Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 5 de junho de 2010

Pensamentando

Crónicas del centro que resplandece (Fragmentos)

Rafael Cuevas Molina (Desde Costa Rica, especial para ARGENPRESS CULTURAL)

IX

Humilde profesor
que no pisó jamás los corredores
de Oxford ni de Cambridge
ni de Bristol
aterrizado de pronto
en el ombligo del mundo
en el lugar de las certezas
entre la fuente de Cibeles
y la Puerta de Alcalá.

El profesor recorre a pie las avenidas
mientras piensa
en el oscuro lugar donde trabaja
en sus hijas que crecen a lo lejos
y descubre que puede ser detenido
interrogado
no sea otro sudaca
rebuscador de vida
cantador de boleros en el metro
vendedor de baratijas en la acera
atracador de buenos ciudadanos.

Imposible o
por lo menos
raro
resulta que el susodicho
frecuenta bibliotecas
más raro aún
hemerotecas
(porta carné que lo atestigua)
a pesar de ser tan marginal
como se nota
en el perfil
en el color
en la luz derrumbada de su ropa.

XI

Y la piragua
que nos llevaba a cuestas
y pasaba por los estrechos canales
de los manglares
mimetizada
hendiendo el agua
hasta dejarnos en la lengua de arena
donde batía la mar día y noche
con las palmeras
el sol y los murciélagos
ahora resulta que está aquí
como orgullosa pieza principal
rodeada de varios tocados mindanaos
de casas mahoríes
de la momia guanche
del esqueleto del gigante extremeño
fusiles beréberes labrados
y cascos de vándalos bizantinos
en el lugar de honor
de este museo español
donde somos expuestos
los pueblos periféricos
del desierto y de la selva.

Está
pues
ahí
la piragua
y solo falta
un cartelito que diga
barcaza utilizada por nativos centroamericanos
para cruzar el río María Linda
en busca de solaz y esparcimiento.

XII.

Decido
la cremación de mi cuerpo
cuando llegue el día.

No seré echado de mi tumba
doscientos años después
no seré examinado por antropólogos forenses
paleohistoridores
etnolingüistas
sobre una plancha de acero.

No me hurgarán las entrañas
Para encontrar
restos de pepsicola
ron
un poco de atún
tal vez cereal del último desayuno.

No dejaré que me pongan en vitrina
con cartelito
letra grande
comprensible para escolares
del año 2345.

No expondrán mis intimidades a los turistas
como lo hacen con esta momia peruana
de la sala número ocho del Museo de América
en Madrid
Reino de España.

XIV.

Mi amigo triunfa en Europa dicen
imaginan grandes avenidas
luces
Pierre Cardin
Givenchy
Coco Chanel
los anuncios filmados en Mariahilferstrasse
calle principal de la imperial ciudad de Viena
grandes salas de concierto
La Scala
el Gran Teatro de la Opera
colas de gente
traje largo
pendientes y collares refulgentes en la noche
a la luz de las farolas principescas.

Él
con su flauta traversa
a duras penas paga
habitación
luz
agua
gas
calefacción
ruega en cafetines
bares
restaurantes
ser quien amenice la cena
de comensales clase media
sin pendientes ni collares refulgentes
y a veces logra comer
a las tres de la mañana.
Se regocija entonces
de estar triunfando en Europa.

XV.

En Burdeos
mis ojos achinados de párpado caído
detectaron los gatos más obesos
que ojos humanos jamás vieron.

Aletargados
lentos
ahítos
tirados al sol
maúllan consentidos
no suben a las tapias
pequeños elefantes
minúsculas vacas preñadas
símbolos vivientes de la hartura
de la diferencia y la distancia
con nosotros.

Mi pequeña gata
amarilla
rescatada enclenque del basural
nunca bien desarrollada
espalda curva
excesivamente cariñosa
agradecida
nariz húmeda
patas sucias
sería aquí discriminada
marginada
por la pelambre hirsuta
por el costillar exhibido desvergonzadamente
maullido distinto
ininteligible en el Primer Mundo.

Ella se quedaría
sin embargo
a pesar de los pesares.

XVI.

Entre un millón de gentes
en el sector cuatro
el de los enfermos
un niño pide por su hermano:
que pueda hablar suplica
que camine
y casi ni se mueve
con luz en los ojos y espera
tal vez el Papa interceda
la Virgen le oye más a él
dice
con ojos expectantes.

Su cabeza espinada
refulge al sol de mayo.

El Primado habla mientras tanto
balbuceante
de la evangelización de América
agradece a España
la expansión de la fe y la cultura
a la sombra de Colón
que señala hacia adelante
y el niño ve al hermano
esperando una palabra
que diga
por ejemplo
hermano puedo verte
y le abrace.

Tanta palabra al aire
tanto aparataje
para engañar a un niño.

XVII.

Y
reflejada sobre los vidrios nítidos
de la urna
en la exposición Bizancio en España
mi cara de olmeca
o preolmeca.

XVIII.

Por ejemplo no como en Sudáfrica
por el SIDA
o los subsaharianos
atravesando congelados
el estrecho de Gibraltar en balsa.
No como nicaragüenses hambrientos
sino por aburridos
los jóvenes franceses
se suicidan
o mueren despanzurrados
en autos veloces como cometas luminosos.

Bajo el sol de primavera pienso
junto a monumental fuente conmemorativa
crepas en el plato
viento acariciante
cuántos se estarán colgando ahora
cuántos cortándose las venas
ingiriendo veneno.
Podrían sentarse en esta silla
desabotonarse el abrigo
respirar hondo y congraciarse
de estar vivos.

XXV.

Han llegado los bárbaros
dicen
y hacen muecas de desprecio.
Asustados
restringen horarios de salida
recelosos
doblan con miedo las esquinas.

Los bárbaros
mientras tanto
matan tardes de domingo
en una banca
o recuperan sueño
en habitación barata.
Después
el lunes
se levantan
y como bárbaros
llegados desde lejos
sin escrúpulos
acometen un trabajo
mal remunerado.

XXIX.

Parque grande
arbolado
estanque sucio en el centro
globos
palomitas de maíz y tenderetes
adivinadores del futuro
dibujantes
músicos
parejas enamoradas
pájaros.

Jacinto López Rodríguez
ecuatoriano
sufre calor intenso disfrazado de ratón
pato
oso anaranjado
los sábados por la tarde y los domingos.

Niños y niñas llegan
lo abrazan
dicen breves palabras
y se despiden en silencio con la mano levantada.

Única forma
pienso
de que abracen al inmigrante.

XXXII.

No es porque sagaces
lúcidos
informados
eruditos
o inteligentes.

Ni por sofisticados
finos
educados
cultos
o elegantes.

Tampoco por esbeltos
altos
rubios
o bien formados.

Es porque ricos
y nosotros
pobres.

XXXIII.

Hablan la lengua de los jefes.
La mía
lejos de las luces
de las grandes capitales
no llega a murmullo.

Nunca escucharán
el susurro
de este poema.

Haga click aquí para recibir gratis Argenpress en su correo electrónico.
Publicado por ARGENPRESS en 14:23
Etiquetas: Poesía, Rafael Cuevas Molina

Índios II

O Corvo

Athapascan
Entre um número de tribos Athapascan falando da costa noroeste do Alasca, o Corvo não é apenas um poderoso criador sobrenatural, mas também um trapaceiro.
********
Era uma vez um velho casal que desejava ver sua única filha casada com um homem rico. Quando alguém chegou a seu acampamento, o velho mandou seu filho para baixo para o desembarque para contar as contas de osso no estranho vestuário, para que ele pudesse ser recebido de acordo com sua classificação.
Um dia, o menino veio correndo dizer que um homem tinha chegado e que iria fazer um bom irmão-em-lei, pois ele tinha um grande número de grânulos finos.
A mãe foi até a beira do rio e viu um estranho ricamente vestidos que ela também pensou que iria fazer um marido adequado. Ela percebeu que a terra estava molhada e enlameada, então ela pegou algumas cascas e rasgou-as em tiras para o estrangeiro para andar em cima.
Ela o convidou a entrar no seu tipi e ele sentou ao lado da menina.
O visitante apontou para um cachorro que foi amarrado no canto da tenda e disse:
"Eu não posso comer enquanto o animal está aqui."
Pensar que apenas um personagem muito grande seria tão especial, a mulher levou o cão para a floresta e matou-o.
Na manhã seguinte, ela foi para a floresta, e percebeu que a terra ao redor do corpo do cão, foi marcado com faixas de aves e que os seus olhos tinham sido arrancados.
Ela voltou para o acampamento e insistiu para que todas as pessoas tirassem seus mocassins e mostrassem seus pés, porque tinha ouvido dizer que o Corvo poderia enganar as pessoas, aparecendo em forma humana.
O estranho, que era de fato o Corvo, tirou seus mocassins e colocou-o novamente tão rápido que seus pés de pássaro não foram notados.
A garota havia concordado em se casar com o Corvo, e exigiu que ela fosse com ele de uma vez, antes que ele pudesse ser encontrado. Prometendo que voltaria em poucos dias, ele levou sua noiva para baixo de sua canoa.
Assim que o casal partiu para baixo do rio, começou a chover. O Corvo estava sentado na frente da mulher, quando ela percebeu que a chuva estava lavando algo branco das suas costas. Isso comprovou a sua suspeita, e ela resolveu fugir.
Rapidamente, ela conseguiu amarrar a ponta do casaco do Corvo em uma barra da canoa. Então ela pediu para ir em terra por um minuto, dizendo que ela viria de volta. O marido disse-lhe para não ir longe, mas ela começou a correr para casa fora de vista, por entre as árvores.
Depois de um tempo o Corvo decidiu segui-la. Ele descobriu que sua cauda foi amarrada, e para se livrar ele teve que retomar a sua verdadeira forma. Como ele voou sobre a garota, ele gritou:
"Uma vez mais irei enganar você", em seguida, grasnou e voou para longe.
A menina chegou em casa em segurança e disse à mãe que seu marido rico era o Corvo, que tinha vindo a eles coberto com cal, que a chuva tinha derretido.
O Corvo sempre enganando o povo,finalmente teve seu bico arrancado.
Depois de algum tempo ele subiu o rio e fez uma jangada, que ele carregou com musgo. Flutuando para baixo pelos campos, ele disse ao povo que sua cabeça foi ferida quando seu bico tinha sido arrancado, e que ele estava deitado no musgo para resfriá-lo.
Então ele voltou á subir o rio e fez várias jangadas iguais.
Quando o povo viu estes flutuando para baixo na direção deles, eles pensaram que um grande grupo de guerreiros estava vindo para ajudar a recuperar o bico do Corvo. Eles reuniram um conselho e decidiram enviar um jovem para devolver o bico de uma velha senhora que morava sozinha em uma certa distância do acampamento.
O Corvo, que se escondeu no meio deles e ouviu os planos do conselho, esperou até que a menina voltar.
Ele foi até a velha e disse-lhe que a menina queria que ela devolvesse o bico para ele.
Sem suspeitar nada, a velha deu-lhe o bico. Ele colocou-o e voou para longe, grasnando com prazer em seu sucesso.
Os guerreiros pegaram as jangadas e comprovaram não ser nada, mas os tufos de Crista e musgo do pântano que são comumente conhecidas como " tetes de femmes ".
Recontada de uma história no Journal of American Folk-Lore, 1900.
Traduzido e adaptado por Artes Xamânicas.
http://artesxamanic as.blogspot. com/2006/ 11/o-corvo. html
"A humildade é a virtude, provavelmente, mais difícil de perceber."

Duas definições de humildade são: um, estando ciente de seus defeitos de caráter, e dois, dar crédito onde crédito é devido. Isto significa que se você fizer alguma coisa e ser bem sucedido é porque Deus lhe deu talentos certos, dar crédito a Deus, quando alguém lhe diz o quão bem você fez, isso é ser humilde. Se você for bem sucedido em alguma coisa, mas teve a ajuda de amigos, cônjuges, vizinhos, deve dar crédito à aqueles que ajudaram você, é ser humilde. Se você tiver feito uma tarefa e só você conseguiu isso, de crédito a si mesmo, isto é ser humilde. Diga a verdade e dê crédito onde crédito é devido.

Avô, deixe-me andar um caminho verdadeiro hoje.

