Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

terça-feira, 30 de agosto de 2016

O olhar da mídia internacional sobre o golpe.


6 links que atestam que é possível fazer jornalismo,
com imparcialidade e bem próximo dos fatos. #StopCoupInBrazil

The New York Times
https://www.facebook.com/nytimes/posts/10150887349794999

BBC
https://www.facebook.com/bbcmundo/posts/10154560729684665

Reuters 
https://www.facebook.com/Reuters/posts/1212743515412669

Euronews
https://www.facebook.com/pt.euronews/posts/577012542477874

El País
https://www.facebook.com/elpais/posts/10153784181251570

Le Monde
https://www.facebook.com/lemonde.fr/posts/10154629692937590

Perrela, o dono do Helicóptero preso no ES com 450 k de Cocaina

Perrela, o dono do Helicóptero preso no ES com 450 k de Cocaina, falou a pouco contra Dilma no Senado.
Acabamos a noite com a certeza: ESTE CONGRESSO NÃO TEM MORAL para cassar uma presidenta sem crimes.


Comentários
Jorge Leite O CARA DA COCA, antes vai ao banheiro, convida um amigo de mijar juntos, também senador das minas, e volta eufórico, vou arrebentar! Esclama o viciado e comerciante de cocaína, (por atacado) o outro, esse viciado e merecedor de algumas gorjetas,(mihões) o incoraja: Vá vagabundo, arrebenta, é nóis porra! feliz é um povo que ama os seus políticos, olha que são muitos
DescurtirResponder118 min
Fernanda Waichert Pinheiro e pra nós. fica a gozada. Escarnio. Em qq outro lugar do mundo, estariam na cadeia.Aqui , estão cassando uma presidenta sem crimes.

Carta urgente para la América del Sur - Es estrategia dura y pura, sobre la región, contra los gobiernos nacionales, populares y democráticos y sobre sus lideres políticos.

Rio Gallegos. Hoy por la mañana al abrir mi correo, un mail: Mensagem urgente do Ex-presidente Lula a  ex-presidenta de la República Argentina Cristina Fernández de Kirchner.
Desde San Pablo, Brasil, nuestro entrañable amigo: Luiz Inácio Lula da Silva, me escribe…
Argentina Ex-presidenta-page-001
Argentina Ex-presidenta-page-002
Argentina Ex-presidenta-page-003
Argentina Ex-presidenta-page-004
Argentina Ex-presidenta-page-005
Argentina Ex-presidenta-page-006
Cualquier coincidencia con lo que sucedió y esta sucediendo en nuestro país no es casualidad.

Es estrategia dura y pura, sobre la región, contra los gobiernos nacionales, populares y democráticos y sobre sus lideres políticos.

Leo en la red un mensaje de Evo Morales presidente de Bolivia:
“A los expresidentes de derecha se los favorece con un manto de impunidad.  A los presidentes de izquierda, persecución judicial y escarmiento”.
Creo que es algo mas grave.
Se trata de volver al pasado de pobreza y mediocridad para las grandes mayorías en beneficio del inmenso poder económico de unos pocos.
¿Se darán cuenta los pueblos?¿Lo advertirán las sociedades modernas bombardeadas mediáticamente?
Hoy Eric Nepomuceno publica en Pagina 12 “Lula es el verdadero blanco del golpe”.
Y finaliza su artículo: “Los tiempos que se abren sobre mi país son de vergüenza.  La historia sabrá juzgar a los farsantes, a los traidores, a los indecentes,  pero será demasiado tarde para corregir sus ruindades.”

No me puedo permitir compartir  el escepticismo intelectual y lógico de Nepomuceno. Los pueblos, tal vez, no con los tiempos que demandan nuestras ansiedades y muchas veces hasta sus propias necesidades, en algún momento y ante hechos inadvertidos, acompañados por sus dirigentes,  demuestran que es mentira que la historia se acabó.  Y que hay que volver a construir futuro.

