Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 30 de janeiro de 2010

Kafka

Cinco cuentos cortos

Franz Kafka

UN MENSAJE IMPERIAL

El Emperador, tal va una parábola, os ha mandado, humilde sujeto, quien sois la insignificante sombra arrinconándose en la más recóndita distancia del sol imperial, un mensaje; el Emperador desde su lecho de muerte os ha mandado un mensaje para vos únicamente. Ha comandado al mensajero a arrodillarse junto a la cama, y ha susurrado el mensaje; ha puesto tanta importancia al mensaje, que ha ordenado al mensajero se lo repita en el oído. Luego, con un movimiento de cabeza, ha confirmado estar correcto. Sí, ante los congregados espectadores de su muerte -toda pared obstructora ha sido tumbada, y en las espaciosas y colosalmente altas escaleras están en un círculo los grandes príncipes del Imperio- ante todos ellos, él ha mandado su mensaje. El mensajero inmediatamente embarca su viaje; un poderoso, infatigable hombre; ahora empujando con su brazo diestro, ahora con el siniestro, taja un camino al través de la multitud; si encuentra resistencia, apunta a su pecho, donde el símbolo del sol repica de luz; al contrario de otro hombre cualquiera, su camino así se le facilita. Mas las multitudes son tan vastas; sus números no tienen fin. Si tan sólo pudiera alcanzar los amplios campos, cuán rápido él volaría, y pronto, sin duda alguna, escucharías el bienvenido martilleo de sus puños en tu puerta.

Pero, en vez, cómo vanamente gasta sus fuerzas; aún todavía traza su camino tras las cámaras del profundo interior del palacio; nunca llegará al final de ellas; y si lo lograra, nada se lograría en ello; él debe, tras aquello, luchar durante su camino hacia abajo por las escaleras; y si lo lograra, nada se lograría en ello; todavía tiene que cruzar las cortes; y tras las cortes, el segundo palacio externo; y una vez más, más escaleras y cortes; y de nuevo otro palacio; y así por miles de años; y por si al fin llegara a lanzarse afuera, tras la última puerta del último palacio -pero nunca, nunca podría llegar eso a suceder-, la capital imperial, centro del mundo, caería ante él, apretada a explotar con sus propios sedimentos. Nadie podría luchar y salir de ahí, ni siquiera con el mensaje de un hombre muerto. Mas os sentáis tras la ventana, al caer la noche, y os lo imagináis, en sueños.
EL ZOPILOTE

Un zopilote estaba mordisqueándome los pies. Ya había despedazado mis botas y calcetas, y ahora ya estaba mordiendo mis propios pies. Una y otra vez les daba un mordisco, luego me rondaba varias veces, sin cesar, para después volver a continuar con su trabajo. Un caballero, de repente, pasó, echó un vistazo, y luego me preguntó por qué sufría al zopilote.

"Estoy perdido", le dije. Cuando vino y comenzó a atacarme, yo por supuesto traté de hacer que se fuera, hasta traté de estrangularlo, pero estos animales son muy fuertes... estuvo a punto de echarse a mi cara, mas preferí sacrificar mis pies. Ahora están casi deshechos". "¡Vete tú a saber, dejándote torturar de esta manera!", me dijo el caballero. "Un tiro, y te echas al zopilote." "¿En serio?", dije. "¿Y usted me haría el favor?" "Con gusto," dijo el caballero, "sólo tengo que ir a casa e ir por mi pistola. ¿Se podría usted esperar otra media hora?" "Quién sabe", le dije, y me estuve por un momento, tieso de dolor. Entonces le dije: "Sin embargo, vaya a ver si puede... por favor". "Muy bien", dijo el caballero, "trataré de hacerlo lo más pronto que pueda". Durante la conversación, el zopilote había estado tranquilamente escuchando, girando su ojo lentamente entre mí y el caballero. Ahora me había dado cuenta que había estado entendiéndolo todo; alzó ala, se hizo hacia atrás, para agarrar vuelo, y luego, como un jabalinista, lanzó su pico por mi boca, muy dentro de mí. Cayendo hacia atrás, me alivió el sentirle ahogarse irretrocediblemente en mi sangre, la cual estaba llenando cada uno de mis huecos, inundando cada una de mis costas.
UNA PEQUEÑA FABULA

"Ay", dijo el ratón, "el mundo se está haciendo más chiquito cada día. Al principio era tan grande que yo tenía miedo, corría y corría, y me alegraba cuando al fin veía paredes a lo lejos a diestra y siniestra, pero estas largas paredes se han achicado tanto que ya estoy en la última cámara, y ahí en la esquina está la trampa a la cual yo debo caer".
"Solamente tienes que cambiar tu dirección", dijo el gato, y se lo comió.
LA PARTIDA

Ordené que trajeran mi caballo del establo. El sirviente no entendió mis órdenes. Así que fui al establo yo mismo, le puse silla a mi caballo, y lo monté. A la distancia escuché el sonido de una trompeta, y le pregunté al sirviente qué significaba. El no sabía nada, y escuchó nada. En el portal me detuvo y preguntó: "¿A dónde va el patrón?" "No lo sé", le dije, "simplemente fuera de aquí, simplemente fuera de aquí. Fuera de aquí, nada más, es la única manera en que puedo alcanzar mi meta". "¿Así que usted conoce su meta?", preguntó. "Sí", repliqué, "te lo acabo de decir. Fuera de aquí, esa es mi meta".
EL PASEO REPENTINO

Cuando por la noche uno parece haberse decidido terminantemente a quedarse en casa; se ha puesto una bata; después de la cena se ha sentado a la mesa iluminada, dispuesto a hacer aquel trabajo o a jugar aquel juego luego de terminado el cual habitualmente uno se va a dormir; cuando afuera el tiempo es tan malo que lo más natural es quedarse en casa; cuando uno ya ha pasado tan largo rato sentado tranquilo a la mesa que irse provocaría el asombro de todos; cuando ya la escalera está oscura y la puerta de calle trancada; y cuando entonces uno, a pesar de todo esto, presa de una repentina desazón, se cambia la bata; aparece en seguida vestido de calle; explica que tiene que salir, y además lo hace después de despedirse rápidamente; cuando uno cree haber dado a entender mayor o menor disgusto de acuerdo con la celeridad con que ha cerrado la casa dando un portazo; cuando en la calle uno se reencuentra, dueño de miembros que responden con una especial movilidad a esta libertad ya inesperada que uno les ha conseguido; cuando mediante esta sola decisión uno siente concentrada en sí toda la capacidad determinativa; cuando uno, otorgando al hecho una mayor importancia que la habitual, se da cuenta de que tiene más fuerza para provocar y soportar el más rápido cambio que necesidad de hacerlo, y cuando uno va así corriendo por las largas calles, entonces uno, por esa noche, se ha separado completamente de su familia, que se va escurriendo hacia la insustancialidad, mientras uno, completamente denso, negro de tan preciso, golpeándose los muslos por detrás, se yergue en su verdadera estatura.

Todo esto se intensifica aún más si a estas altas horas de la noche uno se dirige a casa de un amigo para saber cómo le va.

Franz Kafka: nacido en Praga, Checoslovaquia, en 1883, y fallecido en Austria en 1924. Escribió toda su obra en lengua alemana. Es considerado uno de los grandes literatos del siglo XX. Al morir pidió a su amigo y albacea literario, Max Brod, destruir toda su obra, cosa que éste no hizo, legando así al mundo una producción verdaderamente fascinante.


(Argenpress Cultural)

GOLPE A VISTA: Anistia Internacional declara ditatorial a Venezuela. e ajuda os interesses do IMPERIO GOLPISTA


Depois da polêmica criada a partir da defesa feita pelo ex-guerrilheiro KID- Lungaretti a "maior ONG do MUNDO e mais séria", a mesmo, com a seriedade dos defensores do império norte-americano, incita o mundo a considerar ditatorial um presidente que encerra a concessão publica de emissoras de comunicação do estilo da Globo brasileira. A AI julga como "falta de liberdade" a atitude tomada pelo presidente Chávez, o mesmo presidente que em 2002, por decorrência e conivência dos donos da RCTV sofreu um golpe descrito nesse documentário A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA
(em Inglês)
ou nessa serie a partir do link: http://www.youtube. com/watch? v=aQu8ic0WRXo  Em português - parte 1 de 10.

Mais uma vez, usando uma linguagem "humanista" a AI serve ao império e seus interesses.

E quem vai ser o "revolucionário esquerdista de vanguarda" a defender a maior "ONG do mundo" e sua manipulada tradução de Liberdade.

: "NAO CONFUNDA LIBERDADE COM LIBERTINAGEM"  dona AI. 

Olha a deixa aí para outras ditaduras em Nuestra America e para mais uma retaliação ao INDISPENSAVEL NA INTEGRA PNDH3. Tudo em nome daquele "velho estado democrático de direito" que instalou no Brasil a maior e mais sangrenta ditadura Militar nos idos de 64/84, a mesma ditadura que matou Lamarca e os companheiros de KID- Lungaretti dentre outros

Com a palavra os "restos" de defensores de DH.

Forte Abraço e VAMOS A LUTA
Fernanda Tardin


De: Salvador Tio Assunto: Declaración de Amnistía Internacional sobre Venezuela del 29/01/2010
Para: "fernanda tardin"
Data: Sábado, 30 de Janeiro de 2010, 14:00


Declaración de Amnistía Internacional sobre Venezuela del 29/01/2010
AMNISTIA INTERNACIONAL
DECLARACION PUBLICA

29 de enero de 2009

El Estado venezolano debe respetar los derechos fundamentales a la reunión y a la libertad de expresión

Tras los últimos hechos de violencia ocurridos durante las protestas estudiantiles en diferentes ciudades del país a favor y en contra de la suspensión de RCTV Internacional, Amnistía Internacional hizo un  llamado a las autoridades a que garanticen el derecho de reunión y de expresión de todas las personas, y se aseguren que la muerte de los estudiantes Yosinio Carrillo Torres, de 16 años, y Marcos Rosales; así como las lesiones que han sufrido decenas de otras personas, incluidos manifestantes y miembros de las  fuerzas del orden,  sean investigadas y los responsables llevados ante la justicia. 

Las autoridades  deben  condenar de forma inequívoca  e inmediatamente estos graves abusos y garantizar que las fuerzas del orden sólo intervengan para proteger la integridad y la vida de todas las personas que deseen ejercer su legítimo derecho a la reunión.

El estado tiene el deber de mantener el orden siempre asegurando que las fuerzas de seguridad emplean la fuerza, incluido el uso de armas, sólo cuando sea estrictamente necesario y de acuerdo a un principio de proporcionalidad, sin inflingir en ningún caso torturas o tratos o penas crueles, inhumanas o degradantes, tal y como lo especifican los  estándares internacionales de derechos humanos y la Constitución de la República Bolivariana de Venezuela.

“El derecho a la reunión es un derecho fundamental, pero no es un derecho a la protesta violenta.  Manifestantes y sus líderes deben de asegurar que no se haga uso de la violencia”,  especificó Amnistía Internacional.

