Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Governos de SP, MG, RS e DF praticam crime contra a saúde pública: prejuízos totais ultrapassam R$ 6,5 bilhões

Revista CartaCapital - Edição nº 585 - 03/03/2010
Governos de SP, MG, RS e DF praticam crime contra a saúde pública: prejuízos totais ultrapassam R$ 6,5 bilhões
(Remédios por juros - por Leandro Fortes)
Sem alarde e com um grupo reduzido de técnicos, coube a um pequeno e organizado órgão de terceiro escalão do Ministério da Saúde, o Departamento Nacional de Auditorias do Sistema Único de Saúde (Denasus), descobrir um recorrente crime cometido contra a saúde pública no Brasil. Em três dos mais desenvolvidos e ricos estados do País, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, todos governados pelo PSDB, e no Distrito Federal, durante a gestão do DEM, os recursos do SUS têm sido aplicados, ao longo dos últimos quatro anos, no mercado financeiro.
A manobra serviu aparentemente para incrementar programas estaduais- de choques de gestão, como manda a cartilha liberal, e políticas de déficit zero, em detrimento do atendimento a uma população estimada em 74,8 milhões de habitantes. O Denasus listou ainda uma série de exemplos de desrespeito à Constituição Federal, a normas do Ministério da Saúde e de utilização ilegal de verbas do SUS em outras áreas de governo. Ao todo, o prejuízo gerado aos sistemas de saúde desses estados passa de 6,5 bilhões de reais, sem falar nas consequências para seus usuários, justamente os brasileiros mais pobres.
Clique no link abaixo e leia a reportagem
http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=6&i=6115

Enviado por Clovis Libano

Documentos da CIA mostram : Uribe é Capô do Narcotrafico. Mas quem paga é o lider da FARCs, preso e torturado nos EEUU


“Simón Trinidad” rindió declaratoria vía satélite
Febrero 27 de 2010 
 
Colorado, EE.UU. - En una cárcel de máxima seguridad de este estado, el jefe de la guerrilla de las Farc, Ricardo Palmera alias “Simón Trinidad”, fue presentado en un juicio en medio de extremas medidas de seguridad. Esposado de pies, manos y con un dispositivo de choques eléctricos, el subversivo respondió vía satélite a un Juez en Colombia que lo investiga por el secuestro del ex congresista Eduardo Gechem Turbay.
El guerrillero de las Farc, “Simón Trinidad”, fue llevado a una improvisada sala de audiencias en donde estuvo durante siete horas.
 
 Imagen de muestra
 
El abogado defensor pidió que le quitaran las cadenas para desarrollar el juicio. “Simón Trinidad” no aceptó el cargo de secuestro.
 
Ricardo Palmera se declaro inocente y la Fiscalía le pidió una pena de 40 años de prisión como el autor del secuestro.
 
Comentário do Blog:
Documentos da CIA mostram que BANDIDO é o NARCOTRAFICANTE Uribe. Quem paga é o lider da FARCS, que luta contra o Narcotraficante.
No Brasil, documentos da Polícia Federal mostram que BANDIDO é o Daniel Dantas ( amigo de Gilmar Mendes), Mas quem se torna bandido é Protógenes o policial federal que o prendeu.

Sobre "justiça" colombiana: Reflexao para empoderamento de POVOS DE NUESTRA AMERICA

A corte de "justiça da Colombia", negou  o direito  de ser disputado um 3º mandato.
 
Eu analiso que essa foi uma importante vitória alcançada a aprtir de lutas integradas de POVOS HERMANOS.
 
Analiso que a "corte de justiça " colombiana, aliada e defensora da "democracia" uribiana,  ficou coagida a não aprovar esse 3º mandato, pelo fato de seu "aliado" ter tido seu nome em um documento da CIA.

 Houve representação integrada de movimentos HERMANOS, a organismos de justiça internacional.

Refrescando a memória referente ao documento da CIA sobre o governo NARCOTRAFICANTE de Uribe, , posto links : http://juntosomos- fortes.blogspot.com/2010/ 02/o-ataque-do-imperio-cia-o.html   , http://juntosomos- fortes.blogspot. com/2010/ 02/alvaro- uribe-del- cartel-de- medellin. html ,
http://juntosomos- fortes.blogspot. com/2010/ 02/verdadeira- razao-das- guerras.html ,

então, Uribe , relacionado como CAPÔ do NARCOTRAFICO em documentos da CIA,
deixou de "calças curtas" a "justiça" colombiana , aliada e parceira do seu governo.

Por que será que a "justiça" Colombiana negou o "direito" do capô ao 3º mandato? 
 
é obvio demais: No salve-se quem puder, rsrs recuar é preciso. Coisas da "democracia" imperialista

Sobre las declaraciones de Zapatero contra Cuba

CP of Peoples of Spain, Declaración Sobre las declaraciones de Zapatero contra Cuba
-------------------------------------------------
From: Communist Party of Peoples of Spain, Saturday, 27 February 2010
http://www.pcpe.es , mailto:qboix@sct.ictnet.es
==================================================
 


Sobre las declaraciones de Zapatero contra Cuba
 

El frente antiimperialista del PCPE rechaza las declaraciones del presidente Zapatero contra Cuba socialista y la campaña mediática orquestada a raíz del fallecimiento del recluso Orlando Zapata.
 
El Frente Antiimperialista del PCPE ha recibido con indignación las declaraciones del Presidente del Gobierno, Rodríguez Zapatero, a raíz del fallecimiento del recluso Orlando Zapata Tamayo en Cuba.
 
Las declaraciones de Zapatero, en plena Presidencia Española de la UE, se enmarcan en la campaña de constante agresión de las potencias imperialistas contra el proyecto revolucionario socialista cubano, acompañadas de una constante manipulación por parte de las empresas privadas de la comunicación en todo lo relacionado con Cuba.
 
Orlando Zapata no fue un preso político, no forma parte de los 75 mercenarios al servicio del imperialismo yanqui condenados en marzo de 2.003 como pretenden dar a ver los poderes mediáticos al servicio del imperio. Cumplía prisión por reiterados delitos de alteración del orden, daños, resistencia, dos cargos de estafa, exhibicionismo público, lesiones y tenencia ilícita de armas. Delitos, todos ellos, tipificados en todos los ordenamientos jurídicos del mundo, empezando por el español.
 
Su historial de delincuencia lo convirtió en objetivo para los contrarrevolucionarios, que en una manipulación descarada, utilizaron el cumplimiento de sus delitos en prisión, para transformarlo en preso político o de conciencia.
 
El Gobierno Cubano se caracteriza por el cumplimiento estricto de los derechos humanos. No sucede lo mismo en las prisiones y comisarías españolas, tal y como denuncian año tras año distintos organismos internacionales, ni con los presos comunes ni con los presos políticos, especialmente con los que han llevado a cabo huelgas de hambre en los últimos años, a los que el Gobierno del PSOE alimentó forzosamente violando con ello sus derechos humanos.
 
Sin embargo estos hechos no preocupan ni a Zapatero, ni a su Gobierno ni al PSOE, más preocupados con mantener las cadenas de la explotación que sufre la inmensa mayoría obrera de nuestro país provocada por una crisis del capitalismo que Zapatero representa y defiende.
 
Si Zapatero está preocupado por los derechos humanos, el PCPE le exige que de inmediato:
 
- Promueva la inmediata derogación de la Posición Común de la UE contra Cuba.
 
- Presione al Gobierno de EEUU para el cese inmediato del Bloqueo, para el cierre inmediato de la prisión de Guantánamo y para la devolución de esa base ilegal a la República de Cuba.
 
- Intervenga ante el gobierno estadounidense para que sean puestos en libertad los cinco cubanos presos en EEUU y condenados sin pruebas, a largas penas, que se permita a sus familiares visitarlos en prisión.
 
- Ponga fin a la inhuma política de alejamiento de los presos políticos que cumplen condena en las cárceles españolas y que se investiguen las constantes torturas que se suceden en las comisarías y prisiones españolas.
 
El Partido Comunista de los Pueblos de España traslada su solidaridad internacionalista al Gobierno Revolucionario y al heroico pueblo hermano de Cuba, convencidos de que ninguna manipulación será capaz de mermar su probada capacidad de resistencia, combate y victoria.
 

¡ABAJO LA MANIPULACIÓN CONTRA CUBA SOCIALISTA!

¡ABAJO LA POSICIÓN COMÚN DE LA UE Y EL BLOQUEO YANQUI!
 
 
Frente Antiimperialista PCPE
25 de febrero de 2010.
 
 
 
*End*
 
subscribe/unsubscribe mailto:info@solidnet.org,
http://www.solidnet.org

Raul Castro: Em Cuba tem Tortura , sim: na base de Guatánamo -


A "ditadura" em Cuba chama-se Bloqueio .


"Houve tortura na Ilha de Cuba, sim senhor, mas na base de Guantánamo, que não é nosso território. Fale para eles [entidades de direitos humanos] que discutam conosco direitos... em igualdades de condições e vamos ver o que sai. Quem controla a imprensa? Vocês são jornalistas e sabem disso. Quando escrevem algo que não convém ao dono o que acontece? Desde que um tal de Guttemberg inventou a imprensa, só se publica o que quer o dono da empresa."
(Raul Castro, ao ser questionado sobre o desrespeito aos direitos humanos em Cuba e após lamentar a morte de preso em greve de fome; 25-02)

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Pensamentando

“Para revolucionar el mundo hay que romper con el pensamiento establecido”. Entrevista
Raul Zelik • • • • •

21/02/10



El autor alemán Raul Zelik ha escrito la novela Der bewaffnete Freund [El amigo armado, 2007, no hay trad. esp.] superando el “sentimiento de impotencia” sobre la situación del conflicto del País Vasco y desde la contradicción que siente respecto de la lucha armada. Alex llega al País Vasco con una beca. Tiene que hacer un estudio sobre Europa. Conoce desde antes el país y a sus gentes. ¿Pero entiende los sentimientos y decisiones de algunos vascos? Desde esta pregunta arranca Der bewaffnete Freund, publicado en euskera por Txalaparta (2009). La entrevista la realizó Jon Benito.

Como decías en la revista Ladinamo, la lucha armada no ha tenido reflejo en la literatura.

Hablemos del caso vasco. Por un lado están los mecanismos de lo que podríamos llamar censura difusa. En el Estado español siempre está la espada de Damocles del acoso judicial. Se exige condenar la violencia ─una única violencia─, y a quien no lo acepte se le complican las cosas. En un clima así es difícil debatir, también en un ámbito que importa tan poco al estado como es la literatura. Puedes escribir libros contra ese acoso, pero la presión externa condiciona los modos de hablar, escribir y pensar.

Por otro lado, empero, hay un vacío de escritores digamos “comprometidos”. Recientemente conversé sobre este tema con mi amigo escritor y traductor austríaco Erich Hackl. Hablábamos del libro de Joseba Sarrionandia Lagun izoztua [El hombre congelado, 2001, novela ganadora de la modalidad de narrativa vasca del Premio Nacional de la Crítica española de 2002; no hay trad. esp. (n. del t.)] y me preguntaba cómo era posible que un libro que tiene como protagonistas a militantes de la lucha armada apenas contuviera referencias al conflicto, que no aludiera a las víctimas ni a las reflexiones de los principales actores del conflicto. Hackl decía que un autor político no puede huir tan fácilmente de las dimensiones políticas.