Salida de menores de edad de campamentos es decisión bilateral

Lunes, 29 Agosto 2016 18:57

Salida de menores de edad de campamentos es decisión bilateral


Salida de menores de edad de campamentos es decisión bilateral


Con relación a los últimos pronunciamientos por parte de la institucionalidad sobre el tema de los menores de 15 años que se encuentran en los campamentos de las FARC-EP, declaramos que el retraso fue producto de un disenso de las dos partes que estamos en La Mesa de Conversaciones, no de una sola. Las partes están comprometidas en definir los detalles del protocolo de salida en los próximos días.
Los principios orientadores de este acuerdo establecen como prioridad el interés superior de los niños, niñas y adolescentes. Todas las medidas son de carácter estrictamente humanitario. Por lo tanto, es ilógico que se pretenda utilizar la información producida en el marco de este Acuerdo para fines judiciales en contra de familiares y organizaciones sociales comprometidos en esta acción humanitaria.
La decisión bilateral fue postergar la salida de los menores, quienes quedarían incluidos en la reincorporación de la totalidad de integrantes de nuestra organización, pero recibirán una atención diferenciada, con el Programa integral especial de reintegración, reparación integral e inclusión social de niños, niñas y adolescentes que salgan de los campamentos de las FARC-EP.
Nos la seguiremos jugando para que la paz permita la inclusión y el respeto de los derechos de todos los niños, niñas y adolescentes en toda la sociedad colombiana.
Con respecto a las detenciones ocurridas en el cuarto Frente, en El Bagre, Antioquia, esperamos haya habido una equivocación y confiamos que las Fuerzas Armadas Colombianas y las fuerzas policiales del país den pronto y estricto cumplimiento a lo pactado en el Acuerdo Final del Proceso de Paz.
Delegación de Paz de las FARC-EP

Democracia invertida: destitución de Dilma Rousseff en Brasil - 29 de agosto de 2016


Democracia anulada: Glenn Greenwald habla del juicio político a la presidenta brasileña, Dilma Dinho Rousseff

Escuche/Vea/Lea (en inglés)
La asediada presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, declarará hoy en el juicio político en su contra; un juicio que mucha gente considera un golpe de estado orquestado por la derecha opositora al gobierno. Luego de denunciar este procedimiento, Rousseff propuso la realización de elecciones anticipadas para mantener la unidad nacional. El juicio político a Rousseff se produjo a partir de acusaciones de que había manipulado las cuentas del gobierno para ocultar un déficit presupuestario. Desde su suspensión a principios de año, ella se ha declarado inocente, acusando a sus oponentes políticos de lanzar este procedimiento para protegerse frente a procesos judiciales en su contra, y también con el fin de desarticular las políticas progresistas de los últimos años. La organización brasileña Transparencia Brasil dice que el 60% de los legisladores brasileños está bajo investigaciones judiciales o ya tiene condenas por delitos que van desde la corrupción hasta el fraude electoral. La oposición necesita 54 votos, o dos tercios de los 81 escaños del Senado, para hacer efectiva la condena de Rousseff por violación a las leyes de presupuesto. Su destitución marcaría el fin de un período de 13 años de gobiernos de izquierda en Brasil, con el Partido de los Trabajadores, y dejaría al presidente interino, Michel Temer, en el poder por los dos años restantes del mandato de Rousseff. Temer casi no tiene apoyo popular y también está siendo investigado por la justicia, acusado de recibir contribuciones ilegales en su campaña, vinculadas a la petrolera estatal Petrobras.
Para más información al respecto, vea nuestra entrevista (en inglés) con el galardonado periodista Glenn Greenwald.http://www.democracynow.org/es/2016/8/29/complete_reversal_of_democracy_glenn_greenwald 

domingo, 28 de agosto de 2016

O Impeachement e o Pré-sal - As quatro grandes petroleiras devem R$ 600 bilhões e querem o Pré-sal

Quatro grandes petroleiras devem R$ 600 bilhões, preocupam acionistas, perdem notas e a mídia comercial ignora só falando da Petrobras


sexta-feira, agosto 26, 2016


No último dia 3 de agosto, o blog comentou e analisou aqui, com enorme repercussão que a petroleira anglo-holandesa Shell deve US$ 75 bilhões. Na ocasião o blog já chamava atenção que o fato se estendia a outras grandes petroleiras mundo afora, diante da fase de colapso do ciclo petro-econômico.