Lo ocurrido estos últimos días no es un hecho aislado. En los últimos 13 meses en los que las protestas han incrementado marcadamente en Venezuela cerca de 600 manifestantes han resultado heridos, al menos 14 con heridas de arma de fuego, y  son ya 9 los manifestantes fallecidos. Según informes, la mayoría violentados por las fuerzas de seguridad, por grupos civiles armados simpatizantes del gobierno que reivindican sus acciones o por civiles no identificados.

Amnistía Internacional está sumamente preocupada por el deterioro de la libertad de expresión en la Republica Bolivariana de Venezuela. Todos los derechos humanos, incluido el derecho a la libertad de expresión y reunión, deben ser respetados y la sociedad debe percibir que son respetados.

La no renovación o suspensión de licencias de canales de televisión y radio, como lo sucedido en el 2007 con RCTV y el año pasado cuando se revocó la licencia a 34 emisoras de radio, sumado a la reciente suspensión de cuatro canales de televisión por cable, incluido RCTV Internacional, manifiestan la falta de respeto de las autoridades  a la legitima labor de los medios de comunicación, especialmente cuando estos son conocidos por su línea editorial crítica al gobierno.

“Si bien los medios de comunicación deben sujetarse a lo establecido en la ley, el cierre de un medio de comunicación debe ser el ultimo recurso y una medida que solo debe ser puesta en practica después de haberse dado todas las garantías de un debido proceso, incluido el derecho a presentar una defensa y a la apelación”, dijo Amnistía Internacional.

Si el Gobierno venezolano esta comprometido con los valores del estado de derecho debe promover, proteger y respetar el derecho a la libertad de expresión y de reunión  y celebrar la importancia y contribución positiva que en un Estado de derecho juegan la crítica y transparencia, afirmó  Amnistía Internacional.

Información adicional
RCTV Internacional y otros cinco canales de televisión por cable fueron retirados del aire en la madrugada del 23 de Enero por haber presuntamente contravenido el artículo 10 de la Ley de Responsabilidad Social en Radio y Televisión. Según informes, cuatro de estos canales de televisión por cable Momentum, TV Chile, American Network y Ritmoson podrán volver a retransmitir.

Los  derechos a la libertad de expresión y de reunión son derechos  fundamental garantizados tanto por la Declaración Universal de Derechos Humanos y  la Convención Americana sobre Derechos Humanos, como por la Constitución de la Republica Bolivariana de Venezuela.

FIN/

Denuncian campaña internacional y nacional de medios privados contra Venezuel

Política
 http://www.abn.info.ve/noticia.php?articulo=217944&lee=1
Denuncian campaña internacional y nacional de medios privados contra Venezuela


Caracas, 29 Ene. ABN.- Medios de comunicación privados profundamente vinculados a los intereses de la oligarquía internacional y nacional sostienen una campaña mediática contra Venezuela, que se basa en argumentos falsos y que pretende crear caos y desestabilización en el país.

Así lo denunciaron este viernes en rueda de prensa, la ministra del Poder Popular para la Comunicación y la Información, Blanca Eeckhout, acompañada de la directora del Correo del Orinoco, Vanessa Davies y la directora de Radio Nacional de Venezuela, Helena Salcedo.

“Estamos siendo atacados, agredidos (...) los perros ladran, nos atacan, porque vamos en el camino correcto, el imperio nos ataca, pero el socialismo sigue su camino”, denunció la ministra Eeckhout al referirse sobre la actuación de los medios de comunicación privados.

Aseguró que el capitalismo será derrotado por la conciencia del pueblo, y por la lucha diaria que llevan a cabo los medios alternativos que están comprometidos con la verdad y la responsabilidad social.

Argumentó que la agenda mediática de guerra, busca crear un golpe de Estado que está dirigido y apoyado por el imperio de Estados Unidos, que durante los últimos días ya ha generado la deplorable cifra de dos jóvenes fallecidos.

Agregó, que la campaña mediática que sostienen estos medios privados contra la estabilidad democrática de la nación busca crear un nuevo escenario como el que ocurrió el pasado 11 de abril de 2002, cuando la oligarquía venezolana acompañada y apoyada por los medios medios de comunicación internacionales y nacionales dieron un golpe de Estado contra el Gobierno Nacional, que rompió por dos días el orden constitucional del país.



Lea también:
  Periodistas solicitarán a Fiscalía impedir uso de medios para generar violencia  Es evidente la marcha de un plan desestabilizador en el país

Sexo

Explican mística del acto sexual en antiguos peruanos

Juan Carlos Lázaro (XINHUA)

El acto sexual para los antiguos peruanos de las culturas precolombinas e incaica era un ritual mágico y religioso, a través del cual se daba paso a la fecundación de la Tierra ("Pachamama") por obra del Dios del Agua, que representa la fuerza masculina.

Así lo sostuvo el arqueólogo Federico Kauffmann-Doig, quien ha investigado el tema desde la década de 1980 y cuyas conclusiones están plasmadas en dos libros, de los cuales el más reciente es “Sexo y magia sexual en el antiguo Perú”.

El antiguo peruano era agricultor y entendía que la tierra no podia dar ningún fruto si no era fecundada por el agua, lo cual lo llevó a polarizar dos fuerzas, la femenina y la masculina, que a la vez transfirió a la esfera divina y tributó adoración mediante el acto sexual, indicó.

Kauffmann-Doig explicó que sus referencias a la antigua cultura peruana o andina comprenden aquella que comenzó hace 3.000 o 4.000 años en el territorio que ahora es el Perú, que siguió un largo proceso de evolución y que tuvo varias ramificaciones en diferentes culturas.

Los antiguos peruanos, contra lo que generalmente se cree, no tenían ni creían en un solo dios hacedor de todo lo existente, sino en dos dioses que representaban a las dos fuerzas creadoras del universo, la femenina (la tierra) y la masculina (el agua), señaló.

Las antiguas civilizaciones elevaron la cópula, la relación sexual, a la esfera de la magia, de los ritos, de los dioses.

Las investigaciones de Kauffmann-Doig tuvieron como base fundamental las representaciones que sobre el acto sexual fueron plasmadas en las guacas (sepulcros) de las diferentes culturas precolombinas, fundamentalmente de las culturas vicús y mochica, así como las crónicas de la conquista de Perú.

Tanto la cultura vicús como la mochica, anteriores a los incas, se desarrollaron en la costa norte de Perú, frente al océano Pacífico, en un territorio caracterizado por sus extensos desiertos de arena e intenso sol.

Las investigaciones sobre la cultura mochica realizadas por Rafael Larco-Hoyle en la década de 1930, descubrieron una gran cantidad de guacas que ilustran ampliamente la actividad sexual de su población.

Esas representaciones de su vida sexual, dijo Kauffmann-Doig, indican que practicaban las ocho o nueve posiciones fundamentales de la cópula, tal como se practican en la actualidad, pero entre ellos tenían un carácter mágico-religioso.

El hecho que otras culturas diferentes a la vicús y la mochica no hayan dejado testimonios tan explícitos sobre su vida sexual, indica que entre ellas habían fuertes restricciones y férreos controles en esa materia.

Los incas, por ejemplo, castigaban cruelmente el adulterio y la homosexualidad, aunque ésta solo era permitida "en relación a ciertos conceptos religiosos muy arcaicos" en algunas provincias.

El investigador explicó que en la civilización inca sólo al monarca, por su alta jerarquía, se le permitía tener varias mujeres, por lo que para él se crearon los "acllahuasis" (casas de las escogidas).

Las "acllas" eran mujeres escogidas especialmente para el inca, a quien acompañaban durante sus largos viajes, incluso eran entregadas a algún general o soldado como premio por alguna hazaña.

En cambio, según ilustran los textos y gráficos del cronista indio Huamán Poma de Ayala, el adulterio entre las personas comunes en la cultura inca era castigado con crueles torturas, como la lapidación pública o colgando de la cabellera a los autores de esa falta.

Kauffmann-Doig señaló que el tema de la virginidad de la mujer inca era entendido como una afrenta, algo muy diferente a como la entiende occidente y el mundo actual.

"La mujer que llegaba virgen al matrimonio o al 'servinacuy' (convivencia pre matrimonial) era mal querida y señalada como fea, sin gracia, una señal de que nunca había gustado a los hombres", explicó.

En cambio, el matrimonio se entendía como algo sagrado, un ritual a los dioses creadores, de ahí también que se castigara cruelmente el adulterio.

De acuerdo con algunos testimonios, las parejas incas practicaban el coito anal, especialmente en la etapa que seguía al alumbramiento de la mujer, con el fin de no embarazarla otra vez de inmediato, señaló Kauffmann-Doig.

"Se pensaba que un embarazo inmediato al alumbramiento disminuía la producción de leche en la mujer, afectando a la criatura recién nacida, por lo que la práctica sexual en esa etapa se orientaba al lado anal", explicó.

El estado inca se consolidó en el siglo XV durante el reinado de Pachacutec, con sede en el Cusco, y sus sucesores extendieron los dominios de su reinado en gran parte de América del Sur.

La cultura inca sorprende por su gran organización social y militar, su planificación económica, su arquitectura y su agricultura, pese a que se desarrolló en una de las geografías más accidentadas del planeta.

El historiador inglés Arnol Toynbee clasificó el periodo inca entre las culturas superiores del mundo antiguo.

(Argenpress Cultural)

