Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 6 de novembro de 2010

" O papa é pop? O papa não ama ninguem."

El Papa vincula el laicismo de la España actual con el anticlericalismo de la República

Benedicto XVI concluye su visita a Santiago con una multitudinaria misa ante 8.000 fieles.- El Pontífice expresa su preocupación por el "laicismo agresivo" que existe en España

MIGUEL MORA - Santiago - 06/11/2010
Vota

 
El Papa Benedicto XVI llegó este sábado a España como peregrino, como pastor y, pese a lo asegurado por el Vaticano en los últimos días, también como líder político. En el avión que le llevó desde Roma a Santiago, al ser preguntado por "el avance del secularismo y la rápida disminución de la práctica religiosa" en Occidente, Ratzinger aseguró que es en España donde se juega la batalla decisiva entre fe y razón. Y estableció una relación entre el choque entre la fe y el "laicismo agresivo" en la España actual y el anticlericalismo de la Segunda República.
El Pontífice advierte de la "rápida disminución de la práctica religiosa en España"
Sin papeles ni corsés diplomáticos, hablando muy rápido, en italiano y de forma espontánea, el Papa explicó que el "problema del secularismo y la laicidad del mundo occidental" tiene en España uno de sus epicentros. Ratzinger opinó que hay un "desencuentro", un choque, e ilustró la situación con una explicación histórica: "España siempre fue un país generador de fe", dijo, "el renacimiento del catolicismo en la época moderna se produce sobre todo gracias a España, donde figuras como San Ignacio, Santa Teresa o San Juan de la Cruz dan forma a la fisionomía del catolicismo moderno. Pero es también verdad que en España nació una laicidad, un secularismo fuerte y agresivo, como vimos en los años treinta". Y concluyó: "Esa disputa, o mejor este choque entre fe y modernidad, ambas muy vivaces, tiene lugar de nuevo hoy en España". Por eso, añadió el Papa, "el futuro de la fe y el encuentro -¡y no el desencuentro!- entre fe y laicismo tienen su punto central en la cultura española".
Ratzinger no revelaba nada nuevo porque, como subrayó de nuevo hoy, los temas centrales de su pontificado son la "conciliación entre fe y razón", el "regreso a la simbiosis entre fe y arte" y "el problema de la renovación de la familia como núcleo central de la sociedad". "La familia", dijo el Papa en el avión, poco antes de que los cazas del Ejército español lo escoltaran hasta Santiago, "es lo que nos va a indicar hasta dónde podemos llegar". La frase sonó a algunos como un guiño a la promesa del líder del Partido Popular, Mariano Rajoy, de derogar la ley de matrimonios homosexuales.
Sus palabras oficializaron en cierto modo el desencuentro que la diplomacia vaticana y la española han intentado evitar durante los últimos años. Fuentes del Gobierno de Rodríguez Zapatero dijeron que el Papa no había citado al presidente ni al Gabinete y que, por tanto, no se debían interpretar sus palabras como una crítica al presidente. Pero el guardián de la fe fue suficientemente claro: "El problema existe en todos los grandes países de Occidente, pero sobre todo en España". Y remachó: "Mi visita es naturalmente un signo de amor. España es un país lleno de dinamismo, pleno de fuerza de la fe, y la fe responde a los retos que están igualmente presentes en España: he venido por casualidad, pero esta casualidad demuestra una realidad más profunda: la fuerza de la fe y la fuerza del reto por la fe".
La actitud militante del Papa alemán de 84 años, lo que se ha llamado su "amable ferocidad", quedó de manifiesto en sus gentiles y determinadas respuestas a los periodistas, y en la homilía que pronunció ante 8.000 fieles en la plaza del Obradoiro, en Santiago. Como un mantra, el laicismo y la necesidad de devolver a Dios al centro de la existencia humana aparecían en cada esquina de su discurso. Al explicar a la prensa por qué ha decidido crear el Pontificio Consejo para la Nueva Evangelización, Ratzinger dijo: "La dificultad de pensar en los conceptos de las Escrituras, de la teología, es universal, pero hay naturalmente un centro y ese centro es el mundo occidental con su secularismo, su laicidad, y la continuidad de la fe que debe intentar renovarse para ser fe actual y responder al reto de la laicidad".
Ratzinger aclaró que las ideas que dan sentido a su viaje a Santiago y Barcelona son dos: en el Camino de Santiago está la idea del peregrinaje, que según dijo está escrita en su biografía, fue clave en la fundación del continente europeo y ayuda a no perder el camino de la fe. En Barcelona, donde Ratzinger tiene previsto aterrizar por la noche, espera encontrarse con "el arte que trasciende, que ayuda a ver y encontrar al otro, que es expresión de la tradición y de la renovación de la fe y de belleza".
La visita a Santiago empezó con cierto suspense. Una densa niebla cubría la ciudad y el Airbus 320 de Alitalia aterrizó a ciegas y dando un bote. Los príncipes de Asturias y el vicepresidente primero, Alfredo Pérez Rubalcaba, recibieron a Benedicto XVI en una carpa habilitada junto a la nueva terminal del aeropuerto. Con ellos, a pie de pista, había unas 150 personas agitando globitos blancos y amarillos y gritando "¡viva el Papa!". Al salir del aeródromo, la sensación era de irrealidad total: por la autopista no circulaba nadie, y las calles de Santiago ofrecían un aspecto desolador. Solo se veían policías. El anunciado tsunami de la fe, que hablaba de 200.000 personas en las calles, no pareció responder a la verdad.
Ratzinger quiso llegar a la ciudad como peregrino y visitó la catedral por la mañana ante la emoción de 120 obispos españoles y unas cuantas decenas de las 50.000 monjas que hay en el país, según las últimas estadísticas vaticanas (mientras solo hay 24.000 sacerdotes). Varias familias sentadas en los bancos de la nave aplaudieron a rabiar al pontífice.
Los Millán habían llegado desde Vigo con la intención de que Ratzinger bendijera a sus cuatro hijos, todos rubios y guapos, y traían en el móvil la petición escrita en italiano. La madre no pudo leerla, pero todos se fueron encantados y doblemente bendecidos. El Papa entró en el templo como peregrino por el pasillo donde se hallaban los Millán, salió a saludar desde el Pórtico de la Gloria y luego volvió a entrar por otro pasillo donde estaba la familia viguesa. Muy cerca estaban los ocho tiraboleiros que hicieron volar el botafumeiro a conciencia, ante la mirada entre divertida y mareada del Papa, ya algo cansado tras abrazar (muy levemente) al apóstol y contemplar el altar barroco.
Por la tarde, durante la misa cantada, la megafonía pidió a los fieles que siguieran la celebración en silencio, que no gritaran consignas ni enseñaran pancartas. Ratzinger no habló en concreto de España, sino de Europa. Llamó a defender las raíces cristianas del continente y reflexionó sobre la aportación que la Iglesia debe hacer a la construcción filosófica del continente. Así, dobló la apuesta por no cejar en la batalla contra el laicismo, con argumentos teocráticos. "Solo Dios basta", dijo citando a Santa Teresa. "Es una tragedia", añadió, "que en Europa, sobre todo en el siglo XIX, se afirmase y divulgase la convicción de que Dios es el antagonista del hombre y el enemigo de su libertad".

Tres visitas a España en seis años

Contando su próximo viaje, previsto para 2011 a Madrid, Benedicto XVI habrá efectuado tres visitas a España en seis años. Preguntado por la razón, el Papa ha respondido que "es un signo de amor y una obligación". Ha recordado que no podía faltar en Valencia, en 2006, ni en Madrid, en la próxima Jornada Mundial de la Juventud, en 2011, ni tampoco en el año santo en Galicia ni en la consagración del templo de la Sagrada Familia en Barcelona.

Una noche al raso

La expectativa ante la llegada del Papa era grande. En la Plaza del Obradoiro, las sillas instaladas para la misa que Benedicto XVI oficiará en Santiago, hoy a las 16.30 horas, han recibido a las ocho de la mañana a los primeros fieles. Unos 200 han dormido en sacos sobre el suelo de piedra de la ciudad y otros han llegado al centro histórico autobús pasadas las 6 de la mañana, informa María Pampín.
Los agentes de la Policía Nacional que abarrotaban la zona se han esforzado en evitar que muchos fieles, que han llegado después, entre ellos una gran cantidad de religiosas, se colasen para entrar antes a la plaza que los penitentes que han soportado el frío de la noche. Apenas unos minutos después de abrir la plaza, ya se congregaban allí unas 2.000 personas.
Con todo, al final de la madrugada, una fría niebla ha aterido a los fieles -los termómetros marcaban 9 grados, pero la sensación térmica era de 6,7, según Meteogalicia-. Durante la pasada noche no se han registrado incidentes como los del jueves, entre los grupos opuestos a la visita y los agentes de seguridad que blindan el casco histórico. En las últimas horas, incluso se han sellado alcantarillas para evitar atentados. El ambiente de copas -los bares tenían licencia municipal para abrir la noche entera- se ha mantenido alejado de las inmediaciones de O Obradoiro. En las calles próximas muchos locales han desistido de servir de madrugada cafés calientes y bocadillos a los fieles. Según los propietarios, no les compensaba. A las 10.00, el recorrido de más de 12 kilómetros que completará hasta la ciudad saludando a sus fieles, ha quedado cerrado al tráfico rodado.


http://www.elpais.com/articulo/espana/Papa/vincula/laicismo/Espana/actual/anticlericalismo/Republica/elpepuesp/20101106elpepunac_3/Tes

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

REAÇÃO À CATILINÁRIA DE SERRA NA FRANÇA: "POR QUE NÃO TE CALAS?"