Pois bem, em nova matéria, na última quarta-feira (24/08), o jornal americano The Wall Street Journal, destaca em título que "Dívida das gigantes do petróleo mais que dobra em dois anos".

A reportagem comenta e detalha como as maiores petroleiras do mundo estão sobrecarregadas com os maiores endividamentos de sua história, num momento em que enfrentam dificuldades com os preços do petróleo em baixa.

Juntas, as petrolíferas Esso, Shell, BP e Chevron acumulam dívida líquida de US$ 184 bilhões (aproximadamente R$ 600 bilhões), mais do dobro do que deviam há apenas dois anos. Veja abaixo o infográfico das dívidas destas 4 gigantes do petróleo publicada pelo WSJ:




A briga com os acionistas destas empresas é enorme, porque eles já perceberam que, diante de tal quadro, eles não receberão dividendos. Pior, as dívidas não param de crescer, já que com a redução dos lucros - ou até prejuízos - , elas estão gastando mais do que recebem, inclusive atendendo às pressões para pagar dividendos aos acionistas, individuais, ou de grandes fundos de investimentos.

No meio destes problemas, a Esso, pagou US$ 3,1 bilhões de dividendos, só no 2º trimestre, mesmo tendo tido apenas US$ 1,7 bilhões de lucros. Assim, algumas petrolíferas já cogitam pagar dividendos com entrega de ações.

Os analistas de riscos dos bancos avaliam que a BP, Shell, Esso terão ainda que navegar por esta fase difícil (que chamo de colapso) pelos próximos 18 meses e com riscos de que o preço do barril possa abaixar ainda mais.

Nada se falou aqui no Brasil, sobre isso, mas todas agências de classificação de riscos têm baixado as classificações das petroleiras. Agora por último, foi o caso da conhecida S&P que derrubou a classificação destas quatro gigantes do petróleo.

É bom que se diga que nenhuma destas quatro gigantes do petróleo possui, nem de longe, o volume das reservas que tem a Petrobras, que também possui uma dívida grande.

Além do mais, a Petrobras, enfrenta melhor esta situação, porque sendo uma empresa integrada (do poço ao posto) - que seus novos dirigentes estão tentando fatiar para vender - ela usa o mercado interno, com os atuais bons preços dos derivados, para retirar cerca de 2/3 dos seus lucros.

Porém, melhor que isto, é a pujante nova fronteira de exploração do Pré-sal. Os resultados de produtividade são colossais nos poços e campos desta reserva. Isto alivia os problemas, relativamente, mesmo diante destas gigantes do petróleo, porque qualquer um sabe que o maior fiador de qualquer endividado é a potencialidade que ele tem para o futuro, para poder quitá-las.

Interessante observar que aqui no Brasil, a mídia comercial esconde, ou dá pouca repercussão, a esta realidade. Assim, eles tentam construir a ideia de que é a Petrobras que está quebrada, quando na verdade, todo o setor, que é uma enorme cadeia global, tem sofrido, durante, estes dois últimos anos.

Este declínio vem desde quando, no início do segundo semestre de 2014, a fase de expansão e dos lucros extraordinários do ciclo petro-econômico foi invertida. Assim, uma nova fase de colapso de baixos preços se instalou.

Esta fase de baixa instala um conjunto enorme de problemas em todas as petroleiras do mundo, e assim, vão determinar também, quais serão as corporações do setor se sairão melhor, quando uma nova fase de expansão, em novo ciclo petro-econômico chegar.

Insistir em não enxergar esta realidade para levar vantagem e vender a preço vil, as partes fatiadas da holding Petrobras - "a nossa joia da coroa" - como o blog já disse, é não somente crime de lesa-pátria, é querer tornar o legal e ainda mais danoso que o ilegal, aquilo que os cretinos fizeram com os desvios em nossa maior empresa.

Enxergar definitivamente esta realidade é necessário. É assim que o blog busca colaborar ajudando na divulgação, análise e aprofundamento dos fatos da realidade que nos cerca.