Artes Xamânicas
http://artesxamanic as.blogspot. com
Email - nativepipee@ gmail.com


________________________________________
(Literatura Indígena)

Índios

Não existe poder maior que as leis naturais. Esses poderes foram criadas pelo Grande Espírito de tal modo que o ser humano não tem acesso a ele, exceto pela obediência. Se optar por não seguir as leis naturais, nossa vida será repleta de confusões, tensão, ansiedade e estresse. Que possamos pensar sobre isso hoje e nos perguntar: "Será que estamos mantendo e agindo com Mãe Terra em um bom caminho?"

Grande Espírito, ensina-me as leis naturais que regem a Terra.


"Uma das coisas que as pessoas de idade me ensinaram sobre os espíritos foi nunca ter uma dúvida."

O mundo espiritual é muitas vezes difícil de acreditar, porque não podemos vê-lo. Nossas mentes convencer-nos a procurar provas para tudo. Precisamos acreditar que o mundo invisível existe e o mundo invisível é guiado por princípios, leis e valores. Se tivermos dúvidas, podemos rezar ao Grande Espírito para remover a dúvida. Ele entende o quão difícil pode ser às vezes, Ele está sempre pronto para nos ajudar durante nossos tempos duvidosos. Temos a sorte de ter essa compreensão e um Pai útil.

Grande Espírito, hoje tira-me as dúvidas.

A Roda da Medicina ensina sobre a mudança. Ela diz que tudo que é criado vai acabar,e será usado para criar novos. Em outras palavras, tudo na Terra está participando de uma mudança constante que está sendo dirigida por uma ordem de princípios e leis que foram originados pelo Grande Espírito. Nós, seres humanos, somos dotados de capacidade de mudança natural. Temos a capacidade de visão, podemos usar a imaginação e as imagens, podemos mudar de crença, atitude, hábitos e expectativas. Precisamos conhecer e precisamos saber como vamos trabalhar nós mesmos para permitir-nos a mudar naturalmente.

Grande Espírito, ensina-me a mudar em harmonia.

Artes Xamânicas
http://artesxamanic as.blogspot. com
Email - nativepipee@ gmail.com

Religião

Evangelho deve desconstruir modelo imperialista, sustenta teólogo


O Império molda o cristianismo desde os tempos do apóstolo Paulo. Identificar os sistemas imperiais na forma de pensar, sentir e viver o Evangelho é tarefa da teologia e exige um árduo trabalho de “desconstrução”, disse o teólogo metodista alemão Joerg Rieger.
A notícia é da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 04-06-2010.
O professor da Southern Methodist University, de Dallas, Estados Unidos, participou, na quarta-feira, 19, da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, organizada pela Faculdade de Teologia (FaTeo) da Universidade Metodista de São Paulo. Ele é autor do livro “Cristo e Império: de Paulo aos tempos pós-coloniais”.
Quem vive em terras latino-americanas, que sempre foram cenário da exploração de potências econômicas, consegue identificar com mais clareza a ação – e os danos – do imperialismo.
Acontece, porém, que nem sempre o imperialismo é perceptível, pois pode se apresentar de maneira pacífica e benevolente. “Este é um problema que temos hoje nos Estados Unidos. Durante o governo Bush, o Império estava claro. Hoje, há quem possa pensar que o Império acabou simplesmente porque mudou o governo”, afirmou.
Segundo relato da repórter Suzel Tunes, da FaTeo, Rieger distingue o poder “duro”, como foi o caso do exercido pelo Império Romano, do poder “brando”.
Como poder brando o teólogo metodista alemão mencionou a atuação do padre Bartolomeu de Las Casas (1474-1566) por seu posicionamento contra a escravidão indígena, mas que se tornou modelo para uma forma de colonialismo pela educação.
O pensamento imperialista molda sociedades, culturas e também moldou o cristianismo, apontou Rieger. Até mesmo teólogos de vanguarda, como o alemão Friedrich Schleiemacher (1768-1834), fundador do “liberalismo teológico”, não escapou dessa forja.
Ele teria, de acordo com o professor da Southern Methodist, o que os historiadores chamam de “fantasia colonial”. Schleiermacher achava que o cristianismo seria portador de um natural poder de atração sobre outras tradições religiosas.
Schleiermacher acreditava que todas as religiões têm experiência de Deus. Sua teologia seria, portanto, inclusiva. “Mas pense em como ele inclui as outras religiões. Quando ele diz que outras religiões têm consciência de Deus, ele estabelece uma hierarquia: as monoteístas teriam mais consciência do que as politeístas; os cristãos teriam mais consciência do que os judeus e os judeus, por sua vez, mais consciência do que os muçulmanos.”
Rieger detecta, nessa concepção, um “senso de superioridade eurocêntrica”, a serviço, portanto, do colonialismo europeu.
Para Riger, o Credo de Nicéia, resultado do Concílio de Nicéia (325 d.C.), confissão de fé aceita por católicos e protestantes, é paradigmático do Império. O Credo diz:
- Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, gerado do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, Luz da luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, da mesma substância do Pai.
Afirmar que Jesus tem “a mesma substância do Pai”, alegou o teólogo alemão, é o mesmo que lhe conferir características tradicionalmente identificadas com a Primeira Pessoa da Trindade: Jesus se torna onipotente, imutável, impassível.
“É como se o menino pobre, o Jesus carpinteiro, fosse colocado num pedestal e transformado repentinamente num imperador”, afirmou Rieger. Ele propôs uma leitura alternativa do Credo: olhar o Deus Todo Poderoso à luz do camponês assalariado, sempre ao lado do povo, enxergando a Primeira Pessoa da Trindade a partir da Segunda!
(Inst. Humanitas Usininos)

NovaE - Racistas controlam a revista Veja

NovaE - Racistas controlam a revista Veja

O ATAQUE DO ESTADO TERRORISTA DE ISRAEL!!!

A NOVA HIPOCRISIA CONTRA ISRAEL Recife (PE) - O primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu, que fugiu de um hospício e ninguém viu, encheu o peito há pouco e mandou bala, agora em palavras: a frota de ajuda humanitária que seguia para Gaza fazia parte de "uma operação terrorista". Isso mesmo, terrorista, com as perigosas e avançadas armas de remédios e alimentos. Mas antes que o mundo perguntasse, terroristas, quem, cara-pálida?, ele foi mais longe, impune e convicto de sua impunidade, ao descobrir que "Israel está sendo vitima de um ataque de hipocrisia internacional". O primeiro impulso de toda a gente, que se opõe ao tratamento de cães raivosos a um povo cercado, é achar que o Estado de Israel, além de assassinar civis, quer também assassinar o sentido original das palavras. Esse impulso chega a ser fortalecido pelas análises mais cínicas e brutais, como a do analista internacional da BBC News, que pergunta sobre o assalto, execuções e seqüestro de pacifistas: “então, o que deu errado?”. Uma pergunta que pressupõe a legitimidade do abuso de força de Israel, a naturalidade do isolamento de populações civis em Gaza, e o indisfarçável desconforto de que no mundo ainda existam palestinos. “Afinal, onde erramos?”. Quando refletimos melhor, no entanto, notamos que pode haver um sentido, digamos, legítimo na declaração do primeiro-ministro, que vê o seu Estado vítima de uma hipocrisia internacional. Benjamin Netanyahu pode apenas querer dizer, se nós sempre matamos civis, por que esse clamor agora? Soldados de Israel já passaram com tanque sobre uma pacifista desarmada, já fuzilaram Somaeah Hassan, de 6 anos, a Rosa da Palestina, na faixa de Gaza, já atacaram famílias com bombas proibidas em tratados internacionais, e agora, vaidade das vaidades, hipocrisia das hipocrisias, por que o furor de tamanha virtude e indignação? Se for reparar direito, a chamada “opinião internacional” nunca se ergueu contra o escândalo de que na Faixa de Gaza não entrem armas que todo o mundo conhece como lâmpadas, velas, fósforos, livros, instrumentos musicais, giz de cera, roupas, sapatos, colchões, lençóis, cobertores, massa para cozinhar, chá, café, chocolate, nozes, xampu e condicionador. Os civilizados governantes europeus tratam isso, há muito, como uma lista de produtos em falta em supermercados. Algo como uma pequena crise de abastecimento. Nas tevês brasileiras, os “correspondentes internacionais”(bela gente, que belo caráter), quando ouvem o outro lado dos conflitos, entrevistam um muçulmano ladino, como novos escravos aculturados, de cidadania israelense. Então, por que essa grita? Nada mais natural, contra esses hipócritas, que a magnífica Hillary Clinton defenda uma investigação internacional dos últimos crimes, mas (esse “mas” é tudo) sob a liderança de Israel. Claro, uma investigação conduzida de forma imparcial e transparente, sob comando israelense. Mais imparcial e transparente impossível. Viva. Como uma antecipação aos desejos de madame Clinton, os militares israelenses viram alguns erros na operação pirata. A saber, de inteligência, equipamentos e táticas erradas. E para piorar, houve pacifistas que não se jogaram ao chão diante do céu iluminado com os soldados israelenses que desciam. À tábua dos mandamentos de Israel se negaram. Ô raça... Nos jornais de hoje, o escritor Amós Oz, com o seu costumeiro ar de homem ponderado e sábio, reconhece que existem os palestinos, admite que esses inacreditáveis humanos devem ser melhor tratados, porque afinal o governo de Israel não pode desconhecer que “o problema é que não estamos sós nesta terra, e os palestinos não estão sós nesta terra”. O que é uma pena, para o Estado de Israel, para a sua segurança e fascismo. O problema é a solução: os palestinos têm hoje a opinião pública de todo o mundo a seu lado.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Drummond

Elegia carioca

Nesta cidade vivo há 40 anos
há 40 anos vivo esta cidade
a cidade me vive há 40 anos.

Sou testemunha
cúmplice
objeto
triturado confuso agradecido nostálgico
Onde está, que fugiu, minha Avenida Rio Branco
espacial verdolenga baunilhada
eterna como éramos eternos
entre duas guerras próximas?
O Café Belas-Artes onde está?
E as francesas do bar do Palace Hotel
e os olhos do vermute que se despiam
no crepúsculo ouro-lilás de 34?

Estou rico de passarelas e vivências
túneis nos morros e cá dentro multiplicam-se
rumo a barras-além-da tijuca imperscrutáveis
Sou todo uma engenharia em movimento
já não tenho pernas: motor
ligado pifado recalcitrante
projeto
algarismo sigla perfuração
na cidade código

Onde estão Rodrigo, Aníbal e Manuel
Otávio, Eneida, Candinho, em que Galeão
Gastão espera o jato da Amazônia?
Marco encontros que não se realizam
na abolida José Olympio de Ouvidor
Ficou, é certo, a espelharia da Colombo
mas tenho que tomar café em pé
e só Ary preserva os ritos
da descuidada prosa companheira
Padeiros entregam a domicílio
o pão quentinho da alegria
o bonde leva amizades motorneiras
as casas de morar deixam-se morar
sem ambição de um dia se tornarem
tours d'ivoire entre barracos sórdidos
o rádio espalha no ar Carmem Miranda
a Câmara discursa
os maiôs revelam 50%
mas prometem bonificações sucesivas
O Brasil será redimido pelo socialismo utópico
Getúlio sorri, baforando o charutão
Rio diverso múltiplo
desordenado sob tantos planos
ordenadores desfigurados geniais
ferido nas encostas
poluído nas fontes e nas ondas
Rio onde viver é uma promissória sempre renovada
e o sol da praia paga nossas dívidas
da classe média
enquanto multidões penduradas nos trens elétricos
desfilam interminavelmente
na indistinção entre vida e morte
futebol e carnaval e vão caindo
pelo leito da estrada os morituros

Ser um contigo, ó cidade
é prêmio ou pena? Já nem sei
se te pranteio ou te agradeço
por este jantar de luz que me ofereces
e a ácida sobremesa de problemas
que comigo repartes
no incessante fazer-te, desfazer-se
que um Rio novo molda a cada instante
e a cada instante mata
um Rio amantiamado há 40 anos.