Até quando, ó Serra, vais abusar da nossa paciência?!

Cinco dias depois da derrota na eleição presidencial, José Serra continua com a cabeça quente: fez declarações destrambelhadas e rancorosas em Biarritz, sul da França, acabando por receber um merecido "por que não te calas?" de um representante da Fundação Zapata, do México.

O tema do encontro eram as relações entre a América Latina e a União Européia, mas Serra passou longe dele. Preferiu ocupar seu tempo com furibundas diátríbes contra o Governo do seu país, lavando roupa suja em casa alheia:
  • acusou o presidente Lula de desindustrializar o País;
  • disse que ele adota um "populismo de direita" na economia e não tem modelo econômico definido;
  • criticou os investimentos do Governo Federal e a alta carga tributária;
  • vituperou o sistema de orçamento participativo, em que o contribuinte decide sobre a destinação de parte dos impostos.
Chegou ao cúmulo de se queixar de que não pôde expor suas idéias como gostaria durante a campanha eleitoral, supostamente porque haveria um estado policial o tolhendo: 
"A democracia não é apenas ganhar as eleições, é governar democraticamente".
O que faltou à nossa democracia? Providenciar uma barragem de guarda-chuvas para protegê-lo das bolinhas de papel?

Continuando a abordar assuntos políticos que nada tinham a ver com a pauta econômica do evento, ele estava soltando os cachorros contra a política externa brasileira, por se "unir a ditaduras como o Irã", quando foi interrompido com a mesma frase proferida pelo rei espanhol Juan Carlos contra o presidente venezuelano Hugo Chávez: 
"Por que não te calas?!".

GEnocídio

el negocio de matar
Néstor Núñez (AIN, especial para ARGENPRESS.info)

Navi Pillai, Comisionada de la ONU para los Derechos Humanos, acaba de solicitar a las autoridades norteamericanas e iraquíes la investigación sobre las denuncias de muertes y torturas de civiles en la nación mesopotámica, a cuenta de las fuerzas militares ocupantes.

La demanda de la funcionaria responde a las denuncias sobre crímenes contra la población de Iraq dadas a conocer recientemente por el sitio web Wikileaks. Según la Pillai, todo indica que esos crímenes y abusos eran de conocimiento de Washington y Bagdad.

Sin dudas, los documentos filtrados a la luz pública por Wikileaks confirman algo que de alguna manera ya se sabía y estalló con las primeras fotos de la prisión iraquí de Abu Ghraib, donde soldados norteamericanos cometieron infinidad de tropelías y salvajadas con los prisioneros a su cargo.

Al fin y al cabo, se conocería por aquellos días, que la tortura era indicativo oficial orquestado en las salas del Departamento de Defensa y de pleno conocimiento y aprobación por la Casa Blanca.

Ahora se trata de que el manipulado número de civiles iraquíes muertos por los ocupantes es muy superior, en casi 15 mil personas, a los dibutativos cálculos oficiales. Y en esa orgía de sangre, los soldados rentados de las tituladas agencias de seguridad que operan en las ciudades de Iraq tienen elevada cuota de participación.

El asunto es que, de hecho, la guerra rentada resulta ventajoso negocio para los reclutadores y para las instancias oficiales comprometidas en los trajines bélicos, toda vez que los desmanes de estos grupos formalmente no cuentan a su haber.

Los mercenarios de la tristemente conocida empresa Blackwater, por ejemplo, han trabajado permanentemente en la titulada “protección” de los diplomáticos norteamericanos en Iraq con contratos que se acercan a los 500 millones de dólares.

A ellos se les atribuyen, por los informes dados a la luz, ametrallamientos a mansalva de civiles, ataques a vehículos particulares, allanamientos violentos, y vejámenes y malos tratos a prisioneros.

No obstante, cuando Barack Obama anunció el pretendido retiro de una parte de las fuerzas militares norteamericana de Iraq, quedó claro que crecería el número de “soldados de fortuna” que se radicarían en ese país ocupado.

En pocas palabras, apenas un mal disfrazado cambio de gendarmes.

Por si fuera poco, el pasado 28 de octubre el sitio WEB norteamericano Democracy Now denunciaba que el régimen de Kabul aplazó la aplicación de un decreto que debía clausurar las empresas militares privadas que operan en Afganistán.

El titulado presidente Hamid Karzai, había anunciado la disolución de esos consorcios de la muerte para fin de año, pero finalmente cambió de idea por instrucciones expresas de las autoridades norteamericanas.

Según el propio sitio WEB, “el gobierno de Obama había advertido que la prohibición pondría en riesgo la asistencia y proyectos de desarrollo en Afganistán.”

En pocas palabras, el mercenarismo aupado por Washington no ha llegado aún al final de su época de oro en la llamada cruzada global imperial “contra el terrorismo”.

Haga click aquí para recibir gratis Argenpress en su correo electrónico.
PUBLICADO POR ARGENPRESS EN 15:50:00
ETIQUETAS: AIN, BLACKWATER, CONTRATISTAS, ESTADOS UNIDOS, GUERRA, MERCENARIOS, NÉSTOR NÚÑEZ, OPINIÓN, TERCERIZACIÓN
Entrada más reciente Entradas antiguas Página principal

pensamentando II

'As eleições manifestam a emergência de um movimento ultraconservador no Brasil'. Entrevista especial com Rudá Ricci


Por onde vão Dilma e Lula neste novo governo eleito no último domingo? Rudá Ricci esteve no Instituto Humanitas Unisinos – IHU, na tarde desta quinta-feira, para falar sobre o lulismo e o protagonismo dos movimentos sociais e a IHU On-Line aproveitou para conversar com o sociólogo sobre suas expectativas em relação ao governo Dilma. E, segundo ele, este já nasce com problemas internos de política institucional com muita força e peso. Ricci diz que esse problema tem nome: Lula. “Se alguém imagina que o Lula não vai governar com Dilma ou disputar o governo desconhece, totalmente o que é essa liderança nacional. Tanto é claro isso que ele já indicou vários ministros para Dilma”.

O professor fala sobre como Dilma deve conduzir este governo e como sua personalidade pode ser um empecilho para os planos de Lula. “Quando ela deu uma entrevista, um ou dois dias depois de eleita, e falou ‘eu quero nomear pessoas que tenham esse perfil’ ali Dilma começou a dar as cartas”, contou. Ricci também falou sobre como deve se dar a articulação dos movimentos sociais e organizações populares com este novo governo e, assim, apontou: “O que me preocupa não é o campo da esquerda, mas o da direita. Creio que vai surgir no Brasil, a exemplo do que ocorre nos EUA e na Espanha, um movimento de classe média ultraconservador que já apareceu no final do primeiro turno”.

Rudá Ricci é graduado em Ciências Sociais pela PUC-SP. É mestre em Ciência Política e o doutor em Ciências Sociais pela Unicamp. Atua como consultor no Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal e do Instituto de Desenvolvimento. É diretor do Instituto Cultiva e professor da Universidade Vale do Rio Verde e da PUC Minas.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – O que o senhor espera do governo Dilma?

Rudá Ricci – É um pouco complexo responder a essa pergunta pelo seguinte: esse governo tem, logo de início, quatro ou cinco desafios internos de política institucional. Esses problemas internos têm nome: Lula. Se alguém imagina que o Lula não vai governar com Dilma ou disputar o governo, desconhece totalmente o que é essa liderança nacional. Tanto isso é claro que ele já indicou vários ministros para Dilma. Ele pediu para o Mantega ficar, indicou o Palocci como uma espécie de primeiro ministro dele no governo Dilma. Tanto é verdade que o Zé Dirceu já ficou muito irritado com essa proeminência que o Palocci vai ter. Lula também já indicou o Haddad para ficar em qualquer ministério. Lula será uma figura de muito destaque no governo Dilma. Obviamente isso cria problema para uma pessoa com a personalidade de Dilma. Esse é o segundo problema interno: como Dilma vai se relacionar com uma pessoa com a popularidade de Lula, conhecendo muito bem como Lula joga. Para se ter uma ideia, na montagem do último ministério de Lula, em 2006, no momento em que já se sabia quantos ministérios ficariam com o PT, como é o caso do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Lula ficava estimulando várias correntes internas do partido para disputar o ministério. Eu participei efetivamente dessa disputa e foi muito pesado o jogo. O que as pessoas não sabem? É que o ministro eleito já vinha com a posição junto a ele. E foi isso que fortaleceu muito Lula. Lula é um gênio político. As pessoas ainda perguntam: “mas será que não são os assessores?”. Não, é ele, Lula é um gênio mesmo. Nós temos que nos acostumar a ver que depois de Getúlio Vargas, o grande líder que o Brasil criou é o Lula. As pessoas não querem acreditar nisso porque não conhecem os bastidores. Ele joga muito pesado.

