Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 22 de maio de 2010

Allende

Entrevista inédita a Salvador Allende

En 1971, el Presidente Salvador Allende concedió una entrevista al documentalista norteamericano Saul Landau, que hoy por primera vez es publicada. El jefe de Estado habló de la UP, de su amigo Fidel Castro, de EE.UU, de El Mercurio, y su dueño Agustín Edwards.


lanacion.cl
Por Carmen Muñoz
A pesar de que Salvador Allende no admitía entrevistas con periodistas estadounidenses o británicos, en 1971 aceptó dialogar con el documentalista norteamericano Saul Landau en el jardín de su casa de Tomás Moro.
Con total soltura se refirió entonces a la reforma agraria, a su tensa relación con el dueño de El Mercurio Agustín Edwards, y también a su amistad con Fidel Castro, de quien dijo no recibir recetas, porque “no somos colonos mentales de nadie”.
Pero el golpe sorprendió al investigador sin haber difundido este material, que se mantuvo en el ámbito privado hasta hoy, gracias a que gentilmente lo facilitó a www.lanacion.cl a través de un video, que transcribimos y editamos para nuestros lectores.
Sin luces aún del golpe militar que acabó con su gobierno y su vida, y ajeno incluso a las diferencias que se comenzaban a gestar en el seno de la Unidad Popular, Allende inicia este diálogo explayándose sobre el origen de su compromiso político.

- Usted sabe, yo soy médico, vine de provincia a estudiar a Santiago. Los estudiantes de provincia vivíamos muy modestamente en pensiones y, lógicamente, nos interesaba no sólo estudiar las materias con relación a las carreras que habíamos elegido. También nos preocupábamos de mirar un poco más lejos de la universidad, la realidad de nuestro país, sobre todo que el estudiante de medicina y el médico confrontan hechos sociales muy claros. Nosotros entendimos muy rápidamente que a mayor enfermedad mayor pobreza, que a mayor pobreza mayor enfermedad, un axioma que se repite inexorablemente.
Ese problema nos llevó a reunirnos en las noches para analizar las distintas corrientes filosóficas. Leímos a los teóricos del marxismo, observamos lo que acontecía en el mundo, apreciamos la lucha de los pueblos, los países en vías de desarrollo, y siempre pensamos que el hombre debe tener una dimensión distinta, que los valores de la sociedad capitalista debían ser reemplazados por otros. Por eso estudié, leí y fui fundador más tarde del Partido Socialista en 1937.
- ¿Qué edad tenía usted en esa época?
- Debo haber tenido unos 28 años cuando fundé el Partido Socialista, junto con otros compañeros. Además, a lo largo de toda mi vida -y lo he dicho siempre-, fui ministro de Estado, diputado, senador y presidente del Senado.
- Ha estado involucrado en política desde hace bastante tiempo...
- Si, desde muy joven. Fui ministro a los 29 años en el gobierno del Frente Popular, uno de los tres que hubo en Chile en la época de Pedro Aguirre Cerda y era tan socialista como ahora. Ese frente estaba conformado por radicales, socialistas, comunistas y pro-democráticos.
- ¿Ese fue el origen de la Unidad Popular?
- No, después esos partidos se separaron, pero es un antecedente muy importante, porque fue Chile uno de los tres países donde hubo un Frente Popular. Si usted se acuerda, los otros países fueron España -que terminó con la Guerra Civil-, y Francia con el Frente Popular dirigido por León Blum, que no dejó ningún recuerdo trascendente, por el contrario.
Nosotros en Chile, desarrollamos sobre todo a la clase obrera, a través de la Central Obrera de Trabajadores, para crear conciencia de su organización y darles a conocer sus derechos. Poco después creamos la Corporación de Fomento, base de la industria pesada de Chile, de acero, petróleo y electricidad. Hicimos una obra constructiva, en esa época se hablaba del Frente Popular como hoy se habla de Unidad Popular.
Se aseguraba que íbamos a suprimir las libertades, que sería el caos absoluto, el degüelle de la gente, y no ocurrió eso. Por el contrario, las más grandes manifestaciones religiosas se realizaron en la época del Frente Popular. También fue nominado el primer cardenal de la iglesia chilena por petición expresa del Presidente del Frente, don Pedro Aguirre Cerda, que era el Presidente de la República.
Socialista y pragmático
- ¿Usted sigue siendo un hombre utópico?
- ¡No!, ¿Cómo utópico? yo sigo defendiendo lo que he defendido durante veinte años como parlamentario socialista, y ser socialista no es ser utópico.
- Pero usted tiene una visión de una sociedad distinta en el futuro...
- Lógico, pero eso no se construye de la noche a la mañana. Para que un pueblo llegue a construir una sociedad distinta, se necesita un pueblo organizado y conciente.
Yo le he dicho muchas veces a la gente y a los estudiantes, que para mí, no vale que un estudiante me diga que es dirigente de izquierda si es mal alumno, nosotros necesitamos buenos alumnos: primero, que cumplan sus obligaciones, después tienen derecho a decir que son dirigentes políticos. También, le he dicho a los obreros que hay que trabajar para producir más y mejor. En Chile tenemos que alcanzar un ingreso de dos mil dólares por persona al año y para eso tenemos que producir más.
Los pueblos sólo progresan trabajando y produciendo más, claro que es diferente trabajar para una minoría que para un país. Los obreros del carbón están produciendo tres mil 800 toneladas de mineral al día, pero tienen que producir cuatro mil 700, y para eso tienen que trabajar más, porque sino la empresa no puede defenderse.
En el acero estamos produciendo 700 mil toneladas, pero hay que llegar de aquí a dos años a dos millones de toneladas. En el cobre producimos alrededor de 750 mil toneladas, sin embargo hay que elevar la producción a mil 200 toneladas.
- ¿Usted cree que el pueblo ha respondido a esos objetivos?
- Bueno, ahora soy más popular que antes, porque cumplimos con lo prometido y, además, le explicamos y dialogamos con el pueblo. Yo no estoy metido en la oficina de la Moneda, yo hablo con los campesinos, con los trabajadores del cobre, del carbón, con los estudiantes, con las dueñas de casa, voy a las poblaciones. En las calles la gente me saluda, ando en mi auto particular. Entonces la gente ve una cosa distinta.
En Valparaíso, todos los días a la salida de la oficina de gobierno de la intendencia hay entre 400 y 500 personas, esperando a veces dos horas para poder saludarme, y en esta época de verano hay turistas de otros países y se sorprenden con un Presidente al que se le puede dar la mano y conversar. Así es, porque yo no ando rodeado de carabineros, ni con tanques. La gente puede llegar hacia donde estoy, y yo tengo el agrado de poder saludarlos... Claro que no me puedo pasar el día saludando gente (risas).
Los conflictos de la UP
- Hoy, ¿Cómo se mantiene la coalición en la Unidad Popular?
- Bien, porque hay un programa que nos une, que es diferente a lo que nos propusimos hace 30 años.
- ¿Qué conflictos hay en la coalición y cómo se resuelven?
- No hay ningún conflicto serio, sólo apreciaciones con respecto a la práctica, porque no nos hemos salido en absoluto del programa de la Unidad Popular. Los parlamentarios radicales han hecho observaciones respecto a un funcionario de una provincia que tiene un criterio determinado sobre cómo debe hacerse la reforma agraria.
También, han dicho que en determinados sectores de Chile, grupos que no son de la Unidad Popular, estarían estimulando la toma de predios agrícolas más pequeños de la cabida que la ley establece, como derecho de los propietarios que trabajan en sus tierras. Pero usted comprende, que eso no se puede decir que es una norma, además nosotros, y yo personalmente, hemos establecido que la reforma agraria la haremos dentro de la ley de la reforma, y de ninguna manera vamos ha aceptar que se proceda en forma arbitraria.
- ¿Estos súbditos son izquierdistas independientes?
- Hay que considerar dos cosas: pueden ser grupos de izquierda que no han madurado políticamente o bien campesinos, o en el caso de Cautín, Mapuches a quienes sus tierras fueron robadas hace muchos años, que han vivido con media hectárea.
Ellos son considerados una raza desconocida, negada, degradada física y moralmente y una serie de factores que influyen. Usted entiende que para ellos se abre una posibilidad, y cuando se tiene hambre a veces es muy difícil razonar, sobre todo cuando no se tiene una cultura con un nivel político, cuando se les ha hecho promesas por más de un siglo, y sus abuelos, y sus padres, y ellos han sido frustrados y negados. Lógicamente, esa gente está apremiada por una realidad brutal, que es comer para vivir todos los días.
Pero de allí a creer que hay un clima que provocará un caos, no. Primero, porque nosotros tenemos autoridad, no sólo de la que emana de la ley, sino la autoridad moral, la influencia que tiene el movimiento popular, y la que tengo yo personalmente. Usted lo ha visto y lo sabe, porque ha estado en actos públicos.
- ¿Cómo van a mantener ellos solos su propia cultura?
- Nosotros consideramos que los problemas de los mapuches no pueden solucionarse sólo en función de la reforma agraria. Aquí hay un problema antropológico cultural, de raza. Nosotros hemos mandado allá no sólo al ministro de Agricultura, sino también médicos, pedagogos, antropólogos, sociólogos.
Pero esto no es un problema de un día, será un problema de muchos años, porque hoy el mapuche es considerado frente a la ley como un niño sin derechos, entonces esa situación no puede variar de la noche a la mañana.
Necesitamos el tiempo suficiente para borrar del espíritu de esa gente lo que ha estado sucediendo con ellos por más de cien años.
¿Ellos se diferencian de los chilenos?
- Evidente. Ellos nos llaman huincas, pero no es un problema que pueda decir que es agobiante para Chile, es un problema importante, pero no agobiante.