Carlos Drummond de Andrade
(1902-1987)
(Poemblog)

Crianças

Violência contra a criança: uma ferida aberta. Entrevista especial com Ana Maria Drumond


Toda semana, pelo menos uma das notícias de repercussão nacional trata de violência contra a criança. O assunto não se tornou apenas corriqueiro, mas alarmante. Cada vez mais, o Ligue 100 recebe denúncias de abusos contra crianças e adolescentes. E essa violência acontece, principalmente, dentro da própria casa. “Uma criança que está em uma situação de risco ou de violência, que faz parte da comunidade ou está vinculada a uma escola, está dentro de uma rede que poderia protegê-la, e não a protege”, diz a diretora-executiva da Childhood Brasil, Ana Maria Drumond. Em entrevista à IHU On-Line, concedida por telefone, ela fala dos principais problemas que envolvem a criança em situação de violência e abuso, e aponta onde acontece a maioria das ocorrências. “O senso comum diz que as crianças que mais sofrem abuso sexual são de classes menos favorecidas, mas isso não é verdade. O que acontece é que a denúncia é feita com maior frequência pelas camadas menos favorecidas, mas tem muita criança sendo abusada por famílias com alto poder aquisitivo”, revela.

Ana Maria defende que o diálogo ainda é uma das maneiras mais fortes de fazer com que se enfrente o problema. Segundo ela, as crianças pequenas também podem ser orientadas. “Não devemos entrar em uma paranoia, mas se não falarmos sobre sexualidade, a partir de uma determinada faixa etária, como essas crianças vão poder lidar bem com sua própria sexualidade e ter consciência de que podem dizer não?”, disse. O caso da adolescente paranaense que foi estuprada por ter aderido à brincadeira das “pulseiras do sexo” [1] evidencia essa afirmação. “Por mais que ela estivesse com a pulseira, ela se sentiu intimidada e com medo de ser criticada depois. Que autoestima é essa? Que consciência é essa em relação aos seus próprios limites?”, destacou.

Ana Maria Drumond é mestre em administração de empresas pela Universidade Luigi Bocconi (Itália) e diretora da Childhood Brasil, uma Ong fundada em 1999 e tem sede em São Paulo que faz parte da World Childhood Foundation, criada pela Rainha Silvia da Suécia.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Depois que a menina Araceli [2] foi drogada e estuprada em 1973, muitos casos como esse ainda acontecem. A impunidade é o maior problema?

Ana Drumond – Hoje vemos como um grande problema o fato de as pessoas serem indiferentes quando esse tipo de coisa não acontece com uma pessoa próxima. Uma criança que está em uma situação de risco ou de violência, que faz parte da comunidade ou está vinculada a uma escola, está dentro de uma rede que poderia protegê-la, e não a protege. A maioria das crianças que é vítima de violência não é tratada como criança dentro de um processo judicial. São várias frentes que precisam ser realizadas como conscientizar a população como um todo e melhorar o sistema para dar conta dessa criança ter coragem de ir até o fim. Além disso, estamos trabalhando para que quando a criança esteja no processo judicial por ser vítima de violência, ela tenha direito a um depoimento especial e que seja humanizado.

IHU On-Line – Ainda falta muito para chegarmos num ideal?

Ana Drumond – O Brasil tem diversas realidades. Em determinados lugares, o fluxo de atendimento dessa criança funciona. Quando é verificado um caso de violência, a criança é prioridade, seja no serviço de saúde, no conselho tutelar ou no atendimento psicológico social. Existem redes muito bem montadas, não significa que o país inteiro não acolheu esta questão. Há dez anos, o cenário era bem diferente. Hoje existem planos municipais e estaduais de enfrentamento à violência sexual. Porém, isso é insuficiente, precisamos ainda tirar o Estatuto da Criança e do Adolescente do papel. Esta causa permeia todos os serviços de atendimento à criança.

IHU On-Line – Onde e como essa violência ocorre com maior incidência? São nos estados mais pobres ou nos mais ricos, nas capitais ou no interior?

Ana Drumond – Olhamos a questão do abuso de uma forma diferente da exploração sexual. O abuso não tem classe social e lugar para acontecer com frequência. O senso comum diz que as crianças que mais
"O senso comum diz que as crianças que mais sofrem abuso sexual são de classes menos favorecidas, mas isso não é verdade"
sofrem abuso sexual são de classes menos favorecidas, mas isso não é verdade. O que acontece é que a denúncia é feita com maior frequência pelas camadas menos favorecidas, mas tem muita criança sendo abusada por famílias com alto poder aquisitivo. Não dá para dizer que isso acontece em um determinado lugar ou outro. Se observarmos o disque denúncia nacional, o Ligue 100, mais de 80% das denúncias de abuso sexual acontece dentro de casa, por pessoas conhecidas da criança. Não é um fenômeno que ocorre dentro da escola ou em outros espaços, pessoas muito próximas à criança são as que iniciam uma violência psicológica e que depois evolui para uma violência sexual.

IHU On-Line – É possível fazer um mapeamento das denúncias que chegam através do Ligue 100?

Ana Drumond – Sim. Esse mapeamento diz que os números estão crescendo, pois o serviço está sendo mais conhecido pela população. O Ligue 100 é só a ponta do “iceberg”. Alguns estados possuem um número maior de denúncias, mas não podemos assumir que são estados-problemas, pois lá o telefone pode ter sido mais divulgado. Temos, dentro de todos os tipos de violência, a negligência contra a criança, ela não sendo tratada como prioridade dentro de casa. Também temos a violência psicológica, com todo tipo de ameaça verbal, e a questão da exploração sexual. É como se o risco fosse evoluindo gradativamente. E sabemos que muitas meninas que estão nesta situação foram abusadas dentro de casa. A casa passa a ser uma ameaça, e este é um primeiro passo para a situação de prostituição, já que nem a própria família da criança a protege, ela tem que buscar algum tipo de alternativa fora.

IHU On-Line – Quem geralmente faz a denúncia?

Ana Drumond – Normalmente é alguém próximo que está observando essa situação. Pode ser a mãe, a avó ou alguém da escola que já comprovou uma situação de abuso. É alguém próximo que já colheu elementos para encaminhar a denúncia, que já chegou à conclusão de que a criança está sofrendo algum tipo de violência, não só abuso, mas violência física ou psicológica.

IHU On-Line – A maior incidência é de violência sexual ou de violência psicológica?

Ana Drumond – Em primeiro lugar, vem a negligência, já vemos que uma criança não está sendo bem tratada ou cuidada pela família. Depois, vem a questão da violência física, psicológica e do abuso sexual. Percebemos que a família já está descuidando dessa criança de várias formas, não necessariamente toda a criança que está sofrendo uma situação de negligência evoluirá para uma situação de abuso sexual, mas é um grande indicador de alerta.

IHU On-Line – Isso indica uma crise da família?

Ana Drumond – Sabemos, há muito anos, que a família desestruturada abre portas para uma série de
"A família desestruturada abre portas para uma série de situações"
situações. Não sei se existe uma crise da família, sei que está sendo difícil fornecer um atendimento especializado para famílias que estão em situação de risco. Quando falo situação de risco, não é só porque a família é pobre, devemos tomar cuidado para não associar violência com pobreza, associamos pobreza com vulnerabilidade social. Devem existir serviços especializados para atendimento dessa família, com diagnósticos da situação familiar e encaminhamento para serviços públicos. A partir do momento que existirem serviços que cuidem dessas questões, outras podem ser evitadas. É um trabalho de prevenção.

IHU On-Line – Há uma relação entre masculinidade e violência?

Ana Drumond – Costumo dizer que, se eliminássemos a violência no país, e se o Brasil não fosse mais campeão de desigualdade social, mesmo assim, a exploração sexual ainda aconteceria. Temos uma herança cultural que é machista, onde a mulher ainda é vista como objeto, principalmente uma adolescente, que está mais sujeita a uma situação de dominação por um adulto. Ainda temos essa forte questão, em nossa sociedade, que precisa ser trabalhada.

Tem muitas organizações sociais fazendo belíssimos trabalhos em relação a isso, como o Instituto Papai, em Recife; o Promundo, no Rio de Janeiro. Em todo e qualquer trabalho que fazemos, investimos muito na capacitação de agentes públicos, como conselheiros tutelares e técnicos da vara da infância. Esse tema está sempre presente, não tem como tratarmos a questão da violência sexual contra crianças e adolescentes se não olharmos para aspectos de gênero e de sexualidade. São aspectos que temos de cuidar sempre.

IHU On-Line – E como a pedofilia se insere nesse contexto?

Ana Drumond – A pedofilia é uma doença. Hoje está muito
"Nem todo o abusador é pedófilo"
presente na mídia o termo pedofilia, e as pessoas o confundem com abuso sexual. É preciso esclarecer que o pedófilo é uma pessoa doente, e nem todo o pedófilo comete o abuso, como nem todo o cleptomaníaco rouba. Outra questão é que nem todo o abusador é pedófilo. Devemos cuidar com alguns discursos que escutamos por aí, como “vamos acabar com os pedófilos”. Esta é uma visão muito simplista. Primeiro porque os pedófilos precisam de tratamento, e este tratamento precisa ser muito pesquisado. Não podemos culpar a doença e dizer que, se encontrássemos a cura para a pedofilia, não existiria mais abuso sexual. Isso não é verdade.

IHU On-Line – Quais são os impactos da violência na saúde das crianças e adolescentes?

Ana Drumond – Total, pois uma criança que é vítima da violência, em muitos casos, desenvolve uma depressão e tem dificuldade de aprendizagem. A criança entra em um conflito interno muito grande, principalmente se passa anos sem relatar o que está acontecendo. Ela fica muito confusa e bastante abalada psicologicamente. Os danos são seríssimos. É difícil resgatar todo o alicerce da criança depois de anos de violência, pois, geralmente, ela só conta o que aconteceu quando está na fase adulta. Assim, fica com dificuldades de se relacionar e tem o emocional muito frágil. É muito importante que a denúncia seja feita, e que a criança seja encaminhada para um atendimento adequado.
"É difícil resgatar todo o alicerce da criança depois de anos de violência"


Nossa organização acompanhou o trabalho da Graça Pizá, uma psicanalista do Rio de Janeiro que dava atendimento a crianças que vinham da Barra da Tijuca ou de uma favela. Era muito bonito olhar o processo de “cura” dessa criança. Todo o processo de atendimento individualizado dessa criança é composto por desenhos, que passam de um patamar sombrio, de desespero – uma das crianças se colocava dentro de uma teia de aranha – para um patamar de liberdade. Vemos isso ao longo dos anos, é um processo longo e exige muita coragem da família, a criança precisa estar amparada por alguém. Na maioria dos casos, é a mãe, mas, muitas vezes, ela se recusa a aceitar a realidade. Sabemos que é difícil para um adulto passar por um processo de atendimento psicológico, mas imagina para uma criança que não sabe exatamente o que está acontecendo. É um sofrimento silencioso.

IHU On-Line – O diálogo e a educação sexual podem ajudar a amenizar o problema? De que forma?

Ana Drumond – Sem dúvida. O diálogo, acima de tudo, é a primeira coisa que colocamos em todos os nossos materiais. Se não houver esse diálogo, seja dentro da escola ou da família, não há espaço para a criança relatar todas as situações que ela está vivenciando. A sexualidade é uma coisa saudável, deve ser exercida de forma saudável em cada faixa etária. A conduta autoprotetora é o que criança aceita em termos de cuidado que o adulto exerce sobre o corpo dela, que tipo de carinho é ou não aceitável em um banho, por exemplo.

Sobre este tipo de coisa prática, as crianças pequenas também podem ser orientadas. Não devemos entrar em uma paranoia, mas, se não falarmos sobre sexualidade, a partir de uma determinada faixa etária, como essas crianças vão poder lidar bem com sua própria sexualidade e ter consciência de que podem dizer não? Chamou-me atenção o caso de uma menina, em Londrina, que estava usando aquelas pulserinhas coloridas que geraram uma grande polêmica. Quando se arrebenta a pulserinha, deve-se realizar o proposto de acordo com a cor. No caso da menina, era fazer sexo, mas ela não soube dizer não. Por mais que ela estivesse com a pulseira, ela se sentiu intimidada e com medo de ser criticada depois. Que autoestima é essa? Que consciência é essa em relação aos seus próprios limites? Fiquei muito triste com esse relato, pois, imagine quantas meninas por todo o Brasil se sentem constrangidas em dizer não para determinadas situações. Que pena, pois elas estão supervulneráveis a relações de poder e ameaça.

IHU On-Line – Com a vinda, para o Brasil, de eventos como Copa do Mundo e as Olimpíadas, o problema pode se agravar ou uma coisa não tem nada a ver com a outra?

