grupos privados, as manifestações contra a boçalidade da Polícia Militar – é comum a todas, varia em intensidade de um para outro estado, a cultura BOPE disseminada para alienar – trouxeram a público manifestações de repúdio da OAB – ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL –, do Sindicato dos Jornalistas e o pedido de providências imediatas ao governo do dito estado.

A mídia nacional, podre, comprada, sequer toca no assunto, ou se o faz, o faz em passant, afinal, há suspeitas que Ermírio de Moraes, o homem da ARACRUZ, seja um dos principais acionistas do antigo Espírito Santo e isso complica as coisas. É dele e seus parceiros que sai a grana.

Como não fala nas manifestações imensas na Espanha, à semelhança do que ocorre em países árabes, exigindo mudanças drásticas e radicais no modelo político, econômico e social, antes que o país se dissolva em armas nucleares que guarda para o conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

Espanhóis começam a perceber que a Comunidade Européia é adereço do conglomerado terrorista. Os países membros estão sendo dissolvidos sem bater.

É essa a mídia que temos, ou a chamada grande mídia.

Vai das denúncias que beiram a inconseqüência – a cara de repulsa de William Bonner varia em função do comunicado do departamento financeiro sobre a verba para a denúncia, chamam de patrocínio – a omissão sobre boçalidades em nome do “progresso” – deles – e de todo o resto que, eventualmente, possa contrariar os interesses que representa.

O jornalista William Waack, preferido de Hilary Clinton para análises e relatórios políticos, fez um malabarismo impressionante dia desses num programa da GLOBONEWS para dizer que financiamento público de campanha imobiliza partidos e o financiamento aberto, a partir de empresas privadas promove o crescimento dos partidos.

Deve ser do balanço via doações de bancos, grandes empresas, etc, etc. o jeito simples de comprar. Comprar mandatos de deputados, senadores, governadores, financiar redes de tevê, revistas e jornais.

O grande negócio do marketing político.

Qualquer problema chama a PM do Espírito Santo. É o mais próximo que existe no País se comparada com organizações terroristas internacionais.

A propósito, o alerta ao tucano José Serra que Dilma poderia estar doente com maior gravidade – não está – partiu de jornalistas da GLOBO.

Assista ao Video Reportagem: http://www.youtube.com/watch?v=lP-mLd5eHcU&feature=youtu.be


DALLARI ACUSA STF: PRISÃO ILEGAL, FARSA PROCESSUAL, IMORALIDADE...

Dalmo Dallari denuncia: a competência do Supremo Tribunal Federal para decidir sobre o pedido de extradição de Cesare Battisti está esgotada e, ao "fingir" o contrário, o STF incorre numa "simulação jurídica que agride a Ética e o Direito".

Segundo ele, simula-se que o processo esteja "pendente de decisão do Supremo Tribunal, para saber se Battisti será ou não extraditado", quando, na verdade, já houve "decisão transitada em julgado".

Como consequência, ao "manter Battisti na prisão, sem que haja qualquer fundamento legal para isso", o STF comete "ato de extrema violência", agravada pela "farsa processual" que "desmoraliza a Suprema Corte brasileira".

Tido como o maior jurista brasileiro vivo, Dallari manifesta sua indignação no artigo Prisão ilegal de Battisti: uma farsa jurídica.

O professor catedrático da Unesco lembra que o Supremo, em novembro de 2009, autorizou o presidente da República a pronunciar a palavra final no caso, "com o reconhecimento expresso de que é da competência privativa do Chefe do Executivo a decisão de atender ou negar o pedido de extradição e com a observação de que deveria ser levado em conta o tratado de extradição assinado por Brasil e Itália".

Então, acrescenta Dallari, "estava encerrada aí a participação, legalmente prevista e admitida, do STF no processo gerado pelo pedido de extradição".

A partir, entretanto, da decisão "inatacável" do presidente Lula de não extraditar Battisti, foi cometida uma "dupla ilegalidade, configurada na manutenção da prisão de Battisti e na farsa de continuação da competência do STF para decidir sobre o mesmo pedido de extradição sobre o qual já o Tribunal já decidiu, tendo esgotado sua competência".

Dallari é incisivo:
"Não existe possibilidade legal de reforma dessa decisão pelo STF e não passa de uma farsa o questionamento processual da legalidade da decisão do Presidente da República por meio de uma Reclamação, que não tem cabimento no caso, pois não estão sendo questionadas a competência do Supremo Tribunal nem a autoridade de uma decisão sua, sendo essas as únicas hipóteses em que, segundo o artigo 156 do Regimento Interno do Supremo Tribunal, cabe a Reclamação".
Tão evidente é, no seu entender, a falta de fundamento legal, que Dallari atribui a tramitação desta Reclamação à "finalidade óbvia, mesquinha e imoral, de manter Cesare Battisti preso por muito mais tempo do que a lei permite".

Daí a sua conclusão sobre o desfecho do caso (previsto para a próxima semana ou a seguinte):
"Em respeito ao Direito e à Justiça e para a preservação da autoridade e da dignidade do STF impõe-se o arquivamento da descabida Reclamação e a imediata soltura de Cesare Battisti, fazendo prevalecer os princípios e as normas da ordem jurídica democrática".