Escravidão

Nós, escravocratas
Por Cristovam Buarque em 30/01/2010
Há exatos cem anos, saía da vida para a história um dos maiores brasileiros de todos os tempos: o pernambucano Joaquim Nabuco. Político que ousou pensar, intelectual que não se omitiu em agir, pensador e ativista com causa, principal artífice da abolição do regime escravocrata no Brasil. Apesar da vitória conquistada, Joaquim Nabuco reconhecia: “Acabar com a escravidão não basta. É preciso acabar com a obra da escravidão”, como lembrou na semana passada Marcos Vinicios Vilaça, em solenidade na Academia Brasileira de Letras.
Mas a obra da escravidão continua viva, sob a forma da exclusão social: pobres, especialmente negros, sem terra, sem emprego, sem casa, sem água, sem esgoto, muitos ainda sem comida; sobretudo sem acesso à educação de qualidade.
Ainda que não aceitemos vender, aprisionar e condenar seres humanos ao trabalho forçado pela escravidão – mesmo quando o trabalho escravo permanece em diversas partes do território brasileiro –, por falta de qualificação, condenamos milhões ao desemprego ou trabalho humilhante. Em 1888, libertamos 800 mil escravos, jogando-os na miséria. Em 2010, negamos alfabetização a 14 milhões de adultos, negamos Ensino Médio a 2/3 dos jovens. De 1888 até nossos dias, dezenas de milhões morreram adultos sem saber ler.
Cem anos depois da morte de Joaquim Nabuco, a obra da escravidão se mantém e continuamos escravocratas.
Somos escravocratas ao deixarmos que a escola seja tão diferenciada, conforme a renda da família de uma criança, quanto eram diferenciadas as vidas na Casa Grande ou na Senzala. Somos escravocratas porque, até hoje, não fizemos a distribuição do conhecimento: instrumento decisivo para a liberdade nos dias atuais. Somos escravocratas porque todos nós, que estudamos, escrevemos, lemos e obtemos empregos graças aos diplomas, beneficiamo-nos da exclusão dos que não estudaram. Como antes, os brasileiros livres se beneficiavam do trabalho dos escravos.
Somos escravocratas ao jogarmos, sobre os analfabetos, a culpa por não saberem ler, em vez de assumirmos nossa própria culpa pelas decisões tomadas ao longo de décadas. Privilegiamos investimentos econômicos no lugar de escolas e professores. Somos escravocratas, porque construímos universidades para nossos filhos, mas negamos a mesma chance aos jovens que foram deserdados do Ensino Médio completo com qualidade. Somos escravocratas de um novo tipo: a negação da educação é parte da obra deixada pelos séculos de escravidão.
A exclusão da educação substituiu o sequestro na África, o transporte até o Brasil, a prisão e o trabalho forçado. Somos escravocratas que não pagamos para ter escravos: nossa escravidão ficou mais barata e o dinheiro para comprar os escravos pode ser usado em benefício dos novos escravocratas. Como na escravidão, o trabalho braçal fica reservado para os novos escravos: os sem educação.
Negamo-nos a eliminar a obra da escravidão.
Somos escravocratas porque ainda achamos naturais as novas formas de escravidão; e nossos intelectuais e economistas comemoram minúscula distribuição de renda, como antes os senhores se vangloriavam da melhoria na alimentação de seus escravos, nos anos de alta no preço do açúcar. Continuamos escravocratas, comemorando gestos parciais. Antes, com a proibição do tráfico, a lei do ventre livre, a alforria dos sexagenários. Agora, com o bolsa família, o voto do analfabeto ou a aposentadoria rural. Medidas generosas, para inglês ver e sem a ousadia da abolição plena.
Somos escravocratas porque, como no século XIX, não percebemos a estupidez de não abolirmos a escravidão. Ficamos na mesquinhez dos nossos interesses imediatos negando fazer a revolução educacional que poderia completar a quase-abolição de 1888. Não ousamos romper as amarras que envergonham e impedem nosso salto para uma sociedade civilizada, como, por 350 anos, a escravidão nos envergonhava e amarrava nosso avanço.
Cem anos depois da morte de Joaquim Nabuco, a obra criada pela escravidão continua, porque continuamos escravocratas. E ao continuarmos escravocratas, não libertamos os escravos condenados à falta de educação.
.
(*) Cristovam Buarque é Professor da Universidade de Brasília e Senador pelo PDT/DF. Visite o blog de Cristovam: http://cristovam.org.br/blog/
(De Consciencia net)

Saiu o livro "Livre Pensar Literário", da Nova Coletânea, com autores de vários estados brasileiros e de países de 4 continentes

.



Nasceu nosso querido livro "Livre Pensar Literário", bonito como seus pais.

Depois de sofrer as demoras necessárias ao bom e inspirado nascimento, temos muito a festejar e, a partir de agora, cedê-los à contemplação daqueles que o geraram.

O título, inspirado na página literária da escritora Maria Angélica Ramos Generoso (foto) defendia a liberdade desde o início; uma liberdade engajada, formatada pelas almas de gente que disciplinadamente produz o melhor néctar nas palavras. São poemas, contos e crônicas que enaltecem valores, criticam alienações, fomentam novas consciências, engradecem a alma civil.

Homenageando, merecidamente, Cirene Alves Ferreira, autora mineira de literariedades universais, a OBRA quer ganhar o leitor pela qualidade que a compõe.
Com o gratificante apoio de profissionais do ramo editorial, podendo citar Edir de Oliveira Barbosa (editor), Miro Saraiva (diagramador), Constança Chaves (revisora), Nelson Coeli (revisora), e finalização dos trabalhos de impressão com a Gráfica e Editora Suprema, o resultado dessa parceria não poderia ser melhor.

A todos os autores, colaboradores e aqueles que de algum modo encorajaram e fizeram parte deste projeto nosso muito obrigado

A organização

Teixeiras [MG], 29 de janeiro de 2010

* * *

Agora me diga mesmo: esse não parece o título de uma monografia de final de curso? Mas não é. Trata-se do miniconto de autoria deste Editor-Assaz-Atroz-Chefe, publicado no livro Livre Pensar Literário.

A lógica da plataforma eleitoral

Fernando Soares Campos - Editor-Assaz-Atroz-Chefe


Todos os dias os três amigos aposentados se reuniam naquele bar. Invariavelmente, discutiam as notícias em destaque na mídia. Tudo acontecia como num ritual de confraria: Natanael lia o jornal e os amigos opinavam sobre os fatos. Quase sempre Bernardo discordava da opinião de Alcebíades, e Natanael costumava rebater os dois com um parecer, digamos, “inusitado”.

– A polícia estourou depósito com uma tonelada de maconha – informou Natanael.
– Salta essa, Natan – sugeriu Alcebíades. – Isso aí é rotina policial.
– Rotina na favela ou na fronteira do Paraguai. Mas não é todo dia que se descobre uma tonelada de maconha em fundo falso de ônibus da Viação Pássaros da Serra...
–Pera lá! – cortou Bernardo. – Logo a Pássaros da Serra?! Isso quer dizer que, sempre que levei minha família para finais de semana no litoral, viajamos em cima de uma carga de maconha!

Alcebíades emendou:

– Isso quer dizer que, depois de viajarem de ônibus, os passageiros da Pássaros da Serra podiam viajar num baseado, à beira-mar. Ora, deveriam liberar de vez a Cannabis!
– Sou contra a legalização da maconha! – quase gritou Bernardo.

Natanael abriu o jornal e fingiu que o lia enquanto falava:

– Vocês se lembram que, tempos atrás, nós comentamos sobre doação de campanha?
– Sim... – confirmou Alcebíades.
– O que tem uma coisa a ver com a outra? – quis saber Bernardo.
– Bom, é que a empresa Viação Pássaros da Serra é doadora de campanha de três deputados e um senador.

Bernardo, desatento ao que ele próprio falava, soltou o verbo:

– Votei num desses deputados e no senador exatamente por serem... – súbito, Bernardo engasgou; olhou para os amigos, que esperavam a conclusão de sua fala. – Bom... é que... esses camaradas são...

Natanael dobrou o jornal, colocou-o sobre a mesa e concluiu pelo amigo:

– Isso mesmo, Berná! Lógico que todos eles são... contra a legalização da maconha!

___________________________________

Mais informações sobre o livro e a editora Nova Coletânea:

http://novacoletanea.blogspot.com/2010/01/nova-coletanea-livre-pensar-literario-o.html

http://assazatroz.blogspot.com/2009/12/nosso-editor-assaz-atroz-chefe-no.html


Você pode participar da próxima edição.

.

PressAA

.

Manifestação em Berlin e no Mexico contra "eleições em Honduras"



ISSO É GOLPE!

Denunciam manifestantes em Berlin e no Mexico

Zinn, rebelde que invitaba a hacer historia

A juicio de Noam Chomsky, su colega y amigo rescataba las raíces de las luchas colectivas
Zinn, rebelde que invitaba a hacer historia



El historiador rebelde Howard Zinn, quien falleció ayer a los 87 años, dedicó su vida a narrar, nutrir y provocar los milagros que rescatan a la humanidad del cinismo, la opresión y la injusticia.
Con su libro A People’s History of the United States (publicado por primera vez en 1980, y que cuenta ya con varias ediciones actualizadas) , que suma millones de lectores, cambió la narrativa de este país. En lugar de la historia oficial de presidentes y poderosos, Zinn relató otra en que los protagonistas son los sindicalistas radicales, los esclavos en rebelión, los indígenas, las mujeres, los activistas de los derechos civiles y contra las guerras. Con este libro y otros 20, además de cientos de artículos y discursos, Zinn rescata la memoria de las luchas colectivas y sus héroes, derrotando así la política oficial de promover la amnesia nacional.
La obra de Zinn fue inseparable de su manera de vivir, declaró hoy Noam Chomsky, en entrevista con La Jornada. Agregó que su proyecto básico consistía en sacar desde lo profundo a incontables personas desconocidas, cuyas acciones son las raíces de los grandes hechos que se registran en los libros de historia. Su visión era que si uno suprime las raíces, tal como se hace convencionalmente, no sólo fracasa en entender qué ocurrió, sino también anula el poder de las personas, ya que no se les permite alcanzar el entendimiento de que son ellas las que pueden cambiar las cosas.
Chomsky subrayó que ese trabajo está ligado a su propia vida, eso hacía, y recordó la participación directa de Zinn en los movimientos de derechos civiles, antibélicos y laborales. No puedo decir cuántas veces estuvimos juntos en manifestaciones, cuántas veces nos arrestaron a ambos, rememoró su colega y amigo.
Hasta sus últimos días, continuó trabajando, viajando, siempre muy optimista, cuenta Chomsky, y eso a pesar de graves problemas físicos que tuvo al final. Fue encantador. Un ser humano único, no creo que haya muchos como él, concluyó.
Como maestro universitario –primero en Spelman College, en Atlanta, y después en Boston University– e intelectual, Zinn se dedicaba a generar el cuestionamiento del poder. Yo deseaba que mis estudiantes se fueran de mis clases no sólo mejor informados, sino más preparados para abandonar la seguridad del silencio, más preparados para responder en voz alta, para actuar contra la injusticia donde ésta se presentara. Esto, claro, era una receta para atraer problemas, escribió.
Sus alumnos, tanto los que asistieron a sus clases como los que leyeron sus libros o lo escuchaban en conferencias, foros, acciones de protesta y congresos, están por todo el mundo. El deseo de Zinn era que se volvieran parte de la historia de rebeldía contra la injusticia, la guerra y la opresión. Es decir, el historiador rebelde los invitaba a hacer historia.
Entre quienes se cuentan como sus discípulos hay figuras famosas, como la escritora Alice Walker (El color púrpura, alumna de Zinn en Spelman College), quien hoy, en entrevista con el noticiario Democracy Now habló de la enorme vitalidad de su maestro y de su valentía no sólo en las aulas sino en acciones callejeras con sus estudiantes. Además, dijo, mi profesor era una de las personas más graciosas que jamás he conocido, y solía decir las cosas más extraordinarias en los momentos más sorprendentes.
Otros que lo consideran su maestro, y quienes participaron en proyectos con él, incluyen al actor Matt Damon (creció como su vecino), Bruce Springsteen (dicen que su disco Nebraska fue influido por los escritos de Zinn), Tom Morello, el cantautor Steve Earle, y actores como Sean Penn, Danny Glover, Tim Robbins, Morgan Freeman y Marisa Tomei, entre otros. Pero tiene millones de admiradores más que no son famosos, algunos que han descubierto otra historia, contada desde abajo por primera vez, a través de su obra; otros que han aceptado su invitación a la disidencia, la resistencia y la rebeldía. A sus 87 años, Zinn era uno de los pocos intelectuales que gozaban de la confianza y respeto de los jóvenes en este país.
Hijo de trabajadores europeos judíos inmigrantes, Zinn fue criado en colonias proletarias de Brooklyn, y después de casarse vivió en el Lower East Side de Manhattan. Trabajador en el puerto de Nueva York, en los astilleros y como cargador en almacenes, son algunos de los oficios que ejerció mientras estudiaba en las universidades de Nueva York y Columbia (donde recibió su doctorado en historia, con una tesis sobre el político progresista Fiorello LaGuardia).
Se sumó a la guerra contra el fascismo y fue bombardero durante la Segunda Guerra Mundial. Pero al visitar los lugares que atacaron desde los cielos, especialmente después de enterarse de las terroríficas consecuencias de la bomba atómica en Japón, Zinn decidió que toda guerra es injustificable, y por el resto de su vida se dedicó a esta causa. Junto con Chomsky, fue uno de los primeros intelectuales en sumarse al movimiento contra la guerra en Vietnam.
Zinn cuenta que conoció a Chomsky en 1964 cuando ambos viajaron a Missisipi para protestar contra la detención de activistas de derechos civiles, y que después el movimiento antiguerra los acerco más y desde entonces habían sido amigos.
En 1967, el dramaturgo e historiador publicó Vietnam: la lógica del retiro, el primer libro sobre el tema en hacer un llamado a un retiro inmediato e incondicional de tropas. Junto con el famoso sacerdote católico radical Daniel Berrigan, viajaron a Vietnam del Norte en 1968 para recibir a los primeros tres prisioneros de guerra entregados por las fuerzas de liberación. Fue en la casa de Zinn donde Daniel Ellsberg, el funcionario del Departamento de Defensa que se volteó contra la guerra, escondió los que serían llamados los Pentagon Papers antes de ser publicados en los medios de comunicación nacionales, documentos secretos oficiales que demostraban el fracaso de la guerra cuya publicación fue un paso decisivo para marcar el principio del fin de ese conflicto bélico.
En sus últimos años gozó en crear otras maneras de hacer contemporáneas las voces disidentes y rebeldes del pasado a través de películas, obras en vivo y por televisión y el universo cibernético.
Realizó una serie de lecturas en voz alta por el país con reconocidos actores, poetas y músicos. Se tomaban turnos para leer, declamar o cantar selecciones de figuras rebeldes conocidas y desconocidas de la historia de Estados Unidos, todo esto introducido por Zinn. Discursos, cartas, ensayos y canciones de lucha, ira, denuncia y gritos por la justicia y contra las guerras a lo largo de la historia de este país resonaban ahí. Así, convocó a los héroes populares del pasado para guiar, apoyar y alentar a los héroes del presente en el movimiento de resistencia en Estados Unidos.
Un documental que registra este esfuerzo acaba de salir a la venta, The People Speak. La película fue presentada el año pasado en el festival de Sundance, y después en la ciudad de Nueva York, antes de ser trasmitido a escala nacional en diciembre por la televisora History Channel.
En uno de estos encuentros, en Nueva York hace un par de años, Zinn introdujo el espectáculo así: “Éstas son las voces no de la historia oficial, sino de los que han resistido, de los disidentes, gente trabajadora, socialistas, anarquistas, los que se opusieron al establishment en nombre de la paz y la justicia para todos.. Ellos son voz de los desafiadores, porque esa es la que necesitamos. Tenemos que alentar a la gente a desafiar este sistema, tenemos que hacer algo, esto es más bien un llamado a la acción.