O terceiro problema é o PMDB que pode ser multiplicado por dez. O PMDB do Requião não é o PMDB do Sarney que não é o, possivelmente, do Kassab (prefeito de São Paulo, do DEM, mas com possibilidade de ir para o PMDB). Há uma negociação em curso que grande parte dos Democratas vai entrar no PMDB até o início do próximo ano. Imagine que o partido que mais atacou Dilma pode se aliar ao governo.

Um quarto problema é o próprio PT. Neste caso, a liderança que está tentando galvanizar uma ação do PT para ocupar mais espaço é o José Dirceu. Mas ele é só uma ponta do iceberg. Por exemplo: há uma série de setores vinculados a serviços da área economia, que estão hoje sindicalizados, que vem negociando já com Palocci. Este não foi nem nomeado ainda ministro, é o braço direito de Lula e está negociando cargo e ações. Então, imagine como será a disputa interna do PT.

E, finalmente, tem o problema dos aliados. São 11 partidos e alguns jogam pesado também, como o PP que entrou agora no segundo turno. Esse problema será gravíssimo e acho que teremos um ano de grande tensão. Minha aposta é que Dilma se alia com o PMDB e com Lula neste ano para tentar conter o avanço das outras forças, como o PP. E no segundo ano, que terá eleições municipais, veremos qual é, afinal, o interesse de Dilma.

IHU On-Line – E do ponto de vista econômico?

Rudá Ricci – Destaco como mais importante a bolha de consumo. Nós temos dois grandes problemas na economia. Um é o câmbio, que é um problema gravíssimo e, com isso, estados como o Rio Grande do Sul têm dificuldade de exportação. Já tivemos aqui no RS uma dificuldade imensa no setor de calçados quando se abre para aqueles sapatos da China, bem como o setor de brinquedos. Nós poderíamos, embora estejamos vendendo muito, estar vendendo muito mais e o governo vai ter que resolver isso.

IHU On-Line – E o que este governo vai fazer para resolver isso?

Rudá Ricci – Cortando gasto público. Mas como cortar gasto público se o que deu projeção ao Lula foi justamente isso? Aí está o problema.

IHU On-Line – E qual é o segundo problema?

Rudá Ricci – Nós tivemos um grande estímulo ao consumo e no lulismo não tivemos uma inserção social pela política, como imaginávamos na Constituição, nós tivemos pelo consumo. Acontece que as pessoas estão comprando demais. Os dados que temos revelam que 60% da população brasileira está endividada. Destes, 40% não sabe como pagar suas contas e, para piorar, continuam fazendo crediário em até 60 vezes. Isso é dado do Ipea. Por que eles continuam comprando? Como essa população estava na classe D e começou a ascender para a classe C, principalmente em função do aumento real do salário mínimo, as pessoas contam todo ano com o aumento. É por isso que a Dilma falou, depois de eleita, que vai estudar uma solução para continuar tendo aumento real do salário mínimo. Ela vai ter que cortar gastos sociais. Ela tem que cortar. Isso é consenso no governo federal. Todo mundo do governo já sabe disso.

IHU On-Line – Por que ela tem que cortar esses gastos sociais?

Rudá Ricci – Porque, se ela cortar, conseguirá manejar o mercado financeiro e baixar a taxa de juros. Com isso, não há tanto atrativo para a entrada de dólares no Brasil e, se não entra tanto dólar, o real cai e, então, conseguiremos exportar mais. Esse é o jogo. Se Dilma estancar o aumento real do salário mínimo, esses crediários vão estourar em três ou quatro anos. Então, temos que ter uma lógica de crédito para não continuarmos com essa inflação de consumo. E isso é muito difícil, porque estamos falando de uma população que sempre foi pobre. Agora, pela primeira vez, como foi nos anos 1950 nos EUA, as pessoas estão comprando o que a classe média está comprando. Eu vejo esse problema em casa: há uma senhora que trabalha na minha casa que acabou de colocar a filha num curso de informática e a matrícula custou 450 reais. O que eu falo para ela? “Cuidado, você está gastando muito dinheiro numa matrícula!”. Mas, poxa, ela está dando para a filha um futuro. Esse é, portanto, um problema do governo Dilma.

IHU On-Line – Se essa bolha estourar em três ou quatro anos, como o senhor disse, nós geramos uma crise...

Rudá Ricci – E no meio da Copa do Mundo no Brasil, ou um ano depois. As projeções que estão sendo feitas para o Brasil dão conta de que, possivelmente, em 2015 nossa bolha de crédito vai explodir. Inclusive, no setor imobiliário.

IHU On-Line – Mas a crise acontece nas mesmas proporções da crise que atingiu os EUA?

Rudá Ricci – É menos grave, mas o mecanismo é o mesmo. O Brasil é o segundo país mais rico da América. Já somos mais ricos do que o Canadá. Os brasileiros não se deram conta disso. Citando algumas ações muito recentes: Nós compramos a Budweiser, que é a segunda cerveja mais consumida nos EUA; compramos a segunda rede de fast-food dos EUA, que é o Burger King; compramos os dois principais frigoríficos dos EUA, através da Friboi; compramos todos os grandes frigoríficos e grandes cervejarias da Argentina e Uruguai; os principais bancos de crédito do Uruguai e outros países da América Latina são brasileiros; 18% da economia da Bolívia está nas mãos da Petrobras. Nós somos uma potencia mundial, temos o 7º maior PIB do mundo em 200 países. Por isso o Obama disse que o Lula é o cara, na verdade ele quis se referir ao Brasil. Se nós entrarmos em crise, despedaçaremos a América Latina.

Porém, nós não vamos entrar em crise. A questão é que vamos ter que fazer um ajuste e este ajuste é o inverso do que sentimos na segunda gestão do Lula. Quero ver como a Dilma vai administrar isso. O problema econômico do Brasil é eminentemente político. Como é que ela vai manejar isso? Daqui a dois anos teremos eleições municipais e os partidos aliados vão vender caro essa fatura. Eles não querem estar num governo que têm baixa popularidade e aí vai entrar nosso amigo Lula. Com certeza, ele vai voltar.

IHU On-Line – Como o senhor avalia o perfil de Dilma?

Rudá Ricci – Ela pode dizer que nasceu em Minas, mas ela é gaúcha. Ela faz política assim. Dilma foi do PDT, o que não é qualquer coisa. Ela sabe e vai mandar e aí vamos ver como será a acomodação desse governo. Ela aprendeu isso com o Brizola e vem da Polop (Política Operária). Esta organização clandestina surgiu no pior período do regime militar e era a mais intelectualizada de todas e totalmente baseada em estudos. Não é à toa que Theotônio Dos Santos, Paul Singer, Sônia Draibe, ou seja, a alta intelectualidade atual do Brasil vem de lá. Eles já eram assim. A Dilma tem uma formação importante em sua origem. Uma pessoa que fazia parte de uma organização clandestina tem que ser muito disciplinada e tomar decisões muito rápidas. Essa vida de você correr riscos faz com que a pessoa não fique discutindo muito em assembleias, ela toma decisões muito precisas. Ela já tem uma personalidade dura, tem essas características da vida pessoal e por ter tido essa tradição política junto com o Brizola... isso não é pouco. Essa pessoa pode ser tudo, mas dócil ela não é.

IHU On-Line – Como o senhor vê agora a reinserção de Palocci e José Dirceu no governo?

Rudá Ricci – Só para se ter uma ideia de como vai ser o governo, Palocci praticamente despejou Fernando Pimentel da campanha. Vamos voltar ao passado novamente: Depois de um tempo, Dilma saiu da Polop e entrou numa outra corrente que era resultado de um racha da Polop. Depois, ela entrou numa terceira organização que era composta pelas duas outras organizações que romperam antes. Se falarmos da genealogia das organizações, você poderá entender esses inúmeros rompimentos. De qualquer maneira, a Dilma, na segunda organização que ela participou, foi companheira do Fernando Pimentel, que foi prefeito de Belo Horizonte. O Fernando Pimentel é, portanto, uma pessoa de confiança da Dilma. Ele entrou na campanha para comandar até que veio a história dos dossiês, que começou pelo grupo de Minas contra o Serra e ele teria se apropriado. O Lula colocou o Palocci no comando da campanha e este tirou o Fernando Pimentel da coordenação. Então, ele não entrou no final da campanha. Palocci é uma pessoa que também joga pesado.