Obs: o artigo  Prisão ilegal de Battisti: uma farsa jurídica pode ser acessado aqui:  http://naufrago-da-utopia.blogspot.com/2011/05/prisao-ilegal-de-battisti-uma-farsa.html

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Governo retoma desapropriações e pode assentar até 50 mil famílias: Olha a volta de assentamentos aí Genteeeeeeeeeeee

www.cartamaior.com.br
Em resposta ao Grito da Terra, presidenta Dilma Rousseff autoriza liberar, até julho, R$ 530 milhões para compra de terras. Com pagamento de R$ 600 mil em desapropriações este ano, reforma agrária estava quase parada. Custo médio de assentamentos na última década indica que até 50 mil famílias podem

Juntos Somos Fortes: Zelaya ingresa a Honduras el sábado 28 de mayo por el aeropuerto de Tegucigalpa

Juntos Somos Fortes: Zelaya ingresa a Honduras el sábado 28 de mayo por el aeropuerto de Tegucigalpa: "Zelaya ingresa a Honduras el sábado 28 de mayo por el aeropuerto de Tegucigalpa


Vendría acompañado por varios cancilleres latinoamericanos.

Zelaya ingresa a Honduras el sábado 28 de mayo por el aeropuerto de Tegucigalpa

Tegucigalpa. 19 de mayo 2011. El subcoordinador del Frente Nacional de Resistencia Popular (FNRP), Juan Barahona, informó, la tarde de este jueves, desde Managua, Nicaragua, que el presidente expatriado por el golpe de Estado, Manuel Zelaya, ingresará a Honduras el próximo sábado, 28 de mayo de 2011, a las diez de la mañana, por el Aeropuerto capitalino de Toncontín.

Juan Barahona convocó, a través de la Radio Globo, a todo el pueblo, en resistencia o no, para recibir a Zelaya “quien hace dos años está en el exilio después del golpe de Estado de 2009”.

Barahona agregó que recién acaban de concluir una reunión con el presidente en retorno, Zelaya Rosales, y que éste llegará con todos el equipo de su gobierno que se dispersó por varios países de América Latina y Europa, para protegerse de la persecución política instaurada por régimen de facto de Roberto Michelletti, y de su continuador, Porfiro Lobo.

No se sabe cuántas personas vendrían con el presidente en retorno. Aunque Barahona aseguró que ingresaría acompañado por varios cancilleres, entre ellos, el venezolano, Nicolás Maduro, de diputadas y diputados, y de otros altos funcionarios de estados latinoamericanos.

Incluso, dijo Barahona, el presidente nicaragüense, Daniel Ortega se habría ofrecido a venir a dejarlo al país.

“Una vez que salga del avión, Zelaya saldrá directo a la calle para dirigirse a una plataforma en la plaza Isis Obed, donde se realizará un acto en memoria de los mártires caídos de la Resistencia”, informó.

Barahona dijo que el FNRP espera una movilización gigantesca y añadió que “el retorno de Zelaya es una victoria del Frente, del pueblo hondureño, producto de las luchas que hemos tenido desde el mismo día 28 de junio del golpe de Estado”.

Zelaya fue obligado a salir de Honduras el 27 de enero de 2010, luego de cuatro meses de aislamiento enla embajada de Brasil, y fue recibido como huésped de honor por el gobierno de República Dominicana.

Retorna a Honduras como efecto de la acción internacional, sobre todo de los paises Unasur, que apoyó la posición popular, y obligó a Honduras a cumplir con varios requisitos, incluyendo el regreso seguro e incondicional del mandatario defenestrado.

DC19052011

Enviada por Diana Canales

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google"

Zelaya ingresa a Honduras el sábado 28 de mayo por el aeropuerto de Tegucigalpa



Vendría acompañado por varios cancilleres latinoamericanos.

Zelaya ingresa a Honduras el sábado 28 de mayo por el aeropuerto de Tegucigalpa

Tegucigalpa. 19 de mayo 2011. El subcoordinador del Frente Nacional de Resistencia Popular (FNRP), Juan Barahona, informó, la tarde de este jueves, desde Managua, Nicaragua, que el presidente expatriado por el golpe de Estado, Manuel Zelaya, ingresará a Honduras el próximo sábado, 28 de mayo de 2011, a las diez de la mañana, por el Aeropuerto capitalino de Toncontín.

Juan Barahona convocó, a través de la Radio Globo, a todo el pueblo, en resistencia o no, para recibir a Zelaya “quien hace dos años está en el exilio después del golpe de Estado de 2009”.

Barahona agregó que  recién  acaban de concluir una reunión con el presidente en retorno, Zelaya Rosales, y que éste llegará con todos el equipo de su gobierno que se dispersó por varios países de América Latina y Europa, para protegerse de la persecución política instaurada por régimen de facto de Roberto Michelletti,  y de su continuador, Porfiro Lobo. 

No se sabe cuántas personas vendrían con el  presidente en retorno.  Aunque Barahona aseguró que ingresaría acompañado por varios cancilleres, entre ellos, el venezolano, Nicolás Maduro, de diputadas y diputados, y de otros altos funcionarios de estados latinoamericanos. 

