Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 2 de abril de 2011

Entrelazamos los acontecimientos para desenredar la historia

Entrelazamos los acontecimientos para desenredar la historia
Quizá una de las cosas más terribles que le puede suceder a un pueblo es padecer de memoria corta; los imperios a lo largo de la historia han sobrevivido de las memorias cortas y la incapacidad de aprovechar las lecciones históricas de otros pueblos. Muchos investigadores se inclinan por creer que esta es una mecánica consustancial a las sociedades, en la que hay pueblos más aptos que otros para adaptarse y aprovechar las coyunturas que se les presentan. De este sistema de pensamientos surgen estereotipos implantados en las mentes de muchas generaciones como: “los pobres siempre han existido y siempre existirán”, “la pobreza no se puede erradicar porque es parte de la naturaleza humana”, “el ser humano es egoísta al nacer, está en su espíritu acumular riquezas”.

Parece que los hondureños padecemos una extraña amnesia, y tenemos dificultades para entrelazar los acontecimientos de tal forma que podamos interpretar lo que sucede como consecuencia de hechos previos. Obviamente, un colectivo que opta por ignorar la interconexión entre acontecimientos, pierde de vista la naturaleza misma de las cosas, por lo que tiende a ser reiterativo en la comisión de errores que a la larga benefician a los que han impuesto una estructura de pensamiento “inmune” al pensar. Claro, es más cómodo que otros nos digan que hacer, que somos, de dónde venimos, que es lo mejor para nosotros.

No han pasado ni dos años del golpe de Estado de junio de 2009, y el hecho más funesto de los últimos 30 años queda dormido en la memoria de unos pocos, mientras nos vamos saltando de vagón en vagón dentro de un tren de ideas confeccionado por el imperio a modo de que nuca recordemos el carro anterior.  Por eso es necesario que hagamos un esfuerzo para entender el contexto de nuestra realidad a partir de agosto de 2008. Muchas cosas que se dan por sentadas, y que muchos preferimos desechar por estar “suficientemente discutidas”, adquieren vigencia una y otra vez, sin que nos percatemos de su importancia para el desarrollo futuro de nuestras luchas.

A muchas personas se les ha ocurrido que el golpe de Estado es “agua debajo del puente” y que es mejor olvidar y dar rienda suelta a nuevos y excitantes momentos, hasta que el cumulo de aventuras nos lleve a encontrarnos con la fortuna de una sociedad mejor. Otros hablaron sobre la opción de llevar las tensiones a su nivel máximo, para buscar el dialogo en condiciones apropiadas. Otros se metieron de lleno en la idea de solventar lo anterior participando en el juego de los mismos oligarcas que perpetraron el delito. La idea de refundar el país a partir de una porción de la población parece un gran ejercicio democrático, pero no la solución de los problemas. La historia nos está demostrando que todos estos hechos y todas estas articulaciones de pensamiento están intrínsecamente vinculados, y que la forma en que interactúan no es siempre bien entendida, o, bien explicada.

En agosto de 2009, 13 meses después del golpe se daba la primera crisis magisterial con el régimen imperante en el país; después de una estira y encoge en el que las bases fueron cruelmente reprimidas, y sus dirigentes alcanzaron un acuerdo con el gobierno, no se solucionó nada. Transcurrieron 6 meses sin que les cumplieran ni uno solo de los puntos suscritos en el acta de compromiso. Quizá una de las razones para que no lo hayan hecho es que no tienen la intención de hacerlo; que en realidad de las crisis que ellos tensan hasta donde quieren, nosotros no obtenemos frutos ni lecciones. Esta posición del sistema no puede ser casual, y no está relacionada con los problemas directos del magisterio; está conectada con las causas que provocaron el golpe de Estado en una de las naciones más pobres del continente.

Después de aquel junio fatídico, se han negociado dos aumentos al salario mínimo; con el resultado de no más 300 lempiras de aumento en dos años, en promedio, y la desindexación del mismo para los maestros. Los resultados nos demuestran con números trágicos las consecuencias de “negociar” con el régimen. No se ha podido sostener ninguna conquista popular; al contrario, poco a poco la gente vive la pesadilla de perder todo lo que hace unos años sentía garantizado. Los fondos de pensión se van por el caño de la corrupción, pero los dirigentes de los sindicatos públicos se rinden sin pelear y sus bases se conforman con mantener su “chamba” frente a la amenaza permanente del despido que se cierne sobre ellos en la forma de miles de activistas que merodean la administración pública; solo los maestros y maestros pelean hasta la última gota sus derechos.

Las Centrales Obreras se ven chiquitas cuando el gobierno anuncia un aumento ridículo al salario mínimo, y la que protesta es la empresa privada. Que terrible es para todos los trabajadores ver que nominalmente han obtenido dos remedos de aumento, y hasta la fecha no reciben ninguno de ellos ante la vista complaciente de sus representantes. Es difícil entretejer los acontecimientos; sin embargo, el régimen se declara partidario de que los dirigentes de las centrales sean interlocutores entre el sector educación y ellos. Sería bueno que una vez en la vida nos impusiéramos la obligación de pensar ¿Por qué? Una vez que nos hagamos esta pregunta, surgirán en cadena muchas interrogantes que nos llevaran hasta el golpe de Estado, pasando por el Plan de Nación, por la Visión de País de la oligarquía, hasta llegar al sórdido complot que destruyo la frágil democracia hondureña.

El único requisito para hacer este recorrido es pensar, inferir.  El 19 de septiembre de 2008 el general Romeo Vásquez Velásquez revelaba en una emisora de radio de Tegucigalpa, que muchas veces se le habían acercado para sugerirle que derrocara al presidente Manuel Zelaya, Esto sucedió un mes después de la firma del ALBA, un mes antes de su ratificación en el Congreso de Micheletti, y casi un año antes del golpe mismo. ¿Qué sucedía en Honduras antes del 19 de septiembre de 2008 que motivaba la intención de acabar con el régimen democrático?  Según un cable mostrado por Wikileaks, Charles Ford se expresó muy mal de Zelaya en Junio del 2008, y esas expresiones negativas iban dirigidas a su sucesor, el actual embajador Hugo Llorens; viene a la mente la interrogante ¿desde cuándo comenzó a sentir Ford su animadversión hacia Zelaya?, ¿Por qué? ¿Qué hacía Zelaya que molestaba tanto a todas las esferas del poder en Honduras?

Las mismas fuerzas que hicieron saber al público que había intenciones de romper el orden constitucional, fueron las  que lo sacaron hacia Costa Rica. De hecho, el día 25 de junio por la noche, circulaban mensajitos entre miles de celulares un texto que decía “ya no hay problema, esta noche lo vamos a sacar”. Esto sucedía apenas 72 horas antes de la sublevación militar y el ametrallamiento de la casa del presidente. ¿Cómo hace un empresario de tradición rural, perteneciente a la rancia clase dominante del país, para enojar tanto a sus “amigos”?; ¿Qué era tan terrible en las acciones de Zelaya que no pudieron esperar 7 meses hasta que terminara su mandato? ¿Por qué los casos contra Zelaya suenan con estruendo pero nadie los conoce? Hay muchísimas preguntas que van surgiendo de cada una de estas interrogantes. Luego muchos preguntaran ¿y esto que tiene que ver con lo que pasa ahora, a finales de marzo de 2011? Y es aquí, donde necesitamos la ayuda de muchos para difundir todo este entramado, fabricado como filigrana desde Washington.

Aunque hay muchas cosas que se pueden ver con claridad al examinar documentación referida a la administración Zelaya, la época post golpe nos llama la atención por un hecho significativo: los militares dieron el golpe de Estado, pero dejaron en las manos de los civiles traidores la careta de administradores del país, aunque en la práctica hayan militarizado la sociedad hondureña. Dentro de estos civiles están los candidatos presidenciales de las elecciones de 2009, que luego serían repartidos en puestos públicos en señal de reconciliación de nuestra nación. La legitimidad del proceso electoral ni siquiera requiere escrutinio, aunque si pensamiento. Los que no salimos a votar, presenciamos un vacío enorme en las calles ese día, se vivía un ambiente de temor, pero después nos dijeron que había sido la votación más amplia de la historia y que se había vencido el abstencionismo.

A las cinco de la tarde se esperaban resultados de Boca de Urna, producidos por “el mejor sistema de conteo” que se haya visto en el país. Sin embargo, fue hasta cerca de las diez de la noche que nos dieron los primeros resultados, con Porfirio Lobo Sosa ganando a Elvin Santos por más o menos el doble de votos. Démosle un poco de espacio al análisis; sabemos que el imperio estaba al tanto de que Santos estaba perdido después del golpe, que ganaría Lobo Sosa, y que la votación seria escandalosamente baja. El asunto en cuestión no era cuantos votos sacaría Lobo Sosa, era la catástrofe electoral de Santos lo que preocupaba. Les inquietaba que este singular personaje obtuviera volúmenes electorales similares al de  los partidos “adjuntos” al sistema. Ese día, el problema no era lo que harían a continuación, eso estaba planeado de antemano, y lo ejecutaría cualquiera que ganara la presidencia; ese día se le dio RCP al bipartidismo y se inflaron los datos de todos los participantes.

Aquí se definió al ejecutor del Plan de Nación, que es el marco lógico y justificación de todas las medidas anti nacionales adoptadas por el régimen a partir de febrero de 2010. Nunca tuvo la derecha, ni tiene,  intenciones de mejorar la vida de los hondureños y hondureñas; su misión fundamental es quebrar toda forma de conquista para ofrecer mano de obra barata, a presuntos inversionistas extranjeros. La novedad de separar en pedazos al país para traer prosperidad, no es una novedad. El Plan de País es muy explícito al decir que el desarrollo del país en los próximos 28 años dependerá de la explotación de recursos naturales y la venta de mano de obra barata. Aquí la ecuación es simple para el presidente del Congreso; hay demasiados profesionales, hay que sacar técnicos, en turismo, en informática, que salgan de la secundaria con formación para entrar directamente al mercado laboral. Claro la masa que se ocupa no es científica, es una masa entrenada para servir lo que se quiere formar.