http://www.jornada. unam.mx/2010/ 01/29/index. php?section= mundo&article=048n1mun
Enviada por Salvador Tió

Herança escravista X direitos humanos

Herança escravista X direitos humanos
Escrito por Osvaldo Russo
22-Jan-2010

Neste centenário da morte de Joaquim Nabuco, O Abolicionista, lembramos que este importante homem público, primeiro defensor da Reforma Agrária no Brasil, dizia que o fim da escravidão no Brasil era inseparável da democratização do solo rural pátrio. A elite imperial não lhe deu ouvidos: proclamou a abolição da escravatura sem distribuir terra aos escravos e sem garantir-lhes trabalho, casa ou escola. Aos novos homens e mulheres livres – afrodescendentes - restaram apenas os quilombos, os mocambos, as favelas, as prisões, a tortura, a fome e a dura e corajosa luta pela sobrevivência.
Porta-vozes dessa elite colonial, travestidos de republicanos modernos, escrevem que os sem-terra, acampados ou assentados são como baldes medievais e gente arruaceira. Concede-se até dar um pedaço de terra e pequena ajuda financeira a eles se assim o país puder se voltar inteiramente para o agro rico, com uso indiscriminado de sementes transgênicas e lucros fabulosos dos seus negócios. Nenhuma palavra sobre o latifúndio improdutivo ou agronegócio predador, como se estes fossem obra da imaginação e do radicalismo dos sem-terra e de suas organizações.
É possível avançar ainda mais no apoio à agricultura familiar e acelerar a reforma agrária, aprofundando o diálogo democrático com as organizações sindicais e os movimentos sociais, no sentido de garantir conquistas específicas do setor, respeitando-se o meio ambiente e os direitos humanos. Esse é o sentido do Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH-3 – aprovado pelo Presidente da República e isso não tem nada de medieval ou esquerdista: apenas resgata uma dívida social - colonial e escravista - com cinco séculos de exploração e violação de direitos dos camponeses no Brasil.
Diante da crise mundial do capital e dos resultados revelados pelo Censo Agropecuário 2006, não era de se espantar ou surpreender que um dos objetivos estratégicos do PNDH-3 fosse o fortalecimento de modelos de agricultura familiar e agroecológica, de modo a garantir que nos projetos de reforma agrária e agricultura familiar sejam incentivados os modelos de produção agroecológica e a inserção produtiva nos mercados formais; fortalecer a agricultura familiar camponesa e a pesca artesanal, com ampliação do crédito, do seguro, da assistência técnica, extensão rural e da infra-estrutura para a comercialização.
Contemporâneo com o novo século, o PNDH-3 também visa garantir pesquisa e programas voltados à agricultura familiar e pesca artesanal, com base nos princípios da agroecologia; fortalecer a legislação e a fiscalização para evitar a contaminação dos alimentos e danos à saúde e ao meio ambiente causados pelos agrotóxicos; promover o debate com as instituições de ensino superior e a sociedade civil para a implementação de cursos e realização de pesquisas tecnológicas voltados à temática sócio-ambiental, agroecologia e produção orgânica, respeitando as especificidades de cada região.
Em contraposição à política de repressão e criminalização dos movimentos sociais, um outro objetivo estratégico estabelecido pelo PNDH-3 constitui a utilização de modelos alternativos de solução de conflitos, de modo a, entre outras ações programáticas, fomentar iniciativas de mediação e conciliação, estimulando a resolução de conflitos por meios autocompositivos, voltados à maior pacificação social e menor judicialização. Recomenda ainda aos estados, ao Distrito Federal, aos municípios, ao Poder Judiciário, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e à sociedade civil o desenvolvimento e incentivo à utilização de formas e técnicas negociadas de resolução de conflitos. Isso é radicalmente democrático.
VEJA MAIS EM: http://www.correiocidadania.com.br/content/view/4251/9/">http://www.correiocidadania.com.br/content/view/4251/9/

http://blogln.ning.com/profiles/message/listInbox?xg_source=msg_mes_private

Enviada Por Jorge Modesto do Portal Luiz Nacif

04/02 vamos juntos participar: 33ª Caravana da Anistia

Camaradas,

segue abaixo (e em arquivo) o convite da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, para a Caravana em São Paulo, na próxima quinta-feira.
Importantes  sempre, esta Sessão de Julgamento se reveste ainda de maior relevo, uma vez que acontece num momento de fortes golpes e ataques da ultra-direita, civil e militar - com a conivência, participação ativa e articulação do senhor ministro da Defesa doutor Gilmar Mendes - contra as políticas, entidades e movimentos de Direitos Humanos.

Assim, é fundamental que estejamos todos presentes, e que levemos tod@s @s que estejam interessados na defesa dos Direitos Humanos; no esclarecimento dos crimes cometidos durante a ditadura e na responsabilização penal e condenação dos responsáveis por esses crimes; responsabilização penal e condenação dos responsáveis pelas chacinas no campo e nas periferias das grandes cidades que ocorrem até hoje; no fim das políticas de criminalização dos movimentos e organizações de trabalhadores e do povo que são cada dia mais intensas e freqüïentes - enfim, no aprofundamento da democracia em nosso País.

A nossa simples presença em massa - não tenhamos dúvida - representará uma importante e forte pressão no sentido de garantir as conquistas de todos esses anos de luta, e criar condição para novas.

Assim, peço também que, além de comparecerem e levarem outros camaradas e amigos, divulguem em todas as suas listas, sites e blogs, e que desde já os companheiros jornalistas - sobretudo aqueles que atuam das mídias independentes, pautem o assunto em seus meios de comunicação.

Um forte abraço e nos encontramos todos no dia 4,
Alipio Freire.

As marcas das ditaduras e a revelação dos sobreviventes

Urariano



As marcas das ditaduras e a revelação dos sobreviventes
O Projeto Direito à Memória e à Verdade organizou, em Porto Alegre, o Seminário "Sobreviventes: Marcas das Ditaduras nos Direitos Humanos”, como atividade paralela ao FSM. Os sobreviventes convidados foram o jornalista Bernardo Kucinski e a atual secretária de Direitos Humanos da cidade do Recife e fundadora do Movimento Tortura Nunca Mais, Amparo Araújo. Não se trata propriamente de saber quem são os torturadores; o sobrevivente e os sobreviventes o sabem. Trata-se de responsabilizar, apoderar-se do sentido, desvelar o que está, ainda, nas trevas.
Katarina Peixoto
Data: 28/01/2010
"Só assim brilha a Revelação
Numa época que Te rejeitou
Teu nada é a única experiência
Que de Ti é permitida”

Gershom Scholem, em “Com um exemplar do Processo de Kafka”

“Uma sociedade com futuro é uma sociedade com memória. Não por conta do nunca mais, não, que eu não acredito nisso. Mas para que a vida em comunidade faça sentido”, disse Lilian Celiberti, na terça-feira (26), em Porto Alegre, pouco antes de Lula pegar o microfone. Lilian Celiberti, militante feminista uruguaia e uma das poucas sobreviventes da Operação Condor, sabe o que essas palavras significam.

Mas o que elas querem dizer? O que organiza a exigência da memória na vida política de um povo? Por que essas palavras fazem sentido e como se pode traduzir a clareza na face de Lilian Celiberti, quando as pronunciou, para milhares de participantes do FSM?

O Projeto Direito à Memória e à Verdade – Aos que morreram na luta por um Brasil livre – organizou o Seminário “Sobreviventes: Marcas das Ditaduras nos Direitos Humanos”, na tarde do dia 27, como atividade paralela ao FSM. Os sobreviventes convidados foram o jornalista Bernardo Kucinski e a atual secretária de Direitos Humanos da da cidade do Recife e fundadora do Movimento Tortura Nunca Mais, Amparo Araújo.

Quando Bernardo começou a ler o texto que preparou para a ocasião ficou dolorosamente evidente o quanto essas interrogações acima não são triviais. E exatamente por isso resplandeceram duas exigências, de natureza moral, anti-jornalísticas: não usar um gravador e não tecer anotações num caderno. A melancolia do sobrevivente é, observou Bernardo, incontornavelmente individual e em certa medida irredutível à linguagem.

Agostinho de Hipona disse que “a morte era um embaraço para a linguagem”. E o desaparecimento, o extermínio, a tortura, a transmissão perversa da culpa e a perpetuação da suspensão do luto são embaraços para o quê ou para quem? Do que se faz essa impossibilidade de consumar o luto e qual a relação desse luto em suspenso com o silêncio que não se pode traduzir? Qual, enfim, é e qual deve ser o destino da culpa?