Tú conoces la obra de Sarrionandia, tradujiste al alemán Lagun izoztua. ¿Qué opinas?

Yo salí en defensa de Sarrionandia en el debate, pero el argumento de Hackl no me dejaba dormir. El conflicto vasco está muy presente en los medios de comunicación, pero, no obstante, o por eso mismo, no lo sé, las acciones armadas o el debate en torno a ellas a menudo queda fuera de los libros. La lucha armada es como un agujero negro: un agujero gravitatorio oscuro que nadie quiere tocar y que queda lejos de la reflexión y el debate. ¿Por qué? No lo sé. Acaso Hackl y yo estemos equivocados y conozcamos insuficientemente la literatura vasca.(1) Pero, si existiera este vacío, debería cubrirse con trabajos libres de condenas o apoyos baratos.

Creo que en el País Vasco también existía este debate hasta hace algunos años. Desde la distancia que puedas tener tú, ¿cómo te acercas a este conflicto para escribir Der bewaffnete Freund? ¿Qué problemas puede tener un escritor para acercarse a un conflicto sociopolítico que tiene expresiones de violencia cuando las heridas de ese conflicto aún están abiertas?

Para el extranjero es más fácil acercarse a un tema que parece un campo minado; yo no tengo necesidad de proteger nada. Mi aproximación es muy unilateral. Tengo amigos presos y sé que han entregado sus conocimientos y sus vidas sin intención lucrativa alguna. Conozco sus razones, sé que se han movilizado contra la injusticia, a favor de otra sociedad, más igualitaria, democrática y socialista, etc. Y, con todo, tengo también argumentos en contra y objeciones. Yo tengo claro que los atentados contra Yoyes(2) o Eduardo Madina,(3) lo mismo que los sufridos por muchas otras gentes, no tienen relación con la liberación de la sociedad vasca. Y ahí entramos en un terreno en que es difícil encontrar palabras precisas. Quiero expresar mi respeto y solidaridad a quienes han luchado y luchan por la transformación social. Ellos también son víctimas de este conflicto. Pero me cuesta considerarlos héroes y defender todo lo que hacen. Matar a un concejal no es una acción revolucionaria. Y no lo digo con intención de juzgar a nadie. Sé bien que la posición moral de quienes estamos fuera de esta lucha no tiene el mismo peso, porque a menudo nuestras posiciones van ligadas al beneficio personal o a carreras exitosas, mientras que los criticados están en la cárcel. Con todo, creo que hay que recuperar los criterios: los atentados contra personas son tan terribles como la tortura.

¿Y cómo has llevado eso al libro?

Escribo del conflicto vasco desde esa contradicción, superando el sentimiento de impotencia que tenía de la situación. Pensando y repensando llegué a formular lo que puede ser la situación de Alex [el protagonista alemán del libro]: tiene una relación de solidaridad con Zubieta basada en el desacuerdo.

Es un tema crudo y real el que tocas. ¿Crees que existen límites morales al ficcionar historias que tienen trasfondo real?

¿Tú crees que hay límites morales para la ficción?

No lo sé. Lo que más me ha gustado de Der bewaffnete Freund es ver que Alex, el amigo de origen alemán, está intentando continuamente entenderlo todo: quiere entender la opción de Zubieta de unirse a la lucha, quiere entender una sociedad, con la sociedad, una cultura y con la cultura, un problema. Y, comprendiendo la posición de los demás, comprender la suya.

La duda es la herramienta más importante desde la Ilustración: la contradicción y la razón contraria. Se ha dicho que así no se puede hacer política. No lo creo. Si lo simplificamos todo, si lo reducimos todo a bien y mal, nos sentiremos seguros por un momento, pero, después, todo se desplomará. Eso les pasó a los movimientos de solidaridad, además de a los defensores del socialismo real.

Para Alex, cada vez queda más claro que las posiciones políticas son, al cabo, posiciones personales. La solidaridad no es más que empatía, cariño hacia los demás, y viceversa.

¿Y no crees que, como respecto del conflicto vasco, hay actualmente desinterés o gran indiferencia de la gente ante los conflictos sociopolíticos?

Creo que éste es uno de los principales ejes del libro. Pueden verse los problemas que tiene Alex para relacionarse con la gente. No logra superar la distancia respecto de los demás y eso se ve del mejor modo en la relación que tiene con su hija. Con Zubieta, de repente, la situación cambia. Al enfermar su amigo lo verá tan vulnerable como a un niño. La empatía que siente por la persona de Zubieta es la llave para abrir el candado que encierra a Alex. Curando a un enfermo consigue aceptar sus sentimientos.

Como la duda, el miedo es también un factor importante en la novela.

Sí, y ese miedo es real. En muchos momentos he sentido más miedo en el Estado español que en Colombia. El acoso estatal en Sudamérica es sangriento, pero, cuando te ponen en manos de los aparatos de la policía española, estás más desprotegido. Si te detienen en Colombia, cuando denuncias malos tratos te creen. Cuando ocurre lo mismo en las casernas españolas, incluso los sectores “más críticos” de Europa tienen sus dudas. El miedo está muy ligado a la impotencia y, en el conflicto vasco, esa impotencia es muy grande. Muy grande.

Al principio de la novela, un personaje dice que lo político no es lo que se cuenta sino el cómo.

No sé si en el libro he desarrollado la idea como debía. Pero querría decir que la radicalidad no reside en las consignas o en los ambientes, sino en la forma. Gioconda Belli, tan conocida entre la izquierda en la década de los ochenta, ha hecho siempre literatura kitsch, estructuralmente conservadora. Si queremos algo diferente, tenemos que buscar un lenguaje alejado de los clichés y de las telenovelas. Para revolucionar el mundo hay que romper con el pensamiento establecido. No creo que mi literatura lo consiga, pero debo intentarlo.

No sé qué recepción tuvo esta novela en Alemania. Pero ¿crees que en Alemania y en el País Vasco se leerá del mismo modo?

A decir verdad, lo único que se sabe en Alemania del conflicto vasco es lo que llega por medio de la propaganda española. El libro intenta difundir otra visión de la situación de aquí, y las conservadoras Frankfurter Allgemeine Zeitung y Neue Zürcher Zeitung han valorado bien ese esfuerzo. Creo, empero, que para el lector del País Vasco varias cosas pueden ser demasiado ilustrativas. Como conoce el conflicto, diversos pensamientos le parecerán demasiado románticos. Pero es difícil escribir al gusto de todos mientras algunos están hablando sin parar de algo sobre lo que los demás no saben nada.

Notas del t.

(1) Este mismo año se ha publicado una antología de relatos de 18 escritores y escritoras en lengua vasca con el conflicto armado como trasfondo, editada por Mikel Soto: Haginetako mina (Tafalla: Txalaparta [Dolor de muelas]). De ellos solamente el de Eider Rodríguez está traducido al español (en Y poco después ahora,San Sebastián: Ttarttalo, 2007, trad. de la propia autora, versión original: Eta handik gutxira gaur, 2004). El tratamiento del conflicto armado en la literatura vasca ha sido recientemente explorado en Ibon Egaña y Edu Zelaieta (coord.): Maldetan sagarrak. Euskal gatazka euskal literaturan (Bilbao: Udako Euskal Unibertsitatea, 2006 [Manzanas en las cuestas. El conflicto vasco en la literatura vasca], no hay trad. esp.). Este volumen, además de trabajos académicos sobre autores y géneros literarios concretos, contiene reflexiones de algunas figuras importantes de la narrativa vasca actual, entre las cuales las de la escritora norvasca Itxaro Borda se sitúan plenamente en el terreno apuntado por Zelik. En el caso de Sarrionandia, puede encontrarse una reflexión sobre la violencia política en Joseba Sarrionandia: “Contra la idea de necesidad”, Euskadi Información, 24 de octubre de 1998. En un sentido opuesto, del mismo autor: Ni ez naiz hemengoa (Pamplona: Pamiela, 2006, 3ª ed., p. 183 [1ª ed. de 1985], trad. esp. de Bego Montorio: No soy de aquí, Fuenterrabía: Hiru, 1991). Acaso no sea ocioso recordar que el actual presidente del gobierno de la Comunidad Autónoma Vasca, Patxi López, en su discurso de investidura como tal pronunciado en el parlamento autonómico el 5 de mayo de 2009, para denunciar la supuesta actitud de la población vasca ante la actividad de ETA osó recurrir a una metáfora (“silencio de piedra”), convenientemente abstraída de su contexto estético-político, contenida en el poema Tiro hotsak, del propio Sarrionandia: Tiro hotsak, eta harrizko isiltasuna. / Ezertaz ohartu gabe doaz hodeiak. / Polizia espainol bat erori da espaloian. / Zer tinta moeta da saihetseko gorri hori? / Leihotik andere zahar batek / Pensatu du: ez diat hire arnasagatik negar egingo / Harik eta gure semea etxera itzuli arte. / Gorputza espaloian odolustuko da, isilean, / Hodei berri gehiagoren azpian. / Gero, kalean kaskilo bat geratuko da, / Seme galduaren gela baino hutsago (Ruido de tiros y un silencio de piedra. / Las nubes se van sin percatarse de nada. / Un policía español ha caído en la acera. / ¿Qué tipo de tinta es ese rojo de la costilla? / Una anciana mira desde su ventana / Piensa: no lloraré por tu aliento / hasta que mi hijo vuelva a casa. / El cuerpo se desangrará en la acera, en silencio, / bajo más y nuevas nubes. / Después, quedará en la calle un casquillo, / más vacío que la habitación del hijo perdido. Joseba Sarrionandia: Marinel zaharrak, San Sebastián: Elkar, 1988, p. 36, no hay trad. esp.) (2) Alias de María Dolores González Katarain, ex dirigente de ETAm muerta a tiros por la organización el 10 de septiembre de 1986 en Ordizia (Guipúzcoa). Refugiada en el País Vasco septentrional desde diciembre de 1973, en 1979 se había separado de la organización por divergencias políticas e instalado en México en enero de 1980 y en París, en junio de 1985. Después de conversaciones con el Ministerio del Interior español, obtuvo la autorización para volver al País Vasco meridional, acogiéndose a la Ley de amnistía, de diciembre de 1977, sin necesidad de solicitar indulto ni realizar declaración alguna de arrepentimiento o de “condena” de la lucha armada. Sin embargo, esta última fue la versión recogida por la prensa española con profusión de recursos gráficos y tipográficos pocos días después de su regreso y la que repetirían los dirigentes del PSOE y el PNV en sus declaraciones de condena del atentado, lo mismo que la propia ETA en el comunicado reivindicativo de éste, en que acusaría a González Katarain de “colaboradora de los planes represivos del Gobierno español” y “traidora al proceso de liberación nacional”. Véase Elixabete y Juli Garmendia, Glori y Ana González Katarain y Juanjo Dorronsoro: Yoyes desde su ventana, Pamplona: autoedición, 1987. (3) Secretario de Política Institucional de las Juventudes Socialistas de Euskadi y miembro de la Comisión Nacional del PSE-EE cuando, el 19 de febrero de 2002, perdió una pierna al estallarle una bomba lapa adosada a su coche colocada por ETA.