La tarea de juntar los acontecimientos no es fácil, pero tampoco imposible. Aquí hay un asomo que puede mejorarse con el concurso de muchos y muchas que pretendan entender el momento histórico que vivimos. La conclusión hasta este punto es que, no importa cuántas actas de compromiso firme el régimen, nunca cumplirá ninguna, porque eso se aleja de sus propósitos: El dialogo entonces será siempre un acto entre “sordos” fascistas y la dirigencia gremial, sin ir más allá. El problema de fondo es derogar ese Plan de País, y reconstruir la democracia, a partir de una Asamblea Nacional Constituyente que siente las bases de una nueva sociedad. Las luchas subsiguientes deben unificar a todos los sectores que hoy siguen sus luchas individualmente, y deberán mostrar que para derrotar a la oligarquía hay que enfrentarla en cualquier campo posible, aun si es bajo sus propias reglas: Al final, lo más importante es entregar al pueblo la verdad, él entonces decidirá que hacer a continuación.

Construyamos las tesis que faltan, entendamos nuestra historia.


Ricardo Salgado
31/03/2011

COSTA DO MARFIM URGENTE!

COSTA DO MARFIM URGENTE!

por Carlos Papel, sábado, 2 de abril de 2011 às 13:41
Adriana Politi 02 de abril às 11:35
Recebi um depoimento importante sobre a guerra na Costa do Marfim, como é muito grande, divulguei em notas no meu perfil, se acharem importante capturem lá e divulguem por favor.
                                                                                  Carlos Papel

Amigos,

Como alguns de vocês sabem estou na França refugiada por causa da guerra na Costa do Marfim, para minha grande tristeza deixei por la minha casa fechada com todos os nossos pertences...
Mas o que me preocupa não são os meus bens materiais, mas sim a segurança dos meus amigos que estão por la sem nenhuma assistência por parte da ONU, ONU esta que iniciou toda a confusão que esta acontecendo por la... Temos 10 000 Soldados da ONU que estão por la NINGUEM SABE FAZENDO O QUE...
Civis locais e estrangeiros estão correndo risco de vida, um caos general e os soldados da ONU não movem um dedinho para protegê-los. A seguir vocês encontrarão trechos do chat entre mim e uma das minhas amigas que esta fechada em casa so ouvindo tiro e bomba caindo.
Eu tive sorte de ter excelentes amigos que estão me dando apoio logistico aqui na França para que minhas filhas não percam o ano escolar, mas muitos dos meus amigos não tiveram a mesma oportunidade e estão la no meio de uma gerra sem sentido e sem nenhuma proteção.
Minha amiga me pediu para divulgar nossa conversa sem obviamente divulgar o nome dela visto que ela esta la no meio da confusão, sendo assim, peço a vocês que também são meus amigos para divulgarem o texto abaixo (se possivel até mesmo para jornais) a ONU precisa assumir suas responsabilidades.

Desde ja agradeço.

Conversa no Facebook com minha amiga que esta em Abidjan COSTA DO MAFIM…



AMIGA : é assim: um tiro de « OBUS », acho q assim que se escreve caiu na piscina da minha vizinha de muro, fomos todos dormir na sala , local onde tem lage na casa. nao temos como sair , pois a Licorne e a ONUCI nao conseguem chegar.

assim estou entre um tiroteio de jovens patriotas e nao sei quem, pois a esta altura nao sabemos mais quem é quem , sei que ontem queimaram vivo um rapaz na esquina de casa, que horror, ouvi os grirtos e esse foi o motivo de tanto tiro de obus por aqui, no toal foram 4. lados e frente e fundos da minha casa.....



EU : ei



AMIGA : deu para assustar,. Meu marido esta dormindo so’ agora, esta perdendo o humor, eu a tranquilidade.

e a paciencia ,pois na verdade nao temos segurança como afirmam que temos



EU : Ai meu Deus



AMIGA : ninguem sabe com quem estar o poder .... e a tal da ONUCI é uma merda

foi ela a responsavel por tudo isso



EU : amiga nem sei o que te dizer estamos de coraçã com vocês. Ainda bem que sai ai a tempo com meus filhotes.



AMIGA : precisa divulgar eu nao posso fazer ..



EU : meu Pai.. Vamos continur a far no skype...



Contnuação No skype.



[13:17:28] AMIGA : Não consigo te ouvir, vamos escrever, tem muito tiro aqui… Te peço por favor divulga que a ONU nao esta fazendo nada

[13:17:39] EU: vou divulger mas sem divulgar seu nome visto que vc ainda esta por ai. Vou mandar via mail aos meus amigos pedindo pra divulgar também.

[13:17:49] AMIGA: so fez atrapalhar as eleiçoes dando o resultado muito rapido

[13:17:52] EU: vou começar agora

[13:18:11] AMIGA: diga que é uma amiga que mora no coccody e que o tiro cqiu na piscina dela

[13:18:37] EU: assim que terminar contigo

[13:18:52] vou entrar em todos os sites dos jornais franceses e dvulgar

[13:19:07] vou divulgartambé no meu facebook.. vou iniciar agora

[13:19:39] AMIGA: temos que colocar a rEsponsabilidade de segurança dos civis na ONU

[13:19:52] EU: daqui a pouco volto afalar contigo

[13:20:26] AMIGA: as 3 brasileiras que tiveram medo e sentiram-se inseguras nas casas , estavam na zone 4 e marcory e sairam com a LICORNE estao no BIMA

[13:20:59] EU: vou tentar divulgar o maximo possivel

[13:21:02] AMIGA : os jovens patriotas estao alem de drogados , armados .

[13:22:06] as barreiras em cocody agora sao de pneus em chamas

[13:22:17] EU: meu pai

[13:22:55] AMIGA: onde o motorista mora que é perto do Ivoire hotel, os ebries estao todos armados ...

[13:23:11] começou uma fulga mas nao se sabe pra onde

[13:23:30] : EU : escreve tudo que vou traduzir e mandar para os jornais Franceses e o original em português mando para o Brasil.

[13:23:32] AMIGA: assim é melhor se ficar em casa . debaixo da lage

[13:23:57] e torcer para nao cair mais outro obus

[13:24:45] na licorne dizeram que um obus nao cai 2 vezes no mesmo lugar ...

[13:25:14] AMIGA : a Embaixadora fica pedindo auxilio e so sabem responder para ela que nada podem fazer ....

[13:25:20] obus é uma arma pesada

[13:25:28] é um canhao de longa distancia

[13:25:33] EU: senhor Jesus

[13:26:09] AMIGA : mas nao se preocupa

[13:26:17] divulga por favor

[13:26:28] EU: agora mesmo

[13:27:31] AMIGA: obrigadissima

[13:27:57] EU: te aviso quand tiver novades

[13:28:15] AMIGA: ok

[13:28:33] e eu sempre que puder fico narrando o q se passa por aqui

[13:28:51] EU: ok estou ligando pra france 24

[13:29:01] ja estou notelefone esperndo

[13:34:00] ja falei con france 24 que vão me ligar devolta talvez para uma entrevista ao vivo

[13:34:11] agora estou ligano para tf1

[13:34:53] AMIGA: o tiroteio esta em frente da minha casa, ou melhor as balas é que passam ...

[13:35:05] EU: vai narrando tudo

[13:35:15] AMIGA: tem uma turma que esta subindo perto da nestle

[13:35:17] EU: estou ligando para todos os jornais

[13:35:33] AMIGA: e eles tem suas barreiras depois da minha csa, uma no mercado

[13:35:46] e outro na rua que vai para o cocody danga

[13:36:05] EU: depois vou copiar tudo tiarando o seu nome e vou mandar para os jornais

[13:36:23] AMIGA: nao tem nenhuma proteçao para as pessoas que moram aqui, na sua maioria estrangeiros

[13:37:34] atras de casa tem uma grande favela onde estao escondidos os jovens e eles estao atirando pesado pra la.... mas nao pergunte quem atira ... ninguem sabe quem é quem nesta guerra de interesses

[13:45:26] EU: estou nno telefone

[13:51:12] : falei com tf1 também agora vou tentar falar com LCI, em seguida vou tentar colocar tudo o que vc me escreveu sem te identificar e voumandar para os jornais Brasileiros

AMIGA : estamos pensando em tirar uma foto na piscina com o bus na mao e colocar na net..... juro q se conseguirmos ir ate a piscina com segurança nos faremos a foto... parece bricadeira mas foi verdade.

[15:07:44] EU: SE PUDER TIRA A FOTO E MNDA PRA MIM

[15:08:07] QUE coloco junt com o mail que estou preparando para os jornais

Reforma Política: dando nomes aos bodes

Reforma Política: dando nomes aos bodes: "– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google"

Reforma Política: dando nomes aos bodes

Por Milton Temer -
Os principais colunistas políticos do Globo entraram pesado, nesta semana, na pauta da Reforma Política. E, como era de se esperar, entraram para atender ao senso comum, conservador e reacionário.

Atacam por duas vias: referem-se à baixa qualidade crescente dos representantes nas chamadas instituições republicanas, o que não é novidade, mas sem ir à raiz das causas dessa degradação do sistema, a não ser por rápidas pinceladas em seus aspectos mais óbvios. E se limitam à discussão simplista de um famigerado conceito "distritão", puro, ou mesclado com uma parcela de votos proporcionais, sem corrigir suas distorções.

O nosso sistema eleitoral é um horror. E não o é por incompetência, mas, sim, por deliberação consciente dos responsáveis por sua formulação. Sua forma atual é da lavra do "experiente ex-senador do PFL de Pernambuco Marco Maciel, cuja vocação conservadora remonta ao tempo em que era quadro proeminente do regime autoritário que nos atazanou por duas décadas. Estabeleceu regras draconianas para a formação de novas legendas – caso do PSOL – mas não ousou liquidar legendas de aluguel que fazem linha auxiliar dos partidos tradicionais.

Para democratizar e dar transparência ao processo eleitoral, há uma preliminar a solucionar – a representatividade.

Hoje, por conta da existência de um teto e um piso por Estado da Federação, um eleitor no Acre, que elege 8 deputados, tem um poder quase 20 vezes superior a outro eleitor do Acre, se este votar em São Paulo. Isto tem que acabar. É preciso dar um fim a esses parâmetros máximo e mínimo por Estado, estabelecendo quociente nacional único. E sem problema para a questão da relação igualitária entre Estados, pois ela está garantida pela representação de 3 senadores para cada unidade da federação, a despeito de área geográfica e população.

Vem depois a questão do poder econômico, que nunca será neutralizado, a não ser com o financiamento público das campanhas e o voto de lista. É um ponto fundamental, na linha contrária do que vem sendo proposto pelo Vice-Presidente Michel Temer (com quem não tenho, felizmente, nenhum laço familiar). Seu "distritão" prioriza a lista dos mais votados e liquida com a legenda partidária, portanto só se sustenta com financiamento privado, com a hegemonia do grande capital. Ou seja; aqueles que têm maior poder econômico para fazer as campanhas mais ricamente mentirosas se impõem sobre os que batalham apenas no campo das ideias. Muito mais democrático é estabelecer o voto de lista, com a lista sendo composta através de prévias entre os filiados dos partidos, o que torna a votação final muito mais consciente. Ao invés de votar em pessoas, vota-se em programas definidos.