Bernardo Kucinski é um dos sobreviventes da ditadura militar brasileira que contabiliza, dentre os seus desaparecidos, sua irmã Ana Rosa Kucinski e seu cunhado, Wilson Silva. Ambos, desaparecidos desde abril de 1974, compõem parte do “nada” de Bernardo de que o poema de Gershom Scholem nos fala, a respeito do texto de Kafka. Compõem uma parte que talvez se pudesse chamar de continuidade, de um luto sem termo inicial claro. Ele falou do silêncio de seu pai, o imigrante judeu polonês Majer Kucinski, a respeito de irmãs mortas, uma, num campo de extermínio e outra, pelas forças de ocupação nazista na França. Desta tia descobriu o nome há pouco, disse, sem saber se era casada e como vivia.

A sobrevivência parece se confundir, nas palavras que Bernardo vai lendo no microfone, com uma posição histórica. A sua mãe, Ester, também silenciara aos filhos que tinha tido toda a família exterminada pelas tropas nazistas na invasão da Polônia. E que seu tio era, junto a ela, o único sobrevivente daquele núcleo familiar desfeito para sempre. Bernardo conta que Ester morreu aos 50, de câncer, mas que tinha morrido mesmo naquele dia em que todos foram exterminados. Aquele dia em que o embaraço da linguagem se tornou um silêncio de décadas. Sobre essas coisas não se falava na sua casa.

O desaparecimento de sua irmã e de seu cunhado foi um episódio inimaginavelmente doloroso para a sua família. E parece ter sido por ocasião deste evento que Bernardo tenha explicitado o fio condutor da memória silenciada, que não aleatoriamente é o mesmo que liga as ditaduras. A culpa que guarda a pretensão da função de um predicado atemporal e intransitivo do sobrevivente foi exemplarmente apresentada, lembrou Berrnardo, em A Escolha de Sofia (William Styron, 1979). Por que o soldado alemão não matou as duas crianças, em vez de pedir à mãe que ela escolhesse, entre o filho e a filha, qual iria morrer? A despeito de quem seja esse sujeito, há um dispositivo que o ultrapassa e que opera, nessa ordem macabra, a perversidade da transmissão da culpa. A transferência da culpa para a vítima e, assim, a perpetuação do sofrimento. O destino da culpa de Sofia é o suicídio, como se sabe. O livro de Styron é obra de ficção; seu argumento, não.

O que está moralmente em jogo na exigência da verdade a respeito dos desaparecidos é o destino que essa culpa deve ter. Porque a exigência da verdade, da punição e da reparação, ao contrário da melancolia, habitam uma dimensão pública, política jurídica, estatal e histórica.

Amparo Araújo é irmã do militante, desaparecido em 1971, Luiz Araújo. Ela demonstrou como se passa da melancolia confinada e irremediavelmente confinada, ao seu contrário: a ação pública, inegociável, juridicamente consistente, politicamente honrosa, de lembrar e exigir a reparação do Estado. Amparo poderia falar durante horas e dias sobre a sua trajetória e talvez não demonstrasse com a mesma clareza como se dá essa passagem, como quando disse que tinha voltado a ter pesadelos, por ocasião da reação lacaia à criação da Comissão da Verdade. Amparo pôs a mão no peito e disse mais ou menos: “Eu sempre tive uma dor só minha, aqui no meu colo, sabe?”, disse, com a mão repousando sobre o colo. “Pois agora voltou a doer, assim, fisicamente, de novo”. Essa dor deve ser retribuída, como justiça.

Uma das lições mais elementares do direito penal é a de que a conduta criminosa é singularmente imputável. O fundamento dessa exigência de imputabilidade é o pressuposto de que todo criminoso é, antecedentemente, uma pessoa de direitos. Toda punição no âmbito estritamente penal repousa na imputação legítima de uma culpa, feita pela lei e executada pelo Estado de direito. Essa estrutura da operação punitiva não se estende aos crimes do estado, e menos ainda aos crimes contra a humanidade. A humanidade, diferentemente da vítima a, b, c, não deixa de sê-lo, não desaparece enquanto tal da mesma maneira que os indivíduos, não é singularizável. Essas considerações rudimentares de direito talvez possam ser traduzidas com a afirmação já aceita no nosso STJ, por exemplo, de que direitos inalienáveis não prescrevem, a título de combate à indigente tese de aparência jurídica de que os crimes da ditadura teriam prescrito.

Bernardo deixou claro que sabe quem são os torturadores, e é muito provável que também Amparo e demais vítimas das atrocidades da ditadura brasileira o saibam. A inversão do destino da culpa e a reparação não se situam no âmbito de uma relação comutativa, trivialmente retributiva, entre torturador e torturado, entre carrasco e cadáver desconhecido. O que faz com que, até hoje, pessoas procurem a família de Bernardo para dar pistas falsas da sua irmã, dizendo que ela está viva, morando no Canadá, por exemplo? Por que há o cuidado de reiterar a dor da perda, de cristalizar a angústia, de insistir em semear a hipótese da fraqueza, da frustração, da derrota? Se é a perversidade que explica essa conduta, e certamente o é, ela não é um traço singular, psicológico, qualquer, mas uma ação política. E histórica.

“Articular o passado historicamente não significa conhecê-lo 'tal como ele propriamente foi'. Significa apoderar-se de uma lembrança tal como ela lampeja num instante de perigo. (...)...também os mortos não estarão seguros diante do inimigo, se ele for vitorioso. E esse inimigo não tem cessado de vencer”. (1)

Não se trata de saber; o sobrevivente e os sobreviventes o sabem. Trata-se de responsabilizar, apoderar-se do sentido, desvelar o que está, ainda, nas trevas. Para que a tortura e a corrupção deixem de ser condição ordinária nos procedimentos investigatórios e no interior das penitenciárias. Para que a vida em sociedade faça sentido. Não é, como disse Lilian, para que nunca mais aconteça, exatamente; mas porque as repetições de tragédias e da barbárie nunca careceram de fiadores entusiasmados e eles seguem insistindo na transmissão e perpetuação do sofrimento.

É para que aquilo que aconteceu faça sentido hoje, na nossa democracia, na nossa memória, no nosso cotidiano irrefletido. O paradoxo de dissolver a culpa e a responsabilidade no pântano das defesas delirantes “anti-revanchistas” se torna: ninguém tem culpa, porque todos são culpados, como lembrou Bernardo, no fim de seu depoimento. Os que tombaram na luta pela democracia só estarão seguros, enquanto mortos, se a democracia for uma experiência permitida.

(1) Trechos da Tese VI, das Teses sobre o Conceito de História, de Walter Benjamin. In: Aviso de Incêndio – Uma leitura das Teses “Sobre o Conceito de História”, Michel Löwy. Tradução das Teses: Jeanne Marie Gagnebin e Marcos Lutz Müller, São Paulo, SP, Boitempo Editorial, 2005.
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16366

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

QUEREM UM GOLPE NA VENEZUELA

QUEREM UM GOLPE NA VENEZUELA


Laerte Braga


A REDE GLOBO DE TELEVISÃO, através do JORNAL NACIONAL, a exemplo do que fez em abril de 2002, está envolvida até a medula na tentativa de desestabilizar o governo do presidente Hugo Chávez da Venezuela. A pregação golpista do JORNAL NACIONAL é vergonhosa, ainda mais para uma empresa que sustentou a ditadura militar no Brasil e se caracteriza em seus noticiários por mentir em função dos interesses que representa.

Em abril de 2002 a rede deslocou a comentarista Miriam Leitão para uma série de reportagens em Caracas sobre o governo Chávez. Foi apresentada uma semana antes da tentativa frustrada de golpe contra o presidente daquele país. Na última matéria da série, cinco matérias, Miriam disse o seguinte – “a Venezuela não agüenta mais Hugo Chávez” –. Deposto na quinta-feira seguinte numa farsa montada por redes privadas de televisão, como a GLOBO, Chávez voltou ao poder no domingo, em meio a manifestações de milhões de venezuelanos em Caracas e em todo o país. Em agosto, um referendo atestado pelo ex-presidente dos EUA, Jimmy Carter, confirmou a vontade do povo venezuelano – Chávez e não Miriam Leitão –.

Um mês após a tentativa de golpe o empresário Gustavo Cisneros, dono de várias empresas na Venezuela e nos Estados Unidos, amigo de George Bush e do ex-presidente venezuelano Carlos André Pérez (preso por corrupção por um bom período), andou pelo Brasil alardeando interesse em comprar uma empresa brasileira de televisão, uma rede, noticiário que chegou a envolver o SBT, do grupo Sílvio Santos. Veio com o pretexto de lançar sua biografia.

Cisneros é dono do grupo VENEVISIÓN e em 2002 fez parte do grupo de redes que tentou o primeiro golpe midiático da história, documentado ao vivo por dois cineastas irlandeses e com o nome “a revolução não será televisionada”.

A pregação golpista do JORNAL NACIONAL (Nacional de Washington) pode ser vista em

http://www.youtube.com/watch?v=6wYajREF4Ic

Numa das cenas de um documentário sobre o golpe um partidário de Chávez é mostrado reagindo a disparos vindos de vários pontos onde se encontravam os manifestantes contrários ao presidente e a televisão venezuelana, como vive fazendo a GLOBO aqui, dizia que o homem estava atirando em inocentes. Aberta a câmera, do outro lado não havia ninguém, os atiradores eram contra Chávez estavam em pontos estratégicos. A tevê venezuelana mentia.

No dia seguinte à deposição de Chávez, a sexta-feira, um grupo de apresentadores de telejornais venezuelanos, redes privadas, comemorou na casa de um deles, a farsa montada para simular o apoio do alto comando militar. Um dos jornalistas de uma das redes, em crise de consciência, pediu demissão e relatou ao vivo a dois cineastas irlandeses a montagem do golpe, a proibição de notícias a favor de Chávez, de greves e manifestações a favor do presidente, a participação do governo Bush (toda ela mostrada no documentário) e da mídia norte-americana em toda a América Latina, vale dizer, a GLOBO e seu jornal de mentiras, o JORNAL NACIONAL.

A volta de Chávez, no domingo, milhões de venezuelanos nas ruas, em Caracas e no interior do país, não foi noticiada. Não convinha a GLOBO, era preciso esperar novas instruções de Washington, não contavam com a reação do povo daquele país.

Lá como aqui sempre existe um Boris Casoy. Uma das reuniões dos golpistas, filmada e parte do documentário “a revolução não será televisionada”, exibe um empresário alertando para o risco que empregados domésticos representam para os patrões, pois são aliados de Chávez.

São tratados com desdém. Com desrespeito.

O golpe em Honduras, patrocinado por Washington, despertou apetites golpistas vorazes nas elites venezuelanas e trouxe o apoio das elites brasileiras, principalmente da mídia mentirosa, no caso a GLOBO.

William Bonner e Fátima Bernardes, com ares sisudos, graves, dando impressão que falam verdades absolutas, mentiram e pregaram um golpe contra Chávez na edição de 28 de janeiro deste ano.