Sigue
-Allende y el socialismo a la chilena
-Allende y su critica a Estados Unidos, El Mercurio y Agustín Edwards
-Allende y su amigo Fidel Castro
-Imágenes de Allende en el jardín de Tomás Moro
(La Nacion)

Irã

O Irã que eu conheci

Share |

Por Sonia Bonzi
Depois de ter morado no Irã, minha maneira de ver o mundo mudou bastante. Não acredito em mais nada do que diz a grande mídia.
Quando soube que ia morar em Teerã senti um certo medo, mas aceitei o desafio. Comecei uma busca voraz por informações sobre o país, a cidade, a história, o povo. Depois de tudo que li, decidi que viveria em casa, reclusa, lendo, escrevendo, fazendo crochet, inventando moda...
Parti de Londres pronta para o sacrifício. Teria que conviver com os xiitas radicais, terroristas cruéis, apedrejadores de mulheres, exterminadores de homossexuais, homens-bomba, mulheres oprimidas, cobertas com véus...
Eu estava submetida às leis locais e me seria vedado mostrar cabelos, pernas e braços. Ficar em casa era o que mais me atraia. Vestir um chador para sair me parecia um pouco demais. A caminho de Teerã eu depositava o sucesso da minha estadia nos jardins da casa onde fui morar. Ter aquele espaço me bastaria.
Logo ao sair do aeroporto comecei a ter uma imagem diferente de tudo aquilo que eu tinha lido. Tudo tão bonito, belas estradas, muita luz, viadutos com mosaicos, jardins bem cuidados, gente vendendo flores nos sinais, um engarrafamento sem buzinas, pedestres poderosos cruzando entre os carros, rapaziada de cabelo espetado, mocinhos com camisetas apertadinhas, moças lindas, super produzidas e também muitas mulheres de chador. Parques cheios de gente. Muita criança. Muito pic nic.
Dizem que a primeira impressão é a que vale. Gostei da chegada. Não tive medo. Não vi tanques, cadafalsos, escoltas armadas... Gostei das caras, das montanhas, das casas, das árvores, dos muros, do alfabeto que me tornava analfabeta.
Logo no segundo dia eu já tinha entendido que minha leitura sobre o cotidiano não tinha nada de realidade. Eu não precisava usar chador. Podia sair vestida com uma calça comprida, um camisão de mangas compridas e um lenço na cabeça. Senti-me nos anos 70, quando eu não dispensava um lencinho.
Deixei o jardim de casa e fui conhecer Teerã.
A imprensa e os meios de comunicação do ocidente me deixavam confusa. O que eu lia e ouvia não correspondi ao que eu vivia e via.
Encontro um povo é acolhedor, educado, culto, simpático, que gosta de fazer amigos, que abre as portas de casa para os estrangeiros, gosta de música, de dança, de declamar poesia... Não encontrei os problemas de abastecimento que me informaram haveria. Comprava-se de tudo, inclusive uísque e vodka. Bastava um telefonema.
Os temíveis homens-bomba nunca passaram por lá. Ninguém se explodia. Foi horrível constatar que enforcamentos aconteciam de vez em quando. Apedrejamento de mulher adúltera já não acontecia há 14 anos.
Fiquei amiga de muitos gays, fiz e fui a festas espetaculares, tomei vinho feito em casa, viajei sem escoltas pelo país, visitei amigos em suas casas de campo, de praia, de montanha...
Apaixonei-me pela culinária refinadíssima, morro de saudades das nozes, pistaches, castanhas, avelãs, frutas secas. Não me esqueço dos pães, do iogurte, do suco de romã puro ou com vodka...
Conheci a Pérsia profunda: lagos salgados, desertos salgados, as antigas capitais, segui a "rota da seda", dormi em caravanserais... Sempre assessorada por amigos locais.
Não conheci um iraniano, de nenhuma classe social, que fosse favorável ao regime teocrático instalado no país. Só uma coisa aproxima o povo do governo: o direito à tecnologia nuclear.
A pressão do ocidente fortalece e radicaliza os aiatolás. O povo do Irã não aceita esta interferência mundial. Quem são os ocidentais para dizer a eles o que fazer? Eles não vem o ocidente como um modelo a ser seguido. Eles não acreditam nos governos que já apoiaram Sadam Hussein numa guerra contra eles. Eles não tem razão para acreditar nas grandes potências. Isto incomoda. Melhor demonizá-los. Eles são acusados de não cumprirem acordos. Quem os acusa também não cumpre.
O domínio da tecnologia nuclear é considerado pelo povo do Irã como um direito deles, que sempre tiveram grandes cientistas, que sempre valorizaram o conhecimento, a medicina de ponta, que querem vender energia nuclear..
O povo iraniano não começa uma guerra há mais de 200 anos. Eles não são belicosos. São diferentes de seus vizinhos. A instabilidade no Oriente Médio não é causada pelo Irã. Apesar da força que a imprensa, os governos, as corporações fazem para denegrir a imagem do Irã, eu confesso que o Irã que eu conheci não é o que é descrito pela mídia ocidental.
Não há favelas em Teerã, não há miseráveis pelas ruas. Minorias tem seus representantes no Congresso, judeus tem seus negócios, suas sinagogas, zoroastrianos tem acesa a chama em seus templos. A família é uma instituição valorizada. Refugiados palestinos e iraquianos são mantidos pelo governo e pelo povo iraniano, que lhes oferece abrigo, alimento e escolas...
Não acredito que ameaças e o uso da força possam melhorar a situação na região. Os iranianos não são os iraquianos. Ser mártir para defender a religião ou a pátria é motivo de júbilo até para as mães.
A negociação, o respeito, a falta de arrogância, as informações corretas são as armas para defender a estabilidade no mundo. Pena que muitos interesses financeiros estejam acima dos sonhos de bem-estar e paz.
A escritora Sonia Bonzi é uma das mais antigas colaboradoras da NovaE, escrevendo do Irã e de vários países do mundo.
(Novae)

Benedetti

Benedetti: Memoria del sur

Daniela Saidman (Desde Ciudad Guayana, Venezuela. Colaboración especial para ARGENPRESS CULTURAL)

Hace casi un año que se nos fue Benedetti y como pasa con la gente imprescindible su voz sigue nombrándonos, vivo en cada uno de los rincones, en la cotidianidad, en la lucha, en el sueño, en el viento...

“Vuelvo / quiero creer que estoy volviendo / con mi peor y mi mejor historia / conozco este camino de memoria / pero igual me sorprendo” dice Mario Benedetti en Quiero creer que estoy volviendo. Pero es que él no se fue nunca, porque no puede extinguirse el sol en una mañana, ni la brisa en la Cordillera, ni el llanto en una despedida, ni las palomas de las plazas, ni el amor en la lucha... Compañero de sueños, de caminos, de vida, Mario Benedetti (Paso de los Toros, 14 de septiembre de 1920 - Montevideo, 17 de mayo de 2009) tiene la exacta dimensión del hombre, porque su voz cálida y solidaria se fue anudando en las cotidianidades, en las lecturas y en las ganas de volar las libertades de los pueblos y sus gentes. Aprendimos a quererlo en el amor, en la complicidad de un poema que nos recordaba a otro a otros y viceversa.

Benedetti está vivo cuando lo recitamos de memoria para enamorar y enamorarnos de la vida y sus cruzadas. Está aquí, entre el ruido de las calles, en las plazas con sus pañuelos blancos, en los ojos niños, en las oficinas que pronuncian las cotidianas derrotas, en la esperanza y en el futuro que viene y viene sin pausa.

Letras de osadía

Sus letras, son las de la rebeldía, las libertarias, las que ondean en los mástiles de las escuelas, las que surcan los mares y otras humedades. Autor de más de ochenta libros, traducidos a alrededor de veinte idiomas, Benedetti fue un hombre comprometido con su tiempo, con los pueblos, con las libertades sin cortapisas.

Gracias por el fuego (1965), Primavera con una esquina rota (1982), Geografías (1984), La borra del café (1992) y Andamios (1996), son algunas de sus novelas, en las que el ser humano, con sus esquinas pobladas de fantasmas y miedos, de alegrías y esperanzas, se asoman a las rendijas y a las cotidianidades. Marcado a cal y canto por el exilio, Benedetti edificó en su obra literaria a las mujeres y hombres que somos, estos que lo leen y lo sienten, sabiéndolo a él hecho de los mismos sueños y las mismas ganas.

Los Inventarios recogen casi toda su obra poética, mientras que sus obras de teatro (El reportaje, 1958; Ida y vuelta, 1963; Pedro y el Capitán, 1979 y El viaje de salida, 2008) aunque tal vez sean menos conocidas, le dan la talla de un intelectual en todas las dimensiones posibles, además fue un incansable cuentista y un ensayista profundo, sencillo y liberador.

Es por esto que a Benedetti no es posible decirle adiós, sino bienvenirlo siempre, saludarlo como quien se toma un café con un entrañable amigo, guiñarle un ojo cuando le damos la vuelta a la esquina, haciéndolo cómplice de lo más y mejor que nos habita.

Es cierto que con él morimos un poco, pero en este año de ausencia aprendimos a revivirlo en sus versos, en el joven que fue Juan Ángel, en la Tregua que vino después y que sigue desnudándonos y mostrándonos las heridas.

Benedetti, presente

Ya se preparan en toda Nuestra América diferentes encuentros para celebrar su vida. La que siempre estará de este lado de la orilla, donde atracan los barcos de amplias velas, los que han navegado con el sol a medio cielo haciendo de la libertad la más alta bandera. Al entrañable amigo del amor adolescente y del que vino después, aprendimos a leerle entre los pliegues de la alegría y la reflexión honda y desgarrada del que está obligado a partir, solo con sus recuerdos, con las nostalgias de los roces, las voces y los rostros. Así seguimos los que nos hemos quedado sin él, pero con él a cuestas, entre los brazos, abrazándolo desde antes y ya para siempre.

Bienvenida a Benedetti

“Se nos fue Benedetti, sin querer claro, como se va casi siempre la gente más querida. Pero él está y estará siempre en los ojos de los amantes que se descubren en el roce, en la patria hecha girones de exilios y miedos, en la esperanza, en la magia, en los pasos y en lo más y mejor de los seres humanos. Está y estará siempre, siempre que haya manos que palpen su papel y sepan desnudar y desnudarse. Está, porque no es posible que no esté. Estará donde están los poetas, esos desterrados de la República que andan cantando y contando sueños y verdades, esos que saben edificar el mundo que necesariamente habrá de ser.

Pertenece al presente irrevocable de los enamorados de la vida, de esas otras y otros que sabrán decirlo y hacerlo suyo, como lo hicimos los jóvenes que fuimos y que aprendimos a saberlo poeta en todas las humanas pasiones.

A Benedetti hay que bienvenirlo en las entrañas, en las manos, en las sábanas, en el sonido del sol naciendo, en la noche con y sin estrellas, en la risa, en el dolor, en lo entero de nuestras humanidades. Hay que aprender a reconocerlo en las rebeldías, porque allí anidará su voz, así como en los amores donde susurrará sus versos. Benedetti poeta amado, incansable quijote de sueños con todo y sus alforjas llenas de adioses, estará siempre de este lado del mundo, en la orilla de los vencidos que venceremos, donde volveremos a leerlo una y otra vez para confirmar su paso y sus convicciones, las nuestras, donde también sueñan Cortázar, Martí, Nazoa, el Che, Camilo y todas y todos los que supieron hacer de la palabra una trinchera de lucha, un fusil de margaritas”.