Caminhos para isso já estão abertos, através de projeto de lei aprovado no Senado, que ficou brecado na Câmara por acordo espúrio de partidos conservadores.

24/02/2011

Milton Temer é jornalista e Diretor Técnico da Fundação Lauro Campos

Encontro Estadual Blogueiros Progressistas Mato Grosso

http://guerrilheirosvirtuais.blogspot.com/Guerrilheiros Virtuais e Encontro Blogueiros
Para se inscrever, siga os procedimentos abaixo – Efetue o depósito de R$ 20,00 , referente à taxa de inscrição, na conta de Gonçalves e Neponuceno-Ltda-ME (Banco do Brasil, Agência 2764-2, Conta Corrente 52608-8); – Encaminhe o comprovante do depósito para o e-mail vgnewsmt@gmail.com. ou ligue para o fax (65) 3682-0585, aos cuidados de Elisangela Neponuceno Informe também seus dados (nome ou nicknane, e-mail, endereço de blog, Twitter ou outra rede social, telefone, cidade e estado); – Se o seu pedido de inscrição não for confirmado em até dois dias, entre em contato com Elisangela Neponuceno (65) 8414-2826; As inscrições custam 20 reais. Quanto mais rápidas, melhor para a organização do evento. Basta enviar e-mail para vgnewsmt@gmail.com. ou telefonar para (065)8414-2826. Falar com Elisangela Neponuceno
A comissão organizadora está buscando patrocínios para garantir a gratuidade da hospedagem. Está em contato com várias instituições e empresas . Dependendo dos recursos levantados, o Encontro também arcará com as despesas de refeições e parte das passagens para os blogueiros de outros municipios.
Daremos total transparência à origem dos recursos e à prestação de contas. Os blogueiros poderão acompanhá-la online.
1º-Encontro de Blogueiros de Mato Grosso Data: 08 e 09 de abril Local: Escola de Contas do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Programação

08-04-2011
Período da Noite - 19h às 21h - Palestra aberta ao público - Debate
Mediadores: Professores universitários- Haya Dalla Bel Alváro Marinho Blogueiros: Sandra Carvalho Karina Nogueira falam sobre os objetivos e a dinâmica do encontro.
Sarau


09-04-2011

08h00 - 09h00 -> Credenciamento e Café da Manhã
09h00 às 11h00- O papel da internet e os desafios da internet, com Paulo Henrique Amorim (SP), Conversa Afiada
Como financiar a blogosfera, com Geórgia Pinheiro (Conversa Afiada) 11h00 as 13h00- Almoço
13h00 as 15h00-Mídias Sociais e populares- "Uso dos Blogs -ferramentas de mídias
Papel dos blogs, jornais e sites e das redes sociais na cobertura e mobilização política
Com Nanda Tardin / Laerte Braga- JSF
15h00 as 17h00- Mesa de debate o objetivo é a troca de experiências

OLAVO, EREMIAS, JUAREZ E OS OUTROS MÁRTIRES NOS LEGARAM UMA MISSÃO

No dia da mentira, fui chamado a dizer algumas palavras sobre a grande mentira que impingiram ao povo brasileiro há 47 anos.

O ato teve lugar na sede da Apeoesp, no centro velho de São Paulo.

Os companheiros da Liga Estratégia Revolucionária - Quarta Internacional convidaram expoentes de várias tendências da esquerda, adotando uma postura ecumênica que sempre me agradou.

Somos pessoas empenhadas em mudar o mundo e é natural que façamos o possível e o impossível para unirmos nossas forças, em nome dos objetivos comuns; quem compete encarniçadamente pelo  mercado  são os burgueses e pequenos-burgueses...
Olavo:  suicidado

Foi gratificante ouvir a companheira Criméia Almeida -- que era dirigente do PCdoB no tempo da Guerrilha do Araguaia, mas estava fora da área quando a repressão foi desencadeada e não conseguiu reentrar, o que lhe salvou a vida -- relatar sua luta incansável para levar os carrascos da ditadura aos tribunais, culminando com a sentença favorável do tribunal da OEA.

Falaram também o sociólogo Chico de Oliveira; Claudionor Brandão, dirigente sindical dos funcionários da USP que o governo tucano, arbitrariamente, demitiu da universidade; o professor Márcio Barbio e o ex-preso político Gilson Dantas, entre outros.

Dantas fez uma tocante evocação do mártir trotskista Olavo Hanssen, preso ao distribuir panfletos no 1º de maio de 1970 e torturado com a betialidade habitual.

Os Torquemadas da ditadura encaminharam-no para o Hospital Militar com os rins em frangalhos, mas não resistiu.
Eremias: desfigurado

Depois, montaram um cenário de suicídio, devidamente avalizado por médico infame, que deu como  causa mortis a ingestão de inseticida (nunca deixado ao alcance de presos políticos em lugar nenhum!), desconsiderando as inconfundíveis marcas das sevícias.

Por minha vez, destaquei o exemplo de companheiros como Eremias Delizoicov (morto e desfigurado por 35 disparos aos 18 anos de idade) e Juarez Guimarães de Brito (professor que abandonou uma posição consolidada no meio acadêmico para ensinar uma lição muito mais necessária a seus discípulos) e enfatizei a necessidade de continuarmos lutando para concretizar os objetivos pelos quais sacrificaram a vida.

Foi reconfortante ver o auditório lotado de jovens, incluindo uma delegação de operários e estudantes da cidade de Franca (SP)..
Juarez: sacrifício extremo

Pois é deles que dependerá a continuidade de nossos esforços para a construção de uma sociedade que concretize os ideais supremos da humanidade: a liberdade e a justiça social

E eu saí de lá com a mesma sensação de quando visitei a primeira ocupação da reitoria da USP nesta nova fase do movimento estudantil iniciada em 2007: a de que as novas gerações de idealistas assumirão a missão e darão o melhor de si para a cumprir.

Como nós fizemos, nos tempos sombrios de 1964/85 e nestes tempos exasperantes de redemocratização sob total controle da burguesia.

A luta continua.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

ANTIGO TORTURADOR CONFIRMA EXECUÇÃO DE GUERRILHEIROS DO ARAGUAIA

Lucena: "O sujeito amarrado, algemado e
o executor puxava o gatilho e matava"
Definitivamente, não foi o aniversário com que sonhavam as  viúvas da ditadura.

Se já não bastasse a Folha de S. Paulo haver desencavado diretrizes da Marinha ordenando a eliminação dos guerrilheiros do Araguaia, o SBT levou ao ar uma entrevista-bomba do antigo torturador João Lucena Leal, concedida a Roberto Cabrini.

Para quem não assistiu, um bom relato é o da longa reportagem do site Tudo Rondônia: Advogado de Rondônia choca o Brasil com depoimento sobre torturas e mortes das quais ele próprio participou

Eis alguns trechos mais impactantes:
"Na entrevista, Lucena descreveu, com tranqüilidade e frieza, o que viu e o que fez com os adversários políticos do regime. 'O sujeito amarrado, algemado e o executor puxava o gatilho e matava', disse ele ao narrar uma das cenas entre as inúmeras das quais presenciou e participou.

...informou ter apenas um remorso. Foi quando viu o corpo de uma moça de 17 anos morta pelos militares. 'Peguei no corpo dela e ainda estava quente. A moça não tinha ideologia nenhuma'.

Em Rondônia, Lucena ficou rico como advogado de traficantes e de notórios assassinos, como o fazendeiro Darli Alves, que matou a tiros, no Acre, o líder seringueiro Chico Mendes.
Preso nesta semana por porte ilegal de
arma, Curió não ficou nem um dia detido
 Mostrando profundo conhecimento no assunto, o advogado disse que, na sua época, o método mais utilizado era o pau de arara, nas suas palavras, 'um instrumento cruel, devastador, que deixa seqüelas. Tem muita gente que não resiste meia hora e conta tudo. Às vezes, é só mostrar o instrumento e ele (a vítima) abre'.
Lucena afirmou ter visto de dez a 15 execuções de guerrilheiros do PC do B no Araguaia, entre elas, a morte de uma jovem identificada por ele como 'Sônia', que foi assassinada pelo hoje major reformado do Exército Sebastião Curió.

Tanto Curió quanto Lucena participaram das investigações e prisão da hoje presidente Dilma Rousseff, então militante política. 'Ela (Dilma) era uma menina de 17 ou 18 anos de idade que foi presa e levada para a Operação Bandeirantes e entregue ao delegado Fleury (Sérgio Paranhos Fleury, notório torturador)'."
Aparentemente, a "moça de 17 anos morta pelos militares", que "não tinha ideologia nenhuma", seria moradora da região e não guerrilheira.

Quanto à  Sônia, Lucena pode estar se referindo a Lúcia Maria de Souza, estudante de medicina do RJ que chegou a prestar serviços médicos aos habitantes do Araguaia e a fazer partos.

Emboscada por uma patrulha do Exército em outubro/1973, quando estava em curso o extermínio de todos os guerrilheiros localizados, levou tiros mas, sem que que os militares percebessem, tombou em cima de sua arma.
Sônia: "Guerrilheira não tem nome,
seu fdp. Eu luto pela liberdade"

Ao perguntarem seu nome, ela deu a resposta célebre: "Guerrilheira não tem nome, seu fdp, eu luto pela liberdade!".

E, puxando o revolver de sob o corpo, atirou neles, atingindo no braço o (então) major Lício Maciel e  na barriga o capitão Sebastião Alves de Moura.

Foi em seguida metralhada e seu corpo, abandonado insepulto na mata.

O capitão Sebastião se tornou mais conhecido com a patente que adquiriu depois (major) e o apelido de Curió. Na reserva, ele é, na verdade, coronel.

Pensava-se que, ferido, não tivesse sido ele um dos executores de Sônia. Agora, Lucena pode ter lançado  uma nova luz sobre o episódio.

O chefão do Serviço Nacional de Informações e futuro ditador João Baptista Figueiredo chegou a citar numa entrevista a reação de  Sônia  como exemplo do "fanatismo" dos guerrilheiros...