São pagos para isso, não têm escrúpulos, a consciência já foi perdida faz tempo. São robôs, como Miriam Leitão e antigos agentes da repressão, caso de Alexandre Garcia, ou empregados de Gilmar Mendes (empregado de Daniel Dantas), caso de Eraldo Pereira.

Fazem o mesmo com o MST no Brasil, transformando o movimento em organização “terrorista”.

Uma vala com dois mil corpos foi encontrada na Colômbia. Civis executados por paramilitares ligados aos EUA. Paramilitares formam uma organização de extrema-direita, de apoio ao governo do narcotraficante Álvaro Uribe. Executam líderes de oposição, sindicalistas, camponeses, grilam terras e sustentam-se no tráfico centrado no Palácio do Governo.

A história do JORNAL NACIONAL mostra o profundo desdém da GLOBO pelos brasileiros. Sustentou a ditadura, omitiu a campanha das diretas, fabricou Collor de Mello, omitiu a luta pelo impedimento do ex-presidente até ter garantias que nada sofreria, nenhuma retaliação, manteria intactos os privilégios. Sugou cofres públicos quando esteve para falir chantageando o governo de FHC com a invenção da candidatura Roseana Sarney e depois a operação que rendeu à rede 250 milhões de dólares (do contribuinte brasileiro, do cidadão brasileiro), via BNDES.

Omitiu um desastre aéreo para exibir um dossiê falso nas vésperas do segundo turno das eleições presidenciais de 2006 (todas as outras redes já haviam noticiado o acidente com o avião da GOL e centenas de mortos).

William Bonner refere-se ao telespectador padrão, dominado, como sendo uma espécie de Homer Simpson, fez isso diante de estudantes e professores, ou seja, um idiota que cumpre seus deveres e aceita o papel de idiota. Alusão a um personagem de uma série de tevê dos EUA.

Não contesta. Cai de quatro o tempo todo.

São repugnantes.

O que há na Venezuela é a enésima tentativa de golpe contra Chávez a partir dos EUA, de elites venezuelanas subordinadas àquele país (elites são apátridas).

A Venezuela hoje oferece a seu povo uma realidade diversa daquela em que empregado doméstico, como gari aqui na visão de Boris Casoy é ameaça, ou a última categoria na escala de trabalho. São preconceituosos. Educação, saúde, reforma agrária, o dinheiro do petróleo a serviço dos direitos básicos do cidadão venezuelano e repúdio às políticas colonizadoras e agressoras dos EUA e suas colônias (Colômbia e Peru), agora Honduras e outros espalhados pelo mundo.

A GLOBO no Brasil cumpre o papel de secundar as tentativas de golpe, de desestabilizar o governo do presidente Lula para viabilizar a eleição do funcionário da Fundação Ford que, atualmente, governa São Paulo e chegar ao processo de liquidação do País.

Passarmos de BRASIL para BRAZIL, entupidos de bases dos EUA.

Aí vai ser a glória. William Bonner e Fátima Bernardes vão poder apresentar o JORNAL NACIONAL em inglês e danem-se os brasileiros, somos adereços nos interesses inescrupulosos e bandidos dessa gente.

A revolução bolivariana de Chávez é respaldada pela opinião pública daquele país, em eleições, referendos e ampla participação popular. A perspectiva de guerra civil para facilitar os interesses norte-americanos, um confronto com o governo narcotraficante da Colômbia são provocações montadas em Washington.

Obama, o de pele negra e ideologia ariana, não admite, como não admitia Bush que escravos latinos deixem de sustentar o império falido e doente que preside.

A luta dos trabalhadores venezuelanos é a luta dos povos latinos.

A decisão de não renovar a concessão do canal privado RCTV foi por conta de todo o processo golpista. A reação da GLOBO aqui é para manter o monopólio das comunicações e da prostituição na televisão, via BBB. A forma prostituída com que defendem com unhas e dentes os interesses norte-americanos.

Para se ter uma idéia, com os índices mais baixos que os usuais, a equipe do BBB está estudando a possibilidade de permitir uma transa explícita entre dois dos participantes do programa para alavancar a audiência.

É o tipo de respeito pela democracia cristã, ocidental e capitalista que a rede manifesta.

Polícia catarinense prende líderes do MST em “ação preventiva”


29.01.2010 – Um dos coordenadores estaduais do MST em Santa Catarina, Altair Lavratti, foi preso na noite desta quinta-feira em Imbituba numa ação que lembra os piores momentos de um estado de exceção. Com uma força de mais de 30 policiais militares, a prisão foi efetuada no momento em que ele realizava uma reunião pública, num galpão de reciclagem de lixo da cidade. A acusação é de que Lavratti, junto com outros sindicalistas e militantes sociais preparava uma ocupação de terras na região. Foi levado sob a alegação de “formação de quadrilha”.

Segundo informações divulgadas no jornal Diário Catarinense, que estava “magicamente” no ato da prisão ao lado da polícia, os integrantes do MST estavam sendo monitorados desde novembro depois que um integrante do Conselho de Segurança Comunitária de Imbituba passou informações sobre a organização de uma suposta ocupação em terras do estado. Outras duas pessoas também foram presas, sendo que uma delas, Marlene Borges, presidente da Associação Comunitária Rural, está grávida. Ela teve a casa cercada na madrugada de sexta-feira e foi levada para Criciúma. Outro militante, Rui Fernando da Silva Junior, foi levado para a cidade de Laguna.

Integrantes do MST, advogados e um deputado estadual estiveram procurando por Lavratti durante a noite toda, mas não haviam conseguido contato até a manhã de sexta-feira, quando souberam que de Imbituba ele havia sido levado para Tubarão.

Ainda segundo informações da polícia, o juiz Fernando Seara Hinckel autorizou gravações telefônicas e determinou a intervenção do Ministério Público. Também teria havido a participação de P-2 (policiais a paisana, disfarçados) infiltrados nas reuniões dos militantes sociais da região de Imbituba.

Usando de um artifício já usado contra o Movimento dos Atingidos das Barragens, que foi o de prender “preventivamente” integrantes do movimento alegando “suspeita de invasão”, o poder repressivo de Santa Catarina repete a dose agora contra o MST. Para a polícia e para o poder público, reuniões que envolvam sindicalistas e lutadores sociais passam a ser “suspeitas” e sendo assim, passíveis de serem interrompidas com prisão. Só para lembrar, este é um tipo de ação agora muito usado nos Estados Unidos, depois de 11 de setembro, quando o presidente George Bush acabou com todas as garantias individuais dos cidadãos. Lá, e agora também aqui, o estado pode considerar suspeita qualquer tipo de reunião que envolva movimentos sociais. Conversar e organizar a luta por uma vida melhor passa a ser coisa de “bandido”.

A acusação de formação de quadrilha não encontra respaldo uma vez que é pública e notória a preocupação do MST com a situação das famílias daquela região, que vem sistematicamente tendo que abandonar a zona rural em função da falta de apoio à agricultura familiar, enquanto o agronegócio recebe generosa ajuda governamental. A reunião na qual estava Lavratti justamente discutia esta situação e levava a solidariedade do movimento às famílias que seguem sendo despejadas de suas terras, ações que fazem parte do cotidiano do MST. A ação do governo se deve ao fato de em Imbituba ter sido criada uma Zona de Processamento e Exportações que tem engolido fatias consideráveis de dinheiro público sendo, portanto, considerada estratégica para os empresários da região.

Para o MST, as prisões foram descabidas, e só reflete a forma autoritária como o governo de Santa Catarina tem conduzido a relação com os movimentos sociais, criminalizando as tentativas dos catarinenses de realizar a luta por uma vida digna. Já para dar respostas aos atingidos pelo desastre em Blumenau, ou aos desabrigados pelas chuvas que tem caído torrencialmente este ano em Santa Catarina, não há a mesma agilidade estatal. Como bem já analisava o sociólogo Manoel Bomfim, no início do século vinte, ao refletir sobre a formação do estado brasileiro: “desde o princípio o Estado foi um aparelho de espoliação e tirania, feroz na opressão, implacável na extorsão. É um parasita”. Sempre aliado aos donos do poder e da riqueza, o Estado abandona as gentes e só existe para o mal do povo. É por conta disso, que, conforme Bomfim, “a revolta contra as autoridades públicas é o processo normal de reclamar justiça” já que as populações são sistematicamente abandonadas pelo Estado e pela Justiça enquanto a minoria predadora dos ricos e poderosos tem seus interesses defendidos, inclusive com o uso do dinheiro e do patrimônio que é de todos.

Como exemplo disso, basta trazer à memória o escândalo da Moeda Verde, quando ricos empresários locais fraudaram laudos ambientais para a construção de grandes empreendimentos na cidade de Florianópolis. Presos sob a luz dos holofotes, não ficaram um dia sequer na cadeia e o governador do Estado segue frequentando suas festas e dizendo ao país inteiro, através da televisão, que os empreendimentos construídos a partir da fraude são os mais bonitos da cidade e necessitam ser conhecidos e consumidos. Outro caso emblemático e atual, que não recebe a mão pesada do poder público, é o que envolve o vice-governador Leonel Pavan, enredado em escândalo de corrupção, e que também muito pouco interesse provoca na mídia. Não precisa ir muito longe para observar que Manoel Bomfim está coberto de razão: “os estadistas devem inquirir das condições sociais, indagar se as populações se sentem mais felizes e as causas dos males que ainda as atormentam, para combatê-las eficazmente”. Mas, em vez disso, lutadores do povo são presos e os direitos coletivos se perdem diante do interesse privado de uma minoria.


Existe vida no Jornalismo
Blog da Elaine: http://www.eteia.blogspot.com/
América Latina Livre - http://www.iela.ufsc.br/
Desacato - http://www.desacato.info/
Pobres & Nojentas - http://www.pobresenojentas.blogspot.com/
Agencia Contestado de Noticias Populares - http://www.agecon.org.br/
______________
Enviado à nossa Agência Assaz Atroz pela nossa colaboradora Urda Alice Klueger

_____________
.

PressAA
____________
.
http://assazatroz.blogspot.com/

.

Da série "o que vc. não vê na Globo": Aparece uma vala comum na Colômbia com 2 mil cadáveres

NÃO VAI DAR NO JORNAL NACIONAL

Atualizado em 29 de janeiro de 2010 às 13:08 | Publicado em 29 de janeiro de 2010 às 13:03
Aparece uma vala comum na Colômbia com 2 mil cadáveres
Os corpos sem identificação foram depositados pelo Exército a partir de 2005
do jornal espanhol Público, sugerido por um leitor anônimo
por Antonio Albiñana, Bogotá, 26/01/2010

No pequeno povoado de Macarena, região de Meta, 200 quilômetros ao sul de Bogotá, uma das zonas mais quentes do conflito colombiano, está sendo descoberta a maior vala comum da história recente da América Latina, com uma cifra de cadáveres enterrados sem identificação, que poderia chegar a 2.000 segundo diversas fontes e os próprios residentes. Desde 2005 o Exército, cujas forças de elite estão baseadas nos arredores, depositou atrás do cemitério local centenas de cadáveres com a ordem para que fossem enterrados sem nome.
Trata-se do maior túmulo de vítimas de um conflito de que se tem notícia no continente. Seria preciso ir ao Holocausto nazista ou à barbárie de Pol Pot no Camboja para encontrar algo desta dimensão.
O jurista Jairo Ramírez é o secretário do Comitê Permanente pela Defesa dos Direitos Humanos na Colômbia e acompanhou uma delegação de parlamentares ingleses ao lugar faz algumas semanas, quando começou a se descobrir a magnitude da cova de Macarena. "O que vimos foi estarrecedor" , declarou ao Público. "Infinidade de corpos e na superfície centenas de placas de madeira de cor branca com a incrição NN e com datas desde 2005 até hoje".
Desaparecidos
Ramírez acrescenta: "O comandante do Exército nos disse que eram guerrilheiros, baixas em combate, mas as pessoas da região dizem que são líderes sociais, camponeses e defensores comunitários que desapareceram sem deixar rastro".

