Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Líder do PMDB no Congresso confessa: Pedalada foi desculpa para tirar a Dilma -

Além de confessar que o Congresso não dava à Dilma os votos necessários
 para que ela não tocasse adiante nenhuma matéria no país, inviabilizando sua
 administração e paralisando a nação por capricho político (vide PSDB e 
sua dor de cotovelos por ter perdido consecutivamente as últimas eleições), 
a senadora Rose de Freitas (líder do PMDB) admitiu que não houve pedaladas
 fiscais e que o motivo do impeachment é outro.
Nas palavras dela " Por que o governo saiu? Na minha tese, não teve esse 
negócio de pedalada. Eu estudo isso, faço parte da Comissão de Orçamento..."
Em outras palavras, confessou que faz parte de um golpe!!!
Para a senadora Rose de Freitas, "não teve esse negócio de pedalada"
VIOMUNDO.COM.BR

NICOLELIS AO 247: O BRASIL ESTÁ NAS MÃOS DE UMA MÁFIA

http://verdadesoccultas.blogspot.com.br/2016/05/o-cientista-mais-importante-do-brasil.html?m=1

O Cientista mais importante do Brasil diz: o Brasil está nas mãos de uma máfia



NICOLELIS AO 247: O BRASIL ESTÁ NAS MÃOS DE UMA MÁFIA

O cientista mais importante do Brasil, Miguel Nicolelis, avalia, 
em entrevista exclusiva ao jornalista Alex Solnik, que o presidente 
interino Michel Temer é um fantoche nas mãos de dois grupos: 
"a ala de gângsters que quer escapar da Lava Lato" e ainda 
"o grupo que pretende destruir a soberania nacional"; 
ele diz que a ciência brasileira está ameaçada e critica duramente
 as medidas que estão sendo tomadas por um governo provisório, 
que vão na direção contrária ao que a população escolheu nas urnas; 
“um governo que era para ser interino, num período de transição, 
não poderia estar tomando a magnitude das decisões que está tomando 
sem ter uma legitimidade eleitoral”; leia a íntegra

Por Alex Solnik

Considerado um dos vinte cientistas mais importantes do mundo, Miguel Nicolelis é o cientista 
brasileiro número um. Detentor de um sem número de prêmios internacionais e autor de 
trabalhos publicados nas principais revistas científicas internacionais, membro da
 Academia de Ciência da França e da Academia de Ciência do Vaticano ele concebeu
 um mecanismo revolucionário através do qual um paraplégico é capaz de se movimentar
 com a força do seu pensamento, o que o tornou no brasileiro com mais chances de receber, 
nos próximos anos, um Prêmio Nobel.


Mulheres do Foro São Paulo aprovam apoio a Dilma

Liège Rocha ( Brasil ), Lety Mendez ( FMLN) e Vanda Pignato (ministra de Inclusão Social de El Salvador
Mulheres do Foro São Paulo aprovam apoio a Dilma
O 7 Encontro de Mulheres do Foro São Paulo que acontece em São Salvador, El Salvador, reuniu mulheres de 17 países da América Latina, da Europa e EEUU para debater o tema " As mulheres de esquerda e progressistas construindo o poder popular". O encontro aprovou uma carta de solidariedade as brasileiras, em especial a presidenta Dilma Roussef, diante da investida golpista para afastá-la da presidência da República. 
De acordo com a secretária nacional de Mulheres do PCdoB e integrante do comitê de direção nacional da Federação Democrática de Mulheres( Fedim), Liège Rocha, o 7 Encontro de Mulheres se posicionou em solidariedade as brasileiras que estão sob ameaça de subtração dos direitos conquistados diante da onda conservadora no país. Confira .