"CONSCIÊNCIA POLÍTICA RAZÃO SOCIAL": A FARSA e o GOLPE montada para respaldar uma reforma elitista: Participação Popular SUFOCADA pelos interesses da Elite

"CONSCIÊNCIA POLÍTICA RAZÃO SOCIAL": A FARSA e o GOLPE montada para respaldar uma reforma elitista: Participação Popular SUFOCADA pelos interesses da Elite: "Companheiros, a PRO REFORMA, foi o grupo encontrado pelos parlamentares para dizer que a Reforma Politica conta com a participação Popular ( E no Ciclo de debates - realizado pelo mandato de Ana Rita, outra farsa tb. foi montada, pois não tivemos debates e sim palestras com DOUTORES ( fizeram questão de se apresentarem desta forma) ensinando as vantagens das propostas que servirao a ELITE.


Abaixo uma carta enviada a Luiza Erundina que mostra e explica os porques do fato acima colocado:A Deputada Luiza Erundina ( aqui presente):

Cara Deputada e combativa companheira,

Pedimos que considere: A Pro- Reforma, grupo que pertenço tb. , escolhido para representar a sociedade Civil , na Reforma Política ( se é que teremos representação), é um grupo de diversos grupos? por um lado a CUT, o MST e a UNE. Por outro lado a OAB, a CNBB e a ABONG, em nossa opinião , baseada em dados sobre a criminalização midiática que sofrem os grupos que representam parte do movimento social( sindical), não poderá representar a sociedade de forma a contemplar propostas que fortaleceriam a base da pirâmide, e assim estaríamos sujeitos a propostas embasadas por grupos elitistas históricos que fazem tb. parte da PRO REFORMA ( OAB, CNBB, ABONG). Visando que isto não aconteça e também cientes que precisamos de gerar debate na sociedade para que ela se empodere e implemente o que vier da reforma, transformando o local onde se faz a sua realidade ( sua cidade) pedimos em especial deferência que nos faça representar desta maneira:

Na ocasião do Ciclo de Debates para a RP (') promovido pela Senadora Ana Rita - PT-ES, entregamos um documento a senadora Ana Rita, membro da comissão pela reforma Política e agora entrego-o a vc. virtualmente:http://conscienciapoliticarazaosocial.blogspot.com/2011/03/documento-reforma-politica-ales.html Ali vc. encontrara um vídeo cujas palavras repetimos a vc. que pedimos ser o interlocutor e tb. está ali o documento entregue a Ana Rita e agora a vc. PRECISAMOS de EXERCER A CIDADANIA e assim construir JUNTOS este Brasil de Diversidades. Precisamos fomentar um debate e assim trazer a tona o espírito de cidadania de nosso povo, pois só assim com PARTICIPAÇÃO POPULAR teremos a aplicação das leis

'CONSCIÊNCIA POLÍTICA RAZÃO SOCIAL': Documento Reforma Politica ALES

Agora tomando esta noticia como exemplos, veja na prática o raciocinio acima:


Agora analisem sobre estas informações acima, no exemplo de fato ocorrido ontem ( 31/03/2011)

31/03/2011 - 20h48 - Atualizado em 31/03/2011 - 20h48
Integra gazetaonline.globo.com/_.../812747-sociedade-civil-propoe-reducao-de-cargos-comissionados-e-critica-corrupcao.html
DESTAQUE para o inicio da reportagem:

Reveja o debate desta quinta na GTV

Nesta quinta-feira (31), representantes da OAB, Transparência Capixaba, Movimento Espírito Santo em Ação, Sindicato dos Servidores Públicos e igreja católica e evangélica participaram do quarto encontro da série de debates promovido pela Rádio CBN Vitória em comemoração aos 15 anos da emissora. O convidado desta quinta foi o jornalista e comentarista político da Rede CBN, Merval Pereira, que falou sobre Governança e Ética.

Agora analisem conosco:

Quem acredita em mudanças que beneficie o povo, com 'representantes da sociedade' como O ES EM AÇÃO ( leia-se: A ONG EMPRESARIAL criada para servir ao projeto de PH em FUd.. com o ES, via desvios de verbas e lavagem de dinheiro dela fazem parte a Vale, a CST, a FIBRIA-Aracruz Celulose- , a Rede Gazeta de Comunicações - filiada da Rede Globo) . Quem acredita na credibilidade dos que se juntam a uma farsa como esta. Que falar de Merval Pereira? Ganha de washington para formar HOME SIMPSONS via 'tvs golpistas.

Fernanda Tardin Devemos ter isto em mente para não corrermos o risco de cair na armadilha politica do 'estamos ouvindo a sociedade'. Como falei do PRO REFORMA: O grupo composto por mov. sociais e mov. de elite vai 'ditar as normas' via ELITE ( OAB, CNBB e ABONG) está aí: quem foram os debatedores deste 'evento farsante' exemplificado na reportagem acima? A ES em Ação ( ABONG) OAB e CNBB.
ATENÇAO POVO
ATENÇAO ERUNDINA,
ATENÇÃO CUT,
não temos bola de cristal, mas está acontecendo o que já era previsto. POVO , vamos a luta ou seremos VIDRO MOIDO NA AREIA( Gonzaguinha)

Uma das propostas da OAB
'-Criar, na Assembleia Legislativa, o Observatório contra Tortura, nos moldes da proposta apresentada pelo deputado do Rio de Janeiro Marcelo Freixo;'
hahahahah Freijo é muito diferente dos presidentes das comissoes espiritosantense de Segurança e Justiça da ALES. Justiça tem como presidente o advogadozinho de torturadores, ex ministro da defesa de fhc e ex governador bionico Elcio Alvarez. A segurança tem como presidente o ex secretario de segurança, condenado na ONU por crime de tortura nos presidios. Conta outra OAB, pois até eu sei que não vai jamais ser votada esta PL.


Sobre a Reforma Politica, os ciclos de 'debates' corrobora com a opinião o Companheiro do Nucleo de Formação do PT ES, presente nas palestras do ciclo, mencionadas no inicio deste post:

Carlos Alberto Feitosa Perim

Caros Companheiros,

Penso que é ilusão esperar da reforma política grandes coisas que não seja mudar para continuar o mesmo modelo que não permite uma representação adequada do Povo. A atual composição dos representantes do povo só vai aprovar aquilo que não muda a essência do modelo atual, que os criou e os mantêm.

Mesmo os debates promovidos por companheiros, por quem nutrimos grande admiração, eleitos pelo PT, sobre a reforma política não escapam da armadilha de propor mudanças para não mudar o essencial. Os debates, não entendemos por quais motivos, têm sido organizados de forma a apenas os conferencistas conseguirem expor suas opiniões. Os conferencistas escolhidos até agora têm reproduzido o discurso de quem não quer mudar o essencial chegando mesmo a defender o voto do ministro Fux que enterrou a lei da ficha limpa nas eleições de 2010. Esperamos que esta prática mude tendo em conta critérios que contemplem os intelectuais que participaram na construção do PT, da Cut, dos movimentos sociais. Os intelectuais intelectuais burgueses já têm seus espaços na mídia, o que não acontece com aqueles historicamente comprometidos com a construção do PT e do socialismo que têm sido esquecidos (ou intencionalmente excluídos por não pertencerem à tendencia de quem promoveu o debate, mesmo que tenha um mandato do Partido?) e sequer têm tido a oportunidade nos debates de exporem adequadamente suas ideias e contrapor aquelas dos professores convidados que notoriamente defendem os interesses da elite conservadora, o que é no mínimo contraditório com as explícitas posições dos promotores. Tristes trópicos! Não há porque temer o contraditório. Todos queremos aprofundar a democracia. Ou não?

A propósito, ajuda nesta reflexão, a leitura do texto : Crise e crítica da representação de Henri Lefebvre, que envio em anexo. A tradução é minha, feita para estudar e deve ter problemas que aos poucos vou superando, mas que não impedem o entendimento do essencial.

Obrigado por você existir

Abraços fraternos

Carlos Alberto Feitosa Perim

Grupo de Formadores do PT-ES

Setorial de Ciência e Tecnologia do PT-ES

Engenheiro Civil Especialista em Planejamento Urbano e Regional (cientista social)


Reflexões de José Saramago:
'A democracia em que vivemos é uma democracia seqüestrada, condicionada, amputada...'
Tudo se discute neste mundo, menos uma única coisa que não se discute, não se discute a democracia. A democracia está aí como se fosse uma espécie de santa de altar de quem já não se esperam milagres, mas que esta aí como uma referência.
Mas uma quase unanimidade estabelece: a democracia em que vivemos é uma democracia sequestrada, condicionada, amputada.
Porque o poder do cidadão, o poder de cada um de nós limita-se, na esfera política, a tirar um governo de que não gosta e a por outro de que talvez vá a gostar, nada mais. As grandes decisões são tomadas numa outra esfera, e todos sabemos qual é: as grandes organizações financeiras as grandes empresas internacionais, o FMI, as organizações mundiais do comércio, o banco mundial. Tudo isso, nenhum desses organismos é democrático.
E portanto como é que podemos continuar a falar de democracia se aqueles que efetivamente governam o mundo não são ungidos e eleitos democraticamente pelo povo? Quem é que escolhe os representantes dos países nestas organizações? Os representantes dos povos? Não. Então, onde está então a democracia?
É num sistema como este que já é tempo de dizer: vivemos sob uma ditadura econômica. Antes, quando se falava em ditadura a gente sabia o que era. Era uma ditadura política, muitas vezes uma ditadura militar. A gente via, eram uns militares mal encarados, que prendiam, que torturavam. E não percebemos que a ditadura mudou, a ditadura já não precisa de militares mal encarados, já não precisa de políticos corruptos, já não precisa de, digamos de batalhões da morte, ainda os usa cá e acolá está, mas de um modo geral já não precisa disto. A ditadura hoje é econômica, vivemos uma situação que se podia chamar também de capitalismo autoritário.
Um conceito de democracia que se limita a pedir ao cidadão que de quatro em quatro anos apareça com um papel na mão e o meta dentro de uma urna e que depois o manda embora agora já que não és mais preciso, volta cá daqui a quatro anos. Um conceito de democracia que no fundo significa que a partir do momento em que o cidadão, o eleitor, pôs seu voto na urna passou a sua própria capacidade política, a sua capacidade critica, passou a outra pessoa que muitas vezes nem sequer conhece, passou a um partido, passou a um conjunto de pessoas que são desse partido ou que ocupam este partido, ou que se aproveitam desse partido e que se vão aproveitar do poder para fazerem aquilo que muito bem entenderem. Isto não é democracia. Porque além de tudo isso acaba por se converter em pura ilusão.
Porque esses políticos no fundo não mandam nada! Ainda alguém acredita que os políticos sejamos ministros ou o presidente ou o primeiro ministro ou quer que seja mandam alguma coisa? Aparentemente sim, fazem leis digamos estabelecem impostos. Enfim parecem que mandam. Não mandam. Quem manda é o capital, as transnacionais que estão por aí que efetivamente nos governam.
Vejas como é que funcionam as universidades. As universidades hoje estão aí para fazer aquilo que as empresas necessitam. Quer dizer, a empresa diz, no conjunto, necessitamos técnicos disto e daquilo outro, ou outro. E a universidade prepara. Quer dizer a universidade cada vez vai tendo menos um critério próprio sobre a formação dos jovens que entram nela. Está dependente daquilo que um setor dela que é o empresarial lhe peça, lhe reclama e exige... (Trechos de depoimentos de Saramago, Transcrição nossa)