Raul Zelik es escritor. De su amplia producción ensayística y literaria puede leerse en español el libro de crónicas Venezuela más allá de Chávez (2004) y las novelas La Negra(2000) y Situaciones berlinesas (2009, esta última en traducción de M. Florencia Martín, ed. original de 2005). Sus últimas obras son Die kolumbianischen Paramilitärs. 'Regieren ohne Staat?' oder terroristische Formen der Inneren Sicherheit (2009, Los paramilitares colombianos. ¿“Gobernar sin Estado”? o la expresión terrorista de la seguridad nacional) y el libro de conversaciones con Elmar Altvater, miembro del Consejo Editorial de SIN PERMISO, Die Vermessung der Utopie. Über Mythen des Kapitalismus und die kommende Gesellschaft (2009, Cartografía de la utopía. Sobre los mitos del capitalismo y la sociedad venidera).
Traducción para www.sinpermiso.info: Daniel Escribano
sinpermiso electrónico se ofrece semanalmente de forma gratuita. No recibe ningún tipo de subvención pública ni privada, y su existencia sólo es posible gracias al trabajo voluntario de sus colaboradores y a las donaciones altruistas de sus lectores. Si le ha interesado este artículo, considere la posibilidad de contribuir al desarrollo de este proyecto político-cultural realizando una DONACIÓN o haciendo una SUSCRIPCIÓN a la REVISTA SEMESTRAL impresa

Cuba

Carta de um jovem brasileiro em visita a Cuba

Alexandre (ao centro) com crianças cubanas em um local de treinamento de boxe. Foto: Viviane Tavares

Oi, tudo bem?
Olha, ontem, dia 27 de janeiro, participamos de uma marcha de tochas. Foi incrível! Vou lhe contar.
Dia 28 de janeiro, é aniversário do José Martí, um herói para os cubanos, que está completando 157 anos do seu nascimento. Esse herói foi um intelectual e militante político que dedicou sua vida pela independência dos povos da América Latina e Cuba, principalmente, na época da colonização espanhola. O Fidel sempre o cita nos discursos. Então, na noite do dia 27 fomos para Havana para participar de uma marcha que existia até mesmo antes da revolução, uma marcha, assim como o natal que se inicia no dia 24 de dezembro esperando o dia 25. Na noite do dia 27 todos vão para frente da Universidade de Havana, onde saem, incrivelmente cerca de 30 mil pessoas carregando tochas acesas e marchando pelas ruas de Havana.
Meu caro, foi a coisa mais linda que eu já vi! A juventude alegre, feliz, cantando, celebrando o natalício de um herói nacional. Não dá para acreditar que 30 mil pessoas vão às ruas, numa quarta feira, para marchar à meia noite! Essa história de que o povo cubano vai às ruas obrigado pelo governo é uma grande idiotice. Naquele dia, eu não vi sequer um policial ali, não havia nenhum agente do estado para reprimir ou coisa parecida. Milhares de pessoas com tochas na mão, marchando e cantando alegremente a oportunidade de estarem juntas celebrando uma data muito importante para eles.

Jovens cubanos em marcha de tochas pelo aniversário de José Martí. Cara de quem foi obrigado à marchar? Foto: Viviane Tavares

Eu fiquei na frente da marcha e quando olhava para trás via uma multidão sem fim, com os fogos acesos, num mar de gente culta, consciente, firme e resistente. Aquelas milhares de tochas acesas pareciam uma chama só. Uma gente guerreira, que está permanentemente em luta. Foi incrivel, meu caro! O povo cubano é realmente livre! Mas não é uma liberdade burguesa, individualista. É uma liberdade coletiva, que escolhe o caminho, que traça seu destino… É uma liberdade ampla, liberdade de ser culto, de compreender o momento histórico. Liberdade de ter clareza de quem são seus aliados. Liberdade de saber e ver quem é o inimigo. A educação os tornou livres! É um povo pensante, que resiste firmemente diante das dificuldades que enfrentam, e que são muitas e todos eles sabem disso. Mas acima de tudo, um povo unido pelo sentimento de pátria, algo que o povo brasileiro ainda não teve a felicidade de sentir.
Um povo que escreveu sua própria história e continua marchando, após 51 anos de triunfo revolucionário, após meio século de um criminoso bloqueio econômico que afeta suas condições de vida, mas ao mesmo tempo os tornam mais fortes e unidos para enfrentar o grande inimigo que a todo momento os ameaça. Um povo revolucionário que lembra cotidianamente seus mártires, seus lutadores que caíram na luta, seus heróis que não são duques aristocratas nem generais entreguistas. Seus heróis são outros: estudantes rebeldes, soldados revolucionários, trabalhadores, intelectuais do povo. Seus heróis são seus atletas aguerridos, seus poetas e músicos politizados…
O maior patrimônio de Cuba não é a biotecnologia, não são seus carros de meio século, não é o Capitólio, não é seu tabaco, não é seu rum. É seu povo. Digno. E dignidade coletiva se conquista não com uma lei ou uma sentença, mas com uma revolução. Só a ruptura das estruturas sociais antigas podem fazer emergir uma nova sociabilidade, que tenha na solidariedade e na valorização da dignidade do homem seus maiores princípios.
Dignidade cidadã. É isso que eu vejo aqui. O povo cubano é o povo mais digno do mundo.
É o que lhe conto.
Forte abraço!
Havana, 28/01/2010.
Alexandre Franco
sertanejoforte.blogspot.com
(Consciêncianet)

Irã

POR QUE O IRÃ?
Por Emir Sader (*), 24.02.2010

O Irã continua a ser o país privilegiado do “eixo do mal”, extinto formal, mas não realmente, pelos EUA. Está acompanhado pela Venezuela, pela Bolívia, pelo Equador, além da Coréia do Norte, entre outros.
Por que o Irã? Pelos critérios mencionados por Hillary Clinton, não dá para entender. Risco de possuir condições de fabricar armamentos nucleares? Israel assume abertamente que possui esses armamentos e ameaça, semanalmente, bombardear justamente o Irã.
Risco de se tornar uma ditadura? E o que são países como a Arábia Saudita ou o Egito, senão ditaduras?
De que o Irã representaria um risco para seus vizinhos? O Irã não invadiu nenhum outro país, nem ocupa algum território estrangeiro. Já Israel ocupa territórios palestinos há mais de quatro décadas e comprovadamente possui armamento nuclear.
O Irã é um Estado religioso, islâmico, que privilegia os xiitas. Mas Israel é um Estado judeu, sem constituição, mas que privilegia os judeus e faz dos palestinos (1/4) da população, cidadãos de segunda classe.
Por que dois pesos e duas medidas? Simplesmente porque Israel é o aliado privilegiado dos EUA na região – o país que recebe a maior ajuda dos EUA no mundo -, enquanto o Irã é opositor aos EUA. Simplesmente isso. Para confirmar, por que Hillary não critica a ditadura existente na Arábia Saudita ou no Egito – este, o segundo em ajuda militar norteamericana? Porque são aliados fiéis aos EUA.
O que significa o Tratado das armas nucleares? Não um Tratado de desnuclearização, mas de não proliferação de armas nucleares. Isto é, os que têm armas nucleares tratam de impedir que outros as tenham. A China arrombou essa porta e ingressou imediatamente ao Conselho de Segurança, quando fabricou armamentos nucleares. É evidente que o Paquistão, a Índia, Israel possuem armamento nuclear. Os EUA não apenas têm uma atitude completamente diferente da que têm em relação a Israel, como apóiam militarmente – inclusive em termos nucleares – esses países.
A luta tem que ser pela desnuclearização. Para que um país necessita ter armas nucleares? Com que objetivo?
A não proliferação busca proteger o poderio nuclear das grandes potências, as que estão mais envolvidas em guerras e em fabricação de armamentos. A desnuclearização luta pelo fim das armas nucleares. A começar pelos que detêm os maiores arsenais do mundo.
(*) Emir Sader é sociólogo e cientista político, professor da USP e UERJ. Artigo publicado originalmente na Agência Carta Maior em 17/02/2010.
(Consciêncianet)

Deus e o diabo na cabeça de um só

.


A luta para domar o Mal dentro de nós mesmos. Esta, se não é a única, é, provavelmente, a mais importante virtude humana.

Fernando Soares Campos*

A tentativa de separar Deus do Diabo gera crise existencial?

Deus, em qualquer das formas que possamos nele crer, é amor e ódio, é ignescente lava vulcânica e montanhas de eterno gelo glacial. Deus é doce mel e amargo fel, é o Bem, o Mal e as nuances que os confundem. Depende apenas da forma, da imagem e idéia que fazemos do nosso deus pessoal e intransferível.

Não estou afirmando que Deus é uma invenção humana, refiro-me apenas à maneira como cada um de nós o percebe.

Deus é infinitamente múltiplo, portanto, único (“Vós sois deuses”, João, 10:34. “Vós podeis fazer o que eu faço e muito mais” João, 14:12).

Somos deuses porque há em nós um latente potencial para realizarmos maravilhosos feitos. Tantos já foram realizados porque muitos de nós já consegue fazer uso de uma ínfima parte desse potencial.

Mas Deus não é alguém nem é ninguém. Não é um ser pessoal. Por necessidade fundamentada no nosso atrasado estágio de evolução, inerente ao processo de desenvolvimento e aperfeiçoamento do saber e dos princípios éticos, podemos até personificá-lo, se levarmos em conta a hierarquia necessária ao equilíbrio funcional de todas as coisas. (“Ninguém vai ao Pai, senão por Mim”, João, 14,6).

Deus, por uma de suas infinitas definições, é a soma desses potenciais existentes em todas as coisas, sejam minerais, vegetais ou animais; potenciais disponíveis na alma humana e no âmago da matéria em qualquer de suas formas.

Deus é a Lei Universal, da qual conhecemos muito pouco, ou fazemos questão de conhecer apenas os seus intróitos, mesmo assim interpretando-os conforme o interesse de nossas semiconsciências, apenas o suficiente para nos odiarmos fazendo caras e bocas de amor ao próximo.

Conforme preceitos bíblicos, “nem uma folha cai sem que seja a vontade de Deus”. Acredito que o mais correto é dizer que “nada acontece sem a permissão de Deus”. “Vontade” é força que realiza desejos, ou que se empenha para realizá-los. “Permissão”, neste caso, é conquista da liberdade de ação (boa ou má). “Permissão” aqui não significa o aguardo de ordens superiores, mas a conquista das condições favoráveis à ação. Com a permissão para agir, com a disponibilidade dos elementos adequados ao empreendimento da ação, passamos ao exercício do chamado livre-arbítrio, que se manifesta de acordo com o estágio da formação do caráter personalista.

Ninguém precisa ser fatalista para acreditar na quase inevitabilidade de certos acontecimentos. Porém, para se determinar que um futuro acontecimento venha a ser inevitável, há que se observar a complexidade das causas que o desencadearão. Nada acontece sob o impulso de um fator isolado, como único elemento determinante de um fato. Todos os elementos do Universo funcionam com autonomia da própria vontade, intrínseca ao livre-arbítrio, mas dependentes daquilo que lhes possa ser permitido realizar.