Incluso, dijo Barahona, el presidente nicaragüense,  Daniel Ortega se habría ofrecido a venir a dejarlo al país.

“Una vez que salga del avión, Zelaya saldrá directo a la calle para dirigirse a una plataforma en la plaza Isis Obed, donde se realizará un acto en memoria de los mártires caídos de la Resistencia”, informó.

Barahona dijo que el FNRP espera una movilización gigantesca y añadió que “el retorno  de Zelaya es una victoria del Frente, del pueblo hondureño, producto de las luchas que hemos tenido desde el mismo  día 28 de junio del golpe de Estado”.

Zelaya fue obligado a salir de Honduras el 27 de enero de 2010,  luego de cuatro meses de aislamiento enla embajada de Brasil, y fue recibido como huésped de honor por el gobierno de República Dominicana.

Retorna a Honduras como efecto de la acción internacional, sobre todo de los paises Unasur, que apoyó la posición popular, y obligó a Honduras a cumplir con varios requisitos, incluyendo el regreso seguro e incondicional del mandatario defenestrado.

DC19052011

Enviada por Diana Canales

Mídia Democrática - Portal Vermelho

Mídia Democrática - Portal Vermelho: "Mídia Democrática
Jaime Sautchuk *
A Internet é apontada, hoje, como a redenção, o alvorecer da era da verdadeira democratização da mídia, os meios de comunicação no mundo. Está mais do que claro, porém, que essa é mais uma ilusão, de tantas que a história nos guardou.

No varejo, tudo bem, todo mundo pode acessar e trocar lá suas mensagens. Fazer páginas, blogs, redes e tudo o quanto quiser para falar de política ou sexo é fácil e até banal. É como se fosse uma válvula de escape para as angústias dos viventes. No atacado, porém, a história é muito diferente. O buraco é mais embaixo.

Como no passado, com outras mídias, esta também está sob controle das forças que dominam o mundo. Em temas de importância estratégica para o centro do mundo, em especial os Estados Unidos, as redes são monitoradas e conduzidas. E em momentos de crise, há a possibilidade de controle total. E aí, babau democracia.

Muitos exemplos têm sido mostrados até na grande mídia, meio sem querer, mas que deixam claras as tendências do sistema internético. Um deles é o caso do Egito, onde foram bloqueadas as linhas de celular e o acesso via computador, pelos técnicos do regime então em vigor.

No entanto, os gerentes das redes mundiais intervierem e as desbloquearam. O motivo pode ser qualquer um. O que nos chama atenção, contudo, é a possibilidade de isso ser feito. Tanto o bloquear quanto o desbloquear, como era alardeado, seriam coisas impossíveis. Para usar a linguagem dessa mídia, ksksksks...

Por outro lado, há incontáveis páginas alocadas na rede que não são passíveis de acesso. É o caso, por exemplo, da página das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARCs), que existe, mas que no Brasil ou nos Estados Unidos, ninguém consegue acessar, por motivos “técnicos”.

Isso nos remonta à própria história dos modernos meios de comunicação. Desde a sua primeira etapa, que foi a da luta pela liberdade de imprensa. Esta era pelo direito de se possuir uma máquina impressora, até então estatais, como forma de, a partir dela, exercer outra liberdade, a de expressão.

Transferiu-se apenas o controle das máquinas das mãos do estado para as mãos dos setores privados que controlam inclusive o estado. Ou seja, os meios seguirem nas mãos das elites. E estas sempre estiveram a favor do colonialismo, da dominação do mundo, do subjugo de povos, da exploração de recursos naturais e assim por diante.

Veio então o rádio, no limiar do século 20, e com ele a mesma esperança de democratização do acesso e liberdade de expressão. Doce ilusão. Nas frequências do rádio voaram as ideologias das forças colonial-imperialistas, com enorme importância especialmente no período da segunda Grande Guerra e, depois, na chamada guerra fria.

A influência de emissoras como a BBC de Londres, na Grã-Bretanha, e da Voz da América, nos EUA, para citar dois exemplos, foi brutal no período pós-guerra. É claro que, de outra lado, havia a rádio de Moscou, também com potentes transmissores em Ondas Curtas, e, já na década de 60, a rádio de Havana, em Cuba, que entrava rachando em toda a América Latina, especialmente na região amazônica.

Mas, também aí era possível ter controle. A BBC e a Voz praticaram incontáveis vezes o recurso do jamming, que significa “engarrafamento” e, no caso, expressa o ato de entrar com uma onda magnética sobre outra, na mesma frequência, e assim picotar a transmissão indesejada.

Nós temos um grande exemplo disso aqui no Brasil. A Rádio Nacional da Amazônia, estatal, foi criada durante a ditadura militar para embananar as ondas da Rádio de Havana. O objetivo foi plenamente atingido. Não havia essa preocupação, por exemplo, com a BBC da Jamaica, que era colônia britânica, e isso explica a influência da música caribenha na região norte do País, especialmente no Maranhão.