Haga click aquí para recibir gratis Argenpress en su correo electrónico.
Publicado por ARGENPRESS en 14:06
Etiquetas: Crítica literaria, Daniela Saidman

Heterrosexualismo

''Não se nasce heterossexual''


"Existe algo chamado falo, que une o real – anatômico, sexual – com o significante. Essa contingência determinará a escolha sexual do objeto. Isto é, ser heterossexual é um acidente no marco da castração do sujeito."
A opinião é do psicanalista argentino Marcelo A. Pérez, em artigo para o jornal Página/12, 20-05-2010, extraído de seu livro "¿Cómo se llega a ser heterosexual?". A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Eis o texto.
Como se chega a ser heterossexual? A pergunta já tenta aproximar a primeira ideia que, assim proposta, também pretende matar dois pássaros com um tiro. Primeiro disparo: a sexualidade do sujeito é contingente. Da mesma forma que o vínculo existente entre o significante e o significado; da mesma forma que a relação de contingência que a pulsão mantém com o objeto. Segundo tiro: chegamos a ser heterossexual.
Ambos os disparos incluem uma obviedade dedutiva: a sexualidade do sujeito é um ponto de chegada, não de partida. "Constrói-se" independentemente do sexo anatômico, e essa produção inclui os avatares da lógica fálica, do caso por caso. A essa fábrica, Freud chamou Édipo & Complexo de Castração, e sua matéria-prima pulsional é a linguagem. Ou, lalíngua, que Lacan descreve, como neologismo, em um só termo, essa forma particular de falar e que – parasitando o sujeito – lhe é transmitida por meio da estrutura de parentesco em cada caso.
A sexualidade assume existência a partir dessa linguagem-esburacada e é um conceito cultural que já não é possível confundir com a anatomia genital dos seres falantes. E se é cultural é o mesmo que se perguntar: como é possível que uma alta dama oriental se apaixone por um cavalheiro caucasiano baixinho? Ou como se chega a ser histérico em vez de psicótico?
Mas então, como? Uma resposta pontual pode ser esta: "falando", gerúndio que serve de caminho para que o sujeito chegue. Mas essa falação – "Seminário 22", Lacan –, longe de ser interpretada como um conjunto de códigos comuns para se entender mutuamente, nada mais é do que o representante do gozo sexual. Esse nó é problemático, porque o sujeito já não sabe o que diz quando fala, já que – repetimos – não se trata de "fazer-se entender", mas sim de gozar.
Estamos dizendo, pois, que existe algo chamado falo, que une o real – anatômico, sexual – com o significante. Essa contingência determinará a escolha sexual do objeto. Isto é, ser heterossexual é um acidente no marco da castração do sujeito.
Esse acidente de castração é elaborado em três etapas. E – a julgar pela clínica – se a neurose existe é porque sempre há acidentes, e a passagem do segundo tempo do Complexo para o terceiro – no qual o sujeito reconhece que o pai não é a lei, mas sim que a transmite – é muito mais problemático do que acreditávamos.
Mas, então, não nascemos heterossexuais? Não só não nascemos, como também nem que queiramos o somos. A sexualidade, como o corpo, nós a temos, adquirimos, conquistamos. Como dirá Lacan, "é um presente da linguagem". Em todo caso, já desde Freud sabemos que o inconsciente é homossexual desde o momento em que não há mais do que a inscrição de um único significante: o falo. A partir do narcisístico, o autoerotismo tem seu autorrecolhimento sobre o homossexual. A partir de Lacan, o sujeito está ancorado no "todo fálico". Essa posição implica que o inconsciente rejeite o Outro sexo. Segundo se lê no seminário "Ainda" – e isso está na base da axiomática "a relação sexual não existe" –, o gozo enquanto sexual é fálico. Isto é, não se relaciona com o Outro enquanto tal. E também podemos responder a partir da nossa práxis: o inconsciente repete o próprio real, base de todo sintoma: o homossexual também se encontra nele.
Escutamos hoje mais do que nunca certos pacientes (amantes da precisão científica) que se encontram duvidando da potencial escolha sexual de seus filhos. Principalmente porque, em muitos casos, eles mesmos já se divorciaram para viver com uma pessoa de seu próprio sexo. Quando se trata do inconsciente, não há maneira consciente de garantir um não-acidente no trajeto. Assim como não há método para definir um objeto único para a pulsão: se houvesse, estaríamos no campo da natureza e não do ser falante.
Sob uma sociedade muito mais tolerante e melhor informada – o que não é pouco –, podemos acompanhar nesses avatares lógicos o devir de cada experiência subjetiva para – mesmo que não responder sempre – pelo menos perguntar a partir de um lugar em que unam dois pássaros com um só laço: desejo e amor. Isto é, administrar o gozo de uma maneira mais produtiva.
Para ler mais:
• Revista IHU On-Line - Uniões homoafetivas. A luta pela cidadania civil e religiosa
• Revista IHU On-Line - Os desafios da diversidade sexual
• Portugal aprova o casamento gay três dias depois da visita do Papa
• Adoção por casais homossexuais
• Congresso argentino aprova casamento gay
• Casal homossexual pode adotar criança, decide STJ
• CNBB critica adoção de crianças por gays


(Inst. Humanitas Usininos)

'Vida Artificial'????

''Uma espécie de filha do computador que logo será útil ao homem''


"Essa é a primeira espécie viva no planeta Terra que tem um computador como pai", anuncia, orgulhoso, Craig Venter. Cientista e milionário. Personagem controversa e no centro de milhares de polêmicas. Mas dele não se pode dizer que jamais tenha se isentado de um debate público. Nesta quinta-feira, o pioneiro da "revolução da genética" pegou o microfone para responder às críticas, falando em uma coletiva de imprensa organizada pela revista Science.
A reportagem é de Elena Dusi, publicada no jornal La Repubblica, 21-05-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Eis a entrevista.
Acima de tudo, onde se encontra agora a bactéria artificial? Trata-se de um lugar protegido?
Encontra-se nos nossos laboratórios e está completamente sob controle. A bactéria que escolhemos pertence à espécie Mycoplasma mycoides e não tem nenhuma possibilidade de sobreviver sozinha. Ela precisa do rico coquetel de substâncias nutrientes que nós lhe fornecemos. Na natureza, ela coloniza alguns animais como as cabras. Mas se alguém fizesse com que cabras entrassem no laboratório, também não haveria nenhum risco de propagação, porque, ao sintetizar o DNA, eliminamos 14 genes que permitem que a bactéria se ligue ao animal que o hospeda.
Por que escolheram justamente essa bactéria?
Na verdade, havíamos começado com uma outra espécie, a Mycoplasma genitalium. Trata-se do ser vivo com o menor DNA existente, pelo menos entre aqueles conhecidos por nós. Ela nos ajudou a responder à pergunta: qual é o número mínimo de genes necessários para sustentar uma vida? Depois, porém, nos demos conta que o verdadeiro problema não era colocar os vários genes juntos. Éramos capazes de montar cromossomos até maiores do que o da genitalium. Mas não éramos capazes de ativá-los, ou seja, de fazer com que se desencadeasse aquele interruptor que transformava uma simples cadeia de elementos químicos em vida. Essa foi a maior dificuldade.
Quais instrumentos vocês usaram no laboratório?
Um software para analisar o genoma de partida e um aparelho para sintetizar o genoma artificial. Como só conseguíamos montar fragmentos muito pequenos de DNA, usamos uma célula de levedo para ligar todos os pedaços entre si. Extrair depois do levedo o produto final e inseri-lo na bactéria, evitando que o sistema de defesa destruísse o nosso cromossomo, foi um outro obstáculo nada pequeno.
Quais foram as outras etapas de aproximação ao resultado de hoje?
Em 2007, conseguimos transplantar o DNA de uma bactéria de uma espécia ao de uma outra. Retiramos o cromossomo de uma Mycoplasma mycoides e o transplantamos em uma Mycoplasma capricolum. Trata-se de duas espécies diferente em 10% dos seus genes, mais ou menos a distância entre um homem e um rato. Com o nosso experimento, conseguimos, pela primeira vez, converter uma espécie em outra. A capricolum se tornou mycoides porque havíamos modificado o seu genoma como se fosse o "sistema operativo" de um computador.
As suas experiências existem há 20 anos. Mas de agora em diante quanto tempo será preciso para criar outras formas de vida artificial?
Agora que aprendemos, para sintetizar um cromossomo de um ou de dois milhões de bases empregaríamos cerca de três ou quatro meses. Mas queremos ir além e passar das bactérias para as algas, que poderiam finalmente desenvolver funções úteis para o homem.
Para ler mais:
• Grupo nos EUA fabrica 1ª célula sintética
• Façanha de Venter suscita excesso de esperança e medo
• Um passo além de 'Jurassic Park'
• Craig Venter: o futuro e a vida artificial

(Inst. Humanitas Usininos)

Dilma e Serra empatam com 37% de intenção de votos » Opinião e Notícia

Dilma e Serra empatam com 37% de intenção de votos » Opinião e Notícia

Prefeitos da oposição discursam em favor de continuidade do governo Lula

.


Prefeitos do DEM, do PPS e do PSDB disseram na terça-feira, 18 de maio, em congresso de prefeitos em Brasília, ser a favor da continuidade do governo Lula e ressaltaram que nunca foram tratados de forma tão republicana como agora. A pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, participou do encontro e elogiou a coragem desses prefeitos.

O prefeito tucano de Itamonte (MG), Marcos Carvalho, disse que participava com muito orgulho do evento, porque havia sido respeitado pela primeira vez pelo governo federal. Ele prometeu trabalhar pela continuidade do governo Lula.

“Eu quero falar em nome de prefeitos de cidades pequenas, que pela primeira vez foram respeitados não como pontinho no mapa, mas como entes federativos, e respeitados pelo governo Lula. Não podemos voltar atrás. Infelizmente, não falo pelo meu partido, mas como cidadão. Quando cheguei aqui a Brasília nunca me perguntaram qual era meu partido. Sempre trouxe meus projetos e, desde que estivessem corretos, levávamos os recursos”, disse, ressaltando ser fã do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dilma disse que esses prefeitos da oposição mostravam coragem ao se posicionar mesmo a contragosto dos seus partidos. “Eu saúdo os prefeitos corajosos [da oposição], que como disse um deles honram a bandeira do Brasil, porque ela é que une todos nós em torno de uma causa”, discursou.

O prefeito de Jaguariúna (SP), Gustavo Lopes, do PPS, disse que não se importava com seu futuro partidário, apenas defendia o futuro dos brasileiros. “Eu não sei qual vai ser o meu futuro partidário, mas o meu compromisso é com o futuro do povo brasileiro. Eu seguirei aquela que foi indicada pelo presidente Lula para dar continuidade a esse trabalho que melhorou a vida de milhões de brasileiros.”

O prefeito de Sopé (PB), João Clemente, do DEM, também subiu ao palco para defender o modo republicano de governar de Lula. O ato político dos prefeitos reuniu mais de 1,1 administradores municipais em Brasília.

Boletim Eletrônico do Deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder do Governo na Câmara

________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

Agência Assaz Atroz

.