Ana Drumond – O país avançou muito a respeito disso, existe um programa nacional, no âmbito do Ministério do Turismo, que se chama Turismo Sustentável e Infância. Existem ações objetivas nesse aspecto, mas precisamos de plano de ação em relação à Copa e às Olimpíadas, e esse plano deve ser lançado logo para que seja multiplicado e descentralizado.

Notas:


[1] As pulseiras do sexo são usadas por adolescentes como uma espécie de código para experiências sexuais, onde cada cor significa um grau de intimidade, desde um abraço até o ato sexual completo.




[2] Aracelli Cabrera Sanches tinha 8 anos e vivia em Vitória (ES) quando foi seqüestrada, no dia 18 de maio de 1973, e, seu corpo, encontrado somente seis dias depois. O dia da morte de Aracelli foi transformado no Dia Nacional de Combate ao Abuso Sexual de Crianças e de Adolescentes.

Para ler mais:
• Pedofilia. Desejo e perversão. Edição 326 da Revista IHU On-Line
• A violência institucionalizada: ausência do Estado e do poder público. Entrevista especial com Julio Jacobo Waiselfisz
• ‘‘A violência vem se tornando uma forma de comunicação entre jovens’’. Entrevista especial com Kathie Njaine
• (Inst. Humanitas Usininos)

Gaza II

Gaza - resposta massiva!
Sexta-feira, 4 de Junho de 2010 14:45
De:
Este remetente é verificado pelo DomainKeys
"Ricken Patel - Avaaz.org"
Adicionar remetente à lista de contatos
Para:
"geraldo_v_2000@yahoo.com.br"
Certifique-se que os alertas da Avaaz chegam na sua caixa de entrada: clique em "Adicionar aos contatos" ou em "Não é spam" se você encontrou este email na sua caixa de spam. Se você quiser ser removido da lista clique aqui.

Incrível -- nós alcançamos a nossa meta de 200.000 assinaturas em menos de 24 horas! A primeira entrega da petição já foi feita e a pressão está funcionando -- vamos chegar a meio milhão! Aqui está o alerta, encaminhe para todo mundo:

Caros amigos,
O mundo está abalado com o ataque de Israel a uma flotilha que tentava chegar a Gaza com ajuda. Chegou a hora da investigação e responsabilidade começar e de acabar com o bloqueio Gaza. Assine a petição mundial, depois repasse essa mensagem: :




O ataque mortal de Israel à frota de barcos humanitários que iam em direção a Gaza chocou o mundo.

Israel, como qualquer outro Estado, tem o direito de se defender, mas isso foi um uso abusivo de força letal para defender o bloqueio vergonhoso de Israel a Gaza, onde dois terços das famílias não sabem onde encontrarão sua próxima refeição.

As Nações Unidas, a União Européia e quase todos os outros governos e organizações multilaterais têm pedido a Israel para acabar com o bloqueio, e agora a ONU convocou uma investigação sobre o ataque à frota. Mas sem pressão maciça dos seus cidadãos, os líderes mundiais vão limitar sua resposta a meras palavras – como eles já fizeram tantas vezes.

Vamos gerar um clamor global tão alto, que não possa ser ignorado. Assine a petição para exigir uma investigação independente sobre o ataque, a responsabilização dos culpados e o fim imediato do bloqueio à Gaza – clique para assinar a petição, e depois repasse essa mensagem a todos os que você conhece:

http://www.avaaz.org/po/gaza_flotilla_8/?vl

Esta petição alcançou 200.000 nomes em menos de 24 horas e já teve a sua primeira entrega para a ONU e líderes globais. Para ganhar ainda mais atenção, queremos alcançar 500.000 e entregá-la publicamente outra vez. Somente assim mostraremos aos nossos governantes que discursos e notas para a imprensa não são o suficiente -- cidadãos estão prestando atenção e demandando ações concretas, o momento é agora.

Enquanto a União Européia decide se irá expandir suas relações comerciais com Israel, e o Obama e o Congresso Americano definem o orçamento para ajuda militar a Israel para o ano que vem, e vizinhos como a Turquia e o Egito decidem seus próximos passos diplomáticos – vamos fazer com que a voz do mundo não seja ignorada: é tempo de verdade e de responsabilizar os culpados pelos ataques aos navios, e é tempo de Israel respeitar o direito internacional e acabar com o bloqueio a Gaza. Assine agora e passe essa mensagem adiante:

http://www.avaaz.org/po/gaza_flotilla_8/?vl

A maior parte das pessoas em qualquer lugar ainda compartilha o mesmo sonho: que haja dois Estados livres e viáveis, Israel e Palestina, que possam viver em paz lado a lado. Mas o bloqueio e a violência usada para defendê-lo, envenenam este sonho. Como um colunista israelense escreveu para os seus compatriotas no jornal Ha’aretz hoje, “Nós não estamos mais defendendo Israel. Nós estamos agora defendendo o bloqueio (a Gaza). O bloqueio por si só está se tornando o Vietnam de Israel.”

Milhares de ativistas pela paz em Israel protestaram hoje contra o ataque e o bloqueio, em passeatas desde Haifa até Tel Aviv e Jerusalém – se unindo a protestos ao redor do mundo. Independente de que lado atacou primeiro ou deu o primeiro tiro (o exército Israelense insiste em dizer que não foram eles que iniciaram a violência), os líderes de Israel mandaram helicópteros armados de tropas pesadas para atacar uma frota de navios em águas internacionais, que levava remédios e ajuda humanitária para Gaza, gerando mortes desnecessárias como conseqüência.

Não podemos trazê-los de volta. Mas talvez, juntos, nós possamos fazer deste momento trágico, um ponto de virada – se nós nos unirmos em um chamado de justiça inabalável e um sonho de paz inviolável.

Com esperança,

Ricken, Alice, Raluca, Rewan, Paul, Iain, Graziela e toda a equipe Avaaz

Saiba mais:

Entenda como funciona o bloqueio à Faixa de Gaza:
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/05/100531_entendabloqueiogaza_ji.shtml

Israel ataca barcos que tentavam furar bloqueio de Gaza e mata ativistas:
http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2010/05/31/israel-ataca-barcos-que-tentavam-furar-bloqueio-faixa-de-gaza-mata-ativistas-916736797.asp

Israel admite erros em abordagem militar em ataque a frota humanitária:
http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,israel-admite-erros-em-abordagem-militar-em-ataque-a-frota-humanitaria,559979,0.htm

Comunidade internacional condena ataque de Israel à frota humanitária:
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/743257-comunidade-internacional-condena-ataque-de-israel-a-frota-humanitaria.shtml

Conselho de Segurança da ONU condena ataque de Israel a frota humanitária:
http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2010/06/01/conselho-de-seguranca-da-onu-condena-ataque-de-israel-frota-humanitaria-916750622.asp



________________________________________

A Avaaz é uma rede de campanhas globais de 4,9 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas internacionais. ("Avaaz" significa "voz" e "canção" em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 13 países de 4 continentes, operando em 14 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

Mulheres

.



Mulheres
.
Por Sergio Santeiro, de Niterói




Encontro, por Liberati
Fonte

Melhor não tê-las, mas sem tê-las, como sabê-las? Acho que o homem e a mulher eram um só ser. Fendido ao meio, de cima a baixo, ficou o homem com a entrância e a mulher com a reentrância. Era como um ponto no universo que se foi desdobrando como a multiplicação das células. E do reencontro das metades origina-se um novo ser, cada um de nós, e todos diversos um do outro, assim é a humanidade.

O encontro continuado entre os dois gera o casal, vínculo de momento, que pode evoluir para o casamento, vínculo de permanência, mas cada homem e cada mulher desde que primitivamente apartados permanecem como identidades distintas, personalidades próprias, que podem unir-se mas não refundir-se, nunca mais se um dia o foram voltarão a ser um só ser.

A vida é a arte da convivência entre todos nós seres que somos distintos, em que grau, de que maneira é o que depende de cada um decidir. A cada um compete decidir o que fazer com a alteridade. Cada um é si mesmo, não é o outro. Enquanto homem posso refletir, imaginar e decidir o que sou e o que fazer comigo. Pessoalmente não sei e nem tenho como imaginar o que é ser mulher, e acho que a mulher tampouco tem como saber ou imaginar o que é ser homem.

Vivemos às apalpadelas, ensaio e erro, e a cada um que vemos do outro é válido pensar na possibilidade de um convívio maior ou menor segundo as vontades de cada qual. É preciso, entretanto, resguardar, poupar-nos, da ilusão da identidade, pedaços aproximados no vasto universo não têm como sonhar em refazer sequer um simulacro de unidade.

Divago, mas tudo isso vem a propósito da dificuldade que encontro em penetrar no mundo feminino, mesmo tendo ao que parece uma boa dose de feminilidade. O homem é fálico, a mulher vaginal, mas com as porções sexualmente opostas que em todos nós habitam, ainda assim opino que o mundo oposto é impenetrável embora os corpos se penetrem.

Acho que em tudo existe uma linguagem feminina e uma linguagem masculina não só na exterioridade, na evidente aparência, mas no uso de seus dotes e talentos. Não que um seja forte e o outro fraco, mas para mim o pensamento e o sentimento organizam-se mediante mecanismos simbólicos distintas.

A música, a tela, o texto, o filme, além das diferenças entre autores, vejo neles na mulher algo mais fluido como as águas, e no homem algo menos, como as terras. Já cansei de ouvir dizerem-me que isto é puro preconceito, fruto da dominação secular de homens sobre as mulheres, embora todos saibamos quantas vezes a recíproca é também verdadeira.

Acredita-se que um criador, a que chamamos deus, criou o homem à sua imagem e semelhança, talvez por estar na sua inimaginável solidão infinita, só que o ser criado, a criatura, como semelhado, poderia opor-se a deus que lhe era semelhante. Assim partiu ao meio a criatura, como dizíamos no início, e homem e mulher sendo metades jamais confrontariam o criador.

Mas a criação, o princípio de criação, uma vez criado não tem como ser desfeito, e as meias criaturas se encontrando, só elas quase iguais no mundo, acabam por se unir em momentos, quando o amor entre amantes desagrada aos não-amantes. Deus, por não ser amante, por não ter metade, expulsa o primeiro casal de amantes, de que, ao que parece, em todas as culturas somos descendentes.

Adão e Eva, Caim e Abel disputando o amor da mãe, deve ser o que gerou o tabu do incesto, a interdição do desejo entre criadores e criaturas, bilhões de metades com toda a probabilidade para sempre nunca mais encontráveis, restando-nos a permanente procura.