A permissão divina não pressupõe conivência de Deus (ou sua incondicional anuência) com o ato praticado. Deus (a Lei Divina) faculta as ações para que os homens testem a si próprios. Dizem, por exemplo, que o poder corrompe, entretanto o homem que assumir qualquer poder sobre o seu semelhante, a cada exercício desse poder dirá para si mesmo se o poder o corrompeu, ou se apenas lhe revelou seu próprio caráter corrupto, latente em sua alma, contra o qual muitas vezes lutamos. Observe que Jesus, ao nos ensinar a orar, não recomendou que pedíssemos a Deus que não fôssemos tentados, mas que não caíssemos em tentação. “Não nos deixeis cair em tentação.”

A ocasião não faz o ladrão, apenas desperta a tendência à ladroagem, e se esta inclinação não for reprimida (pela lei e pela consciência), o ladrão se desvela.

O estuprador não pode alegar que foi tentado e, por isso, não se conteve. Isso não constitui atenuante ao crime de estupro.

“Nunca me corrompi!”, diria o homem que nunca sofreu a tentação planejada por um corruptor externo, alguém que poderia lhe oferecer privilégios em troca da liberalização do vírus da desonestidade nele incubado, como qualquer agente infeccioso que percorre seu corpo em busca de oportunidade para se manifestar.

Pessoas que ainda não tiveram oportunidade de provar para si mesmas que não se renderiam a propostas indecentes e se autoproclamam honestas até no controle de suas mais irreprimíveis emoções, estas são como virgens numa ilha deserta: quando o cio lhes provoca a fúria do desejo sexual, só lhes resta masturbar-se.

A luta para domar o Mal dentro de nós mesmos. Esta, se não é a única, é, provavelmente, a mais importante virtude humana.

Se algum de nós já não sente qualquer impulso para a prática do Mal, conforme os conceitos ditados pela nossa consciência, contrapondo-o ao que possa vir a ser o Bem, então esse alguém já não pertence à categoria humana, sublimou-se, já alcançou esferas muito mais elevadas, extrapolou a perfeição moral relativa à vida na Terra. Se estiver encarnado aqui entre nós, encontra-se na condição de missionário divino.

E como um missionário divino poderia conviver entre nós, almas potencialmente corruptas? Seria agindo como um ser ainda em conflito com a formação do seu caráter, como nos encontramos aqui na Terra? Não. Ele seria apenas compreensivo, entenderia a fraqueza humana e, por isso, toleraria o criminoso sem justificar o crime cometido.

Essa história de que o Bem sempre vence o Mal é balela, feliz apoteose de novela épica. Na eterna guerra entre o Bem e o Mal nunca haverá vitoriosos, pois não há vitoriosos em guerra alguma. O estado belicoso, por si mesmo, já caracteriza perda (derrota) para ambas as partes.

O término de uma batalha, ou da guerra, não pressupõe êxito de qualquer das partes em conflito. Mas a deflagração da guerra evidencia a derrota dos conflitantes.

Certa ocasião meu analista me perguntou: “O ser humano ri porque se sente feliz, ou se sente feliz porque ri?” “Choramos porque ficamos tristes, ou ficamos tristes porque choramos?”

Naquele momento tive o impulso de dizer que rimos porque nos sentimos felizes e choramos porque ficamos tristes. Mas me contive, pois outros pensamentos assomaram à minha alma semipensante: “O homem fica feliz por suas vitórias no campo de batalha, ou pela derrota do seu adversário?” “Triste porque perdeu a batalha, ou porque aquele adversário venceu?”

Aparentemente, tudo isso aí tem o mesmo sentido. Mas as aparências enganam.

Aquele que se autoproclama honesto até no controle de suas mais irreprimíveis emoções diria que sua felicidade se concentra totalmente em suas próprias vitórias, conquistas, feitos, méritos e supostas virtudes pessoais. Jamais admitiria que um prazer mórbido insiste em comemorar o fracasso alheio, ou chorar pela vitória de outrem, seja a glória de um dos seus desafetos, ou, pior, o triunfo de um daqueles a quem ele chama de “amigo” (talvez isso explique a famosa frase atribuída a Tom Jobim: “No Brasil, sucesso é ofensa pessoal”).

A meu ver, a crise existencial nossa de cada dia está relacionada com esta nossa tentativa de separar Deus do Diabo, aplicando conceitos pessoais, semiconscientes, sobre o Bem e o Mal, sem considerarmos que, dentro de nós, um não existiria sem o outro.

Estamos, como afirmou Sartre, “condenados a ser livres”?

Então... somos livres para viver como condenados?


*Editor-Assaz-Atroz-Chefe

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons

.

PressAA

.

________________

http://assazatroz.blogspot.com/

.

Humor

As notícias...
mais ou menos
.
Por Silvio Fernando, de São Paulo




Colagens de Luiz Rosemberg Filho

Com as manchetes cada vez mais escabrosas que correm aqui e no mundo, às vezes dá vontade de largar o jornal e se encerrar no mundo mágico da fantasia. Por sorte os personagens da ficção moram bem longe de nós, em Metrópolis ou Gotham City, a salvo do mundo sórdido da realidade. Ainda bem que é assim. Mas já pensou se não fosse? Talvez um dia a gente abrisse o jornal e lesse o seguinte:

Tragédia no mundo dos quadrinhos! A morte do Pato Donald!
Encontrado ontem à noite o corpo carbonizado do famoso personagem dos gibis envolto em rodelas de limão dentro do fogão da própria casa. Suspeita-se de suicídio. Huguinho, Zezinho e Luisinho permanecem inconsoláveis.

Branca de neve exibe novo bronzeado e perde o emprego!



Papai Smurf acusado de pedofilia com smurfette!
A acusação, ainda sem provas palpáveis ou testemunhas que não a declarante, pode por fim à carreira até então bem sucedida do veterano personagem, patriarca do clã dos smurfs. A emissora de TV que exibe o desenho desde os anos 80 teme que, com o conteúdo da acusação, a classificação indicativa da atração pule de 10 para 18 anos, o que seria um desastre em termos de Ibope. Para cuidar do problema foi chamado o advogado Matt Murddock, especialista em Vara de Família, que se celebrizou ao tratar do divórcio de Batman e Robin.

Paz na Floresta!
Chapeuzinho vermelho e vovó respiram aliviadas. Lobo Mau adere à dieta macrobiótica e declara-se vegetariano!

Especial – Cidade de Gotham City
Coringa abandona Batman e funda dupla sertaneja com o palhaço Bozo!

Pinóquio internado e processado por Disney!
Internado em regime de urgência, uma das estrelas de maior projeção dos Estúdios Disney, Pinóquio. Descobriu-se que o famoso boneco de madeira encontra-se num avançado estado de lepra. Seus braços e pernas já apresentam marcas severas da doença, tais como manchas, furos e pequenas lascas que se desprendem do seu corpo. A Walt Disney Company anunciou ontem, numa decisão que provocou polêmica, que vai mover uma ação contra Pinóquio, alegando má-fé do boneco ao esconder da empresa seu estado de saúde. “Achei que era só cupim”, justificou-se o boneco. Diante da possibilidade da doença destruir para sempre o belo rosto esculpido em mogno que causou a sensação de 9 entre 10 bonecas de todas as classes sociais (do pano à porcelana) o jovem astro não se mostrou preocupado. “Não tem problema”, disse, “se uma coisa dessas acontecer, corro no Pitanguy”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Acidente na Marginal dos Contos de Fada!
Vermífugos oxidam a carruagem de Cinderela!
Felizmente não houve vítimas

Magali morre de intoxicação alimentar

Cachorro Snoopy é sacrificado após morder a perna do dono Charlie Brown
Acossado por entidades de direitos dos animais, capitaneadas por Pluto e o Gato Félix, Brown defendeu-se como pode. “Foi uma pena”, declarou durante o enterro, “era um bom cachorro e um excelente companheiro de trabalho.” Snoopy, deixa Lassie, esposa dedicada, e três filhotinhos, Rex, Totó e Snoopy Júnior, agora, literalmente, cães sem dono.

Lobo Mau é a mais nova vítima da gripe suína

Recruta Zero convocado para a guerra do Iraque.
“Se voltar com vida”, garante o personagem, “pretendo dar baixa e voltar à vida civil”

007 pega doença venérea de perigosa agente russa e morre!
Cientistas britânicos afirmam: tentamos achar a cura mas não conseguimos. Trata-se de um vírus super-secreto.

Fonte: ViaPolítica/O autor

Silvio Fernando é jornalista e psicólogo formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Formou-se também em roteiro e dramaturgia pelo Núcleo do Teatro de Arena paulista. Entre outros veículos, foi colunista e crítico de cinema do site Bibliaworldnet, repórter da rádio baiana Brasil FM e atualmente é redator e roteirista das rádios Terra AM e Musical FM. No teatro, integrou as companhias Quarteto em Rir Maior e Os Terroristas do Riso. Escreveu e dirigiu peças de cunho educativo encenadas por populações em desvantagem social e jovens em situação de risco.

Do mesmo autor, leia também em VP: “Sacrifício em megahertz”, “O quanto você é sedutor? e “Não acredite em tudo o que você lê nos jornais”

E-mail: sfernandor@hotmail.com

Literatura

Quando o mito vira história, e a história vira literatura
por Admin última modificação 26/02/2010 11:23
Em entrevista ao Brasil de Fato, Milton Hatoum, um dos escritores contemporâneos mais reconhecidos pela crítica literária, expõe as bases de sua obra e sua visão sobre um país de “narrativa política esquizofrênica”

26/02/2010

Livia Almendary,
de São Paulo

O escritor Milton Hatoum se considera um “paulistano de Manaus”. Estranha forma de localizar uma origem, não fosse o fato de revelar logo de cara a ideia de um país marcado por realidades socioculturais e econômicas muito distintas, porém simultâneas no tempo e no espaço, separadas sobretudo pela nossa “narrativa política esquizofrênica”.

Não dá mais para pensar numa Amazônia desvinculada das questões urbanas de forma geral, ou pensar o Norte como um Oriente longínquo, uma massa verde povoada de apenas índios, esse nome genérico que designa “muitas vontades”. Também nos lembra que na época da ditadura militar, o movimento estudantil em Manaus, Belém e outras cidades amazônicas era muito ativo, e que ali foi um ponto de encontro privilegiado de culturas de muitos lugares do mundo. Nos mostra uma Manaus que passou dos milhares de habitantes para a casa dos milhões, e que enfrenta problemas socioeconômicos que não são exclusividade dessa região, mas que precisam ser pensados nas suas especificidades.

Em suma, Hatoum nos convoca – por suas palavras nessa entrevista, mas principalmente por meio de sua literatura – a prestar mais atenção na Amazônia, ainda desconhecida não porque a floresta é profunda, mas porque o olhar viciado construiu discursos e mitos que contribuem para ignorância que ainda impera sobre a região.