"Solidariedade com Dilma Rousseff e Contra o golpe que
levou ao afastamento ilegal da Presidenta


Nós representantes de vários países da América Latina e Caribe, reunidas no Encontro de Mulheres, realizado durante o 22º Encontro do Foro São Paulo, em El Salvador, de 22 a 26 de junho de 2016, preocupadas, com essa onda golpista que ataca o Brasil e outros países e governos progressistas democraticamente eleitos na América Latina, como a Venezuela, Bolívia, com acusações aos governos e seus principais líderes, numa nítida orquestração entre o imperialismo norte-americano, a grande mídia e grandes grupos econômicos, com o objetivo de desestabilizar a ordem democráticae impedir o avanço das conquistas sociais e populares alcançados na região nos anos recentes, manifestamos nossa solidariedade com as forças progressistas e democratasbrasileiras que nesse momento lutam em defesa da democracia e contra o golpe.

Manifestamos nossa solidariedade com a Presidenta Dilma Rousseff, que desempenhou papel fundamental na defesa de uma sociedade soberana e independente, que retirou da extrema pobreza milhões de brasileiras e brasileiros, abriu as portas das universidadespara negros e estudantes das escolas públicas, desenvolveu programas sociais como Minha Casa Minha Vida, que beneficiou principalmente as mulheres e defendeu uma pátria educadora com progresso para todos.
Juntamo-nos às brasileiras e brasileiros denunciando o golpe no Brasil que nos faz lembrar outros momentos históricos, na Europa e na América Latina, quando o fascismo e ditaduras militares cercearam a liberdade dos povos.
Manifestamo-nos em defesa da democracia no Brasil, da soberania dos povos e pelo desenvolvimento e da paz na América Latina, no Caribe e no mundo.
Lutamos pela emancipação das mulheres e dos povos, sem ingerências externas na perspectiva da construção de um mundo de igualdade.
El Salvador, 25 de junho de 2016.
Mulheres do Foro São Paulo

Governo( GOLPISTA) interrompe bolsas do Ciência sem Fronteiras no exterior

enfim... os coxinhas começam a pagar o pato. e não foi culpa minha...
Reportagem da Folha de S. Paulo desta segunda-feira, 27,
 mostra vários casos de bolsistas do programa
 Ciências Sem Fronteiras que tiveram a bolsa mensal…
BRASIL247.COM|POR BRASIL 24/7

Vagner adere ao debate sobre plebiscito para antecipar eleições -

Dentro do cenário apresentado, estou 
TOTALMENTE DE ACORDO

O espaço para o debate será a reunião executiva da CUT, marcada para a…
VERMELHO.ORG.BR|POR PORTAL VERMELHO

domingo, 26 de junho de 2016

Mídia estrangeira detona golpe no Brasil


Mídia estrangeira detona golpe no Brasil

por Fernando Soares Campos
Cenk Uygur, comentarista político do TYT Network TV, dos EUA, analisa o golpe de Estado em andamento no Brasil, através de reportagem de Glenn Greenwald, no The Intercept.

Recebi esse vídeo por e-mail do meu amigo Raul Longo, que por sua vez o recebeu de um amigo seu residente na Espanha, com legendas em espanhol. Resolvi traduzir para o português e publicar o áudio, ilustrando determinadas passagens com uma boa dose de humor; do que, por sinal, está repleto em todo o comentário do Cenk. Certamente o Brasil é hoje piada pronta em todo o mundo e, provavelmente, o general De Gaulle concordaria. Sério!

Ao tomar conhecimento de que Michel Temer foi condenado por abuso econômico em campanha eleitoral, ficando impedido de exercer cargo público por 8 anos, Cenk exclamou: "Puseram na Presidência um sujeito que não podia apresentar-se para trabalhar num canil municipal no Brasil!".

Realização: Assaz Atroz Reproduções
Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoons


PressAA

sexta-feira, 24 de junho de 2016

FARC: Comunicado Conjunto #75, Acordo para o Cessar-fogo e as Hostilidades Bilateral y Definitivo

Em meio ao avanço reacionario, fascista imposto por ditaduras a paises de Nuestra America, vem o que espero ser uma boa noticia:
ENFIM, a Paz.

Mas devemos nos manter vigilantes...sinceramente e particularmente, não sou muito crente que um governo com relações diretas e subordinadas ao império vai seguir fiel a este acordo.
Quantas bases militares mesmo tem a Colômbia?