O fato é que, também no caso do rádio, a mídia ficou nas mãos de estados e de grandes grupos econômicos com a mesma coloração ideológica. E é esta a situação que até hoje vigora.

Com o advento da TV, de novo se esperava alguma forma de abertura. Mas, a TV incorporou, no caso dos EUA, a prática que já vinha em curso no cinema desde antes da guerra, com o conhecido uso de Hollywood como base de difusão da ideologia ianque.

Mesmo no Brasil, onde a matriz da TV foi o rádio e não o cinema, ocorreu o mesmo processo, já que ainda hoje boa parte da programação televisiva daqui é de enlatados, termo que vem das latas redondas que traziam os filmes do cinema e, depois, os programas de TV.
O processo que se vê agora segue o mesmo caminho. É certo que a Internet abre chances que eram inexistentes e amplia a possibilidade de acesso. Não há dúvida sobre isso. A questão, no entanto, é que os limites já estão bastante bem desenhados.

1 comentários

* Trabalhou nos principais órgãos da imprensa, Estado de SP, Globo, Folha de S.Paulo e Veja. E na imprensa de resistência, Opinião e Movimento. Atuou na BBC de Londres, dirigiu duas emissoras da RBS.
* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google"

INTERNET - TRINCHEIRA DE LUTAS POPULARES

INTERNET - TRINCHEIRA DE LUTAS POPULARES

+-.
INTERNET - TRINCHEIRA DE LUTAS POPULARES PDF Imprimir E-mail
Laerte Braga
Qui, 19 de Maio de 2011 13:16
O ENCONTRO DE BLOGUEIROS E MÍDIAS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO, nos dias 3, 4 e 5 de junho próximo, em Vitória, capital do estado, traz uma importante contribuição ao campo das lutas populares no Brasil e na INTERNET, especificamente. Mas é claro, com desdobramentos para fora.

O ENCONTRO se propõe a um debate plural. Incorpora todas as forças do campo popular em discussões sobre temas políticos de importância primeira, tanto quanto, abre espaços para uma ampla percepção da rede mundial de computadores como instrumento, trincheira dessas lutas.

Vive-se um momento decisivo no País a propósito do resgate da nossa História recente. O coordenador do projeto DIREITO À MEMÓRIA E À VERDADE Gilney Viana, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, trava uma das lutas mais significativas - ainda que distante da mídia privada - dos nossos dias.

A história real da barbárie da ditadura militar materializada em tortura, assassinatos, toda a sorte de felonias possíveis a um regime.
Cria perspectivas para que o brasileiro conheça e saiba o que foi a OPERAÇÃO CONDOR (associação de aparelhos repressivos de países como o Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai e Chile). Um esquadrão da morte de Estados.

O volume de crimes cometidos por esse terrorismo de extrema-direita, ainda encoberto em nosso País por uma inexplicável resistência de setores das Forças Armadas, à medida que permite máculas sobre os que se julgam acima do bem e do mal.

É chover no molhado, mas é uma realidade que não se pode desmentir.

Sem conhecer o passado é impossível construir um futuro em que o ser humano se veja como tal e não como objeto de um modelo político e econômico que, na essência, com todas as concessões alcançadas na luta do dia a dia, é, em si e por si, em sua natureza, escravagista.

Vem cercado de um aparato tecnológico tipo lobo mau vestido de vovozinha em estilo high tech.

Expor as vísceras da ditadura militar não é ato de revanchismo e tampouco quebrar as regras legais de uma anistia montada para inocentar criminosos, num momento em que o regime militar não se sustentava nem em boa parte dos quartéis.

É história. Quem fez que assuma as responsabilidades.

O todo do ENCONTRO DE BLOGUEIROS E MÍDIAS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO marcha para esse e por esse caminho. E busca o debate sobre questões essenciais. A INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA. Vale dizer a opção que os países da América Latina têm em suas mãos de reafirmar sua independência e perceber o que os une na luta por essa assertiva. São nações que se abraçam na perspectiva de isolar e afastar o protetorado, por exemplo, que cobre a Comunidade Européia e transforma países daquele bloco em colônias/bases militares.

A realidade do mundo globalizado pela força do terror de Estado, pelas rígidas regras do neoliberalismo e agora pela falência do modelo, o que o torna mais feroz e agressivo o ponto de partida dessa nova barbárie impõe esse debate de integração latino-americana.

A REFORMA POLÍTICA. O debate, por enquanto, está restrito às cúpulas dos grandes partidos e elites políticas e econômicas. A mídia privada reproduz as "verdades" de uma mudança que não muda nada e mantém intocados privilégios de senhores feudais, caso de José Sarney, presidente do Senado Federal.

O assunto não se restringe ao sistema de eleição de deputados (distrital, proporcional ou misto), como querem fazer crer e todo o debate produzido em instâncias onde o povo não tem acesso. Recebe o pacote pronto e acabado pelo principal tentáculo das elites. A mídia privada.

O conceito de REFORMA POLÍTICA visto como ampla mudança estrutural para o Brasil. Sai dos limites estreitos do eleitoral e se esparrama pela necessidade de uma reforma do Judiciário, da reforma agrária com a discussão real e efetiva dessa realidade no País hoje, o poder do latifúndio que se vê claro na tentativa de impor um Código Florestal sinônimo de predação ambiental sem limites.