Minha Mãe é Assim Mesmo - Trailer

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Tiradentes

Sob o signo da meada
By
admin
Published: 21/04/2010Posted in: DestaquesTags: Brasil, História, lutas anticoloniais, religião, Tiradentes

Por Theotonio de Paiva*
A figura de Tiradentes carece de ser analisada sob um duplo aspecto simbólico. Primeiramente vale notar o seu significado de luta pertencente a uma determinada esfera política expressa sobremaneira na Conjuração Mineira. Ali reside o seu eixo central, pautado pela observância de uma compreensão de mundo, ancorada fortemente nos ideais iluministas e, consequentemente, numa decisão de se ver livre do jugo autocrático da coroa portuguesa. A partir do problema lançado pela derrama, criavam-se assim as condições de se pensar num projeto de nação.
No entanto, aquele mesmo projeto que o alferes terminaria por simbolizar estaria carregado de algumas contradições terríveis. Uma condição primeira se evidenciaria, em parte, numa motivação ingênua, distante das condições minimamente exequíveis de um empreendimento daquela ordem. Sabemos que a pulsão estabelecida pelo sonho não irá respeitar os limites impostos pelas adversidades. De qualquer maneira, havia um fosso descomunal entre o sentido proposto por aqueles ideais, que bem poderiam ser vistos como revolucionários, e as condições políticas materiais de sua execução.
Além do mais, a tragédia anunciada daquele sujeito que mais claramente estaria identificado à questão da libertação de um Brasil colonial, ganharia algumas condicionantes de profundas implicações. Na sua desmedida, iria “trabalhar para todos”. Mas o que lhe aconteceria pelos séculos sangraria de um sentido muito acima daquele vaticínio lançado, no qual assinalava de que “havia de armar uma meada tal, que em dez, vinte ou cem anos se não havia de desembaraçar”.
A distância de interesses entre os demais participantes, enfeixados numa elite intelectual e econômica, e o desbaratamento de Tiradentes em uma ação compulsiva, se revelaria, na leitura dos autos da devassa, como um préstito de natureza aparentemente insondável. Ao imputar para si a responsabilidade do movimento, o alferes abrevia a farsa montada pelo poder despótico. É nela em que se irá evidenciar aquela expressão simbólica.
Ao terem os demais a pena comutada, Joaquim José encarnaria a imagem trágica do bode expiatório naquele corredor da morte que o levaria da prisão até o cadafalso, no Largo do Rossio. As janelas das casas comungariam com a coroa portuguesa a encenação montada para servir de exemplo às gerações futuras. A casa demolida, o terreno salgado, o corpo esquartejado pelos cantos, a descendência excomungada, entoariam cânticos de louvor ao arbítrio, além de servirem pedagogicamente, na sua dimensão catártica, de um freio exemplar a qualquer rebeldia tresloucada contra o poder maior.
No entanto, a imagem de Tiradentes não ficaria reduzida apenas àquela emblemática ação do jugo português. Nela caberia uma construção igualmente perversa, nascida que fora nos intestinos de um outro poder autoritário, que se pretendia moderno, revolucionário. De fato, guardaria como uma das suas principais obras igualmente a expressão de uma ausência de liberdade. Ao plasmar a figura de Tiradentes ao mito cristão, com a barba longa enfeixando a túnica branca e a corda ao pescoço, o Estado Novo corrobora na criação de uma simbologia da reverência. Ao divinizá-lo, retoma para si aqueles procedimentos medievais adotados pela Igreja Católica e pelo Estado português: fazer coincidir mitos que escapavam ao seu controle a uma imagem cristã. Como sabemos, ao se apropriarem daquelas divindades pagãs, reinventavam uma feição marcadamente conservadora para as suas crenças. No caso da ditadura Vargas, se enalteceria o sacrifício, a dor, o sofrimento pungente. Afastava-se com extrema sabedoria da força que poderia ser testemunhada numa outra narrativa simbólica, cujo pendor claramente se identificava com a expressão dos oprimidos.
Mas curiosa é a história dos homens. Ao vislumbrar a possibilidade de se ater às fabulações futuras e amarrar o país a um projeto que escancarava os desmandos da coroa portuguesa e as velhacarias do poder republicano, solidamente constituído pela força, a figura de Tiradentes se prestaria a símbolo de uma condição diversa, muito mais vigorosa e de forte impacto nos corações e mentes. Em sua condição de um elemento visivelmente provocador poderia nos ajudar a compreender as diversas intenções apostas quando o povo se mobiliza a mudar o seu destino e as instâncias o enganam e o atemorizam a permanecer omisso.
——
* Theotonio de Paiva é dramaturgo e diretor de teatro. Doutor em Teoria Literária pela UFRJ. Recebeu Menção Honrosa nos Prêmios Literários da Cidade do Recife 2002, pelo trabalho sobre o teatro de Ariano Suassuna. Escreveu, em parceria com Paulo Afonso Grisolli, Luiz Carlos Maciel e Armênio Graça Fº, Tamen – A Inconfidência. Prêmio Mambembe, por Nicolau Grande & Nicolau Pequeno. Encenou O Romance do Pavão Misterioso, de José Camelo. Publicou Da desutilidade poética: um estudo acerca do Livro sobre nada, pela Revista Tempo Brasileiro. Atualmente trabalha como professor recém-doutor no Depto. de Ciência da Literatura da Faculdade de Letras da UFRJ. Mantém o blog Caderno ENSAiOS.

A imagem é uma seção de Tiradentes, de Cândido Portinari. O painel (3,09 x 17,67m) está no Memorial da América Latina
(Boletim do Le Monde)

Capitalismo III

El imperio manda, las colonias obedecen
Frei Betto - João Pedro Stédile (ALAI)

Luego de la Segunda Guerra Mundial, cuando las fuerzas aliadas salieron victoriosas, el gobierno de EE UU intentó sacar el máximo provecho de su victoria militar. Articuló la Asamblea de Naciones Unidas dirigida por un Consejo de Seguridad integrado por los siete países más poderosos, con poder de veto sobre las decisiones de los demás.


Impuso el dólar como moneda internacional, sometió a Europa al plan de subordinación económica conocido como Marshall, e instaló más de 300 bases militares en Europa y en Asia, cuyos gobiernos y mass media jamás levantan la voz contra esa intervención flagrante.
No se arrodilló el mundo entero a la Casa Blanca sólo porque existía la Unión Soviética para equilibrar la correlación de fuerzas. Contra esta última, los EE UU entablaron una guerra sin limitaciones, hasta derrotarla política, militar e ideológicamente.
A partir de la década de 90, el mundo quedó bajo hegemonía total del gobierno y del capital estadounidenses, que pasó a imponer sus decisiones a todos los gobiernos y pueblos, los cuales fueron tratados como vasallos coloniales.
Cuando todo parecía que estaba en calma en el imperio global, dominado por el Tío Sam, es que surgen las resistencias. En América Latina, además de Cuba, otros pueblos eligen gobiernos antiimperialistas. En Oriente Medio, los EE UU tuvieron que recurrir a las invasiones militares a fin de mantener el control sobre el petróleo, sacrificando miles de vidas de afganos, iraquíes, palestinos y paquistaníes.
En ese contexto, surge en Irán un gobierno decidido a no someterse a los intereses de EE UU. Dentro de su política de desarrollo nacional, instala centrales nucleares y eso es intolerable para el Imperio.
La Casa Blanca no acepta la democracia entre los pueblos, que significa que todos los países tengan derechos iguales. No acepta la soberanía nacional de otros pueblos. No admite que cada pueblo y su respectivo gobierno controlen sus recursos naturales.
Los EE UU transfirieron tecnología nuclear a Pakistán e Israel, que hoy poseen la bomba atómica. Pero no toleran el acceso de Irán a la tecnología nuclear, incluso con fines pacíficos. ¿Por qué? ¿De dónde derivan tales poderes imperiales? ¿De alguna convención internacional? No, sólo de su prepotencia militar.
En Israel, hace más de veinte años, Moshai Vanunu, que trabajaba en la central atómica, preocupado con la inseguridad que eso representaba para toda la región, denunció que el gobierno ya tenía la bomba. Resultado: fue secuestrado y condenado a prisión perpetua, conmutada a 20 años, después de una gran presión internacional. Hasta hoy vive en arresto domiciliario, prohibido de contactar con cualquier extranjero.
Todos estamos contra el armamentismo y las bases militares extranjeras en nuestros países. Somos contrarios al uso de la energía nuclear, debido a los altos riesgos, y al uso abusivo de enormes recursos económicos en gastos militares.
El gobierno de Irán osa defender su soberanía. El gobierno usamericano no invadió militarmente a Irán sólo porque éste tiene 60 millones de habitantes, es una potencia petrolífera y posee un gobierno nacionalista. Las condiciones son muy diferentes al del atolladero llamado Irak.
Felizmente, la diplomacia brasileña y de otros gobiernos se involucró en la contienda. Esperamos que sean respetados los derechos de Irán, como de cualquier otro país, sin amenazas militares.
Nos queda abogar para que aumenten las campañas, en todo el mundo, por el desarme militar y nuclear. Ojalá cuanto antes se destinen los recursos destinados a gastos militares para solucionar problemas como el hambre, que afecta a más de mil millones de personas.
Los movimientos sociales, ambientalistas, iglesias y entidades internacionales se reunieron recientemente en Cochabamba, en una conferencia ecológica mundial, convocada por el presidente Evo Morales. Se decidió preparar un plebiscito mundial, en abril de 2011. Las personas serán convocadas a reflexionar y votar si están de acuerdo con la existencia de bases militares extranjeras en sus países; con los excesivos gastos militares y con el hecho de que los países del Hemisferio Sur continúen pagando la cuenta de las agresiones al medio ambiente practicadas por las industrias contaminadoras del Norte.
La lucha será larga, pero en esa semana podemos celebrar una pequeña victoria antiimperialista.

- Frei Betto es escritor.
- João Pedro Stédile integra la dirección de la Vía Campesina.

Haga click aquí para recibir gratis Argenpress en su correo electrónico.

Capitalismo II

“O capitalismo não é eterno”


“O capitalismo não é uma realidade eterna, necessária e quase natural onde a condição humana se realiza em seu último degrau. Pelo contrário, trata-se, uma vez mais, de afirmar seu caráter contingente e, portanto, o advento sempre possível de outra maneira de ser com os outros, diferente daquela que se conhece no capitalismo”, escreve o psicanalista Jorge Alemán.
Jorge Alemán é membro da Escola Lacaniana de Psicanálise, professor do Novo Centro de Estudos de Psicanálise (Nucep), associado ao Instituto do Campo Freudiano, membro do Centro Descartes de Buenos Aires e membro de Cruce, Fundação de arte e Pensamento de Madri.
O texto que segue é um fragmento de uma exposição feita no Seminário Atlântico de Pensamento, evento que acontece desde 2005 em Las Palmas de Gran Canaria, na Espanha, e publicado no jornal argentino Página/12, 13-05-2010. A tradução é do Cepat.
Eis o texto.
O que significa ser de esquerda, quando se aceitam razões como a de que a divisão do sujeito é insolúvel, que o mais de gozo não é cancelável historicamente por nenhuma dialética de superação, que o trabalho de repetição da pulsão de morte perfura os espelhismos de progresso de qualquer civilização, que a política e o discurso do Senhor mantêm a vontade de que as coisas andem, que a Revolução é o retorno do mesmo ao mesmo lugar e, às vezes, com consequências mais mortíferas, que a singularidade do gozo e do desejo não é subsumível no “para todos o mesmo” da coisa política? Poderia seguir acrescentando razões, a partir de diferentes lugares da obra de Freud, do ensino de Jacques Lacan e da orientação de Jacques-Alain Miller, que mostram como os chamados fundamentos da esquerda ficam perfurados em seu solo ontológico mais seguro quando confrontados com a lógica do discurso analítico.
Talvez estas razões estejam na origem do afastamento de muitos lacanianos dos caminhos traçados historicamente pela esquerda. Muitos colegas construíram uma sabedoria cética em matéria política, ou um conservadorismo lúcido, ou uma leitura irônica e em diagonal. Ouço, respeito e aprendo disso, mas minha posição é que se pode, com o ensino de Lacan:
- Primeiro, dar conta da derrota da esquerda em escala mundial a partir dos anos 1970, indagá-la na fantasmática que, inclusive depois que a derrota se consumou, a dominava.
- Segundo, oferecer ao marxismo um lugar para travar a sua luta, tendo em conta que o lugar onde verdadeiramente se faz a luta é fora de casa: a única teoria materialista que, no século XXI, continua se propondo pensar uma prática que opere sobre o real impossível, é o ensino de Lacan.
- Terceiro, estes propósitos se sustentam sem nenhum fundamento: Lacan não pode ser um novo fundamento para a esquerda; é sua “desfundamentação”, a demonstração de que só a causa ausente é realmente operativa; trata-se de uma aposta sem Outro e sem garantias. Não obstante, esta aposta considera que o capitalismo, apesar de seu movimento circular e sem corte, mesmo que não se possa deduzir o lugar de sua saída e não se possa nomear o âmbito onde seja factível essa saída, mesmo que não se disponha do nome daquilo que vem depois, mesmo que não exista nenhum ponto no qual se possa designar em que consiste uma luta anticapitalista, mesmo assim o capitalismo não é uma realidade eterna, necessária e quase natural onde a condição humana se realiza em seu último degrau. Pelo contrário, trata-se, uma vez mais, de afirmar seu caráter contingente e, portanto, o advento sempre possível de outra maneira de ser com os outros, diferente daquela que se conhece no capitalismo.
- Por último, gostaria de lembrar que ser de esquerda é considerar que a exploração da força de trabalho realizada na forma de mercadoria é um insulto à diferença absoluta. Uma coisa é aceitar a inquietante homologia entre o mais de gozar e a mais-valia e outra é aceitar a exploração como se fosse em si mesma um traço a mais da condição humana e, na atualidade, a um passo de ser “fundamentada” por alguma disposição cerebral. A hierarquia do mercado não é a diferença, mas sua tergiversação numérica e equivalencial.
Para ler mais:
• O espectro do marxismo
• A ética da psicanálise: Lacan estaria justificado em dizer “não cedas de teu desejo”?
• O Outro, o ódio, a linguagem e a violência. Entrevista especial com Jean-Pierre Lebrun
• O direito ao gozo e a violência. Entrevista especial com Mario Fleig
• A função do pai, hoje. Uma leitura de Lacan