http://profile.ak.fbcdn.net/hprofile-ak-snc4/41442_100001105494457_785_q.jpg

Laerte Henrique Fortes Braga
A REFORMA DOS POLÍTICOS

Laerte Braga

Imagino que o PT esteja lutando pelos direitos dos trabalhadores das obras do PAC, já que inventou a esquerda no Brasil e transformou Nelson Jobim em ministro da Defesa, Moreira Franco em Secretário Nacional de Assuntos Estratégicos e o cinco ministros aceitam passivamente a revista para ter o direito de ouvir em inglês (sem tradutor simultâneo) o discurso do senhor de terra e mares Barack Obama.

O uso da Base de Alcântara pelos Estados Unidos é um dos temas da agenda do ministro revistado Aluísio Mercadante.

A manchete do dia, no entanto, é se Maria, a vencedora do BBB-11 (vinte por cento menos de audiência em relação aos anteriores segundo alguns veículos da mídia) foi ou não garota de programa e o que fará com o milhão e meio ganho, o prêmio por sua vitória.

Sua primeira declaração ao sair da casa/bordel foi dizer que possivelmente, ao final das comemorações pela vitória, rolaria sexo com o segundo colocado. A plaquinha que o identifica diz lá Wesley.

Meia dúzia de três ou quatro proclamam nos bares de Ipanema e Leblon as excelências do governo Dilma, enquanto acreditam estar ali o centro do universo. Lá pelas tantas não falam e andam ao mesmo tempo, a revolução vai para o espaço. Não freqüentam ensaios de escolas de samba, pois o cheiro de suor é desagradável.

Socialistas colgates.

A tendência da comissão que discute a reforma política é optar pela lista fechada. Teríamos uma eleição para a Câmara dos Deputados no chamado sistema misto. Metade eleita pelo voto direto do eleitor em distritos e outra metade votando nos partidos e listas fechadas de ungidos para o exercício do mandato popular.

Uma espécie de garantia prévia que as múmias atuais permanecerão na Câmara mesmo sem votos e outras voltarão a tentar alçar vôo rumo a sonhos/catástrofes assim que saírem do purgatório.

Escoram-se em clubes de vetustas senhoras ou desvairadas dondocas que se reúnem numa Kombi.

E antes de qualquer reunião airfresh, aquele que evita o cheiro de suor dos sambistas.

A reforma política é a reforma dos políticos para não mudar coisa alguma, manter intocados os privilégios e sem novos sócios o clube de amigos e inimigos cordiais que transforma PT e PSDB em inimigos de mentirinha. FHC já solicitou uma audiência a Dilma para passar as coordenadas.

Não adianta dizer que Lula apoiou publicamente decisões da presidente. Claro, um paralelepípedo saberia que o ex-presidente não vai manifestar a percepção que cada dia mais está sendo jogado para corner, ou pelo menos tentam.

Não há reforma política sem o cheiro do suor dos sambistas, mesmo que as dondocas não queiram.

Somos um ornitorrinco – definição de Chico Oliveira – (dondocas devem pensar que Chico Oliveira é algum garçom engraçado de algum bar da moda em Ipanema). Imagine se vão ter idéia do que seja Darwin.

Estão atentos apenas aos próprios umbigos.

O processo histórico transcende a essa camisa de força que tentam impor ao povo brasileiro e que chamam de reforma política.

Existem postes (postes de luz, não falo de Dilma) na minha cidade com marcas de balas disparadas pela polícia em greves no início do século XX, 1910 mais ou menos, quando os trabalhadores não tinham a menor idéia que a redenção viria pelas mãos do PT.

Não confundir com Lula. Se juntar o partido inteiro, fizer uma grande massa, não dá um por cento do ex-presidente. Falo de força eleitoral.

Mas, enfim, subsidiados por estatais, ou colados em gabinetes com carimbos, telefone, clips e uma dúzia de canetas bic para não decidir nada, só pelegar, mantêm o poder longe do suor dos sambistas e com um chope tirado no colarinho certo e exato.

Não há reforma política sem povo.

Só reforma dos interesses dos políticos.

Lista fechada é ditadura.

É só perceber que para ela correm quase todos os partidos – uma ou outra exceção, assim mesmo individual, de um ou outro parlamentar –.

São movidos a verdade absoluta da grande democracia que não existe.

Vai tudo acabar num bem disfarçado acordo de livre comércio que a presidente chama de “política de resultados”.

É bom ficar de olho no governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. É o porta-voz real do que de fato pensa Lula. Escapa dessa histeria incurável, já que não existe mais a Revista do Rádio. Pode ser que CARAS substitua, mas mesmo assim, para o rolo compressor que vem aí na tal reforma, para os interesses que cercam a tal reforma, para a alienação produzida pela grande mídia, pela vitória de Maria, CARAS acaba sendo tratado de filosofia a ser lido com cuidado enquanto se bebe um chope e come um bolinho de bacalhau.

Longe do suor dos sambistas que, certamente, preferem a “lua furando nosso zinco/salpicava de estrelas nosso chão/tu pisavas os astros distraída, sem saber que a maior ventura dessa vida/é a cabrocha, o luar e o violão”.

Na obra arquitetônica dessa nova realidade não existem “roupas comuns dependuradas”. Porque não existem bandeiras desfraldadas. Só o amém, a tropa formada e vestida de branco.

Pronta a marchar sem ter a menor idéia que estamos diante de um abismo que vira tsunami no curso do processo, pois o sambista com cheiro de suor, à frente, vai querer tocar seu violão, sem bandolim, seu cavaquinho.

Não é reforma política que estão discutindo, é reforma dos políticos.

E enquanto rola tudo isso não se fala mais nos trabalhadores das empresas que tocam as obras do PAC. Ou por outra, fala-se da polícia a caminho.

É a política de resultados.

Meio dia e meia, hora dos “revolucionários” acordarem, banho frio para a ressaca, um ou dois comprimidos de “engov” e pernas para que te quero, até a hora do chope e de salvar a Líbia.

Ah! Antes ler a ordem do dia do chefe.


'Ou Brilhamos Todos Ou Não Brilha Ninguem'.
http://conscienciapoliticarazaosocial.blogspot.com/
Blog de Visibilidade de debates da Sociedade ORGANIZADA
que discute com politicos UM NOVO ES É POSSIVEL,
Divulgue-nos, Juntos Somos Fortes http://conscienciapoliticarazaosocial.blogspot.com/
Somos a base da piramide, 180 milhoes de brasileiro,
porque sUstentar um Topo que nos oprime?'
Bjs
Nanda Tardin
32 91363332

– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google"

1º DE ABRIL - O GOLPE NORTE-AMERICANO NO BRASIL

1º DE ABRIL – O GOLPE NORTE-AMERICANO NO BRASIL


Laerte Braga


A grande preocupação do governo do presidente Lyndon Johnson e do secretário de Estado Dean Rusk com o Brasil é que, antes de Nixon, haviam percebido a importância do País em toda a América Latina – isso em tempos de guerra fria – e os tempos de euforia entre setores populares dessa parte do mundo com a revolução cubana de 1959.

As chamadas reformas de base que vinham sendo implementadas pelo governo do presidente João Goulart eram entendidas pelo governo dos EUA como o fermento para uma vitória eleitoral em 1965. Acreditavam que no curso dos acontecimentos as diferenças que separavam Leonel Brizola (ex-governador do Rio Grande do Sul e então deputado federal da antiga Guanabara com 25% dos votos do eleitorado) do governador Miguel Arraes (Pernambuco) acabariam por sumir resultando numa aliança que provavelmente faria de Brizola o candidato do antigo PTB a presidente e Arraes seu companheiro de chapa, como vice-presidente.

A constituição de 1946 não estabelecia a necessidade de maioria absoluta dos votos, sendo assim, de um segundo turno entre os mais votados e esse fato já havia sido levantado por Carlos Lacerda na tentativa frustrada de impedir a posse de JK, eleito em 1965 com pouco mais de 30% dos votos.

Como o quadro se completava com uma divisão entre as forças à direita, o golpe de 1964 começou a se delinear de forma concreta bem antes de sua materialização, na posse do próprio Goulart.

Os norte-americanos tinham consciência da aversão de boa parte das forças armadas brasileiras por Goulart (desde o manifesto dos coronéis em 1954 contra o aumento do salário mínimo em 100% e Jango era o ministro do Trabalho).

Carlos Lacerda e Magalhães Pinto já estavam com suas campanhas nas ruas, desde 1963, ambos da UDN, mas certo era que Magalhães deixaria o partido se percebesse que seria derrotado na convenção. Teria, à sua disposição um leque de partidos para apresentar sua candidatura, a fidelidade partidária era um termo até então desconhecido. E o PSD lançara o JK-65 no dia seguinte ao da posse de Jânio Quadros.

A aliança Brizola-Arraes de saída traria três importantes estados da Federação. A antiga Guanabara, o Rio Grande do Sul e Pernambuco. A direita sairia dividida em Minas com a disputa JK e Magalhães Pinto e Lacerda dependeria de sua retórica golpista, seus dramalhões fascistas para tentar empolgar o eleitorado de outros estados, mas ainda assim com o risco de dividir São Paulo (o maior colégio eleitoral do País e tradicionalmente votando à direita) entre ele Lacerda, Magalhães e JK, que dos três era o mais fraco naquele estado.

A presença de Ademar de Barros no governo paulista e o fracasso de Jânio com sua renúncia poderiam vir a acrescentar fôlego à candidatura de Juscelino, abrigo natural para o governador paulista, isso se não cismasse de tentar a presidência pela terceira vez (fora derrotado em 1955 e em 1960.