FARC:
Comunicado Conjunto #75, Acordo para o Cessar-fogo e as Hostilidades Bilateral y Definitivo
La Habana, Cuba, 22 de junho de 2016
As delegações do Governo Nacional e das FARC-EP informamos à opinião pública que temos chegado com êxito ao Acordo para o Cessar-fogo e as Hostilidades Bilateral e Definitivo; a Deixação das armas; as garantias de segurança e a luta contra as organizações criminais responsáveis de homicídios e massacres ou que atentam contra defensores de Direitos Humanos, movimentos sociais ou movimentos políticos, incluindo as organizações criminais que hajam sido denominadas como sucessoras do paramilitarismo e suas redes de apoio e, a perseguição das condutas criminais que ameaçam a implementação dos acordos e a construção da paz.
O evento será encabeçado pelo Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, o Comandante das FARC, Timoleón Jiménez e, por os países garantes. Por Cuba, o Presidente Raúl Castro e, por Noruega, o Chanceler Borge Brende. Também, estarão em representação dos países acompanhantes, a Presidenta de Chile, Michelle Bachelet e, da Venezuela, o Presidente Nicolás Maduro.
A cerimônia contará com a presença, como convidado especial, do Secretário Geral das Naçoes Unidas, Ban Ki-Moon, que estará acompanhado pelo Presidente do Conselho de Segurança e o Presidente da Assembleia Geral.
Igualmente assistirá o Presidente da República Dominicana, em qualidade de Presidente da CELAC; o Presidente de El Salvador e, os enviados especiais para o processo de paz dos Estados Unidos e da União Europeia.
Os acordos dar-se-ão a conhecer amanhã a meio-dia no salão de protocolo de El Laguito.+

quinta-feira, 23 de junho de 2016

NEM VITOR NUZZI DECIFROU O ENIGMA VANDRÉ, NEM A ESFINGE O DEVOROU.

Desde 1985 Vitor Nuzzi se interessava pela trajetória do cantor e compositor Geraldo  Vandré, o principal expoente da resistência musical à ditadura militar durante os anos 60 (na década seguinte, tal papel seria desempenhado por Chico Buarque). Segundanista de Jornalismo, descobriu em 1985 o telefone do artista e disse estar querendo conversar com ele sobre um trabalho para a faculdade. 

Foi recebido no apartamento que Vandré ainda possui na rua Martins Fontes, próximo ao prédio que durante muitas décadas sediou o jornal O Estado de S. Paulo, na capital paulista. A conversa foi cordial, mas breve.

Quando Vandré se tornou septuagenário, em setembro de 2005, Nuzzi  temeu que ele mergulhasse cada vez mais no esquecimento; decidiu, então, assumir como sua a tarefa de apresentá-lo às novas gerações.

Foi um trabalho longo e abrangente como bem poucas biografias brasileiras. Entrevistou mais de 100 pessoas (inclusive esta que vos escreve), garimpou informações em 51 livros e 29 jornais/revistas. Com isto, pôde reconstituir nos mais ínfimos detalhes a história do artista.

Cheguei, em tempos idos, a indagar-lhe o que faria com tudo isto, já que Vandré dificilmente daria aval para a publicação e as biografias não-autorizadas eram um risco que as editoras não queriam assumir depois de Roberto Carlos impugnar judicialmente uma que contou verdades indigestas a seu respeito. Nuzzi disse que iria tocando seu trabalho, deixando para o final a escolha de uma linha de ação. Tinha esperança de que a liberdade de opinião e de expressão acabassem prevalecendo.
Nuzzi: algumas dúvidas subsistiram.

Acabou pagando 100 exemplares do seu bolso e distribuindo-o aos amigos, em maio de 2015. Um mês depois, contudo, o Supremo Tribunal Federal  fulminou por 9x0 a censura que figuras públicas queriam impor a quem fizesse abordagens independentes sobre elas, ao invés dos textos expurgados e bajulatórios que os Roberto Carlos da vida preferem ler.

E a odisseia de Nuzzi, depois dos mesmos 10 anos que durou a descrita por Homero, teve final feliz, com o lançamento, no final do ano, de Geraldo Vandré: uma canção interrompida (Karup, 2015, 352 p.)