Quem está tentando entrar agora pelas beiradas é o Zé Dirceu. E aí mora o perigo. O Zé Dirceu em público é um desastre, mas na penumbra ele é uma das pessoas mais habilidosas que eu já vi na minha vida. E ele é muito charmoso. Ele tem uma capacidade de agregação muito grande. E, por isso, ele também consegue desagregar facilmente.

IHU On-Line – Como será a articulação do governo Dilma com os movimentos sociais?

Rudá Ricci – Vamos tentar definir melhor, pois eu não chamaria de movimentos sociais, mas organizações populares. Isso porque grande parte não é movimento social. É o caso das pastorais sociais. Elas se articulam, mas não são movimentos sociais. As organizações populares hoje no Brasil podem ser divididas em dois grandes blocos. Umas são as organizações populares com uma concepção mais à esquerda. Estas são, talvez, 80% das organizações populares do Brasil, incluindo aí alguns movimentos sociais, como é o caso do movimento ambientalista. Essas organizações populares mais à esquerda podem ser divididas em dois campos: a primeira tem uma relação muito tencionada com o lulismo. As pastorais sociais ligadas à Teologia da Libertação têm uma dificuldade muito grande de se relacionar com o governo Lula. Ao mesmo tempo, por terem um compromisso mais à esquerda, no momento de crise eles acabam apoiando o governo, mas as relações do dia a dia são muito conflitivas por parte dos dirigentes que dizem que o Lula rasgou os compromissos históricos. Neste caso, vai ser como foi com o governo Lula.

O segundo bloco vive do financiamento público. Em tese, não é nada que deponha contra eles. O que ocorreu é que nos anos 1990 nós tivemos um fortíssimo corte de financiamento externo para as organizações populares no Brasil, o que vai continuar, e houve uma busca de estratégia de sobrevivência. E aí todos os governos entraram. O Kassab, por exemplo, contratou um monte de Ongs para terceirizar serviços. E grande parte dos técnicos contratados pelas Ongs hoje nem fala em política, falam em profissão.

O que me preocupa não é o campo da esquerda, mas o da direita. Creio que vai surgir no Brasil, a exemplo do que ocorre nos EUA e na Espanha, um movimento de classe média ultraconservador que já apareceu no final do primeiro turno. Nós já temos o discurso e a liderança e, por isso, é bem provável que no final do governo Dilma apareça um movimento social deste tipo. A Igreja ultraconservadora voltará a ter força no Brasil.

Para ler mais:
• Dilma na presidência: um novo governo? Entrevista especial com Luiz Werneck Viana
• Uma presidente. O seu significado. Entrevista especial com Fátima Jordão
• Dilma é eleita a primeira presidenta do Brasil. Entrevista especial com Maria Izabel Noll
• “O voto evangélico vai decidir o 2º turno”. Entrevista especial com Rudá Ricci
• O PT a reboque do lulismo. Entrevista especial com Rudá Ricci
• 'Um Brasil mais mosaico do que nunca'. Uma análise das eleições a partir de Minas Gerais. Entrevista especial com Rudá Ricci
• 'A CUT vai caminhando para ser a antiga CGT do século XXI'. Entrevista especial com Rudá Ricci
• "Lula não é uma liderança de esquerda". Entrevista especial com Rudá Ricci, sociólogo da PUC-MG
• (Inst Humanitas Unisinos)

pensamentando

'As eleições manifestam a emergência de um movimento ultraconservador no Brasil'. Entrevista especial com Rudá Ricci


Por onde vão Dilma e Lula neste novo governo eleito no último domingo? Rudá Ricci esteve no Instituto Humanitas Unisinos – IHU, na tarde desta quinta-feira, para falar sobre o lulismo e o protagonismo dos movimentos sociais e a IHU On-Line aproveitou para conversar com o sociólogo sobre suas expectativas em relação ao governo Dilma. E, segundo ele, este já nasce com problemas internos de política institucional com muita força e peso. Ricci diz que esse problema tem nome: Lula. “Se alguém imagina que o Lula não vai governar com Dilma ou disputar o governo desconhece, totalmente o que é essa liderança nacional. Tanto é claro isso que ele já indicou vários ministros para Dilma”.

O professor fala sobre como Dilma deve conduzir este governo e como sua personalidade pode ser um empecilho para os planos de Lula. “Quando ela deu uma entrevista, um ou dois dias depois de eleita, e falou ‘eu quero nomear pessoas que tenham esse perfil’ ali Dilma começou a dar as cartas”, contou. Ricci também falou sobre como deve se dar a articulação dos movimentos sociais e organizações populares com este novo governo e, assim, apontou: “O que me preocupa não é o campo da esquerda, mas o da direita. Creio que vai surgir no Brasil, a exemplo do que ocorre nos EUA e na Espanha, um movimento de classe média ultraconservador que já apareceu no final do primeiro turno”.

Rudá Ricci é graduado em Ciências Sociais pela PUC-SP. É mestre em Ciência Política e o doutor em Ciências Sociais pela Unicamp. Atua como consultor no Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal e do Instituto de Desenvolvimento. É diretor do Instituto Cultiva e professor da Universidade Vale do Rio Verde e da PUC Minas.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – O que o senhor espera do governo Dilma?

Rudá Ricci – É um pouco complexo responder a essa pergunta pelo seguinte: esse governo tem, logo de início, quatro ou cinco desafios internos de política institucional. Esses problemas internos têm nome: Lula. Se alguém imagina que o Lula não vai governar com Dilma ou disputar o governo, desconhece totalmente o que é essa liderança nacional. Tanto isso é claro que ele já indicou vários ministros para Dilma. Ele pediu para o Mantega ficar, indicou o Palocci como uma espécie de primeiro ministro dele no governo Dilma. Tanto é verdade que o Zé Dirceu já ficou muito irritado com essa proeminência que o Palocci vai ter. Lula também já indicou o Haddad para ficar em qualquer ministério. Lula será uma figura de muito destaque no governo Dilma. Obviamente isso cria problema para uma pessoa com a personalidade de Dilma. Esse é o segundo problema interno: como Dilma vai se relacionar com uma pessoa com a popularidade de Lula, conhecendo muito bem como Lula joga. Para se ter uma ideia, na montagem do último ministério de Lula, em 2006, no momento em que já se sabia quantos ministérios ficariam com o PT, como é o caso do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Lula ficava estimulando várias correntes internas do partido para disputar o ministério. Eu participei efetivamente dessa disputa e foi muito pesado o jogo. O que as pessoas não sabem? É que o ministro eleito já vinha com a posição junto a ele. E foi isso que fortaleceu muito Lula. Lula é um gênio político. As pessoas ainda perguntam: “mas será que não são os assessores?”. Não, é ele, Lula é um gênio mesmo. Nós temos que nos acostumar a ver que depois de Getúlio Vargas, o grande líder que o Brasil criou é o Lula. As pessoas não querem acreditar nisso porque não conhecem os bastidores. Ele joga muito pesado.

O terceiro problema é o PMDB que pode ser multiplicado por dez. O PMDB do Requião não é o PMDB do Sarney que não é o, possivelmente, do Kassab (prefeito de São Paulo, do DEM, mas com possibilidade de ir para o PMDB). Há uma negociação em curso que grande parte dos Democratas vai entrar no PMDB até o início do próximo ano. Imagine que o partido que mais atacou Dilma pode se aliar ao governo.

Um quarto problema é o próprio PT. Neste caso, a liderança que está tentando galvanizar uma ação do PT para ocupar mais espaço é o José Dirceu. Mas ele é só uma ponta do iceberg. Por exemplo: há uma série de setores vinculados a serviços da área economia, que estão hoje sindicalizados, que vem negociando já com Palocci. Este não foi nem nomeado ainda ministro, é o braço direito de Lula e está negociando cargo e ações. Então, imagine como será a disputa interna do PT.

E, finalmente, tem o problema dos aliados. São 11 partidos e alguns jogam pesado também, como o PP que entrou agora no segundo turno. Esse problema será gravíssimo e acho que teremos um ano de grande tensão. Minha aposta é que Dilma se alia com o PMDB e com Lula neste ano para tentar conter o avanço das outras forças, como o PP. E no segundo ano, que terá eleições municipais, veremos qual é, afinal, o interesse de Dilma.

IHU On-Line – E do ponto de vista econômico?