Eventos relacionados a esta notícia



Simpósio Internacional Uma sociedade pós-humana? Possibilidades e limites das nanotecnologias
Data: 26/5/2008 a 29/5/2008
Local: Anfiteatro Pe. Werner - Unisinos




Palestra Conversando com Lupicínio
Data: 22/4/2008 a 22/4/2008
Local: Sala 1G119, junto ao Instituto Humanitas Unisinos- IHU



Publicações relacionadas a esta notícia




Resilência. Elo e sentido



A função do pai, hoje. Uma leitura de Lacan



Morte. Resiliência e fé


(Inst. Humanitas Usininos)

Capitalismo

SAIBA O QUE É O CAPITALISMO - Artigo do Sociólogo Atílio BorónSexta-feira, 21 de Maio de 2010 13:06De: "SANDRA CABRAL DA CONCEIÇÃO" Exibir informações de contatoPara: destinatários-ocultos
Repassando... Achei o artigo excelente!

Beijos..






SAIBA O QUE É O CAPITALISMO
Atílio Borón*



O capitalismo tem legiões de apologistas. Muitos o fazem de boa fé, produto de sua ignorância e pelo fato como dizia Marx, “o sistema é opaco e sua natureza exploradora e predatória não fica evidente, perante os olhos de homens e mulheres do mundo” Outros o defendem porque são seus grandes beneficiários e arregimentam enormes fortunas graças a suas injustiças e iniqüidades. Há também outros (gurus, financistas, opinólogos, jornalistas especializados, acadêmicos bem pensantes e diversos representantes do pensamento único) que conhecem perfeitamente o que o sistema impõe em termos de custos sociais, degradação humana e do meio ambiente, mas como estão muito bem remunerados procuram omitir essas questões em seus relatos. Eles sabem muito bem, que a “batalha de idéias” que foi convocada por Fidel Castro é algo que pode ser perigoso para as ideologias que no intimo defendem e por isso não se empenham em denunciar as mazelas do capitalismo.



Para contraditar a proliferação de versões idílicas sobre o capitalismo e de sua capacidade de promover o bem estar geral examinemos alguns dados obtidos de documentos oficiais das ONU. Eles são sumamente didáticos quando se lê, principalmente em relação à crise atual – indicando que a solução dos problemas do capitalismo se obtém com mais capitalismo; ou que o G20, o FMI, a OMC e o BIRD, arrependidos dos erros do passado – irão efetivamente resolver os grandes problemas que afetam a humanidade. Todas essas instituições são incorrigíveis e irreformáveis e qualquer esperança de mudanças em seus comportamentos não é nada mais do que pura ilusão. Seguem propondo o mesmo, somente que o discurso é diferente e adotando uma estratégia de “relações públicas” desenhada para ocultar suas verdadeiras intenções. Quem tenha dúvidas que constate o que estão propondo para “solucionar” a crise na Grécia: as mesmas receitas que aplicaram e seguem aplicando na América Latina e África desde os anos oitenta do século passado.



Em continuação, podemos citar alguns dados com suas respectivas fontes recentemente sistematizados pelo Programa Internacional de Estudos Comparativos sobre a Pobreza localizado na Universidade de Bergen, Noruega, que fez um grande esforço para, desde uma perspectiva crítica, combater o discurso oficial sobre a pobreza elaborado desde mais de trinta anos pelo Banco Mundial e reproduzido incansavelmente pelos meios de comunicação, autoridades governamentais, acadêmicos e “especialistas” variados.

População mundial: 6,8 bilhões de habitantes em 2009.

1,02 bilhão de pessoas são desnutridos crônicos (FAO,2009);

2 bilhões de pessoas não tem acesso a medicamentos (www.fic.nih.gov);

884 milhões de pessoas não têm acesso à água potável (OMS/UNICEF 2008);

925 milhões de pessoas são “sem teto” ou residem em moradias precárias (ONU Habitat 2003);

1,6 bilhões de pessoas não tem acesso à energia elétrica (ONU Habitat, Urban Energy);

2,5 bilhões de pessoas não são beneficiados por sistemas de saneamento, drenagens ou privadas domiciliares (OMS/UNICEF 2008);

774 milhões de adultos são analfabetos ( www.uis.unesco.org );

18 milhões de mortes por ano devido à pobreza, a maioria de crianças menores do que cinco anos de idade (OMS);

218 milhões de crianças entre 5 e 17 anos de idade, trabalham em condições de escravidão com tarefas perigosas ou humilhantes, como soldados da ativa atuando em guerras e/ou conflitos civis, na prostituição infantil, como serventes, em trabalhos insalubres na agricultura, na construção civil ou industria têxtil (OIT: “La eliminación Del trabajo infantil, un objetivo a nuestro alcance” 2006);

Entre 1988 e 2002, os 25% mais pobres da população mundial reduziram sua participação no produto interno bruto mundial (PIB mundial) de 1,16% para 0,92%; enquanto os opulentos 10% mais ricos acrescentaram fortunas em seus bens pessoais passando a dispor de 64% para 71,1% da riqueza mundial. O enriquecimento de uns poucos tem como seu reverso o empobrecimento de muitos;

Somente esses 6,4% de aumento da riqueza dos mais ricos seriam suficientes para duplicar a renda de 70% da população mundial, salvando muitas vidas e reduzindo os sofrimentos dos mais pobres. Entendam bem: tal coisa somente seria obtida se houvesse possibilidade de redistribuir o enriquecimento adicional produzido entre 1988 e 2002 dos 10% mais ricos da população mundial, deixando ainda intactas suas exorbitantes fortunas. Mas nem isso passa a ser aceitável pelas classes dominantes do capitalismo mundial.



CONCLUSÃO



Não se pode combater a pobreza (nem erradicá-la) adotando-se medidas capitalistas. Isso porque o sistema obedece a uma lógica implacável centrada na obtenção do lucro, o que concentra a riqueza e aumenta incessantemente a pobreza e as desigualdades sócio-econômicas a nível mundial.



Depois de cinco séculos de existência é isto e somente isto que o capitalismo tem para oferecer ao mundo! Que esperamos então para mudar o sistema? Se a humanidade tem futuro, esse será claramente socialista! Com o capitalismo, não haverá futuro para ninguém! Nem para os ricos, nem para os pobres! A sentença de Friedrich Engels e também de Rosa Luxemburg: “socialismo ou barbárie” é hoje mais atual do que nunca. Nenhuma sociedade sobrevive quando seu impulso vital reside na busca incessante do lucro e seu motor é a ganância, a usura. Mais cedo ou mais tarde provocará a desintegração da vida social, a destruição do meio ambiente, a decadência política e a crise moral. Todavia estamos ainda em tempo para reverter esse quadro – então vamos à luta!



*Atilio Borón, doutor em Ciência Política pela Harvard University, é professor titular de Filosofia Política da Universidade de Buenos Aires, Argentina, e ex-secretário-executivo do Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO))).

http://www.atiliobo ron.com

Tradução: Jacob David Blinder

ACORDO COM IRÃ FAZ EUA INTENSIFICAR CAMPANHA DE SERRA – OBAMA QUER BRASIL DE QUATRO

.



Laerte Braga

Uma das decisões dos executivos da empresa EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A, sucessora da SPECTRE, pegos de surpresa com o acordo firmado entre o Brasil, o Irã e a Turquia, é a de intensificar a campanha eleitoral do candidato José Arruda Serra, um dos mais qualificados funcionários da empresa em nosso País.

Nesse sentido, já como pontapé inicial, no próximo final de semana o INSTITUTO DATA FOLHA deve divulgar pesquisa montada para contrapor-se a de outro Instituto o VOX POPULI, que coloca a candidata do presidente Lula, Dilma Roussef à frente do agente José Arruda Serra. Em seguida, o mesmo deve ser feito pelo antigo IBOPE, hoje GLOBOPE.

A pesquisa em si é só uma reação ao impacto da virada de Dilma e dos riscos que isso representa para os “negócios” da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A. Chantagem, terrorismo, extorsão e vingança.

A importância do Brasil que se limitava à América Latina, desde a posse do atual presidente Luís Inácio Lula da Silva expandiu-se e hoje o País exerce destacada liderança junto a nações independentes do bloco comandado por Washington. O acordo firmado pelo Brasil e a Turquia com o Irã foi a gota d’água para os executivos da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

Por esse motivo empresas associadas e parte do grupo começaram a agir no Brasil onde detêm o controle da chamada grande mídia (GLOBO, VEJA, ÉPOCA, FOLHA DE SÃO PAULO, RBS e veículos regionais) e essa ação será ampliada em várias frentes. Desmoralizar e desqualificar a candidata Dilma Roussef. Aumentar os níveis de tensão artificialmente no campo, visando assustar a população das chamadas cidades grandes e de porte médio, notadamente a classe média. Cobrar via chantagens a posição de políticos e empresários brasileiros subordinados aos interesses da grande empresa – grande irmão se preferirem.