.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O JULGAMENTO DA HISTÓRIA

Guilherme Boulos publicou hoje um artigo brilhante. Leitura indispensável!

O JULGAMENTO DA HISTÓRIA

O Senado inicia nesta quinta (25) o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff. Não será a primeira vez na história brasileira que se trama a deposição de um presidente sem qualquer fundamento constitucional. Em 1954 com Getúlio, em 64 com Jango e agora com Dilma. Processos distintos, é verdade, mas que contaram todos eles com uma "tríplice aliança", formada pelo engajamento do empresariado, a parcialidade da imprensa e a covardia do Congresso.

Em 22 de agosto de 1954, os militares liderados pelo brigadeiro Eduardo Gomes, candidato derrotado por Getúlio nas eleições de 50, lançaram um manifesto exigindo a renúncia do presidente e ameaçando apelar às armas. As condições para isso foram criadas ostensivamente pelos jornais de Carlos Lacerda, alimentando factoides contra o presidente e envenenando a opinião pública. No Congresso, os deputados endossaram os militares e clamavam pela renúncia presidencial, alegando que Getúlio não tinha mais "condições de governar". Deram a senha para o apoio ao golpe.

As brilhantes páginas de Lira Neto mostram como, dia após dia, a farsa foi sendo montada, com um bombardeio de acusações levianas, que iam de corrupção a homicídio, isolando Vargas e minando seu apoio social. Mostram também o papel da "República do Galeão", um poder acima dos poderes e que tomou o presidente como alvo, tal qual sua herdeira "República de Curitiba".

Mas a ausência de qualquer evidência contra ele se expressou de modo cabal na rejeição de um impeachment pela própria Câmara por "absoluta falta de fundamentação jurídica". Mesmo com uma base legislativa já desorganizada, Getúlio venceu por 136 votos a 35. O Congresso da época, embora covarde, não chegava aos níveis atuais de delinquência. Porém, o suicídio de Getúlio, com o consequente clamor popular, adiou os planos golpistas por uma década.

Em 1964, as mesmas forças voltaram-se contra João Goulart. Novamente, o movimento foi operado nas casernas e com participação decisiva da "tríplice aliança". O disparador foi o histórico Comício da Central da Brasil, em 13 de março, onde o presidente anunciou profundas reformas populares. A reação foi rápida. A oligarquia paulista e os grandes jornais insuflaram os ânimos contra a "ameaça comunista", organizando dias depois a famigerada Marcha da Família com Deus, que levou uma multidão às ruas contra Jango.

O golpe foi dado na sugestiva data de 1 de abril. E saudado no dia seguinte pela imprensa e pelo Congresso. Manchete de "O Globo": "Fugiu Goulart e a democracia está sendo restaurada". O "Estadão", como sempre, foi além: "Vitorioso o movimento democrático". Essa foi a tônica do conjunto da imprensa brasileira.

No Congresso, o senador Auro de Moura Andrade não esperou nem os tanques esfriarem para declarar vaga a Presidência da República, mesmo com Jango em território nacional. A legitimação do golpe pelo Legislativo foi completada pelo deputado Ranieri Mazzilli, que apoiou o Ato Institucional 1, passando o poder ao general Castello Branco e dando ares constitucionais à ditadura que se iniciava.

O Congresso brasileiro, portanto, tem a tradição de apoiar golpes. Os pretextos foram mudando de nome com o tempo: em 54 era o "mar de lama" ou a rua Tonelero; em 64 era o risco da "república sindicalista"; hoje se chama "pedalada fiscal". Ninguém acredita muito neles, no fundo todos sabem que as razões são de outra ordem, mas afinal é da natureza dos golpes que não se assumam como tal.

As verdadeiras razões estão quase sempre ligadas a interesses econômicos. Em 54, tratava-se de interromper o "populismo" varguista, que havia acabado de dobrar o valor do salário mínimo e nacionalizado o petróleo com a criação da Petrobras. Em 64, a questão era barrar as reformas propostas por Jango, que até hoje continuam pendentes e necessárias.