Rudá Ricci – Destaco como mais importante a bolha de consumo. Nós temos dois grandes problemas na economia. Um é o câmbio, que é um problema gravíssimo e, com isso, estados como o Rio Grande do Sul têm dificuldade de exportação. Já tivemos aqui no RS uma dificuldade imensa no setor de calçados quando se abre para aqueles sapatos da China, bem como o setor de brinquedos. Nós poderíamos, embora estejamos vendendo muito, estar vendendo muito mais e o governo vai ter que resolver isso.

IHU On-Line – E o que este governo vai fazer para resolver isso?

Rudá Ricci – Cortando gasto público. Mas como cortar gasto público se o que deu projeção ao Lula foi justamente isso? Aí está o problema.

IHU On-Line – E qual é o segundo problema?

Rudá Ricci – Nós tivemos um grande estímulo ao consumo e no lulismo não tivemos uma inserção social pela política, como imaginávamos na Constituição, nós tivemos pelo consumo. Acontece que as pessoas estão comprando demais. Os dados que temos revelam que 60% da população brasileira está endividada. Destes, 40% não sabe como pagar suas contas e, para piorar, continuam fazendo crediário em até 60 vezes. Isso é dado do Ipea. Por que eles continuam comprando? Como essa população estava na classe D e começou a ascender para a classe C, principalmente em função do aumento real do salário mínimo, as pessoas contam todo ano com o aumento. É por isso que a Dilma falou, depois de eleita, que vai estudar uma solução para continuar tendo aumento real do salário mínimo. Ela vai ter que cortar gastos sociais. Ela tem que cortar. Isso é consenso no governo federal. Todo mundo do governo já sabe disso.

IHU On-Line – Por que ela tem que cortar esses gastos sociais?

Rudá Ricci – Porque, se ela cortar, conseguirá manejar o mercado financeiro e baixar a taxa de juros. Com isso, não há tanto atrativo para a entrada de dólares no Brasil e, se não entra tanto dólar, o real cai e, então, conseguiremos exportar mais. Esse é o jogo. Se Dilma estancar o aumento real do salário mínimo, esses crediários vão estourar em três ou quatro anos. Então, temos que ter uma lógica de crédito para não continuarmos com essa inflação de consumo. E isso é muito difícil, porque estamos falando de uma população que sempre foi pobre. Agora, pela primeira vez, como foi nos anos 1950 nos EUA, as pessoas estão comprando o que a classe média está comprando. Eu vejo esse problema em casa: há uma senhora que trabalha na minha casa que acabou de colocar a filha num curso de informática e a matrícula custou 450 reais. O que eu falo para ela? “Cuidado, você está gastando muito dinheiro numa matrícula!”. Mas, poxa, ela está dando para a filha um futuro. Esse é, portanto, um problema do governo Dilma.

IHU On-Line – Se essa bolha estourar em três ou quatro anos, como o senhor disse, nós geramos uma crise...

Rudá Ricci – E no meio da Copa do Mundo no Brasil, ou um ano depois. As projeções que estão sendo feitas para o Brasil dão conta de que, possivelmente, em 2015 nossa bolha de crédito vai explodir. Inclusive, no setor imobiliário.

IHU On-Line – Mas a crise acontece nas mesmas proporções da crise que atingiu os EUA?

Rudá Ricci – É menos grave, mas o mecanismo é o mesmo. O Brasil é o segundo país mais rico da América. Já somos mais ricos do que o Canadá. Os brasileiros não se deram conta disso. Citando algumas ações muito recentes: Nós compramos a Budweiser, que é a segunda cerveja mais consumida nos EUA; compramos a segunda rede de fast-food dos EUA, que é o Burger King; compramos os dois principais frigoríficos dos EUA, através da Friboi; compramos todos os grandes frigoríficos e grandes cervejarias da Argentina e Uruguai; os principais bancos de crédito do Uruguai e outros países da América Latina são brasileiros; 18% da economia da Bolívia está nas mãos da Petrobras. Nós somos uma potencia mundial, temos o 7º maior PIB do mundo em 200 países. Por isso o Obama disse que o Lula é o cara, na verdade ele quis se referir ao Brasil. Se nós entrarmos em crise, despedaçaremos a América Latina.

Porém, nós não vamos entrar em crise. A questão é que vamos ter que fazer um ajuste e este ajuste é o inverso do que sentimos na segunda gestão do Lula. Quero ver como a Dilma vai administrar isso. O problema econômico do Brasil é eminentemente político. Como é que ela vai manejar isso? Daqui a dois anos teremos eleições municipais e os partidos aliados vão vender caro essa fatura. Eles não querem estar num governo que têm baixa popularidade e aí vai entrar nosso amigo Lula. Com certeza, ele vai voltar.

IHU On-Line – Como o senhor avalia o perfil de Dilma?

Rudá Ricci – Ela pode dizer que nasceu em Minas, mas ela é gaúcha. Ela faz política assim. Dilma foi do PDT, o que não é qualquer coisa. Ela sabe e vai mandar e aí vamos ver como será a acomodação desse governo. Ela aprendeu isso com o Brizola e vem da Polop (Política Operária). Esta organização clandestina surgiu no pior período do regime militar e era a mais intelectualizada de todas e totalmente baseada em estudos. Não é à toa que Theotônio Dos Santos, Paul Singer, Sônia Draibe, ou seja, a alta intelectualidade atual do Brasil vem de lá. Eles já eram assim. A Dilma tem uma formação importante em sua origem. Uma pessoa que fazia parte de uma organização clandestina tem que ser muito disciplinada e tomar decisões muito rápidas. Essa vida de você correr riscos faz com que a pessoa não fique discutindo muito em assembleias, ela toma decisões muito precisas. Ela já tem uma personalidade dura, tem essas características da vida pessoal e por ter tido essa tradição política junto com o Brizola... isso não é pouco. Essa pessoa pode ser tudo, mas dócil ela não é.

IHU On-Line – Como o senhor vê agora a reinserção de Palocci e José Dirceu no governo?

Rudá Ricci – Só para se ter uma ideia de como vai ser o governo, Palocci praticamente despejou Fernando Pimentel da campanha. Vamos voltar ao passado novamente: Depois de um tempo, Dilma saiu da Polop e entrou numa outra corrente que era resultado de um racha da Polop. Depois, ela entrou numa terceira organização que era composta pelas duas outras organizações que romperam antes. Se falarmos da genealogia das organizações, você poderá entender esses inúmeros rompimentos. De qualquer maneira, a Dilma, na segunda organização que ela participou, foi companheira do Fernando Pimentel, que foi prefeito de Belo Horizonte. O Fernando Pimentel é, portanto, uma pessoa de confiança da Dilma. Ele entrou na campanha para comandar até que veio a história dos dossiês, que começou pelo grupo de Minas contra o Serra e ele teria se apropriado. O Lula colocou o Palocci no comando da campanha e este tirou o Fernando Pimentel da coordenação. Então, ele não entrou no final da campanha. Palocci é uma pessoa que também joga pesado.

Quem está tentando entrar agora pelas beiradas é o Zé Dirceu. E aí mora o perigo. O Zé Dirceu em público é um desastre, mas na penumbra ele é uma das pessoas mais habilidosas que eu já vi na minha vida. E ele é muito charmoso. Ele tem uma capacidade de agregação muito grande. E, por isso, ele também consegue desagregar facilmente.

IHU On-Line – Como será a articulação do governo Dilma com os movimentos sociais?

Rudá Ricci – Vamos tentar definir melhor, pois eu não chamaria de movimentos sociais, mas organizações populares. Isso porque grande parte não é movimento social. É o caso das pastorais sociais. Elas se articulam, mas não são movimentos sociais. As organizações populares hoje no Brasil podem ser divididas em dois grandes blocos. Umas são as organizações populares com uma concepção mais à esquerda. Estas são, talvez, 80% das organizações populares do Brasil, incluindo aí alguns movimentos sociais, como é o caso do movimento ambientalista. Essas organizações populares mais à esquerda podem ser divididas em dois campos: a primeira tem uma relação muito tencionada com o lulismo. As pastorais sociais ligadas à Teologia da Libertação têm uma dificuldade muito grande de se relacionar com o governo Lula. Ao mesmo tempo, por terem um compromisso mais à esquerda, no momento de crise eles acabam apoiando o governo, mas as relações do dia a dia são muito conflitivas por parte dos dirigentes que dizem que o Lula rasgou os compromissos históricos. Neste caso, vai ser como foi com o governo Lula.

O segundo bloco vive do financiamento público. Em tese, não é nada que deponha contra eles. O que ocorreu é que nos anos 1990 nós tivemos um fortíssimo corte de financiamento externo para as organizações populares no Brasil, o que vai continuar, e houve uma busca de estratégia de sobrevivência. E aí todos os governos entraram. O Kassab, por exemplo, contratou um monte de Ongs para terceirizar serviços. E grande parte dos técnicos contratados pelas Ongs hoje nem fala em política, falam em profissão.