Paulistano de Manaus
Geralmente me apresento como um brasileiro de Manaus. Minha relação com a cidade onde nasci é muito forte e talvez seja, das muitas cidades em que vivi, a que mais me sensibiliza. Porém, sou um brasileiro de Manaus que já tem uma parte considerável de sua vida em São Paulo. Na verdade, sou paulistano de Manaus. Morei toda a década de 1970 aqui, depois morei em outras cidades, na Europa, voltei para Manaus, morei nos Estados Unidos. As duas cidades brasileiras com as quais tenho uma relação mais íntima, onde estão meus amigos, são Manaus e São Paulo.

São Paulo tem muitas atividades literárias, é onde as coisas acontecem, é aqui que estão meus leitores, ou a maioria deles. Por outro lado, tornou-se uma cidade muito cara, caríssima. É uma cidade cujo urbanismo é burro, não foi planejada – apesar de que poucas cidades brasileiras o foram –, a questão do transporte urbano é muito mal pensada. Tem 12 milhões de habitantes, é enorme, e tem pouquíssimas estações metro, por exemplo. É uma aberração.


Manaus de 68
Estudei no Colégio Amazonense Dom Pedro II, uma escola estadual do Amazonas em edifício neoclássico, enorme. É um colégio muito combativo. Durante o Regime Militar, criamos um jornalzinho chamado “O Elemento 106”. Na natureza, são 105 elementos químicos, nós criamos o elemento 106. Participava desse jornal com uns amigos, dois deles saíram de Manaus em 68. Esse jornal já expressava a participação de um movimento estudantil naquela região, depois em Manaus houve uma série de protestos e resistência. As pessoas pensam que só houve manifestações e resistência nas grandes cidades. Não, lá também teve, em Belém, na Amazônia toda.


Experiência e cidade
A diferença é fundamental para quem escreve romance. Hoje, a vida de uma criança em São Paulo pode ser muito limitada a uma balada, um bairro, um shopping, e eu não vivi isso. Minha infância foi em Manaus, mas não na beira do rio, como um ribeirinho de família cabocla. Foi uma infância mais urbana. Depois me mudei para Brasília muito jovem. Então vivi em Manaus, que é uma cidade portuária, numa época em que ainda era razoavelmente pequena, tinha uns 300 mil habitantes. De todos os modos, sempre foi uma cidade muito misturada, cheia de aventureiros, viajantes, imigrantes de vários lugares. Convivi um pouco com imigrantes do Líbano, da Síria, judeus marroquinos; foi uma experiência muito rica nesse sentido, fundamental para quem escreve.

Meu avô me levava para a cidade flutuante, que era um bairro proletário, com uma vida muito intensa, me levava às vezes para o interior. Ele era um contador de histórias, não havia televisão, então a relação com a cidade, com as pessoas, era muito mediada por narradores. As pessoas contavam histórias.


Mito, história, literatura
A literatura é mito, porque a literatura surgiu da narrativa e qualquer narrativa pode se transformar num mito. Há mitos positivos e mitos negativos. Hoje, o Brasil é um mito positivo no exterior, mas isso oscila muito, pode ser visto também com um mito negativo ou clichê, ou como um conjunto de clichês. E há sempre um momento em que mito deixa de ser uma crença e se transforma em história. Como o mito da Cidade Encantada, de Órfãos do Eldorado. O narrador lembra das histórias que ele ouvia de uma índia quando ele era criança na beira do rio, e depois essas histórias rebateram na vida dele. A literatura pode ser explorada em quatro ou cinco grandes mitos, mas a questão é como narrar.


Narradores da vida moderna
Acho que a literatura se revela na forma, na linguagem. Na narrativa, a principal questão é encontrar a voz do narrador, pois é a partir dela que vai se configurando a historia, as relações estabelecidas entre o narrador e os outros personagens. A escolha do narrador tem implicações até ideológicas. Se você construir um narrador cínico, completamente cínico, certamente está aí algum traço que você quis dar ao narrador que pode ter uma conotação ideológica. É como o discurso jurídico, uma arte, sem dúvida – mais ou menos explícita, mais ou menos oculta. É assim também no discurso político. O tom da voz narrativa pode deixar entrever posições ideológicas.

O gênero romance, de maneira geral, é escorado na trajetória de vida de um indivíduo, em torno do qual transitam outras personagens, podem ser parentes, desconhecidos, relacionados por encontros e desencontros. Nesse sentido, com exceção de Relato de um certo Oriente – que foi pensado como um coral de vozes, como uma história construída por diversos narradores e múltiplos pontos de vista –, meus livros se aproximam desse grande gênero da vida moderna. O grande tema da vida moderna é a solidão, que por sua vez faz parte da própria história da narrativa, se pensarmos que ela passou das vozes coletivas para a história do individuo, e do espaço coletivo para o espaço sobretudo da família burguesa. Em Dois irmãos e Cinzas do Norte, os que sobrevivem para contar a história são esses narradores solitários, ambíguos porque contam a história da qual eles mesmos fazem parte.

Contudo, muitas vezes, a partir dessas relações entre as personagens, é possível construir um mundo maior que elas. Essas personagens estão num espaço que é político, cultural, geográfico, e que extrapola suas vidas. Então, o romance abarca desde a visão mais microscópica de um individuo, ou um par de indivíduos, até um movimento que sai da luneta e vai para uma tela, um afresco, um movimento social mais significativo. É o caso do romance histórico do século XIX, por exemplo, em que figuram escritores como Balzac, Sthendal.

Agora, isso é muito diferente do blog que fala do individuo o tempo todo, e um indivíduo que passa o dia em frente ao computador. “Eu faço isso, eu faço aquilo”. Não tem conflito, não tem personagem, nada intriga. Parece uma historia qualquer que poderia ter acontecido com qualquer um e nesse sentido reduz muito a ideia de experiencia. E dela depende muito o romance, a literatura de forma geral.


Literatura e politica
A literatura não dá respostas, ela expõe questões, problematiza, faz perguntas a partir de conflitos, de situações que envolvem tragédias e dramas humanos, mas o faz de maneira oblíqua, mediada. Em Órfãos do Eldorado, esses “órfãos” podem ser pensados como aqueles que muitas vezes são iludidos com uma ideia de país da abundancia, uma promessa de desenvolvimento. Uma das cenas importantes desse livro é o desembarque dos seringueiros que saíram dos seringais e foram morar num bairro chamado Paraíso, quase cegos pela fumaça produzida pelo processamento do látex. São personagens, mas é possível pensar que, como eles, milhões de brasileiros também “perdem a visão”, ou são iludidos, na busca por uma promessa de vida melhor.

No romance Cinzas do Norte, a personagem do tio Ran debocha do sobrinho que quer estudar Direito. E olha que a época do romance é 1970, 80. Estruturalmente, o país não mudou: na altura dos três poderes, da pequena cidade com vereadores medíocres e corruptos ao supremo tribunal e ao congresso, as relações políticas são um acordo de cavalheiros para que as coisas não mudem.

Temos mais de 5 mil municípios e quanta indolência, negligência, irresponsabilidade e ignorância existe por aí. Quer dizer, chega uma caixa de livros do MEC no município x e não são distribuídos para as crianças. O cara responsável por isso não é patriota, não tem o mínimo senso de patriotismo, mas está lá, como prefeito, vereador. Há aos montes. Vai lidar com essa gente...

Nossa herança colonial deixou muita violência, nos deixou em estado de guerra. O Brasil vive uma guerra. No começo do ano foram assassinados 10 mil jovens no Brasil. Veja Manaus... estive lá o ano passado, em um mês houve 21 assassinatos. Que é isso?

Agora, o país avança assim mesmo, porque é enorme, tem muita gente trabalhando pelo país, tem órgãos públicos horríveis, mas tem alguns também maravilhosos, tem a sociedade organizada, ou uma parte dela. Tem algumas políticas públicas que estão dando certo, políticas de inserção social, políticas educacionais. Há várias pessoas que pensam no Brasil de uma outra forma, participam. Por isso digo que isso aqui é um grande manicômio, uma loucura, um país esquizofrênico: há um país que quer avançar e outro Brasil que é retrógrado, arcaico. É um avião trabalhando com uma turbina reversa, para trás, e a outra que vai para frente. O voo sai torto, meio adoidado.

É muito esquisito. Veja a Luiza Erundina, condenada a pagar mais de 300 mil reais; foi processada, quase perdeu o apartamento, o carro, enquanto há um Sarney na presidência do Senado. Falo isso porque acho a Luiza Erundina uma pessoa de uma enorme dignidade. Há mil casos de injustiças e isso está também no Cinzas do Norte, na figura dos prisioneiros que esperam por um julgamento. O desafio do romancista é falar dessas loucuras sem tomar partido, sem ser um romance ideológico no sentido dogmático.


Índios no plural
Meu primeiro contato com a questão indígena foi o conhecimento dessas pessoas deslocadas do interior da Amazônia para Manaus. Os índios e as índias eram levados para Manaus pelos colégios de freiras ou orfanatos e depois iam trabalhar nas casas da classe média. Inclusive, ainda é assim. Muitas delas saíam do Alto rio Negro para morar no Rio de Janeiro, muitas vezes nem sequer eram assalariadas. A Domingas, de Dois Irmãos, é uma personagem que deve muito à Felicité, uma personagem do Flaubert. Em Manaus, havia muitas Felicités. Apesar de se ler uma história um século depois da história do Flaubert, e de ser uma geografia e uma cultura totalmente diferente, as relações sociais e as relações de trabalho são muito semelhantes. A Felicité é uma pobre mulher que durante meio século trabalha para uma burguesa, a madame Aubin. É essa a história das empregadas domésticas de Manaus, que eram em sua maioria de origem indígena; algumas nem falavam, ou mal falavam português. Então meu conhecimento sobre os índios aparece pela primeira vez por essa via, por esse contato urbano.

Hoje a situação é muito mais complexa porque a Zona Franca, a indústria, atraiu muita gente de fora, muita gente do Pará, do interior do Amazonas, mas também do Nordeste, sobretudo os pobres do Maranhão. É um centro industrial no coração da Amazônia, o maior polo de produção de eletroeletrônicos da América do Sul, então imagina que essas pessoas vão para Manaus em busca de um Eldorado e essas pessoas moram em ocupações, barracos, sofrem problema, preconceitos fortíssimos, como o caso dos paraenses.

Há muitas comunidades de índios isoladas na periferia de Manaus, não se sabe ao certo quantas são. Alguns dizem que há 8, 10 mil índios em Manaus. Alguns vivem em comunidades fechadas e em bairros “indígenas”, outros são misturados com população pobre, e a maioria, quase todos são párias, fazem bicos, ou são ajudados pela Funai, formam uma espécie de proletariado urbano. Não houve nenhum esforço – ou melhor, houve – de integrá-los socialmente, mas aí também seria um esforço mais social, envolvendo a sociedade, a ideia que têm do que é “ser índio”. E seria preciso falar em índios no plural, porque tem gente que não quer ficar no Alto Rio Negro, não quer ficar no interior do Amazonas, mas há outros que sim. Há os povos que vivem bem no rio Negro, no Solimões, mas também há essa vontade de ir para cidade grande, vontade de muitas coisas, muitas ilusões.