Provocar pronunciamentos de chefes militares comandados a partir de Washington com os velhos receituários de perigo comunista, terrorismo, etc., a mentira repetida à exaustão até parecer verdade (como no caso das armas químicas e biológicas para justificar o assalto ao Iraque), todo o arsenal, que, costumeira e historicamente tem sido usado pela EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A para alcançar seus objetivos básicos.

No caso específico, o Brasil de quatro e o ministro das Relações Exteriores sem sapatos – como aconteceu no governo de FHC –, os memorandos emitidos em Washington rigorosamente cumpridos e dane-se o resto, vale dizer, o povo brasileiro.

A idéia de paz transformada em realidade possível no acordo Brasil, Irã e Turquia, era só uma jogada de Washington, para chegar às sanções contra o Irã e ao final à guerra, um dos principais “negócios” do complexo de organizações criminosas que detêm o controle acionário da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

O presidente Lula disse hoje a jornalistas que não fez outra coisa a não ser o que o Conselho de Segurança da ONU desejava e outros não conseguiram – “levar o Irã à mesa de negociações” –. E foi mais além:

“TEM GENTE QUE NÃO SABE FAZER POLÍTICA SE NÃO TIVER INIMIGO E EU FAÇO POLÍTICA FAZENDO AMIGOS”


Temerosos que o Brasil persista em sua postura independente, não se submetendo ao controle de Washington, a empresa Chlopak, Leonard, Schecther y Associados (CLSA), com sede na capital norte-americana, foi acionada pelos principais executivos da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A para assumir a campanha de José Arruda Serra. Obama supunha que Lula seria vítima da armadilha que o Departamento de Estado colocou diante do brasileiro. Obter um acordo com o Irã.

Como Lula conseguiu, e esse acordo era a última coisa que os EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A queriam, a saída é desqualificar o acordo, arrostar falta de confiança no Irã e em todo esse processo acionar os veículos de comunicação no Brasil sob controle da empresa para buscar eleger José Arruda Serra de qualquer forma.

A empresa é braço da CIA – AGÊNCIA CENTRAL DE INTELIGÊNCIA DOS EUA – e teve atuação recente no golpe de Honduras. Todo o noticiário dirigido a jornais, rádios, tevês e revistas favoráveis ao golpe que derrubou o presidente constitucional do país Manuel Zelaya era produzido pela CLSA e distribuído, entre outros, para GLOBO, FOLHA DE SÃO PAULO, VEJA, etc.

Seu papel é exatamente esse. Passando-se por uma agência de relações públicas atua em países latino-americanos criando fatos, distorcendo realidades, gerando versões, assessorando políticos cooptados (caso de José Arruda Serra, dos braços PSDB, PPS, DEM e outros) e o principal fator, ou um dos principais, criar o temor de ditadura militar através de generais e oficiais superiores das três forças subordinados a EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A, no caso do Brasil, a maioria da oficialidade, tal e qual em 1964.

Por trás da rejeição de Obama ao acordo e da proposta de sanções contra o Irã, dois aspectos saltam aos olhos de imediato. O primeiro deles o fato da empresa sucessora do SPECTRE (terrorismo, chantagem, vingança e extorsão), ter deixado de ser o eixo uma negociação de suma importância, levando-se e conta que o plano básico implica nas sanções e em uma seguida ação militar contra o Irã. O acordo frustra esse objetivo e pela primeira vez nos últimos anos tira um dos mais importantes acionistas da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A do centro dos acontecimentos.

Segundo, coloca o Brasil em posição de negociador privilegiado no mundo de hoje e abre perspectivas para que a liderança regional do País (América Latina) venha a se transformar, com a eventual eleição de Dilma, num bloco econômico capaz de contrapor-se às duas maiores forças atuais. A EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A e a COMUNIDADE EUROPÉIA, ampliando essa força regional dando-lhe, como agora na obtenção do acordo com o Irã, peso mundial.

É literalmente jogar o Brasil para escanteio. E não foram outras as razões que fizeram o funcionário da empresa e candidato presidencial José Arruda Serra a fazer pesadas declarações contra o MERCOSUL em visita a Porto Alegre. Países que têm estreitas relações com os integrantes do MERCOSUL, caso de Espanha e Portugal, já manifestaram seu repúdio às posições de Arruda Serra.

O embate que se trava na ONU em torno de sanções contra o Irã em seguida ao acordo firmado pelo Brasil, Turquia e o próprio Irã, se estende ao Brasil e, nesse contexto, domar um País que ganha força de potência mundial é fundamental para a EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A. José Arruda Serra, como foi FHC, é o homem deles.

Aos brasileiros vai caber decidir se preferem continuar como tal, ou se caem de quatro e passam a grafar o nome do país com Z – BRAZIL –. Da mesma forma que o Irã, o Iraque, somos detentores de grandes reservas de petróleo. A fome do império terrorista de EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A não tem limites. E nem escrúpulos.

E muito menos os que servem a ele.

Uma das operações costumeiras da empresa destacada para viabilizar a campanha eleitoral de José Arruda Serra é o tráfico de urânio através dos barões da droga. O fato foi denunciado pelo jornal norte-americano THE WASHINGTON POST, isso em 2006.

O slogan “nós podemos mais” repete o de Obama, “Yes, we cant” – sim, nós podemos” – e foi montado pelos vários departamentos da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A, dentre eles a empresa CLSA.

O que está em jogo é muito mais que o tratado obtido pelo presidente Lula e pelo primeiro-ministro turco. O que está em jogo é o Brasil.

Somos uma nação soberana e independente, ou somos um apêndice da EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

____________________

Laerte Braga é jornalista. Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

Agência Assaz Atroz

.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

HERR EINSTEIN NO BRASIL

.


Urariano Mota

Como a luz de uma estrela que vemos agora, assim nos atinge a visita de Einstein ao Brasil, em maio de 1925.

Na chegada do gênio ao porto do Rio de Janeiro, só não lhe tocaram Cidade Maravilhosa porque a canção ainda não existia. Mas as fotos mostram o cientista em um mar de curiosos, como se fosse um astro de cinema. Se tivesse tempo para refletir, certamente diria o que certa vez se disse Borges, ao ser cumprimentado por muitas pessoas nas ruas de Buenos Aires: “eles acenam para um homem que pensam que sou eu”.

Mal chegou ao Hotel Glória, saiu para visitar o Presidente da República e dar três conferências, no Clube de Engenharia, na Escola Politécnica e na Academia Brasileira de Ciências, sempre cercado de doutores, mas nenhum físico, inexistente no Brasil daquele tempo. Os doutores eram médicos, advogados, políticos, militares, embaixadores e alguns engenheiros. Todos muito bem situados, ricos ou de prestígio. Eram os doutores clássicos do Brasil: donos de uma posição social, e que por isso mereciam o tratamento honroso, como o Doutor Roberto Marinho. O resultado foi o que se viu.

Na primeira palestra, no Clube de Engenharia, o salão ficou completa e absolutamente lotado. Políticos, graduados oficiais das três forças armadas, altos funcionários, engenheiros, esposas e filhinhos, todos muito unidos na mais absoluta ignorância do que vinha a ser aquele indivíduo estranho e suas idéias malucas. Com a vantagem, que os deixava ainda mais unidos, de não entenderem uma só palavra da língua alemã. Ou até mesmo de outra língua, diga-se, que não fosse o português falado na intimidade de suas casas. O que importava era ver o homem famoso em ação.

A isso anotou Einstein em seu diário: “Às 4 horas, primeira conferência no Clube de Engenharia, numa sala superlotada, com ruído da rua, as janelas abertas. Não tinha nenhuma acústica para que me entendessem. Pouco científico”

No dia seguinte, ele foi à Academia Brasileira de Ciências. Ali foi homenageado em uma sessão que se anunciou como a maior já feita para o maior cientista de todos os tempos. Se alguma dúvida ele possuía que estivesse no Brasil, os acadêmicos trataram de tirá-la, porque o fizeram ouvir longos, vazios e verbosos discursos.

Então chegou a vez do homenageado, a estrela maior que viera de outra galáxia. Pelo andar da carruagem, todos esperavam que o homenageado fizesse um discurso mais alto e vibrante que os precedentes, porque tais sessões sempre atingem um ápice, um paroxismo. Que Einstein babasse, ou mesmo caísse em um ataque fulminante, seria normal. Mas o cientista mais uma vez decepcionou. Em mau francês passou a falar, baixinho, sobre a situação da natureza da luz em 1925. Os acadêmicos se entreolhavam, frustrados, mas sorriam a seus pares, todos muito sábios e senhores das equações de Max Planck. Mais uma vez, a plateia composta de políticos, jornalistas e doutores aplaudiu.

Eis que chega o melhor dia, a terceira palestra. Acreditem, porque nada é mais rico que a própria realidade. Um dos físicos presentes foi o jurista Pontes de Miranda. Sim, o jurista, que a falar em alemão desafiou Einstein, para maior fascínio dos pares:

– Data venia, Herr Einstein, a Teoria da Relatividade não considerou as implicações metafísicas das hipóteses que aventa. Das ciências físicas até as ciências jurídicas a diferença, saiba, é de grau. A Física mantém um pacto com o mundo da sociedade também, e é pacto que tira e põe, mas não deixa intacto o que estava...

O cientista sorria e mantinha silêncio. Quando acabou o discurso do jurista, a contestação à Teoria da Relatividade naquele tribunal, o físico se levantou, e como a se despedir entregou a um dos acadêmicos um papel onde se lia:

"Die Frage, die meinen Kopf entsprang, hat Brasilien sonniger Himmel beantwortet” (“A questão, que minha mente formulou, foi respondida pelo radiante céu do Brasil.”)

Era uma referência ao eclipse do Sol, observado em Sobral, no nordeste brasileiro, que em 1919 comprovara a previsão do cientista quanto à deflexão da luz pelo campo gravitacional do Sol. Pontes de Miranda pensou que Einstein escrevera a frase pra ele. Pois radiante era o céu lá fora, e o Rio de Janeiro continuava lindo.
_____________________________

Urariano Mota, escritor e jornalista, autor de “Soledad no Recife” (Boitempo – 2009) seu último romance, indicado como um possível livro do ano pelo conceituado site Nova Cultura, elaborado e administrado na Alemanha, com os destaques literários da CPLP - Comunidade de Países de Língua Portuguesa. É colunista do site Direto da Redação, edita o blog SAPOTI DE JAPARANDUBA

Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz


Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

Agência Assaz Atroz

.

BBC: DUMPING E CONCORRÊNCIA DESLEAL

.
Rui Martins*

A grande imprensa brasileira se beneficia com a prática do dumping e concorrência desleal da BBC Brasil.

Berna (Suiça) - É uma questão de raciocínio simples. Vejam bem, a grande imprensa brasileira é contra o estatismo, e mais ainda no ramo da mídia. Basta se lembrar dos protestos pela criação da TV Brasil.

Porém, isso não impede que usem e abusem do material de imprensa, áudio e escrito, de uma empresa estatal estrangeira, se podem economizar com isso. Não, não se trata da Agência Nova China, nem do serviço brasileiro do Pravda russo. Nossos amigos da CBN, do Estadão, da Folha online e outros mais, adoram os informativos, reportagens, notícias, entrevistas do Foreign Office londrino.