31/08/09

Fonte: ViaPolítica/O autor

Mais sobre Sergio Santeiro

E-mail: santeiro@anaterra.mus.br

Gaza

Gaza: bloqueio aos direitos humanos


Por trás da transformação de Gaza em campo de concentração está uma estratégia de isolamento do Hamas. O objetivo desta política de encarceramento, que tem o condão de punir coletivamente a população local, é tornar a vida insuportável atribuindo a responsabilidade pela crise ao grupo. Para o direito internacional, isto configura crime contra a humanidade. O ocidente, embora sempre pronto a condenar as violações do direito internacional e dos direitos humanos pelos países árabes ou muçulmanos, mantém um silêncio ensurdecedor diante do bloqueio de Gaza. O artigo é de Larissa Ramina e publicada por Carta Maior, 03-06-2010.
Larissa Ramina, doutora em Direito Internacional pela USP, professora da UniBrasil e da UniCuritiba.
Eis o artigo.
Dessa vez, a condenação da comunidade internacional foi unânime. O ataque israelense contra a frota de ajuda humanitária que tentava furar o bloqueio da Faixa de Gaza, em águas internacionais, provocou perplexidade ao redor do mundo.
Equivocaram-se os analistas que, num primeiro momento, discutiram o caso a partir da aplicabilidade ou não da legítima defesa por parte de Israel. Quaisquer explicações revelaram-se injustificáveis. Rapidamente, o foco concentrou-se no cerne da questão, que está na inaceitabilidade do bloqueio da Faixa de Gaza, imposto por Israel em 2007 depois que o Hamas, partido que venceu as eleições de 2006 sobre o Fatah, assumiu o poder no território.
A Faixa de Gaza consiste em um gueto de 352 km2, que abriga mais de um milhão e meio de palestinos, revelando uma densidade demográfica dramática. Cerca de dois terços são refugiados e descendentes de refugiados do conflito árabe-israelense de 1948.
Em 1940, após a invasão da Polônia em 1939, os nazistas encarceraram meio milhão de judeus no Gueto de Varsóvia. Muitos morreram de fome e em conseqüência de doenças. De maneira estranhamente similar, Israel encarcera mais de um milhão e meio de palestinos na Faixa de Gaza, em situação que faz lembrar aquela do Gueto de Varsóvia. Gaza é igualmente cercada de um muro, mas também conta com instrumentos de repressão como cercas eletrificadas e torres de controle.
O severo bloqueio mantém em poder de Israel o controle do espaço aéreo, das águas territoriais, do tráfego de mercadorias e do movimento da população. O único acesso de bens para Gaza são os diversos túneis de contrabando escavados abaixo da fronteira com o Egito. Desde a imposição do bloqueio, Gaza mereceu a trágica qualificação de um dos maiores campos de concentração a céu aberto existentes na atualidade. A absoluta maioria da população sobrevive graças ao apoio internacional. Os palestinos não são autorizados a viajar, a procurar trabalho em Israel, a pescar a certas distâncias da costa.
Por trás da transformação de Gaza em campo de concentração está uma estratégia de isolamento do Hamas. O objetivo desta política de encarceramento, que tem o condão de punir coletivamente a população local, é tornar a vida insuportável atribuindo a responsabilidade pela crise ao grupo. Para o direito internacional, isto configura crime contra a humanidade. O ocidente, embora sempre pronto a condenar as violações do direito internacional e dos direitos humanos pelos países árabes ou muçulmanos, mantém um silêncio ensurdecedor diante do bloqueio de Gaza.
De nada servirá atentar contra a população civil palestina ou atirar contra humanitários internacionais. O Hamas, produto do desespero, da humilhação, da privação dos direitos humanos impostos à população palestina e símbolo da resistência, persistirá.
Amós Oz, intelectual israelense que representa a esquerda engajada, declarou com razão que o bloqueio da Faixa de Gaza origina-se da errônea suposição de que o Hamas pode ser derrotado pela força das armas, ou que o problema palestino pode ser esmagado, em vez de solucionado. Entretanto, a única maneira de remover o Hamas é chegar a um acordo para a criação de um Estado independente na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, conforme as fronteiras definidas em 1967, com capital em Jerusalém Oriental. A paz só retornará de mãos dadas com a dignidade do Estado palestino, sem muros nas fronteiras. Muros, guetos, racismo, apartheid, deveriam ficar todos esquecidos no século XX.


(Inst. Humanitas Usininos)

Israel

Ativista judia de 85 anos embarca de volta à Faixa de Gaza

Por Redação, com BBC - de Dublin




Hedy conseguiu escapar ao Holocausto
Uma ativista judia que fugiu da Alemanha nazista e perdeu os pais no campo de extermínio de Auschwitz pretende embarcar no barco irlandês que está se dirigindo a Gaza para tentar furar o bloqueio israelense. Hedy Epstein, de 85 anos, que está desde 1948 radicada nos Estados Unidos, diz ter sido impedida pelas autoridades cipriotas de embarcar em um dos barcos da frota que foi interceptada na segunda-feira por Israel.
Ela agora pretende chegar ao barco irlandês, que deveria ter acompanhado a frota, mas acabou ficando para trás por causa de problemas mecânicos. Mesmo após terem sido informados sobre o ataque israelense, que deixou ao menos nove mortos, os ocupantes do barco decidiram seguir viagem. Eles esperam chegar a Gaza nos próximos dias.
O barco deixou a Irlanda com dez pessoas a bordo, entre elas a prêmio Nobel da Paz Mairead Maguire.
Perseguições
Para Epstein, as ações do governo israelense mostram que o país “não aprendeu as lições” das perseguições sofridas pelos judeus ao longo da História.
– Como eles podem fazer o mesmo contra os palestinos? – questionou ela, em entrevista à agência inglesa de notícias BBC Brasil.
Esptein diz rejeitar as comparações entre o tratamento dos judeus na Alemanha nazista e o dos palestinos por Israel, mas adverte que o governo israelense “faz ações horríveis” que poderão ter como consequência o aumento do anti-semitismo no mundo.
– Israel parece pensar que está acima das leis e acusa todos aqueles que o criticam de serem anti-semitas. Muitos acabam com medo de criticar Israel por não quererem ser chamados de anti-semitas – diz.
Massacres
A ativista diz ter “acordado” para a questão palestina após tomar conhecimento dos massacres de Sabra e Chatila, no Líbano, em 1982, quando centenas de refugiados palestinos foram mortos por milícias cristãs libanesas com a suposta anuência de Israel. Desde 2003, ela esteve por cinco vezes na Cisordânia para, como conta, “ver de perto o que estava acontecendo”.
– Muitos me diziam para ter cuidado, que como judia corria riscos nos territórios palestinos, mas a verdade é que os palestinos abriram suas casas e seus corações para mim e até me protegeram do perigo, que veio do outro lado. O inimigo é o governo israelense – afirma.
Ela diz que em uma de suas viagens à Cisjordânia, em 2004, ela foi detida por quatro horas no aeroporto de Tel Aviv pelas autoridades israelenses e acusada de “terrorismo”. Ela diz que agora espera conseguir chegar pela primeira vez à Gaza, em sua quarta tentativa, dentro do barco irlandês que segue na direção ao território.
– Não tenho medo agora. Talvez tenha medo quando vir os soldados israelenses abordando o barco. Mas não quero morrer, nem ser ferida. Só quero chegar a Gaza para entregar os suprimentos aos palestinos – afirmou.
Ela diz que os ativistas que participam da tentativa de chegar a Gaza pelo mar para entregar ajuda humanitária “não têm motivações políticas”, tanto que nas embarcações detidas pelos israelenses, acusando os tripulantes de "terroristas", depois de minunciosamente vasculhadas, não encontraram uma arma sequer. Apenas víveres e material de construção.
– Nossas motivações são humanitárias – afirma.
Sobrevivente
Hedy Epstein é uma figura polêmica nos Estados Unidos, onde já foi acusada por membros da comunidade judaica de comparar as ações de Israel com com as da Alemanha nazista. Ela foi enviada, sem os pais, para a Grã-Bretanha, onde ficou até 1948, antes de seguir aos Estados Unidos. Mas a maioria dos membros de sua família acabou morrendo nos campos de concentração e extermínio nazistas.
(Correio do Brasil)

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Psiquiatria

A luta antimanicomial e a psiquiatria


"Nenhum sistema de saúde mental pode funcionar sem que haja a disponibilidade de leitos suficientes para acolher o paciente em crise", afirmam Jair Mari, professor do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo) e Graham Thornicroft, professor do Instituto de Psiquiatria do King's College, em Londres, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 18-05-2010.
Eis o artigo.
Hoje é o dia reservado para comemorar a luta antimanicomial. Dia de levantar a questão: quais os princípios que devem nortear as políticas de saúde mental?
Os serviços de assistência à saúde mental em países em desenvolvimento não estão conseguindo atender às necessidades de tratamento dos pacientes, face à alta morbidade psiquiátrica na população.
Um princípio fundamental da disseminação da assistência mental à comunidade é a noção da igualdade de acesso das pessoas aos serviços em seu bairro ou região de moradia.
Outro princípio fundamental é a garantia dos direitos de autodeterminação e autonomia dos indivíduos com transtornos mentais como cidadãos. Esses princípios foram ratificados pela Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotados em 1991.
São textos que estabelecem três pontos importantes, em se tratando da pessoa com transtorno mental: o direito de ser tratada sem discriminação; o direito à presunção de capacidade legal, a menos que a incapacitação fique claramente demonstrada; e a necessidade de envolvimento dos usuários dos serviços e seus familiares no desenvolvimento de políticas que afetam diretamente suas vidas.
As mudanças nas políticas de saúde mental podem ser divididas em três fases: o estabelecimento dos asilos psiquiátricos, a partir de 1880 até 1955; o declínio do sistema de institucionalização e isolamento, pós-Segunda Guerra; e a reforma dos serviços de saúde mental de acordo com abordagem baseada em evidências, no equilíbrio e na integração de serviços comunitários e hospitalares.
A integração entre comunidade e serviços hospitalares é reconhecida como um "modelo de assistência equilibrado", no qual a maioria dos serviços funciona na comunidade, em centros próximos à população atendida, onde a internação hospitalar é reduzida e, geralmente, efetivada nas enfermarias psiquiátricas dos hospitais gerais.
Os países em desenvolvimento devem estruturar cinco categorias de recursos para organizar o desenvolvimento dos serviços: clínicas ambulatoriais para atendimento de pacientes; equipes de saúde mental comunitária; serviços de atendimento ao paciente em crise; assistência domiciliar baseada na comunidade; e serviços de encaminhamento para emprego, ocupação e reabilitação.
A assistência orientada para a comunidade deve preencher, ainda, os seguintes requisitos: atender às necessidades de saúde pública, com prioridade para o tratamento dos doentes mais graves; desenvolver centros locais e acessíveis; mobilizar a participação dos usuários e seus familiares nas políticas de planejamento; e provisionamento dos serviços de saúde mental.
A Associação Mundial de Psiquiatria nomeou uma força-tarefa para produzir diretrizes sobre as etapas, os obstáculos e os erros a serem evitados na implementação de um sistema de saúde mental comunitário.
O conteúdo desse editorial estará no próximo número da "Revista Brasileira de Psiquiatria" e o relatório completo será divulgado na edição de junho do "World Psychiatry".
O relatório levantou vários erros-chave. Primeiramente, não há planejamento de saúde mental sem a participação de psiquiatras e usuários.
Em segundo lugar, o planejamento deve ser acompanhado por sucessão racional de eventos, de modo a evitar o fechamento de um hospital psiquiátrico antes que o serviço comunitário de assistência esteja solidamente estabelecido na mesma área.
Nenhum sistema de saúde mental pode funcionar sem a disponibilidade de leitos suficientes para acolher o paciente em crise. Outro erro comum é associar a reforma a um interesse ou grupo político particular, o que pode fazer com que qualquer mudança de governo comprometa as ações tomadas por predecessores.
Concluindo, os princípios fundamentais de orientação das políticas de saúde mental nos países em desenvolvimento preveem que estas devem se basear nas necessidades de saúde pública, levar em consideração a proteção dos direitos humanos e serem projetadas levando em conta sistemas de saúde mental baseados em evidência e custo-efetividade.
É o momento, portanto, de se buscar um consenso para a defesa da melhoria de serviços de saúde mental de qualidade, capazes de atender milhões de pessoas sem recursos e completamente desassistidas, nos países em desenvolvimento.
(Inst. Humanitas Unisinos)

Israel II

‘Se fazem isso com os europeus, o que não fazem com os palestinos?’