O grande feito do governo Goulart, fato que assustou mais ainda os norte-americanos, foi o despertar dos trabalhadores de um modo geral e incluir entre esses, os até então silenciosos camponeses, em franco processo de organização a partir das Ligas Camponesas criadas pelo deputado Francisco Julião (para se ter uma idéia da força de Julião, em 1962 foi eleito deputado federal e arrastou consigo candidatos com menos de cem votos, isso em Pernambuco).

A percepção que as reformas de base poderiam fortalecer uma eventual candidatura de Leonel Brizola e eram muito mais amplas que a reforma agrária e a tributária, tocavam em setores considerados vitais pela direita, o das comunicações, levou os EUA a indicar Lincoln Gordon para embaixador no Brasil e Vernon Walthers, um general, para adido militar.

A missão da dupla era derrubar Goulart. Gordon era especialista em missões desse gênero e Walthers um dos mais importantes militares norte-americanos à época (chegou a ser diretor da CIA), além do que amigo íntimo e Castello Branco, primeiro ditador. Falava português fluentemente.

Coube a Gordon aliciar o empresariado paulista (o mais expressivo do Brasil), o seu entorno em outros estados da Federação, ligá-los aos setores golpistas da UDN (Lacerda e Magalhães Pinto) e a Walthers formar os batalhões norte-americanos dentro das forças armadas brasileiras.

Um registro é importante. A derrubada de Vargas em 1945, significava muito mais que colocar um ponto final num governo errático do ponto de vista ideológico, mas ao mesmo tempo, com fortes bases populares e começando a dar sinais de inclinações para a esquerda. Sonhavam com o início de um Brasil aliado incondicional dos EUA elegendo o brigadeiro Eduardo Gomes presidente da República. Não elegeram, mas não perderam. Eurico Gaspar Dutra, ex-ministro de Vargas, marechal do exército, figura preponderante no golpe de 1937 virou presidente e os EUA ganharam. Em parte, mas ganharam.

Militares brasileiros de extrema-direita torciam o nariz para Dutra, desejavam a capitulação total.

Magalhães Pinto, fiel ao seu estilo de cobra peçonhenta, traiçoeiro e ardiloso, ao mesmo tempo que se uniu ao esquema traçado pelo embaixador dos EUA, de olho na sua disputa com Lacerda pela indicação presidencial, fingia-se aliado de Jango e articulava com dois generais de expressão menor dentro do Exército, Carlos Luís Guedes e Mourão Filho (com comandos em Minas) um golpe particular em que pudesse despontar como o grande líder civil do Brasil.

Mourão não saiu com as tropas da IV Região Militar sediada em Juiz de Fora de maneira aleatória. Tinha um compromisso com Magalhães Pinto e era amigo pessoal de JK, a quem visitou aliás, quando chegou ao Rio e alojou seus soldados no estádio do Maracanã.

O 31 de março não foi o início do golpe de estado. Foi a aventura de Magalhães Pinto (esteve na cidade de Juiz de Fora horas antes das tropas começarem a descida para o Rio).

O golpe decidido em Washington, planejado pelo embaixador e pelo adido militar dos EUA no Brasil começou de fato no dia 1º de abril, quando Castello Branco, alertado pelos norte-americanos conseguiu a adesão de militares supostamente leais a Jango, caso de Justino Alves Bastos, comandante do IV Exército (Nordeste) e Amaury Kruel (II Exército, São Paulo). Beneficiou-se da presença das tropas de Mourão já no Rio e o apoio de figuras como o general Muricy, o general Antônio Bandeira, todos em comandos secundários, mesmo tendo perdido o comando do III Exército, Rio Grande do Sul para o general Ladário Telles, leal a Goulart e sem o apoio de Âncora de Moraes, comandante do I Exército que preferiu deixar as coisas correrem à sua revelia sem tomar partido. A maior parte dos seus comandados tomou partido pelo golpe.

Aeronáutica e Marinha, no espectro político do País sempre foram forças à extrema-direita, aliaram quase que incondicionalmente ao golpe, a despeito da ação do brigadeiro Moreira Lima, ministro da Aeronáutica, que resistiu com bravura e dignidade na defesa da ordem constitucional.

Todos os líderes políticos envolvidos no processo, Lacerda, Magalhães e Ademar de Barros e quando da consumação do golpe JK, contavam com um breve período de intervenção militar e a realização de eleições presidenciais em 1965.

Castello assumiu esse compromisso com todos eles. Terminou peitado pelo seu ministro Costa e Silva e acabou morrendo em condições misteriosas assim que deixou o poder.

A exceção de Magalhães Pinto que se manteve no entorno do golpe (ministro das Relações Exteriores de Costa e Silva e presidente do Senado), todos os demais, Lacerda. JK e Ademar de Barros se viram privados dos seus direitos políticos.

Obcecado, Magalhães acreditou que num determinado momento os civis voltariam a governar o País e era preciso estar ali perto dos militares, nem que isso custasse toda a sorte de concessões possíveis, além dos negócios, evidente, o Banco Nacional.

Para qualquer eventualidade a IV Frota norte-americana estava em águas territoriais brasileiras. A hipótese de uma reação de Goulart e uma guerra civil garantiria aos golpistas o apoio necessário para a luta.

Perto de dois mil e quinhentos oficiais, sub-oficiais e sargentos das forças armadas foram expurgados num processo de alinhamento absoluto com os norte-americanos e de 1º de abril de 1964 até o último dia do governo do general João Figueiredo, o Brasil foi parte integrante de uma sinistra operação tramada em Washington, que varreu toda a América Latina e se transformou numa longa noite de trevas e sombras, onde o ódio, a tortura, a barbárie foram a regra geral.

O rosnar do governo Geisel na ruptura do tratado militar entre os EUA e o Brasil terminou na concessão a pesquisas petrolíferas e empresas de fora dentro do território nacional, o inicio do fim do monopólio estatal, mais tarde liquidado pelo governo FHC e recuperado em alguns pontos pelo governo do presidente Lula, justiça seja feita. Mas só em alguns pontos.

Essa parte da História do Brasil ainda está oculta. Os militares resistem a que seja contada, exposta.

Hoje, sexta-feira, 1º de abril, fala-se em desmoralização e desrespeito aos militares brasileiros. O terão de volta quando forem capazes de abrir os baús desse período trágico e nocivo ao Brasil e aos brasileiros e se constituírem em forças armadas brasileiras, nunca em “policiais” do continente latino-americano, sob comando dos EUA.

Quando se inspirarem em militares do porte de Teixeira Lott. Rui Moreira Lima, Ladário Pereira Telles, major Cerveira, Carlos Lamarca e muitos outros.

Há um detalhe histórico de importância capital e que precisa ser visto com outros olhos. Quando Luís Carlos Prestes, ele próprio militar, líder da Coluna Prestes, defendeu o que chamaram de “queremismo”, ou seja, eleições em 1945, mas com Getúlio no governo, uma transição de Getúlio para um presidente eleito, Prestes não estava fazendo concessões ao algoz de Olga, ao seu algoz. Estava percebendo e entendendo a História e isso o torna maior ainda no panteão dos grandes brasileiros, dos grandes militares brasileiros, compreendendo que o sacrifício por um ideal é maior que o soldo de Washington, que qualquer soldo que Washington possa pagar. Washington ou qualquer outro.

Os militares querem respeito? Que se façam respeitar cessando as reações e intimidações à barbárie que os homens de 1964 promoveram no Brasil em todos os sentidos.

E um detalhe, o governo de Johnson apavorou-se quando o governo Goulart começou a ceder concessões de rádios e tevês a sindicatos e a organizações populares, ameaçando quebrar o poder da mídia padrão GLOBO (desde aquela época).

Esse artigo, longe de ser História, mas fatos que somam a ela, me trouxe à lembrança o encontro de Goulart com Lacerda, em 1968, presentes o ex-presidente Juscelino e o ex-deputado José Talarico Gomes.

Lacerda, no vôo para Montevidéu, estavam formando a Frente Ampla para enfrentar a ditadura, confessou a JK sua dificuldade em como cumprimentar Goulart, tendo sido ele o responsável, um dos principais, pela derrubada do governo. JK respondeu-lhe que não se preocupasse.

No encontro, na casa de Goulart, com os olhos cheios de lágrimas Lacerda disse a Jango – “presidente eu entendo que o senhor me tenha ódio, mas estou aqui de braços abertos pelo Brasil” –

Em sua extraordinária grandeza Jango abriu os braços e disse o seguinte – “não lhe tenho ódio governador, o senhor foi sempre meu adversário e me combateu pela frente. Não guardo ódios e nem rancores, mas desprezo pelo governador Magalhães Pinto que até a última hora se fingiu meu aliado. Esses são os covardes”.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Para esclarecer - LISTA FECHADA Nao tem a conivencia da MILITANCIA PETISTA

Para esclarecer - LISTA FECHADA Nao tem a conivencia da MILITANCIA PETISTA

Abaixo reprodução ( ok, devido a ingerencia do assunto, meio stressada) na integra de debate entre petistas sobre a Lista Fechada.