É um trabalho de fôlego e muito bem escrito; tem qualidade superior, na minha opinião, à das obras congêneres de biógrafos famosos como Fernando Moraes e Rui Castro. Quem não acompanhou a trajetória de Vandré, certamente se deslumbrará. 

E mesmo os contemporâneos de sua trajetória ficarão conhecendo muita coisa nova. Recomendo enfaticamente, ainda que o autor tenha feito a ressalva de que "vão continuar misteriosos" muitos pontos obscuros acerca do exílio e comportamento posterior de Vandré.
"Ele foi um rei, e brincou com a sorte"...

Acredito, contudo, que seria impossível, mesmo com o extremo profissionalismo e detalhismo de Nuzzi (a ponto de distribuir, junto com A canção interrompida, um relato mimeografado sobre as crônicas que Vandré escreveu durante alguns meses para um jornal de Campinas, certamente porque não deu tempo para acrescentar este capítulo ao livro), decifrar todos os enigmas da vida de quem insiste até hoje em permanecer enigmático. 

Até porque Nuzzi, nascido em 1964, escreveu sobre muitas coisas de que só tomou conhecimento a posteriori. Talvez não haja, p. ex., conseguido consultar os números antigos mais cruciais do jornal Folha da Tarde, que foi um veículo simpático à esquerda até que, como um porta-voz dos patrões admitiu há cinco anos, sua linha foi diametralmente alterada em 1969, tendo a direção sido entregue "a jornalistas entusiasmados com a linha dura militar" (vários deles eram policiais)", como "uma reação da empresa à atuação clandestina, na Redação, de militantes da ALN". 

Mas, foi nesse jornal que já não existe com tal nome (teve como sucessor o Agora São Paulo) e cuja memória é geralmente identificada com o impopular papel desempenhado a partir de 1969, que acompanhei, em 1967 e 1968, episódios como o da vitória da banal Sabiá no III Festival Internacional da Canção da Rede Globo, quando a ridícula decisão de júri provocou a maior vaia da história dos festivais de MPB. 

..."Hoje ele é nada, e retrata a morte".
E foi na Folha da Tarde que tomei então conhecimento, num artigo de autoria do grande radialista Walter Silva (o Pica-Pau, falecido em 1999) desta informação abaixo, que eu aproveitaria numa longa reportagem escrita para a revista Especial em 1980:
"Walter Silva ainda foi responsável por ter deixado um gravador ligado na sala do júri do III Festival Internacional da Canção, em 1968, no Maracanãzinho, no Rio, e depois denunciar a impostura na edição de 2ª feira do jornal paulista Folha da Tarde, provando que o presidente do júri, Donatelo Grieco, pressionara seus colegas para que não premiassem músicas que fazem propaganda da guerrilha. Este alegava que, caso contrário, haveria retaliações da ditadura. Era uma referência à música Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores (ou, simplesmente Caminhando, de Geraldo Vandré".
Nuzzi obteve a confirmação de que houve mesmo pressão dos militares sobre os organizadores do festival, mas publica também declarações dos membros do júri negando terem sido pressionados. Cabe uma pergunta: pessoas famosas admitiriam que lhes faltou coragem para premiar a canção política mais importante da História brasileira, ignorando o clamor do público, como se fossem estetas numa torre de marfim? 
Walter Silva denunciou: foi mesmo marmelada!

Por toda a convivência pessoal e profissional que já tive com essa gente, eu diria que afinaram e hoje tentam salvar suas imagens. Se há algo que o jornalismo me ensinou, foi a nunca dar 100% de crédito a entrevistado nenhum.

Também é inverossímil ao extremo que os responsáveis pelo FIC, com a espinha flexível que era marca registrada dos profissionais da Globo nos anos de chumbo, tivessem ousado guardarem para si as ameaças dos fardados, torcendo para que, espontaneamente, o júri não premiasse nem a Caminhando, nem a América, América, de César Roldão Vieira (outra que a caserna impugnara). Fala sério...