O que me preocupa não é o campo da esquerda, mas o da direita. Creio que vai surgir no Brasil, a exemplo do que ocorre nos EUA e na Espanha, um movimento de classe média ultraconservador que já apareceu no final do primeiro turno. Nós já temos o discurso e a liderança e, por isso, é bem provável que no final do governo Dilma apareça um movimento social deste tipo. A Igreja ultraconservadora voltará a ter força no Brasil.

Para ler mais:
• Dilma na presidência: um novo governo? Entrevista especial com Luiz Werneck Viana
• Uma presidente. O seu significado. Entrevista especial com Fátima Jordão
• Dilma é eleita a primeira presidenta do Brasil. Entrevista especial com Maria Izabel Noll
• “O voto evangélico vai decidir o 2º turno”. Entrevista especial com Rudá Ricci
• O PT a reboque do lulismo. Entrevista especial com Rudá Ricci
• 'Um Brasil mais mosaico do que nunca'. Uma análise das eleições a partir de Minas Gerais. Entrevista especial com Rudá Ricci
• 'A CUT vai caminhando para ser a antiga CGT do século XXI'. Entrevista especial com Rudá Ricci
• "Lula não é uma liderança de esquerda". Entrevista especial com Rudá Ricci, sociólogo da PUC-MG
• (Inst Humanitas Unisinos)

DEUS da Silva voltou!

Aao menos temporariamente...

DECIDIDO: "CAÇADAS DE PEDRINHO" NÃO VAI PARA O INDEX

Quando o historiador Marco Antonio Villa acusou o "lulismo" de perseguir Monteiro Lobato, eu retruquei: "o insignificante Conselho Nacional de (Des)Educação" apenas elaborara outro de seus "pareceres desnecessários e tolos", que não respaldava nem de longe tal generalização, pois apenas se constituiu num "exemplo da crassa ignorância de funcionários subalternos, incumbidos de tarefas além de suas qualificações".

O ministro Da Educação, Fernando Haddad, concordou, dando ao parecer o único destino cabível: a lixeira.

Para salvar as aparências, pediu ao CNE que elabore outro -- o qual, claro, não trará nenhuma recomendação obscurantista.

Quanto à conselheira Nilma Lino Gomes, que conseguiu seus cinco minutinhos de fama como uma  dona Solange  extemporânea, recomendo que compare o enfoque dado ao personagem Tia Nastácia com a forma como as domésticas negras eram verdadeiramente tratadas na época.

Lobato, longe de fazer dela uma caricatura racista, a coloca como integrante querida da família, com seus conhecimentos adquiridos na escola da vida, sua bondade e sua simpatia cativante.

Os pêlos em ovo que pretextaram tal parecer (frases soltas) apenas dão uma idéia de como o negro era vítima de preconceitos: a boneca Emília, por birra, repetia grosserias em voga.

A sábia Dona Benta, Pedrinho, Narizinho, o Visconde de Sabugosa, ninguém a apoiava, todos demonstravam respeito e consideração pela Tia Nastácia. 

Isto, sim, diferia do usual na sociedade brasileira da primeira metade do século passado. Ótimo seria se os racistas estivessem em posição minoritária. Não estavam, muito pelo contrário.

Ao estabelecer tal contraste, Lobato apontava qual a postura correta e qual a errada. Estava combatendo o racismo, não o endossando.

Isto, diria Nelson Rodrigues, é o óbvio ululante. A ficha cairia para qualquer pessoa que se desse ao trabalho de ler alguns livros da série do Sítio do Picapau Amarelo antes de emitir pareceres ridículos.

O que não foi o caso da tal conselheira. Ela comeu na mão de um desses Torquemadas do politicamente correto e se deu muito mal.

Resumo da opereta: o CNE tem conselheiros que não conseguem sequer se posicionar com um mínimo de competência sobre a literatura infanto-juvenil. Deveriam perguntar a seus filhos.

Ministério Público pede ação contra militares acusados por tortura Defensoria diz que lei da Anistia não invalida a responsabilidade civil dos agressores

O MPF-SP (Ministério Público Federal em São Paulo) ajuizou ação civil pública parar declarar responsabilidade civil de quatro militares reformados - três deles integrantes das Forças Armadas e um da Polícia Militar de São Paulo - sobre mortes ou desaparecimentos forçados de pelo menos seis pessoas, além de tortura contra outras 19 pessoas, todas detidas pela Oban (Operação Bandeirante), nos anos 70, auge da repressão militar. A Procuradoria da República cita na peça inicial a presidente eleita Dilma Rousseff (PT), presa e torturada em 1970.
Às páginas 30 e 31 da ação, a procuradoria dedica um capítulo à Dilma. "Seu relato foi registrado pela Arquidiocese de São Paulo no Projeto Brasil Nunca Mais, a partir do depoimento prestado à Auditoria Militar em 1970". A Oban foi criada e coordenada pelo Comando do II Exército em 1969 e 1970. A ação pede que os réus sejam condenados a pagar indenização à sociedade, tenham as aposentadorias cassadas e ajudem a cobrir os gastos da União com indenizações para as vítimas.
São acusados na ação os militares reformados das Forças Armadas Homero Cesar Machado, Innocencio Fabricio de Mattos Beltrão e Maurício Lopes Lima e o capitão reformado da PM de São Paulo, João Thomaz. Subscrevem a ação o procurador regional da República Marlon Alberto Weichert e os procuradores da República Eugênia Augusta Gonzaga, Jefferson Aparecido Dias, Luiz Costa, Adriana da Silva Fernandes e Sergio Gardenghi Suiama.
A Oban visava agrupar num único destacamento o trabalho de repressão política estadual e federal, até então disperso entre as Forças Armadas e as polícias civis, militares e federal. Criado em São Paulo após a edição do AI-5) e sob o comando do Exército este projeto ficou conhecido pelo uso da tortura como meio rotineiro de investigação e de punição de dissidentes políticos.
 Com base na experiência da Oban, as Forças Armadas criaram os Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informação dos Centros de Operações de Defesa Interna) em todo o País, unidades que a partir de 1970 centralizaram a repressão. A ação narra 15 episódios de violência estatal que vitimaram fatalmente pelo menos seis militantes políticos, entre eles Virgílio Gomes da Silva, o Jonas, apontado como líder do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick.

O trabalho do Ministério Público Federal se baseou em depoimentos dados a tribunais militares por diversas vítimas da Oban e compilados no Projeto Brasil Nunca Mais, além de informações mantidas em arquivos públicos e testemunhos de algumas vítimas. Além da presidente eleita é citado o caso de Frei Tito, que se suicidaria quatro anos depois por sequelas da tortura. Dos episódios narrados na ação, destaca-se a violência sofrida pela família de Virgílio Gomes da Silva.
Relato
Sua mulher Ilda, seu irmão Francisco e três dos quatro filhos do casal foram presos pela Oban. Ilda não só foi torturada como obrigada a assistir a aplicação de choques elétricos em sua filha Isabel, então com quatro meses de idade, segundo a ação da Procuradoria da República.
O Ministério Público Federal esclarece na ação que a lei de Anistia e o julgamento da ação 153 pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que reafirmou a validade da lei, não inviabilizam medidas de responsabilização civil como as propostas na nova ação. Primeiro, porque a lei de Anistia não faz menção a obrigações cíveis decorrentes de atos ilícitos anistiados pela lei.
No julgamento, os ministros do STF Carmen Lúcia, Eros Grau, Cezar Peluso, Celso de Mello, além de Carlos Ayres Britto e Ricardo Lewandowski - que julgaram procedente a ação 153 - destacaram a importância de se buscar medidas visando a reparação, o esclarecimento da verdade e outras providências relacionadas ao que se passou no período abrangido pela lei, ainda que a punição criminal esteja vedada.
Os procuradores lembram, ainda, que o caso está sujeito às obrigações internacionais assumidas pelo Estado brasileiro de apuração de graves violações aos direitos humanos. Os episódios de tortura e morte narrados, assinalam os autores da ação, configuram crimes contra a humanidade, considerados imprescritíveis, tanto no campo cível, como no penal. http://noticias.r7.com/brasil/noticias/ministerio-publico-pede-acao-contra-militares-acusados-por-tortura-20101104.html

a Veja é assim: Morde e assopra, mas o veneno já tomou o corpo

3 de Novembro de 2010 - 17h07

Dilma é elogiada em edição extra da Veja

Urariano Mota *

Dos cinco sentidos ensinados na velha escola, visão, audição, olfato, paladar e tato, o sentido dos olhos sempre foi o que julgávamos mais confiável. Veja, sempre nos diziam, quando não acreditávamos no que nos diziam. Veja! sempre nos ordenam hoje, quando opomos resistência ao que nos põem diante dos olhos. Por isso pusemos os óculos para ver, ainda que online, a capa da última edição da revista Veja.