Amazônia por partes
A Amazônia representa quase 50% do território nacional, é dona de uma riqueza cultural e econômica incalculável. E não há um projeto para ela, nossa grande contribuição a ela, hoje, é a grande burrice de transformar a floresta em pasto. Há muita empolgação com a redução do desmatamento, mas o desmatamento tem que ser zero, tem que parar de desmatar.
Agora, a Amazônia é muito complexa, ela não é essa floresta homogênea que faz parte do imaginário sobre uma região que continua desconhecida. Ela tem regiões densas, tem savanas, o Alto Rio Negro é uma paisagem, outra totalmente diferente é o Alto Solimões. Então, a Amazônia deve ser pensada por partes. Nesse sentido, o Jorge Viana, que já foi duas vezes governador do Acre, pensava a região de maneira brilhante, com um projeto para cada microrregião, cada uma delas com uma determinada vocação.

Por outro lado, para se fazer um projeto para a Amazônia, de ocupação econômica, exploração econômica, é preciso envolver as pessoas, a população, os cientistas que moram aí, que estudam o meio onde vivem. Há o Inpa [Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia], o Museu Emílio Goeldi no Pará, a Embrapa, as universidades federais e estaduais, quer dizer, é preciso envolver essas pessoas, e o próprio ribeirinho. As vezes também é preciso desmatar, mas em que escala você vai desmatar? Que tipo de desmatamento e para quê? Não pode ser assim, sair queimando tudo para plantar soja e fazer pasto. Isso é loucura. Ao mesmo tempo é tão complexo – e por isso falei de manicômio – que tem até gente do Partido Verde da Marina Silva que é aliada a Blairo Maggi, eleito o moto-serra de ouro por organizações socioambientais.

E não podemos esquecer também que o drama da Amazônia é urbano. Quase 80% da população da Amazônia mora em cidades. As pessoas pensam que vão encontrar uma tribo, uma oca indígena em Manaus, chegam lá e encontram uma cidade extremamente diversa, plural, onde não importa a origem, se você é caboclo, índio, filho de libanês, filho de judeu, de marroquino, de espanhol, italiano. E também tem todos os problemas urbanos de outras cidades do Brasil. O lixo em Manaus – assim como em São Paulo e outros centros urbanos onde esse problema se tornou gravíssimo – é uma coisa de louco, na saída de uma enchente, há poucos meses, a cidade foi inundada de garrafas plásticas. E a questão da habitação, mesma coisa. Acho por exemplo, que na Amazônia, as cidades, nas capitais e no interior, deveriam ter projetos de arquitetura específicos e adequados para escolas, para moradia popular, para tudo. Se você olha hoje para as habitações populares e as escolas da região, são vergonhosas, nada a ver com o ambiente. Uma arquitetura burra, que é fechar tudo e tocar ar condicionado. Caixotes com ar condicionado, caixotes horrorosos. A região está em plena linha do Equador e não tem sombra, isso para mim significa burrice, não há outra, é descaso total. Manaus é uma cidade de quase dois milhões de habitantes onde, ao meio-dia, se estiver na rua, fica com a cabeça torrada.

Há um arquiteto carioca, Severiano Porto, que se estabeleceu em Manaus na década de 1960 e aí fez projetos maravilhosos, fez o projeto do Inpa, que virou uma espécie de oásis na cidade, com alamedas arborizadas, alpendrados, sombra. Esse tipo de atuação parece estar esquecida. Nesse sentido, há uma exposição aqui em São Paulo [ver serviço], de um fotógrafo francês chamado Marcel Gautherot, que mostra fotos da Amazônia nas décadas de 1940 e 1950. É incrível ver nessas imagens a beleza da arquitetura popular, as palafitas, uma sabedoria local para evitar que a casa sofra em tempos de enchente, ventilação cruzada, essas coisas. Então, pensar na Amazônia hoje é também pensar em questões urbanas. O problema ambiental brasileiro passa – e talvez sobretudo – pela questão das cidades.
(B. de Fato)

Crime Organizado(?): OAB DF faz palanque para os inimigos da moralidade.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Do Site do Cari: SEM CANSEIRA

OAB DF faz palanque para os inimigos da moralidade.

A OAB DF iniciou nesta quinta-feira um movimento no mínimo curioso: contra a intervenção federal no DF.


Quem disse para os iluminados da OAB que isso vai mexer na autonomia política do DF???? Onde esta escrito isso????

Curioso, é que este discurso une no mesmo palanque o DEM, o Roriz, e muito dos denunciados por Durval.

Brasília precisa de uma intervenção moral urgente e necessária. Passar a limpo as instituições e promover a reinauguração da cidade 50 anos depois.

O casuísmo dos falso defensores de Brasília não pode confundir o sentimento de indignação popular.


Zunga




BR-450 (Via EPIA): recursos federais, placas do DEM


É o que diz matéria do G1, com o mesmo título. Eis o lide:

Uma investigação da Controladoria Geral da União encontrou irregularidades na aplicação do dinheiro repassado para obras no Distrito Federal. Muitas das obras de Brasília são feitas com verbas federais.

O novo trecho do Metrô, por exemplo, tem dinheiro do Ministério dos Transportes –R$ 40 milhões. Na ponta do lápis, segundo o relatório, o serviço ficou 125% mais caro, um prejuízo de quase R$ 12 milhões.

As obras nas BR 020, BR 060 e BR 450, principais vias de acesso às cidades satélites, também saíram R$ 6,5 milhões acima do preço de mercado. A investigação apontou ainda serviços cobrados duas vezes e uso de material de qualidade inferior.

***

Como se vê, esse é o modo demo-tucano de governar.

Além das irregularidades, o Arruda apresentou essas obras à população como se não tivesse dinheiro do governo Lula.

A principal delas é a BR-450 (Via EPIA), a de maior tráfego do DF (foto).

Só tem placas (muitas) do GDF e, no entanto, 90% dos recursos são federais, repassados para o DER-DF executar a obra.

***

O DEM existe desde 1500 e sempre funcionou desse jeito. Só mudando o nome, ao longo do tempo…

http://festivaldebesteirasnaimprensa.wordpress.com/

Eu estou c saudades de minha Bellzinha!!!

Cadê vc, Mabelle M. Arruda, minha musa?

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Haiti

Haití
Más de un mes después del terremoto que dejó devastado a Haití, seguimos constatando el horror cotidiano para gran parte de su población. Publicamos a continuación dos artículos. El de Bill Quikley da cumplida información sobre la supuestamente modélica respuesta de EEUU a la catástrofe haitiana. El segundo es de Naomi Klein y explica las fuentes de la cuádruple deuda que los países ricos tiene con Haití: la esclavitud, la ocupación estadounidense, la dictadura y el cambio climático.
 
Un millón de sin techo en Haití 

¿Y los EEUU llaman a eso “modelo de respuesta”? A pesar del hecho de que más de un millón de personas permanecen sin techo en Haití un mes después del terremoto, el embajador de los EEUU en Haití, Ken Merten, Haití www.sinpermiso.info 2 es citado en una nota de prensa del 12 de febrero del Departamento de Estado diciendo: “en términos de entrega de la ayuda humanitaria… francamente, está yendo muy bien, y creo que será algo que la gente podrá mirar atrás en el futuro como un modelo de cómo hemos sido capaces de afrontar esto nosotros mismos como donantes en el terreno y respondiendo a un terremoto”. ¿Qué? ¿Haití es un modelo de cómo la gobernanza internacional y la comunidad donante deben responder a un terremoto? El embajador debe estar agotado por el trabajo y necesita algo de reposo. Veamos los hechos. La Oficina de Naciones Unidas para la Coordinación de Asuntos Humanitarios (OCHA) informaba el 11 de febrero de que hay todavía 1,2 millones de personas viviendo en “asentamientos espontáneos” en y alrededor de Puerto Príncipe como resultado del terremoto del 12 de enero.

Estos asentamientos espontáneos son campos en expansión descontrolada de personas, niños y familias haitianas sin techo viviendo en campo abierto bajo sábanas. Más de 300.000 están en campos en Carrefour, casi 200.000 en puerto Príncipe, y más de 100.000 entre Delmas Petitionville y Leogane según Naciones Unidas. Unas 25.000 personas están acampadas en un campo de golf en Petitionville. Cientos de miles viven en campos de fútbol, patios de iglesias, laderas de colinas, en barrancos, e incluso en franjas de tierra en medio de la calle. ...

Traducción para www.sinpermiso.info: Txomin Martino sinpermiso electrónico se ofrece semanalmente de forma gratuita. No recibe ningún tipo de subvención pública ni privada, y su existencia sólo es posible gracias al trabajo voluntario de sus colaboradores y a las donaciones altruistas de sus lectores. Si le ha interesado este artículo, considere la posibilidad de contribuir al desarrollo de este proyecto político-cultural realizando una DONACIÓN o haciendo una SUSCRIPCIÓN a la REVISTA SEMESTRAL impresa Counterpunch, 15 febrero 2010 Haití  Segue no link: www.sinpermiso.info 4