Em 2016, apesar da maior complexidade do jogo, a mão invisível também se faz valer. Apesar das sucessivas concessões feitas por Dilma após as últimas eleições, apostando que teria governabilidade com a aplicação do programa adversário, a fome do empresariado e da banca era maior. A demanda é por um programa de espoliação de direitos que fará o ajuste de 2015 parecer keynesiano.

O programa de Michel Temer é desmontar a CLT, a previdência e liquidar os investimentos sociais. O que está em questão é desfazer de uma só vez o pacto da Constituição de 88 - com sua rede de proteção social - e o pacto lulista de 2003, que inclui a agenda de programas sociais e de investimento público. Um projeto como esse jamais passaria pelo crivo das urnas. Só pode tornar-se realidade pela via golpista.

Por todas essas razões, históricas e atuais, o julgamento que se inicia hoje tem cartas marcadas. É difícil crer em outro resultado que não a cassação do mandato da presidenta Dilma, por mais irrisório que seja o pretexto das pedaladas fiscais.

É importante contudo irmos além da visão de curto prazo. Uma coisa é o julgamento político do Senado, que atende a um clamor induzido, a interesses de ocasião e até mesmo a negociatas. Outra coisa é o julgamento que será feito pela história. Neste, quanto mais evidente a farsa, maiores as chances de Dilma ser absolvida e de seus "juízes" de agora serem os condenados de amanhã.

Afinal, Getúlio é tido hoje como um dos maiores líderes políticos de nossa história. E Lacerda não é nada mais que um golpista abjeto. Jango é lembrado pelo compromisso com o povo, expresso nas reformas de base. Já os militares que o golpearam estão marcados eternamente como responsáveis por um dos períodos mais sombrio da história brasileira.

O julgamento histórico é implacável, seu tribunal não admite negociatas. Aos senadores que votarem pelo golpe, prováveis vitoriosos de hoje, lhes restará o repúdio das gerações futuras e um lugar cativo na lata do lixo da história.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Gobierno colombiano y las FARC firman acuerdo de paz


25 DE AGOSTO DE 2016
TITULARES
H3farcpeace
En Colombia, funcionarios del Gobierno y rebeldes de las FARC firmaron un histórico acuerdo de paz durante una ceremonia celebrada el miércoles en La Habana, Cuba. La firma del acuerdo es el último paso de la iniciativa para poner fin a uno de los conflictos más largos del mundo. El conflicto comenzó en 1964 y se ha cobrado alrededor de 220.000 vidas. Además, se cree que más de cinco millones de personas han sido desplazadas. El negociador de paz de las FARC Iván Márquez habló el miércoles en La Habana y celebró el histórico acuerdo.
Iván Márquez declaró: “Creo que hemos ganado la más hermosa de todas las batallas, la de la paz en Colombia. Hemos cerrado en el día de hoy en La Habana, Cuba, el acuerdo de paz más anhelado de Colombia: tierra, democracia, víctimas, política sin armas e implementación de acuerdos con veeduría internacional son, entre otros, los elementos de un acuerdo que tendrá que ser convertido, más temprano que tarde, por el constituyente primario en norma pétrea que garantice el futuro de dignidad para todos y todas”.
 http://www.democracynow.org/es/2016/8/25/titulares/colombian_government_farc_rebels_sign_peace_accords

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Medalhista Brasileiro: "A gente começou com um programa do governo federal...'

 


Em entrevista ao JN, medalhistas atribuem sucesso a programa de Lula




Na edição do Jornal Nacional, a apresentadora Renata Vasconcellos quis saber como dois atletas, Isaías Queiroz, nascido em Ubaitaba (BA), e Erlon Silva, de Ubatã (BA), começaram a praticar um esporte tão pouco conhecido, a canoagem, mesmo longe dos centros mais desenvolvidos do país.

A resposta foi um tapa com luva de pelica. "A gente começou com um programa do governo federal, o Segundo Tempo, que tinha vôlei, futebol e canoagem. Como eu gostava de água, fui para a canoagem", disse Erlon. "Mesma coisa, foi no Segundo Tempo, um programa do governo federal e do Ministério do Esporte", disse Isaquias, o maior medalhista brasileiro em todos os tempos.