E é verdade, a qualidade do material informativo que nos é enviado pelos ingleses é bem superior à média da mídia brasileira, além de serem noticiários postados com rapidez, já traduzidos e geralmente na frente das agências France Presse ou EFE.

Vocês, ardorosos utilizadores, já perceberam que estou falando da BBC Brasil. A favor da BBC (a da velha ilha inglesa, como dizia o disquinho Subdesenvolvido do Centro de Cultura Popular, da época das Reformas de Base e de Jango-Brizola) existe aquela figura antológica dos noticiários da Segunda Guerra Mundial, o Iberê da BBC. E, embora não ouvisse, por já viver fora do Brasil, os noticiários não censurados do tempo da nossa ditadura militar.

Já houve quem quisesse fechar a BBC, única coisa que restou do império da rainha Vitória, no qual o Sol nunca se deitava. Hoje existe o Commonwealth, mas já não é a mesma coisa. Se não me engano foi Margareth Tatcher que impôs um regime na BBC, mas pode ter sido um primeiro-ministro anterior. Em suma, o Sol continua não se pondo no imperial reinado da BBC.

E todos os anos, o Parlamento inglês renova o orçamento da maior cadeia de mídia estatal do mundo, maior que a Voz da América e já nem se fala mais da Rádio Moscou, que começava suas transmissões não com a Internacional mas com o hino soviético.

E por que será que, durante 24 horas por dia, speakers, redatores se revezam para fornecer em áudio ou nos portais de idiomas diferentes as últimas notícias? Será pelo amor dos nossos filhinhos? Claro que não, faz parte da manutenção do prestígio da marca inglesa em todo o mundo, como foi importante na luta do chamado Mundo Livre contra a Cortina de Ferro. É informação, mas tem política e propaganda no meio.

Tudo bem, há países ricos com menor ambição, cujas transmissões se destinam principalmente aos seus emigrantes, para não perderem o contato, a cultura com seu país de origem, como parece ser o caso da isolada Suíça, que, depois de acabar com seu serviço de ondas-curtas, pensa agora em fechar a versão Internet, o Swissinfo.

Mas o que há de errado na BBC? – já deve estar perguntando um indignado ouvinte das reportagens rebroadcastingadas pela CBN, Eldorado ou outras tantas, espalhadas pelo Brasil – . Um sucesso muito maior do obtido pelos americanos que, logo depois da Guerra, em plena guerra-fria, distribuíam, junto com o leite em pó, os comentários de Al Netto (deve ser com certeza com dois tês).

Acho que foi, em 2000, que pedi ao Benê da CBN, depois de um de meus boletins, que entidade reunia, em termos de categoria profissional, os jornalistas. E ele, sempre bem informado, me disse: “A Fenaj”. E por que cargas d´água esse meu interesse? Porque foi por ali que começou a se criar a atual Rede BBC Brasil e porque comecei a me preocupar pelos jovens jornalistas que iriam nos suceder, a mim e meus colegas correspondentes, nessa ingrata mas maravilhosa profissão.

Era o começo do rebroadcasting, ou seja, uma rádio fabrica no seu estúdio um áudio e manda de graça, ali na bandeja, para rádios locais utilizarem. A idéia do rebroadcasting era, no princípio, bem samaritana: levar programas de rádio instrutivos e educativos às pequenas comunidades. E, antes da revolução da Internet, fazia-se isso com fitas gravadas (que as rádios acabavam usando para gravar outros programas), elepês ou cassetes, ou a rádio beneficiada com os programas gravava o som transmitido por ondas-curtas ou recebia por telefone.

O rebroadcasting samaritano não tem nada de mal, e pode até ser equiparado aos esforços de uma Unicef para levar a cultura e orientação sanitária aos pequenos povoados e vilarejos. Atualmente, há muito rebroadcasting para a África, onde numerosos países vivem ainda na miséria. Porém, algumas rádios mais sensatas preferem juntar ao rebroadcasting a formação de jornalistas locais em cursos no próprio país ou no exterior, para não serem chamadas de neocolonialistas.

Onde é que o rebroadcasting é ruim? Quando o material da rádio estrangeira, preparado no nosso idioma, não se destina à Rádio de Catacoquinho ou de Judas Perdeu as Botas, mas para as rádios comerciais, para os portais diversos de grande frequência e com bastante publicidade.

Se uma rádio estrangeira, financiada pelo dinheiro público do seu país, portanto uma potência com a qual não se pode competir, começa a fornecer seu material áudio e mesmo escrito para rádios comerciais e para jornais brasileiros de grande tiragem, cria-se uma situação estranha.

Américo Martins, comentando em 2002 o fornecimento de material da sua BBC para a CBN, falava na criação de uma parceria, ou troca de informações. Só que não se vê no portal da BBC o material brasileiro fornecido pela CBN, mesmo porque é a BBC quem tem a maior e melhor rede de informação.

Trata-se, portanto, de uma parceria unilateral, que satisfaz a BBC por lhe dar grande visibilidade junto ao público brasileiro. Nada a ver com a época em que os jornalistas e radialistas do serviço brasileiro de ondas-curtas da BBC, com encontro marcado no dial e com hora certa, sentiam-se como se falassem apenas aos seus familiares. Uma época da qual, Ivan Lessa, o decano desse enorme polvo da informação, deve se lembrar.

A descoberta do rebroadcasting conjugado com o contrato jurídico da parceria permitiram o fornecimento de material jornalístico gratuito, sem causar desconfianças. Entretanto, o sucesso dessa fórmula mostrou a ocorrência de dois vícios de procedimento em termos de mercado e de trabalho – o dumping e a concorrência desleal.

O dumping é o fornecimento de um produto ou serviço por preço abaixo do normal ou abaixo do custo, gerando a concorrência desleal, pois o concorrente não tem condições para competir. Dumping por empresa estrangeira é o fornecimento de um produto ou serviço por preço sem concorrência.

No caso da BBC, as parcerias incluem empresas comerciais de mídia (nada samaritanas) com a tevê Bandeirantes; rádios CBN e Rádio Globo (não vi Eldorado na lista mas era uma antiga parceira) e numerosos portais e serviços Internet como Folha online, Globo online, Terra, UOL, Estadão online, Correio Braziliense online, Paraná online.

Embora empresas representativas da grande mídia brasileira, seus diretores não se acanham com essas parcerias. Mariza Tavares explica, numa entrevista ao Observatório da Imprensa que, por economia, deixou de ter correspondente na Europa e optou pela parceria com a BBC.

E aí está o problema – o dumping e a concorrência desleal da BBC matam no ovo a possibilidade dos nossos jovens estudantes de jornalismo serem correspondentes de jornais, revistas e rádios brasileiros. Além disso, mesmo se o material fornecido é considerado bom, ocorre uma padronização por não se favorecer mais a diversidade informativa. Ainda nos anos 90, as revistas, jornais e rádios brasileiros tinham correspondentes, hoje pode haver um ou outro, mas não fixos com salário mensal, e sim frilas, ganhando por matéria. Aos jovens jornalistas só resta a possibilidade de uma carreira no Exterior, se trabalharem para a BBC e, provavelmente, como frilas.

Aqui entra a Fenaj, Federação Nacional de Jornalistas. A prática de dumping e concorrência desleal no comércio mundial pode ser denunciada, em Genebra, na OMC, desde que apresentada por um órgão da categoria e isso também inclui os sindicatos estaduais de jornalistas. A Fenaj parece disposta a topar essa parada e se houver sindicatos solidários, é só enviar o contato. Queixa de categoria profissional pode também ser apresentada, contra dumping e concorrência desleal, junto à Organização Internacional do Trabalho.

Além disso, o Brasil começa a se tornar uma grande potência e está na hora de ter um jornalismo realmente nacional e independente. Já bastam os estragos causados pela Time-Life na nossa imprensa escrita.

_________________________

Nota Assaz Atroz: Ivan Lessa, jornalista brasileiro, cronista da BBC, é autor desta frase generalizante: “O brasileiro tem os dois pés no chão, e as duas mãos também”.

_________________________

Para Rui Martins, o governo brasileiro deveria criar uma nova política de emigração a exemplo de Portugal, França, Itália e mesmo México e Equador.

Leia mais em...


http://www.francophones-de-berne.ch/




http://www.estadodoemigrante.org/

*Ex-correspondente do Estadão e da CBN, após exílio na França. Autor do livro “O Dinheiro Sujo da Corrupção”, criou os Brasileirinhos Apátridas e propõe o Estado dos Emigrantes. Vive na Suíça, colabora com os jornais portugueses Público e Expresso, é colunista do site Direto da Redação. Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

Agência Assaz Atroz
.

As prisões secretas da CIA

As prisões secretas da CIA

Apesar das leis internacionais de proteção dos direitos humanos, as prisões secretas seguem sendo utilizadas em nome da luta contra o terrorismo em todo o mundo.
A guerra contra o terror iniciada por Bush após os atentados ao World Trade Center provocou o uso crescente dessas prisões secretas contra suspeitos de terrorismo com ajuda de quase todas as regiões do mundo. Uma investigação realizada por peritos independentes da ONU revela as conexões entre 66 países implicados na criação de uma rede de prisões secretas.

As organizações não governamentais de defesa dos direitos humanos consideram que dezenas de suspeitos foram detidos e interrogados em prisões secretas.

Se gostaram do assunto deem uma olhada no post que eu escrevi sobre essas prisões no blog DIPLOMASSINHA
http://diplomassinha.blogspot.com/2010/05/as-prisoes-secretas-da-cia.html
Enviado por Ivan - comunidade de Diplomatas 

ARTHUR VIRGÍLIO MAMADO!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

SPECTRE E EUA/ISRAEL, TUDO A VER

SPECTRE E EUA//ISRAEL, TUDO A VER


Laerte Braga


Ian Fleming, criador de James Bond, foi agente do serviço secreto inglês durante a IIª Grande Guerra. Tirou dali os ingredientes necessários a ficção em torno do super agente.

Se o Superman enfrentava um cientista de outra dimensão que sempre era enganado ao final da história e dizia seu nome ao contrário, jeito de fazê-lo sumir e se a família Marvel tinha nos calcanhares o doutor Silvana, ou Batman se via às voltas com o Pingüim, o mundo contemporâneo enfrenta a dura realidade de perceber que a organização combatida por James Bond em seus filmes, o SPECTRE, existe, está em nosso dia a dia e comanda o mundo sob a forma de sociedade anônima não tão anônima assim, os ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

SPECTRE em inglês significa ESPECIAL EXECUTIVE FOR COUNTER-INTELLIGENCE, TERRORISM, REVENGE AND EXTORTION – ESPECIAL EXECUTIVO PARA CONTRA-INTELIGÊNCIA, TERRORISMO, VINGANÇA E EXTORSÃO –. Tradução literal, na prática, uma empresa que vendia seus serviços a criminosos de todo o mundo, tanto quanto buscava ampliar seus domínios exatamente para o domínio do mundo.

E de extrema-direita, baseada em países capitalistas Grã Bretanha e EUA.

A organização some no final da década de 70, no filme DIAMONDS ARE FOREVER – OS DIAMANTES SÃO ETERNOS – Reaparece com menos ênfase em um ou outro filme do agente 007 até que a justiça dos EUA impede Kevin McClory e a Sony Pictures de levar adiante um projeto de refilmagem de THUNDERBALL, já na década de 90, levando em consideração que eram visíveis as semelhanças entre a organização e os ESTADOS UNIDOS.