A última coisa que o ativista madrilenho Manuel Tapial, de 35 anos, escreveu no Facebook antes que seus pais voltassem a ter notícias diretas dele foi: “Última hora, 14 barcos de Israel cercam a Frota pela Liberdade de Gaza!”.
A reportagem é de Mariangela Paone e está publicada no jornal El País, 01-06-2010. A tradução é do Cepat.
Tapial navegava a bordo do Mavi Mármara, o principal barco da flotilha de ajuda humanitária que pretendia romper o bloqueio de Israel a Gaza. Viajava junto com mais de 600 pessoas de 40 nacionalidades diferentes divididas em seis barcos. Levavam remédios, materiais de construção, livros; 100 casas pré-fabricadas e cerca de 500 cadeiras de rodas elétricas para deficientes. Tapial levava, além disso, centenas de livros de relatos sobre refugiados escritos em espanhol e traduzidos para o árabe.
Eram três e meia da madrugada. Tapial estava a cerca de oito dias sem poder comunicar-se por telefone. No momento em que o Exército israelense abordou o barco turco em águas internacionais de frente para Gaza, Manuel estava no chat conversando com seu pai, Manuel Espinar, de 60 anos.
Passaram-se 10 horas sem que ninguém na Espanha, nem os pais de Tapial, nem os de sua companheira catalã Laura Arau, de 30 anos, e os do jornalista valenciano David Segarra, de 33 anos, que trabalhava para o canal hispano-americano Telesur, soubessem se estavam vivos ou mortos. Sabia-se que no ataque haviam morrido vários colegas, mas o Governo israelense não oferecia dados sobre seu número exato nem sua nacionalidade.
Ao meio-dia, durante sua participação em uma entrevista coletiva em Madri, uma pessoa entregou a Manuel Espinar um papelzinho com a seguinte mensagem: “Diego López Garrido disse que os três estão bem”. A mensagem do secretário de Estado para a União Europeia foi confirmada pouco depois.
“O barco vai ao porto israelense de Ashdod. Uma vez ali, ou são presos ou deportados”, comentava Espinar à noite. O pai de Tapial participou nesta segunda-feira, junto com outras 300 pessoas, de uma manifestação em frente ao Ministério de Assuntos Exteriores em Madri.
Espinar é o presidente da Associação Solidariedade, Cultura e Paz, que fundou há 14 anos e para a qual trabalhavam o seu filho Manuel e Laura. “Se fazem isso com os europeus, o que não fazem com os palestinos? O que não terão feito com eles nos 62 anos em que Israel existe como país?”, se pergunta a mãe de Manuel, Maria Antonia Tapial. “Passei algumas horas ruins sem ter notícias do meu filho. Mas também me preocupa a sorte de muitos palestinos que morrem diariamente sem que ninguém saiba. É como se a vida de um europeu valesse mais que a deles”.
Em Valência, Cristina Soler, a mãe do jornalista David Segarra, se expressava em termos parecidos: “Meu primeiro sentimento esta manhã foi de desespero, queria morrer. O segundo foi de absoluto orgulho por esse rapaz que, sem ter nenhuma obrigação, dispôs da sua vida para ajudar pessoas que sequer conhece”, informa Ignacio Zafra.
Segarra havia se somado em janeiro a um comboio que tratou de introduzir ajuda humanitária em Gaza através do Egito. Passou 48 na Faixa de Gaza e gravou Zebras de Gaza, o esboço de um documentário sobre os mecanismos psicológicos que permitiam às crianças sobrepor-se à guerra, como pintar os burros para que parecessem zebras. Agora, tentava completar o trabalho.
(Inst. Humanitas Usininos)

Mãe

Para dizer à sua mãe
.
Por Silvio Fernando



Se a grana está curta, você não comprou presente para a sua mãe, ou simplesmente ela te expulsou de casa, acalme-se, existem problemas maiores. Lembre-se dos coitados que viveram sob a Lei Seca (Hmm... sua mãe iria gostar) ou das pobres crianças que, devido a segredos de família, não sabem exatamente se aquele senhor da esquina é o seu pai ou não.

Seja como for, não queremos te deixar de mãos abanando num dia especial como este. Por isso, que tal escrever de próprio punho as curiosas definições abaixo e enviar a sua mãe como mostra de um presentinho sutil, carinho e pessoal?

Com sorte, ela vai adorar e também achar que você está lendo mais e que todo aquele tempo no Mobral valeu de alguma coisa. Na pior das hipóteses, ela lhe dirá a identidade do seu verdadeiro pai, e acredite, você preferirá que fosse mesmo o moço da esquina. Pelo menos é a uma esquina bem iluminada. Bom, seja como for, segue uma pequena contribuição para que você tenha mais um evento familiar inesquecível. Não, não precisa nos agradecer.

Obs: Cartas de reclamação ao editor, por favor.


A maternidade é uma virtude importante. Tão importante, aliás, que deveria exigir testes de aptidão, no interesse dos filhos. – George Bernard Shaw

A mãe é o pior inimigo do homem. – Ziraldo.

A palavra mãe define uma mulher que mesmo sabendo tudo a seu respeito ainda gosta de você. – Kim Hubbard

Você sabe que é uma mãe bem-sucedida quando cria filhos capazes de pagar a própria terapia. – Nora Ephron

Mãe de primeira viagem é aquela que manda o sujeito olhar para os dois lados antes de atravessar uma rua de mão única. – Laurence J. Peter

Só há uma coisa na qual mães e filhos concordam: nenhum dos dois confiam nas mulheres. – H. L. Mencken

Uma mulher leva 20 anos para fazer de seu filho um homem; outra mulher, 20 minutos para fazer dele um tolo. – Helen Howland

Você sabe que tem um filho precoce quando, aos quatro anos, ele pede para se casar com a boneca da irmã. – Ambrose Bierce

Percepção materna é aquele estranho sentido que permite a uma mãe saber que está certa, mesmo quando está errada. – Helen Howland

Toda mãe tem os filhos que merece. – Mae West

9/5/2010

Fonte: ViaPolítica/O autor

Silvio Fernando é jornalista e psicólogo formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Formou-se também em roteiro e dramaturgia pelo Núcleo do Teatro de Arena paulista. Entre outros veículos, foi colunista e crítico de cinema do site Bibliaworldnet, repórter da rádio baiana Brasil FM e atualmente é redator e roteirista das rádios Terra AM e Musical FM. No teatro, integrou as companhias Quarteto em Rir Maior e Os Terroristas do Riso. Escreveu e dirigiu peças de cunho educativo encenadas por populações em desvantagem social e jovens em situação de risco.

E-mail: sfernandor@hotmail.com

Do mesmo autor, leia também em VP:

“Aquilo que, às vezes, nós pensamos que sabemos(excertos de um dicionário)”

"Um psicanalista no divã – excertos de uma reportagem neurótica"

“Sacrifício em megahertz”

“O quanto você é sedutor?”

“Não acredite em tudo o que você lê nos jornais”

“As notícias... mais ou menos”

“A cultura ao alcance de todos”

“Anúncios exóticos”

“No começo era assim” "Pílulas de sabedoria"
"O Promovido"

Israel

El buque Irlandés “Rachel Corrie” llega hoy, 2 de junio, a las aguas donde fue atacada la “flotilla de la libertad”. El ejercito israelí amenaza con emplear “armas de guerra”


2 / JUNIO
El "Rachel Corrie", el buque irlandés que formaba parte de la flotilla solidaria con ayuda humanitaria para la Franja de Gaza y que se vio demorado en su navegación, mantiene su intención de llegar a este territorio costero pese al violento asalto llevado a cabo ayer por la Armada israelí contra otro de los buques en el que murieron nueve activistas.
DUBLIN, 2 Jun. (EUROPA PRESS) -
El buque irlandés ’Rachel Corrie’, en el que viajan cinco irlandeses y cinco malasios, seguirá su recorrido con destino a la Franja de Gaza pese al asalto que sufrió el lunes uno de los barcos de la flotilla solidaria de la que forma parte por parte de la Armada israelí, si bien sus ocupantes han adelantado que no prevén oponer resistencia.
El barco, que lleva el nombre de una activista estadounidense muerta en 2003 cuando trataba de impedir la demolición de una casa en Gaza por el Ejército israelí, formaba parte de la flotilla, pero su navegación se vio demorada 48 horas en Chipre.
Según explicó a la prensa de Irlanda uno de los irlandeses a bordo, Derek Graham, los diez activistas que viajan en el barco, entre ellos la Nobel de la Paz norirlandesa Mairead Maguire, se reunieron anoche y decidieron seguir adelante con su viaje, pese a los sucesos del lunes en los que murieron nueve personas, cuatro de ellas turcas.
"Todo el mundo está en buena forma y con la moral alta", señaló Graham, si bien reconoció que están "muy preocupados sobre qué ocurrirá si llegamos a Gaza". "He hecho esto antes y he visto a los comandos israelíes subiendo a bordo antes", explicó. Esta es la séptima vez que Graham viaja a la región y ya fue detenido en una ocasión por Israel.
En caso de que se produzca un abordaje, el activista explicó que estará "en contacto por radio con la Marina (israelí). "Les diré que todos los pasajeros estarán sentados con sus manos en la cabeza. No habrá resistencia de ningún tipo y pediré que los pasajeros y la tripulación sean tratados con respeto", precisó.
Según Graham, el ministro de Exteriores irlandés, Micheal Martin, les llamó ayer y les dio "su apoyo". Por su parte, el primer ministro, Brian Cowen, pidió el martes a Israel que permita que el barco llegue a su destino. "Quiero dejar esto claro: si se hace algún daño a alguno de nuestros ciudadanos, tendrá las consecuencias más serias", advirtió.
— -
DUBLIN, 1 Jun. (EUROPA PRESS) -
Los activistas a bordo del Rachel Corrie mantienen su intención de llegar hasta Gaza.
El barco, en el que viajan cuatro irlandeses, entre ellos la premio Nobel de la Paz Mairead Corrigan-Maguire, navega con unas 48 horas de retraso con respecto al resto de la flotilla, ya que tuvo que permanecer en Chipre por problemas logísticos, pero desde la Campaña Irlandesa de Solidaridad con Palestina, que lo organiza, esperan que llegue mañana a aguas de Gaza.
Uno de los irlandeses a bordo, Derek Graham, explicó que el barco lleva material educativo, materiales de construcción y algunos juguetes. "Todo lo que hay a bordo fue inspeccionado en Irlanda", aseguró a la prensa irlandesa. "Nos gustaría tener vía libre" para llegar hasta Gaza, añadió.
Por su parte, en declaraciones a la televisión pública RTE, Maguire aseguró que "ninguno" de sus barcos lleva armas, "son meramente humanitarios". La Nobel de la Paz defendió la misión "para asegurar a la gente de Gaza que el mundo se preocupa" por ellos. "Su puerto ha estado cerrado durante 40 años (...), 1,5 millones de personas, una población como la de Irlanda del Norte, permanece apartada del mundo por este asedio ilegal e inhumano de Gaza", recordó.
"Puede imaginarse si esto ocurriera a los 1,5 millones de personas en Irlanda del Norte, el mundo estaría gritando para pedir que esto cesara", subrayó Maguire, que incidió en que en Gaza hay "carestía de medicinas".
Por otra parte, siete ciudadanos irlandeses fueron detenidos durante el asalto de ayer, si bien una de las activistas ya ha sido deportada a Irlanda tras firmar una autorización para ello. El ministro de Exteriores irlandés, Micheal Martin, se ha mostrado muy crítico con la actuación israelí y ha pedido la liberación inmediata de todos sus conciudadanos.
"Hemos pedido la liberación incondicional de los ciudadanos irlandeses detenidos actualmente en Ashdod", señaló el ministro a la prensa, subrayando que "no entraron ilegalmente en Israel, fueron sacados de aguas internacionales y llevados a Ashdod". Así pues, insistió, "no tienen que firmar ningún documento por lo que a nosotros respecta".
Así las cosas, un alto responsable de la Marina israelí advirtió, en declaraciones al diario hebreo ’Jerusalem Post’, de que sus fuerzas serán más agresivas en futuras ocasiones ante los barcos que intenten romper el bloqueo a Gaza. "Abordamos el barco y fuimos atacados como si fuera una guerra", subrayó, aclarando que "eso significará que tendremos que ir preparados en el futuro como si fuera una guerra".
(Europazzapatista)
— -

Farinha multimistura pooode!

.


O CAÇADOR QUE FOI COMIDO PELO LOBO MAU E A INDIGESTÃO DE CHAPEUZINHO VERMELHO COM A MULTIMISTURA DA VOVÓ

Raul Longo
Foto: Jasmim Losso Arranz

Na floresta da internet, Chapeuzinho Vermelho também é minha correspondente. E ela vai pela estrada afora tão contente que nunca se importou com fome, miséria, crianças subnutridas e nada disso.

Chapeuzinho Vermelho era uma tucana. Boa gente, Chapeuzinho nunca chegou a ser uma demotucana. Mas tucana, era. Talvez até seja ainda, no entanto já me confessou abertamente que, nesse “homem horrível” (palavras dela para se referir ao José Serra), não vota.

Chapeuzinho Vermelho vai votar na Marina Silva. Ela mora em apartamento de bairro chique e urbanizado de Florianópolis, mas acha bonito proteger as florestas.

Por outro lado, se ela não gosta do “falso e mentiroso” (outras de suas qualificações ao Serra), também não simpatiza com o “apedeuta”. Chapeuzinho ainda não aprendeu que a palavra é um adjetivo de dois gêneros e, como todos os demais apedeutos e apedeutas do país, continua xingando o Presidente sem a correta concordância de gênero.

Um erro elementar, mas ao menos tenho de reconhecer que ultimamente Chapeuzinho procura não os cometer nas correspondências que me endereça. Tadinha! Isso a faz ficar tão ansiosa que acaba de me enviar logo duas.