Só elogios para Dilma Rousseff. Incrível. Se Machado de Assis fosse visto comendo cuscuz em Água Fria, seria mais crível. Confesso que tive vontade de correr à banca de revistas, ou à revistaria, como insistem em falar os do sudeste. E, mais envergonhado que se procurasse o suprassumo das pornografias, daquelas que nos apontam nas ruas e dizem, ali vai um absoluto degenerado, pedir baixinho e sem erguer os olhos: - O senhor tem a Veja?

O estupor do colunista cabe nesse quase exagero. Se não, veja o leitor a edição extra e extraordinária da revista. Veja:
“Uma vitória de todos os brasileiros"
Esta Edição Extra de VEJA comemora a eleição de Dilma Rousseff, narra sua trajetória de vida, suas aventuras e desventuras na política, discorre sobre os perigos e desafios da poltrona em que ela vai se sentar a partir de 1º de janeiro de 2011.
Sem nunca ter se candidatado antes a qualquer cargo eletivo, sendo quase desconhecida dos brasileiros até ser nomeada ministra da Casa Civil por Lula em 2005, Dilma Rousseff elegeu-se, no domingo passado, presidente da República do Brasil com 55,7 milhões de votos — 12 milhões a mais do que seu concorrente, José Serra. Dilma tornou-se a primeira mulher eleita para ocupar o mais alto posto da hierarquia política do país.

Foi uma vitória de Dilma. Foi uma vitória do presidente Lula, que, com a força de sua popularidade, abriu caminho para uma candidata cujo desempenho nas urnas foi, no começo, uma incógnita até mesmo para os mais fervorosos partidários. Foi uma vitória de todos os brasileiros, dos candidatos e suas campanhas, que levaram a eleição a ser disputada em dois turnos, fazendo ressurgir a oposição no cenário do país e dando legitimidade ao processo político. Foi um triunfo do ‘fator bem-estar’, a atmosfera de orgulho, alívio financeiro e esperança criada pelos acertos econômicos e sociais de FHC e Lula, e que favoreceu o voto na continuidade.

Esta edição traz também os principais trechos do primeiro discurso de Dilma Rousseff depois de eleita. O pronunciamento, feito na noite de domingo em Brasília, mostrou uma presidente eleita senhora do lugar que agora ocupa e com plena consciência das prioridades políticas, econômicas e sociais do país. Mas, principalmente, salientou sua fé no papel presidencial de zelar pela Constituição e, consequentemente, pelo respeito aos direitos ali assegurados. Dilma reafirmou o respeito irrestrito à liberdade de expressão e seu reconhecimento de que ‘as críticas do jornalismo livre ajudam o país e são essenciais aos governos democráticos, apontando erros e trazendo o necessário contraditório’ Um grande começo”.

O que escrever diante disso? De imediato, que essa Veja não é a Veja. Que essa não é a referência dos oficiais de pijama e dos velhos generais.  Ou o  estandarte da Tradição, Família e Propriedade. Ou que acorda, nessa edição, sem vergonha e pudor e moral, é verdade, mas acorda, diante do novo tempo. Ou, enfim, que está à beira do limite de sua sobrevivência como órgão independente da Petrobras, Banco do Brasil e outras estatais de petralhas, como sempre chamou os petistas. Mas ainda assim, no espaço de 48 horas, depois da última edição de sábado, quando zombou e deformou semelhanças entre o Presidente Lula e Fidel, é muito rápido dilmais.

Em “A gênese do Doutor Fausto”, ao falar dos dias da segunda guerra mundial quando escrevia o romance Doutor Fausto, Thomas Mann transcreve do seu diário: “Naqueles dias, alcançou-nos a notícia da queda de Mussolini e a nomeação de Badoglio como primeiro-ministro e chefe das forças armadas; muita gente ainda seria liquidada, embora houvesse garantias oficiais de que ‘a palavra dada será cumprida e a guerra continua’. Mal a milícia fora assimilada pelo exército, eclodiram em toda a  península manifestações de paz e alegria;  a mudança de orientação da imprensa foi veemente – ‘Estamos livres!’ saudou o Corriere della Sera”.

Quanta semelhança para essa edição extra da Veja. Um cristão diria: ó Deus, valeu a pena estar vivo para ver a que ponto chega esse tipo de gênero humano. Quem duvidar, veja, aqui http://veja.abril.com.br/revistas/edicao-extra-dilma.shtml
* Autor de “Os Corações Futuristas” e de “Soledad no Recife”, que recria os últimos dias de Soledad Barrett, mulher do Cabo Anselmo, executada por Fleury com o auxílio do traidor.
* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.
 
Vermelho.org

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

As mulheres de Dilma, a caminho do poder

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

As mulheres de Dilma, a caminho do poder

A presidente eleita Dilma Rousseff assumiu publicamente como compromisso fazer um gesto simbólico para estimular a participação das mulheres na política: promete ampliar a participação feminina na equipe de primeiro escalão do governo. Teremos mais ministras na era Dilma, mas elas sairão de onde, já que são escassos os quadros femininos nos partidos aliados? A solução pode estar em escolhas técnicas na própria administração pública.

São as seguintes as mais cotadas para integrar a equipe do novo governo:

MARTA SUPLICY – Eleita senadora, não se descarta a possibilidade de a ex-ministra do Turismo reassumir a pasta, que ganha grande visibilidade em função dos preparativos para a Copa e para a Olimpíada. Sabe-se que a ex-prefeita de São Paulo almeja maior visibilidade que a tribuna do Senado pode potencialmente lhe dar, para cacifar-se politicamente em busca de outro cargo executivo.

IDELI SALVATTI – A senadora, combativa ex-líder do PT, derrotada na disputa pelo governo de Santa Catarina, tem boa chance de ser acomodada no governo. Pode assumir na Secretaria das Mulheres.

MANUELA D’ÁVILA – A musa da Câmara, deputada reeleita com votação expressiva pelo PCdoB do Rio Grande do Sul, pode completar a cota do partido aliado no governo, no lugar do colega de legenda, Orlando Silva, do Ministério do Esporte.

CLARA ANT – Ex-coordenadora da campanha de Dilma é nome forte para o novo ministério. Responsável até antes da campanha pela agenda de Lula, tem trânsito livre e excelentes relações no Planalto e no PT. Pode trabalhar diretamente com a nova presidente, como chefe de gabinete, por exemplo.

MARIA DAS GRAÇAS FOSTER – Mantém relações de amizade e confiança com Dilma, que respeita sua competência à frente da Diretoria de Gás e Energia da Petrobrás. Pode ser nome para o ministério de Minas e Energia, pasta que Dilma pretende controlar pessoalmente.

MÍRIAN BELCHIOR – Técnica próxima a Dilma, que chegou a ser cotada para a Casa Civil, vaga que acabou com Erenice Guerra. Dilma se arrepende de tê-la preterido em favor de Erenice, que acabou virando foco da maior crise da campanha. Mírian foi secretária-executiva do PAC, programa que é marca da gestão de Dilma no ministério. Habilitou-se para função técnica de peso, no ministério ou em estatal.

FONTE: http://noticias.r7.com/blogs/christina-lemos/2010/11/03/as-mulheres-de-dilma-a-caminho-do-poder/

Até 20/11 - Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo recebe inscrições

Até 20/11 - Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo recebe inscrições

Quando o ser humano se coisifica

Por Ana Helena Tavares (*),  em 04 de Novembro de 2010
Sempre se soube que o preconceito nasce da intolerância humana. Talvez uma intolerância a si mesmo. Aquele que julga o outro inferior – por cor, origem, credo – só pode sofrer de séria crise de identidade. Quem se ama não tem porque odiar seu semelhante de forma gratuita e baixa.
Já está provado pela ciência – queiram os puristas ou não – que todos nós – paulistas e nordestinos, ricos e pobres, brancos e negros, judeus e palestinos – fazemos parte de uma só raça, maravilhosamente diversificada: a raça humana.
No entanto, na contramão da diversidade humana, muitos cientistas prometem, daqui a algum tempo, oferecer a possibilidade de que se determine, ainda na barriga da mãe, as características de um ser humano, podendo-se, assim, “montar” um filho idealizado segundo a visão de seus pais. Isto pode trazer sérias conseqüências. 
Fazer com que o ser humano já nasça perfeito seria criar super-homens para matá-los pela própria perfeição. Ser perfeito é sinônimo de não ter desafios a superar. Não ter desafios a superar é sinônimo de morrer em vida. 
Sendo assim, quem vai querer ter em casa grandes gênios e beldades? Só mesmo os insensatos... Que passarão a discriminar o restante. 
Ops... Passarão? Estaríamos, com isso, entrando num nazismo disfarçado ou já viveríamos nele?
Recentemente, no dia seguinte à eleição de Dilma Rousseff, a primeira mulher presidente do Brasil, uma onda de ódio xenófobo invadiu o badalado Twitter, provando que parte inominável do ser humano não se guia pela ciência, mas, sim, por seus mais sórdidos instintos. Não digo instintos animalescos, porque o reino animal é formado por seres bem mais dignos de admiração do que os neonazistas de plantão. 
Se pudessem, promoveriam um verdadeiro darwinismo social – em que o voto dos paulistas de olhos claros teria peso dois em detrimento dos de “cabeça chata”.
Esquecem, por cegueira de alma, que foram e são os de “cabeça chata”, os negros e as mulheres – ah, as mulheres – que construíram e constroem este país com sangue e suor. 
Ignoram, por opção mesquinha, que, um dia, poderão estar sós e, se apenas a mão calejada de um nordestino lhes oferecer abrigo, terão que implorar que nem o gafanhoto à formiga: “Deixe-me entrar?”.  
Desconhecem, por desconhecimento mesmo, que não estariam teclando tanta asneira em seus computadores se um filho de carpinteiro (Thomas Edison) não tivesse inventado a luz elétrica.
Querer que o outro seja, pense e aja de acordo com interesses pessoais é querer brincar de Deus. É, enfim, coisificar-se, negando sua própria essência. *Ana Helena Tavares é jornalista por paixão, escritora e poeta eternamente aprendiz. Editora-chefe do blog "Quem tem medo do Lula?".