E aponta para a necessidade de uma Assembléia Nacional Constituinte, participação popular direta. Como está posta a REFORMA POLÍTICA é embromação das cúpulas dos grandes partidos em estreita colaboração com forças das elites econômicas e grandes prejuízos para o Brasil e os brasileiros.

A retomada do País na discussão proposta sobre a banda larga. Nada das grandes empresas do setor, as chamadas teles, mas a banda larga popular, com autonomia cidadã. A INTERNET se consolidando como trincheira de lutas desde a cidade, realidade imediata de cada um e até a nação, numa visão que inclui um espírito de brasilidade que é latino-americano.

A importância dos MOVIMENTOS SOCIAIS no processo político. A descriminalização desses movimentos, objeto de massacre do noticiário da mídia privada, no processo espetáculo que tentam impor aos brasileiros, como de resto, no mundo inteiro.

Ao sair da ditadura militar o Brasil se viu ainda preso nas garras controladoras do conjunto golpista de 1964, guardado e protegido por uma anistia canhestra, um descabido poder militar que transforma essas forças em estamento e não em segmento do Estado. Uma reconstrução do Brasil com presença popular, com certeza, vai nos deixar livres de figuras como Sarney, Serra, Aécio, Temer, Jobim, Gilmar Mendes, sub-produtos de um modelo formatado nos limites permitidos num primeiro momento pela ditadura e num outro momento (Sarney/Collor/FHC/Itamar) pela realidade da nova ordem econômica, o CONSENSO DE WASHINGTON.

O que vem a ser um arsenal que mata e destrói em qualquer canto do mundo ao sabor de suas conveniências imperiais/terroristas.

Abrir o que chamamos de baú da ditadura militar no seu todo. Sem limites. Buscar a integração latino americana e assim enxergar a realidade de um caminho que passe pela participação popular direta, decisiva e por si capaz de definir, vai sacudir a poeira das pirâmides postas em Brasília e espalhadas pelo País nos privilégios de uma elite que se mostra viva quando em Higienópolis, bairro da cidade de São Paulo, as castas ditas superiores, não querem "gente diferenciada".

Alusão a nordestinos, negros, pobres, excluídos de um modo geral.

A INTERNET não é uma questão técnica de funcionar bem ou mal, ou viabilizar-se aqui e ali de uma ou outra forma dentro da lógica e dos parâmetros do que temos. É uma trincheira de lutas para arrebentar esse dique e explodir em participação popular. É o papel que vai se discutir no ENCONTRO DE BLOGUEIROS E MÍDIAS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO a partir da abertura do evento.

A luta pela memória e a verdade - a abertura dos baús da ditadura - e o filme UTOPIA E BARBÁRIE do cineasta Sílvio Tendler, um resgate da História desde o fim da primeira guerra mundial e o terror nuclear.
Precedem os debates no sábado e no domingo. Numa certa medida definem pautas visíveis na realidade.

A espada de Dâmocles que o terror imperial mantém sobre o mundo em sua sanha de barbárie.

O encontro é só uma porta, mas se insere nesse contexto todo.

Sobre Paloci minhas considerações

Não estou acusando, apenas acreditando que se houver explicação ela tem que ser dada. caso contrario seguirei a luta IDEOLOGICA Saudações nanda Tardin

Qual o interesse da mídia/PIG na Casa Civil?
http://bit.ly/jDcYtA

easonfn.wordpress.com
Durante o governo Lula, a Casa Civil foi alvo de muitos ataques por parte da mídia. José Dirceu foi o primeiro ocupante do cargo e o primeiro a ser abatido, acusado de ser “o chefe dos mensaleiros”, o que provocou sua exoneração. Dirceu, até hoje, a exemplo dos demais acusados, não foi julgado pelo

  • Você curtiu isso.

    • Fernanda Tardin Concordo com o fundamento, mas digo uma coisa: Quem é de luta tem que comer pão , pq. para comer caviar precisa se submeter ao jogo. Ou seja se queremos ter moral na luta temos que explicar certo a fonte geradora de recuirso para que em quatro anos se compre um apto de 6 milhoes. (deixarei os trocados 600 mil de lado). Tá errado companheiro, se queremos seguir na luta temos que explicar ou faxinar. Não podemos ter criterio para bater em Chico e defender Francisco, concorda? bjao
      há 6 minutos ·

    • Fernanda Tardin ‎" DOE A QUEM DOER", mas temos que ter moral e transparencia e assim acabar com a opressao do Povo.
      há 5 minutos ·
    •  E assim PRECISAMOS SEGUIR TODOS.  Conheço muitos companheiros que usam os mandatos para a luta mesmo. Se um pode todos DEVEM seguir assim. Quem não seguir, arque com os danos. COMPASS TOMBADOS, PRESENTE! A Luta continua!
      há 2 minutos ·


Imagens da BARBARIE no estado do ES contra POVO


COMPAS ajudem a resgatar o estado do ESPIRITO SANTO. DENUNCIEMOS a barbarie que acontece lá. o ES precisa avançar no tempo: Não dá mais para viver na Idade Média. Abaixo o feudo. Juntos Somos Fortes.
há 6 horas · · ·