A primeira é o repasse do comentário de alguém de tão preclara desimportância que, para não fugir da história, vou tratá-lo como O Caçador. E caçador é, de fato. Daqueles que ficam caçando pelos órgãos de desinformação do PiG qualquer bobagem que entenda desqualificar o governo Lula. Foi encontrar numa afirmação da Cristina Lobo da Globo um diz-que-diz-que Lula queira ser lembrado como grande estadista como Getúlio Vargas, e o Caçador, querendo se passar por cômico, ficou no ridículo de se perguntar para quando seria o suicídio.

Como as costumeiras bobagens do PiG há muito não despertam maiores interesses, deixei, em minha resposta a Chapeuzinho, esse assunto por último. Mas a outra mensagem trata da suspensão, já antiga, do Programa Multimistura pelo Ministério da Saúde. Isso sim é algo que preocupa e interessa.

Aliás, sempre interessou desde que ouvi falar dos excelentes resultados obtidos pela dieta desenvolvida pela Dra. Clara Brandão, médica do Paraná, para as crianças subnutridas do Pará. A adoção dessa dieta como programa da Pastoral da Terra levou à indicação de Dona Zilda Arns ao Prêmio Nobel. Foram salvas as vidas de centenas de crianças e não entendo porque Gomes Temporão ordenou a suspensão da organização do programa pelo Ministério.

Claro que Chapeuzinho Vermelho nunca teve a menor ideia do que venha a ser a multimistura, de quem seja a Dra. Clara ou a Dona Zilda. Tampouco alguma vez se preocupou com a subnutrição infantil. Chapeuzinho só quer ir estrada afora, muito contente no último modelo de automóvel importado, percorrendo as mais finas docerias e restaurantes da cidade. Mas como há algum tempo circula pela internet o relato de que a Dra. Clara um dia procurou o vice-presidente para pedir auxílio pela manutenção do programa e, apesar de ter feito José de Alencar chorar pelas fotos de crianças esquálidas e visivelmente recuperadas pela administração da dieta, não obteve a reintrodução no Ministério.

Foi aí que Chapeuzinho encontrou um jeito de me assustar com o tamanho da boca do Lobo Mau, embora nem tão grande que dê para melhor comer as criancinhas atendidas pelos demais programas de governo, conforme publicado pela BBC: “...de acordo com o índice (Índice Global de Fome pesquisado pela Unidade Internacional de Pesquisa em Política Alimentar) alguns países demonstraram uma grande melhora nos níveis de subnutrição desde 1990. Em primeiro lugar está o Vietnã, seguido pelo Brasil. Ao citar as medidas adotadas pelo Brasil para a melhora nos níveis de subnutrição, o relatório cita programas do governo como o Fome Zero, o Bolsa Família, o Minha Casa, Minha Vida e também o aumento do salário mínimo.”

Além de repassar a Chapeuzinho Vermelho essa matéria pelo link: BBC Brasil - Notícias - Mais de um bilhão de pessoas passam… também contei a ela que tentei e continuo tentando me informar porque o Programa Multimistura foi cortado do Ministério, mas até agora não recebi nenhuma informação confiável e atualizada. Parece mesmo um segredo sobre o qual o Ministério não se pronuncia. Nem mesmo quando inquirido, em 2007, pela revista Isto É.

Apenas posso imaginar que o Gomes Temporão não tenha sido corrompido. Aliás, disso podemos ter certeza, pois, se fosse o caso, certamente a oposição já teria armado uma CPI.

Evidente! Se ao antecessor, no primeiro governo Lula, foi montada uma CPI que o acusava de pertencer à “máfia dos vampiros”, que ele próprio, Humberto Costa, investigava; imagine o Temporão!


O Humberto, apesar de ter iniciado as investigações contra o esquema montado desde 1990 e durante toda a gestão do atual candidato tucano à Presidência, se viu acusado como envolvido naquilo que ele próprio investigava e só foi inocentado agora, em fevereiro deste ano.

Por aí se percebe o poder dessa gente! E no caso do Humberto Costa não ficaram só por aí, não! Também o arrolaram no “Escândalo dos Sanguessugas”, do qual se concluiu não ter qualquer envolvimento, como declarado pelo relator Fernando Gabeira, que, como se sabe, faz parte do triunvirato dos Fefês: Collor de Melo, Henrique Cardoso, e o próprio Gabeira.

Mas lá a coisa é como aqui em Santa Catarina: o governador é investigado por ligação com o tráfico, e a polícia invade a UDESC para dar pancada em estudante que reclama contra aumento de tarifa de ônibus que o prefeito diz ser a mais baixa do Brasil, e todo mundo sabe que é a mais alta.

Absurdo? Pois é! Humberto Costa que investigou as falcatruas no Ministério da Saúde acabou acusado e não se elegeu governador por Pernambuco, mas o ministro do período investigado se elegeu à prefeitura de São Paulo e, apesar de ter pedido que não mais votassem nele se abandonasse o cargo para se candidatar a governador, acabou elegendo-se governador do estado. Aliás, como o foi Maluf, que também pediu que nele não mais se votasse, caso o Pita não prestasse.

Conclusão da teimosia paulista: Pita não prestou e morreu impune. Maluf foi eleito deputado, embora não possa sair do Brasil pelo risco de ser preso por roubar o Brasil. Quanto ao José Serra, todos sabem no que deu.

Absurdo? Vá saber lá por quais absurdos o Ministério da Saúde até hoje não deu explicação pelo fim do Programa Multimistura! Mas, pelo ministro ter-se vendido à Nestlé ou à Procter & Gamble, por certo não foi, pois do contrário teria uma CPI. Ah, isso teria sim, senhor!

E não é por ser do PMDB que o Temporão se safaria de uma CPI, não. Não é, porque em 2008 a bancada de seu próprio partido pediu sua cabeça por ter tido peito de acusar a corrupção na FUNASA, presidida pelo afilhado do líder do PMDB na Câmara.

Interessante observar, aí, é que o líder do PMDB é o Henrique Eduardo Alves, primo do Garibaldi Alves, relator da CPI do Fim do Mundo, aquela dos Bingos, que investigou tudo, menos os bingos. Além do que, ambos os Alves são sócios da Rede Globo no Rio Grande do Norte.

O que é que o PiG tem a ver com a multimistura, não sei. Só sei que a Nestlé e a Procter & Gamble são anunciantes da Globo, mas até onde vai dar esse liame de interesses nem imagino, embora pareça mesmo que o caso do Programa Multimistura da Dra. Clara Brandão acabou enroscando o Temporão.

E olha que o Ministro não é de se intimidar! Enfrentou até a própria mãe, uma senhora lusitana muito da carola, que se aliou à CNBB pra rogar praga no filho quando citou a questão do aborto como problema de saúde pública.

Afora isso o ministro tem se pautado por atitudes corajosas ao enfrentar os preconceitos no atendimento público às diversidades de orientação sexual e na eficiência ao combate de epidemias que se proliferaram ao longo da última década do século XX. Mas na questão do Programa Multimistura deixa a desejar uma explicação, e concordo que devamos cobrá-la, sempre, sob qualquer governo.

Do Serra é bobagem cobrar qualquer coisa. Todos os jornalistas lá de São Paulo que cobraram alguma explicação que não quisesse explicar, o governador mandou demitir. Se (mangalô pé-de-pato três vezes!) esse que você chama de “choque de congestão” for eleito presidente, nós é que seremos destripados como cidadãos inoportunos.

Já na mensagem do seu amigo caçador de besteiras da mídia sobre o comentário da moça da Globo capaz de ouvir todas as conversas que correm por Brasília – como se aquilo fosse uma só esquina – apesar de minhas dúvidas de que Cristina Lobo consiga passar tão despercebida pelos rebanhos dos ingênuos cordeiros do Distrito Federal; caso o Presidente Lula de fato tenha expressado vontade de ser lembrado como estadista pelo seu 2º mandato, ressalta-se aí uma imensa modéstia do nosso governante.

Veja na relação abaixo, se é preciso que termine o mandato para Lula ser considerado grande estadista. Só mesmo na cabeça dessa Lobo Bobo!

- Em 2007 o presidente Lula recebeu o Prêmio Nehru.
- Em 2008 recebeu em Paris o Prêmio Félix Houphouët, oferecido pela UNESCO; ao menos um terço dos vencedores anteriores ganhou depois o Prêmio Nobel da Paz".
- No mesmo ano foi à Espanha receber o 1º. Prêmio Internacional Dom Quixote de La Mancha.
- Em 2009, recebeu em Paris o 1º World Telecommunication and Information Society Award;
- Em 2009, em Londres, recebeu o Prêmio Chatham House 2009 por sua atuação na América Latina;
- Em 2009, em Nova York recebeu o Prêmio Woodrow Wilson for Public Service.
- Em 2009, recebeu, em solenidade na sede da Organização das Nações Unidas, o Prêmio Sucesso Internacional.
- Em Roma, durante a Cúpula Mundial da Alimentação das Nações Unidas recebeu o Prêmio Contra a Fome, da ActionAid, e um par de luvas de boxe pelo sucesso na luta contra a fome no Brasil.
- Neste 2010 recebeu o prêmio de Estadista Global, inédito no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça. Justificativa: Lula foi eleito para o prêmio por ser um líder político que usou o mandato para melhorar o mundo. Detalhe: foi a primeira vez que o Fórum concedeu um prêmio, em 40 anos de existência.

Em 10 de maio deste ano, em Brasília, o diretor-geral do Programa Mundial de Alimentação da ONU entregou a Lula o prêmio de Campeão Mundial da Luta contra a Fome.

Em sua edição de 23/9/2009, a revista americana Newsweek afirmou ser Lula "o político mais popular do mundo" e que ele era nada menos que a maior estrela da 64ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York. "As câmeras podem focar na personificação do americano descolado, Barack Obama, ou nos autocratas exibicionistas e despeitados como o iraniano Mahmoud Ahmadinejad e o venezuelano Hugo Chávez, mas a maior estrela disponível será o duro, barbado e ex-torneiro mecânico", diz o texto.

"É um longo caminho do faminto Nordeste do Brasil para a sala da Assembleia Geral das Nações Unidas, mas o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, conhece cada passo desse caminho", afirmou a Newsweek, completando que o presidente "é considerado agora o líder de uma potência regional e um porta-voz autodesignado para as nações emergentes de todo o mundo".

Em sua edição de 29/4/2010 a Time, revista semanal de maior circulação no mundo, elegeu Lula um dos líderes mais influentes do planeta.

Quanto ao suicídio do Vargas, todos sabem que foi provocado pela insistente perseguição dos entreguistas da mídia liderados por Carlos Lacerda, cuja ausência no cenário político brasileiro foi muito lamentada pelo Fernando Henrique Cardoso.

Mas Lula, mais ainda do que Vargas, termina o mandato com um índice de aprovação popular jamais alcançado no Brasil e no mundo, apesar de todo o esforço do PiG que, ao invés de derrubá-lo, acabou derrubado aos mais baixos índices de audiência e circulação já registrados pelo IBOPE e IVC.

De forma que se o seu amigo se deixou comer pela Cristina Lobo, por ser tão bobo tem mesmo muitos motivos para se suicidar. Bem ao contrário desse nordestino que almoçou todos os que pretendiam lanchá-lo e, pela elegância e educação de não dar sequer um arroto apesar da barriga cheia, continua querido por todo o país e muito além de nossas fronteiras.

_________________________

*Raul Longo é jornalista, escritor e poeta. Ponta do Sambaqui, 2886
Floripa/SC. Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz


Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

Agência Assaz Atroz

.


Índios

Tlaloc, o Deus da chuva.