Comunicado

Deus da Silva está temporariamente sem acesso a net. Portanto, aos meus milhões de fãs, aguardem c calma, Deus n morre, ele sempre revive e volta cada vez + forte!

ONDE ENTRA O BRASIL NESSA HISTÓRIA TODA?

ONDE ENTRA O BRASL NESSA HISTÓRIA TODA?

Laerte Braga

Se deixar por conta do governo sionista de Israel a Bíblia vai ter que vendida em saco plástico opaco e para maiores de dezoito anos. É que o rabino Ari Shvat, especialista da HALACHA, a lei judaica estrita, encontrou razões no Velho Testamento para justificar que espiãs do MOSSAD (serviço secreto de Israel) seduzam inimigos em busca de informações vitais à segurança nacional.

A notícia foi publicada pelo jornal YEDIOT AHARONOT, na edição de segunda-feira. O “estudo” do rabino intitula-se “SEXO EXPLÍCITO PARA A SEGURANÇA NACIONAL”, com a recomendação que sejam usadas “mulheres licenciosas” para esse tipo de missão.

Na hipótese das agentes serem casadas o rabino recomenda que seus maridos se divorciem antes de cada missão e tornem a se casar depois de completada a dita missão.

A julgar pelo estudo do rabino como se trata do povo eleito, Deus não se sentirá ofendido com esse tipo de comportamento. O estudo foi publicado originalmente na revista TEHUMIN do INSTITUTO TZOMET DE GOUSH ETZION, situado numa colônia situada em região palestina ocupada na Cisjordânia.

O sionismo e toda a farsa democrática israelense até prova em contrário só conhece, em se tratando de Bíblia, aquela parte do pessoal negociando no templo. Não sei se o estudo desce a detalhes sobre o uso da sedução em nome da segurança nacional, explicitando o que se pode ou não fazer em nome do Estado de Israel.

Sakineh Astiani pode ser executada a qualquer momento por decisão do judiciário iraniano. É acusada de crime de “adultério” e homicídio. Por interferência do governo brasileiro e organizações internacionais de direitos humanos não foi apedrejada como determina a lei islâmica em relação a mulheres “adúlteras”. A sua transferência para uma prisão específica para condenados a morte sugere que a execução esteja próxima.

Adultério ser crime já é, em si, uma barbaridade. E o era no Brasil até bem pouco tempo. Pena de morte é outra.

Em prisões norte-americanas perto de mil e duzentos presos aguardam a execução. São condenados a morte. Uma das últimas execuções foi a de uma mulher considerada incapaz mentalmente pelos médicos. O crime a ela imputado foi o de planejar o assassinato do marido e contratar os executores. Para os médicos que a examinaram ela não teria condições mentais para elaborar um crime como o que lhe foi imputado.

Seu último pedido como condenada foi um prato de frango frito com fritas e outros “adereços”, além de um refrigerante. Morreu na modalidade “injeção letal”.

Documentos secretos do governo dos EUA revelados pelo site WIKILEAKS afirmam que soldados norte-americanos mataram iraquianos por “esporte”, torturavam e estupravam presos no Iraque e continuam a praticar toda essa sorte de boçalidade no Afeganistão.

Um dos lemas, digamos assim, mais conhecidos nos EUA é IN GOOD WE TRUST. E coronel Dave Lapan, do Departamento de Defesa admite que o site dispõe de muitos outros documentos secretos.

A atitude concreta do governo dos EUA foi fazer um apelo ao diretor do site para que não divulgue mais documentos e em seguida outro apelo à mídia para que não publique esses documentos, pois colocam em risco “soldados norte-americanos em operações pela paz”.

No Brasil, por exemplo, a GLOBO atende de imediato esse tipo de apelo. Dá uma notícia chinfrim para não dizer que não falou e depois some com o resto.

O jornal THE WASHINGTON POST – para quem não se lembra, que abrigou toda a apuração do escândalo de WATERGATE que resultou na renúncia de NIXON, noticiou que diante do fracasso do governo Obama para tirar o país da grave crise que gera desemprego e coloca milhões de norte-americanos na linha da pobreza, morando em tendas, trailers, etc, ou na rua mesmo, a guerra com o Irã seria uma saída.

A notícia foi reproduzida no Brasil pelo jornal ESTADO DE SÃO PAULO.

Mais ou menos assim, “se a mão invisível do mercado é insuficiente para tirar americanos da crise, talvez tenha chegado a hora dos EUA usarem seu punho contra o Irã e sair do buraco”. Sugestão de David Broder que explica que desde 1929 “guerras são para crises nos EUA”.

“Se as tensões crescerem, a economia melhorará”

A derrota de Barack Obama, que se imagina presidente daquele país – hoje é uma corporação, um conglomerado, EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A - é apenas a retomada das políticas terroristas de Bush, anunciadas com antecedência de dois anos (as eleições presidenciais serão em 2012).

Por aqui a GLOBO separa o Brasil num mapa em que os estados onde a candidata Dilma Roussef venceu aparecem em vermelho e aqueles em que o candidato José Serra venceu em azul. Ou seja, a sugestão de um Brasil limpo como o céu, o de Serra e tinto de sangue, o de Dilma.

Uma espécie de vários brasis e um preconceito que ressurge contra os nordestinos e os do norte. A idéia exposta por uma jovem num site em São Paulo é que nordestinos são um peso para os que de fato “trabalham”.

A besteira dita pela moça, que vai enfrentar processo movido pela OAB, me trouxe à lembrança uma frase do marechal Teixeira Lott. “Acabem com os sargentos e acaba o Exército nacional”.

Milhões de migrantes nordestinos sustentam a riqueza FIESP/DASLU.

E dificilmente haverá povo mais fraterno e solidário que os nordestinos. “Antes de tudo um forte”, nas palavras de Euclides da Cunha, que antes de escrever OS SERTÕES, registre-se, era engenheiro e militar.

O Brasil de Dilma vai ter que mostrar uma face única. Latino-americana. Buscar internamente as mudanças necessárias a que o Brasil dê saltos como nos últimos oito anos, mas dentro de parâmetros que joguem no lixo as elites privilegiadas que ainda se imaginam senhoras de escravos.

Esgotou-se a política de “consertacion” como gostam de dizer os argentinos. Não há acordos possíveis para postergar transformações indispensáveis. A reforma agrária por exemplo. A reforma política.

E isso não se dará sem ampla participação dos movimentos populares, sindical e canais de formação e conscientização. De discussão aberta e sem medo sobre a mídia privada e seus interesses, os interesses que representa.

A frase de David Broder “se as tensões crescerem, a economia melhorará”, vale para as elites brasileiras. Latifúndio principalmente. Num momento em que sofrem uma derrota histórica com a vitória de Dilma dois fatores despontam. A afirmação de um caminho e os avanços consequentes, o desafio imposto a Dilma para liquidar esse caráter preconceituoso daqueles que se escondem no tal do patriotismo como refúgio para a canalhice.

E Dilma, mesmo sendo consequência de Lula, não é Lula. É outra parte da História que começa.

É um ponto capital que precisa ser entendido de imediato.

E é aí que o Brasil entra nessa história toda de agentes prostitutas do MOSSAD (com perdão das prostitutas), crime de “adultério”, pena de morte, nem falei das barbaridades cometidas pelo exército da Colômbia contra crianças, Afeganistão, Iraque, Ira, etc e tal.

O nome é um só. A barbárie aí é o capitalismo. O tal deus mercado, o que disfarça o trabalho do rabino.