Lamentavelmente, tive em mãos esse recorte da Folha da Tarde há 35 anos, mas não o possuo mais. Se armazenasse tudo que citei nos meus textos, precisaria de um quarto só para isso.
. 
SEQUESTRADO NO AEROPORTO  E INTERNADO 
POR 58 DIAS NUMA CLÍNICA CARIOCA. PARA QUÊ?

Quanto ao comportamento esquisito e errático de Vandré desde que voltou do exílio em 1973, todas as informações que Nuzzi levantou são conclusivas quanto ao fato de que Vandré não foi torturado antes de deixar o Brasil e dificilmente o terá sido na volta negociada para o País.
Tão aguardada, tão frustrante.

Estava em más condições psicológicas e com a saúde debilitada nos últimos tempos de exílio. Foi sequestrado discretamente pela ditadura no aeroporto e, um mês depois, a Globo o exibiu no Jornal Nacional como se estivesse desembarcando naquele instante.

Parece ter ficado 58 dias (antes e depois da entrevista ao JN) recebendo tratamento psiquiátrico. E, ao revê-lo em 1980 (estivera com ele em junho de 1968, quando ainda fazia correções na letra da Caminhando), papeamos durante horas no apê da rua Martin Fontes. Eis a impressão que me causou:
"Reparei que ele continuava lúcido, ao contrário das versões de que teria ficado xarope por causa das torturas. Mas, perdera a concisão e clareza. Seus raciocínios faziam sentido, mas davam voltas e voltas até chegarem ao ponto. Para entender a lógica do que ele dizia, eu precisava ficar prestando enorme atenção. Era exaustivo.
O mais importante que ele disse: estaria na mira de organizações de extrema-direita, inconformadas com o gradual abrandamento do regime.
A censura finalmente liberara Caminhando, que fazia sucesso na voz de Simone. Vandré explicou que tinha de passar-se por louco pois, se ele tentasse voltar à tona junto com a música, seria assassinado".
Entrevista ao Globo News deixou os admiradores perplexos
Ou seja, ainda não estava tão aniquilado como o veríamos, com imenso pesar, naquela entrevista concedida em 2010 ao canal Globo News.

A menos que algum militar, algum médico ou algum enfermeiro abra o bico, jamais saberemos o que aconteceu com Vandré enquanto esteve internado (rigorosamente isolado dos demais pacientes) numa clínica do bairro de Botafogo, RJ. 

Reafirmo a convicção que formei após assistir àquele melancólico programa, de que ele foi submetido a uma lavagem cerebral, A terapeuta brasileira Adriana Tanese Nogueira, radicada nos EUA, considerou plausível:
"É como se, de alguma forma, tivessem conseguido reprogramar o cantor de modo a manter sua aparente sanidade mas atuando em modo diferente
Celso Lungaretti sustenta a tese da lavagem cerebral, não em sentido amplo, mas estrito. Ela acontece quando se submete uma pessoa a uma condição de total dependência de seus carcereiros.
Adriana Tanese: mente reprogramada.
Estes controlam tudo o que a pessoa faz, desde o que e quando ela come e vai ao banheiro, até o sono e todos seus movimentos. Dá para imaginar o que isso significa? Estar totalmente à mercê do inimigo cruel?
Após um tempo assim, por instinto de sobrevivência e busca de sentido (para não ficar louca), a vítima passa do sentimento de pânico e abandono total àquele de buscar conivência com seus algozes. Se, além dos cuidados materiais pelos quais a vítima passa, são-lhe ministrados também cuidados psicológicos, tipo ensinar-lhe o que ela deve pensar e acreditar, temos um prato cheio para compreender a esquisita entrevista de Geraldo Vandré à Globo".
Já o perfil de Vandré que se depreende da enxurrada de depoimentos de pessoas que o conheceram melhor do que eu me fez perceber que era totalmente infundada a hipótese que levantei, de que ele haveria entrado (ou fingido estar) em parafuso por não estar suportando o fato de que seu comportamento diante do inimigo ficara bem abaixo da imagem que tinha de si mesmo.