Tlaloc era o deus da chuva e da umidade. Em um país como o México, onde o sucesso ou insucesso das colheitas depende inteiramente da natureza abundante, ou não, a chuva, ele seria prontamente concedido de uma divindade de grande importância. Acreditava-se que ele fez a sua casa nas montanhas que circundam o vale do México, já que estes eram a fonte da precipitação local, e sua popularidade é atestada pelo fato de que as representações esculpidas dele ocorrer com mais freqüência do que as de qualquer outro das divindades mexicano. Ele é geralmente representado em uma postura semi-reclinada, com a parte superior do corpo levantada sobre os cotovelos e os joelhos meio dobrados, provavelmente para representar o caráter montanhoso do país de onde vem a chuva. Ele estava desposado com Chalchihuitlicue (Senhorita Esmeralda), que lhe deu uma descendência numerosa, o Tlalocs (nuvens). Muitas das figuras que representavam lhe foram esculpidos em pedra verde chamada chalchiuitl (jadeite), para tipificar a cor da água, e em alguns destes foi mostrado segurando a serpente de ouro para representar o relâmpago, a água-deuses são muitas vezes estreitamente identificada com o trovão, que paira sobre as colinas e acompanha fortes chuvas. Tlaloc, como seu protótipo, o Deus Kiche Hurakan, manifestou-se em três formas, como o relâmpago, o trovão e o raio. Apesar de sua imagem diante do leste, onde era suposto ter-se originado, ele foi adorado como que habitam os quatro pontos cardeais e cada topo de montanha. As cores dos quatro pontos cardeais, amarelo, verde, vermelho e azul, de onde veio a chuva e ventos, entrou na composição de seu traje, que foi posteriormente cruzado com raias de prata, tipificando as torrentes de montanha. Um vaso contendo toda descrição de grãos normalmente era colocado antes de seu ídolo, uma oferta do crescimento que se esperava que ele frutificasse. Ele morava em um regado paraíso chamado Tlalocan (o país de Tlaloc), um lugar de abundância e fertilidade, onde aqueles que tinham sido afogados ou atingidos por um raio ou morreram de doenças hidrópicas apreciavam felicidade eterna. Aquelas pessoas comuns que não morreram tais mortes foram para a residência escura do Mictlan, a que tudo devora e Senhora sombria da morte.

Nos manuscritos nativos Tlaloc geralmente é retratado como tendo uma tez morena, olhos grandes, redondos, uma fileira de dentes e sobre os lábios uma listra azul angular curvado para baixo e enrolado nas pontas. O último personagem é suposto ter sido desenvolvido originalmente da bobinas de duas serpentes, a boca com dentes longos na região do maxilar superior, no meio do lábio superior. A cobra, além de ser simbolizada por um raio em muitas mitologias americanas, é também simbólica de água, que está bem caracterizado em seus movimentos sinuosos.

Muitas moças e crianças foram sacrificadas anualmente a Tlaloc. Se as crianças choravam, era considerado como um presságio feliz para uma estação chuvosa. O Etzalqualiztli (Quando eles comem feijão na Alimentação) foi seu principal festival, e foi realizada em uma aproximação do dia 13 de maio, sobre o qual data a estação chuvosa geralmente iniciava. Outra festa em sua honra, o Quauitleua, iniciou o ano mexicano em 2 de fevereiro. Na festa anterior, os sacerdotes de Tlaloc mergulhavam em um lago, imitando os sons e movimentos de sapos, que, como habitantes de água, estavam sob a proteção especial de Deus. Chalchihuitlicue, sua esposa, muitas vezes era simbolizada pela pequena imagem de um sapo.

http://artesxamanic as.blogspot. com/2006/ 11/tlaloc- o-deus-da- chuva.html


O Tabaco chegou para indígenas da América do Norte, seguindo rotas de comércio indiano em todo o continente muito antes de Colombo, e fumar cachimbo assumiu uma importância ritual e religiosa em muitas tribos. Naturalmente, a elaboração de condutas tornou-se igualmente importante. Os mais famosos cachimbos americanos são os "tubos calumets", traduzindo tubos longos ou "da paz" dos Sioux e outras tribos indígenas das Planícies, que foram feitas, anexando uma haste de madeira a uma bacia esculpida em catlinite ou "Pipestone". (Pipestone é nativo de Minnesota, mas, devido ao comércio intertribal disponível em toda América do Norte.) Outros processos de tradições, incluí um pedaço de pedra e canos de cerâmica dos iroqueses e tribos Cherokee, madeira e canos de chifre dos índios do Sudoeste, e nos pós-canos tomahawk colombiana com uma tigela de tubo de metal e machadinha em extremos opostos do cabo.
"Se você ouvir a noite, você vai ouvir as criaturas da escuridão, todos eles são sagrados as corujas, os grilos, os sapos, os pássaros da noite e você vai ouvir as belas canções, músicas que você nunca ouviu antes. Ouça com seu coração.
Nunca pare de ouvir. "

A noite é cheia de vida, cheia de música, e cheia de beleza. Alguma vez você já saíu à noite e ouviu? Um deles tem acesso a serenidade e paz. À noite, todos os nossos sentidos mudam seus papéis. Porque não podemos ver, a nossa audição é muito mais forte, o nosso cheiro é ainda mais reforçado, nossa visão é diferente. Estamos aptos a participar da natureza através de sons e cheiros, com as canções dos pássaros da noite, e através dos ventos da noite. Podemos fechar nossos olhos e interligar a experiência de uma maneira diferente. Tente esta noite e experimente a unicidade com o Criador.

Grande Espírito, permitam-me a ouvir os professores da noite.


"Você tem que ter muita paciência para ouvir as pessoas de idade falarem, porque quando eles falam, eles falam sobre motivação, sentimento, sobre todo o universo. Eles explicam tudo para um entendimento."
Wallace Black Elk, Lakota

Precisamos ter cuidado ao julgar os antigos, quando falamos. No início, eles podem não fazer sentido para nós. Talvez nós vamos dizer que eles são antiquados e não compreendemos. Mas os antigos entendem! Quando eles falam, ouça com atenção. Muitas vezes, ele vai levar semanas ou até mesmo anos antes que nós possamos entender o que eles realmente estão dizendo. Este é o caminho da Sabedoria. Precisamos ouvir, ouvir...ouça!

Grande Espírito, hoje, abra meus ouvidos para que eu possa ouvir as pessoas idosas.


"A terra é um lugar sagrado em comum para o benefício do futuro das nossas nações."


O Criador fez a Terra para sustentar a vida para que a vida continuasse a se reproduzir, tudo iria apoiar um ao outro, e as gerações futuras teriam os mesmos benefícios da oferta e da beleza, como as gerações anteriores. Esse ciclo só vai continuar na medida em que fazemos escolhas e decisões para as gerações futuras. Hoje, somos muito gananciosos e egoístas. Nós estamos enganando nossos filhos e netos.

Criador, deixe-me ver as consequências de minhas decisões, e me mostrar como fazer as correções saudáveis.

Artes Xamânicas
http://artesxamanic as.blogspot. com
Email - nativepipee@ gmail.com






(Literatura Indígena)

Israel II

''Parecia que estávamos em uma guerra'', diz ativista preso por Israel


Então será a palavra de um contra a de outro. As autoridades israelenses tiveram 24 horas para desenvolver sua versão do ataque sangrento dos comandos da marinha contra a flotilha internacional para Gaza, na manhã de segunda-feira (31). Agora a palavra é dos ativistas detidos a bordo dos navios e que, expulsos por Israel, começaram a voltar a seus respectivos países na terça-feira (1º).
A reportagem é do jornal Le Monde e publicada pelo portal Uol, 03-06-2010.
Em pelo menos um ponto as declarações do exército israelense batem com as dos passageiros: a inspeção da maioria dos barcos da flotilha aconteceu sem violência física excessiva. O ataque só virou tragédia no Mavi Marmara, navio turco que transportava centenas de passageiros.
Israel afirma que manterá bloqueio a Gaza
Enviada de volta a Istambul na terça-feira, Nilüfer Certin, que estava a bordo com seu filho de um ano, Kaan, foi a primeira a poder se manifestar. Quando o Mavi Marmara passou por cima das ordens israelenses de parar, “eles iniciaram o ataque. Usaram bombas de gás lacrimogêneo antes de descerem até o convés do navio”, contou. “O barco virou um lago de sangue”, garantiu, falando em confrontos “muito duros e violentos”.
A jovem disse ter se refugiado com seu filho no banheiro de sua cabine. Ela não deu detalhes sobre o desenrolar dos confrontos que culminaram na morte de nove passageiros, assassinados à bala.
“Parecia que estávamos em uma guerra”, disse na terça-feira a deputada alemã Annette Groth (Die Linke, esquerda). “As pessoas a bordo não esperavam tanta violência e brutalidade por parte do comando”, declarou Inge Höger, outra deputada do Die Linke. “As pessoas a bordo não recorreram à violência, elas não teriam tido nenhuma chance contra os soldados israelenses”, disse o ex-deputado Norman Paech.
O capitão turco de outro navio, Huseyin Tokalak, garantiu na noite de terça-feira que os comandos israelenses “começaram a atirar diretamente no Mavi Marmara. Eles não procuraram saber se era a proa ou a popa do barco”. Eram esperados para quarta-feira (2) outros depoimentos sobre esse ponto crucial e controverso do ataque, em especial os dos feridos.
“Foi como um filme de guerra, com comandos descendo de helicópteros e botes infláveis, ouvíamos explosões, tiros, granadas ensurdecedoras”, contou na terça-feira, em Atenas, Aris Papadokostopoulos, um grego que estava em outro navio. “Vimos bem o que aconteceu (no Mavi Marmara), pois o barco estava muito iluminado e a tripulação usava holofotes para tentar se defender do ataque. Mas isso era de se esperar, achamos que era só uma demonstração de força”.
Nos cinco outros navios inspecionados, os comandos israelenses rapidamente venceram a resistência passiva imposta pelos passageiros.
“Nós tínhamos planejado subir um em cima do outro para impedi-los de terem acesso à sala de máquinas, e proteger a cabine do capitão com nossos corpos, sem armas”, contou em Paris, na terça-feira, Youcef Benderbal, porta-voz do Comitê de Solidariedade e Apoio aos Palestinos (CBSP, sigla em francês), ao qual pertence a maioria dos franceses detidos na segunda-feira. Ele enfrentou um soldado israelense gritando em inglês “somos pacifistas”, antes de ser preso. Ele relatou que outro ativista, Ahmed Oumimoun, teria levado “um golpe violento no maxilar” e teria sido “ameaçado com um fuzil”.
“Nós fizemos uma barreira com nossos corpos no convés, uma resistência passiva”, contou na terça-feira um outro grego, Dimitrios Gelalis, que estava a bordo de uma embarcação grega. “Estávamos preparados, mas eles logo assumiram o controle, atirando com balas de borracha e tasers, atingindo dois gregos nas pernas. Eram cerca de vinte deles, mandaram a gente sentar, e depois nos manteve durante umas dez horas sentados, ameaçando-nos com armas. Nós podíamos ir ao banheiro, comer e beber, mas sempre sob vigília e ameaça de armas. Havia uma forte violência psicológica, eles também nos filmavam regularmente”. Esse relato do modus operandi dos comandos é corroborado por outros depoimentos, especialmente dos suecos, assim como a ausência de armas a bordo.
Uma vez colocados sob controle dos soldados israelenses, os passageiros foram todos levados ao porto israelense de Ashdod, situado ao norte da Faixa de Gaza.
“Em Ashdod, eles pegaram tudo que era nosso, máquinas fotográficas, computadores, documentos, celulares...”, contou Dimitrios Gelalis. “De mim só não tomaram meu dinheiro”, disse, “e só pude recuperar meus remédios pouco antes de partir, e meu passaporte só quando desci do avião. Havia uma violência física e psicológica permanente, era uma espécie de confusão organizada, eles tentavam nos fazer assinar um documento dizendo que havíamos entrado ilegalmente. Fomos separados, e eles faziam com que passássemos de sala em sala sem dizer nada, sem responder a nossas perguntas, fui revistado mais de dez vezes. Me liberaram sem que eu assinasse nada, só falo grego e aparentemente naquele momento eles não tinham ninguém à disposição para mim”.
O deputado do Partido Verde sueco Mehmet Kaplan, que voltou na terça-feira a Göteborg, se encontrava em um barco sueco e garantiu que, uma vez em terra, o presidente da associação Judeus pela Paz entre Israel e Palestina, Dror Feiler, “foi jogado ao chão de forma brutal, com uso exagerado da violência. Eles se sentaram sobre ele e o mantiveram com a cabeça no chão. Ele foi arranhado no rosto por dois soldados fortemente armados, que o amarram e levaram”.
“Foi um ato de pirataria”, resumiu na terça-feira o escritor sueco Henning Mankell. “Israel transformou seus marinheiros em piratas. E a partir do momento em que nos levaram a Israel, também fomos sequestrados. Simples assim”.






(Inst. Humanitas Usininos)