Filosofia

Filosofía, religión y misticismo
Ernst Tugendhat • • • • •

24/06/07

La razón humana se ve importunada por cuestiones que no quieren dejar de asediarla, pero a las que no puede tampoco contestar sin sombra de duda. La cuestión de la religión es una de esas cuestiones. Esa cuestión pone a la honradez intelectual en una tensa relación con las necesidades espirituales. El mayor filósofo vivo en lengua alemana, Ernst Tugendhat, reflexiona sobre la religión entendida como una perentoria necesidad antropológica y sobre la imposibilidad de satisfacer esa necesidad de manera intelectualmente honrada.
Fausto eludió la cuestión de Gretchen: "¿Qué hay de la religión?". ¿Cómo hay que encarar las cosas, si no se quiere eludir la cuestión ni responderla de manera ingenua? Yo creo, por una parte, que la necesidad de creer en Dios no sólo es un fenómeno cultural, sino también antropológico, un fenómeno que echa sus raíces en la estructura del ser humano. Pero, por otro lado, creo también que para un humano de nuestro tiempo no es posible satisfacer esa necesidad sin autoengaño. Nos hallamos aquí en una contradicción entre necesidad y factibilidad. Desde el punto de vista lógico, este tipo de contradicciones son inofensivas, y en el curso de la vida humana, relativamente normales.
Se puede ilustrar eso con otro ejemplo. Los humanos, al menos en general, tienen la necesidad de pervivir indefinidamente. También este anhelo tiene un fundamento antropológico. Sin embargo, el deseo se contradice con la realidad: toda vida individual deja de existir luego de un período de tiempo. Pero el deseo de pervivir está tan firmemente anclado, que los humanos de todas las culturas han tratado, de uno u otro modo, con o sin religión, de construir una vida después de la muerte.
Pensamiento desiderativo
Todavía hoy, muchos piensan así. No es contradictorio, dicen. Tal vez, contestamos nosotros, ¿pero no te das cuenta de que la única razón de ese supuesto es nuestro deseo y de que no hay ninguna evidencia o prueba independiente que lo avale, que es wishful thinking, pensamiento desiderativo? El deseo de creer en algo no es sólo una razón insuficiente para creerlo, sino que es, en y por sí misma, una razón contraria. Una opinión de que algo es así y asá, y que descansa únicamente en nuestro deseo, lleva en el caso normal de una opinión empírica (ella desea, por ejemplo, que él no la hubiera abandonado) a la negación de la realidad, lo que significa, si se cede al deseo, a la alucinación. La creencia en Dios o la creencia en la vida después de la muerte escapa a ese destino alucinatorio sólo porque el objeto de la fe está situado más allá de los sentidos, en un ámbito inmune a las pruebas y contrapruebas empíricas. De aquí que, en lo atinente al mundo suprasensible, se pueda creer impunemente, entrando sólo en contradicción con la honradez intelectual.
En nuestros días hay esencialmente tres posiciones sobre la creencia en Dios. Primero los que dicen que Dios no existe, y que es mejor para nosotros que no exista. Piénsese, por ejemplo, en Nietzsche y en los hegelianos de izquierda. No niegan simplemente la existencia de Dios; niegan también la necesidad de creer en ella. De acuerdo con esa posición, si las personas realmente experimentan esa necesidad, es porque tienen una comprensión falsa de sí mismos, porque están determinados para tener esa falsa autocomprensión. En segundo lugar, están los teólogos, que creen posible pasar de la necesidad de creer a la creencia en sí misma con la mediación de la revelación o de la tradición. Según los teólogos, si alguien no cree en Dios –aunque pertenezca a esa tradición—, es porque su necesidad de creer en Dios no es lo suficientemente profunda. La tercera posición es la de aquellos que creen, sencillamente, que todo el problema es social y que, por esa misma razón, es una cuestión que permanece indeterminada.
Experiencia de la contingencia
La característica que comparten esas tres posiciones es que son internamente incontestables. Es bien cierto que cuando uno no cae en una contradicción explícita, la vida se hace más llevadera. En cambio, me gustaría mostrar que actualmente experimentamos una contradicción entre la necesidad religiosa, por un lado, y la imposibilidad de realizarla, por el otro. Es claro que no resultaba demasiado complicado proyectar dioses, o un Dios, cuando aún no existía una distinción tajante entre lo natural y lo sobrenatural, y todavía era posible pensar que Dios existía, por ejemplo, en "el cielo". Por eso la creencia en Dios parece hoy o ingenua o carente de honradez. Por eso es ocioso seguir hurgando en ese cuerno del dilema. Más interesante resulta el otro cuerno, es decir, la problematización de la opinión, según la cual, hoy, ni siquiera necesitamos a un Dios.
Puesto que se trata de una necesidad antropológica, tengo que comenzar con el hecho fundamental correspondiente. Tal me parece a mí la experiencia de la contingencia: ineluctablemente, los humanos experimentan que la consecución de sus fines, o la posibilidad de eludir los resultados incompatibles con sus fines, no depende sólo de ellos. La muerte es el ejemplo extremo de la contingencia. Mientras los animales de otras especies viven fijados a su situación, los humanos viven independientemente de su situación y orientados hacia el futuro. Los humanos aspiran al "siempre más allá" y al "siempre más".
Pero la muerte y la contingencia frustran esta tendencia. El "más" se desbrava, y lo que por lo pronto parecía colmado de sentido, puede verse como un sinsentido. De aquí que los humanos hayan aspirado inveteradamente a tener una relación distinta con el tiempo y con la voluntad; en vez de "siempre más", contenerse; trocar la insistencia por el recogimiento y la renuncia a la propia voluntad. En mi libro Egozentrizitát und Mystik [Egocentricidad y Mística; hay traducción castellana en Editorial Gedisa, Barcelona, 2004], he llamado "misticismo" a esa segunda forma refleja de relación con el tiempo y la voluntad. Esa palabra puede, evidentemente, entenderse de otras maneras. Pero lo único que aquí interesa es que esa reflexión, en la que no se apela a la relación con los fines, sino con "el todo", representa un cambio de orientación de la vida humana natural, un cambio, sin embargo, que no necesariamente tiene que apelar a la vida sobrenatural.
La mística, así entendida, puede ser religiosa, pero no forzosamente. Se trata, en parte, de una cuestión puramente terminológica. Si se quiere, se pueden describir como religiosos movimientos como el Budismo, el Taoísmo o el Estoicismo. Yo no lo hago, porque creo necesario marcar una distinción entre las actitudes en las que está implícita la creencia en un ser personal y sobrenatural, y aquellas en las que no lo está. Por eso uso la palabra "religión" sólo para referirme a cosmovisiones o actitudes en las que anda implícita esa creencia en un ser personal.
Es obvio que las personas tienden a darle un sentido a aquellas cosas que se les presentan como contingentes, a interpretarlas intencionalmente, como acción de un ser personal sobrenatural. Sólo cuando interpretamos así lo contingente, podemos entender la actitud de la plegaria. Si se parte de la plegaria y del agradecimiento que va con ella, entonces yo creo que es un primer fenómeno al que deberíamos renunciar cuando dejamos de creer. Me resulta difícil concebir que los humanos no pierdan un aspecto esencial de sus vidas, cuando no pueden seguir dando las gracias por su vida y por las cosas que les resultan importantes en su vida.
Hay dos posiciones que considero insatisfactorias. La primera: que todo agradecimiento pueda reducirse simplemente a la consciencia de que otra persona natural es responsable de los hechos que son buenos para alguien. De acuerdo con esa posición, no existen otras maneras de agradecer. La segunda posición que considero insatisfactoria es la que sostiene que no es necesario que todo agradecimiento vaya dirigido a una persona natural; que es posible agradecer anónimamente; que podría haber agradecimientos dirigidos a un ser no personal.
Es evidente para mí, que sólo podemos agradecerle algo a alguien, si, al propio tiempo, tiene sentido que le podamos pedir algo; y no tiene ningún sentido pedirle algo a un ser no personal. Y eso significa que es absurdo agradecer las cosas recibidas a un ser no personal.
Desde el punto de vista de la historia cultural, es posible afirmar que siempre, o por lo general, los humanos han sentido la necesidad de agradecerle a un ser sobrenatural y personal la existencia de ciertas cosas, por ejemplo, nuestra propia existencia, o la del ser amado. ¿Qué ocurre con esa necesidad y con nuestra actitud en relación con esas situaciones, cuando ya no nos resulta posible darle las gracias a alguien? Que parece perderse una forma específica de transcendencia, trocada ahora en huera superficialidad.
¿Personal o anónimo?
¿Es posible que la mística, según la he caracterizado, compense esa carencia? De acuerdo con mi caracterización, la mística es, lo mismo que la religión, una forma de distanciarse de sí en vistas de un orden superior, pero sin personalizarlo. Me resulta significativo que en una concepción de la mística tan inequívocamente impersonal como la del Budismo Zen sea frecuente inclinarse ante lo místico. Tener una actitud de reverencia ante algo es una relación tan personal, como lo puedan ser pedir y agradecer. Y esto parece indicar que es muy poco probable que la gente pueda evitar proyectar sus representaciones animistas sobre el objeto reverenciado, incluso si considera que ese objeto no es personal.
Dejemos de lado las reminiscencias históricas y preguntémonos simplemente: ¿qué nos resulta insatisfactorio de la mística impersonal, desde el punto de vista religioso? Yo creo que un retroceso del Yo --y de lo con él relacionado-- tan radical, que equivale a su disolución, no solamente a su relativización. Pero aspirar a retirarnos de nosotros mismos, ¿no es un modo de ser nosotros mismos, de relacionarnos con nuestro yo? El místico ya no se arrodilla, y, si es consistente, tampoco debería hacer reverencias. ¿No se pierde con eso una posibilidad esencial precisamente de recogimiento y de encuentro con uno mismo? Porque, entonces, tal vez ni siquiera quepa ya hablar de algo "superior": se disuelve la tensión religiosa entre el yo, o el nosotros, y lo que está enfrente.
Si queremos aclarar la diferencia entre los puntos de vista animistas y no animistas, entre lo religioso y lo simplemente místico, nos puede ser útil indagar sobre cómo unos y otros se comportan frente a la frustración ante una instancia superior. Para Jesús, eso significa: "hágase Tu voluntad"; para Tschuang-tse (el fundador del taoísmo, en los siglos 4-3 antes de nuestra era), lo siguiente: "El hombre debe hacer lo que es humano, pero debe aceptar lo que pertenece al reino de los cielos". Si queremos comparar acertadamente ambas posiciones, no debemos entender la enseñanza de Jesús como una simple aceptación pasiva de todas y cada una de las cosas, sino en el sentido de la famosa plegaria de Oetinger (el teólogo y filósofo de Tubinga del siglo XVIII): "Señor, dame la serenidad para aceptar las cosas que no puedo cambiar; la fortaleza para cambiar las cosas que puedo cambiar; y dame la sabiduría para distinguir entre unas y otras". La actitud de Tschaung-se es exactamente la de esa plegaria, excepto, se calla por sabido, que el taoísmo está simplemente obligado a aceptar lo que es inevitable, mientras que los cristianos lo interpretan como voluntad de Dios. Para éstos, ese es el modo en que los hechos cobran significado, mientras que el discurso taoísta acerca del cielo se acerca más al lema estoico: apretar los dientes y resistir.
En lo que a mí hace, creo que la contradicción de la que hablé al principio es en este contexto especialmente acuciante. En lugar de cultivar una actitud neutral taoísta o estoica, a mí me resultaría más fácil dirigirme a Dios y decirle: "hágase Tu voluntad". Pero no me lo puedo permitir, porque yo se que Dios es una mera construcción de mi necesidad, y porque también se que si me dejo determinar por esa necesidad caeré en el autoengaño. Entonces, no me queda otra posibilidad que retirarme a una posición impersonal y puramente mística, aunque esa actitud sea insuficiente para mi necesidad y me resulte frustrante. Estoy hablando de una actitud en la primera persona del singular, porque no tengo claro si hay un hecho antropológico básico implícito en mi necesidad de decir: "¡hágase Tu voluntad!", o si se trata simplemente de un hecho del azar, educado como he sido en la tradición judeo-cristiana.
Y lo mismo pienso del fenómeno de la responsabilidad. Hay distintos tipos de responsabilidad, pero la responsabilidad por mi propia vida es crítica. Para decirlo someramente, si no existe un ser sobrenatural ante quien yo deba asumir la responsabilidad por el modo de conducir mi vida, es posible que la idea de la responsabilidad por la conducción de mi propia vida tampoco tenga sentido.
La evidencia que falta
¿Y qué se sigue de eso? En las páginas finales de su libro El concepto de la angustia, Kierkegaard respondió: entonces también cae la seriedad de la vida. Me podría comportar seriamente en relación con todas las cosas, pero no respecto de mí mismo. Y para subrayarlo, Kierkegaard trajo a colación al Macbeth que, luego de asesinar al rey Duncan, dijo: "De ahora en más, no hay nada serio ya en la vida. Todo es futilidad, gloria y gracia arbitraria inertes. El vino de la vida ha sido obsequiosamente vertido".
Así como Macbeth asesinó al rey, así habríamos nosotros –por decirlo con Nietzsche— asesinado a Dios, poniendo de tal modo fin a lo serio de la vida. ¿Quién es "nosotros"?, podría preguntarse. Nietzsche dijo: nuestra "honradez". Pero tal vez sea una palabra demasiado grandilocuente. Basta con decir: la evidencia. En su vejez, Bertrand Russell, a la pregunta sobre cómo reaccionaría si –contra toda evidencia— se hallara después de morir ante el trono de Dios, contestó lo siguiente: "You didn't give us the evidence ".
Pero si lo que he dicho al comienzo es correcto, eso sería quedarse todavía corto. No sólo no hay ninguna razón para creer en un ser tal, sino que precisamente el que lo necesitemos de modo tan manifiestamente perentorio, constituye una razón contraria muy evidente de que la fe en Dios equivaldría a lo que, si tratáramos de asuntos empíricos, llamaríamos una alucinación. Con todo y con eso, es igualmente comprensible que, a pesar de la evidencia contraria, centenares de millones de personas crean en Dios, pues resulta más natural tomar esa necesidad por una razón que por todo lo contrario.
Ernst Tugendhat (Brno, 1930), para muchos el más importante filósofo vivo en lengua alemana, es Profesor Emérito de filosofía en la Universidad Libre de Berlín. Reside entre Tubinga y América Latina, en donde pasó buena parte de su infancia y adolescencia como hijo de exilados. Su ultimo libro, Egozentrizität und Mystik. Eine anthropologische Studie, ha sido recientemente traducido al castellano en la Editorial Gedisa (Egocenricidad y mística, Barcelona, 204).
Traducción para www.sinpermiso.info: María Julia Bertomeu
sinpermiso electrónico se ofrece semanalmente de forma gratuita