    • Walter Conde Fernanda, quem está no exterior jamais vai conseguir entender como uma Polícia tão despreparada comete uma barbariedade dessar. Atirar e ferir crianças e idosos, para desalojá-los para a construção de casas pmpulares. O absurdo parte do juiz, que deveria ser denunciadog. além da demissão sumária de toda cúpula da PM.
      há 5 horas · · 3 pessoas

    • Leda Montenegro assinando embaixo....
      há 5 horas · · 2 pessoas

    • Fernanda Tardin Walter, sacou porque o Encontro de Blogueiros é Importante? Só Juntos Seremos Fortes. Vamos ainda mais nos mobilizar para este Encontro bombar. Estarei aí dia 23, mande seu tel por msg para contactar e logo marcarmos reuniao com comissao, ok? bjao
      há 5 horas · · 1 pessoa

    • Walter Conde Fernanda, para DIVULGAR amplamente e, inclusive, internacionalmente, o vídeo está está neste endereço: http://youtu.be/lP-mLd5eHcU
      há 2 horas · · 1 pessoa

  • NAO DÁ PRA ACEITAR CONTINUAR DESTE JEITO: VAMOS DAR UM BASTA, JUNTOS SOMOS FORTES  http://encontrodeblogueirosemidiassociais-es.blogspot.com/ Vamos a luta, vamos nos Organizar,participe , divulgue nos encontraremos aqui Juntar.

A DESORDEM/ORDEM GERAL

A DESORDEM/ORDEM GERAL


Laerte Braga


Uma das colunas do jornal O GLOBO revela que uma “madame” freqüentadora de requintados e refinados ambientes foi a uma exposição de lançamento de uma coleção numa joalheria no Rio. Coisas da Barra da Tijuca, aberração paulista/carioca que faz fronteira com o Rio de Janeiro.

A senhora em tela comprou uma pulseira e levou às escondidas um par de brincos avaliado em 20 mil reais. Câmeras de segurança revelaram o que o colunista chama de “larápia vip”. A joalheira Rose Leal foi à casa da socialité e resgatou as peças, isso porque a pulseira fora comprada e não fora paga. Com isso evitou o escândalo.

A prisão do diretor do FMI Strauss Kahn não tem nada a ver com a “larápia vip” do high society da Barra. Mas tem a ver com as eleições para a presidência da França ano que vem.

A imprensa norte-americana e a policia de New York condenaram Strauss antes de qualquer decisão do Judiciário. Strauss é – era – uma pedra nos interesses de EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A. Isso apesar de dirigir uma quadrilha de estupradores, o FMI – FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL –. Estupram nações.

EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A na condição de sucessores de SPETRE – aquela que infernizava a vida de James Bond – não foge à prática de seus princípios. Chantagem, extorsão, vingança, assassinato, tortura, etc.

Com a diferença que EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A não é ficção. Mais ou menos como o peixe espada atravessando o abdômen de Jerry Lewis. “Só dói quando eu tento rir”.

O Bush da Casa Branca, sede da organização, hoje chamado Obama, vai cantar sua música e recitar seus poemas em mensagem ao povo sobre o que pretende implementar no Oriente Médio.

Ou seja. Reforço do tacão nazista contra os ditadores inimigos e silêncio em relação aos ditadores amigos. O esporte preferido de sionistas, tiro a palestinos vai continuar impune e sem qualquer restrição.

Nero escapou pela porta dos fundos e lamentou que o mundo se visse privado de suas poesias e suas canções.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Anthony Patriot, chama a política externa do governo Dilma em relação aos EUA de “pragmatismo econômico”. Substitui o caráter ideológico que atribuiu à política do ministro anterior, Celso Amorim.

Os dois governos são do mesmo partido e Dilma é uma extensão eleitoral de Lula, uma escolha do ex-presidente. Ou mudou um, ou mudaram os dois.

Mas para falar isso é preciso ter cuidado e se expor a chuvas e trovoadas. As críticas geralmente levam o senhor absoluto do partido de Dilma a suspender as grades e soltar na arena feras ipanemianas, com grandes garras e presas, ávidas de devorar críticos em nome do centro do palco e muito ar para encher os bonecos chapas brancas.

O que não quer dizer que esteja tudo em desordem. A ministra da Cultura é atingida por fogo amigo por não aceitar as regras do jogo a moda Barra da Tijuca. Reage aos donos da verdade absoluta e cai no centro da tal arena. É típico dessa conformação. Os domadores e seus cãezinhos amestrados rosnando a um simples olhar em função de interesses que não têm nada a ver com cultura.

É difícil julgar o caso Strauss Kahn a partir da “vítima”. Não se pode afirmar que necessariamente seja uma agente infiltrada para derrubar o diretor do FMI que, em abril, no jornal LA LIBERACIÓN havia escrito um artigo prevendo esse tipo de ataque. Esse tipo de chantagem. Mas é possível detectar mais uma operação do conglomerado terrorista para afastar e matar politicamente um adversário.