Dagmar Vulpi
EU JÁ SABIA!
dagmarvulpi.blogspot.com



"ACONTECE QUE A LISTA FECHADA não é decisao de plenario dentro do PT, ... A LISTA FECHADA é imposição do DIRETORIO NACIONAL DO PT,... ditado por ZD sem consultar as bases. Isto não é democracia e nem fortalecera o partido, ao contrario o iguala a partidos coronelistas, de um dono. Este não é o PT da constituição, seus militantes e construtores não acordam com estas colocações. Se tem que ceder que cedam os dirigentes com projetos pessoais no partido, pois quem faz o partido são os MILITANTES e nao os 'donos', mesmo que os coroneis arrumem uma tal filiação em massa , formem cabos eleitorais ao invez de dar formação como era antes. Engraçado é que enquanto Lula presidiu, a democracia de Ze... Dirceu e dos sem votos politicos, não se sobrepoz, perdeu 3 vezes ao ser imposta e votada" NT


Luiz Müller Müller
http://rsurgente.opsblog.org/2011/03/29/inicia-nesta-quarta-seminario-memoria-verdade-e-justica-marcas-das-ditaduras-do-cone-sul/
rsurgente.opsblog.org
Começa nesta quarta, em Porto Alegre, o seminário Memória, Verdade e Justiça: Marcas das Ditaduras do Cone Sul, uma promoção da Escola do Legislativo Romildo Bolzan, da Assembleia gaúcha, das secretarias estaduais da Administração e dos Recursos Humanos e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Você curtiu isso.
    • Marcos Rebello 
      Muller, voce sumiu quando os debates aqui no grupo tomaram um rumo diferente daquele que voce gostaria que fosse, como se aqui fossemos todos pau mandados de partido. Como se fossemos ficar desfilando oratória estéril para fazer valer ideol...ogias para consumo. Como se meramente ao escrevermos "buegesia" estivessemos satisfeitos em sermos parte de alguma coisa, de algum ditame. Voce não participou de absolutamente nada aqui. Mas agora volta com essa noticia como se fosse uma sobremesa para se reintegrar ao grupo depois das tuas Listas Fechadas serem votadas naquela comissão de senvergonhas do Senado. Dispensamos essa tua sobremesa! E senvergonhas porque não tiveram a decência, nem a nobreza e nem a ousadia de formularem nada novo que diga à sociedade que ali existe pelo menos um que pense em como essa sociedade sofrida é péssimamente representada. Podia-se dizer hoje, se tivessemos politicos com brio, que essa sociedade poderia se governar melhor se por si mesma. Mas não, preferiram acudir à interesses que se antepõe à sociedade para negociarem em nome dela distanciando dela a democracia. Isso é covardia da pior espécie! Tanto de quem propõe uma monstruosodade dessas, como de quem aprova.Ver mais
      há 15 horas ·

    • Luiz Müller Müller
      Marcos Eu externei aqui as minhas posições. Não há por que ficar repetindo-as. Se bem recordas, disse que defendia a "Constituinte exclusiva". Disse aqui neste grupo o que penso. E o disse de forma concisa e sem agredir ninguém. Não é o que... fazes neste teu texto acima. Sempre defendi a democracia. E por isto combati a ditadura. Tanto quanto é importante termos uma reforma política, é importante que a memória dos que combateram a ditadura não seja enxovalhada. Por isto defendo muito mais do que uma simples reforma de leis eleitorais. Quero também a constituição imediata da Comissão da Verdade. Mas se o que pensas é de que só a tua opinião importa, é o teu direito. Mas não é teu direito me xingar por externar a minha opinião, que continua a mesma do início dos debates aqui neste grupo.Ver mais
      há 15 horas ·

    • Marcos Rebello Muller. Não creio ser necessário um rebate. E o que escrevi acima não foi agressão, voce sabe muito bem disso porque fui objetivo. Mas se tomas como ofensa, não posso me desculpar porque não é falha minha. Portanto, deixo aos leitores decidirem quem está com a razão. Os fatos falam por si. Reitero que Listas Fechadas não é democratico. Não nessa conjuntura.
      há 14 horas ·

    • Luiz Müller Müller Marcos O meu Post foi sobre o Tema da Ditadura Militar. Naquele tempo não tinha voto nenhum. Não falaste sobre o que postei.
      há 14 horas ·

    • Marcos Rebello Mas esse teu post veio depois de uma longa ausencia tua e exatamente no dia em que as Listas Fechadas foram aprovadas pela Comissão de Reforma Politica do senado. Isso é o que senão uma maneira de dizer que tens autoridade politica em um grupo que é totalmente contra essa proposta e a essa maneira de fazer politica?
      há 14 horas ·

    • Luiz Müller Müller Defendes então a ditadura das tuas idéias e não aceitas o contraditório?
      há 14 horas ·

    • Marcos Rebello Esse não é o debate em questão. Debateremos isso em outra oportunidade.
      há 14 horas ·

    • Luiz Müller Müller O nome do Grupo é Consciência política, razão social.
      há 14 horas ·

    • Marcos Rebello Nesse caso o povo é inconsciente. E temos um partido que soube conquistar a simpatia do povo e agora quer usurpar o poder DO POVO para se sobrepor a ele pelas Listas Fechadas. Isso é falta de consciencia de quem?
      há 14 horas

    • Luiz Müller Müller Aliás, o texto do Betinho Duarte, postado aqui, chama a Abaixo Asinado em apoio à Comissão da Verdade. Eu apóio. E também ajudo a divulgar em qualquer espaço possível os eventos e atividades que de forma conciente mostrem a todos o pasado do Brasil, para que aqueles que não viveram aquele tempo de lutas, saibam o quanto custou para chegarmos a democracia que vivemos hoje.
      há 14 horas

    • Marcos Rebello Deveriamos ter uma Comissão da Verdade para esse tipo de democracia que estão querendo impor! O pasado desse país é tangido por usurpação de poderes para satisfazer sempre aqueles que se acham no direito de representá-lo, mas raramente, ou quase nunca, o representam. Porque não deixam que o povo decida por ele pela democracia direta?
      há 14 horas

    • Luiz Müller Müller ‎"democracia direta" "democracia indireta", democracia burguesa", "democracia operária"... Sempre há aqueles que querem adjetivar a democracia. Mas ela não pode ser adjetivada. Ela é um processo permanente de construção da liberdade e na ausência do concenso é a decisão da maioria que determina o resultado imediato. Se é uma decisão de maioria, seria isto então uma "ditadura da maioria" sobre a "minoria"?
      há 14 horas ·

    • Marcos Rebello
      E digo mais não apenas sobre democracia em termos teórico, mas no que essa "democracia que vivemos hoje" da quel voce diz representa aos trabalhadores, esses que o teu partido deveria representar mas a prova é que ele representa os mesmos i...nteresses financeiros de sempre. Pelo que sabemos em dados oficiais do Banco Central o total de juros pagos pelo Brasil, nesta década a partir de 2000, para os compradores de bônus tanto nacionais como internacionais, atingiu a inacreditável cifra de 1,564 trilhões de reais (só juros - um valor de 870 bilhões de dólares , se atualizados ao câmbio atual) quase três vezes maior que o valor da dívida original que em 2000 era de 563 bilhões de reais. Como voce e o teu partido explicam isso? Agora nos diga aqui ao grupo, como voce e o teu partido acham que esse quadro ir[a melhorar quando temos provas irrefutaveis de que esses valores foram aumentando paulatinamente nesses 8 anos? Que espécie de democracia é essa que retira valores nacionais para o exterior em conluio com esses mesmos interesses? Como esse partido dos trabalhadores irá reverter esse quado quando provou que está negociando em prol desses interesses? As Listas Fechadas irão diminuir ou aumentar essas transferencias quando a sociedade clama por mudança?Ver mais
      há 14 horas ·

    • Marcos Rebello
      Qual é a mágica que o Brasil do PT faz para manter tais remunerações? Na maior parte, captando mais capital para investir em mais bônus, que serão transformados depois em dívida – o clássico esquema Ponzi, exatamente como nos EUA mas que no... Brasil é super camuflado porque a mídia garante. Como conseqüência disso, a dívida pública do Brasil cresceu de 563 bilhões de reais em 2000 para 1,35 trilhões de reais em 2009, ou seja 782 bilhões de reais de novas dívidas. De fato, essas novas dívidas perfazem exatamente a metade dos 1,564 trilhões de reais de juros pagos. A outra metade vem do esfolamento dos brasileiros (190 milhões de pessoas) cujo consumo doméstico foi drasticamente reduzido (mas alardeiam maior consumo especialmente por compra da linha branca) em detrimento às exportações para conseguir caixa para pagar o débito. Nós aqui do grupo de Consciencia Politica, Razão Social perguntamos como será nos anos seguintes quando teremos uma nova elite politica negociando mais diretamente com esses interesses.Ver mais
      há 13 horas ·

    • Marcos Rebello Ou seja, ficará sabendo o povo de quaanto será a propina para os que estiverem insulados nas cúpolas dos partidos que farão as Listas Fechadas? E quanto caberá aos que estiverem afinados com essas politicas? Lembre-se Muller, nós aqui do grupo sabemos que só aqueles que estiverem de acordo com esse esquema entrarão na Lista para serem eleitos. Isso sim será democracia! E que relevancia terá a memória da ditadura ??? Rs. Só pode ser piada!
      há 13 horas ·
    • Marcos Rebello Mas bem ... já que como tu dizes todos querem adjetivar a democracia, aqui vai o meu adjetivo para isso que estão propondo: Totalitarismo Partidário.
      há 13 horas ·

    • Luiz Müller Müller
      Marcos Eu repito. O POST é sobre um evento que relembra a Ditadura Militar e tu passaste os ultimos comentários criticando isto que existe hoje e que tu rotulas como "totalitarismo partidário". Para a história do Brasil, a Ditadura e a Luta... contra ela tem relevância sim. Só quem quer tirar esta relevância, é quem quer voltar a ela. Ou quem acha que "todos os políticos são iguais" e não consegue enxergar as 11 milhões de famílias que sairam da pobreza absoluta e os 30 milhões de pesssoas que sairam da pobreza e acessaram a classe média nos ultimos 8 anos. Desenvolvimento só é desenvolvimento se há melhorias para o povo. A pobreza esta sendo erradicada no Brasil. É bom ver o Brasil entre as maiories economias do mundo e melhor ainda, quando isto esta casado com cada vez mais beneficios para a população, coisa que não acontecia na época da Ditadura Militar e muito menos na era do neo liberal FHC. Sinto muito que aches irrelevante o meu posicionamento e o de muitos sobre a condenação à ditadura e a exigência da instalção da Comissão da Verdade. Mas é a tua opinião. Fica com ela. Eu fico com aquela que majoritariamente o povo brasileiro decidiu: não pode haver volta ao passado. O Brasil precisa continuar avançando. O post, este que fiz, e que chamaste de "sem vergonha" alí no teu comentário, chama ao evento que relembra os atos de assassinato e tortura praticados pela Ditadura Militar. Eu estarei lá. Por isto paro por aqui este debate inóquo com quem acha que isto é irrelevante.Abraços pra ti.Ver mais
      há 5 horas ·

    • Fernanda Tardin
      Luiz, quase nasci na cadeia. Quando criança, não vc. esxatamente, mas muitos que defenderam a democracia dormiram debaixo de minha cama escondidos da repressao. E Lula foi um deles. Engraçado é que enquanto Lula presidiu, a democracia de Ze... Dirceu e dos sem votos politicos, não se sobrepoz, perdeu 3 vezes ao ser imposta e votada. Lula, um dos resistentes que conheci criança, nas idas e vindas de minha mãe a cadeia, não a manipulou. Não é justo este discurso manipulador , pois sou testemunha viva, e muitos aqui o são, outros falarao que foram, mas NUNCA FORAM, que a luta pela democracia se fazia oposta a esta democracia que o comando central do partido dos trabalhadores quer a nós impor. E tem mais, se por democracia os verdadeiros militantes petistas são contra a lista fechada.Ver mais
      há 5 horas