Humor

As notícias...
mais ou menos
.
Por Silvio Fernando, de São Paulo




Colagens de Luiz Rosemberg Filho

Com as manchetes cada vez mais escabrosas que correm aqui e no mundo, às vezes dá vontade de largar o jornal e se encerrar no mundo mágico da fantasia. Por sorte os personagens da ficção moram bem longe de nós, em Metrópolis ou Gotham City, a salvo do mundo sórdido da realidade. Ainda bem que é assim. Mas já pensou se não fosse? Talvez um dia a gente abrisse o jornal e lesse o seguinte:

Tragédia no mundo dos quadrinhos! A morte do Pato Donald!
Encontrado ontem à noite o corpo carbonizado do famoso personagem dos gibis envolto em rodelas de limão dentro do fogão da própria casa. Suspeita-se de suicídio. Huguinho, Zezinho e Luisinho permanecem inconsoláveis.

Branca de neve exibe novo bronzeado e perde o emprego!



Papai Smurf acusado de pedofilia com smurfette!
A acusação, ainda sem provas palpáveis ou testemunhas que não a declarante, pode por fim à carreira até então bem sucedida do veterano personagem, patriarca do clã dos smurfs. A emissora de TV que exibe o desenho desde os anos 80 teme que, com o conteúdo da acusação, a classificação indicativa da atração pule de 10 para 18 anos, o que seria um desastre em termos de Ibope. Para cuidar do problema foi chamado o advogado Matt Murddock, especialista em Vara de Família, que se celebrizou ao tratar do divórcio de Batman e Robin.

Paz na Floresta!
Chapeuzinho vermelho e vovó respiram aliviadas. Lobo Mau adere à dieta macrobiótica e declara-se vegetariano!

Especial – Cidade de Gotham City
Coringa abandona Batman e funda dupla sertaneja com o palhaço Bozo!

Pinóquio internado e processado por Disney!
Internado em regime de urgência, uma das estrelas de maior projeção dos Estúdios Disney, Pinóquio. Descobriu-se que o famoso boneco de madeira encontra-se num avançado estado de lepra. Seus braços e pernas já apresentam marcas severas da doença, tais como manchas, furos e pequenas lascas que se desprendem do seu corpo. A Walt Disney Company anunciou ontem, numa decisão que provocou polêmica, que vai mover uma ação contra Pinóquio, alegando má-fé do boneco ao esconder da empresa seu estado de saúde. “Achei que era só cupim”, justificou-se o boneco. Diante da possibilidade da doença destruir para sempre o belo rosto esculpido em mogno que causou a sensação de 9 entre 10 bonecas de todas as classes sociais (do pano à porcelana) o jovem astro não se mostrou preocupado. “Não tem problema”, disse, “se uma coisa dessas acontecer, corro no Pitanguy”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Acidente na Marginal dos Contos de Fada!
Vermífugos oxidam a carruagem de Cinderela!
Felizmente não houve vítimas

Magali morre de intoxicação alimentar

Cachorro Snoopy é sacrificado após morder a perna do dono Charlie Brown
Acossado por entidades de direitos dos animais, capitaneadas por Pluto e o Gato Félix, Brown defendeu-se como pode. “Foi uma pena”, declarou durante o enterro, “era um bom cachorro e um excelente companheiro de trabalho.” Snoopy, deixa Lassie, esposa dedicada, e três filhotinhos, Rex, Totó e Snoopy Júnior, agora, literalmente, cães sem dono.

Lobo Mau é a mais nova vítima da gripe suína

Recruta Zero convocado para a guerra do Iraque.
“Se voltar com vida”, garante o personagem, “pretendo dar baixa e voltar à vida civil”

007 pega doença venérea de perigosa agente russa e morre!
Cientistas britânicos afirmam: tentamos achar a cura mas não conseguimos. Trata-se de um vírus super-secreto.

Fonte: ViaPolítica/O autor

Silvio Fernando é jornalista e psicólogo formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Formou-se também em roteiro e dramaturgia pelo Núcleo do Teatro de Arena paulista. Entre outros veículos, foi colunista e crítico de cinema do site Bibliaworldnet, repórter da rádio baiana Brasil FM e atualmente é redator e roteirista das rádios Terra AM e Musical FM. No teatro, integrou as companhias Quarteto em Rir Maior e Os Terroristas do Riso. Escreveu e dirigiu peças de cunho educativo encenadas por populações em desvantagem social e jovens em situação de risco.

Do mesmo autor, leia também em VP: “Sacrifício em megahertz”, “O quanto você é sedutor? e “Não acredite em tudo o que você lê nos jornais”

E-mail: sfernandor@hotmail.com

REPÓRTER ENTREVISTA SOBRE FILOSOFIA



Urariano Mota*

Esta entrevista foi dada a uma jovem repórter de uma das revistas culturais do Brasil. Como não foi publicada, só me resta fazê-la pública nesta coluna. Acreditem, é tudo verdade.

Repórter - Comecemos, então, por essa onda de, digamos, popularização da filosofia: televisão, café filosófico, casa do saber, volta da disciplina às escolas. Acho que podemos começar a conversão, não é? Mais uma vez, obrigado pela atenção.

1. Como o senhor vê esse processo? É de fato uma tentativa de popularização, é uma necessidade ou estão tratando qualquer tipo de reflexão como filosofia?

UM - Você me faz perguntas que moram em lugar além da minha competência. Mas na medida da minha incapacidade, respondo: a filosofia ainda não está popularizada, mesmo nessa ‘onda’. Televisão, Café Filosófico, Casa do Saber (Daslu do Viver, se bem entendo). Ainda que possuam ‘formatos’, conteúdos diferentes, isso ainda não é filosofia, e muito menos a sua popularização. Até onde me lembro, e olhe que não sou tão jovem assim, o movimento dessa onda vem dos livros de autoajuda, de fórmulas de convivência (de aceitação do status do mundo), e atinge o que todo executivo, aspirante a executivo, burocratas dizem a respeito de qualquer concepção: ‘A ideia, a filosofia é...’. Isso é uma outra filosofia. Trata-se de uma dignificação do vulgar. ‘Sim, aceitamos o que o mundo é, aceitamos como o mundo se apresenta’, esses cursos insinuam, e tratam de palestras, dolce far niente, que ninguém é de ferro. Pelo que sei, pelo que lembro, pois lembrar a experiência é um saber, a filosofia esteve popularizada entre os jovens, entre os estudantes, nos anos de militância contra a ditadura militar. Duvida? Veja como se expressam, como expõem suas idéias os sobreviventes da época. Todos, quase todos discutiam Sartre, Lukács, Marx, Hegel, para viver – o que não era bem um viver bem. Muitos desses jovens filósofos foram assassinados.

Repórter - O que é filosofia, afinal?

UM - Eu lhe respondo como a sinto: para mim, filosofia é a mais alta reflexão sobre o mundo. Ela responde a dúvidas de especialistas, até mesmo sem o conhecimento dos especialistas. No começo do século XX, a Física, diziam os mais doutos físicos, estava no fim, porque se havia descoberto a partícula última do átomo. Foi preciso que um pensador, de nome Lênin, repusesse as coisas nos seguintes termos: “Pesquisem, pesquisem mais. A realidade é inesgotável”. E se viu depois o quanto ele estava e está certo.

Repórter - Toda reflexão é filosofia?

UM - Acredito que essa pergunta foi respondida antes.

Repórter - É possível ampliar o ensino da filosofia, levá-la à periferia, por exemplo, ou num país de ensino precário filosofar é elitista?

UM - A filosofia é tão elitista quanto saber ler. É tão elitista quanto saber pintar. E pessoas do povo leem, pintam e nos ensinam, todos os dias. É claro que é possível levar a filosofia ao mundo periférico – que precisa mais desse conhecimento poderoso que os frequentadores da Casa do Saber. Para o mundo dos excluídos, é uma questão de sobrevivência – pensar, refletir, organizar o mundo, organizar-se, propor e discutir alternativas ou superação.

Repórter - Por que é importante ampliar o acesso ao aprendizado da filosofia? Para que serve a filosofia?

UM - Acredito que Marx já respondeu sobre isso. A filosofia serve para transformar o mundo.

Repórter - O que o senhor não gostou no quadro Ser ou Não Ser, do Fantástico?

UM - O ‘Ser ou não Ser’, que deveria se chamar ‘Necas de filosofia’, retirou o seu maior dano do fato de vender uma falsificação, uma miséria da filosofia como se fosse um pensar filosófico. O tempo dele era curto, curtíssimo, para a reflexão – qualquer reflexão. O quadro entrava no programa como uma notícia no Jornal Nacional – você chora por um desastre e no segundo seguinte sorri para o samba na avenida. Nele, conceitos datados, visões superadas pela história, apareceram como um pensamento moderno, novíssimo.

Repórter - O que o senhor acha de iniciativas como a Casa do Saber, instalada no Rio e em SP, que oferece cursos com figuras do ´pensamento` nacional, a preços bem salgados?

UM - A indigência intelectual da elite quer ilustração, melhor dizendo, quer o status de ilustrada. Assim como compram quadros de arte por metro quadrado, vinhos para os quais não têm nem educação, querem se mostrar ilustrados, mencionar o nome de Sócrates entre um importado e outro. O público dos cursos forma um cadastro vip. Um ótimo arquivo para a fiscalização da Receita Federal”.

E mais não me foi perguntado.


*Urariano Mota, escritor e jornalista, autor de “Soledad no Recife” (Boitempo – 2009) seu último romance, indicado como um possível livro do ano pelo conceituado site Nova Cultura, elaborado e administrado na Alemanha, com os destaques literários da CPLP - Comunidade de Países de Língua Portuguesa. É colunista do site Direto da Redação, edita o blog SAPOTI DE JAPARANDUBA http://urarianoms.blog.uol.com.br/

Colabora com esta nossa Agência Assaz Atroz

.

PressAA

.


_____________________
http://santanadoipanema.blogspot.com/