A idéia de reciclagem de excedentes de países desenvolvidos não deficitários para países desenvolvidos ou não deficitários – proposta de Kahn – não agradou aos acionistas do conglomerado. Querem todos os excedentes e ainda o direito de cobrar a conta.

A “vítima” é uma imigrante e a oportunidade é de ouro para regularizar situações pendentes e garantir um futuro tranqüilo a toda a família no território em volta dos castelos do conglomerado.

Já tem até porta-voz, um dos irmãos. Falou a jornalistas na linguagem cinematográfica das séries tipo LAW AND ORDER. O trauma sofrido pela irmã, as conseqüências dele a luta da família para sobreviver dentro da lei, trabalhar, o duro que deram desde que chegaram ao entorno do conglomerado, coisas do gênero.

A indignação francesa procede e talvez possa ajudar a França a acordar de um pesadelo. Países da Comunidade Européia são colônias – propriedades – do conglomerado. Imensas bases militares. Bélgica e Holanda, por exemplo, tidas como nações e independentes, abrigam e guardam armas nucleares de EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

A chegada do comboio que levou o ex-diretor geral do FMI a audiência sobre seu “caso”, tinha até soldados da SWAT e de metralhadora. Presumo que tenham descoberto a identidade de Jack o Estripador.

Nem tudo no Brasil, no entanto, se resume a uma socialité da Barra da Tijuca que, naturalmente traumatizada por não ter sido convidada, por exemplo, para o almoço com Obama, se viu presa de forte compulsão e afanou os brincos.

Agentes da CIA e da MOSSAD, serviços secretos – boa parte da CIA privatizada – trabalham livremente em Foz do Iguaçu, Brasil, onde vigiam a colônia árabe – trabalhadores do comércio, da indústria, serviços –. Já chegaram a sugerir em tempos recentes, que bin Laden passou por lá.

O governo do Brasil sabe disso desde os tempos de FHC e fica por isso mesmo. Casa da mãe Joana. Como sabe que a colônia árabe na região trabalha, trabalha e o dinheiro enviado a seus países de origem se destina às suas famílias diante da brutal realidade imposta pelo conglomerado àqueles povos. É para o pão, o leite, o mínimo indispensável à sobrevivência.

Para o governo de Israel, entre um assassinato e outro de palestino, um estupro e outro de palestina, uma tortura e outra de palestinos, são “terroristas”. Para o governo brasileiro... Bem, está olhando para o lado fazendo de conta que não é com ele.

Por maiores que tenham sido os eventuais avanços sociais o Brasil vai tomando feições de entreposto dos grandes bancos, do complexo empresarial que controla o mundo (a indústria de armas brasileira é na verdade controlada por Israel), da praga do latifúndio e seu agronegócio.

Em pauta os leilões do petróleo, privatização de aeroportos, um código florestal – com ou sem os ajustes de Aldo Rebelo – que assegure às subsidiárias nacionais do terror a impunidade e os privilégios que dispõem.

Não adianta nem chorar, o aqüífero Guarani, onde os caras estão de olho, já está contaminado por agrotóxicos na delirante viagem capitalista do agronegócio. Abastece algumas cidades do País.

Nessas ordens e desordens, ou desordens e ordens, a GLOBO tem várias opções. Quando for hora de colocar o povo de castigo tasca Miriam Leitão, versão televisiva e radiofônica do monstro que rouba balas e pirulitos de crianças e assombra adultos ávidos de passeios em shoppings. O sanduíche da rede McDonald’s pode ficar mais caro diante da perspectiva de pique da inflação em agosto segundo especialistas do governo.

Haja vaga em consultórios de psiquiatras, psicanalistas e que tais. Síndrome de privação de catchup e mostarda nos sanduíches McDonald’s.

Se, por outro lado, for a hora de destacar o papel cultural da rede – principal braço midiático do terror internacional no Brasil – basta colocar Xuxa em entrevista à tevê argentina falando que dorme com travesseiro de “pênis de ganso”.

A oração vem em várias etapas durante o dia. As duas principais com os dois reverendos Willians. O Bonner e o Waack.

Que nem o padre que mandou os fiéis enfrentarem um eventual ataque de pitt bull com um olhar determinado e preces, que a fera daria meia volta. Em experiência própria, ao se deparar com cães em situação assim, baixou hospital para atendimento de emergência, cheio de mordidas.

Mas tudo cash.

In casu é resistência pura e simples. Ou se achar que vale a pena seguir a manada.

Tem a “vantagem” de poder optar entre o Gugu e o Faustão.

Ou assistir às entrevistas do técnico Muricy Ramalho falando em trabalho “sério” e em “lealdade”.

Estão tentando ressuscitar José Neves e Aécio Serra para assombrar incautos e platéia de um modo geral. Pretendem abolir qualquer limitação a vampiros e o bafômetro.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

ENTULHO AUTORITÁRIO DO SITE DA ROTA NÃO INCOMODA ALCKMIN

No Portal do Governo do Estado de São Paulo, o internauta tem acesso à página virtual do 1º Batalhão de Polícia de Choque - Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar - Rota.