Enquanto a Promotoria anuncia investigações "a partir de março", depois das eleições legislativas e presidenciais, uma delegação parlamentar espanhola integrada por Jordi Pedret (PSOE), Inés Sabanés (IU), Francesc Canet (ERC), Joan-Josep Nuet (IC-EU), Carles Campuzano (CiU), Mikel Basabe (Aralar) e Marian Suárez (Eivissa pel Canví) chegou ontem à Colômbia para estudar o caso e fazer um informe para o Congresso e a Eurocâmara. Para investigar a situação da mulher como vítima e os sindicalistas (somente em 2009 foram assassinados 41), também vão trabalhar em outras regiões do país.
Mais de mil covas
O horror de Macarena trouxe de volta o debate sobre a existência de mais de mil covas comuns de cadáveres sem identificar na Colômbia. Até o final do ano passado, os legistas haviam contados cerca de 2.500 cadáveres, dos quais haviam conseguido identificar 600 para entregar os corpos a seus familiares.
A localização destes cemitérios clandestinos foi possível graças a declarações dos chefes de médio escalão dos paramilitares desmobilizados, anistiados pela controvertida Lei de Justiça e Paz que garante a eles pena simbólica em troca da confissão de seus crimes.
A últimas destas declarações foi de John Jairo Rentería, o Betún, que acaba de revelar à Promotoria e aos familiares das vítimas que ele e seus sequazes enterraram "mais ou menos 800 pessoas" na fazenda Villa Sandra, em Porto Asís, região de Putumayo. "Era preciso esquartejar as pessoas. Todas as Autodefesas [grupo paramilitar] tinham que aprender isso e muitas vezes se fazia com as pessoas vivas", confessou o chefe paramilitar ao promotor de Justiça e Paz.

Enviado por Carlos Caridade

ESPÉCIES SINANTRÓPICAS - A CANDIDATURA DE ITAMAR

ESPÉCIES SINANTRÓPICAS – A CANDIDATURA DE ITAMAR


Laerte Braga


São aquelas que vivem próximas às habitações humanas. Chegam por conta da disponibilidade de alimentos e abrigo Tipo sanguessuga. Enfiam-se por frestas, forros de telhados, em objetos velhos guardados aqui e ali, tralha, vai por aí. A diferença entre espécies sinantrópicas e animais domésticos (cães, gatos) é que essas espécies, as sinantrópicas, não trazem benefício algum ao homem, pelo contrário, doenças.

Baratas, ratos, moscas, pombos. No caso de determinadas espécies de morcego, sinantrópicas, transmitem a raiva. Gambás são sinantrópicos.

O ex-presidente Itamar Franco não mete a mão no bolso de ninguém. Mas é apenas um projeto pessoal. Nada além disso. Estudante de engenharia com veleidades revolucionárias por conta de modismos, candidatou-se pelo antigo PTB a vereador da cidade mineira de Juiz de Fora, 1958, foi derrotado. A vice-prefeito, a eleição era desvinculada da do prefeito, em 1962, tornou a perder.

Terminou eleito prefeito de Juiz de Fora, em 1966, apoiado por forças de esquerda e um dos seus primeiros atos foi nomear um sobrinho do general comandante da IV Região Militar, sediada então naquela cidade, para seu gabinete. Por pouco não sai do MDB para a ARENA atendendo a convite do ministro Mário Andreazza. Não o fez diante da recusa da quase totalidade de seus companheiros em segui-lo. Teria que ir sozinho.

Se olharmos o prefeito como alguém que administra uma cidade de porte médio, caso de Juiz de Fora, hoje com 700 mil habitantes, foi um dos bons prefeitos, fez obras de relevância. Um detalhe. Era a época da famigerada sub-legenda e só conseguiu ser candidato por interferência direta de Tancredo Neves junto à direção estadual do MDB.

Virou candidato ao Senado, em 1974, por conta da teimosia de Tancredo. Tancredo inventou a candidatura, convenceu Itamar (é célebre o episódio do relógio atrasado pelo presidente da Câmara para receber a renúncia, era prefeito e precisava desincompatibilizar-se, decidiu em cima do laço). Ganhou na esteira da vitória nacional do MDB.

Em 1978 distanciou-se de Tancredo Neves. Farejava sua candidatura ao governo do Estado em 1982 e Tancredo seria um adversário em potencial. E assim o foi até que o partido fundado por Tancredo quando do fim do bi-partidarismo, fundiu-se ao MDB que virou PMDB. Resultado de um dos últimos casuísmos da ditadura para garantir a eleição do presidente pela via indireta em 1984, o tal voto vinculado de cabo a rabo.

Há episódios hilários sobre a convenção do PMDB que confirmou Tancredo candidato ao governo e Itamar à reeleição para o Senado. Simão da Cunha, um ex-deputado cassado, cismou de ser candidato ao Senado numa sub-legenda e ganhou na convenção de Itamar. Seria a sub-legenda um e Itamar a sub-legenda dois. Itamar bateu o pé não aceitava, ameaçou romper os acordos, desmaiou (é típico dele) e Tancredo chamou Renato Azeredo num canto, era o secretário e “decretou” – “coloque na ata os votos do Simão para o Itamar e os votos do Itamar para o Simão, já conversei com o Simão e ele não faz questão”.
Terminada a eleição Itamar foi levar a Tancredo suas indicações para o governo. Tancredo ponderou a ele que os nomes propostos a despeito de serem pessoas sérias, dignas, não acrescentavam nada ao projeto político do partido, eram nomes, no máximo, para um segundo escalão e pediu a Itamar nomes de “expressão”.

Possesso, Itamar saiu da sala e disse aos jornalistas que estava fora de qualquer participação, pois o doutor Tancredo não “estava honrando compromissos assumidos em torno da estatura política de Minas Gerais”. Eram nomeações. Saiu ali a célebre frase de Tancredo definindo Itamar – “esse moço é um bom rapaz, mas tem um defeito, guarda o ódio no congelador” –. Referia-se ao processo de fusão PP e o PMDB que desagradara a Itamar.

Tancredo deu o troco em 1984 quando foi candidato e acabou eleito presidente da República. Itamar, no início da campanha, diz que não sabe se vai votar em Tancredo, defende as diretas e pensa votar nulo, sinaliza inclusive que pode ir para o PT. Os resultados ainda eram incertos. Tancredo vai crescendo, alcança a maioria dos deputados federais e senadores, dos delegados das assembléias legislativas, as eleições estavam definidas. Itamar anuncia o voto em Tancredo, mas quer fazê-lo pessoalmente.

Acuado e sem força, pede a Hélio Garcia que havia sucedido o governador, era o vice, que marque um encontro. O encontro é marcado no aeroporto da Pampulha e Tancredo chega cinco minutos antes do seu vôo. Corre aperta a mão de Itamar sem sequer olhar para ele, agradece o apoio e pede desculpas, pois tem que embarcar logo.

Itamar engole, fazer o que? Fala mais alto o instinto de sobrevivência. No governo Sarney, de quem era vizinho de porta no prédio dos senadores, um deles, em Brasília, investe com o presidente com dados de corrupção e ao final assenta em cima. Em 1989, sem espaço em Minas aceita ser vice de Collor. Vira presidente e faz um governo sério, discreto, de transição, mas é enrolado por FHC. Há um acordo entre os dois. Itamar apóia FHC em 1994 e FHC apóia Itamar em 1998. FHC manda o acordo às favas, dá-lhe uma rasteira e Itamar acaba governador de Minas.

Inventa uma moratória para dar show, recua, lógico, desde o início era esse o propósito, faz um governo razoável, tem condições de ser reeleito. Não tem o controle do seu partido, não cumpre acordos. Havia feito um acordo com Newton Cardoso, o vice-governador e tenta passar-lhe uma rasteira. Fica sem condições de obter a indicação no PMDB para onde voltara, isso depois de ter perdido em 1986 para o mesmo Newton, quando candidatou-se pelo PL. Ter sido vice de Collor pelo PRN e governador pelo PMDB, sempre ao sabor dos interesses e conveniências pessoais. Projeto pessoal.

Sai do PMDB, na verdade é tucano, tem o estilo udenista de fazer política, mas vai para o PPS de Roberto Freire (que foi líder de seu governo na Câmara) e agora quer bagunçar o coreto de Aécio Neves. Passou oito anos num conselho bem remunerado, à sombra de Aécio, sendo tratado a leite no pires.

Bastou Roberto Freire acenar-lhe com a chance de voltar ao Senado, defender a candidatura Serra e insistir na necessidade de Aécio ser vice de Serra, fatos que, juntados à visita de ACM Neto a BH, terminam no anúncio que é candidato ao Senado e nas seguintes declarações.

“Sou candidato ao Senado numa visão por Minas”. “Não disse ao governador Aécio Neves, mas vou lhe comunicar. São duas vagas, eu posso votar em mim e nele e ele pode votar em mim e nele. Eu vou votar em mim, ele não sei”. “A oposição ainda não tem candidato, não morro de amores pelo governador Serra...”

Blattaria, ou Blattodea, ordem de insetos à qual pertencem as baratas e Itamar. Espécie sinantrópica.

Na busca da sobrevivência política, curva-se à carne assada de FHC e não morre de amores pelo governador Serra, mas...

“Fazer o que? Já está no barco de Serra. Se não houver nenhum acidente de percurso e Serra não inventar de usar um inseticida Itamar fica até o fim. Fecha uma porta para Aécio (à sombra de quem viveu os últimos oito anos) e posa de mineiro de alta estirpe, entregando Minas como se leitão a pururuca fosse o Estado, em bandeja tucana paulista.

A visão de Minas de Itamar é sobrevivência, um mandato de senador e paulista.

Já próximo dos oitenta anos quer o conforto do Senado, uma espécie de aposentadoria para políticos decadentes (nem todos), quer um palco para exercer sua incrível capacidade de amar a si próprio acima de qualquer coisa. O seu espelho.

Os amigos? Que se danem. Tem sido uma constante na carreira de Itamar. Não mete a mão no bolso de ninguém, mas é só um projeto pessoal. Agora trair, trai a larga, sem qualquer escrúpulo. Quase virou senador por Sergipe passando por Niterói. Que o diga Albano Franco.

Quando afirma que vai votar em si próprio, o faz em seguida a ter dito que são duas vagas e pode votar em Aécio e vice versa. Só que, como toda barata, corre para debaixo do armário, se esconde na declaração seguinte – “eu vou votar em mim, ele não sei” –. É o aviso que assim que a luz for apagada a barata volta e vai se resfolegar nos restos de queijo que possam estar no chão, ou o que seja. Baratas não fazem questão de nada, se mistura ao lixo, seja ele FHC, José Serra, Roberto Freire, não importa. O que vale é sobreviver.