Levei a sério demais a constatação de que, dos compositores engajados daquela época, ele era o único a se colocar, na 1ª pessoa, como personagem de suas letras. Todos os demais contavam histórias genéricas, tendo como heróis o morro, povo, os camponeses, os operários, Che Guevara, Zumbi, Tiradentes, etc.
Caetano também sofreu muito com o exílio

Em Aroeira, o narrador (Vandré) declara estar "escrevendo numa conta/ pra juntos a gente cobrar/ no dia que já vem vindo/ que este mundo vai mudar". E alerta os marinheiros (os colonizadores portugueses) que está próxima "a volta do cipó de aroeira/ no lombo de quem mandou dar".

Bonita é uma guarânia na qual um presumível guerrilheiro tenta explicar à sua amada que não a pode tomar naquele instante e (como poderá morrer seguindo o destino que escolheu) talvez ela só venha novamente a saber dele "se um dia encontrares alguém/ que te cante meus versos".

Há outras. A mais explícita de todas, Terra plana, traz este desafio que o combatente lança a um militar: "Se um dia eu lhe enfrentar/ Não se assuste, capitão/ Só atiro pra matar/ E nunca maltrato não/ Na frente da minha mira/ Não há dor nem solidão/// E não faço por castigo/ Que a Deus cabe castigar/ E se não castiga ele/ Não quero eu o seu lugar/ Apenas atiro certo/ Na vida que é dirigida/ Pra minha vida atirar".

A canção interrompida me fez cair a ficha: Vandré havia dado um duro danado para se tornar artista vitorioso e era exatamente isto que ele queria ser. Acreditava nos ideais da esquerda e era favorável à luta armada, mas nunca como causas às quais se pretendesse engajar como militante. Cansava de repetir que sua atuação não era partidária.

A sensibilidade de artista o levava a incluir tais fantasias em suas músicas, mas ele apenas se colocava imaginariamente no lugar dos revolucionários e dos guerrilheiros. Não queria ser uma coisa nem outra. 

Daí ter-lhe pesado tanto o fardo que passou a carregar em suas andanças de judeu errante pelo mundo: se formiga aguentaria, mas, cigarra, não estava preparado para tais rigores,  O exílio o desconstruiu antes mesmo de os militares o terem à sua mercê; e isto, certamente, lhes facilitou a tarefa de reprogramá-lo, como disse a Adriana. 

E lá se foi outra das fantasias que nos ajudavam a manter a sanidade durante aqueles anos terríveis! Ainda assim continuo lamentando —e muito!— que esse extraordinário artista tenha caído numa armadilha da História, acabando por ser destruído. 

Nunca haverá desculpa para os que fizeram desabar tamanha tempestade em cima de um músico, apenas por ele ter composto uma canção que expressou o sentimento de todo um povo. 

Como bem lembrou o Benito de Paula, "esse trapo, esse homem um dia foi um rei".
.
OS MELHORES POSTS DO "NÁUFRAGO" SOBRE O VANDRÉ (clique p/ abrir):
  1. DE COMO UM HOMEM PERDEU O SEU CAVALO E CONTINUOU ANDANDO
  2. VANDRÉ: DILACERANTE
  3. VANDRÉ: DE REI A TRAPO EM 58 DIAS
  4. AINDA SOBRE O ARTISTA MÍTICO QUE HABITA A MEMÓRIA DE SUA CANÇÃO
  5. ADRIANA TANESE NOGUEIRA: "UMA ANÁLISE DE VANDRÉ"
  6. A ÉPOCA DE OURO DA MPB 12, 34 e 5
  7. QUEM DEU SUMIÇO NO VÍDEO DO VANDRÉ, A DITADURA OU A TV RECORD?
  8. "TANTA VIDA PRA VIVER/ TANTA VIDA A SE ACABAR/ COM TANTO PRA SE FAZER/ COM TANTO PRA SE SALVAR"
  9. RARIDADE: VANDRÉ INTERPRETANDO A CANÇÃO QUE COMPÔS PARA GUEVARA.
  10. VEJA AQUI UM VÍDEO RARÍSSIMO DE VANDRÉ NO EXÍLIO