E nesta, clicando em Histórico do BTA, encontrará:
"Marcando, desde a sua criação, a história desta nação, este Batalhão teve seu efetivo presente em inúmeras operações militares, sempre com participação decisiva e influente, demonstrando a galhardia e lealdade de seus homens, podendo ser citadas, dentre outras, as seguintes campanhas de Guerra:
  • Campanha do Paraná, em 1894
  • Questão dos Protocolos, em 1896
  • Guerra de Canudos, em 1897           
  • Levante do Forte de Copacabana, em 1922        
  • Revolução de 1964, quando participou da derrubada do então Presidente da República João Goulart, apoiando a sociedade [os grifos são meus] e as Forças Armadas, dando início ao regime militar com o Presidente Castelo Branco
  • Campanha do Vale do Rio Ribeira do Iguape, em 1970, para sufocar a Guerrilha Rural instituída por Carlos Lamarca"       
 Depois, em Os Boinas Pretas, lê-se o seguinte:
"Sufocado o foco da guerrilha rural no Vale do Ribeira, com a participação ativa do então denominado Primeiro Batalhão Policial Militar “TOBIAS DE AGUIAR”, os remanescentes e seguidores, desde 1969, de "Lamarca" e "Mariguela" continuam a implantar o pânico, a intranqüilidade e a insegurança na Capital e Grande São Paulo. Ataques a quartéis e sentinelas, assassinatos de civis e militares, seqüestros, roubos a bancos e ações terroristas. Estava implantado o terror.      
Mais uma vez dentro da história, o Primeiro Batalhão Policial Militar “TOBIAS DE AGUIAR”, sob o comando do Ten Cel SALVADOR D’AQUINO, é chamado a dar seqüência no seu passado heróico, desta vez no combate à Guerrilha Urbana que atormentava o povo paulista.
Havia a necessidade da criação de um policiamento enérgico, reforçado, com mobilidade e eficácia de ação.
Incumbe-se à 2ª Cia de Segurança do Primeiro Batalhão Policial Militar, exclusivamente de Tropa de Choque, a iniciar o Patrulhamento Ostensivo Motorizado no Centro de São Paulo.
Surge então o embrião da ROTA, a Ronda Bancária, que tinha como missão reprimir e coibir os roubos a bancos e outras ações violentas praticadas por criminosos e por grupos terroristas.
Em 15 de outubro de 1970, este “embrião” passa a denominar-se "RONDAS OSTENSIVAS TOBIAS DE AGUIAR" – ROTA."
A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR

A indagação que continuarei fazendo enquanto este entulho autoritário não for tirado do ar é: tais conceitos e tal visão da História brasileira são ainda endossados pelo Governo paulista?

Caso contrário, por que o Governo paulista mantém até hoje em seu portal a retórica falaciosa da ditadura militar, apresentando resistentes como transgressores e, implicitamente, uma tirania exercida por golpistas como Poder legítimo?

Foi o que indaguei do então governador José Serra, em carta aberta, no mês de outubro de 2008.

E consegui que lhe fosse perguntado numa sabatina da Folha de S. Paulo em junho de 2010, quando já deixara o governo.

Tendo ele negado que tais aberrações fossem avalizadas pelo Governo paulista, enviei carta a Alberto Goldman, o seu substituto no Palácio dos Bandeirantes (vide comentários do mesmo artigo), que foi recebida, protocolada e, verdadeiramente, não respondida -- prometeu-se estudar o caso, e nenhuma outra satisfação me foi dada.

Então, no início do ano, fiz a mesma queixa ao recém empossado governador Geraldo Alckmin.

Fui novamente ignorado, mas vou perseverar, insistindo até que sejam tomadas as providências cabíveis e obrigatórias numa democracia.

Eu e todos que lutamos contra o arbítrio instaurado em 1964 continuamos indignados com os infames elogios à derrubada de um presidente legítimo e a ações repressivas executadas durante a vigência do terrorismo de estado no Brasil, marcada por atrocidades, execuções covardes, estupro de  prisioneiras, ocultação de cadáveres e o sem-número de outros crimes e arbitrariedades com que os déspotas intimidavam nosso povo,  para mantê-lo subjugado.

Enquanto o governo do Estado de São Paulo não cumprir com seu dever, eu estarei aqui para lembrar qual é.

PETIÇÃO ONLINE


A petição online PELA SUPRESSÃO DOS ELOGIOS AO GOLPISMO, À DITADURA  E AO TERRORISMO DE ESTADO NA PÁGINA VIRTUAL DA ROTA pode ser acessada pelo link http://www.peticaopublica.com/?pi=P2011N10044

Trata-se de mais uma iniciativa para livrar o Brasil dos resquícios autoritários que ainda subsistem, um quarto de século depois da redemocratização.

Vale lembrar que a Rota foi uma das forças policiais mais identificadas com a truculência da ditadura, daí a relutância de seus oficiais em retirarem da página virtual afirmações as mais inaceitáveis numa democracia.

Cabe a nós demonstrarmos que o sacrifício de nossos heróis e mártires não foi em vão, e que não abrimos mão de nossa grande conquista de 1985: a liberdade dos brasileiros.