    • Fernanda Tardin Querem saber o pq. desta proposta? Para que ZD seja eleito deputado federal, vire presidente da Camara Federal e numa 'sorte' ditatorial assuma o poder como presidente do Brasil. Um sem voto, que rasgou a história dele, seguido por outros que usurpam o partido, manipulam o poder e a democracia. SIMPLES ASSIM.
      há 5 horas ·

    • Luiz Müller Müller
      Fernanda Não dá para pessoalizar uma luta. Posso ter divergência com este ou aquele dentro do PT. Mas a história do PT é a história da luta da classe trabalhadora brasileira. E eu sou parte disto. A mídia, assim como fez em 64, ataca um gov...erno que não julga seu. Os militares foram seu instrumento em 64. Como avançam hoje as reformas sociais que Jango só discursou, eles estão buscando as condições de retomar seus espaços. Por isto os ataques a todos os dirigentes que forjamos nestes anos de luta. Eu sou um combatente pela democracia radical. E democracia radical quer dizer respeitar as decisões da maioria no grupo, partido ou entidade que participo. E assim também na sociedade. Por isto, quando coloquei aqui este POST sobre o aniversário da Ditadura Militar, era justamente pra lembrar que já tivemos período de desgraça neste país, que só acabou por que lutamos contra e colhemos os avanços que temos hoje. Mas temos que avançar. E vançar hoje, é fortalecer Partidos Políticos que tenham ideário, seja de direita, esquerda ou centro. Senão é o individualismo capitalista que campeia hoje, com a disputa entre os candidatos que tem dinheiro e o enfrentamento entre companheiros do próprio partido nas urnas. Um desgaste desnecessário, que só é util para aqueles que, derrotados na democracia, namoram com os militares para ver se casam. Não é simples. Se fosse, resolveriamos.Ver mais
      há 4 horas ·

    • Fernanda Tardin
      ACONTECE QUE A LISTA FECHADA não é decisao de plenario dentro do PT, partido que pertencemos. tanto quanto vc. sou resistente, pode acreditar apesar de minha idade parecer desmentir. A LISTA FECHADA é imposição do DIRETORIO NACIONAL DO PT,... ditado por ZD sem consultar as bases. Isto não é democracia e nem fortalecera o partido, ao contrario o iguala a partidos coronelistas, de um dono. Este não é o PT da constituição, seus militantes e construtores não acordam com estas colocações. Se tem que ceder que cedam os dirigentes com projetos pessoais no partido, pois quem faz o partido são os MILITANTES e nao os donos, mesmo que os coroneis arrumem uma tal filiação em massa , formem cabos eleitorais ao invez de dar formação como era antes. Este é o PT que conhecemos da constituição .Ver mais
      há 4 horas · ·  1 pessoaDagmar Vulpi curtiu isto.
    • Fernanda Tardin e se pesquisar vai ver que luto pela abertura dos baus a anos, e mesmo tendo direito, não recorri a lei de anistia que contemplam filhos.Sou apenas VOLUNTARIA DESTA CAUSA. Pelo Direito a memoria e a justiça, OUTROS OUTUBROS VIRAO

    • Fernanda Tardin E como é sempre 'pauta' nos discursos vazios politicos, a luta contra a ditadura, devemos lembrar que serra, fhc, roberto freire foram todos resistentes da ditadur. Um exemplo mais real para os capixabas é o discurso de ph, o ex governador ditador do ES, que sempre traz a tona ter sido lider estudantil na ditadura. DUVIDO QUE AQUI alguem o tenha visto nas ruas no enfrentamento. DUVIDO.

    • Fernanda Tardin http://juntosomos-fortes.blogspot.com/2011/03/31-de-marco-de-64-pra-nunca-mais.html outro resistente que luta contra a Reforma Politica ao gosto dos 'resistentes' que querem lista fechada. Sabe , viu e sentiu o quao duro foram os anos de chumbo e quanto é preciosa a DEMOCRACIA, que esta manipulada.

    • Luiz Müller Müller
      Fernanda A democracia não pode ser "manipulada". Ela é conceito. E também não pode ser adjetivada. Ou é ou não é. Democracia é democracia. Já a utopia é o que sonhamos. E a utopia, por sonho que é, é de cada um. Algumas vezes a utopia de un...s se iguala a de outros. Mas o melhor mesmo é quando compreendemos que a utopia da gente não pode ser imposta, mas pode ser complementada pelos consensos que vamos construindo. O fim de quem se aferra a uma posição sem conceder o direito da contradição a outrem, leva ao auto isolamento e ao gueto e a tranformação das suas idéias em "profissão de fé".E logo depois estes mesmos entram em uma seita e só governam pelo instrumento da ditadura. Sou contra todo o tipo de ditadura, por que sou a favor da democracia (sem adjetivos)Ver mais
    • Fernanda Tardin ‎"Não brinque com a democracia" cito Lula.
      alguns segundos atrás
Graça Andreatta Andreatta
.... Grande decepção na aprovação da lista fechada. A mim me parece um retorno às capitanias hereditárias, com conotações contemporâneas. Temos pedido diuturnamente a participação popular. O deputado não inventou isto, ma spelo menos tomou a iniciativa. Bom, muito bom.

Carlos Alberto Feitosa Perim 
Caros Companheiros,

Penso que é ilusão esperar da reforma política grandes coisas que não seja mudar para continuar o mesmo modelo que não permite uma repres...entação adequada do Povo. A atual composição dos representantes do povo só vai aprovar aquilo que não muda a essência do modelo atual, que os criou e os mantêm.

Mesmo os debates promovidos por companheiros, por quem nutrimos grande admiração, eleitos pelo PT, sobre a reforma política não escapam da armadilha de propor mudanças para não mudar o essencial. Os debates, não entendemos por quais motivos, têm sido organizados de forma a apenas os conferencistas conseguirem expor suas opiniões. Os conferencistas escolhidos até agora têm reproduzido o discurso de quem não quer mudar o essencial chegando mesmo a defender o voto do ministro Fux que enterrou a lei da ficha limpa nas eleições de 2010. Esperamos que esta prática mude tendo em conta critérios que contemplem os intelectuais que participaram na construção do PT, da Cut, dos movimentos sociais. Os intelectuais intelectuais burgueses já têm seus espaços na mídia, o que não acontece com aqueles historicamente comprometidos com a construção do PT e do socialismo que têm sido esquecidos (ou intencionalmente excluídos por não pertencerem à tendencia de quem promoveu o debate, mesmo que tenha um mandato do Partido?) e sequer têm tido a oportunidade nos debates de exporem adequadamente suas ideias e contrapor aquelas dos professores convidados que notoriamente defendem os interesses da elite conservadora, o que é no mínimo contraditório com as explícitas posições dos promotores. Tristes trópicos! Não há porque temer o contraditório. Todos queremos aprofundar a democracia. Ou não?

A propósito, ajuda nesta reflexão, a leitura do texto : Crise e crítica da representação de Henri Lefebvre, que envio em anexo. A tradução é minha, feita para estudar e deve ter problemas que aos poucos vou superando, mas que não impedem o entendimento do essencial.

Obrigado por você existir

Abraços fraternos

Carlos Alberto Feitosa Perim

Grupo de Formadores do PT-ES
Setorial de Ciência e Tecnologia do PT-ES
Engenheiro Civil Especialista em Planejamento Urbano e Regional (cientista social)

Outras colocações de Membros do grupo: 


    • Fernanda Tardin depois de 3 vezes reprovada , A PROPOSTA DEFENDIDA POR zE dIRCEU E O LATIFUNDIARIO UDENISTA RONALDO CAIADO FOI APROVADA. a grana deve ter sido maior desta vez nao deu para deputados recusarem. LAMENTAVEL. povo independencia ou morte, rUA JÁ!
      há 18 horas ·

    • Dagmar Vulpi PQP! F----!
      há 18 horas ·

    • Dagmar Vulpi
      O grupo "Consciência Política Razão Social" estará presente. Vamos participar contribuindo com propostas e críticas, enviando mensagens até o dia 25 de abril para o e-mail: iniciativapopular@reformapolitica.org.br Um conjunto de propostas ...de iniciativa popular que visam a reforma política será apresentado por entidades representativas da sociedade civil, entre elas a Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT). O documento tem o objetivo de elaborar uma proposta de projeto de lei de iniciativa popular para ser entregue ao Congresso nacional.
      Com o documento, esperamos alcançar o fortalecimento da democracia direta, a democratização dos partidos políticos, uma reforma não só política, mas no sistema eleitoral brasileiro, e um controle social do processo eleitoral. "A partir dessa reforma, esperamos contribuir para aprimorar o sistema eleitoral brasileiro e aprofundar a democracia".
      Ver mais
      há 16 horas ·
    • Claudio Roberto Angelotti Bastos Nada de novo no front!!!
      há 15 horas · ·  1 pessoaCarregando...
    • Marcos Rebello
      Retiraram a postagem? Pois eu posto novamente! - O que mais me surpreende é o balaio de propostas nessa Reforma Politica! Parece mentira, repito ... parece mentira, que um grupo de Senadores, gente tarimbada nessa sacanagem de politica, ve...nha a público, à nação inteira, sem NENHUMA ideia nova sobre como fazer para que a sociedade se governe. Isso que está aí, e o que aconteceu hoje com a aprovação das Listas Fechadas por não haver alternativa, simplesmente não tem classificação. A qualidade dos politicos brasileiros é péssima, tanto em inteligencia como em moral. Agora, juntando isso com o apetite pelo poder é uma combinação fatal. Estou prestes a jogar a toalha e dizer CHEGA! Não tenho mais estomago para atravessar esse pântano. Finalizo dizendo que esse país está quase todo entregue aos interesses financeiros, que desde a independencia estiveram nas mãos dos mesmos interesses, ou aos que hoje se arvoram em negociar pela sociedade com esses mesmos interesses sem a mínima noção sobre como faze-lo em beneficio do povo, porque esse é um jogo de cartas marcadas e a marca é o ganho facil que sucumbe pela fraqueza humana. Não há partido com as regras vigentes capaz de se sobrepor a esses interesses no medio e longo prazos. É nessas horas que eu me envergonho de ser brasileiro, porque a mediocridade é uma afronta à inteligencia e à decência.Ver mais
      há 13 horas · ·  3 pessoas