Há cerca de um mês, sem alternativa para esconder o fato, jornais e redes de tevê da Europa denunciaram que agentes do MOSSAD, serviço secreto de Israel haviam assassinado em Dubai, durante um encontro para negociações de paz, um dirigente do Hamas. Para isso se valeram de passaportes britânicos, alemães e australianos, curiosamente, aliados incondicionais dos EUA e de Israel.

A denúncia levou os governos desses países a anunciar atitudes severas para cobrar uma explicação de Israel, mas só anunciar, logo controlaram a mídia.

A SPECTRE hoje mudou de nome. Passou a se chamar ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A. As práticas são semelhantes, os objetivos os mesmos.

Contra-inteligência, terrorismo, vingança e extorsão.

Ao arsenal de bombas nucleares que dispõem somam o poder fantástico da mídia mundial, a maior parte sob controle da empresa. No Brasil o carro chefe é a ORGANIZAÇÃO GLOBO. Edita o jornal THE GLOBE em sua versão em língua portuguesa, tem braços em todo o território nacional através de emissoras de rádio e da famigerada REDE GLOBO. E grupos secundários, nem por isso sem importância, caso de VEJA, FOLHA DE SÃO PAULO, ESTADO DE MINAS, RBS, ÉPOCA, etc.

Uma das principais armas da chamada contra-inteligência é disseminar informações falsas dando-se-lhes o aspecto e o formato de verdades. A GLOBO como um todo é perita nisso. Tem desde William Bonner com um pouco mais de categoria, digamos assim, a Miriam Leitão, ou Lúcia Hipólito, ou Alexandre Garcia (antigo colaborador do SNI nos tempos da ditadura), passando por laboratórios de alienação que nos chegam desde a antiga “ministra da educação, Xuxa, a Faustão, Luciano Huck, etc.

Terrorismo tanto é o assassinato do líder do Hamas com passaportes de outros países que não Israel (note que os passaportes não eram falsificados no sentido lato da palavra, eram documentos oficiais, nos quais os agentes usaram nomes falsos). Pode ser a matança de civis palestinos, o estupro de mulheres palestinas, o controle do mercado das drogas (ópio, heroína e cocaína) através dos governos títeres da Colômbia e do Afeganistão (Há um filme de Hollywood que conta a história real de um sargento norte-americano que se transforma no maior traficante do país a partir da guerra do Vietnã). Prática, por exemplo, que a ditadura militar brasileira (controlada pelos EUA) quis usar no fracassado atentado do Riocentro (milhares seriam mortos e a esquerda seria culpada dando o pretexto para novo golpe e evitar a volta do processo democrático).

Vingança é aquela história de olho por olho, dente por dente. O presidente do Irã, Ahmad Ahmadinejad, num discurso na semana passada foi claro sobre isso. “Os norte-americanos querem o direito de matar nossos filhos, mas não querem que os deles sejam mortos”. Os tais “nossos rapazes” em missão de “libertar” o mundo.

Bush filho é um exemplo típico disso e revela um problema psíquico comum, corriqueiro, além dos negócios, a concorrência com o pai. Como Bush pai invadiu o Iraque para “libertar” o petróleo do Kwait, mas não conseguiu derrubar Saddam Hussein, Bush filho mostrou ao pai, já que era chamado de inútil, que iria invadir e derrubar Saddam, levando de quebra o petróleo do Iraque. E o fez extorquindo, outra especialidade da ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A, a partir da contra-inteligência, a informação que se viu mentirosa depois, de armas químicas e biológicas presentes naquele país.

Quando o presidente do Brasil Luís Ignácio Lula da Silva saiu do País para sua visita ao Irã e tentar negociar um acordo em torno do programa nuclear iraniano, os norte-americanos tinham conhecimento da proposta que Lula levaria. Hilary Clinton, a “honorável” secretária de Estado da empresa ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A, chegou a dizer à imprensa que a intransigência do governo iraniano era de tal ordem que tinha sérias dúvidas sobre se Lula conseguiria ou não.

Obama falou em última chance do Irã para evitar sanções das Nações Unidas.

Vai daí que Lula, o presidente do Irã e o primeiro-ministro turco alcançam o acordo com o Irã. Anunciam ao mundo que o Irã havia aceito as propostas básicas da AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÕMICA, da ONU. Num gesto de boa vontade o governo iraniano liberta uma prisioneira francesa em homenagem ao brasileiro e Sarkozy foi à tevê agradecer a Lula.

Ato contínuo a direção da empresa ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A colocou em dúvida a decisão do Irã, tenta desqualificar o presidente do Brasil e por extensão o Brasil e os brasileiros, busca enquadrar o governo turco, pela simples razão que nunca quis acordo algum.

Precisa sim da “intransigência” dos iranianos para justificar sanções e em seguida atos de guerra, a clássica boçalidade dessa nova versão do SPECTRE. Mais ou menos como a ovelha que bebia água abaixo de onde o lobo bebia, mas, segundo o lobo, assim mesmo turvava sua água, motivo pelo qual foi lá e engoliu a ovelha.

Para se ter uma idéia disso é só acompanhar o noticiário da mídia brasileira, pronta para detonar Lula em caso de fracasso, encontrar justificativas para vender a idéia das sanções e da guerra, mostrar iranianos como se fossem monstros pré-históricos ávidos de sangue para destruir a humanidade cristã e ocidental, a democracia e neste momento perplexa, sem saber bem o que dizer, ou seja, aguardando a posição final dos executivos da ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

O que fazer diante da vitória do presidente do Brasil e do primeiro-ministro turco ao lado do governo do Irã.

Obama e a “honorável” senhora Clinton não contavam com o acordo. Estavam e estão prontos para mentiras como a das armas químicas e biológicas de Saddam e a guerra, ao lado de Israel. No fim, são só negócios, lucros, contra-inteligência, terrorismo, vingança e extorsão.

Ontem uma velha e querida amiga me fez lembrar do ator Marlon Brando. Brando era militante de causas dos direitos civis, dos direitos humanos. Foi às portas da penitenciária de San Quentin (hoje fechada) protestar contra a execução de Caryl Chesmann, que à época comoveu o mundo (dois de maio de 1960).

Agraciado com o OSCAR, nem apareceu, mandou sua companheira índia receber o prêmio e discursar contra as ações brutais e violentas do governo de seu país contra os índios norte-americanos.

E pouco antes de morrer o ator, considerado o maior de todos os tempos, disse que Hollywood havia se transformado em braço do autoritarismo sionista, pois “ali só trabalham aqueles que os judeus permitem”. Mais à frente, debaixo de uma saraivada de críticas dos setores sionistas que controlam a maioria das ações da ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A, desculpou-se pelo uso do termo judeu e afirmou estar se referindo a sionistas.

Nunca mais trabalhou em Hollywood, fez uma pontinha num filme e nada.

Era uma época em que um grande número de atores pressionados pelo lobbie sionista já se havia convertido ao judaísmo como forma de sobreviver, caso de Elizabeth Taylor, hoje de Madona. Nova versão do Macartismo, a época em que aos olhos do senador Joe McCarthy todos que criticassem o governo dos EUA eram comunistas. Valeu inclusive a saída de Charlie Chaplin do país. Um auto exílio.

Todo esse procedimento dos EUA e do governo de Israel, envolvendo governos como o da Rússia e da China, levando de arrastão as províncias européias, Grã Bretanha, na tentativa de desqualificar o acordo firmado entre os governos do Irã, do Brasil e da Turquia é exatamente por aí.

Não querem acordo nenhum, a paz é farsa. É propaganda vendida aos borbotões por empresas venais como a GLOBO, controladas pela versão atual do SPECTRE, os ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

O Lula fez foi colocar uma espinha de peixe na garganta dos bandidos e desmascará-los. E é por aí que resolveram aumentar, intensificar, as ações principalmente de contra-informações, contra-inteligência e extorsão, aqui no Brasil, para voltar a ter o controle do País através dos tucanos e seus aliados. Vão jogar tudo em José Arruda Serra, com o que evitam “problemas” para os negócios como o agora criado por Lula.

E não tem nenhum James Bond nessa história. Tem a mídia corrupta, tem políticos compráveis (tucanos, DEMocratas, a turma de Roberto Freire, a turma do bispo Macedo, já estão conseguindo chegar aos bispos católicos do Brasil, boa parte deles), toda essa estrutura de terror e extorsão que os iraquianos e afegãos conhecem como ninguém, os colombianos entre nós.

Que os palestinos vivenciam todos os dias, na barbárie da ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

Aquela história de duplo zero, permissão para matar, é só o charme da barbárie montada em tecnologia e a idéia de ficção.

Ficção nada. Realidade pura. Mudou de nome. Nos livros e filmes era SPECTRE, na vida real é ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

‘EUA vão se dar mal se adotarem sanções contra o Irã’, diz Garcia

.


Assessor de Lula diz que medidas não são legítimas e não serão bem recebidas pelo mundo

Andrei Netto, enviado especial a Madri

MADRI – O assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, afirmou nesta terça-feira, 18, em Madri, que a eventual adoção de sanções contra o Irã por parte dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – EUA, França, Reino Unido, Rússia e China – não será legítima, nem bem recebida pela comunidade internacional.

Para Garcia, o acordo assinado pelo Irã, aceitando as condições internacionais para troca de combustível radioativo, deveria servir como primeiro passo nas negociações sobre o programa nuclear iraniano. “Se os EUA optarem pela sanção, eles vão se dar mal. Vão sofrer uma sanção moral e política. Cabe aos EUA decidir se querem ou não um new deal com o Irã”, afirmou.

Nesta terça, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, anunciou que as potências nucleares entraram em acordo sobre um rascunho do novo pacote de sanções a ser aplicado sobre o Irã. Segundo a americana, o documento será apresentado ainda nesta terça para todo o Conselho de Segurança na sede da ONU, em Nova York.

O anúncio ocorre um dia depois de o Irã assinar um acordo com o Brasil e a Turquia para realizar a troca de urânio enriquecido por material nuclear pronto para ser usado em um reator de pesquisas. A proposta é semelhante à firmada entre a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e Teerã em outubro do ano passado, embora os iranianos tenham deixado o pacto na ocasião.

Segundo o assessor, a Casa Branca já tinha disposição para pressionar o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, por meio de restrições econômicas antes da assinatura do acordo. “A posição dos EUA era sim às negociações, mas após as sanções”, disse. “É ilusão pensar que o Irã, que não é um país qualquer, se deixaria abater por sanções econômicas. Outros menos fortes não se deixaram”, completou Garcia.

As sanções eram pretendidas pelas potências ocidentais, que temem que o Irã enriqueça urânio para produzir armas de destruição em massa. Elas dizem que a República Islâmica não coopera com a AIEA nas investigações sobre seu programa nuclear. Teerã, porém, nega e afirma que mantém as atividades atômicas apenas para produzir energia elétrica.

LUIS NASSIF ONLINE

______________________________

Ilustração: AIPC Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

Agência Assaz Atroz

.