Marina dá carona à Natura na propaganda eleitoral


Sen. Marina Silva (PV-AC) e Guilherme Leal,presidente da Natura recentemente filiado ao PV e provável vice de Marina à Presidência da República

Dono da Natura deverá ser vice de Marina

Rudolfo Lago

A senadora Marina Silva (PV-AC) confirmou nesta quinta-feira (28) que o candidato a vice-presidente na sua chapa deverá ser mesmo o empresário Guilherme Leal, co-presidente do conselho de administração da indústria de cosméticos Natura, como provável candidato à vice de sua chapa para a Presidência da República. Com essa formação, Marina repete, com toques ecológicos, o perfil que levou o presidente Lula à vitória em 2002: um nome vindo do povo, de origem de esquerda, somado a um empresário, para aplacar possíveis desconfianças do mundo industrial e financeiro. No caso, com um viés ambientalista, já que a Natura trabalha para si a imagem de ser uma empresa preocupada com a sustentabilidade.

"Há o desejo de ambas as partes, do PV e de grande parte do empresariado brasileiro", disse Marina, em entrevista coletiva em Porto Alegre, onde participa do Fórum Social Mundial, sobre a formação da chapa com Guilherme Leal.

Leal, por sua vez, disse que a confirmação da chapa ainda passará por um processo de amadurecimento. "Quando me filiei, foi um gesto político. Tinha o significado de que estou a serviço do movimento que a Marina está promovendo. Os desejos, as disponibilidades políticas estão colocadas, precisam ser amadurecidas", afirmou. Leal filiou-se ao PV em setembo do ano passado.

Marina minimizou o anúncio do Psol de que não apoiará oficialmente sua candidatura. Ainda que não se concretize a aliança, ela garantiu que continuará apoiando a candidatura de Heloísa Helena, presidente do Psol para o Senado por Alagoas. Marina também evitou polemizar sobre o apoio que o candidato do PV à Prefeitura do Rio de Janeiro nas eleições de 2008, deputado Fernando Gabeira, receberá do PSDB e do DEM, razão para o afastamento do Psol da sua candidatura. "São questões regionais", disse ela.


http://congressoemfoco.ig.com.br/noticia.asp?cod_canal=1&cod_publicacao=31629

______________________________________________

Conheça parte da emocionante história de Marina Silva

Wikiphedia - A enciclopédia Assaz Atroz - Marina Silva

http://assazatroz.blogspot.com/2009/12/wikiphedia-enciclopedia-assaz-atroz.html


Ilustração: AIPC - Atrocious Intenational Piracy of Cartoons

.

PressAA

.




http://pressaa.blogspot.com/

.

A DITADURA ESTÁ DE VOLTA


O cerco começa a se fechar. Se não há Justiça para os crimes cometidos em Brasília, por exemplo, a Justiça(?) de m... volta aos tempos da ditadura, criminalizando movimentos sociais e pobres organizados. Depois de prender sete pela invasão da fazenda Cutrale no interior paulista - terras estas invadidas aneriormente pela própria empresa do agronegócio, cuja Justiça(?), desrespeitada e menosprezada pelos autores da invasão, não deu a mínima para a ordem de retirada - chegou a vez de Santa Catarina.
Antes já tinha acontecido no Rio Grande do Sul, cujo MP de lá chegou a pedir a extinção do MST (pobre organizado) e proibi-los em todo o Brasil de ter em seus acampamentos  curso superior.
Segue matéria do que ocorreu em Santa Catarina e, na sequência, a invasão, autorizada pela Justiça(?), da casa de um blogueiro - Flit Paralisante - que não se cansa de delatar crime graves acontecidos e que acontecem na Polícia Civil.
A ditadura está de volta para defender os reis ladrões do butim público.
Viva o Brasil!!!!!! !!
Viva a canalhice!!! !!!!!
Salve os pilantras!!!! !!!!!!!
Marcos Simões
 
Polícia catarinense
prende líderes do MST

em “ação preventiva”

Por Elanie Tavares*

 
Florianópolis- SC, 29.01.2010 – Um dos coordenadores estaduais do MST em Santa Catarina, Altair Lavratti, foi preso na noite desta quinta-feira em Imbituba numa ação que lembra os piores momentos de um estado de exceção. Com uma força de mais de 30 policiais militares, a prisão foi efetuada no momento em que ele realizava uma reunião pública, num galpão de reciclagem de lixo da cidade. A acusação é de que Lavratti, junto com outros sindicalistas e militantes sociais preparava uma ocupação de terras na região. Foi levado sob a alegação de “formação de quadrilha”.

Segundo informações divulgadas no jornal Diário Catarinense, que estava “magicamente” no ato da prisão ao lado da polícia, os integrantes do MST estavam sendo monitorados desde novembro depois que um integrante do Conselho de Segurança Comunitária de Imbituba passou informações sobre a organização de uma suposta ocupação em terras do estado. Outras duas pessoas também foram presas, sendo que uma delas, Marlene Borges, presidente da Associação Comunitária Rural, está grávida. Ela teve a casa cercada na madrugada de sexta-feira e foi levada para Criciúma. Outro militante, Rui Fernando da Silva Junior, foi levado para a cidade de Laguna.

Integrantes do MST, advogados e um deputado estadual estiveram procurando por Lavratti durante a noite toda, mas não haviam conseguido contato até a manhã de sexta-feira, quando souberam que de Imbituba ele havia sido levado para Tubarão.

Ainda segundo informações da polícia, o juiz Fernando Seara Hinckel autorizou gravações telefônicas e determinou a intervenção do Ministério Público. Também teria havido a participação de P-2 (policiais a paisana, disfarçados) infiltrados nas reuniões dos militantes sociais da região de Imbituba.

Usando de um artifício já usado contra o Movimento dos Atingidos das Barragens, que foi o de prender “preventivamente” integrantes do movimento alegando “suspeita de invasão”, o poder repressivo de Santa Catarina repete a dose agora contra o MST. Para a polícia e para o poder público, reuniões que envolvam sindicalistas e lutadores sociais passam a ser “suspeitas” e sendo assim, passíveis de serem interrompidas com prisão. Só para lembrar, este é um tipo de ação agora muito usado nos Estados Unidos, depois de 11 de setembro, quando o presidente George Bush acabou com todas as garantias individuais dos cidadãos. Lá, e agora também aqui, o estado pode considerar suspeita qualquer tipo de reunião que envolva movimentos sociais. Conversar e organizar a luta por uma vida melhor passa a ser coisa de “bandido”.

A acusação de formação de quadrilha não encontra respaldo uma vez que é pública e notória a preocupação do MST com a situação das famílias daquela região, que vem sistematicamente tendo que abandonar a zona rural em função da falta de apoio à agricultura familiar, enquanto o agronegócio recebe generosa ajuda governamental. A reunião na qual estava Lavratti justamente discutia esta situação e levava a solidariedade do movimento às famílias que seguem sendo despejadas de suas terras, ações que fazem parte do cotidiano do MST. A ação do governo se deve ao fato de em Imbituba ter sido criada uma Zona de Processamento e Exportações que tem engolido fatias consideráveis de dinheiro público sendo, portanto, considerada estratégica para os empresários da região.

Para o MST, as prisões foram descabidas, e só reflete a forma autoritária como o governo de Santa Catarina tem conduzido a relação com os movimentos sociais, criminalizando as tentativas dos catarinenses de realizar a luta por uma vida digna. Já para dar respostas aos atingidos pelo desastre em Blumenau, ou aos desabrigados pelas chuvas que tem caído torrencialmente este ano em Santa Catarina, não há a mesma agilidade estatal. Como bem já analisava o sociólogo Manoel Bomfim, no início do século vinte, ao refletir sobre a formação do estado brasileiro: “desde o princípio o Estado foi um aparelho de espoliação e tirania, feroz na opressão, implacável na extorsão. É um parasita”. Sempre aliado aos donos do poder e da riqueza, o Estado abandona as gentes e só existe para o mal do povo. É por conta disso, que, conforme Bomfim, “a revolta contra as autoridades públicas é o processo normal de reclamar justiça” já que as populações são sistematicamente abandonadas pelo Estado e pela Justiça enquanto a minoria predadora dos ricos e poderosos tem seus interesses defendidos, inclusive com o uso do dinheiro e do patrimônio que é de todos.

Como exemplo disso, basta trazer à memória o escândalo da Moeda Verde, quando ricos empresários locais fraudaram laudos ambientais para a construção de grandes empreendimentos na cidade de Florianópolis. Presos sob a luz dos holofotes, não ficaram um dia sequer na cadeia e o governador do Estado segue frequentando suas festas e dizendo ao país inteiro, através da televisão, que os empreendimentos construídos a partir da fraude são os mais bonitos da cidade e necessitam ser conhecidos e consumidos. Outro caso emblemático e atual, que não recebe a mão pesada do poder público, é o que envolve o vice-governador Leonel Pavan, enredado em escândalo de corrupção, e que também muito pouco interesse provoca na mídia. Não precisa ir muito longe para observar que Manoel Bomfim está coberto de razão: “os estadistas devem inquirir das condições sociais, indagar se as populações se sentem mais felizes e as causas dos males que ainda as atormentam, para combatê-las eficazmente”. Mas, em vez disso, lutadores do povo são presos e os direitos coletivos se perdem diante do interesse privado de uma minoria.

 
* Elaine Tavares é jornalista, titular do Blog da Elaine: www.eteia.blogspot. com.
 

BUSCA E APREENSÃO DOMICILIAR EFETIVADA NESTA MANHÃ

Informamos aos caros leitores que, nesta manhã, nossos familiares foram surpreendidos com a presença de membros da Corregedoria da Polícia Civil, dando cumprimento a mandado expedido pela Exelentíssima Juíza do Dipo. A diligência foi realizada legalmente , constando no mandado a proibição da imprensa.
No local foram arrrecadados uma CPU e dois notebooks, além de uma carabina Puma, registrada e , no mês de dezembro, recadastrada. Também algumas mídias com arquivos pessoais. A maioria contendo material sem quaisquer relações com o Blog. Não possuimos arquivos sobre denúncias ou correspondência de leitores.
O mandado ,  finda a diligência , foi lido pelo nosso filho, constando data de expedição  aos 27 p. passado.
Não há menção aos nomes dos ofendidos. Assim não sabemos, mais uma vez, as ofensas que desencadearam as diligências requeridas pelos advogados BIALSKI. Os quais, rotineiramente, figuram como patronos de policiais acusados de crimes hediondos: TRÁFICO DE ENTORPECENTES, inclusive.
No momento apenas conjecturo sobre possibilidade de objetivarem  identificarem terceiros ( pretensos informantes ).
Tentamos  por meio de telegrama endereçado a Juíza impedir a diligência domiciliar, tão logo soubemos da pretensão publicada no Diário Oficial. Todavia o telegrama será recebido no DIPO por voilta das 13h00. De qualquer forma o mandado já se achava expedido e as diligências foram cumpridas antes das 8h00, desta manhã.
Isto posto,  solicito CAUTELA aos comentaristas.
Cautela, também, ao JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO.
__._,_.___