O Segundo Tempo foi lançado pelo governo Lula em abril de 2003, quando ele tinha apenas quatro meses de mandato, como um instrumento de inclusão social. Naquele momento, o Brasil nem sonhava em sediar as Olimpíadas – direito conquistado apenas em 2009.

Em 2003, quando o Segundo Tempo começou, Erlon tinha apenas 12 anos. Isaquias, por sua vez, tinha apenas 9. Nenhum dois dois poderia imaginar que chegaria tão longe. 


Fonte: Brasil 247


domingo, 21 de agosto de 2016

Sem Terra acampam por quatro dias em Vitória- ES

Sem Terra em sua II Jornada Campo e Cidade, acampam por quatro dias em Vitória ES
Os manifestantes permaneceram em Vitória por quatro com as mesmas reivindicações, pois e resposta alguma por parte do Governo estadual.


A II Jornada Campo e Cidade ficaram acampadas do dia 15 até o dia 18 reivindicado a politica agrícola e ambiental, medidas estruturantes, política agrária e direitos sociais.
Participam da Jornada 14 organizações, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores/as Familiares do Estado do Espírito Santo (FETAES/STRs), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Associação de Pequenos Produtores Rurais do Estado do Espírito Santo (ASPEPRO), Comissão Pastoral da Terra  (CPT), Associação de Programa de Agricultura Alternativa (APTA), Comissão Quilombola, Conselho Nacional das Igrejas Cristãs (CONIC), Pastoral da Juventude Rural (PJR), Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), Regional das Associação. dos centros de formação em alternância do Espírito Santo  (RACEFFAES), Associações de Pequenos Agricultores e  Cooperativa da Agricultura Familiar de Vila Pavão (CAF).
Diones Albani, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) disse "a jornada de luta é muito importante, pois é um momento de reafirmação da luta por políticas públicas adequadas para a agricultura familiar e camponesa". E #ForaTemer


Imagem Jornal Século Diario

A política agrícola e ambiental:
plano de política emergencial, com a Intervenção do Governo do Estado para resolver definitivamente o endividamento dos agricultores familiares/camponeses atingidos pela maior crise hídrica do Espírito santo, com a anistia de todas as parcelas (custeio e investimento) vencidas e vincendas até 31 de dezembro de 2017, incluindo as operações prorrogadas e quitadas em 2015/2016 e refinanciamento das atividades pela seca nos financiamentos agrícolas concedidos nos últimos dois anos;
Crédito emergencial não reembolsável por família, incluindo os jovens, no valor de R$ 5.000,00 por agricultor/a concretizando o auto sustento familiar e comércio local e a garantia da aplicação do FUNSAF;

Medidas estruturantes reivindicadas são a construção de barragens de pequeno porte, que beneficiará os agricultores, famílias, assentados da reforma agrária e comunidades quilombolas;

- Construção de pequenas barragens a benefício dos agricultores famílias, assentados da reforma agrária e comunidades quilombolas;
- Programa massivo de recuperação ambiental (Ex. Programa Reflorestar) beneficiando agricultores/as familiares/camponeses;
- Garantia de ATES e ATER pública, gratuita e de qualidade de forma continuada para aos agricultores familiares/camponeses e comunidades tradicionais;
Política agrária
- Reivindicação de política pública estadual de eforma agrária – assentamento de famílias acampadas,
Garantia da continuidade e expansão da habitação rural, com atendimento imediato das demandas apresentadas – PNHR;

Direitos sociais:
- Que o governo estadual garanta continuidade e fortalecimento da educação do campo obedecendo a realidade das comunidades rurais.
- Não fechamento de nenhuma escola no meio rural.

 Participamos das duas Jornadas Campo e Cidade e entendemos a importância da integração do campo e a cidade, pois a sobrevivência de quem mora na cidade depende da produção dos alimentos oriundos do campo.
Ana Paula Perciano  é Diretora de Relações Internacionais da UNA- ES e Diretora de mídias sociais da Calles.